segunda-feira, janeiro 08, 2007

UNMIT Daily Media Review - Friday, 5 January 2007

National Media Reports:

TP - Timor Post
DN - Diario Nacional
STL - Suara Timor Lorosae
RTTL - Radio e Televisao de Timor-Leste

UNMIT Daily Media Review - Friday, 5 January 2007

President Xanana Gusmão returns home from holiday in Bali

President Xanana Gusmão reportedly arrived at Dili International Airport yesterday from a 10 day holiday in Bali, Indonesia. Upon his arrival, many journalists were waiting for an interview, but as his trip to Bali was a private one, he did not hold a press conference. (STL, DN)

National Parliament (NP)has not debated anything on the Ad-hoc Commission [Eventual Commission] because they want to protect each other: Oliveira

Speaking to journalists, the Director of Association of Human Rights and Justice, Jose Luis Oliveira reportedly said that East Timor National Parliament (NP) had not yet held a discussion on the Ad-hoc Commission [Eventual Commission established by the NP to follow up on the findings of the COI report] because they would like to protect each other. Mr. Oliveira emphasized on the role of the National Parliament, saying that it aims to serve the public and not individual colleagues, groups, or parties and added that the NP’s attitude was already seen by every East Timorese during the Indonesian occupation. In this era, under the Soeharto regime, Golkar [one of the biggest Indonesian political parties] was the only one that frequently did this. Then, he asked whether or not the ruling party, Fretilin would like to be another ‘Golkar’ in Timor-Leste. Mr. Oliveira considers the act of the NP as a political manipulation that has already committed serious violence against Human Rights in Timor-Leste. He stressed that this political manipulation also occurred in the judiciary sector. He affirmed that there were other ways for people to find justice even though constitutional ways were blocked and manipulated. (STL)

Ultimatum given to IDPs to return home is against the law

Speaking to journalists after attending a meeting between IDP representatives, the coordinator of the Airport IDP camp, Jose da Costa Gumao, reportedly said that the ultimatum from the government to ask IDPs to move from their camps and to stop providing humanitarian aid was against the law of human rights, particularly the right of IDPs. He added that the current government did not have any sentiments for its people who were suffering under tents in every camp. He criticized PM Ramos-Horta for being very slow in ending the crisis. Hence, the representatives of the IDPs agreed to remain in their camps until they obtain a clear policy from the government on internal security, civilians who are in possession of weapons, and criminal proceedings. (STL)

Our Institutions are still weak: Dom Basilio

Speaking to journalists after chairing the mass of the New Year Celebration in Baucau, Bishop of Baucau Diocese, Dom Basilio do Nascimento reportedly said that the process of following-up on the COI report, particularly in processing the actors who were involved in the crisis, took very long because our institutions are still very weak. Not only that, but we should all understand that this country got its independence recently; it’s just like a baby who was just born, explained Dom Basilio.

RTTL news headlines

Autopsy to establish the truth

UNMIT Deputy SRSG Mr. Eric Tan yesterday at the weekly UNMIT Press Conference said that an autopsy on the body of Mr. Sebastian is one of the important steps to reveal the truth for the family of the victim and the people of Timor-Leste. The autopsy is necessary for justice and the people who want justice. Mr. Tan also said that UNMIT will be responsible to take care of the body from exhumation until re-burial. SRSG Mr. Khare added that the autopsy would be completed within 24 hrs. At the same press conference SRSG Khare convey to the people of Timor-Leste UNMIT’s position on the report of the Commission of Inquiry. SRSG Khare stressed that UNMIT will not support any efforts for amnesty or impunity for those people who committed crimes against humanity.

IDPs reject Government plans to relocate

Yesterday, representatives from different IDP camps publicly declared to reject the government’s plan to relocate them from the present IDP camps because the proposed plan is not clear for them. One of the coordinators of the IDPs said that the Government was forcing them to return to their homes but they [the government] did not have a clear plan and never discussed their plan with the IDPs. Another member said that the government “forces us to move but how about those people who were taking the life of others, and looting and burning the houses of people and stealing from others? Will they be free? And how about those people who are still holding the illegal weapons, is the government forcing them to return their weapons to the government?”

