terça-feira, fevereiro 12, 2008

Timor attacks assassination, says Goff

Stuff.co.nz
Tuesday, 12 February 2008

Separate, simultaneous attacks on East Timor's President Jose Ramos-Horta and Prime Minister Xanana Gusmao bore the hallmarks of assassination attempts, Defence Minister Phil Goff said today.

Timor president injured in attack on home

Mr Ramos-Horta was shot twice, in the back and stomach, and was being flown to Australia for further surgery after being operated on in Dili, Mr Goff told reporters.

The president had been holding talks with rebel leader Alfredo Reinado, who was killed during the attack that took place about 7am local time (1100 NZT)

"We don't know quite yet all of the circumstances but the president tried to leave, he was ambushed. He was shot, we understand twice, in the back and the stomach," Mr Goff said.

It was not known whether Reinado shot Mr Ramos-Horta.

It was also not known whether men in a car outside the president's residence, who fired shots, were Reinado's men or part of another group.

One of the president's guards was also understand to have been killed, although this was unconfirmed, Mr Goff said.

While this attack was taking place, Mr Gusmao's convoy was also ambushed and shot at as he travelled to work.

He was "uninjured or at worse only slightly injured in the attack".

Mr Goff said it was not yet known who was responsible for the attacks but it was suspected those loyal to Reinado were.

Mr Goff said the body at the president's house was confirmed by ISF forces as that of Reinado, although the minister said he had another report that contradicted that.

"But the best information I have from the ISF, the international security force, is that Major Reinado was killed in the shooting and his body is in the president's residence," he said.

Reinado was understood to have been shot by presidential bodyguards.

Mr Goff said Mr Ramos-Horta was seriously injured in the attack but had maintained consciousness.

He had undergone surgery in Dili before being evacuated to Australia for further surgery.

Mr Gusmao was now safe under guard.

"The fact that the attacks took place on both the prime minister and the president suggests that these were attempts to assassinate both leaders."

The "quick reponse force" of the New Zealand Defence Force had been first on the scene after the shooting at the president's residence, and New Zealand troops had now secured that residence and the home of Mr Gusmao.

New Zealand, Australian and Portuguese troops were patrolling on the ground and calm was being maintained.

"Having said that, this is a very serious incident. It can only serve to undermine the stability and forward movement of Timor Leste," he said.

Mr Goff said a platoon of between 20 to 35 New Zealand troops was on standby to go to Dili.

"If they are needed, obviously we would respond in that way."

About 140 New Zealand service personnel plus 30 Air Force personnel for Iroquois helicopter support were on the ground in East Timor, and there were about 25 New Zealand Police deployed with the local police force there.

Mr Goff said there was a risk there could be "a reaction" from Reinado supporters.

Reinado has led a revolt against the government and is wanted on eight counts of murder following factional violence in 2006.

Mr Goff said the Timorese government had wanted to resolve the situation with Reinado peacefully and had wanted him to give himself up so he could face trial.

The ISF had been instructed not to engage with Reinado.

Late last week a ISF patrol was shot at by a group that had included Reinado. It did not return fire and had withdrawn as per instructions by the Timorese government.

In another incident in Dili last week, a hand grendade was thrown into Camp Phoenix - which houses elements of the ISF, including Australian and New Zealand defence personnel. It exploded damaging a truck but no one injured.

During factional fighting in 2006 at least 37 people were left dead. International peacekeepers, including New Zealand troops, were dispatched to restore security.

Prime Minister Helen Clark told reporters she was shocked by the attempt on Mr Ramos-Horta's life.

"Jose Ramos-Horta is someone whose been known to me and others in New Zealand for many, many years.

"We're deeply distressed at what has happened today. We're thankful that he is alive,"

Senior officials met this afternoon to assess the information they were getting from different sources, and there were contradictory and inconsistent versions of events, Miss Clark said.

"We are continuing to monitor and watch what's happening very closely."

The situation showed just how fragile security in East Timor was, she said.

"...we would certainly urge people in East Timor at this time to remain calm and not to descend into the kind of terrible trouble and carnage which has characterised the country in recent times."

-NZPA

Tradução:

Timor ataca assassínios, diz Goff

Stuff.co.nz
Terça-feira, 12 Fevereiro 2008

Ataques separados, simultâneos ao Presidente José Ramos-Horta e Primeiro-Ministro Xanana Gusmão de Timor-Leste têm as marcas de tentativas de assassinio, disse hoje o Ministro da Defesa Phil Goff.

O Presidente de Timor ferido num ataque em casa

O Sr Ramos-Horta foi baleado duas vezes, nas costas e no estômago e estava a ser levado por ar para a Austrália para mais cirurgias depois de ter sido operado em Dili, disse o Sr Goff aos repórteres.

O presidente tinha tido conversações com o líder amotinado Alfredo Reinado, que foi morto durante o ataque que ocorreu por volta das 7 am hora local (1100 NZT)

"Ainda não sabemos todas as circunstâncias mas o presidente tentou sair, e foi emboscado. Ele foi baleado, pensamos que duas vezes, nas costas e no estômago," disse o Sr Goff.

