quinta-feira, janeiro 18, 2007

United Nations appeals for $16.6 million for Timor-Leste

Source: United Nations Office for the Coordination of Humanitarian Affairs (OCHA)
Date: 17 Jan 2007

(New York: 17 January 2007): The United Nations and the Government of Timor-Leste have appealed for $16.6 million to support the return, resettlement and reintegration of an estimated 100,000 displaced persons in Timor-Leste during the first six months of 2007.

The Consolidated Appeal for Timor-Leste, which was presented to donors today in Geneva and will be launched locally tomorrow in Dili, proposes 31 projects to address remaining humanitarian needs. The Prime Minister of the Democratic Republic of Timor-Leste, Dr. José Ramos Horta, and the United Nations Special Representative of the Secretary-General, Mr. Atul Khare, have thanked the international community for the generous support for the previous Flash Appeal for Timor-Leste, which enabled humanitarian organizations to support the Government in providing assistance to the displaced population in Timor-Leste through the end of 2006.

At the height of last year’s crisis, some 150,000 Timorese were estimated to have been displaced in conjunction with the eruption of violence between rival political factions in May 2006. Although the political and security situation has since stabilized, particularly following the deployment of international forces at the end of May, the majority of the displaced have been unable to return to their homes. Nearly 100,000 people -- ten per cent of the country’s total population -- continue to live in displacement camps or with host families. The incidence of food insecurity is on the rise in districts and malnutrition remains at high levels.

United Nations Deputy Special Representative of the Secretary-General for Governance Support, Development and Humanitarian Coordination Finn Reske-Nielsen highlighted the strategic priorities of humanitarian response. In addition to supporting the return of internally displaced persons, the 2007 Consolidated Appeal (CAP) seeks to reduce vulnerability, ensure emergency preparedness and response to new crises and natural disasters, and support sustainable national reconciliation initiatives through the implementation of 31 projects in agriculture, education, food, health, water and sanitation, protection, security, and coordination. In complementing other bilateral and multilateral partners’ efforts, the 2007 CAP will also help lay the foundations for the transition to early recovery and rehabilitation.

Timor-Leste is one of the poorest countries in the world, ranking 142nd out of 177 countries on the United Nations Development Programme (UNDP) Human Development Index. One fifth of the population lives on much less than $1 per day, while 44 per cent of the population suffers from food insecurity. The country suffers from high levels of unemployment, and the private sector has been almost completely disrupted. By dint of geography, Timor-Leste is also vulnerable to natural disasters such as floods, drought, landslides, cyclones and earthquakes.

Ten United Nations agencies, including the Food and Agriculture Organization (FAO), Office for the Coordination of Humanitarian Affairs (OCHA), Office of the United Nations High Commissioner for Human Rights (OHCHR), United Nations Development Programme (UNDP), United Nations Population Fund (UNFPA), Office of the United Nations High Commissioner for Refugees (UNHCR), United Nations Children’s Fund (UNICEF), United Nations Development Fund for Women (UNIFEM), World Food Programme (WFP) and the World Health Organization (WHO), as well as the International Organization for Migration (IOM), four non-governmental organizations (NGOs) -- the Christian Children’s Fund (CCF), Oxfam, Plan International, and Triangle Génération Humanitaire (TGH) -- and the Timor-Leste Red Cross Society (Cruz Vermelha de Timor-Leste - CVTL) have submitted projects for funding within the appeal.


Political and civil unrest yields another humanitarian crisis

Source: CARE
Date: 16 Jan 2007

CARE has been working in Timor Leste (East Timor) since 1994 and is currently the largest international non-governmental organisation in the country, with over 180 staff and a cumulative reach to date through its aid programmes to over 50 per cent of the country's population.

The political and civil unrest in Timor Leste since April 2006 has led to the displacement of more than 15 per cent of the population of the country's capital, Dili. Confrontation between the army, police forces and civilians, combined with gang violence, has led to displacement for some, whose houses and cars have been torched, while others have been injured. Many more fear for their safety and security and thus have fled their homes, seeking refuge in various locations such as schools, churches, and community centres. The result has been spontaneous rise of camps for Internally Displaced Persons (IDPs). In Dili alone, these camps house up to 67,916 people with a further 78,431 people having fled to the districts (June estimates).

