terça-feira, fevereiro 26, 2008

UNMIT – MEDIA MONITORING - Tuesday, 26 February 2008

"UNMIT assumes no responsibility for the accuracy of the articles or for the accuracy of their translations. The selection of the articles and their content do not indicate support or endorsement by UNMIT express or implied whatsoever. UNMIT shall not be responsible for any conseque6nce resulting from the publication of, or from the reliance on, such articles and translations."

National Media Reports

TVTL News Coverage

Joint Operation rejects exchange of fire: The Operational Commander of the Joint Operation of F-FDTL and PNTL, Lieutenant Filomeno Paixão, said that the Join Operation was conducted well with no exchange of fire between the F-FDTL/PNTL and Salsinha and his group.

“The joint operation has started from Fatuahi to Raikotu in the Dili area. The operation is aimed at bringing Salsinha and his group to submit to justice alive, not dead.” said Commander Paixão.

Lack of space as Petitioners’ numbers increase: The numbers of the petitioners gathered in Aitarak Laran, Dili has increased to more than three hundred. However, there is not enough space for all the additional petitioners. As a result, some of the petitioners are camping on the veranda of the building and some are living under the tents provided to them.

Events of February 11 reconstructed: The Prosecutor General of the Republic (PGR) Longuinhos Monteiro said that events of February 11 have been reconstructed in an attempt to uncover more details of what happened. The Prosecutor-General said that the reconstruction shows that the incident was an organized act of Alfredo and his group.

RTL News Coverage

Man who attacked Horta surrenders: SRSG Khare said that one of the members of the armed group who attacked the residence of PR Ramos-Horta had voluntarily surrendered to the United Nations Police (UNPol) in Maubisse, Ainaro district on Monday (25/2).

“I personally received the information this morning that one of the men had voluntarily submitted himself,” said SRSG Khare. The SRSG said that the man’s name was also listed in the arrest warrants. The General Prosecutor will investigate his involvement in the attacks of February 11.

Joint Operation rejects exchange of fire: The Operational Commander will use an alternative approach to bring the rebels to justice, even though the rebels’ movements have been discovered in the western part of the country.

The Operational Commander of the Joint Operation, Lieutenant Filomeno Paixão, said that the movement of Salsinha, Susar and others had been discovered, but the operation would not take any reckless action as the Joint Operation aimed at bringing Salsinha and his group to justice alive. However, he did warn that a physical confrontation would occur if the rebels did not submit themselves peacefully.

Print Coverage

UNMIT not responsible for 11 February incidents: The Special Representative of the Secretary-General (SRSG) Atul Khare said that UNMIT was not responsible for the attacks against PR José Ramos-Horta and PM Xanana Gusmão on Monday (11/2).

“This is a sovereign and independent nation. As stated in its constitution, Article 115/1.c, the responsibility for the security of Timor-Leste belongs to Timor-Leste. It is not a question that the international forces are here to provide the security or not. As this is a sovereign nation, the leaders should do something,” said SRSG Khare in the UNMIT press conference on Monday (15/2) in UNMIT HQ, Dili.

SRSG said that Alfredo and his men were responsible for the incidents of February 11.

“UNPol in here to work together to maintain law and order, not pursue those who carry weapons,” said SRSG Khare

SRSG Khare also appealed to Salsinha and his group to submit themselves to justice. (STL)

SRSG: Alfredo responsible for 11 February: The Special Representative of the Secretary-General (SRSG) Atul Khare, said that the attacks against PR Ramos-Horta and PM Xanana Gusmão were the responsibility of Alfredo Reinado.

“Alfredo and his men must take responsibility for what happened on February 11, 2008,” said SRSG Khare in the UNMIT press conference on Monday (15/2) in UNMIT HQ, Dili.

SRSG Khare also said that further investigations were needed to uncover all the details of the attacks.

“When I came back from New York, I asked that an investigation be conducted to see what was happening and what errors had been made in February 11 and how these can be improved,” said SRSG Khare.

