quinta-feira, maio 03, 2007

UNMIT – MEDIA MONITORING - Thursday, 3 May 2007

National Media Reports

Lu-Olo: “Fretilin only has only one candidate”

At a press conference on Wednesday (02/05) at the Central Committee of Fretilin (CCF) in Comoro Dili, presidential candidate Francisco Guterres Lu-Olo affirmed that there is only one presidential candidate of Fretilin.

Lu-Olo questioned why Ramos Horta used Fretilin in his presidential campaign.

He explained that Horta left Fretilin in 1984, so he should not speak as a member or candidate of Fretilin. (DN and TP)

Horta discusses security issues with the political parties

Presidential candidate and Prime Minister Jose Manuel Ramos Horta held a meeting on Wednesday (02/05) at his residence with the political parties supporting him to discuss security issues during the run-off presidential election.

“It is important to prepare for incidents of intimidation especially in areas such as Viqueque, Baucau and Los palos - not only during the presidential run-off but also during the parliamentary election,” said Horta.

The meeting was attended by PSD, PD, ASDT, PMD, UNDERTIM, PST, and Fretilin ‘Reformist,’ including the youth representative from Viqueque district. (DN)

Australian forces find gun and cash in Fretilin cars: Ramos Horta

In response to the accusation by presidential candidate Jose Ramos Horta that Australian forces found weapons and cash in Fretilin’s cars during Lu-Olo’s campaign, the Fretilin campaign coordinator for Ermera district, Domingos Sarmento, said that he would bring the Australian forces to the tribunal if no evidence is found on the case. (TP and STL)

UN report on 1st round of election: Horta accuses STAE of manipulation

Presidential candidate Jose Ramos Horta reportedly said that the UN report on the first round of elections stated that there were many incidents of manipulation by STAE, the government and Fretilin. (TP)

IRI providing training to almost 700 members of political parties

A press statement from USAID on Wednesday (02/05) stated that USAID through the IRI will continually support Timor-Leste in the electoral process. Currently, it provides training to almost 700 members of political parties; 50 participants are women.

The training focuses on the development of messages, campaign strategy and internal communications.

“The trainings provide new idea on how to approach our supporters a campaign,” said a participant. (TP)

Fretilin’s leaders concerned with ISF presence

After officiating the inauguration of a library last Saturday (28/4) in Bercoli village, the Leader of the Fretilin party, Jose Maria dos Reis, said that he was concerned by the presence of the International Stabilization Forces (ISF) across the country, particularly in region I (Los palos, Baucau, and Viqueque).

He said that the ISF in the eastern region do not coordinate with local authorities. (TP)

CVA: big money, no results

According to the report from the Human Rights and Justice Association, the work of The Commission of Truth and Friendship (CVA) between Timor-Leste and Indonesia spent much money but did not achieve any major results.

CVA, which was set up to establish the truth regarding the referendum, will begin a third round of questioning today. (TP)

Resignation: Ramos Horta waiting for an official letter from CCF

Prime Minster Jose Ramos Horta said that he is prepared to resign when he receives the official letter from the Central Committee of Fretilin (CCF).

Horta said that before taking any decisions, CCF should consult with the president of the republic, Xanana Gusmão. (STL)

CNE is not impartial

Fretilin’s vice secretary-general, Jose Manuel Fernandes, observed that the CNE was not impartial during the first presidential election by only publicly declaring complaints against Fretilin. (STL)

Some candidates buying votes

CNE spokesperson Fr. Martinho Gusmão and Maria Angelina Lopes Sarmento told journalists at a press conference on Wednesday (02/05) that the National Elections Commission (CNE) received complaints from several districts, namely in Dili, Ermera, Viqueque, Suai and Manatuto, that some candidates started distributing rice and giving money to gain votes for the runoff presidential election. (STL)

HNGV will go on strike if the government does not move the IDPs

The National Hospital of Guido Valadares (HNGV) threatened to go on strike following threats to their doctors and nurses by unidentified groups.

Some windows of the hospital were destroyed and some IDPs were injured.

“It is better for us to be on strike rather than become victims of their actions. We will publicly announce this and confirm that no treatments will take place during this period,” said a doctor. (STL)

Ramos Horta questions the money found on Lu-Olo’s followers

Presidential candidate Jose Manuel Ramos Horta questioned whether the money (US$5.000) and weapons found by the ISF on Lu-Olo’s campaigners belonged to the government or Fretilin.

The Minister of Justice Domingos Sarmento said the money belonged to the government to fund several projects in Ermera, while Fretilin’s Antonio Lima claimed that the money belonged to him. (STL)

STAE violates electoral law

The Chairperson of Joint Commission Monitoring of General Election (KOMEG) Fr. Agostinho de Jesus Soares reportedly said that the attitude of the STAE Director, who did not allow entrance to the CNE commissioners, went against electoral law No. 5/2006.

Fr. Agostinho de Jesus Soares on Wednesday (02/05) said that the CNE has the authority to control the electoral process.

International Media Reports

UN to assess E. Timor poll security
Wed, 02 May 2007 12:32:02

The UN Special Representative has begun a tour of East Timor to assess security ahead of next week's runoff vote for the presidency.

Atul Khare will meet with local officials in areas where unrest and intimidation of voters were reported during the presidential poll last month, the mission said in a statement, AFP reported on Tuesday.