STAE: Induction Training

In preparation for the upcoming presidential and parliamentary elections, STAE has started an induction training programme for those staff members who will help with the entire process. The Vice Minister of State Administration Valentin Ximenes said that the aim of the training is to equip the participants with the necessary skills so that they will be able to participate in the process of the national elections. The participants are coordinators from the grassroots level in the 13 districts. They should be empowered with training and be provided with clear orientation because they will be working in the districts, sub-districts, sukus and aldeias, added Mr. Ximenes.


Op-Ed: The Haunting Return of the Balibo Five

The Jakarta Post - Friday, January 5, 2007

Duncan Graham, Surabaya

It's a pity radical Islamic cleric Abu Bakar Ba'asyir was cleared of wrongdoing by Indonesia's Supreme Court during Australia's Silly Season.

This is the normally slow-news period just before Christmas and into the New Year. Politicians, PR hustlers, ambitious academics and other column poachers and airtime thieves are at the beach taking a break from feeding the media with their pontificating and posturing.

The press and TV heavies are also hitting the surf and sand, so minor events often get a run beyond their normal value.

So it has been with the toothy whitebeard skilled in needling his neighbors, even recommending that Prime Minister John Howard take the Haj.

Now that would be news. But in the absence of the Protestant Howard heading for Mecca swathed in white -- or any other solid stories - reporters have been asking and getting the predictable responses from victims of the Bali bombs. These are the outrages that Ba'asyir allegedly engineered as spiritual head of the militant group Jamaah Islamiyah.

Innocent according to the new legal decision, but guilty in the court of public opinion Down Under. Understandably the badly wounded jurors tend to be deaf to the opinions of more learned commentators. These people, including Australian Federal Police Commissioner Mick Keelty, remain unsurprised at the court's decision because the circumstantial evidence used for the conviction was tissue thin.

All this was said before and at length when Ba'asyir was released in June after serving part of a 30-month sentence. But that hasn't stopped the anger and accusations being recycled when there's been little else to report apart from sport and bushfires.

Then another Christmas goodie with Foreign Minister Alexander Downer again warning holiday-hunting Aussies to steer clear of the archipelago because they might get bombed.

The State Intelligence Agency BIN reckons no problem, leaving us to think the Aussie spooks know more than the locals – or Australia has another agenda in maintaining travel alerts and talking about unspecified and uncheckable 'credible threats'.

So here at the end of 2006 we have our long-suffering patient Ms AusIndo Relations sick yet again, with her condition likely to worsen in the next two months.

That's because a coronial inquest is scheduled early next year to examine the deaths of the Balibo Five.

Many outside the Antipodes will be bemused by this shorthand term that refers to the deaths of five Australian newsmen covering Indonesia's 1975 invasion of what was then Portuguese Timor.

The unarmed TV crews were allegedly shot dead by the Indonesian military at the border village of Balibo. Their bodies were then burned.

This is an issue that the Australian media has never abandoned. Nor have some of the victims' families - particularly Shirley Shackleton widow of reporter Greg.

After more than 30 years and numerous inquiries you might expect no new evidence could be forthcoming. Wrong. Information has now become public that didn't make it into the media during earlier closed-door investigations.

It's claimed that two Australian officials knew of intercepted radio messages transmitted by the Indonesian Army during the fighting. These allegedly ordered the journalists to be killed.

Till now it has been argued that the men died in crossfire as TNI troops and Fretilin fighters confronted each other – in other words a tragic accident. Few in the Australian media believe this version.

Some of the TNI commanders involved are still alive and likely to be named at the inquest. Not the sort of coverage that will refresh Ms AIR.

In November Australia and Indonesia signed the so-called Lombok Treaty that's supposed to make sure we all stay mates. Ms AIR's wounds started to heal - but as many observers have pointed out soothing sounds among politicians doesn't mean the hearts and minds of the electorate will follow the same song sheet.

Why should Australian taxpayers continue to help Indonesia when some of its military elite allegedly ordered the murder of our young men (all were in their 20s) who were just trying to do their job as neutral observers? (Indonesia ranks number two in Australian aid, behind Papua New Guinea).

And why should voters accept the Australian government's present intentions when past administrations allegedly knew the killings were willful but put appeasement ahead of confrontation with its overcrowded neighbor?

There'll be calls for the assassins to be prosecuted if the inquiry finds against them, but of course nothing will happen. If the masterminds behind the September 2004 Garuda airline slaying of local human rights activist Munir are untouchable, there's no chance the executioners of foreigners three decades ago will ever see the inside of a courtroom.