In response to the current humanitarian situation that has emerged from the violence in April and May, CARE is ensuring that minimum basic living standards and safety for the internally displaced populations are achieved during their asylum in various camps where people have fled. This is achieved through the provision of basic relief supplies and logistical assistance working in close coordination with the national government and other aid agencies. CARE, with its extensive fleet of trucks and relief distribution teams, has assisted over 140,000 displaced people since April 2006 and is working directly in 15 camps in and around Dili providing basic survival items including food, water, sanitation, shelter, health and security as well as supporting overall management.

The Government of Timor Leste initially anticipated that the migrated populations would return home by the end of August, 2006. However, the security situation remains unstable.

Gang violence continues, and there are regular incidents of rock throwing, looting and burning of houses, and threats against the individuals. As a result, a significant number of people living in camps feel unsafe to return to their homes. It is expected that camp-dwellers will remain for another four to nine months, creating large demands for continued services such as food, water, sanitation, educations, camp management, and children and women's protection. CARE has been working in Timor Leste since 1994. Expecting the populations to remain in camps for months to come, CARE is seeking additional funds to continue its operations in the months ahead. With the assistance of people like you, CARE will be able to maintain and even increase the amount of assistance it is providing to people suffering from civil strife in this young country, plagued with instability, violence, and danger.


Lafaek, the Children's Magazine: Children's Rights Promotion and Curriculum

Lafaek is the only children's magazine produced in the country's local language, Tetum. CARE's Lafaek team of 34 staff produces and distributes 260,000 copies reaching every child in primary school in East Timor and 7,500 copies to teachers five times a year.

Haburas Labarik Children's Rights Project

CARE, working in partnership with the Alola Foundation aims to work on the increase of knowledge about, and protection of, children's rights in Timor Leste. The project also provides greater access and exposure to information on children's rights and the need for the protection of these rights to students.

Integrated Nutrition and Health Education and Intervention Project (INHEP)

This recently completed project worked to reduce the rates of malnutrition in children under five and improve the nutrition status of pregnant and lactating women in Liquica, Bobonaro, and Covalima districts.

Strengthening the NGO Sector in East Timor

CARE is working in partnership with ACDI/VOCA and the Columbia University Centre for International Conflict Resolution to share expertise in community development and organisations management by training local various NGOs and community organisations in a variety of areas necessary for success in running effective, community-driven organisations.

Community-led Innovation in Drought Preparedness and Mitigation

The project aims to help communities prepare for drought-induced food insecurity through the establishment of improved grain storage facilities in villages in Liquica district and to build capacity at the local level for communities to overcome their vulnerabilities to disaster and in particular to drought.

Mitigation of Malaria for the Most Affected Groups in Timor Island (MIAT)

The project is a joint and integrated response to decrease high levels of Annual Malaria Incidence in both Eastern and Western Timor. The project specifically targets vulnerable groups through a rights based approach with emphasis on pregnant women and under 5 year children and seeks to increase the efforts of both the East Timorese and Indonesian Government to halt and control malaria by 2015.

Emergency Response to Internally Displaced People in Dili and the surrounding areas

This project ensures that basic relief is provided to meet needs of internally displaced people who have fled their homes following the violence in April 2006. In Dili CARE is directly supporting activities in 15 camps with approximately 35 000 internally displaced people.

Emergency Food Distribution for Internally Displaced People and Vulnerable Communities in the Western Region

CARE distributes food for people who have fled to the rural areas in Liquica, Bobonaro and Covalima as a result of the conflict in April/May 2006 and other communities who experience chronic food shortage and high malnutrition rates. Supplementary food is provided for children under the age of five as well as pregnant and lactating mothers.

East Timor rebel chief ready to face kill charges

The Australian
Mark Dodd
January 18, 2007

REBEL army major Alfredo Reinado is in negotiations to give himself up to face murder charges over the deaths of five people during a gun battle.