A runoff between Nobel laureate Jose Ramos-Horta and Parliament Speaker Francisco Guterres is scheduled for next Wednesday after neither candidate gained a majority of the vote in the April 9th election.

"In particular, the Special Representative of the Secretary General will visit districts that reported incidents of violence or intimidation, as well as those that experienced lower voter turnout during the first round," a UN statement said.

The election, the first in this troubled nation since it gained independence in 2002, was hailed as peaceful with high turnout of voters except in areas where there were isolated reports of intimidation.

Australian led foreign peacekeepers have been on the streets for almost a year after unrest between factions of the military and police descended into gang violence that killed 37 and forced 150,000 to flee their homes. AS/NDJ/BGH

East Timor troops find gun, cash in Fretilin cars: Ramos-Horta
May 3, 2007: Last updated 07:35 pm (Thai local time)

Source: The Nation

Dili - Foreign troops securing East Timor found a gun, other weapons and cash in a convoy of cars carrying ruling Fretilin party officials Wednesday, presidential candidate Jose Ramos-Horta claimed.

Ramos-Horta made the comments as the campaign intensified between the Nobel laureate and his opponent, Fretilin candidate Francisco Guterres, ahead of a second round of voting next week for president of the troubled country.

Ramos-Horta, currently the prime minister, said he had been briefed on the discovery by Brigadier Mal Rerden, the head of the Australian-led peacekeeping force that has been restoring security in East Timor for almost a year.

He told reporters that Justice Minister Domingos Sarmento was in one of the cars, which were all heading to a Fretilin campaign rally.

"The ISF (International Stability Force) was doing their job, manning a checkpoint before a Fretilin rally, and in one of the cars an automatic firearm was found," Ramos-Horta said.

Another car was found with 5,000 dollars in cash, he said, adding that arrows and slingshots were also found. He said Sarmento told the troops that the money was to be used for ministerial projects.

Sarmento and Brigadier Rerden could not immediately be contacted for comment on the claims.

Either Ramos-Horta or Guterres won an absolute majority in the April 9 election for president, prompting the runoff next Wednesday.

The election is the first since impoverished East Timor won independence in 2002, following a bloody split from occupying Indonesian forces.

Several thousand peacekeepers have been patrolling the streets since unrest last year descended into gang violence that left 37 people dead and forced 150,000 more to flee their homes.

Ramos-Horta said he would seek clarification of the incident, in his capacity as prime minister, when official campaigning ended on May 7. AFP

Former Jakarta army chief to testify on Timor

Published: Wednesday, 2 May, 2007, 08:37 AM Doha Time

JAKARTA: Indonesia’s former military chief, blamed by critics for failing to quell a wave of violence in East Timor after it voted to break away from Jakarta in 1999, is due to testify on Saturday at a truth commission probing the mayhem.

General Wiranto was armed forces commander when pro-Jakarta militiamen went on a violent rampage before and after East Timorese voted for independence in August 1999.

The Commission of Truth and Friendship set up by Indonesia and East Timor to establish the truth of what happened around the referendum is to open a third round of questioning today.

Commission co-chairman Benjamin Mangkoedilaga said Wiranto would have the chance to tell his side of the story on Saturday.

“This is a good opportunity for him. I’m sure he will not pass this up,” Mangkoedilaga told a news conference.

Human rights groups say Wiranto was at least morally responsible for the violence and should face justice.

Wiranto has denied this, saying he did his best to stop the violence.

The commission has no power to punish those responsible or recommend prosecution.

Wiranto stood unsuccessfully in Indonesia’s 2004 presidential elections and is expected to run again in 2009. He has set up a new party called Hanura.

The UN estimates that about 1,000 East Timorese died during the post-vote mayhem, which was blamed largely on pro-Jakarta militias backed by elements of the Indonesian army. Indonesia invaded East Timor in 1975 at the end of Portuguese colonial rule and annexed the territory later that year, maintaining a heavy and sometimes harsh military presence as it fought rebels for more than two decades.

East Timorese voted overwhelmingly to split from Indonesian rule but some pro-Jakarta voters and officials argued that the referendum had been rigged by the United Nations, although independent observers concluded the ballot was largely fair.

Militia leader Eurico Guterres, the only person jailed in Indonesia for the violence, is serving a 10-year sentence at a Jakarta prison.–Reuters

Police powerless to stop E Timor violence

From correspondents in Jakarta
May 03, 2007 04:16am
Article from: Agence France-Presse

A FORMER East Timor police chief cried as he told a commission today that he was powerless to prevent deadly violence from raging in the country during its 1999 vote for independence.

Hulman Gultom said that poorly equipped military police refused to try to stop the deadly clashes between groups backing Indonesia, which had occupied East Timor, and pro-independence factions.

"They said they were only equipped for riot control, while the masses had machetes and arrows," he said at the Indonesia-East Timor commission, which is looking into the unrest during that troubled time.

Breaking down in tears, Mr Gultom said he and some of his volunteer officers, who also lacked proper weapons, had decided anyway to go out onto the streets and try to break up the brutal beatings and riots that were occurring.

"It was only my fear to God that brought me to do it, they are all family, whether they are pro-integration or pro-independence," said Mr Gultom, who was police chief in East Timor's capital, Dili.

"I don't want to remember what happened, if we are serious about friendship we should forget this dark period in our lives and move on," he said as he sobbed.

