quinta-feira, maio 03, 2007

UNMIT – MEDIA MONITORING - Thursday, 3 May 2007

National Media Reports

Lu-Olo: “Fretilin only has only one candidate”

At a press conference on Wednesday (02/05) at the Central Committee of Fretilin (CCF) in Comoro Dili, presidential candidate Francisco Guterres Lu-Olo affirmed that there is only one presidential candidate of Fretilin.

Lu-Olo questioned why Ramos Horta used Fretilin in his presidential campaign.

He explained that Horta left Fretilin in 1984, so he should not speak as a member or candidate of Fretilin. (DN and TP)

Horta discusses security issues with the political parties

Presidential candidate and Prime Minister Jose Manuel Ramos Horta held a meeting on Wednesday (02/05) at his residence with the political parties supporting him to discuss security issues during the run-off presidential election.

“It is important to prepare for incidents of intimidation especially in areas such as Viqueque, Baucau and Los palos - not only during the presidential run-off but also during the parliamentary election,” said Horta.

The meeting was attended by PSD, PD, ASDT, PMD, UNDERTIM, PST, and Fretilin ‘Reformist,’ including the youth representative from Viqueque district. (DN)

Australian forces find gun and cash in Fretilin cars: Ramos Horta

In response to the accusation by presidential candidate Jose Ramos Horta that Australian forces found weapons and cash in Fretilin’s cars during Lu-Olo’s campaign, the Fretilin campaign coordinator for Ermera district, Domingos Sarmento, said that he would bring the Australian forces to the tribunal if no evidence is found on the case. (TP and STL)

UN report on 1st round of election: Horta accuses STAE of manipulation

Presidential candidate Jose Ramos Horta reportedly said that the UN report on the first round of elections stated that there were many incidents of manipulation by STAE, the government and Fretilin. (TP)

IRI providing training to almost 700 members of political parties

A press statement from USAID on Wednesday (02/05) stated that USAID through the IRI will continually support Timor-Leste in the electoral process. Currently, it provides training to almost 700 members of political parties; 50 participants are women.

The training focuses on the development of messages, campaign strategy and internal communications.

“The trainings provide new idea on how to approach our supporters a campaign,” said a participant. (TP)

Fretilin’s leaders concerned with ISF presence

After officiating the inauguration of a library last Saturday (28/4) in Bercoli village, the Leader of the Fretilin party, Jose Maria dos Reis, said that he was concerned by the presence of the International Stabilization Forces (ISF) across the country, particularly in region I (Los palos, Baucau, and Viqueque).

He said that the ISF in the eastern region do not coordinate with local authorities. (TP)

CVA: big money, no results

According to the report from the Human Rights and Justice Association, the work of The Commission of Truth and Friendship (CVA) between Timor-Leste and Indonesia spent much money but did not achieve any major results.

CVA, which was set up to establish the truth regarding the referendum, will begin a third round of questioning today. (TP)

Resignation: Ramos Horta waiting for an official letter from CCF

Prime Minster Jose Ramos Horta said that he is prepared to resign when he receives the official letter from the Central Committee of Fretilin (CCF).

Horta said that before taking any decisions, CCF should consult with the president of the republic, Xanana Gusmão. (STL)

CNE is not impartial

Fretilin’s vice secretary-general, Jose Manuel Fernandes, observed that the CNE was not impartial during the first presidential election by only publicly declaring complaints against Fretilin. (STL)

Some candidates buying votes

CNE spokesperson Fr. Martinho Gusmão and Maria Angelina Lopes Sarmento told journalists at a press conference on Wednesday (02/05) that the National Elections Commission (CNE) received complaints from several districts, namely in Dili, Ermera, Viqueque, Suai and Manatuto, that some candidates started distributing rice and giving money to gain votes for the runoff presidential election. (STL)

HNGV will go on strike if the government does not move the IDPs

The National Hospital of Guido Valadares (HNGV) threatened to go on strike following threats to their doctors and nurses by unidentified groups.