East Timor Prime Minister Jose Ramos Horta said yesterday that Major Reinado had been "much more co-operative" in talks with the Prime Minister's office and other senior government and UN officials.

"He (Major Reinado) has stated he is willing to face the charges against him in regard to the killing that took place at Fatu Ahi in May," Dr Ramos Horta said. "Now we are in the last stages of dialogue with Mr Reinado for him to co-operate with justice. I hope his case can be resolved in the next few weeks."

Major Reinado, named by a UN commission of inquiry as a prime suspect in last year's deadly violence, had earlier claimed he was unfairly singled out for punishment.

The Australian-trained former head of military police is wanted over the deaths of five people in a skirmish with loyalist soldiers on May 23 on Dili's outskirts.

His escape from Dili's Becora jail on August 30 with 56 other inmates embarrassed the Australian-led military guarding the prison precinct.

Dr Ramos Horta said a court appearance by Major Reinado, along with two other trials involving members of East Timor's security forces and former interior minister Rogerio Lobato, would "send a good signal to society that no one is above the law". Mr Lobato, a key ally of former prime minister Mari Alkatiri, faces charges of arming a civilian hit squad to liquidate government opponents.

Dr Ramos Horta expressed disappointment over UN delays in the signing of a security agreement with Australia and East Timor. The memorandum ofunderstanding is necessary because of the Howard Government's refusal to allow Australian peacekeepers in East Timor to submit to UN command.

It covers rules of engagement, command responsibilities and operational guidelines.

In Canberra, the Department of Foreign Affairs refused to comment, saying negotiations were continuing and a signing was expected soon.

Dr Ramos Horta said the agreement should have been signed this week.

"I am at a loss to know what isholding the UN up," he said.

The UN attached the "highest importance" to the agreement and was making every effort to ensure its early signing, a UN spokeswoman said.

Clear lines of command for the deployment of Australian troops could have prevented scenes outside a Dili court last Friday when more than 100 East Timorese soldiers, several of them armed, demonstrated in support of colleagues involved in last year's violence in Dili.


Programa de Televisão explica Lei Eleitoral - Parlamento Nacional

Informa-se que esta Quinta-feira, dia 18 de Janeiro de 2007, pelas 19h30, o programa "Hanoin Lisuk" vai incidir sobre vários temas relativos às eleições dos Órgãos de Soberania, tendo por base as Leis Eleitorais recentemente aprovadas no Parlamento Nacional.

Este tema vai ser apresentado pelos seguintes oradores:

· Sr. Joaquim dos Santos, Deputado da Bancada Fretilin
· Sr. Faustino Cardoso Gomes, Presidente da CNE
· Sr. Tomás do Rosário Cabral, Director do STAE


Ho respeito ami fo hatene ba ita boot sira hotu katak ohin loron Quinta-feira, 18 de Janeiro 2007, tuku 19h30 (tuku hitu ho balu kalan), Parlamentu Nasional sei fo sai husi televisaun (TVTL) iha programa "Hanoin lisuk", assunto nebe trata kona ba prosesso eleitoral iha Timor Leste tuir "Lei Eleitoral" nebe publika ona iha Jornal da República.

Sei halo apresentasaun ba tema ida ne'e maka:

· Sr. Joaquim dos Santos, Deputado Fretilin
· Sr. Faustino Cardoso Gomes, Presidente da CNE
· Sr. Tomás do Rosário Cabral, Director do STAE


UNMIT Revista dos Media Diários - Quinta-feira, Terça-feira, 16 Janeiro 2007

(Tradução da Margarida)

Relatos dos Media Nacionais:

TP - Timor Post
DN - Diario Nacional
STL - Suara Timor Lorosae
RTTL - Radio e Televisão de Timor-Leste