For Indonesia this is a closed volume. For Australia the page is heavily book marked and the edges dog-eared.

We don't expect the polygamous Ms AIR to expire - she's being lavished with lots of top-level care from her two lovers. Unfortunately she doesn't have too many friends elsewhere to wish her well, and they're the ones that matter.

So here's a New Year's resolution we can all undertake: Let's make 2007 the year we tone down the slander and make the effort to try and understand each other. In brief -- behave like good democratic neighbors, explore a bit of reconciliation and take a breath of fresh air.

The writer is an East Java-based journalist.


Díli dá mais um passo para adesão à ASEAN

Díli, 06 Jan (Lusa) - Timor-Leste assina na próxima semana com a Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) um Tratado de Amizade e Cooperação, disse hoje à Lusa o primeiro-ministro timorense José Ramos-Horta.

O documento será assinado por ocasião da 12ª Cimeira de Chefes de Estado e de Governo daquela organização regional, que decorrerá de 10 a 15 deste mês em Cebu, nas Filipinas.
"Trata-se de uma iniciativa fundamental para a adesão de Timor-Leste à ASEAN", salientou Ramos-Horta, que falou à Lusa no final de uma cerimónia realizada hoje em Díli, de celebração do Natal de 2006 e do Ano Novo de 2007.

Integram a ASEAN a Birmânia, Brunei, Camboja, Filipinas, Indonésia, Laos, Malásia, Singapura, Tailândia e Vietname.

Uma das prioridades da política externa de Timor-Leste é a adesão à ASE AN, objectivo que as autoridades consideram ser somente possível de alcançar num período não inferior a seis anos, devido à carência de estruturas e de quadros.

Timor-Leste é desde Julho de 2005 membro de pleno direito do Fórum Regional da ASEAN (ARF). O ARF é um organismo formado há 13 anos com o objectivo de consolidar a cooperação regional, a estabilidade e a paz entre os 10 países que integram a ASEAN e outros 14 membros (Austrália, Canadá, China, Coreia do Norte, Coreia do Sul, Estados Unidos, Índia, Japão, Mongólia, Nova Zelândia, Papua Nova Guiné, Paquistão, Rússia e a União Europeia).

No plano regional, Timor-Leste integra já o espaço de concertação Diálogo do Sudoeste do Pacífico, de que fazem parte a Austrália, Filipinas, Indonésia, Nova Zelândia e a Papua Nova Guiné, e tem o estatuto de observador no Fórum das Ilhas do Pacífico.

Na cerimónia realizada hoje em Díli, defronte do Palácio do Governo, e em que intervieram o Presidente Xanana Gusmão e chefe do Governo Ramos-Horta, a tónica foi a necessidade de se reunirem as condições de segurança para a realização, ao longo do ano, das segundas eleições presidências e das primeiras legislativas. Xanana Gusmão salientou que a crise política que ainda persiste no país traduz "uma crise de crescimento" de Timor-Leste e defendeu ser necessário "mais tempo para consolidar as instituições".

Na iniciativa, promovida pelo Governo, estiveram presentes líderes partidários, autoridades locais e ainda o corpo diplomático, membros do Executivo e deputados, além do comandante das forças armadas, brigadeiro-general Taur Matan Ruak, e do representante especial do secretário-geral da ONU, Atul Khare.


Taúr Matan Ruak , Futuro Presidente?

Editorial JN Semanário

Taúr Matan Ruak, o ainda comandante da F-FDTL é um dos homens que começa a ser apresentado como candidato à presidência da República. Taúr Matan Ruak nunca se pronunciou directamente sobre o assunto, mas sabe-se que é de princípios e é dos poucos com o qual o Povo timorense pode verdadeiramente contar.

Contudo, e para já, o nome começa a ser avançado como sendo o potencial candidato de José Ramos Horta. Até que Taúr se decida fica a duvida sobre as verdadeiras intenções de quem o tenta projectar. Pelo bem que se conhece de Taúr, sabemos que não é homem para se deixar “queimar” na praça pública. No entanto, não deixamos de afirmar que é um dos nomes mais nobres para exercer o cargo.

