domingo, setembro 10, 2006

Notícias LUSA Timor-Leste - Versão completa

Pode encontrar aqui as notícias completas da LUSA sobre Timor-Leste:

Agradecemos a informação ao leitor que teve a amabilidade de nos enviar o link.


Barroso sensibiliza Indonésia para processo de estabilização

Notícias Lusófonas

O presidente da Comissão Europeia levantou hoje, em Helsínquia, a questão de Timor-leste num encontro que teve com o presidente da Indonésia, país que considera importante para a estabilização daquele território.

José Manuel Durão "Barroso levantou questão de Timor-leste porque considera importante o papel da Indonésia na estabilização de Timor-leste", disse uma porta-voz do responsável máximo do executivo comunitário depois do encontro.

Segundo a mesma fonte, Susilo Bambang Yudhoyono respondeu "muito positivamente" acrescentando que tem relações "excelentes" com o primeiro-ministro de Timor- leste, Ramos Horta, com quem vai continuar a trabalhar para desenvolver parcerias entre os dois territórios.

Durão Barroso insistiu durante a conversa para o "forte empenho" da Comissão Europeia em apoiar Timor-leste e o seu governo e recordou as várias medidas tomadas por Bruxelas para apoiar o território.

Bruxelas nomeou no início de Julho um enviado especial para Timor-Leste, o diplomata de nacionalidade portuguesa Miguel Amado, a quem cabe, entre outras tarefas, preparar a abertura de uma delegação do executivo comunitário em Díli.

O executivo comunitário também aprovou diversas ajudas de apoio técnico e à cooperação do território.

O encontro entre os presidentes da Comissão Europeia e da Indonésia teve lugar antes do início da Cimeira da Aseam que reúne chefes de Estado e Governo dos 25 da União Europeia, da Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN, formada por Brunei, Birmânia, Cambodja, Indonésia, Laos, Malásia, Filipinas, Singapura, Tailândia e Vietname) e da China, Japão e Coreia do Sul.

Os chefes de Estado e de Governo da Asem (acrónimo inglês de Encontro Ásia Europa) e o presidente da Comissão Europeia irão debater durante dois dias temas tão variados como globalização, ameaça terrorista, energia, alterações climáticas, o falhanço das conversações para liberalização do comércio mundial, diálogo cultural e competitividade.

Segundo a mesma fonte comunitária, Susilo Bambang Yudhoyono aceitou o convite feito por Durão Barroso para visitar a sede da Comissão Europeia, em Bruxelas, não tendo ainda sido marcada uma data para a deslocação.

Os actos de violência em Díli aumentaram a partir da fuga da prisão de Becora, no passado dia 30 de Agosto, do major Alfredo Reinado, líder dos militares sublevados que pressionaram a demissão do ex-primeiro-ministro Mari Alkatiri.

Detido a 25 de Julho pelas forças australianas por posse ilegal de armas confiscadas horas antes pela GNR, Reinado evadiu-se juntamente com 56 detidos.


Mari Alkatiri’s unseating

Vannessa Hearman

Major Alfredo Reinado and 56 other men escaped Dili’s Becora Prison on August 30. On that day, a report by David O’Shea and John Martinkus on SBS’s Dateline alleged links between President Xanana Gusmao and military defectors Reinado and Commander Railos.

Reinado led a band of deserters in May after a demonstration protesting the treatment of soldiers from the Western part of the country was shot at. Reinado became vocal in demanding the resignation of then Prime Minister Mari Alkatiri. He was arrested for unlawful possession of weapons on July 26.

Railos was given star billing on ABC’s Four Corners report by Liz Jackson for testifying that Alkatiri knew of the existence of Fretilin hit squads. No charges were laid against Alkatiri relating to this allegation.

Martinkus and O’Shea argued that behind the removal of Alkatiri in July lay an intricate network of domestic and international interests. They alleged that preparations for a political coup to remove the Fretilin government began prior to the violent May-July Dili crisis and that late last year Armed Forces chief Taur Matan Ruak and highly respected ex-Falintil commander Falur Rate Laek were approached by Timorese and English-speaking foreigners, possibly Australian or US, to unseat the government.

Dateline detailed efforts by the Catholic Church to remove the Fretilin government because Fretilin was “completely alien and cut off from the roots of our cultural, social and historic realities”. Church leaders and signatories to the April 2005 letter sent to the parliamentary speaker, arguing for the removal of Alkatiri, refused to be interviewed. High-level military commanders also reported being urged by church leaders to unseat Alkatiri.

In the online magazine New Matilda, Martinkus noted the existence of a handwritten note from Gusmao dated May 29 giving instructions to Reinado of where he and his men should base themselves upon the arrival of Australian troops. Like church leaders, Gusmao refused to be interviewed by Dateline.