Tomada de posse dos Membros da Comissão

Os membros da Comissão Nacional de Eleições (CNE) tomaram posse ontem numa cerimónia realizada no Parlamento Nacional. O Dr. Faustino Cardoso Gomes, que foi eleito Presidente da Comissão, disse aos media que a equipa é composta por pessoas com grande capacidade que podem cumprir o trabalho com eficácia. Um dos tópicos que a comissão discutirá, é o seu próprio orçamento, disse Gomes. Intervindo na cerimónia, o Presidente do Parlamento, Francisco Guterres "Lu-Olo" lembrou aos membros da comissão que o papel da CNE é ainda de assegurar o tratamento igual aos cidadãos no censo e no processo eleitoral bem como oportunidades de igualdade e de liberdade para os candidatos na campanha eleitoral e durante as eleições. Um total de 27 pessoas, 15 efectivas e 12 substitutas formam a CNE. O Bispo Basílio do Nascimento disse que a tomada de posse dos membros da CNE é um passo positivo para o processo democrático em Timor-Leste. (DN, TP)

KOTA duvida que a Fretilin ganhe

A afirmação do Secretário-Geral da Fretilin, Mari Alkatiri de que o seu partido vencerá as eleições de 2007 com maioria absoluta foi rejeitada por paridos da oposição como PSD, KOTA e UDT. Clementino do Amaral do KOTA disse que tinha dúvidas de que a Fretilin ganhe com maioria de votos, anotando que politicamente os membros dos partidos podem fazer tais afirmações desde que não distribuam armas para destruir o seu próprio povo. Amaral disse ainda que os Timorenses acordaram e que conhecem o desenvolvimento do governo no país nos últimos cinco anos. (DN)

Deputados rejeitam recomendações da CVA

As recomendações da Comissão Verdade e Acolhimento, (CVA) para amnistia dos perpetradores de violações dos direitos humanos em Timor-Leste foram rejeitadas pelas deputadas Cipriana Pereira (Fretilin) e Maria Paixão (PSD). Ambas são de opinião 1que o sofrimento das vítimas deve ser considerado e que os autores devem enfrentar a justiça. Pereira afirmou que a última decisão será do Parlamento após consultas com os Timorenses sobre as recomendações. Paixão disse que o processo da justiça é a solução para identificar quem agiu bem ou mal. (DN)

Procedimentos no Tribunal

A presença de membros armados das F-FDTL no tribunal pode ser interpretado que o militarismo está a levantar-se, disse o deputado Clementino Amaral do KOTA. Disse que a solidariedade mostrada aos três membros das F-FDTL na sua audição judicial preliminar pelos seus colegas em uniforme e armados, dará uma má imagem do país, por isso apelou ao Brigadeiro-General Taur Matan Ruak e a outros oficiais das Forças de Defesa para não autorizarem que a mesma atitude se repita.

Fr. Martinho Gusmão disse que a presença de membros armados das Forças de Defesa Timorenses no tribunal violou a ética dos serviços públicos. José Luis Oliveira, Director da Associação Hak é da opinião que a presença de alguns membros das F-FDTL no tribunal na passada Sexta-feira em uniformes e armados, dá um impacto negativo ao país. Três membros das F-FDTL que têm estado em detenção preventiva pediram à Vice-Ministra da Justiça, Isabel Ferreira para apressar os seus casos e não os atrasar como nos casos de Oan Kiak e Abilio Mausoko, a seguir a um encontro de visita com eles.

Os três expressaram que a sua detenção servirá como exemplo para melhorar o sistema da justiça no país e querem procurar a verdade. A seguir ao encontro com os três membros das forças militares, Isabel Ferreira informou-os que o Brigadeiro-General Ruak tinha pedido a dois advogados, Sanches e José Guterres para se ocuparem e focarem nos seus casos dado que o advogado Paulo Remédios tem uma agenda muito apertada.

