sábado, dezembro 08, 2007

Nobel official says peace prize is no magic wand

Sat Dec 8, 2007 6:08pm EST

By John Acher

OSLO, Dec 9 (Reuters) - The Nobel Peace Prize has occasionally affected world events, but it is more of a microphone to broadcast the views of the winner than a magic wand to change things, a senior Nobel official said.

Geir Lundestad, head of the Nobel Institute in Oslo and secretary to the Norwegian committee that selects the laureates, said the peace prize could open many doors, but it only rarely enabled the winners to change the world.

"The prize is primarily a high honour," Lundestad told reporters during a recent visit to the Institute. "It also acts as a loudspeaker and a microphone for the lesser-known laureates."

"It can obviously not produce peace. It is no magic wand -- that goes without saying," he said.

Former U.S. Vice President Al Gore will receive the Nobel Peace Prize in the Norwegian capital on Monday with the U.N. Intergovernmental Panel on Climate Change (IPCC).

Announced in October, the 10 million Swedish crown ($1.55 million) award went to them for spreading public awareness and furthering the science of climate change.

Gore and IPCC chairman Rajendra Pachauri will receive the prize while governments are convened at a U.N. climate conference in Bali, Indonesia, to try to launch negotiations for a treaty to succeed the Kyoto protocol curbing greenhouse gas emissions.

Gore said upon arriving in Oslo on Friday, that if the prize helped further those talks, it would be a good thing. The peace prize has sometimes offered protection to the winners against their countries' rulers, as noted by the 1983 laureate Lech Walesa of Poland and the Soviet dissident physicist Andrei Sakharov who got the prize in 1975.

"It also opens virtually all doors," Lundestad said, citing the example of South African Bishop Desmond Tutu who was invited to Ronald Reagan's White House to delivery his message about the evils of apartheid only after he won the prize in 1984.

"And very occasionally, but only very occasionally, it can influence politics on the ground," Lundestad said.

Perhaps the best example, he said, was the 1996 prize to Bishop Carlos Belo and Jose Ramos Horta. The prize-winners themselves said the award was influential in helping East Timor break away from Indonesia in 1999 and gain independence in 2002.

Before winning the prize, Ramos Horta travelled the world seeking support, but no one wanted to see him or finance his movement, so he slept in railway stations, Lundestad said.

Lundestad said East Timor gained independence mainly because of economic, social and political collapse in Indonesia at the end of the 1990s.

"But the prize certainly contributed. The world certainly cared about what was happening on that tiny half of that tiny island," he said. (Editing by Caroline Drees)


Entidade do Nobel diz que o prémio da paz não é varinha mágica

Sat Dez 8, 2007 6:08pm EST

Por John Acher

OSLO, Dez 9 (Reuters) – O prémio Nobel da Paz tem afectado ocasionalmente os eventos mundiais, mas é mais um microfone para emitir as opiniões do vencedor do que uma varinha mágica para mudar as coisas, disse uma entidade de topo do Nobel.

Geir Lundestad, responsável do Instituto Nobel em Oslo e secretário do comité Norueguês que escolhe os laureados, disse que o o prémio da paz pode abrir muitas portas, mas que apenas raramente capacita os vencedores a mudar o mundo.

"O prémio é principalmente uma grande honra," disse Lundestad aos repórteres durante uma visita recente ao Instituto. "Actua ainda como um altifalante e um microfone para os laureados menos conhecidos.""Obviamente, pode não produzir a paz. Não é nenhuma varinha mágica – nem vale a pena falar disso," disse.

O antigo Vice Presidente dos USA Al Gore receberá o Prémio Nobel da Paz na capital Norueguesa na Segunda-feira juntamente com o Painel da ONU Inter-governamental para a Mudança Climática (IPCC).

Anunciado em Outubro, o prémio de 10 milhões de coroas Suecas ($1.55 milhões) foi para eles para gastarem em em alertas ao mundo e para avançarem com a ciência da mudança do clima.

Gore e o presidente do IPCC Rajendra Pachauri receberão o prémio ao mesmo tempo que os governos estão reunidos numa conferência da ONU sobre o clima em Bali, Indonésia, para tentarem lançar negociações para um tratado que suceda ao protocolo de Quioto para diminuir as emissões de gás carbónico.