Na verdade, nesta questão será mais de esperar para ver como se posicionam os potenciais nomes: Xanana Gusmão, Mário Carrascalão, D.Carlos Filipe Ximenes Belo, José Ramos-Horta, Xavier do Amaral, Francisco Lu'olo, Marí Alkatiri, entre outros.

Para já tudo o que se diga implica apostar na especulação pura e dura. Para já aguardamos para ver como se desenrola a questão dos crimes de 2006. Como irá ficar Rogério Lobato e para quando o arquivamento ou pronuncia efectiva do anterior primeiro-ministro? Como se poderá avançar para eleições sem que os quadros legais estejam de facto criados e a justiça esclarecer o acontecido durante o ano que terminou?

2006, Ano da Vergonha

Editorial JN Semanário de fim de ano.

Fechamos o ano em vergonha, com um país mergulhado no descrédito interno e externo. 2006 ficará para sempre como o ano em que nada se consegue explicar e onde a razão perdeu a razão. Timor-Leste, o nosso sonho de país, mostrou ser o pesadelo resultado da falta de capacidade da classe política em se afirmar como capazes de conduzir um País ao estado de verdadeiramente Soberano.

2006 será para sempre o ano da vergonha nacional, onde o sentido de Democracia se confundiu com anarquia.

Será também um ano recordado pela intensa dor da morte, das pessoas mortas, bárbara e cobardemente assassinadas. 2006 é a verdade da mentira em acontecimentos que poucos compreenderão, numa seqüência estranha e com intervenientes duvidosos.

Para sempre este terá sido o ano em que criminosos passaram a quase heróis e talvez o sejam pois continuam a passear-se pelo país armados e vitoriosos. Este será também o ano marcado pela distribuição de armas.

Algumas delas que nem sequer existiam em Timor-Leste. É o ano da queda do I Governo do país. Uma queda estranha. É o ano da formação de um II Governo FRETILIN, mas com primeiro-ministro escolhido fora do Comitê Central – pelo menos limitaram-lhes a escolha. Mas este é também o ano em que o partido maioritário demonstrou apego ao Poder não optando por eleições antecipadas preferindo governar na debilidade política e institucional. 2006 será também para sempre o ano em que José Ramos-Horta assume o cargo de primeiro-ministro depois de muito antes da queda de Marí Alkatiri se pronunciar disponível para o substituir no mesmo.

Mas este também é o ano em que Timor-Leste deu uma força para alterar o nome do representante especial do Secretário-Geral das Nações Unidas. O nome do antigo presidente de Cabo Verde, não servia. Bastos foram os telefonemas para a UN e o lobbie de pressão timorense e anglosaxonico não parou. Mascarenhas não veio e ponto final.

2006 é o ano da miséria social. O ano do desrespeito pelos deveres fundamentais do povo timorense atirado para uma situação de pobreza extrema quando se começavam a dar passos no sentido do desenvolvimento.

2006 foi o ano da desgraça, da formação e afirmação de grupos de vadios.

Anarcas puros liderados por cobardes escondidos nas sombras de dinheiros podres que financiam o caos, a morte e a destruição.

2006 foi o ano da vergonha! Da vergonha para todos nós, para os vindouros.

2006, é o ano da face escondida. 2006 é o ano do nada vezes nada igual a morte e a estupidez.

Que 2007 seja o ano da retoma. O ano da justiça, o ano da punição. 2007 terá de ser o ano da verdade, da busca da mesma. 2007 deve ser o ano da criminalização clara dos autores da instabilidade e vergonha em que o país mergulhou em 2006! Com coragem, com verdade, com democracia, com soberania. 2007 deverá ser ano de eleições. 2007 deve ser o ano da retirada das tropas e polícias internacionais. 2007 deverá ser o ano dos timorenses em pleno. 2007 terá de ser o ano da República Democrática de Timor-Leste, com as suas línguas oficiais, com os seus usos e costumes, com o seu poder sobre os seus bens dentro e fora de terra. 2007 deverá ser o ano da firmação da Identidade Nacional. 2007 não poderá ser o ano das ingerências grosseiras na política interna. 2007 deverá ser o ano em que o nosso povo deve dizer não aos “nãos ” de quem teme o caminho nacional.

2007 é o ano da afirmação do Estado Não Falhado. 2007 deverá ser o ano da segurança interna, da estabilidade nacional, da justiça e da reconciliação nos crimes de não sangue.
2007 será o ano do adeus à figura de “Protectorado” de outro Estado.