O Timor Post relatou que o tribunal podia chamar todas as pessoas cujos nomes têm sido mencionados durante o julgamento em relação com as alegações de distribuição de armas. Paulo Martins e o agente da polícia Pascoal Ximenes são algumas das pessoas que estão calendarizadas para comparecer no tribunal. (TP, DN, STL)

Alfredo previsto encontrar-se com o PM

O Major Reinado Alfredo disse ao Timor Post que estava previsto encontrar-se com o Primeiro-Ministro Ramos-Horta na Terça-feira como continuação de um encontro anterior para tentar resolver a crise corrente. Não revelou a agenda do encontro, dizendo que esperava ainda a confirmação do gabinete do Primeiro-Ministro. Levantaram-se também questões sobre o lançador de mísseis na posse de Alfredo. De acordo com o Sydney Morning Herald, 14/1, as Forças de Defesa Australianas perderam uma arma de tipo similar do seu centro de segurança e há dúvidas que possa ter caído nas mãos de terroristas. (TP)

A maioria dos deslocados são do leste

Com base em registos do Ministério de Obras Públicas, a maioria de um total de 3000 deslocados que decidiram regressar aos distritos, são da parte leste do território, disse o Vice-Ministro das Obras Públicas, Raul Mousaco. Disse que os que regressaram incluem funcionários civis que têm empregos na capital, acrescentando que a razão para o regresso deles se deve à situação da segurança. Disse que o governo está a trabalhar para reforçar a segurança nos bairros.

Entretanto o Bispo Basilio perguntou porque é que continua a falta de capacidade para manter a lei e a ordem em Dili, apesar do número crescente de forças internacionais e de oficiais da PNTL. Basilio disse que nos distritos a situação está pacífica mas que em Dili somente quatro ou cinco bairros têm mantido a capital acordada. Acrescentou que muita gente se questiona se há tantos membros da polícia incluindo da PNTL porque é que não contêm a situação em Dili. (TP)

RTTL títulos das notícias

O Primeiro-Ministro regressa a Timor-Leste do encontro da ASEAN

O Primeiro-Ministro Dr. José Ramos-Horta regressou do encontro da ASEAN em Cebu, Filipinas. Falando ontem aos jornalistas Ramos-Horta disse que Timor-Leste recebeu um convite especial do Secretário-Geral do Conselho de Ministros da ASEAN para participar no encontro. "A presença de Timor-Leste foi importante para nos prepararmos nós próprios para sermos membro da ASEAN no futuro próximo," disse Horta. Sublinhou também que a segurança é um assunto considerado extremamente importante em qualquer país que procure ser membro da ASEAN. Por isso ele convida todos no país para preencherem os requerimentos de segurança antes de se juntarem ao forum. Durante a sua visita, acrescentou que se encontrou com 10 chefes de Estados, incluindo Presidentes e Primeiros-Ministros e teve um encontro bilateral com a Presidente das Filipinas para assinar o acordo na cooperação na área da educação.

Duas testemunhas apresentam os seus testemunhos no tribunal

Os procedimentos do tribunal sobre Rogério Lobato, o antigo Ministro do Interior continuaram com declarações de dois membros da PNTL nomeadamente Carlos da Costa e Afonso dos Santos como novas testemunhas. De acordo com a TVTL, a da Costa Lobato pediu para distribuir o uniforme e carros ao grupo de Railos. A do Santos o juíz perguntou como é que tinha lidado com os peticionários durante a manifestação e sobre o incidente em frente do Gabinete do Ministro da Justiça em 25 de Maio de 2006. Na altura, Carlos da Costa servia como mensageiro de Rogério Lobato enquanto que Afonso dos Santos era responsável pelo Comando Operacional da PNTL que lidava com a manifestação realizada pelos peticionários em frente do Palácio do Governo de 23 - 28 Outubro de 2006.

Prisão Preventiva para Lobato

O Movimento Nacional para a Paz e a Justiça, expressou o seu descontentamento sobre o modo como o tribunal está a gerir o julgamento de Rogério Lobato. Lamentaram porque é que o tribunal não pode mudar o estatuto de Lobato de suspeito para acusado. O porta-voz do Movimento, quer que o tribunal mude o estatuto de Lobato de suspeito para acusado e que o ponha em prisão preventiva para evitar manipulações de factos e outras manobras bem como para protecção da evidência para a verdade e justiça. Pediram também ao tribunal para trazer imediatamente novas testemunhas como o Sr. Mari Alkatiri e Paulo Martins. O mesmo movimento sugeriu que o tribunal tenha um tradutor profissional de modo a garantir mensagens claras de tradução para as vítimas, o acusado, testemunhas e os presentes na sala de procedimentos do tribunal.