Gore disse ao chegar a Oslo na Sexta-feira, que se o prémio ajudar mais essas conversações, será uma boa coisa. O prémio da paz às vezes tem oferecido protecção aos vencedores contra os governantes dos seus países, como fez notar o laureado de 1983 Lech Walesa da Polónia e o físico Soviético dissidente Andrei Sakharov que obteve o prémio em 1975.

"Também abre virtualmente todas as portas," disse Lundestad, citando o exemplo do Bispo Sul Africano Desmond Tutu que foi convidado pela Casa Branca de Ronald Reagan para emitir a sua mensagem sobre os males do apartheid apenas depois de ter ganho o prémio em 1984.

"E muito ocasionalmente, mas apenas muito ocasionalmente, pode afectar políticas no terreno," disse Lundestad.

Talvez o melhor exemplo, disse, foi o prémio de 1996 ao Bispo Carlos Belo e a José Ramos Horta. Os próprios vencedores do prémio disseram que o prémio teve influência para ajudar Timor-Leste a separar-se da Indonésia em 1999 e ganhar a a independência em 2002.

Antes de ganhar o prémio, Ramos Horta viajou pelo mundo a procurar apoio mas ninguém o queria ver ou financiar o seu movimento, por isso dormia em estações de caminho de ferro, disse Lundestad.

Lundestad disse que Timor-Leste ganhou a independência principalmente por causa do desmoronamento económico, social e político na Indonésia no final dos anos 1990s.

"Mas o prémio contribuiu certamente. Certamente que o mundo se preocupou com o que estava a acontecer naquela pequena metade daquela pequena ilha," disse. (Edição por Caroline Drees)

Timor Leste: JRS responds to displacement crisis

Jesuit Refugee Service (JRS)
Date: 07 Dec 2007
Press Release

In April 2006, as a result of a political crisis (the sacking of a significant number of police/military personnel) in Timor Leste, thousands of East Timorese again had their homes destroyed and their security threatened. Tens of thousands (from a total population of one million) fled their homes and sought refuge in embassies, government, Church and non-governmental institutions, as well as the homes of extended family members.

One year later, it is estimated that more than 100,000 internally displaced persons (IDPs) are still residing in temporary shelters. This IDP crisis in Timor Leste is relatively unknown outside the country and is creating enormous instability in the country.

Timor Leste held parliamentary elections on 30 June 2007. The protracted period of time necessary to form a new government has brought about a temporary power vacuum that is preventing an adequate political response to the IDP crisis. Many IDPs have lost their homes and possessions and others fear reprisals should they attempt to return to their existing home.

It is now evident that the emergency and IDP crisis in Timor Leste will extend past 2007 and that IDPs will require shelter for at least a further two years.

One hundred thousand people are internally displaced throughout Timor Leste and the majority have been displaced for more than one year. In the capital, Dili, there are 30,000 displaced people. They mainly reside in temporary camps and shelters established on Church grounds, and in abandoned buildings and public places. Services available to IDPs in these camps are basic and are provided by international organisations coordinated by the Timor Leste Ministry of Social Affairs and Solidarity (formerly known as Ministry of Labour and Community Insertion - MTRC).

The camps were constructed to cater for displaced persons for short periods of time. The structures are inadequate to host this population for such long periods of time. Basic services, such as water and sanitation, are provided in the camps, and the IDPs gain regular access to education and health services in the local community. During the daytime, some families go from the camps to work or even to protect their family home if it has not already been destroyed. However, most IDPs remain in the camps because of security fears or because their house and possessions were destroyed or threatened during the 2006 crisis.

A further 70,000 people are displaced in camps in rural Timor Leste or reside with extended family members in the districts outside of Dili. This displaced population has put enormous strains on families and local community resources. Many of these people believe that they cannot return to Dili or to their place of origin because of security threats or a belief that they will not be accepted in their villages or towns.

Fr Bambang, JRS Timor Leste Director, pointed out that, “consultations by JRS Australia, in a visit to Timor Leste in May 2007, confirmed that there is an ongoing IDP emergency in the country and that this emergency will not be resolved in less than 18 months. It was also predicted that there would be spikes of further displacement as the civil unrest continues. Throughout the consultations, many gaps were identified in existing programmes for the IDPs and there were considerable reasons for JRS to return to Timor Leste as soon as possible. In conversations with some of the religious communities hosting larger displaced populations, there was a great deal of discussion about the need for moral support and assistance in helping them to think through how best to resolve this situation of displacement in the long term.”