2007 é o nosso ano, o ano da RDTL!


Como a Austrália orquestrou uma "mudança de regime" no Timor Leste

Por Peter Symonds

14 Octubro 2006

Esta é a conclusão de um artigo de três partes sobre a recente intervenção militar da Austrália no Timor Leste. Este artigo foi publicado no WSWS, originalmente em inglês, no dia 29 de julho de 2006.

Em um artigo intitulado "Timor Leste: fala Alkatiri" publicado no último mês no website New Matilda, o conhecido jornalista australiano independente John Martinkus investigou as queixas do Primeiro Ministro Alkatiri de que seus oponentes políticos tinham procurado ganhar o controle das forças armadas do país e fomentado um golpe contra o governo.

Falando para Martinkus, o Primeiro Ministro disse: "Estavam sempre tentando assumir o comando da Falintil-FDTL [Forças de Defesa do Timor Leste]. Tentaram convencer o comando a ordenar e participar em um golpe.

Fracassaram. Quando não conseguiram fazer com que o comando se juntasse às suas forças em um golpe, então, tentaram quebrar a F-DTL, e fizeram isso tirando dos seus quartéis quase seiscentos homens que foram considerados como revoltosos".

Em fevereiro e março, ocorreram greve e protestos de seiscentos soldados por queixas de falta de pagamento e por outras questões; suas subseqüentes demissões pelo governo Alkatiri; e a repressão de violentos protestos envolvendo soldados, gangues de jovens e políticos de oposição em 28 de abril, foram repetidamente citados na mídia australiana como as razões para o enviar tropas australianas.

Tendo conversado sobre esses eventos com os militares do Timor Leste, Martinkus escreveu:

"Altas fontes do comando da F-FDTL confirmaram que as afirmações de Alkatiri eram verdadeiras. Disseram eles que três tentativas diversas foram feitas por lideranças para lançar um golpe contra Alkatiri nos últimos 18 meses". "Fui capaz de confirmar que em abril de 2005, nas semanas seguintes às demonstrações de massa contra o governo de Alkatiri, o comandante da F-FDTL, brigadeiro Taur Matan Ruak, foi sondado para liderar um golpe. A sondagem foi feita por figuras importantes da Igreja Católica do Timor Leste. Ele rejeitou a oferta.

Foi sondado novamente no começo deste ano, em uma reunião com proeminentes lideranças do Timor Leste e com dois políticos de nacionalidade estrangeira, estes lhe pediram que liderasse um golpe.

Novamente recusou, sustentando que isso era contra a Constituição e que abriria um inaceitável precedente".

"Um dos principais deputados, o Tenente Coronel Falur Rate Laek, um veterano de Guerra contra a Indonésia, foi também sondado pelos mesmos dois líderes locais e estrangeiros. Ele também recusou".

"Devido à gravidade da informação, as nacionalidades dos estrangeiros não foram reveladas".
Os oficiais envolvidos, assim como Alkatiri e os líderes da Fretilin, claramente sabem quem fez essas sondagens, incluindo os nomes e as nacionalidades dos estrangeiros envolvidos. O fato de que não se revelassem os nomes, porém, não foi surpreendente. Isso vincula-se diretamente à recusa da Fretilin de opor-se abertamente à invasão australiana do país. Havendo temores de que se podia perder o controle do movimento de massas contra a ocupação militar. Alkatiri foi pressionado e concordou em "convidar" as tropas australianas. Renunciou então ao seu posto de primeiro ministro e, pouco tempo depois, deu sua benção à posse de Horta.

A hostilidade da Igreja em relação à Fretilin Não é difícil compreender o quê estava por trás dos movimentos contra o governo da Fretilin. Desde 2001, a oposição política teve sustentação dos EUA e da Austrália, com Washington concedendo o papel principal a Canberra. Se os "estrangeiros" não eram militares ou agentes australianos ou americanos, estavam certamente agindo com o seu reconhecimento de que a remoção do governo de Alkatiri seria bem vindo por Howard e Bush.