Martinkus and O’Shea also suggested that Democratic Party leader Fernando de Araujo relied on support from former Indonesian Special Forces operative Rui Lopes and former militia leader Nemecio de Carvalho. The Democratic Party organised some of the anti-Alkatiri mobilisations and circulated allegations of mass graves run by government forces.

Dateline reported that Railos and Reinado were involved in provoking and starting armed clashes in Fatu Ahi and Taci Tolu. Reinado opened fire first in Fatu Ahi, which was captured on camera by O’Shea for SBS.

Timorese Prosecutor General Longuinhos Monteiro confirmed that Railos had been found to have started an armed clash in Taci Tolu on the western outskirts of Dili.

Police Commander Paulo Martins was also found to have handed out weapons to police reserves units in Liquica, Aileu and Dili — three districts with a high concentration of anti-Fretilin forces. These weapons are not fully accounted for.

Unlike the fanfare that greeted ABC TV’s Four Corners when it aired Railos’ allegations, reporting regarding Dateline focuses on Reinado’s threat to shoot at anyone who tried to recapture him. In a phone call to O’Shea, broadcast on Dateline on September 6, Reinado indicated his dissatisfaction with the way he has been treated by the Jose Ramos-Horta government, suggesting that his own role was crucial to the change at the top.

Alkatiri concluded that his independent stance on oil and gas resources in the Timor Sea could have led to attempts to unseat him from within the country and without. He told Dateline, “The only prime minister in the world that was really 'advising me’ quote-unquote, to step down, was the prime minister of Australia”.

From Green Left Weekly, September 13, 2006.


E.Timor rebel slams govt over international troops

09 Sep 2006 10:51:12 GMT
Source: Reuters
East Timor nation-building

DILI, Sept 9 (Reuters) - An East Timorese rebel leader who escaped from jail last month says the presence of international peacekeepers in the strife-torn country shows the government is incapable of ruling.

Major Alfredo Reinado was one of the key players behind a revolt that plunged East Timor into chaos in May, prompting Australia to lead an international peacekeeping force to restore order.

International troops and police have been searching for him since his escape from prison, along with about 50 others, which has raised fresh concerns about fragile security in the former Portuguese colony.

"I think when you need the international force to interfere (in) the internal problem that means your government doesn't have (the) capability to rule this country," Reinado told Reuters Television from his hideout.

"If the government doesn't have any credibility any more then people have a right to ask them to step down."

Dili suffered a series of protests that evolved into widespread violence in May after 600 members of East Timor's 1,400-strong army were sacked.

An estimated 100,000 people were displaced and at least 20 killed in the violence, which led to the deployment of a 2,500-strong international peacekeeping force.

Violence breaks out in the tiny nation sporadically, and some Timorese say gangs often fight one another with stones and homemade weapons.

On Saturday, dozens of youth threw rocks at a refugee camp in Dili, prompting international peacekeepers to intervene to end the brawl.

An Australian police officer told Reuters from Dili there were no deaths and calm had returned to the area.

Reinado denied responsibility for the violence in the tiny nation. "Why are they (international forces) looking for me? I am not the troublemaker, I didn't do any criminal act or anything."

The United Nations has agreed on a new mission to East Timor, comprising some 1,600 police, despite a dispute over whether Australian-led troops already there should remain independent or be part of a U.N. force.

Reinado denies responsibility for Dili unrest

ABC News Online
Sunday, September 10, 2006. 12:12pm (AEST)

East Timorese rebel leader Major Alfredo Reinado says he has no control over troublemakers in Dili.

In one of the few interviews he has given since escaping from a Dili jail last month, Reinado says he is not responsible for the recent increase in unrest in the capital.

In the latest incident, police used tear gas against dozens of people who attacked a refugee camp with slings and stones last night.

This morning Australia deployed another 120 soldiers to East Timor.

Reinado says the escalating tensions in Dili should not be blamed on him.

"I'm not causing any trouble, you see those ... troublemakers, I'm not controlling them," he said.

"If anything happen in Dili, somehow, I'm not in Dili, so who's controlling that, I don't know.

"But you should go ask those troublemakers in their crowd why they're doing it."

Reinado says Australian troops should concentrate on maintaining law and order in Dili, rather than trying to track him down.

"If the international force are coming looking for me, why are they looking for me?" he said.

"I'm not a troublemaker, I didn't do anything.

"They come here to control the stability - that means they have to stabilise."


Mais propaganda...

The Age
East Timor people pray for rebel leader
September 10, 2006 - 1:09PM

East Timor's highland people will pray to protect fugitive Alfredo Reinado from capture at a special mass on Tuesday, 12 days after the former military police chief escaped from a Dili prison.