Não era sabido se foi Reinado quem baleou o Sr Ramos-Horta.

Não era também sabido se os homens num carro no exterior da residência do presidente que dispararam os tiros, eram homens de Reinado ou parte doutro grupo.

Um dos guardas do presidente é sabido que também foi morto, apesar disto não estar confirmado, disse o Sr Goff.

Enquanto ocorria este ataque, a caravana do Sr Gusmão era também emboscada e baleada quando ele ia para o trabalho.

Ele ficou "ileso ou no pior caso apenas ligeiramente ferido no ataque".

O Sr Goff disse que não se sabia ainda quer era responsável pelos ataques mas suspeita-se dos leais ao Reinado.

O Sr Goff disse que o corpo na casa do presidente foi confirmada pelas forças das ISF como sendo o de Reinado, apesar do ministro ter dito que um outro relato contradizia isso.

"Mas a melhor informação que tenho da ISF, a força internacional de segurança, é que o Major Reinado foi morto no tiroteio eque o seu corpo está na residência do presidente," disse.

É entendido que Reinado foi baleado por guardas presidenciais.

O Sr Goff disse que o Sr Ramos-Horta ficou seriamente ferido no ataque mas que manteve a consciência.

Ele foi submetido a cirurgia em Dili antes de ser evacuado para a Austrália para mais cirurgias.

O Sr Gusmão estava agora seguro debaixo de guarda.

"O facto dos ataques terem ocorrido sob ambos o primeiro-ministro e o presidente sugere que foram tentativas para assassinar ambos os líderes."

A "força de resposta rápida" da Força de Defesa da Nova Zelândia foi a primeira a chegar ao local depois do tiroteio na residência do presidente, e as tropas da Nova Zelândia estão agora a fazer segurança nessa residência e na casa do Sr Gusmão.

Tropas da Nova Zelândia, Australianas e Portuguesas estavam no terreno a patrulhar e a calma estava a ser mantida.

"Tendo dito isto, este é um incidente muito sério. Pode servir apenas para minar a estabilidade e o movimento para a frende de Timor Leste," disse.

O Sr Goff disse que um pelotão de 20 a 35 tropas da Nova Zelândia estava em estado de prontidão para ir para Dili.

"Se forem necssárias, obviamente que responderemos dessa maneira."

Cerca de 140 tropas da Nova Zelândia mais 30 membros da Força Aérea para apoio dos helicópteros Iroquois estão no terreno em Timor-Leste, e há cerca de 25 oficiais da polícia da Nova Zelândia destacados com a força da polícia local lá.

O Sr Goff disse que havia o risco de poder haver "uma reacção" dos apoiantes de Reinado.

Reinado tem liderado um motim contra o governo e é procurado por oito acusações de homicídio depois da violência de facções em 2006.

O Sr Goff disse que o governo Timorense tinha querido resolver a situação com Reinado pacíficamente e tinha querido que ele se entregasse para que pudesse enfrentar julgamento.

A ISF tem sido instruída para não se engajar com Reinado.

No final da semana passada uma patrulha da ISF foi baleada por um grupo que tinha incluído Reinado. Não respondeu ao fogo e retirou-se conforme instruções do governo Timorense.

Noutro incidente em Dili na semana passada, uma granada de mão foi atirada para o Campo Phoenix – que abriga elementos da ISF, incluindo pessoal da defesa Australiana e da Nova Zelândia. Explodiu danificando um camião mas ninguém ficou ferido.

Durante lutas de facção em 2006 pelo menos 37 pessoas foram mortas. Tropas internacionais, incluindo tropas da Nova Zelândia, foram despachadas para restaurar a segurança.

A Primeira-Ministra Helen Clark disse aos repórteres que estava chocada pelo atentado à vida do Sr Ramos-Horta.

"José Ramos-Horta é uma pessoa bem conhecida por mim e por outros na Nova Zelândia há muitos,.muitos anos.

"Estamos profundamente perturbados com o que aconteceu hoje. Estamos gratos por ele estar vivo,"

Entidades oficiais de topo encontraram-se esta tarde para avaliar a informação que estavam a obter de fontes diferentes, e houve versões de eventos contraditórios e inconsistentes, disse Miss Clark.

"Estamos a continuar a monitorizar e a observar o que está a acontecer muito apertadamente."

A situação mostrava apenas quanto frágil era a segurança em Timor-Leste, disse.

"...com certeza que urgimos ao povo em Timor-Leste nesta altura para se manter calmo e não cairem naquele tipo de problemas terríveis e de carnificina que tem caracterizado o país nos tempos recentes."

-NZPA

1 comentário:

Margarida disse...

Tradução:
Timor ataca assassínios, diz Goff
Stuff.co.nz
Terça-feira, 12 Fevereiro 2008

Ataques separados, simultâneos ao Presidente José Ramos-Horta e Primeiro-Ministro Xanana Gusmão de Timor-Leste têm as marcas de tentativas de assassinio, disse hoje o Ministro da Defesa Phil Goff.