The 10-member commission, setup in 2005, has been sitting in towns and cities in Indonesia and East Timor since February to hear from witnesses to the violence.

Modeled along lines similar to South Africa's post-apartheid Truth and Reconciliation Commission, it aims at reconciliation rather than recrimination.

Militia gangs, which the UN has said were recruited and directed by Indonesia's military, went on an arson and killing spree before and after the East Timorese voted for independence in the 1999 UN-sponsored ballot.

They killed about 1400 people and laid waste to much of the infrastructure in the half-island, which was a Portuguese colony before Indonesia invaded it in 1975.

Eighteen people are scheduled to testify this week at the commission sitting in Jakarta, including former military chief General Wiranto and East Timorese provincial police Inspector General Timbul Silaen.

An Indonesian rights court set up to try military officers and officials for atrocities in East Timor were widely condemned as a sham for failing to jail any Indonesians.

The Advertise/Sunday Mail

Lu Olo pede que Ramos Horta declare imediatamente o seu património

Francisco Guterres Lu Olo for President
“Serei Presidente de todos e para todos”

Comunicado de Imprensa
3 de Maio de 2007

O Candidato presidencial da FRETILIN, Francisco Guterres ”Lu Olo” afirmou hoje que o seu opositor Ramos Horta está a fugir às suas obrigações morais de apresentar por escrito uma declaração com o seu património.

Lu Olo, que declarou por escrito o seu património há dez dias, em 23 de Abril, disse que Ramos Horta deveria declarar por escrito todas as suas fontes de receita, património, e negócios incluindo os que possa ter com estrangeiros.

Lu Olo disse:” Ramos Horta deve declarar por escrito todo o seu património de forma a que o povo de Timor-Leste possa estar informado antes de escolher quem deverá ser Presidente da República.”

“Eu não compreendo porque Ramos Horta se recusa a declarar por escrito os seus interesses pecuniários como eu fiz. O que é que Ramos Horta está a tentar esconder ao povo de Timor-Leste?”

“Terá ele medo de que revelando o seu património por escrito, o Povo de Timor-Leste chegue á conclusão que ele está comprometido com qualquer coisa?”

“Em contraste comigo, Ramos Horta limitou-se a fazer uma declaração verbal de apenas uma parte do seu património”

“Ele não divulgou alguns dos seus bens nem qualquer montante recebido de várias fontes de rendimento, incluindo honorários, que ele admitiu receber dos seminários que fez em universidades enquanto membro do governo em missão de serviço ”.

“Ele deveria também confirmar se tem ou não uma participação em negócios - incluindo interesses num barco em Díli - com o homem de negócios australiano, Sr. Wayne Thomas que tem estreitos laços com o Sr. Shane Stone, antigo presidente do Partido Liberal Australiano com ligação ao governo de Howard”.

“Horta também não declarou as suas contas bancárias .”

“Haverá mais alguma coisa que Ramos Horta não tenha declarado?” perguntou Lu Olo.

Lu Olo ridicularizou as declarações de Horta para a imprensa de Díli segundo as quais ele teria dito que divulgaria o seu património depois de ser eleito Presidente.

“ Isso será, com certeza, tarde de mais. Isso deveria ter sido feito no inicio da campanha de modo a dar tempo ao povo para questionar a declaração” disse Lu Olo.

“Assinar uma declaração de património é uma questão de integridade e transparência. Ramos Horta não se deve esconder atrás do facto de não existir lei que obrigue a fazer esta declaração. Eu apoio as ONG’s nacionais que pediram a Ramos Horta para fazer uma declaração franca e completa do seu património.”

Lu Olo disse que Ramos Horta recusa-se a fazer uma declaração por escrito, mas ao mesmo tempo, acusa-lhe com informações falsas e incompletas sobre o seu património.

“Eu declarei todo o meu património no dia 23 de Abril de 2007. Eu não tenho outros bens. Eu fui transparente. Posso responder a quaisquer perguntas”

“Contrariamente às declarações falsas de Ramos Horta, eu não recebo nenhuma pensão de Portugal, nem possuo uma moradia. A casa da minha familia em Ossú, foi construída pela minha família, é modesta e não pode ser descrita como uma mansão mesmo pelos padrões timorenses. Ramos Horta vive numa mansão e possui, pelo menos, uma residência na Austrália.”

“Eu fiz a minha declaração de património no início da campanha como um acto voluntário e unilateral de transparência. Estou feliz por este assunto ter levantado tanto interesse. Sinto que atingi o meu objectivo e iremos legislar sobre este assunto para garantir transparência no futuro.”

“Leis em vigor, tais como as leis sobre o Petróleo e sobre o Fundo do Petróleo demonstram a disposição do Governo da FRETILIN em revelar o património do Estado”.

Para mais informações, contacte com:
Harold Moucho (assessor político de Lu Olo) (+670) 723 0048
José Manuel Fernandes (reprezentante oficial de Lu Olo para as eleições) (+670) 734 2174


(Tradução da Margarida)


O Primeiro-Ministro, José Ramos Horta ameaçou hoje as forças internacionais para pararem as suas operações contra o major Alfredo Reinado senão declarará ao mundo que não concorda com esta operação.

Ramos Horta sublinhou isto numa conferência de imprensa que fez na sua residência na Areia Banca Dili, na Sexta-feira (27/4).