Fr Bambang further emphasised that, “during the visit, many agencies acknowledged they were providing the essential services to the displaced population. They do not have sufficient time to accompany and listen to the needs of the displaced people and assist them to overcome the problems they are facing in the camps. While tending to physical needs, concern was expressed that the rights and protection needs of the IDPs have not been given sufficient attention due to other commitments of the various agencies. Limited attention has been paid to helping the IDPs find durable solutions.”

JRS was active in Timor Leste from 1999-2002. During the 2007 visit, JRS carried out a preliminary needs assessment and investigated ways that it might contribute to resolving the plight of those who continue to be displaced. The Jesuit community in Dili, together with other religious communities, provided on-going shelter, material and pastoral support to the displaced people in the capital city since April, 2006.

Other agencies are providing basic necessities for the displaced people, e.g. food, temporary shelter, water, health, etc. However, there is still a lack of direct and personal contact with displaced persons.

Through its presence and accompaniment, as well as its community services, JRS hopes to provide protection measures, indirectly, to the displaced persons in the camp. JRS hopes to facilitate (through capacity building workshops) responsible day-to-day management of the camp by the displaced persons themselves and, if the conditions are appropriate, to facilitate their return to their respective homes. Furthermore, JRS intends to provide some basic training to the camp managers in the religious communities on how to accompany the displaced persons in these conditions.

In August 2007, following a needs assessment, JRS Asia Pacific Director Fr Bernard Arputhasamy, in consultation with the Jesuit superior in Timor Leste and the local church, decided that JRS Timor Leste would be re-established in September 2007.

The present situation in Dili is quite calm. Stone throwing incidences have decreased considerably and some IDPs have reportedly already returned to their homes.

In the meantime, the IDPs issue has been politicised. In some camps dominated by the left-wing political party, Revolutionary Front for an Independent Timor-Leste (Fretilin), many of their banners can be seen flying. From discussions with camp leaders, local brothers, nuns, priests, staff from international NGOs and local activists, the current situation is much more complicated and confused.

The current conflict began as a dispute between the members of the F-FDTL (Timor Leste Armed Forces). It denigrated into a conflict between members of the Lorosae and Loromanu ethnic communities. Later, it spread to conflict between F-FDTL and the PNTL (National Police of Timor Leste). Now it seems that the conflict between the Lorosae and Loromonu communities has become identified with party ideology and gang rivalry in the capital, Dili. Difficulties between community groups are being associated with political party allegiance, ethnicity or gang membership.

Moreover, the society is being devastated by a staggering high level of unemployment, almost 50%. Young people, the majority of whom are unemployed, are extremely vulnerable. They are being manipulated to carry out violent acts.

Fr Bambang clarified that, "JRS is here to help build the capacity of the local population to take over the role of governing their own lives. We have initially started to work in the religious convents and seminaries hosting IDPs, while gradually setting up the office and more clearly defining our activities."

Currently working alone, Fr Bambang, is busy building a clear focus for the project. The JRS office is presently located in the Jesuit House of Taibessi with two officers from Caritas Australia and the local NGO, Perkumpulan HAK (Human Rights, Law and Justice Association). JRS is currently looking for more appropriate offices.

As a first step, JRS, in cooperation with the UN Development Programme and the local human rights and justice ombudsman (Provedoria Diretus Humanus Justicia), has begun providing training workshops on protection-related issues, funded by Caritas Australia. The workshops consist of three modules: training for NGOs, training for trainers in NGOs, and camp leaders and managers in religious convents hosting IDPs.


Timor Leste: JRS responde à crise dos deslocados

Serviço de Refugiados dos Jesuitas (JRS)
Data: 07 Dez 2007
Comunicado de Imprensa

Em Abril 2006, como resultado de uma crise política (o despedimento de um número significativo de pessoal da polícia/militar) em Timor-Leste, milhares de Timorenses tiveram outra vez as suas casas destruídas e a sua segurança ameaçada. Dezenas de milhares (duma população que tem o total de um milhão) fugiram das suas casas e procuraram refúgio em embaixadas, (edifícios) do governo, igreja e ONG's, bem como em casas de membros da família.

Um ano depois, é estimado que mais de 100,000 deslocados ainda a viver em abrigos temporários. Esta crise de deslocados em Timor-Leste é relativamente desconhecida fora do país e está a criar uma enorme instabilidade no país.