"For us, he defends justice, human rights and the constitution," organiser Eduardo de Deus said.

"The problem is our legal system doesn't correspond to the aspirations of our people."

Reinado, the former commander of the country's military police, was arrested by Australian peacekeepers in July on charges of attempted murder and illegal possession of weapons. He escaped in a mass breakout of 57 prisoners on August 30.

Thousands of the 39-year-old maverick officer's supporters from western highland regions are expected to flock to the church at Gleno, in the coffee-growing Ermera district, after an advertisement placed by the National Front for Justice and Peace in the daily Suara Timor Lorosae.

The ad said a Catholic mass would pay tribute to "the courage of Major Alfredo Reinado in his continuing struggle against injustice".

Reinado and most of his unit defected from the army to protest its alleged shooting of civilians in the Taci-Tolo district of Dili on April 29, the event which triggered the violence and instability.

In person, Reinado's ideals appear confused, except for a love of militarism.

But his youth and rejection of the country's political leadership have made him a cult hero for the Indonesian-educated younger generation.

De Deus said charges against Reinado of illegal gun possession and attempted murder did not worry him, even though film of him shooting at another person with a stolen army gun had been shown on Australian television.

De Deus earlier told the daily Timor Post that the youth of the ten western districts of East Timor have pledged to "protect and conceal" Reinado, who has been taunting his searchers in phone interviews with international media.

He denied Reinado was in his area.

"Locals said they weren't interested, so they left," he said.

Australian Federal Police are leading the search for Reinado, but a source said none of the fugitives have been recaptured.

East Timorese police are still searching for escapees from a mass outbreak from the same jail in December 2002.

© 2006 AAP


Militares australianos atacam campo de refugiados

Militares australianos atacaram hoje, numa operação sem qualquer sentido, o campo de refugiados junto ao aeroporto. Lançaram foguetes "verylight", gás lacrimógeneo, dispararam tiros, incendiaram cinco tendas da ACNUR e feriram algumas pessoas.

Esta operação que aparentemente consistia em deter alguns indíviduos, foi recebida com indignação e revolta por parte dos refugiados.

Mesmo assim detiveram sete pessoas, que segundo fontes do campo nunca estiveram envolvidas em confrontos.

Fontes próximas dos militares australianos, referem ter-se tratado de um engano e que os detidos serão libertados.



Há quatro anos...

Tradução da Margarida.

ZNet East Asia

Entrevista com
Dili, Timor-Leste

por Xanana Gusmão e Andre Vltchek; Andre Vltchek; Abril 12, 2002


P: Mencionou o Marxismo como um erro. Quer dizer que foi um erro filosófico a FRETILIN seguir a ideologia Marxista na primeira independência?

R: Antes de Gorbachev ter anunciado a Perestroika, a nossa antiga liderança da FRETILIN em 1977 anunciou que o Marxismo era a nossa ideologia oficial. Era um membro da liderança. Depois da grande derrota que sofremos em 1978 e 1979 – alguns dos nossos membros de topo morreram ou foram presos – não sabíamos mais como liderar a luta. Tivemos de fazer as perguntas básicas outra vez. E em 1983 reformulámos tudo. Em 1987 abandonamos simplesmente a ideologia.


P: E contudo Timor-Leste foi uma vítima da guerra fria. De facto foi sacrificado não pela esquerda que esteve sempre contra a ocupação Indonésia, mas pelos Poderes Ocidentais. A Indonésia recebeu a luz verde para ocupar o seu país dos USA, do Reino Unido e da Austrália.

R: Talvez alguma gente que viu o Marxismo como uma arma para liberar o nosso país pense de modo diferente. Mas deixe-me expressar a minha opinião: depois da II Guerra Mundial, houve uma grande luta pela independência em África. Alguns países obtiveram a independência suavemente; outros foram vítimas da guerra fria entre as super potências. As antigas colónias Portuguesas na África estavam a ganhar a independência e foram um exemplo para nós. Temos de ver toda este complexidade.

Posso pensar que a nossa ideologia estava errada, mas admito que houve razões (para a adoptarmos). Angola, Moçambique entravam na luta. Mas não tínhamos capacidade para lutar e de facto não tínhamos de (lutar). Portugal estava apertado em África e de facto éramos livres para escolher a nossa independência. O Governo em Portugal mudou – tornou-se da esquerda e alguns de nós fomos lá: eram influenciados pelos estudantes Portugueses, por intelectuais de esquerda. Portanto nunca direi que a nossa ideologia era de algum modo estúpida. Não, havia um processo complicado no mundo e éramos parte disso.