“Não tenho poderes nenhuns nessas operações mas o fórum trilateral já propôs responsabilizar-se por este diálogo e o embaixador Australiano também aceitou encontrar-se comigo no meu escritório para falar em relação a isto,” disse Horta.

“Mas eu disse às forças internacionais que se não pararem com estas operações que direi ao mundo que estou descontente com estas operações,” sublinhou Horta.

Horta sublinhou ainda, que discordava também porque Alfredo já contactou com o Procurador-Geral da República para entrar em diálogo mas até agora as operações ainda estão em curso.

Ao relação (ao facto) de o Primeiro-Ministro em exercício Estanislau da Silva ter rejeitado a cessação das operações das Forças Australianas contra Alfredo por causa disso não ter sido discutido no Conselho de Ministros e de não ter recebido nenhuma carta oficial, Horta declarou que considerava essas afirmações sem valor porque ele estava a falar de uma coisa e o Primeiro-Ministro em exercício referia-se a outra.

“Tem de haver diálogo para Alfredo falar a verdade através do sistema de justiça e quando ele se entregar ao sistema de justiça o Estado tratá-lo-á com dignidade e dar-lhe-á a segurança necessária para crias as condições para o diálogo,” disse Horta.

Acrescentou ainda, que o Presidente da República tem de dar a decisão oficial às forças internacionais e que terá de discutir isso com o fórum trilateral de modo a haver paz e que não acredita que a operação continuará.

Há gente que disse que para se resolver esta crise que Xanana e Horta terão de sair dos seus cargos mas Ramos Horta disse que não foi ele quem deu as ordens para distribuir as armas ao Railos. Se as pessoas acreditam que Mari Alkatiri e os seus amigos podem resolver a crise que escolham então Lu Olo nas eleições Presidenciais e escolham a FRETILIN nas eleições Parlamentares.

“Mari pode dizer que pode consertar este país mas não pode dizer que Ramos Horta é o autor desta crise mas isto depende do povo,” explicou.

Declarou ainda que se encontrou com Xanana e que ele concorda 100% em parar a operação, (que) o Presidente da República respeita também a sua opinião e que por causa disso ele vai tentar falar com o Brigadeiro Mal Rearden.

“Apesar de não ter os poderes tenho o direito de expressar a minha opinião que quero dialogar e que depois a operação tem de parar,” explicou Horta.

Disse também que a justice não está nas mãos do Primeiro-Ministro mas que o governo o tratará muito bem com dignidade e todo o tipo de segurança.

Timor-Leste, Indonésia e complexidades morais

(Tradução da Margarida)
The Jakarta Post

Franz Magnis-Suseno SJ, Jakarta

Na Terça-feira, Aboeprijadi Santoso expôs a hipocrisia moral que rodeia as audições em curso da Comissão Conjunta Indonésia-Timor-Leste para a Verdade e Amizada (CVA). Os factos a que aludiu estão acima de disputas. E a sua indignação moral parece apenas demasiadamente adequada. O escritor conclui que "a verdadeira amizade não deve ser baseada em mentiras para encobrir a verdade e perpetuar a impunidade".

Mas as coisas são na verdade tão simples assim? Quando a Indonésia e Timor-Leste estabeleceram conjuntamente a CVA fizeram-no não apenas em nome de verdade e amizade mas por causa de considerações políticas sérias. E com toda a razão. Porque como sublinha o filósofo Alemão Bernhard Sutor, a qualidade ética de uma decisão política não é medida por princípios de pura moral, mas pelas melhorias que realisticamente se podem esperar serem alcançadas por ela.

Ambos os líderes da Indonésia e de Timor-Leste reconheceram que a tarefa mais importante que enfrentavam não era compensação pelos crimes terríveis cometidos pela Indonésia de 1975 a 1999, mas o estabelecimento de relações normais, duradouras e positivas entre os dois países.

Os líderes Timorenses obviamente perceberam o que alguns estrangeiros moralmente indignados não perceberam : que a cessação de Timor-Leste foi um evento traumático não apenas para Timor-Leste, mas também para a Indonésia. Durante 24 anos Indonésios lutaram no Leste de Timor "para o bem da nação ". As famílias de muitos milhares de soldados caídos consolavam-se a si próprias com a ideia de que tinham morrido por uma causa justa. A oferta do referendo para a independência dos Timorenses pelo Presidente B.J. Habibie, corajosa mas completamente inesperada apanhou os Indonésios e obviamente os militares completamente de surpresa.

O resultado do referendo envergonhou seriamente a Indonésia. Envergonhar mais com a exposição dos crimes dos militares da Indonésia perante os olhos do mundo teria alienado a Indonésia de Timor-Leste por muito tempo e poderia mesmo resultar num retrocesso violento (lembro-me de um motorista de táxi Balinês dizer-me entusiasmado em Setembro de 1999 que estava pronto para ir para a guerra contra a Austrália).

Pensando mais tarde, pode-se perguntar porque é que os militares não usaram as suas milícias Timorenses para sabotar o referendo, o que teria sido bastante fácil. Pensavam mesmo na verdade que os Timorenses não votariam pela independência? Estavam de facto preparados para obedecer ao presidente, apesar de enraivecida e vingativamente?