Timor Leste realizou eleições parlamentares em 30 Junho 2007. O prolongado período de tempo necessário para formar um novo governo criou um vácuo de poder que está a impedir uma resposta política adequada à crise dos deslocados. Muitos deslocados perderam as suas casas e bens e outros receiam represálias caso tentem regressar às suas casas.

É agora evidente que a emergência e a crise dos deslocados em Timor-Leste se prolongará para além de 2007 e que os deslocados precisarão de abrigo pelo menos para mais dois anos.

Cem mil pessoas estão deslocadas através de Timor-Leste e a maioria tem estado deslocada há mais de um ano. Na capital, Dili, há mais de 30,000 deslocados. Residem principalmente em campos e abrigos temporários estabelecidos em terrenos da igreja, e em edifícios abandonados e locais públicos. Os serviços disponíveis para os deslocados nesses campos são básicos e são fornecidos por organizações internacionais coordenadas pelo Ministério dos Assuntos Sociais e Solidariedade de Timor-Leste (antes conhecido como Ministério do Trabalho e da Inserção Comunitária - MTRC).

Os campos foram construídos para cuidar de deslocados de curta duração. As estruturas não estão adequadas para abrigar a sua população por longos períodos de tempo. São fornecidos serviços básicos, tais como água e sanidade, e os deslocados têm acesso regular a serviços como saúde e educação nas comunidades locais. Durante o dia, algumas famílias saem para o trabalho ou mesmo para protegerem as suas casas de família se ainda não tiverem sido destruídas. Contudo, a maioria dos deslocados ficam nos campos por receios ou porque as suas casas e bens foram destruídos ou ameaçados durante a crise de 2006.

Outras 70,000 pessoas estão deslocados em campos nas zonas rurais de Timor-Leste ou residem com membros das sua famílias nos distritos fora de Dili. Esta população deslocada pôs enormes tensões sobre os recursos de famílias e comunidades locais. Muita desta gente acredita que não pode regressar a Dili ou para o seu sítio de origem por causa de ameaças de segurança ou por acreditarem que não serão bem aceites nas suas vilas ou cidades.

O padre Bambang, Director do JRS de Timor-Leste, apontou que, “consultas pelo JRS Australia, numa visita a Timor-Leste em Maio 2007, confirmou que há uma emergência de deslocados em curso neste país e que esta emergência não se resolverá em menos de 18 meses. Era também previsível que haverá focos de mais deslocados dado que o desassossego civil continua. Através das consultas, foram identificadas muitas falhas nos programas que existem para deslocados e que havia razões consideráveis para o JRS regressar a Timor-Leste tão cedo quanto possível. Em conversas com algumas comunidades religiosas que abrigam maiores populações de deslocados, havia muita discussão sobre a necessidade de apoio moral e de assistência em ajudá-los a pensar a melhor maneira de resolver esta situação dos deslocados a longo prazo.”

O padre Bambang enfatizou ainda que, “durante a visita, muitas agências reconheceram que estavam a fornecer serviços essenciais à população deslocada. Eles não têm tempo suficiente para acompanhar e ouvir as necessidades dos deslocados e assisti-los a ultrapassar os problemas que estão a enfrentar nos campos. Enquanto respondem às necessidades físicas, foi exprimida preocupação que não é dada atenção suficiente aos direitos e necessidades de protecção dos deslocados devido a outros compromissos das várias agências. Tem sido dada atenção limitada para os deslocados encontrarem soluções duradouras.”

O JRS esteve activo em Timor-Leste de 1999-2002. Durante a visita de 2007, o JRS fez uma avaliação preliminar de necessidades e investiga maneiras que possam contribuir para resolver a sina dos que continuam deslocados. A comunidade Jesuita em Dili, juntamente com outras comunidades religiosas, fornece abrigo em curso, apoio material e pastoral aos deslocados na capital desde Abril, 2006.

Outras agências estão a fornecer necessidades básicas aos deslocados, i.e., alimentação, abrigo temporário, água, saúde, etc. Contudo continua a haver falta de contactos directos e pessoais com os deslocados.