Some windows of the hospital were destroyed and some IDPs were injured.

“It is better for us to be on strike rather than become victims of their actions. We will publicly announce this and confirm that no treatments will take place during this period,” said a doctor. (STL)

Ramos Horta questions the money found on Lu-Olo’s followers

Presidential candidate Jose Manuel Ramos Horta questioned whether the money (US$5.000) and weapons found by the ISF on Lu-Olo’s campaigners belonged to the government or Fretilin.

The Minister of Justice Domingos Sarmento said the money belonged to the government to fund several projects in Ermera, while Fretilin’s Antonio Lima claimed that the money belonged to him. (STL)

STAE violates electoral law

The Chairperson of Joint Commission Monitoring of General Election (KOMEG) Fr. Agostinho de Jesus Soares reportedly said that the attitude of the STAE Director, who did not allow entrance to the CNE commissioners, went against electoral law No. 5/2006.

Fr. Agostinho de Jesus Soares on Wednesday (02/05) said that the CNE has the authority to control the electoral process.


International Media Reports

UN to assess E. Timor poll security
Wed, 02 May 2007 12:32:02

The UN Special Representative has begun a tour of East Timor to assess security ahead of next week's runoff vote for the presidency.

Atul Khare will meet with local officials in areas where unrest and intimidation of voters were reported during the presidential poll last month, the mission said in a statement, AFP reported on Tuesday.

A runoff between Nobel laureate Jose Ramos-Horta and Parliament Speaker Francisco Guterres is scheduled for next Wednesday after neither candidate gained a majority of the vote in the April 9th election.

"In particular, the Special Representative of the Secretary General will visit districts that reported incidents of violence or intimidation, as well as those that experienced lower voter turnout during the first round," a UN statement said.

The election, the first in this troubled nation since it gained independence in 2002, was hailed as peaceful with high turnout of voters except in areas where there were isolated reports of intimidation.

Australian led foreign peacekeepers have been on the streets for almost a year after unrest between factions of the military and police descended into gang violence that killed 37 and forced 150,000 to flee their homes. AS/NDJ/BGH

East Timor troops find gun, cash in Fretilin cars: Ramos-Horta
May 3, 2007: Last updated 07:35 pm (Thai local time)

Source: The Nation

Dili - Foreign troops securing East Timor found a gun, other weapons and cash in a convoy of cars carrying ruling Fretilin party officials Wednesday, presidential candidate Jose Ramos-Horta claimed.

Ramos-Horta made the comments as the campaign intensified between the Nobel laureate and his opponent, Fretilin candidate Francisco Guterres, ahead of a second round of voting next week for president of the troubled country.

Ramos-Horta, currently the prime minister, said he had been briefed on the discovery by Brigadier Mal Rerden, the head of the Australian-led peacekeeping force that has been restoring security in East Timor for almost a year.

He told reporters that Justice Minister Domingos Sarmento was in one of the cars, which were all heading to a Fretilin campaign rally.

"The ISF (International Stability Force) was doing their job, manning a checkpoint before a Fretilin rally, and in one of the cars an automatic firearm was found," Ramos-Horta said.

Another car was found with 5,000 dollars in cash, he said, adding that arrows and slingshots were also found. He said Sarmento told the troops that the money was to be used for ministerial projects.

Sarmento and Brigadier Rerden could not immediately be contacted for comment on the claims.

Either Ramos-Horta or Guterres won an absolute majority in the April 9 election for president, prompting the runoff next Wednesday.

The election is the first since impoverished East Timor won independence in 2002, following a bloody split from occupying Indonesian forces.

Several thousand peacekeepers have been patrolling the streets since unrest last year descended into gang violence that left 37 people dead and forced 150,000 more to flee their homes.