P: Timor-Leste tem relações muito complexas com Portugal. Ganharam a vossa independência mas Timor-Leste era então a mais pobre parte da Ásia. Os Portugueses administraram de forma totalmente incompetente o seu país. Contudo intelectualmente e economicamente dependem outra vez de Portugal. Estão a fazer do Português a língua oficial, apesar de somente uma fracção de Timorenses o falarem. È por causa de Portugal ter jogado um papel muito positivo durante a luta contra a ocupação da Indonésia? Quão complexa é realmente a sus relação com o antigo poder colonial?

R: Entrámos a nova fase com Portugal depois da segunda guerra mundial – depois da ocupação Japonesa. Era ainda uma colonização, com certeza. Mas um dos aspectos da presença Portuguesa aqui foi que não interferiram com as nossas estruturas tradicionais. Não interferiram com as nossas crenças. De algum modo a nossa gente sente que sim, há Portugueses aqui, ocupando o nosso país, mas nas nossas casas podemos ser nós próprios. Certo que quando as tropas Indonésias chegaram, foi brutalmente e abruptamente diferente. Foi uma guerra.

P: E os Indonésios tentaram imediatamente impor a sua cultura a Timor-Leste?

R: Sim. Agora, quando nos lembramos dos tempos Portugueses, fomos muito negligenciados. Éramos pobres. Mas há uma diferença entre a negligência e a violência.

Depois durante a nossa luta contra a Indonésia, Portugal esteve sempre connosco. Levantaram-se por nós nas Nações Unidas e mais tarde na União Europeia. Se nos negligenciaram durante centenas de anos, temos de admitir que em 24 anos de ocupação Indonésia pagaram as suas dívidas.

P: Como gostava de ver Timor-Leste no futuro? Sobre que ideias se vai fundar?

R: Temos de mostrar ao nosso povo que não sofreu por nada. Precisam de algumas certezas. Têm que acreditar que a nossa independência significa que podem começar a mudar as suas vidas. Será um processo lento e gradual. Têm que saber que a independência significa mais do que uma bandeira, parlamento, governo. Tem de ter um impacto positivo na vida das pessoas. De outro modo alguns lembrarão que em termos de números, a Indonésia gastou muito dinheiro aqui, durante os 24 anos da ocupação. Certo que muito foi gasto em infra-estruturas para que pudessem movimentar as suas tropas. Mas investiram.

Temos sempre que nos lembrar que lutámos pela independência para melhorar a vida do nosso povo.

P: Que tipo de economia deseja para este país – que tipo de sistema politico? Governo forte, Estado social ou como é chamado economia de mercado?

R: Penso que as nossas condições pedem economia mista. O sector privado deve ser forte mas virá mais tarde. Veja, o sector privado não será criado da noite para o dia – pode levar 15 a 20 anos.

Agora as pessoas estão a exigir tudo do governo. E eu estou a tentar explicar-lhes que o governo não pode ser como um patrão, que simplesmente não está numa posição para tudo fornecer. Certo que se tivermos alguns recursos estratégicos, serão divididos pelo povo e canalizados pelo governo.

Também temos de dar ao povo uma sociedade civil. Eles próprios têm de tentar fazer o seu melhor para melhorar este lugar.

P: Do que é que Timor-Leste vai viver? Do petróleo que foi descoberto perto da sua costa? Da pesca, agricultura, turismo?.. Qual é o futuro deste país?

R: O consenso comum neste país é que não podemos depender das reservas do petróleo. Precisamos de recursos sustentáveis. Certo que temos que desenvolver tudo o que mencionou - agricultura, turismo, e pesca. Não podemos depender somente de recursos que desaparecerão dentro de algumas décadas.

No princípio, tudo será muito difícil. O nosso país é frágil. Frágil em termos dos nossos recursos. Frágil em termos das nossas capacidades. Frágil em termos de experiência.

Estamos no princípio de tudo e temos de mobilizar os recursos mais preciosos – a nossa gente. Precisamos da sociedade civil e compreendo que a sociedade civil não são somente ONG’s, igrejas e outras instituições. Não são somente intelectuais.

Mas todos têm de tomar parte na construção de Timor-Leste, incluindo a igreja e os intelectuais. Alguns dos nossos maiores problemas estão nas infra-estruturas e com certeza na educação. Metade da nossa gente não sabe ler ou escrever. Talvez mais de metade. Enfrentamos enormes desafios. Mas se tivermos sucesso, daqui a uns vinte anos haverá uma nova sociedade.

E as pessoas estão disponíveis para esperar, trabalhar e não sonhar. Alguém me disse na reunião: "No ano 2020 gostaríamos de ter um médico em cada distrito." Vê, as pessoas compreendem – não estão a exigir tudo para amanhã. Conhecem as dificuldades.