Através da sua presença e acompanhamento, bem como dos seus serviços comunitários, o JRS espera fornecer medidas de protecção, indirectamente, aos deslocados nos campos. O JRS espera facilitar (através de workshops de construção de capacidades) gestão responsável do dia-a-dia dos campos pelos próprios deslocados e, se as condições não forem adequadas, facilitar o regresso deles às respectivas casas. Mais ainda, o JRS tem a intenção de dar alguma formação básica aos gestores dos campos nas comunidades religiosas sobre como acompanhar os deslocados nestas condições.

Em Agosto 2007, no seguimento duma avaliação de necessidades, o Director do JRS Ásia Pacífico padre Bernard Arputhasamy, em consulta com o superior dos Jesuitas em Timor-Leste e a igreja local, decidiu que o JRS Timor-Leste será re-estabelecido em Setembro 2007.

A presente situação em Dili está bastante calma. Incidentes de apedrejamentos baixaram consideravelmente e foi relatado que alguns deslocados já regressaram às suas casas.

Entretanto, a questão dos deslocados foi politicizada. Nalguns campos dominados pelo partido de ala esquerda, Fretilin, podem-se ver ao vento, muitas das suas bandeiras. De discussões com líderes de campos, irmãos locais, freiras, padres e empregados de ONG's internacionais e activistas locais, a situação corrente está muito mais complicada e confusa.

O conflito corrente começou como uma disputa entre membros das F-FDTL (Forças Armadas de Timor-Leste). Isso transformou-se num conflito entre membros das comunidades éticas Lorosae e Loromanu. Mais tarde, isso espalhou-se em conflito entre as F-FDTL e a PNTL (Polícia Nacional de Timor-Leste). Agora parece que o conflito entre as comunidades Lorosae e Loromonu se identificou com ideologias partidárias e rivalidades de gangues na capital, Dili. Dificuldades entre grupos comunitários estão a ser associados a pertenças a partidos políticos, étnicas ou de gangues.

Mais ainda, a sociedade está a ser devastada por um incrível alto nível de desemprego, quase 50%. Jovens, a maioria dos quais estão desempregados, são extremamente vulneráveis. Estão a ser manipulados para cometerem actos violentos.

O padre Bambang clarificou que, "o JRS está aqui para ajudar a construir a capacidade da população local de assumir o papel de governar as suas próprias vidas. Inicialmente começámos a trabalhar nos conventos e nos seminários que abrigavam deslocados, ao mesmo tempo que gradualmente montávamos o escritório e definimos com mais clareza as nossas actividades."

Correntemente a trabalhar sozinho, o padre Bambang, está ocupado a construir um foco claro para o projecto. O escritório do JRS está presentemente localizado na Casa dos Jesuitas de Taibessi com dois funcionários da Caritas Australia e da ONG local, Perkumpulan HAK (Associação de Direitos Humanos, Lei e Justiça). O JRS está correntemente à procura de escritórios mais adequados.

Como primeiro passo, o JRS, em cooperação com o Programa de Desenvolvimento da ONU e o Provedor local de direitos humanos e justiça (Provedoria Direitos Humanos Justiça), começou a fazer formação de workshops sobre questões ligadas à protecção, financiada pela Caritas Australia. Os workshops consistem em três módulos: formação de ONG's, formação para formadores em ONG's, e líderes de campos em conventos que abrigam deslocados.

Depois de uma longa pausa...

Blog Do alto do Tatamailau!...

... voltamos hoje a escrever "do alto do Tatamailau". A ausência justifica-se por boas razões --- felizmente não foram "de força maior".

Para "aquecer os motores" deixo aqui apenas os dados conhecidos (ainda escassos) sobre o Orçamento de Estado para 2008, que é de um valor global de 348 milhões de USD:

Salários e vencimentos......................................... 48 milhões USD = 13,8%
Bens e serviços.................................................... 144,3 milhões USD = 41,4%
Capital menor........................................................ 23,9 milhões USD = 6,9%
Capital de desenvolvimento................................. 68 milhões USD = 19,5%
Pagamentos de Transferências Públicas........... 63,9 milhões USD = 18,3%

Esperando por mais esclarecimentos, note-se o aparecimento, em relação aos orçamentos anteriores, da rubrica "pagamentos de transferência públicas" cujo conteúdo não é ainda claro.

Os 20 milhões destinados a tentar resolver o problema dos "deslocados internos" deverão estar aqui incluídos. E mais o dinheirito para a Igreja... E mais isto, e mais aquilo...