De facto, a execução do referendo não foi obstruída significativamente. Houve, em 1999, duas vagas de violência especial, primeiro em Abril e depois o caos após a (prematura) publicação dos resultados do referendo. Ambas parecem terem sido mais a expressão de fúria e de ressentimento (o perigoso estado mental a que os Indonésios chamam keki ou dendam) do que actos de insubordinação.

Lembro-me de um chefe de milícia Timorense, penso que era Eurico Guterres, a dizer na televisão cerca de uma semana antes do referendo, que, caso houvesse uma maioria de votos pela independência, que ele garantia que nada que tivesse sido construído durante a governação pela Indonésia ficava em pé. E assim o fizeram. A devastação assassina de partes enormes de Timor-Leste foi na verdade uma expressão do ressentimento profundo sentido pelos militares Indonésios.

Mas há um ponto que tem sido completamente ignorado pela comunidade internacional que está a castigar a Indonésia por arrastar os pés para levar à justiça os perpetradores dos massacres e destruições pós-referendo. Nomeadamente que desde que os Indonésios retiraram em 1999 não ter havido um único exemplo sério de a Indonésia ou os seus militares tentarem criar problemas aos seus vizinhos do Leste.

Teria sido tão fácil. Lembram-se como em 1975 a Indonésia usou uma Guerra civil sangrenta e viciosa entre Timorenses – dezenas de milhares de Timorenses tinham fugido para território Indonésio – para intervir? Menos de oito anos depois de se libertar da Indonésia há, neste preciso momento, mais de 20,000 Timorenses a viverem em campos de refugiados – que, outra vez, tiveram de fugir dos seus próprios irmãos.

A aceitação da independência de Timor-Leste depois de 1999, e o facto de a Indonésia, incluindo os "negros" militares Indonésios, não tentarem usar os crescentes problemas internos de Timor-Leste para se vingarem eles próprios e desestabilizarem o país é um notável feito de responsabilidade.

Os líderes de Timor-Leste reconheceram este facto como da mais alta importância política para o seu país. Perceberam que a única coisa absolutamente a não fazer era levar a Indonésia, ou os militares da Indonésia ou alguns dos seus membros mais importantes a não se envergonharem outra vez.

por isso, concordaram na montagem da CVA na forma presente. Lamentar o âmbito limitado da comissão em nome da justiça ao mesmo tempo que se faz vista grossa da situação extremamente delicada em que se encontram a Indonésia e Timor-Leste, cheira-me a demasiadamente fácil auto-rectidão. Ainda não é a altura certa para abrir as profundezas da desumanidade deixadas por detrás da ocupação de Timor-Leste.

É sempre necessário tempo para se aceitar a verdade completa da história de cada um. A Indonésia ainda não foi capaz de enfrentar a verdade completa em relação aos acontecimentos de 1965 e de 1966, de 1998 (os motins em Jacarta com os mesmos números de mortes em três dias como em Timor-Leste em Setembro de 1999) e de muitas outras ocasiões. Mas este não é, de modo algum, um privilégio da Indonésia.

Os Japoneses não foram ainda capazes de reconhecer os crimes terríveis que cometeram entre 1930 e 1945 no Leste e no Sudeste da Ásia. Os Chineses estão calados sobre o anormal grau de desumanidade sob Mao-Zedong. No Cambodia os Khmer Vermelhos provavelmente nunca serão levados à justice pelo genocídio contra o seu próprio povo.

Mesmo em França, o povo e o governo ainda estão relutantes, mais de 60 anos depois dos acontecimentos, a reconhecer que muitos Franceses entregaram de bom grado judeus Franceses aos Alemães. E Checos e Polacos -- que, na verdade, sofreram bastante sob a Alemanha Nazi – ainda não querem reconhecer que, depois da II Guerra Mundial, cometeram atrocidades durante a expulsão de muitos milhões de Alemães.

Por isso, a CVA pode ficar aquém das exigências de alguns moralistas, mas nas condições prevalecentes é provavelmente o máximo a que se pode chegar. Ajudar os Indonésios a aceitar a existência de Timor-Leste é um serviço real que se presta a ambos os países.

O autor, um padre Jesuita, é professor na Escola de Filosofia Driyarkaraem Jacarta.


JORNAL DIARIO 30 APRIL 2007 (Daily Journal)

Prime Minister, José Ramos Horta today threatened the international forces to stop its operations against Major Alfredo Reinado otherwise he will declare to th world that he does not agree with this operation.

Ramos Horta highlighted this at a press conference he held on Friday (27/4) at his residence at Areia Banca Dili.

“I do not have any powers on these operations but the trilateral forum already proposed to undertake dialogue and because of this Australian ambassador also accepted to meet me in my office to speak regarding this,” Horta said.

“But I said to the international forces that if you don’t stop these operations I will tell the world that I am dissatisfied with these operations,” Horta pointed out.

Horta also highlighted, that he also disagreed because Alfredo has already contacted the Prosecutor General of the Republic to enter into dialogue but until now the operations are still ongoing.

In relation to the Acting Prime Minister Estanislau da Silva who rejected the cessation of the Australian Forces’ operations against Alfredo because it had not been discussed in Council of Ministers and he has not received an official letter, Horta declared that he considered these statements as being of no value because he was speaking on something else and the Acting Prime Minister was referring to something else.

“There must be dialogue in order for Alfredo to speak out about the truth though the justice system when he surrenders himself to the justice system the state will treat him as person with dignity and will provide him with the security needed to create the conditions for dialogue,” Horta said.