No fim de 1999, as pessoas sofriam mas sorriam. Têm grandes expectativas para o futuro. Agora compreendem quão vagaroso será este processo. Mas não perderam a esperança ainda.


Durão Barroso sensibiliza Indonésia para processo de estabilização

Helsínquia, 10 Set (Lusa) - O presidente da Comissão Europeia levantou hoje, em Helsínquia, a questão de Timor-leste num encontro que teve com o presidente da Indonésia, país que considera importante para a estabilização daquele território.


Major Reinado fala em incapacidade do Governo

O major Alfredo Reinado, um dos líderes da revolta de Maio em Timor-Leste, acusa o Governo de Ramos Horta de incapacidade.


Em declarações à agência Reuters, o Major Reinado, um dos foragidos da prisão de Dili, diz que sinal da incapacidade do Executivo é a presença de forças internacionais no território.

O antigo comandante da Policia Timorense diz ainda que se este Governo não é capaz de governar, então qualquer um pode pedir a sua demissão.

Reinado foi um dos 57 prisioneiros que escapou da prisão na semana passada e está, neste momento, em parte incerta.


Há 10 dias que se evadiram os reclusos de Becora, incluindo Reinado

E milhares de militares e polícias não apanharam nenhum?



Há quatro anos atrás...

ZNet East Asia

Interview With
Dili, East Timor

by Xanana Gusmao and Andre Vltchek; Andre Vltchek; April 12, 2002


Q: You mentioned Marxism as a mistake. Do you mean to say that it was a philosophical mistake for FRETILIN to follow Marxist ideology during the first independence?

A: Before Gorbachev announced Perestroika, our former leadership of FRETILIN in 1977 announced that the Marxism was our official ideology. I was a member of the leadership. After the big defeat that we suffered in 1978 and 1979 - some of our senior members died or were captured - we didn't know how to lead the struggle, anymore. We had to ask all basic questions again. And in 1983 we re-formulated everything. In 1987 we just abandoned the ideology.


Q: And yet East Timor was a victim of the Cold War. In fact it was sacrificed not by the left that was always against Indonesian occupation, but by the Western Powers. Indonesia received green light to occupy your country from the United States, from UK and from Australia.

A: Maybe some people who saw the Marxism as a weapon to liberate our country would think differently. But let me express my opinion: After the WWII, there was an enormous struggle for independence in Africa. Some countries achieved independence smoothly; others had fallen victims of the Cold War between the superpowers. Former Portuguese colonies in Africa were gaining independence and they served for us as an example. We have to see all this complexity.

I may think that our ideology then was wrong, but I admit there were reasons for it. Angola, Mozambique were entering the struggle. But we didn't have a capacity to fight and in fact we didn't have to. Portugal was tight up in Africa and in fact we were free to choose our independence. Government in Portugal changed - it became left-wing and some of our people went there: they were influenced by Portuguese students, by left-wing intellectuals. Therefore I would never say that our ideology was something stupid. No, there was a complicated process in the world and we were part of it.

Q: East Timor has very complex relationship with Portugal. You gained your independence but East Timor was then the poorest part of Asia. Portuguese totally mismanaged your country. Yet you intellectually and economically depend on Portugal again. You are making Portuguese an official language, although only a fraction of East Timorese can speak it. Is it because Portugal played very positive role during the struggle against the Indonesian occupation? How complex is really your relationship with that former colonial power?

A: We entered the new faze with Portugal after the WWII - after the Japanese occupation. It was still a colonization, of course. But one of the aspects of the Portuguese presence here was that they didn't touch our traditional structures. They didn't touch our beliefs. In some way our people felt that yes, there are Portuguese here, occupying our country, but in our houses we could be ourselves. Of course when the Indonesian troops came, it was brutally and abruptly different. It was a war.

Q: And Indonesians immediately tried to impose their own culture on East Timor?

A: Yes. Now, of course when we remember Portuguese times, we were very neglected. We were poor. But there is a difference between the neglect and violence.

Then during our entire struggle against Indonesia, Portugal was always with us. They stood by us in United Nations and later in European Union. If they neglected us for hundred years, we have to admit that in 24 years of Indonesian occupation they paid their dues.

Q: How would you like to see East Timor in the future? On what ideas is it going to based?

A: We have to show our people that they didn't suffer for nothing. They need some certainties. They have to believe that our independence means that they can start changing their lives. It will be slow and gradual process. They must know that independence means more than just a flag, parliament, government. It must have a positive impact on people's lives. Otherwise some will remember that in terms of numbers, Indonesia spent plenty of money here, during the 24 years of the occupation. Of course big part of it went to the infrastructure so they could move their troops. But money was spent.

We have to always remember that we fought for the independence in order to improve lives of our people.