Ramos-Horta said he would seek clarification of the incident, in his capacity as prime minister, when official campaigning ended on May 7. AFP


Former Jakarta army chief to testify on Timor

Published: Wednesday, 2 May, 2007, 08:37 AM Doha Time

JAKARTA: Indonesia’s former military chief, blamed by critics for failing to quell a wave of violence in East Timor after it voted to break away from Jakarta in 1999, is due to testify on Saturday at a truth commission probing the mayhem.

General Wiranto was armed forces commander when pro-Jakarta militiamen went on a violent rampage before and after East Timorese voted for independence in August 1999.

The Commission of Truth and Friendship set up by Indonesia and East Timor to establish the truth of what happened around the referendum is to open a third round of questioning today.

Commission co-chairman Benjamin Mangkoedilaga said Wiranto would have the chance to tell his side of the story on Saturday.

“This is a good opportunity for him. I’m sure he will not pass this up,” Mangkoedilaga told a news conference.

Human rights groups say Wiranto was at least morally responsible for the violence and should face justice.

Wiranto has denied this, saying he did his best to stop the violence.

The commission has no power to punish those responsible or recommend prosecution.

Wiranto stood unsuccessfully in Indonesia’s 2004 presidential elections and is expected to run again in 2009. He has set up a new party called Hanura.

The UN estimates that about 1,000 East Timorese died during the post-vote mayhem, which was blamed largely on pro-Jakarta militias backed by elements of the Indonesian army. Indonesia invaded East Timor in 1975 at the end of Portuguese colonial rule and annexed the territory later that year, maintaining a heavy and sometimes harsh military presence as it fought rebels for more than two decades.

East Timorese voted overwhelmingly to split from Indonesian rule but some pro-Jakarta voters and officials argued that the referendum had been rigged by the United Nations, although independent observers concluded the ballot was largely fair.

Militia leader Eurico Guterres, the only person jailed in Indonesia for the violence, is serving a 10-year sentence at a Jakarta prison.–Reuters

Police powerless to stop E Timor violence

From correspondents in Jakarta
May 03, 2007 04:16am
Article from: Agence France-Presse

A FORMER East Timor police chief cried as he told a commission today that he was powerless to prevent deadly violence from raging in the country during its 1999 vote for independence.

Hulman Gultom said that poorly equipped military police refused to try to stop the deadly clashes between groups backing Indonesia, which had occupied East Timor, and pro-independence factions.

"They said they were only equipped for riot control, while the masses had machetes and arrows," he said at the Indonesia-East Timor commission, which is looking into the unrest during that troubled time.

Breaking down in tears, Mr Gultom said he and some of his volunteer officers, who also lacked proper weapons, had decided anyway to go out onto the streets and try to break up the brutal beatings and riots that were occurring.

"It was only my fear to God that brought me to do it, they are all family, whether they are pro-integration or pro-independence," said Mr Gultom, who was police chief in East Timor's capital, Dili.

"I don't want to remember what happened, if we are serious about friendship we should forget this dark period in our lives and move on," he said as he sobbed.

The 10-member commission, setup in 2005, has been sitting in towns and cities in Indonesia and East Timor since February to hear from witnesses to the violence.

Modeled along lines similar to South Africa's post-apartheid Truth and Reconciliation Commission, it aims at reconciliation rather than recrimination.

Militia gangs, which the UN has said were recruited and directed by Indonesia's military, went on an arson and killing spree before and after the East Timorese voted for independence in the 1999 UN-sponsored ballot.

They killed about 1400 people and laid waste to much of the infrastructure in the half-island, which was a Portuguese colony before Indonesia invaded it in 1975.

Eighteen people are scheduled to testify this week at the commission sitting in Jakarta, including former military chief General Wiranto and East Timorese provincial police Inspector General Timbul Silaen.

An Indonesian rights court set up to try military officers and officials for atrocities in East Timor were widely condemned as a sham for failing to jail any Indonesians.

The Advertise/Sunday Mail

2 comentários:

Margarida disse...