He added also, the President of the Republic has to deliver an official decision to the international forces and will have to discuss it with the trilateral forum in order for there to be peace and he does not believe that he operation will continue.

There are some people who have said that in order to resolve this crisis Xanana an Horta will have to step down from their positions but Ramos Horta said e was not the one who gave order to distribute weapons to Railos. If the people believe Mari Alkatiri and his friends that they can resolve the crisis then choose Lu Olo in the Presidential elections and choose FRETILIN for the parliamentary elections.

“Mari can say he can fix this country but do not say Ramos Horta is the author of this crisis but that depends on the people,” he explained.

He also declared that he has met with Xanana and he agrees 100% to stop the operation, the President of the Republic also respects his opinion and because of this he will seek to speak to speak with Brigadier Mal Rearden.

“Despite not having the powers I have the right to express my opinion that I want to dialogue then the operation has to stop,” Horta explained.

He also said, that justice was not in the hands of the Prime Minister but the government would treat him well with dignity and all forms of security.

Dos Leitores

Comentário na sua mensagem "HORTA, LONGUINHOS e RAILÓS":

E a respeito das leis de TL diz o Estatuto do Ministério Público que o Procurador-Geral da República é nomeado pelo PR, ouvido o Governo ( o que não aconteceu, pois o Xanana não deu cavaco ao Alkatiri e nomeou-o). Para além disso , a nomeação deve ser feita de entre individualidades de reconhecido mérito. Ora o Longuinhos que estava a fazer a formação que está em curso em TL para magistrados, procuradores, defensores e advogados foi dos primeiros a desistir da formação, pelo que qq um dos timorenses que com ele trabalham hoje tem mais formação que ele. Qual é o mérito que se lhe reconhece?

Eu digo-vos qual é o mérito que o PR lhe reconheceu: no relatório da Comissão Independente da ONU sobre a crise em Timor está lá escrito "preto no branco" que o PGR Longuinhos declarou que sendo nomeado pelo PR estava sujeito às instruções que este lhe desse. A recomendação da Comissão para que isto fosse investigado caiu em saco roto.

Timor Leste, Indonesia and moral complexities

The Jakarta Post

Franz Magnis-Suseno SJ, Jakarta

On Tuesday, Aboeprijadi Santoso exposed the moral hypocrisy surrounding the ongoing hearings of the Joint Indonesia-Timor Leste Commission for Truth and Friendship (CTF). The facts he alluded to are above dispute. And his moral outrage seems only too appropriate. The writer concludes that "real friendship should not be based on lies to cover the truth and perpetuate the impunity".

But is it really that easy? When Indonesia and Timor Leste jointly established the CTF they certainly did it not merely for the sake of truth and friendship, but because of serious political considerations. And rightly so. Because, as the German philosopher Bernhard Sutor points out, the ethical quality of a political decision is not measured by pure moral principles, but by the improvement that realistically can be hoped to be achieved by it.

Both Indonesia's and Timor Leste's leaders recognized that the most important task they faced was not retribution for the terrible crimes committed by Indonesia from 1975 to 1999, but the establishment of normal, enduring, positive relations between the two countries.

East-Timorese leaders obviously realized what some morally outraged foreigners overlooked: That the cessation of Timor Leste was a traumatic event not only for Timor Leste, but also for Indonesia. For 24 years Indonesians had fought in East Timor "for the sake of the nation". The families of many thousand of fallen soldiers consoled themselves with the idea that they died for a noble cause. President B.J. Habibie's courageous, but completely unexpected offer of a referendum on independence for the East-Timorese took Indonesians, and of course the military, completely by surprise.

The result of the referendum shamed Indonesia severely. Additional shaming by exposing the crimes of Indonesia's military openly before the eyes of the world would have alienated it from Timor Leste for a long time and could have even resulted in a violent backlash (I remember a Balinese taxi driver telling me enthusiastically in September 1999 that he was ready to go to war against Australia).

On afterthought one wonders why the military did not use their East Timorese militias to sabotage the referendum, which would have been easy enough. Did they really believe that the East-Timorese would not vote for independence? Were they actually prepared to obey their president, although grudgingly and vengefully?

In fact, the execution of the referendum was not significantly obstructed. There were, in 1999, two waves of special violence, first in April and then the mayhem following the (premature) publication of the results of the referendum. Both seem to have been more the expression of fury and resentment (the dangerous mental state Indonesians call keki or dendam) than acts of insubordination.

I remember an East Timorese militia chief, I believe it was Enrico Guterres, saying on television about a week before the referendum, that, should a majority vote for independence, he would make sure that nothing of what was built during Indonesia's reign would remain standing. And this they did. The murderous devastation of large parts of Timor Leste was indeed an expression of the deep resentment felt by the Indonesian military.

But there is a point that has been completely ignored by the international community that is chastising Indonesia for dragging its feet on bringing the perpetrators of the post-referendum havoc to justice. Namely that since the Indonesian pull-out in 1999 there has been not a single serious instance of Indonesia or its military trying to make trouble for their eastern neighbor.

It would have been so easy. Remember how in 1975 Indonesia used a bloody, vicious civil war among the East Timorese -- tens of thousand East Timorese had fled into Indonesian territory -- for intervention? Less than eight years after becoming free from Indonesia there are, at this very moment, more than 20,000 East-Timorese living in refugee camps -- who, again, had to flee from their own brethren.