As queixas feitas a Martinkus são certamente verossímeis. A hostilidadeda Igreja Católica ao governo da Fretilin surgiu nos debates sobre a nova constituição do país, quando membros da igreja e políticos de oposição defenderam o restabelecimento do catolicismo como religião oficial. Como sua proposta foi mal sucedida, o Bispo Belo, no entanto, forçou a remoção de uma cláusula expressando o princípio democrático básico da "separação entre igreja e estado" e um outro referindo-se ao direito de divórcio.

Em abril de 2005, lideranças da igreja organizaram uma prolongada campanha que durou várias semanas para opor-se à decisão do governo da Fretilin de manter como opcional a educação religiosa nas escolas e não como obrigatória. Esse elementar passo democrático provocou severas denúncias por parte da igreja, que pediu a remoção de Alkatiri. Falando em um comício em Dili, no dia 19 de abril de 2005, o padre Benâncio Araújo denunciou a "ditadura de Alkatiri" e informou que a igreja chamaria o povo de fora da capital para "derrocar o regime anti-democrático". Segundo uma reportagem do Ásia Times, o embaixador dos EUA no Timor Leste apoiou abertamente os protestos da igreja, assistindo mesmo pessoalmente uma das demonstrações.

No ultimo mês de abril, Alkatiri acusou a igreja de agir como um "partido de oposição", então retirou seus planos de transformar a educação religiosa voluntária. A retirada somente incentivou os sacerdotes católicos. Em janeiro de 2006, um dos principais parlamentares da Fretilin, Francisco Branco, denunciou um proeminente sacerdote por empreender uma campanha de derrubada do governo. Segundo Branco, o sacerdote teria dito aos seguidores da igreja que uma decisão de enviar estudantes para estudar em Cuba, transformaria o Timor Leste em um país comunista. Além disso, teria dito que a Fretilin tinha um plano para assassinar freiras e sacerdotes caso ganhasse a próxima eleição.

Contratos rivais Existiam pelo menos duas outras razões para que o rancor da Austrália e dos EUA com o governo da Fretilin se aprofundasse no começo de 2006. Em janeiro, Canberra e Dili finalmente assinaram um tratado a respeito da conjunta exploração dos campos de petróleo e gás no mar do Timor. Ainda que a parte do leão tenha ido para a Austrália, Alkatiri tinha forçado o governo Howard a fazer concessões limitadas, mas significativas.

Além disso, Dili estava examinando também propostas de cooperação com a China e com diversos países europeus, em prejuízo da Austrália, para explorar e desenvolver outros recursos potenciais de energia no território do Timor Leste.

Em fevereiro, o governo de Dili chamou por ofertas para os seus próprios campos de exploração, após uma pesquisa Chinesa-Norueguesa, a qual estimou que a área possuía meio bilhão de barris de petróleo, e cerca de dez trilhões de pés cúbicos de gás (aproximadamente 10 por cento do total estimado nas reservas do Mar do Timor). Tendo como prazo final 19 de abril, cinco companhias tinham submetido ofertas, seja individualmente, ou em consórcios. Foram a ENI da Itália, a GALP de Portugal (cuja maior acionista é a própria ENI), a petroleira do Brasil (Petrobrás), a Petronas da Malásia e a Reliance da Índia.

Ao mesmo tempo, a Comissão do Timor Leste para Audiência, Verdade e Reconciliação (CAVR) liberou um abrangente relatório sobre os crimes da ditadura da Indonésia no Timor Leste entre 1975 e 1999 e a responsabilidade das grandes potências, especialmente os EUA e a Austrália, por sua cumplicidade. O relatório, que foi financiado pela ONU, chocou-se diretamente com os esforços de Gusmão para enterrar o passado e efetuar a reconciliação com a Indonésia. Quando foi apresentado formalmente no Conselho de Segurança da ONU, Gusmão se opôs ao documento e tentou suprimir suas revelações.

O relatório foi só eventualmente noticiado pela mídia. Os EUA e a Austrália reagiram ambos com furor diante das conclusões, as quais, embora de forma limitada, ainda afirmam que os dois países seriam responsáveis pela sustentação da junta da Indonésia e os intimaram a pagar reparações ao Timor Leste. Ao contrário, Canberra e Washington esperavam que o relatório da CAVR constituísse não somente mais um ponto negativo contra o governo de Alkatiri, mas também contra a atuação da ONU. Sua hostilidade contra a ONU deriva do fato que, tentando realizar seu mandato, a ONU ajudou a instalação e manutenção do governo de Alkatiri. A administração Bush tem repetidamente se oposto à continuidade da presença da ONU no Timor Leste e, em meados de 2005, conseguiu com sucesso reduzir consideravelmente a dimensão e os objetivos da missão. Em janeiro de 2006 e novamente em maio, no meio da crise política, os EUA e a Austrália se opuseram ambos a qualquer prolongamento da presença da ONU no Timor Leste.