Tradução:
UNMIT – MONITORIZAÇÃO DOS MEDIA – Quinta-feira, 3 Maio 2007
Relatos dos Media Nacionais

Lu-Olo: “A Fretilin tem apenas um candidato”

Numa conferência de imprensa na Quarta-feira (02/05) no Comité Central da Fretilin (CCF) em Comoro Dili, o candidato presidencial Francisco Guterres Lu-Olo afirmou que há apenas um candidato presidencial da Fretilin.

Lu-Olo questionou porque é que Ramos Horta usou a Fretilin na sua campanha presidencial.

Explicou que Horta deixou a Fretilin em 1984, por isso não deve falar (como se fosse) membro ou candidato da Fretilin. (DN e TP)

Horta discute questões de segurança com os partidos políticos

O candidato presidencial e Primeiro-Ministro José Manuel Ramos Horta teve um encontro na Quarta-feira (02/05) na sua residência com os partidos políticos que o apoiam para discutir questões de segurança durante a segunda volta das eleições presidenciais.

“É importante (estar) preparado para incidentes de intimidação especialmente em áreas como Viqueque, Baucau e Los Palos – não apenas durante a Segunda volta das presidenciais como também durante as eleições parlamentares,” disse Horta.

No encontro estiveram presentes PSD, PD, ASDT, PMD, UNDERTIM, PST, e os ‘Reformistas’ da Fretilin incluindo o representante dos jovens do distrito de Viqueque. (DN)

Ramos Horta: Forças Australianas encontraram armas e dinheiros em carros da Fretilin

Em resposta à acusação pelo candidato presidencial José Ramos Horta que forças Australianas tinham encontrado armas e dinheiro em carros da Fretilin durante a campanha de Lu-Olo, o coordenador da campanha da Fretilin no distrito de Ermera, Domingos Sarmento, disse que levará as forças Australianas a tribunal se não encontrarem nenhuma evidência do caso. (TP e STL)

Relatório da ONU sobre a primeira volta das eleições: Horta acusa o STAE de manipulação

O candidato presidencial José Ramos Horta disse que o relatório da ONU sobre a primeira volta das eleições afirmou que houve muitos incidentes de manipulação pelo STAE, pelo governo e pela Fretilin. (TP)

IRI dá treino a quase 700 membros dos partidos políticos

Uma declaracção para a imprensa da USAID na Quarta-feira (02/05) afirmava que o USAID por intermédio do IRI continuará a apoiar Timor-Leste no processo eleitoral. Correntemente, dá treino a quase 700 membros dos partidos políticos; 50 participantes são mulheres.

O treino foca o desenvolvimento de mensagens, estratégias de campanha e comunicações internas.

“O treino ensina ideias novas em como abordar os apoiantes numa campanha,” disse um participante. (TP)

Líderes da Fretilin preocupados com a presença da ISF

Depois de ter participado na inauguração de uma livraria no Sábado passado (28/4) na aldeia Bercoli, o líder da Fretilin, José Maria dos Reis, disse que estava preocupado com a presença da ISF (Força Internacional de Estabilização) pelo país, particularmente na região I (Los Palos, Baucau, e Viqueque).

Disse que a ISF na região leste não está a coordenar com as autoridades locais. (TP)

CVA: muito dinheiro, nenhum resultado

De acordo com um relatório da Associação de Direitos Humanos e Justiça, o trabalho da Comissão da Verdade e Amizade (CVA) entre Timor-Leste e a Indonésia gastou muito dinheiro mas não alcançou nenhum resultado maior.

A CVA, que foi montada para estabelecer a verdade que rodeou o referendo, começará hoje uma terceira volta de interrogatórios. (TP)

Resignação: Ramos Horta espera uma carta oficial do CCF

O Primeiro-Minstro José Ramos Horta disse que está preparado para resignar quando receber uma carta oficial do Comité Central da Fretilin (CCF).