O Presidente de Timor ferido num ataque em casa

O Sr Ramos-Horta foi baleado duas vezes, nas costas e no estômago e estava a ser levado por ar para a Austrália para mais cirurgias depois de ter sido operado em Dili, disse o Sr Goff aos repórteres.

O presidente tinha tido conversações com o líder amotinado Alfredo Reinado, que foi morto durante o ataque que ocorreu por volta das 7 am hora local (1100 NZT)

"Ainda não sabemos todas as circunstâncias mas o presidente tentou sair, e foi emboscado. Ele foi baleado, pensamos que duas vezes, nas costas e no estômago," disse o Sr Goff.

Não era sabido se foi Reinado quem baleou o Sr Ramos-Horta.

Não era também sabido se os homens num carro no exterior da residência do presidente que dispararam os tiros, eram homens de Reinado ou parte doutro grupo.

Um dos guardas do presidente é sabido que também foi morto, apesar disto não estar confirmado, disse o Sr Goff.

Enquanto ocorria este ataque, a caravana do Sr Gusmão era também emboscada e baleada quando ele ia para o trabalho.

Ele ficou "ileso ou no pior caso apenas ligeiramente ferido no ataque".

O Sr Goff disse que não se sabia ainda quer era responsável pelos ataques mas suspeita-se dos leais ao Reinado.

O Sr Goff disse que o corpo na casa do presidente foi confirmada pelas forças das ISF como sendo o de Reinado, apesar do ministro ter dito que um outro relato contradizia isso.

"Mas a melhor informação que tenho da ISF, a força internacional de segurança, é que o Major Reinado foi morto no tiroteio eque o seu corpo está na residência do presidente," disse.

É entendido que Reinado foi baleado por guardas presidenciais.

O Sr Goff disse que o Sr Ramos-Horta ficou seriamente ferido no ataque mas que manteve a consciência.

Ele foi submetido a cirurgia em Dili antes de ser evacuado para a Austrália para mais cirurgias.

O Sr Gusmão estava agora seguro debaixo de guarda.

"O facto dos ataques terem ocorrido sob ambos o primeiro-ministro e o presidente sugere que foram tentativas para assassinar ambos os líderes."

A "força de resposta rápida" da Força de Defesa da Nova Zelândia foi a primeira a chegar ao local depois do tiroteio na residência do presidente, e as tropas da Nova Zelândia estão agora a fazer segurança nessa residência e na casa do Sr Gusmão.

Tropas da Nova Zelândia, Australianas e Portuguesas estavam no terreno a patrulhar e a calma estava a ser mantida.

"Tendo dito isto, este é um incidente muito sério. Pode servir apenas para minar a estabilidade e o movimento para a frende de Timor Leste," disse.

O Sr Goff disse que um pelotão de 20 a 35 tropas da Nova Zelândia estava em estado de prontidão para ir para Dili.

"Se forem necssárias, obviamente que responderemos dessa maneira."

Cerca de 140 tropas da Nova Zelândia mais 30 membros da Força Aérea para apoio dos helicópteros Iroquois estão no terreno em Timor-Leste, e há cerca de 25 oficiais da polícia da Nova Zelândia destacados com a força da polícia local lá.

O Sr Goff disse que havia o risco de poder haver "uma reacção" dos apoiantes de Reinado.

Reinado tem liderado um motim contra o governo e é procurado por oito acusações de homicídio depois da violência de facções em 2006.

O Sr Goff disse que o governo Timorense tinha querido resolver a situação com Reinado pacíficamente e tinha querido que ele se entregasse para que pudesse enfrentar julgamento.

A ISF tem sido instruída para não se engajar com Reinado.

No final da semana passada uma patrulha da ISF foi baleada por um grupo que tinha incluído Reinado. Não respondeu ao fogo e retirou-se conforme instruções do governo Timorense.

Noutro incidente em Dili na semana passada, uma granada de mão foi atirada para o Campo Phoenix – que abriga elementos da ISF, incluindo pessoal da defesa Australiana e da Nova Zelândia. Explodiu danificando um camião mas ninguém ficou ferido.

Durante lutas de facção em 2006 pelo menos 37 pessoas foram mortas. Tropas internacionais, incluindo tropas da Nova Zelândia, foram despachadas para restaurar a segurança.

A Primeira-Ministra Helen Clark disse aos repórteres que estava chocada pelo atentado à vida do Sr Ramos-Horta.

"José Ramos-Horta é uma pessoa bem conhecida por mim e por outros na Nova Zelândia há muitos,.muitos anos.

"Estamos profundamente perturbados com o que aconteceu hoje. Estamos gratos por ele estar vivo,"

Entidades oficiais de topo encontraram-se esta tarde para avaliar a informação que estavam a obter de fontes diferentes, e houve versões de eventos contraditórios e inconsistentes, disse Miss Clark.

"Estamos a continuar a monitorizar e a observar o que está a acontecer muito apertadamente."

A situação mostrava apenas quanto frágil era a segurança em Timor-Leste, disse.

"...com certeza que urgimos ao povo em Timor-Leste nesta altura para se manter calmo e não cairem naquele tipo de problemas terríveis e de carnificina que tem caracterizado o país nos tempos recentes."

-NZPA

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.