Conselho de Segurança da ONU - 12 Janeiro 2007

(Tradução da Margarida)

SC/8940 - 2006 Round-up

O Conselho de Segurança enfrenta uma agenda ambiciosa em 2006, mediando cessar-fogos, facilitando transições difíceis, acalmando relapsos nos conflitos

As maiores preocupações a que terá de responder incluem a guerra no Líbano, o conflito Árabe-Israelita, o Sudão, a proliferação não-nuclear, o Iraque, o Afeganistão, o terrorismo.




A consideração do Conselho da presença futura da Organização em Timor-Leste, particularmente no início da violência que irrompeu lá em Abril-Maio, culminou no estabelecimento de uma nova e integrada Missão da ONU em Agosto, formalmente conhecida como Missão Integrada da ONU em Timor-Leste (UNMIT).

A presença da Organização em Timor-Leste estava a ser reduzida desde a original Administração Transitória da ONU no leste de Timor (UNTAET), montada em 1999, que ajudou a subida do país do Sudeste Asiático à independência em 2002. Essa, foi depois substituída com uma operação mais pequena, a Missão da ONU de Apoio ao leste de Timor (UNMISET), a qual, por sua vez, foi sucedida pelo residual Escritório da ONU em Timor-Leste (UNOTIL).

A um ano de expirar o mandato da UNOTIL em Maio, o Presidente do país, Kay Rala Xanana Gusmão, pediu ao Conselho de Segurança em 23 de Janeiro para considerar estabelecer um escritório político especial de seguimento no seu país. Nesse encontro, o Conselho teve ainda um debate sobre a situação em Timor-Leste, a seguir a um memorando do Representante Especial do Secretário-Geral e responsável da UNOTIL, Sukehiro Hasegawa.

Expressando a gratidão pelo papel sério que o Conselho de Segurança tinha tido na história recente de Timor-Leste, o Presidente Gusmão disse que a violência sem sentido e a destruição de 1999 podiam parecer uma coisa do passado, mas que não se devia esquecer que tudo tinha acontecido há somente alguns anos. Muito se mantinha por fazer para garantir mais melhorias das instituições do Estado, agências de lei e ordem e administração. Em vista da aproximação das eleições presidenciais e parlamentares em 2007, propôs que a presença da ONU devia ter também uma componente de assistência eleitoral.

Uma lembrança de que a situação em Timor-Leste permanecia frágil veio no final do novo memorando para o Conselho em 5 de Maio, quando o Representante Especial do Secretário-Geral descreveu a violência recente em Timor-Leste, desencadeada pela demissão de perto de 600 soldados, com cinco pessoas mortas e milhares a fugirem da capital. O Sr. Hasegawa disse que, apesar do alcançado nos últimos cinco anos, as instituições do Estado estavam crescentemente a ser desafiadas para responder a reclamações de grupos vários e às expectativas elevadas de pessoas, bem como a potenciais riscos associados com a condução das primeiras eleições pós-independência do próximo ano, presidenciais e parlamentares.

Expressando a sua profunda preocupação com os incidentes de Abril, o Conselho, por unanimidade adoptou a resolução 1677 em 12 de Maio, estendeu até 20 de Junho o mandato da UNOTIL, e pediu ainda ao Secretário-Geral para fornecer um ponto da situação actualizado à ONU após expirar o mandato da UNOTIL.

Com a situação de segurança em Timor-Leste a deteriorar-se ainda mais, o Conselho, numa declaração presidencial em 25 de Maio, urgiu o Governo do país a dar os passos necessários para pôr fim à violência e urgiu todas as partes a participarem no processo democrático. Apoiou totalmente ainda o destacamento de forças de defesa e de segurança de Portugal, Austrália, Nova Zelândia e Malásia, em resposta a um pedido do Governo Timorense, e saudou as iniciativas do Secretário-Geral, incluindo a sua intenção de enviar um enviado especial a Timor-Leste de modo a facilitar o diálogo político.