The acceptance of Timor Leste's independence after 1999, and the fact that Indonesia, including "black" Indonesian military, did not try to use Timor Leste's growing internal troubles to avenge themselves and to destabilize the country is a remarkable feat of responsibility.

The leaders of Timor Leste recognized this fact as of highest political importance for their country. They understood that the only thing absolutely not to do was make Indonesia, or Indonesia's military, or some of its most important members, lose face again.

Therefore they agreed to setting up the CTF in the present form. Lamenting the limited scope of the commission in the name of justice while overlooking the extremely delicate situation Indonesia and Timor Leste find themselves for me smacks of all too easy self-righteousness. Time is not yet right to open up all the abysses of inhumanity left behind by the Indonesian occupation of Timor Leste.

Coming to terms with the full truth of one's own history always needs time. Indonesia has not yet been able to face the full truth regarding of the happenings in 1965 and 1966, in 1998 (the Jakarta riots with the same number of deaths during three days as in Timor Leste in September 1999) and many other occasions. But this is in no way a privilege of Indonesia.

The Japanese still have not been able to acknowledge the terrible crimes they committed between 1930 and 1945 in East and Southeast Asia. The Chinese are silent on the abnormal degree of inhumanity under Mao-Zedong. In Cambodia the Khmer Rouge will probably never be brought to justice for their genocide on their own people.

Even in France, the people and government are still reluctant, more than 60 years after the fact, to acknowledge that many French willingly surrendered French Jews to the Germans. And Czechs and Poles -- who, indeed, suffered terribly under Nazi Germany -- are still not willing to acknowledge that, after the World War II, they committed atrocities during the expulsion of many millions of Germans.

Thus, the CTF may fall short of the demands of some moralists, but under prevailing conditions it is probably the maximum that could be achieved. By helping Indonesians to accept Timor Leste's existence it does both countries a real service.

The author, a Jesuit priest, is a professor at the Driyarkara School of Philosophy in Jakarta.

Lu Olo Congratula Todos Os Trabalhadores Timorenses

Blog Lu-Olo Ba Presidente - Comunicado de Imprensa - 1 de Maio de 2007
Francisco Guterres Lu Olo para Presidente - “Serei Presidente de todos e para todos”

O candidato presidencial da FRETILIN, Francisco Guterres Lu Olo, apelou a todo o povo de Timor-Leste para celebrarem o Dia do Trabalhador em honra do trabalho de toda a nação na construção de país independente mais novo do mundo.

“Para construir um país independente a partir das cinzas da guerra e ocupação coloniais, é necessário um trabalho de várias gerações”, disse Lu Olo. “Este não é um trabalho de uma só geração, mas sim de várias. Este trabalho de construção de uma nação independente requer paciência, coragem e compromisso, de cada um e de todos nós. Hoje, precisamos erguer-nos e estar orgulhosos do que já fizemos juntos.”

“Não devemos permitir que a crise dos últimos 12 meses, que ocorreu com mais impacto em Dili, nos cegue sobre os factos dos enormes progressos efectuados desde 2002,” disse Lu Olo.
“Devemos também usar o dia de hoje para lembrar que nada pode ser construído sem trabalho. Não existem soluções simples e rápidas para ajudar um país a sair da pobreza. O nosso próprio trabalho, como Timorenses, é a única coisa que irá garantir a nossa independência e prosperidade. Trabalhando juntos, os timorenses podem alcançar segurança e prosperidade. Nós precisamos aprender a trabalhar novamente em conjunto, como fizemos durante a resistência, ajudando uns aos outros e nos apoiando. Mas, nós devemos partilhar igualmente o melhor das nossas habilidades.

Nós não devemos deixar-nos cegar pelo falsa promessa de prosperidade, mas sim devemos trabalhar eficazmente, de acordo com planos aceites mutuamente, e atingir os nossos objectivos.
“Eu quero reconhecer os 17,000 funcionários públicos que estão a realizar um trabalho vital ara construir as instituições básicas da nossa nação. Isto inclui os nossos empregados públicos, professores, profissionais de saúde, polícia e soldados das F-FDTL. Eu quero reconhecer o trabalho das pessoas das pequenas empresas, e das pessoas do sector privado. E não devemos esquecer o trabalho de todas as milhares de mulheres nas suas casas, cuidando das crianças e muitas das tarefas importantes do dia-a-dia.

“Mas, acima de tudo, quero honrar o trabalho das 225,000 pessoas que trabalham na agricultura e pesca de subsistência, nas áreas rurais. Essas pessoas são a coluna vertebral do nosso país, assim como foram a coluna vertebral da nossa luta pela independência. Essas pessoas trabalham arduamente, todos os dias, por longas horas, e recebem pouco. Essas são as pessoas a quem devemos dar prioridade. Não com ofertas e falsas caridades, mas sim construindo as suas capacidades e das suas crianças para produzirem mais para eles próprios, para que possam gozar uma verdadeira independência.

Nós já temos um plano de desenvolvimento nacional para guiar o nosso trabalho. Nós temos prioridades, debatidas e aprovados pelo Parlamento Nacional. Agora não é o tempo para mudar o seu curso, para desistir do que já foi alcançado e tentar algo diferente.