A opção militar Considerando as suas sucessivas intrigas anteriores, não há dúvida que a Austrália teve uma participação nos acontecimentos políticos imediatamente precedentes que conduziram à sua intervenção militar em 24 de maio de 2006. As relações cerradas do governo Howard com Gusmão e Ramos-Horta foram indubitavelmente desenvolvidas mais ainda por uma rede de contatos estabelecidos pelo corpo diplomático da Austrália, por pessoal militar e técnicos militares em Dili, que se relacionaram com políticos de oposição, soldados rebeldes, policiais e mesmo líderes de gangues. Canberra não somente sabia quem estava envolvido nos protestos armados de março, mas, com toda a probabilidade, mesmo os encorajou.

Durante questionamento diante da comissão do Senado, o deputado, Secretário da Defesa e Estratégia, Michael Pezzullo, admitiu que 28 militares australianos estiveram pessoalmente no Timor Leste bem antes de 24 de maio e tiveram contato diário com oficiais do Timor. Os Verdes, que amplamente apoiaram o despacho de tropas australianas, perguntaram o que esses oficiais australianos tinham ido fazer no Timor. "Quero saber se a Defesa teve algum papel nos saques de tropas que precipitaram a corrente crise. Quero saber que comunicação e cooperação a Defesa teve com o líder rebelde Major Reinado", perguntou o senador dos Verdes, Kerry Nettle. Porém, maiores detalhes não foram fornecidos.

Os líderes de oposição do Timor Leste, de forma estridente, pediram à ONU investigação sobre o violento protesto que teve lugar em 28 de abril em Dili, que terminou com o assassinato pela polícia de muitos manifestantes.

No entanto, comentando em seu artigo "Golpe de estado no Timor Leste" a jornalista escreveu: "Cheguei em Dili quando explodiram os primeiro tumultos em 28 de abril deste ano e como uma testemunha no meio da intranqüilidade, tive a impressão de que os soldados, muito jovens, tinham ajuda externa - acredito de políticos locais e de "estranhos". A maioria dos observadores citaram a capacidade dos soldados dissidentes de passarem de um grupo desarmado de protesto verbal para centenas brandindo paus e armas, como levantando as suspeitas locais que isso não era um protesto "orgânico". Entrevistei muitas pessoas - desde pertencentes à Fretilin até políticos de oposição e jornalistas locais - e nenhuma rejeitou o fato de que os protestos tinham sido desviados para ‘outros propósitos'."

Mesmo Horta reconheceu em seu relatório para o Conselho de Segurança da ONU em 5 de maio que Osório Lequi, o líder de um partido de oposição formado recentemente, o PDRT, foi envolvido na elevação das tensões.

Horta relatou que os confrontos de 28 de abril não foram realizados por soldados dissidentes, mas sim, por uma gang de jovens e alguns elementos políticos, incluindo membros do PDRT, que atacaram a polícia provocando os distúrbios. Significativamente, na mesma sessão da ONU, oficiais dos EUA e da Austrália veemente se opuseram a qualquer extensão da missão da ONU, mais ainda a qualquer expansão, e a missão foi considerada concluída. Um compromisso foi acertado, finalmente, que a missão seria estendida por apenas um mês.

Existem muitos motivos para acreditar que o governo Howard, com o apoio da administração Bush, tinha já colocado em movimento planos para uma ocupação militar no Timor Leste. Em 12 de maio, quando estava para ir a Washington, Howard confirmou que as forças armadas da Austrália tinham ordenado que três navios de guerra fossem enviados à costa do Timor Leste, sem informar o governo de Alkatiri. A diplomacia de canhão realizada pelo governo de Canberra visava intensificar a pressão sobre a liderança da Fretilin. Howard sabia bem que os planos visavam expulsar Alkatiri no congresso da Fretilin que seria realizado entre 17 e 19 de Maio. A facção dissidente, comandada pelo embaixador do Timor Leste na ONU e nos EUA, José Luís Guterres, e o anterior embaixador na Austrália, Jorge Teme, estava recebendo apoio aberto na mídia australiana.