Horta disse que antes de tomar quaisquer decisões, o CCF deve consultar o presidente da República, Xanana Gusmão. (STL)

CNE não é imparcial

O Vice-Secretário-Geral da Fretilin, José Manuel Fernandes, observou que a CNE não foi imparcial durante a primeira volta das eleições presidenciais por ter apenas feito queixas publicamente contra a Fretilin. (STL)

Alguns candidates compram votos

O porta-voz da CNE padre Fr. Martinho Gusmão e Maria Angelina Lopes Sarmento disseram aos jornalistas numa conferência de imprensa na Quarta-feira (02/05) que a Comissão Nacional de Eleições (CNE) recebeu queixas de vários distritos, nomeadamente em Dili, Ermera, Viqueque, Suai e Manatuto, que alguns candidatos começaram a distribuir arroz e a darem dinheiro para ganharem votos para a segunda volta das presidenciais. (STL)

HNGV vai entrar em greve se o governo não mudar os deslocados

O Hospital Nacional Guido Valadares (HNGV) ameaçou entrar em greve depois de ameaças contra médicos e enfermeiros por grupos não identificados.

Algumas janelas do hospital foram destruídas e alguns deslocados ficaram feridos.

“É melhor para nós morrermos numa greve do que sermos vítimas das acções deles. Anunciaremos isto publicamente e confirmaremos que não haverá tratamentos nesse período,” disse um médico. (STL)

Ramos Horta questiona o dinheiro encontrado com os seguidores de Lu-Olo

O candidato presidencial José Manuel Ramos Horta questionou se o dinheiro (US$5.000) e as armas encontradas pela ISF nos seguidores de Lu-Olo pertenciam ao governo ou à Fretilin.

O Ministro da Justiça Domingos Sarmento disse que o dinheiro pertencia ao governo para financiar vários projectos em Ermera, enquanto que António Lima da Fretilin afirmou que o dinheiro lhe pertence. (STL)

STAE viola a lei eleitoral

O presidente da comissão conjunta de monitorização das eleições gerais (KOMEG) padre Agostinho de Jesus Soares disse que a atitude do Director do STAE Director, que não permitiu a entrada dos comissários da CNE, ia contra a lei eleitoral No. 5/2006.

O padre Agostinho de Jesus Soares disse na Quarta-feira (02/05) que a CNE tem autoridade para controlar o processo eleitoral.


Relatos dos Media Internacionais

A ONU avalia a segurança das eleições em Timor-Leste
Quarta-feira, 02 Maio 2007 12:32:02

O Representante Especial da ONU começou uma volta por Timor-Leste para avaliar a segurança antes da segunda volta para as presidenciais na próxima semana.

Atul Khare encontrar-se-á com funcionários locais em áreas onde foram relatados desassossego e intimidação de eleitores durante a votação no mês passado, disse a missão numa declaração, conforme relatou a AFP na Terça-feira.

Está agendada para a próxima Quarta-feira uma segunda volta entre o laureado do Nobel José Ramos-Horta e o Presidente do Parlamento Francisco Guterres depois de nenhum ter ganho a maioria absoluta dos votos nas eleições de 9 de Abril.

"Em particular, o Representante Especial do Secretário-Geral visitará distritos que relataram incidentes de violência ou de intimidação, bem como daqueles que tiveram menor participação de eleitores na primeira volta," lê-se numa declaração da ONU.

A eleição, a primeira nesta nação inquieta desde que ganhou a independência em 2002, foi louvada como tendo sido pacífica com grande participação de eleitores excepto em áreas onde houve relatos isolados de intimidação.

Tropas estrangeiras lideradas pelos Australianos têm estado nas estradas durante quase um ano depois do desassossego entre facções dos militares e das polícias que acabaram em violência de gangs que mataram 37 pessoas e forçaram 150,000 ta fugirem das suas casas. AS/NDJ/BGH

Ramos-Horta: Tropas encontram pislola, dinheiro em carros da Fretilin em Timor-Leste
Maio 3, 2007: Última actualização 07:35 pm (hora local Tailandesa)

Fonte: The Nation

Dili – Tropas estrangeiras que fazem segurança em Timor-Leste encontraram uma pistola, outras armas e dinheiro numa caravana de carros que transportava membros da Fretilin na Quarta-feira, denuncia o candidato presidencial José Ramos-Horta.