O maior problema que nós enfrentamos é de como encontrar trabalho produtivo para os milhares de jovens que deixam as escolas, todos os anos. Muitos vêm para Dili, com a esperança de encontrarem trabalho, e ficam desapontados. Devemos encontrar meios para engajá-los em trabalhos de desenvolvimento rural e precisamos ajudá-los a construir novas habilidades, que iremos precisar para tornar a nossa economia mais produtiva e mais sustentável.

No Dia do Trabalhador, nós honramos o trabalho de cooperação, e podemos usar este dia para pensar em formas de cooperação para produzir o que é necessário, para alcançar a própria subsistência, e para reduzir a nossa dependência para com outros países. Nós já temos muitas cooperativas a serem formadas em zonas rurais.

A nossa constituição garante:

1. O direito ao trabalho, independente do sexo, com direito a escolher uma profissão.

2. O direito a um local de trabalho seguro e higiénico, com remuneração e férias.

3. Protecção contra despedimentos sem justa causa ou por razões políticas, religiosas ou ideológicas. 4. Trabalho forçado é proibido.

5. Direito a manifestar-se contra encerramento dos locais de trabalho.

6. Direito de se organizar para promover e proteger os sues próprios interesses e direitos.

“Eu fui Presidente da Assembleia Constituinte que garantiu na constituição estes direitos para os nossos trabalhadores, e a FRETILIN e eu próprio iremos sempre lutar para preserva-las contra as tendências, de alguns da nossa sociedade, para derrogarem-nas”, afirmou Lu Olo.

Para mais informações, contacte:
Harold Moucho (Assessor politico de Lu Olo) (+670) 723 0048 (Dili)
José Manuel Fernandes (Representante Oficial para CNE) (+670) 734 2174 (Dili)
Blog Lu-Olo Ba Presidente - Comunicado de Imprensa - 2 de Maio de 2007
Francisco Guterres Lu Olo para Presidente - “Serei Presidente de todos e para todos”
Lu Olo diz a Horta: Só existe um candidato da FRETILIN
O candidato da FRETILIN, Francisco Guterres Lu Olo, exigiu hoje que o seu adversário pare de usar, de forma enganadora, o nome da FRETILIN, na sua campanha.
“Porque é que o Sr Horta precisa usar o nome da FRETILIN? Ele conhece a verdade, que deixou a FRETILIN em 1984, numa altura muito complicada. O Sr Horta já não é um membro da FRETILIN, e não é um candidato da FRETILIN. Ele deveria afirmar-se de acordo com o que é, e não fingir que é algo que não é.”
“A FRETILIN protestou em relação a tentativa do Sr Horta de utilizar o nome da FRETILIN, durante a primeira volta das eleições. Agora ele está novamente a faze-lo, dizendo ao povo que foi ele quem trouxe a bandeira da FRETILIN para Timor-Leste. Ele sabe muito bem que as populações nas zonas rurais, especialmente, têm um grande respeito pela FRETILIN. Nós fomos os que sempre estiveram cá, desde o início, e ficamos até ao final.”
“O Sr Horta diz que irá salvar a FRETILIN, mas a FRETILIN foi salva em 2001, quando nós saímos do CNRT, e tornamo-nos um partido político, participando nas primeiras eleições.
“Fico muito feliz por ver muitos jovens nas nossas campanhas. A maioria do nosso povo quer manter viva a tradição da FRETILIN, para continuar a defender a nossa independência. A seguir ao debate na TVTL, eu recebi imensas mensagens de apoio de muitas pessoas por todo o país. Eu estou muito grato e orgulhos por receber este apoio. Demonstra que as pessoas apreciam uma mensagem clara do que oferecemos. Eu não quero mostrar ser algo que não sou.”
“Quero, também, agradecer à Jacob Xavier do PPT e Manuel Tilman do KOTA, que têm apelado aos seus apoiantes para votarem para mim. O seu apoio irá ajudar o povo a ver que as tentativas de dividir os timorenses, entre este e oeste, não irá funcionar. Nós somos um só povo, o povo Maubere, e eu serei um Presidente para todos.”
“Eu peço a cada cidadão deste país para votar pela independência, e pela unidade nacional. Só existe um Timor-Leste, e só existe uma FRETILIN. Desde Nicolau Lobato até Lu Olo, o mesmo pensamento, o mesmo desejo: a libertação do povo Maubere.”

Para mais informações, contacte:
Harold Moucho (Assessor politico de Lu Olo) (+670) 723 0048 (Dili)
José Manuel Fernandes (Representante Oficial para CNE) (+670) 734 2174 (Dili)

Ministros fazem primeira apreciação de relatório da Comissão de Notáveis



2 de MAIO de 2007

Os membros do governo reunidos hoje, Quarta-feira 2 de Maio, na Sala de Reuniões do Conselho de Ministros, no Palácio do Governo, em Díli, fizeram a primeira apreciação do relatório da Comissão dos Notáveis relativamente à situação dos chamados “peticionários”, que foi distribuído aos membros do governo antes da reunião.

Foi acordado pelos presentes que o assunto fosse agendado para o próximo Conselho de Ministros.

No referido encontro uma delegação composta por elementos da Missão Integrada das Nações Unidas em Timor-Leste e pelas Forças Internacionais de Segurança fez a apresentação, aos membros do governo, do plano segurança do país durante o período das eleições presidenciais.


Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.