Não me parece que a lógica das transferências seja a mais indicada mas há que esperar por mais indicações sobre o destino das mesmas e os mecanismos da sua efectivação. Até porque é o tipo de despesas que mais se presta a aldrabices, indo o dinheiro parar a mãos que não deveriam ser as destinatárias finais...

Esta lógica de dar peixes em vez de ensinar a pescar...

Publicada por Manuel Leiria de Almeida em Sexta-feira, Dezembro 07, 2007,
Do alto do Tatamailau!...

Oportunidades de consultoria de longo prazo para Timor

Blog PPP Lusofonia

As Parcerias Publico Privadas (PPP) são um conjunto de regimes contratuais em que o Estado envolve o sector privado no cumprimento das SUAS obrigações e responsabilidades de prestação de serviços públicos, de infra-estruturas publicas e outros Serviços de Interesse Económico Geral (SIEG). Este blog tem a missão de servir para a partilha de experiências de PPP em Portugal e nos outros países lusófonos, em nosso benefício colectivo.

MNE brasileiro visita Díli para fortalecer laços de cooperação

Diário Digital / Lusa
07-12-2007 19:13:00

O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Celso Amorim, fará uma visita oficial a Timor-Leste nos dias 10 e 11 de Dezembro, para reforçar os laços de cooperação com aquele país, informou hoje a diplomacia brasileira.

Segundo um comunicado divulgado pelo Itamaraty, sede do Ministério das Relações Exteriores, a agenda de Amorim inclui encontros com o Presidente timorense, José Ramos-Horta, e com o primeiro-ministro Xanana Gusmão.

O ministro brasileiro reunir-se-á igualmente com o seu homólogo Zacarias da Costa e com o presidente do Tribunal de Recurso, Cláudio Ximenes.

Celso Amorim terá ainda um encontro com o representante especial do secretário-geral das Nações Unidas em Timor-Leste, Atul Khare.

Participará também numa cerimónia de formatura no Centro de Formação Profissional administrado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial do Brasil (Senai) em Díli, dedicado à capacitação de mão-de-obra básica.

O Itamaraty destacou que o Brasil mantém estreitos laços de cooperação com Timor-Leste, único país da Ásia e Oceania que tem o português como língua oficial.

Na avaliação do governo brasileiro, esta cooperação, nos campos da educação, justiça, segurança e formação de mão-de-obra, é «essencial à consolidação do nascente Estado timorense».

Dos Leitores

fitun taci has left a new comment on your post "The politics of State rice distribution by the AMP...":

Obrigada pelo seu comentário! Hei-de voltar, sim e para sempre, mas por enquanto fica aqui só o meu sonho escrito a olhar para o mapa.

Também eu ouço a chuva a cair...

Estou em Tutuala no extremo mais extremo de Timor Lorosae! A chuva branda cai de mansinho sobre o mar. Estou descalça e com roupas leves! O clima é fabuloso! Oiço no CD, música maubere, tocada em instrumentos indígenas com sons e vozes divinos! A mesa, coberta com tais, apresenta-me uma variedade de frutos apetitosos! O cheiro do café de Ermera, inebria o ar! Da janela, os verdes e os azuis misturam-se. O arco-íris, está lá, a compor o bouquet. Passei a Taprobana, mas valeu a pena: agora espraio-me nas areias de Tasi Tolu e subo o Tata-Mai-Lau.

Entro no beiro e vou a Ataúro, a ilhota que fica a duas horas de barco. Timor é tudo o que sonhei! Estou a 18 mil quilómetros do cantinho que me viu nascer, mas nem por isso estou infeliz. Deixei tudo para trás e parti um dia, qual descobridor quinhentista para chegar o aeroporto de Baucau numa chuvosa e cálida noite. À minha espera, meus amigos. Segui com eles para uma, no centro de Dilí, perto do cemitério, no Bairro de Santa Cruz. Instalo-me: casa simples, mas acolhedora. No dia seguinte saio para o basar. Muitos catuas vendendo mânu-aman barak.Tudo me espanta, mas nada me espanta mais do que discutir os preços com os vendedores. À boa maneira tradicional, regateamos e chegamos a um consenso. Tudo é comprado com muita discussão! Almoço na Olandina uma boa feijoada à portuguesa mas provo também as bolas de etu com íkan.