Depois de incidentes mortais em Abril e Maio terem deslocado mais de 100,000 pessoas e de terem sido destacadas tropas de quarto países para acalmar a situação no país outra vez em 13 de Junho. Dirigindo-se ao Conselho, o Secretário-Geral Kofi Annan apontou que Timor-Leste era um “filho da comunidade internacional” que a ONU estava determinada a não abandonar em tempos de precisão.

Através de quatro missões sucessivas, a ONU tinha tido um papel chave no lançar da fundação do processo e das instituições democráticas em Timor-Leste, disse. Hoje, contudo, estas estavam expostas. “Aprendemos – com um custo doloroso para Timor-Leste – que a construção de instituições sob o princípio básico da democracia e do domínio da lei não é um processo simples e que não se pode completar em muito poucos anos,” concluiu. Claramente, há um tremendo trabalho à frente, tanto para o Governo como para a comunidade internacional.

O Conselho foi ainda informado pelo Enviado Especial do Secretário-Geral, Ian Martin, que informou não só dos imediatos desafios de segurança, mas ainda da complexidade da situação política e de outros problemas, que requerem atenção a longo prazo e ajuda da comunidade internacional. Na mesma altura, acautelou contra opiniões que vêem Timor-Leste como um Estado falhado, dizendo que, em vez disso, era um Estado com quatro anos “a lutasr para se firmar nos seus dois pés e a aprender a praticar governação democrática”.

Em 20 de Junho, o Conselho, por unanimidade adoptou a resolução 1690, que alargava o mandato da UNOTIL por dois meses, dando ao Secretário-Geral até 7 de Agosto para relatar para a ONU o papel futuro depois do mandato expirar.

As recomendações do Secretério-Geral para uma nova, missão da ONU em Timor-Leste “multidimensional e integrada” foram consideradas em 15 de Agosto. Ao introduzir as propostas do Secretário-Geral, o Sr. Martin disse que, o pedido para mandatar uma grande missão depois da redução das missões anteriores, o Conselho não devia ver isso como uma regressão. A proposta estabeleceria um compacto mais efectivo entre Timor-Leste e a comunidade internacional. Que o falhanço central revelado pela crise de Abril e Maio tinha sido no sector da segurança – por isso a reforma desse sector era a tarefa central. Também, o desafio do sistema de justiça que confrontava crimes sérios era maior do que nunca, e que era necessário reforçar a protecção de direitos humanos.

O Ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação de Timor-Leste, José Luis Guterres, transmitiu a gratidão do seu povo à Austrália, Malásia, Nova Zelândia e Portugal – os países que tinham contribuído para a força de estabilização internacional depois dos eventos de Abril. Esses desenvolvimentos tinham revelado uma necessidade aguda para assistência internacional a longo prazo para a construção de instituições do Estado viáveis, especialmente nas áreas da segurança, justiça e desenvolvimento, disse.

Muitos oradores no debate sublinharam que, apesar dos “lamentáveis” eventos de Abril e Maio, o jovem país tinha dado grandes passadas em frente e merecia apoio internacional continuado. O representante das Filipinas ecoou os sentimentos de muitos oradores ao dizer que, apesar dos eventos dos meses passados, Timor-Leste continuava a ser um dos melhores exemplos duma iniciativa internacional com sucesso através de esforços de cooperação combinados da ONU, jogadores regionais e parceiros.

Enquanto continuaram as deliberações sobre a proposta do Secretário-Geral para uma nova missão, o Conselho alargou o mandato da UNOTIL por mais cinco dias e em 18 Agosto, adoptou a resolução 1703 por unanimidade.

Finalmente, em 25 de Agosto, o Conselho estabeleceu uma operação nova e alargada – a Missão Integrada da ONU em Timor-Leste (UNMIT) – por um período inicial de seis meses, que terá até 1,608 membros da polícia e 34 oficiais militares.