Q: What kind of economy you wish for this country - what kind of political system? Strong government, social state or what is called free market economy?

A: I thing that our conditions are calling for the mixed economy. Private sector should be strong but it will come later. You see, private sector will not be created overnight - it may take 15 to 20 years.

People are now demanding everything from the government. And I am trying to explain to them that government cannot be like a patron, it is simply not in a position to provide everything. Of course if we have some strategic recourses, they will be divided between our people and channeled trough the government.

We also have to give people a civil society. They themselves have to try to do their best to improve this place.

Q: What is East Timor going to live from? From oil that was found close to its shores? From the fishing, agriculture, tourism?.. What is the future of this country?

A: Common consensus in this country is that we cannot depend on the oil reserves. We need sustainable resources. Of course we have to develop all that you mentioned - agriculture, tourism, and fishing. We can't depend only on the resources that will disappear in a few decades.

At the beginning, everything will be very difficult. Our country is fragile. Fragile in terms of our resources. Fragile in terms of our capacity. Fragile in terms of experience.

We are at the beginning of everything and we have to mobilize the most precious resources - our people. We need the civil society and I understand that the civil society is not just NGO's, churches and other institutions. It's not just intellectuals.

But everyone has to take part in building East Timor, including the church and the intellectuals. Some of our greatest problems are the infrastructure and of course the education. Half of our people cannot read or write. Maybe more than a half. We have to face enormous challenges. But if we will succeed, in some twenty years from now there will be a new society.

And the people are willing to wait, to work and to dream. Somebody told me at the meeting: "In the year 2020 we would like to have one doctor in each district." You see, people understand - they are not demanding anything for tomorrow. They know the difficulties.

At the end of 1999, people were suffering but they were smiling. They had great expectations for the future. Now they understand how slow will be this process. But they still didn't lose hope.



Dos leitores

De facto, a LUSA, desceu na cotação! Tenho um arquivo documental sobre Timor,imenso sendo a maior parte notícias dessa agência. Esta últimas notícias dois titulozinhos sobre a intervenção da GNR...é vergonhoso!

Fítun Taci


Comunicado - Fretilin




O Comité Central da FRETILIN (CCF), reuniu-se, em Dili, no dia 9 de Setembro de 2006 em sessão alargada com a participação dos membros da Comissão Nacional da Jurisdição, dos responsáveis das estruturas distritais e sub-distritais do partido, dos membros do Governo (militantes da FRETLIN) e deputados da bancada.

Durante a reunião, foram abordados vários assuntos de interesse partidário e nacional, entre os quais:

. “Grupo de Renovador/Mudança”
. Situação política, social, económica, de administração e de segurança
. Vantagens e desvantagens da participação da FRETILIN no governo e
. Preparativos para as eleições gerais de 2007.

Depois de um debate profundo sobre os assuntos agendados, o CCF deliberou:

I. Retomar diálogos com o “Grupo Renovador/Mudança”sob as seguintes condições:

1. Que os seus membros passem a assumir obrigatoriamente todas as decisões do II Congresso Nacional da FRETILIN;

2. Que interrompam imediatamente as suas actividades que ponham em causa as decisões do Congresso, órgão máximo do partido, e firam a honra e a dignidade da liderança;

3. Que assumam todos os termos constantes no Acórdão do Tribunal de Recurso .

II. Recomendar a Sua Excelência, o Primeiro-Ministro, José Ramos Horta para:

1. Não interferir nos assuntos que digam respeito à vida partidária interna da FRETILIN;

2. Que as suas intervenções públicas não incluam promessas inviáveis às populações de modo a evitar o descrédito do governo da FRETILIN;

3. Que tome medidas concretas e imediatas no sentido de garantir a segurança das populações.

III. Criar a Comissão de Gestão das Eleições de 2007 e nomear como seus membros responsáveis:

1. José Reis : Director

2. Cipriana Pereira: Adjunta

3. Filomena de Almeida: Adjunta


Dos leitores

Eis a habitual hipocrisia dos "amigos" australianos.Gostava de saber se a família do Reinado também se encontra entre esses 42 que vão ser expulsos...


A ordem ‘restaurada’ em Timor-Leste

Tradução da Margarida.

Gulf Times

Publicado: Quarta-feira, 6 Setembro, 2006, 12:32 PM Doha Time

JAKARTA: A Indonésia disse ontem que a ordem tinha sido efectivamente restaurada em Timor-Leste, mesmo se a Austrália diz que serão necessárias mais tropas para manter a paz na pequena nação do que a ONU encarou.

Timor-Leste “conseguiu em essência restaurar a ordem, apesar de aqui ou ali ainda se poder ver alguns distúrbios,” disse o Ministro dos Estrangeiros Hasan Wirajuda um dia depois das suas conversas sobre segurança com os colegas Australiano e Timorense em Dili.