Ramos-Horta fez o comentário quando se intensifica a campanha entre o laureado do Nobel e o seu opositor, o candidato da Fretilin Francisco Guterres, antes da votação da segunda volta na próxima semana, para presidente do país inquieto.

Ramos-Horta, correntemente o primeiro-ministro, disse que tinha sido informada da descoberta pelo Brigadeiro Mal Rerden, o responsável da força estrangeira liderada pelos Australianos que tem estado a restaurar a segurança em Timor-Leste quase há um ano.

Disse aos repórteres que o Ministro da Justiça Domingos Sarmento estava num dos carros, que se dirigiam para um comício da campanha da Fretilin.

"A ISF (Força Internacional de Estabilidade) estava a fazer o seu trabalho, gerindo um checkpoint antes de um comício da Fretilin, e num dos carros foi encontrado uma arma automática," disse Ramos-Horta.

Num outro carro foi encontrado 5,000 dólares em dinheiro, disse ele, acrescentando que foram também encontradas setas e projécteis Disse que Sarmento disse às tropas que o dinheiro era para ser usado em projectos ministeriais.

Nem Sarmento nem o Brigadeiro Rerden puderam ser de momento contactados para comentários sobre a denúncia.

Nem Ramos-Horta ou Guterres ganharam uma maioria absoluta nas eleições de 9 de Abril para presidente, levando à segunda volta na próxima Quarta-feira.

A eleição é a primeira desde que o empobrecido Timor-Leste ganhou a independência em 2002, após uma divisão sangrenta das forças ocupantes Indonésias.

Vários milhares de tropas têm estado a patrulhar as ruas desde que o desassossego das ruas do ano passado caiu em violência de gangs que deixaram mortas 37 pessoas e forçou mais 150,000 a fugirem das suas casas.

Ramos-Horta disse que procurará clarificar o incidente, na sua capacidade de primeiro-ministro, quando acabar a campanha oficial em 7 de Maio. AFP


Antigo chefe das forças armadas de Jacarta vai testemunhar sobre Timor

Publicado: Quarta-feira, 2 Maio, 2007, 08:37 AM hora de Doha

JAKARTA: O antigo chefe das forças militares da Indonésia, acusado por críticos de falhanço em acalmar a onda de violência em Timor-Leste depois de ter votado separar-se de Jacarta em 1999, está agendado testemunhar no Sábado numa comissão de verdade que investiga a desordem.

O General Wiranto era o comandante das forças armadas quando milícias pró-Jacarta entraram numa fúria violenta antes e depois dos Timorenses terem votado pela independência em Agosto de 1999.

A Comissão da Verdade e da Amizade montada pela Indonésia e Timor-Leste para estabelecer a verdade do que aconteceu por altura do referendo vai começar a terceira volta de interrogatórios hoje.

O co-Presidente da Comissão Benjamin Mangkoedilaga disse que Wiranto terá a oportunidade para contar a sua versão da história no Sábado.

“Esta é uma boa oportunidade para ele. Tenho a certeza que não a vai desperdiçar,” disse Mangkoedilaga numa conferência de imprensa.

Os grupos de direitos humanos dizem que Wiranto foi pelo menos moralmente responsável pela violência e deve enfrentar a justiça.

Wiranto negou isto, dizendo que fez o seu melhor para parar a violência.

A comissão não tem poder para punir esses responsáveis ou para recomendar a prossecução.

Wiranto concorreu sem sucesso às eleições presidenciais de 2004 na Indonésia e espera-se que concorra outra vez em 2009. Fundou um partido novo chamado Hanura.

A ONU estima que morreram cerca de 1,000 Timorenses durante a desordem pós-eleitoral, de que foram largamente acusadas milícias pró-Jacarta apoiadas por elementos das forças armadas Indonésias. A Indonésia invadiu Timor-Leste em 1975 no final da governação colonial Portuguesa e mais tarde nesse ano anexou o território, mantendo uma pesada e às vezes dura presença militar dado que combateu rebeldes durante mais de duas décadas.