Os dias vão passando e eu conhecendo a ilha: Laklubar, Barike, Venilale, Ossu, Vikeke, Lore, avançando cada vez mais para este, chego ao meridiano 127º: Lautém, uma das preferidas de Rui Cinaty:”As manhãs, mesas de bruma , de Lautém...”. Em Los Palos, reencontro minha amiga Enia, o marido Jery e as filhas, Jenia e Libertária (porque nasceu dia da Independência). Visito ainda a campa da irmã de Enia. Sigo para Mehara e chego por fim a Tutuala. Cova Lima e Ainaro, fazem parte doutro périplo. Depois Balibó, a fronteira com a Indonésia. Os vizinhos são acolhedores! Sigo por Ermera e passo por Aileu. Regresso a Dili. Deixo para mais tarde a visita ao enclave de Oekussi.

A chuva persiste. Inunda os cafezais e os campos de hare. Estiro-me na rede e penso na casinha que comprei, restaurei e onde decido viver. Abri mais um capítulo da vida! Estou só! Mas a solidão enche-me. Nada mais preciso para ser feliz! Abdiquei de muita coisa, cruzei continentes e oceanos, venci batalhas fantasmagóricas! Agora, quero envelhecer ”cortar as unhas dos dedos das dificuldades e contornar águas encapeladas...Quero abrir a porta do armário e voltar a pôr as asas de falcão”. No entretanto, o candeeiro de ténue e trémula luz, ilumina a sala. Escrevo vorazmente com o receio de que a memória do futuro, desapareça, e com ela, todos os sonhos vividos, olhando o mapa do crocodilo. E um dia, pela tardinha, “a ventania bufada pela Dama austera da gadanha”, vai-me apagar e poderei então, deixar-me ir...sem medos, porque fui feliz!

O Orçamento apresentado pelo Governo não diz nada...

H. Correia has left a new comment on your post "PN - Comunicado à imprensa sobre agenda No. 22/II":

Como é possível que 2/3 do Orçamento se destinem à aquisição de bens e serviços?

Isto é que é luta contra a pobreza? contra o analfabetismo? contra a doença?
Em que consistem e a que se destinam esses bens e serviços?

Será que são mais lonas para os refugiados e toneladas de arroz para os amigos?

Celso Amorim vai ao Timor-Leste na próxima semana

Plantão Publicada em 07/12/2007 às 14h02m
O Globo

BRASÍLIA - O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, realizará uma visita oficial ao Timor-Leste entre as próximas segunda e terça-feira. A programação do brasileiro inclui encontros com o presidente José Ramos-Horta e com o primeiro-ministro Xanana Gusmão, além de outras autoridades.

Amorim participará da cerimônia de formatura no Centro de Formação Profissional administrado pelo Senai na capital Díli, dedicado à capacitação de mão-de-obra básica.

O Brasil mantém estreitos laços de cooperação com o país, único do sudeste asiático que tem o português como língua oficial. Timor-Leste deixou de ser uma colônia de Portugal apenas em 1975 e após mais de duas décadas de guerra civil e hostilidades pela invasão indonésia, conseguiu sua independência em 1999.

AMP não respeita Regimento do Parlamento Nacional...

H Correia has left a new comment on your post "PN - Comunicado à imprensa sobre agenda No. 22/II":

"Discordando do calendário proposto pela Comissão C"

Aqui houve muito mais do que uma mera discordância. O problema é que o calendário "proposto pela Comissão C" é ilegal. Assim, esta proposta é que "discorda" do Regimento do PN.

Subtilezas linguísticas...

Comparando Orçamentos...

Margarida has left a new comment on your post "PN - Comunicado à imprensa sobre agenda No. 22/II":

Sugiro que comparem esta realidade com a realidade do 1º Orçamento da RDTL neste link:


Sugiro que estudem os anexos. Descobrirão que o total de receitas foi de cerca de 85 milhões, assim recolhidas:



Imposto sobre o rendimento

Imposto sobre os salarios

Imposto sobre os servicos

Imposto sobre as importacoes


Outras Receitas

Saldo do Exercicio Anterior

Por aqui se vê a futilidade total de quem queria que sem ovos o Mari fizesse omoletes. E hoje só podem apresentar um orçamento com quatro vezes mais de receitas devido à exemplar herança do Mari e rigorosamente apenas à sua exemplar herança de ter começado a casa pelas fundações e de ser um extraordinário organizador e negociador.


Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.