Mas, o movimento de Guterres fracassou quando a maioria esmagadora dos delegados do congresso da Fretilin confirmaram Alkatiri no dia 19 Maio.

Logo que o congresso terminou, confrontos rapidamente surgiram entre as forças de segurança pró-governo e soldados dissidentes, polícia e gangues de jovens em Dili e nas proximidades, providenciando o pretexto necessário - colapso da "lei e da ordem" - para que as forças armadas da Austrália fossem enviadas. Dois dos envolvidos nos confrontos - "Major" Alfredo Reinado e Vicente "Railos" da Conceição - têm todas as características de agentes provocadores.

Reinado passou seu exílio na Austrália e treinou no último ano na academia de defesa em Canberra. Controlando um punhado de policiais militares, se dirigiu em 23 de maio, em companhia do repórter da SBS David O'Shea, para os subúrbios de Dili, onde provocou um tiroteio com as tropas governamentais. Festejado nos dias seguintes pela mídia australiana, Reinado não escondeu seu desejo de que os "pacificadores" australianos assumissem o controle da situação, e insistiu que Alkatiri se demitisse e que fosse levado a julgamento.

Em 24 de maio, sob a pressão de Gusmão e Horta, Alkatiri finalmente concordou em endossar um convite formal para que tropas e policiais da Austrália, Portugal, Malásia e Nova Zelândia entrassem no país.

Em algumas horas, os primeiros soldados australianos começaram a desembarcar no aeroporto de Dili. Mas os confrontos continuaram enquanto a Austrália pressionava por um acordo definitivo sobre a extensão de sua intervenção e sobre as regras de seu envolvimento. Em sua entrevista com o jornalista Martinkus, Alkatiri explicou que Reinado e Railos juntaram forças aquele dia para um ataque conjunto a uma fase militar governamental em Tacitolu. Significativamente, apenas quinze dias depois, Railos surgiu em boatos de que era o líder de um "esquadrão da morte" pro-Fretilin, organizado pelo ministro do interior Lobato, com a concordância de Alkatiri. Essa denúncia totalmente sem consistência tornou-se rapidamente o pretexto para pedidos de que ambos os lideres fossem demitidos.

Howard encurtou bruscamente sua visita à Irlanda retornando para a Austrália em 24 de maio, a tempo para anunciar publicamente o despacho de tropas para o Timor Leste. Como chegavam notícias do agravamento dos conflitos em Tacitolu e em outros lugares, Howard deu a ordem para a intervenção ser realizada a todo vapor, sem esperar por um acordo com o governo de Alkatiri. Em alguns dias, uma força de 1300 soldados australianos, apoiados por veículos e helicópteros de ataque estavam no país. A partir da insistência de diplomatas e militares australianos, o governo da Fretilin concedeu amplos poderes a esses "pacificadores", permitindo-lhes impor efetivamente leis marciais em Dili.

A cronologia dos eventos desses cinco últimos anos demonstra que a ocupação militar do Timor Leste pela Austrália, assim como a remoção de Alkatiri e a instalação de Ramos-Horta como primeiro ministro, não foram a conseqüência da inesperada quebra da "lei e da ordem" em Dili. Foram, ao contrário, o produto de planos longamente preparados para "mudar o regime", visando proteger os interesses econômicos e estratégicos do imperialismo australiano. Tendo fracassado desde 2002 em conseguir seus objetivos de expulsar o governo de Alkatiri através de meios indiretos, o governo Howard, com o suporte da administração Bush, optou entre maio e junho de 2006 pela mais direta abordagem militar.


Reinado em Gleno escoltado por militares australianos

Alfredo Reinado esteve hoje em Gleno. Chegou escoltado por militares australianos, tendo alguns populares reagido contra a sua presença.


Reinício julgamento ex-ministro Interior vai ter "medidas especiais"

Díli, 07 Dez (Lusa) - O reinício do julgamento do ex-ministro do Interi or timorense Rogério Lobato, marcado para a próxima terça-feira em Díli, vai dec orrer "sob medidas especiais de segurança", disse hoje à Lusa fonte da missão da ONU (UNMIT).



Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.