Os Timorenses votaram em massa separarem-se da governação Indonésia mas alguns votantes pró-Jacarta e oficiais argumentaram que o referendo fora falsificado pela ONU, apesar de observadores independentes terem concluído que a votação foi largamente correcta.

O líder de milícia Eurico Guterres, a única pessoa presa na Indonésia pela violência, está a cumprir uma sentença de 10 anos numa prisão de Jacarta.–Reuters

Polícia sem poderes para parar a violência em Timor-Leste

De correspondentes em Jacarta

Maio 03, 2007 04:16am
Artigo de: Agence France-Presse

Um antigo chefe de polícia em Timor-Leste chorou quando contou numa comissão hoje que não tinha poderes para prevenir a violência mortal de escalar no país durante a votação em 1999 para a independência.

Hulman Gultom disse que a pobremente equipada polícia militar recusou tentar parar os confrontos mortais entre grupos que apoiavam a Indonésia, que tinha ocupado Timor-Leste, e facções pró-independência.

"Disseram que estavam apenas equipados para controlarem perturbações de ordem pública, enquanto as massas tinham catanas e setas," disse na comissão Indonésia-Timor-Leste que está a analisar o desassossego desse tempo inquieto.

Soçobrando em lágrimas, o Sr Gultom disse que ele e alguns dos oficiais voluntários, que também não tinham as armas adequadas, tinham decidido mesmo assim saírem para as ruas e tentar acabar com as agressões brutais e as desordens que estavam a ocorrer.

"Foi apenas o meu medo de Deus que me levou a fazer isso, eram todos família, fossem pró-integração ou pró-independência," disse o Sr Gultom, que foi chefe da polícia na capital de Timor-Leste, Dili.

"Não quero lembrar o que aconteceu, se formos sérios acerca da amizade devemos esquecer este período negro nas nossas vidas e avançar," disse a soluçar.

A comissão de 10 membros, montada em 2005, tem estado em cidades na Indonésia e Timor-Leste desde Fevereiro a ouvir testemunhas da violência.

Modelada com linhas similares à da Comissão da Verdade e Reconciliação da África do Sul pós -apartheid, visa a reconciliação mais do que a recriminação.

Gangs de milícias, que a ONU disse terem sido recrutados e dirigidos por militares da Indonésia, prosseguiram com ataques incendiários e numa fúria de assassinatos antes e depois dos Timorenses terem votado pela independência na votação apadrinhada pela ONU em 1999.

Mataram cerca de 1400 pessoas e destruíram a maioria das infra-estruturas na meia ilha, que foi uma colónia Portuguesa antes da invasão pela Indonésia em 1975.

Dezoito pessoas estão agendadas para testemunhar esta semana na comissão em Jacarta, incluindo o antigo chefe das forças militares General Wiranto e o Inspector provincial da polícia Timorense General Timbul Silaen.

Um tribunal de direitos humanos na Indonésia montado para julgar oficiais e funcionários pelas atrocidades em Timor-Leste foi extensamente condenado como uma falsidade por não ter posto na prisão nenhum Indonésio.

The Advertise/Sunday Mail

Anónimo disse...

Ramos Hortae e os seus grupos manipuladores desta politica suja de campanha lancaram os seus agentes infiltrando no seio da Fretilin com uso de materiais como e dinheiro para criar discrebilidade as forcas internacionais,aos dipomatas internacionais,populacao timoranse.
Euma acusacao verdadeiramente falsa para por de rasto a Fretilin.
O Ramos Horta protege os criminosos como Railos,o Reinado o Leandro e mais outros em troca de servico para a intimidacao do povo na campanaha eleitorial para a presidencia.
Nas montanhas a populacao vem esses dois criminosos como se fossem monstros da selva.

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.