De acordo com a resolução 1704, que foi adoptada por unanimidade nesse dia, o mandato da UNMIT inclui apoiar o Governo para ”consolidar a estabilidade, reforçar uma cultura de governação democrática, e facilitar o diálogo politico entre as partes Timorenses nos seus esforços para realizarem um processo de reconciliação nacional”.

À Missão foi ainda dado a tarefa de apoiar o pais na realização em 2007 das eleições presidenciais e parlamentares e a garantir, através da presença da polícia da ONU, a restauração e a manutenção da segurança pública. O seu mandato inclui também providenciar assistência ao Governo na revisão do sector da segurança; fortalecer a capacidade nacional na promoção e protecção dos direitos humanos; e promover a justiça e a reconciliação. As forças de segurança internacional da Austrália, Malásia, Nova Zelândia e Portugal foram chamadas para cooperarem totalmente e darem assistência à UNMIT.


[Texto integral: http://www.un.org/News/Press/docs/2007/sc8940.doc.htm]

Amnistia para violadores de direitos em Timor-Leste está OK, diz órgão

(Tradução da Margarida)
The Jakarta Post - Quarta-feira, Janeiro 17, 2007

M. Taufiqurrahman, The Jakarta Post, Jakarta

A Comissão para a Verdade e a Amizade (KKP) deixará a concessão de amnistia dos violadores dos direitos humanos em Timor-Leste aos governos Indonésio e de Timor-Leste.

O membro da Comissão Lt. Gen. (ret) Agus Widjojo disse na Terça-feira que a amnistia, deve, contudo, ser dada aos que têm cooperado em dar informações ao inquérito da KKP. "Nos termos de referência da comissão há uma cláusula que diz que podemos recomendar nomes a quem deve ser dada amnistia ... na condição de que cooperem com o nosso inquérito," disse Agus ao The Jakarta Post.

Disse que a primeira tarefa da KKP era descobrir a verdade que rodeou a violência que leve lugar imediatamente depois do referendo de 1999 em Timor-Leste, no qual mais de 90 por cento dos Timorenses votaram a separação da Indonésia. "A nossa tarefa é investigar se devemos exigir responsabilização institucional," disse.

No princípio do mês, membros da comissão concordaram em fazer recomendações aos governos Indonésio e de Timor-Leste sobre amnistia para os perpetradores da violência. A ONU estimou que pelo menos 1,500 pessoas foram mortas por grupos de milícias apoiadas pelas Forças Militares Indonésias (TNI) no pós-referendo de 1999.

Um número de generais Indonésios, incluindo o antigo chefe da TNI e ministro da defesa Gen. (ret) Wiranto, estão entre os membros das forças militares que se esperam sejam convocadas pela KKP.

A comissão, modelada num corpo para restaurar a justiça similar à da África do Sul, Chile e Argentina, não tem poder para processar alegado violadores de direitos humanos. Contudo, pode fazer recomendações aos governos da Indonésia e de Timor-Leste para darem amnistias e compensações para a reabilitação de vítimas.

O órgão foi montado no ano passado depois de a ONU ter expressado desacordo com as anteriores tentativas da Indonésia para levar à justiça os perpetradores das violações dos direitos. Na mesma altura, ameaçou levar os casos a um tribunal internacional.

Espera-se que a comissão termine o seu inquérito em 31 de Julho.

Rafendi Djamin do Grupo de Trabalho dos Direitos Humanos condenou as recomendações da KKP de a alegados perpetradores de violações de direitos humanos em Timor-Leste ser dada amnistia. "É consensual na comunidade internacional que houve grandes violações de direitos humanos em Timor-Leste e que os perpetradores devem responder em julgamento pelas mesmas. Não há tal coisa de amnistia para os perpetradores," disse Rafendi ao Post.

Rafendi disse que o governo Indonésio se arriscava a perder a sua credibilidade de campeão de direitos humanos se seguisse a recomendação. Disse que a comissão falhava desde o início e que somente se focava em perseguir a verdade em vez da justiça.

Rafendi disse que a comunidade internacional esperava agora as conclusões finais da KKP. "Toda a gente está a vê-la agora," disse.


Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.