Alguns 3,200 soldados liderados pelos Australianos foram destacados para a capital Timorense Dili desde Maio, quando a cidade sofria de confrontos mortais entre facções rivais da polícia e dos militares.

A violência esporádica tem continuado desde então e na semana passada o líder amotinado Major Alfredo Reinado e outros 56 presos fugiram da prisão de Becora em Dili, fazendo crescer medos de mais problemas.
A violência de Maio deixou 21 pessoas mortas, e forçou milhares a fugir das suas casas.

Desde o desassossego, as Nações Unidas, estabeleceram uma missão maior no país, concordando em destacar mais de 1,600 polícias internacionais para Timor-Leste.

Contudo o Ministro dos Estrangeiros da Austrália Alexander Downer disse ontem, que as forças planeadas pela ONU para Timor-Leste eram demasiado pequenas.

Downer disse na ABC que enquanto a ONU fornece só 350 tropas, Canberra queria manter cerca de 650 soldados Australianos no empobrecido Estado da meia ilha.
Wirajuda da Indonésia que se devia dar mais treino internacional à força de polícia de Timor-Leste.

“O modo como países como a Indonésia e a Austrália podem ajudar, é através da construção de capacidade para a sua (Timorense) força de polícia,” disse. – AFP


Governo Australiano criticado por enviar 42 Timorenses para casa

Tradução da Margarida.

Herald Tribune Asia Pacific
The Associated Press
Publicado: Setembro 9, 2006

CANBERRA, Australia Legisladores criticaram o governo no Sábado por ter forçado 42 Timorenses que fugiram da violência na capital Dili em Maio a regressarem à sua terra.

Aos 42 homens, mulheres e crianças foi-lhes dito na Sexta-feira que tinham até à meia-noite de Segunda-feira para regressar a casa, disse no Sábado uma porta-voz do Departamento da Imigração.

Todos eles, correntemente a viverem nas cidades Australianas de Melbourne e Darwin, tinham feito apelos que falharam à Ministra da Imigração Amanda Vanstone para alargamento do prazo dos seus vistos humanitários.

Paul Henderson, um Ministro com base em Darwin do Governo do Território do Norte, criticou o Governo federal por mandar embora os Timorenses no dia a seguir a rer anunciado, na Quinta-feira, que mais 120 soldados Australianos vão ser enviados para Dili por causa da escalada das tensões.

"Um braço do governo diz que as coisas não estão muito bem em Timor-Leste e que precisamos de enviar mais tropas para lá e o outro braço do governo diz que é seguro para estes 14 irem para casa," disse Henderson à Australian Broadcasting Corp. radio, referindo-se aos 14 Timorenses que estão a viver na sua cidade.

O grupo estava entre os 54 Timorenses resgatados de Dili em Maio quando a Austrália mandou um batalhão de tropas para acalmar a violência que matou pelo menos 30 pessoas e tirou 150,000 das suas casas.

A violência tinha aumentado de confrontos entre forças de segurança do governo e soldados despedidos em Março pelo antigo Primeiro-Ministro Mari Alkatiri.

Uma dúzia dos 54 a quem inicialmente foi dado vistos humanitários de três meses já tinham regressado às suas casas voluntariamente, disse a porta-voz da imigração sob anonimato, citando a política do departamento.

Aos restantes foi-lhes dada uma extensão de duas semanas em 24 de Agosto, disse a porta-voz.

Ela declinou dar pormenores das razões dos Timorenses serem trazidos para a Austrália, citando considerações de privacidade.

"por causa das suas circunstâncias pessoais, eram particularmente vulneráveis dada a situação política e de segurança em Dili então," disse a porta-voz.

Vanstone tinha decidido que os restantes 42 deviam regressar a casa depois de ter considerado os últimos relatórios do governo sobre a segurança em Timor-Leste, disse.

O Primeiro-Ministro John Howard disse ao Parlamento na Quinta-feira que o nível da violência em Dili tinha caído nas semanas recentes.

Mas a Austrália mandou imediatamente mais 120 tropas porque a fuga dos 57 presos da prisão de Dili em 30 de Agosto tinha "escalado as tensões," disse.

Na altura do anúncio de Howard, a Austrália tinha 930 militares e 180 polícias em Timor-Leste.

A UNMIT Anuncia a nomeação do Representante Especial adjunto do Secretário-Geral para Timor-Leste

Tradução da Margarida.

Comunicado de imprensa da UNMIT - 7 Setembro 2006

DILI Finn Reske-Nielsen foi nomeado Representante Especial adjunto do Secretário-Geral para Timor-Leste (DSRSG) para apoio à governação, Desenvolvimento e Coordenação Humanitária da Missão Integrada da ONU em Timor-Leste (UNMIT).

Mr. Reske-Nielsen assumiu o seu posto imediatamente depois de ter chegado a Dili no Domingo passado. Como membro de topo da equipa de gestão da UNMIT, Mr. Reske-Nielsen será responsável por dar apoio e orientação às eleições parlamentares e presidenciais de 2007, apoio à governação, coordenação dos dadores e mobilização de recursos, assistência humanitária e HIV/AIDS.

Mr. Reske-Nielsen serviu antes como Coordenador Residente da ONU e Representante Residente do Programa de Desenvolvimento da ONU (UNDP) em Dili. Manterá estas funções em adição ao seu novo papel de DRSG. Estas responsabilidades incluem a supervisão geral das actividades operacionais da ONU para o desenvolvimento em adição com a coordenação da assistência humanitária da ONU em Timor-Leste.

Mais cedo este ano, Mr. Reske-Nielsen participou na missão de avaliação em Timor-Leste liderada pelo Enviado Especial Ian Martin na qual assistiu ao planeamento para o sector da governação da nova missão.

O SRSG Sukehiro Hasegawa saudou a nomeação de Mr. Reske-Nielsen como DSRSG. “Estou encantado por ter o apoio de Finn Reske-Nielsen quando se organiza a nova missão, “disse. “Finn conhece e compreende Timor-Leste e os desafios que estão à sua frente neste novo papel e, estou certo trabalhará sem descanso para responder a esses desafios.”

Antes de vir para Dili, em 2002 Mr. Reske-Nielsen serveiu como Coordenador Residente da ONU e Representante Residente do Programa de Desenvolvimento da ONU (UNDP) na República Popular do Laos. Exerceu a mesma função em Dili de 1999 até 2002 sob a égide da UNTAET, onde trabalhou em estreita cooperação com o então Representante Especial do Secretário-geral da ONU (SRSG) Sérgio de Mello, ajudou a desenvolver o esquema geral e a coordenação dos programas das agências da ONU. Nessa altura, Mr. Reske-Nielsen também esboçou e implementou em Timor-Leste uma série de programas de recuperação e de desenvolvimento a mais longo prazo.

Nomeações anteriores com o UNDP incluíram a de Vice- Representante em Port Moresby, Papua New Guinea, e Representante- Assistente Residente em Windhoek, Namibia. Mr. Reske-Nielsen também ocupou postos na Alta Comissão da ONU para os Refugiados (UNHCR) na Suiça e na Zâmbia e no Departamento dos Assuntos Políticos no Secretariado da ONU em New York.

No início da sua carreira, Mr. Reske-Nielsen foi Professor Assistente de Ciência Política e Administração Pública na Universidade de Aarhus na Dinamarca onde se especializou na teoria da democracia e ensinou uma série de tópicos incluindo política comparada e teoria política. Tem uma pós-graduação em Ciência Política e Administração Pública da mesma universidade.


O Presidente Xanana deve reconciliar-se com ele próprio: Tilman

Tradução da Margarida.

Revista diária dos Media
Quinta-feira, 07 Setembro 2006

Relatos dos Media Nacionais

O deputado Manuel Tilman (KOTA) realçou que a via importante para resolver a crise corrente, é o Presidente Gusmão primeiro reconciliar-se com ele próprio, depois com outros líderes políticos competentes tais como o Presidente do Parlamento Nacional Francisco Lu’Olo Guterres, o Comandante das F-FDTL Taur Matan Ruak e outros comandantes das Forças Armadas.

Tilman disse que estes indivíduos têm a responsabilidade moral para se reconciliarem e para resolver os problemas visto que conhecem os problemas no seio das F-FDTL. Disse ainda que o próximo passo do Presidente Gusmão e da sua equipa é sentar-se com cada líder representante (lia nain) de Kabalake, Matebian e Ramelau e prosseguir com a reconciliação de acordo com os costumes de Timor-Leste.

Manuel Tilman tem esperança que este processo ajudará os deslocados a regressarem a casa e que o processo na justiça se seguirá. (TP) p1


Dos leitores

É só para mandar um recado para a Lusa: É lamentavel que tenham decidido pôr à venda aqueles textos mais compostos sobre o que se vai passando em TL e nos deixem quase só com ... os títulos! Parece-me que há um sentido de serviço público que está em via de se perder na perspectiva do negócio, que, em última análise, não vai servir a ninguém, nem sequer à Lusa, ou será que os cérebros iluminados da administração ainda não enxergaram que não são só as agências que fazem as notícias, mas as notícias também fazem as agências. Lá se foi mais uma bandeira, e eu cada vez menos a visitar o site da Lusa...

Bibe malai


Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.