In answering a question as to why Alfredo was able to move freely without being detected by the ISF, SRSG Khare responded: “I think the question is better answered by the ISF. But I can respond. Some weeks ago, the PR himself met Alfredo. Discussions were also held between Alfredo and Minister João Gonçalves and with other MPs. I still remember when Alfredo came down and met PR Horta in Palacio das Cinzas in December. It is wrong to say that Alfredo had no license to move around. Alfredo was not forbidden to move around the country and he did so and met with the leaders of the country.” (DN)

UNMIT mandate extended for one more year: The Special Representative of the Secretary-General (SRSG) Atul Khare, said that the mandate of UNMIT has been extended for one more year as proposed by the United Nations Secretary-General after meeting with the Security Council. The SRSG also said that in the Security Council meeting, members strongly supported the way the Government of Timor-Leste and the opposition had dealt with the situation. (DN)

UN believes Salsinha will submit himself: The Special Representative of the Secretary-General (SRSG) Atul Khare believes that Gastão Salsinha and his group will submit themselves to justice. “I don’t know whether Salsinha is going to submit himself or not, but I hope he does because the best way is submit to justice,” said SRSG Khare on Monday (25/2) in the UNMIT press conference in UNMIT HQ Obrigado Barracks, Dili.

SRSG Khare also talked about the member of Salsinha’s group who surrendered himself to UNPol in Maubisse, Ainaro District.

“The man will now be produced before the courts,” said SRSG Khare in the UNMIT press conference on Monday (15/2) in UNMIT HQ, Dili.

“I want to emphasize the statements of the Acting President Fernando Lasama de Araujo and Prime Minister Xanana Gusmão that those who submit themselves to justice will be treated with dignity." (DN)

Man who attacked Horta surrenders himself: One of the members of the armed group who attacked the residence of PR Ramos-Horta surrendered himself to police in Maubisse sub-district, Ainaro district on Monday (25/2).

The Special Representative of the Secretary-General (SRSG) Atul Khare, said that the man was part of the group who attacked the residence of PR Ramos-Horta.

“This morning I got a phone call from a man who was involved in the attack against the residence of PR Horta on February 11. The man has submitted himself to PNTL and UNPol in Maubisse,” said SRSG Khare. “I was really happy to hear this and I immediately asked the UNPol and PNTL Commander to go straight away to meet him in Maubisse and bring him to Dili.”

SRSG Khare has also appealed to Salsinha and his group to submit themselves to the State.

“I appeal to Salsinha and his group to submit themselves and cooperate with justice as this is the best way to solve the problems,” said SRSG Khare.

SRSG Khare also said that if petitioners want to come to Dili, they can ask for escorts from the UNPol and PNTL. (TP)

UNMIT mandate extended to 2009: The Special Representative of the Secretary-General (SRSG) Atul Khare informed the Acting President Fernando ‘Lasama’ de Araujo that the Security Council has decided to extend the UN Mission in Timor-Leste (UNMIT) as proposed by Secretary-General Ban Ki-Moon.

SRSG Khare also said that the Security Council meeting, held on Thursday last week, went well and that SC members gave their support to the Timor-Leste Government, Parliament and the opposition party. (TP)


UNMIT – MONITORIZAÇÃO DOS MEDIA – Terça-feira, 26 Fevereiro 2008

"A UNMIT não assume qualquer responsabilidade pela correcção dos artigos ou pela correcção das traduções. A selecção dos artigos e do seus conteúdo não indicam apoio ou endosso pela UNMIT seja de forma expressa ou implícita. A UNMIT não será responsável por qualquer consequência resultante da publicação, ou da confiança em tais artigos e traduções."

Relatos dos Media Nacionais

TVTL Cobertura de Notícias

Operação Conjunta rejeita troc de fogo: O comandante Operacional da Operação Conjunta das F-FDTL e PNTL, Tenente Filomeno Paixão, disse que a Operação Conjunta foi bem conduzida sem troca de fogo entre as F-FDTL/PNTL e Salsinha e o seu grupo.

“A operação conjunta começou de Fatuahi para Raikotu na área de Dili. A operação visa trazer Salsinha e o seu grupo para se entregarem à justiça, vivos, não mortos.” Disse o Comandante Paixão.

Falta de espaço quando aumenta o número dos peticionários: O número de peticionários que se juntaram em Aitarak Laran, Dili aumentou para mis de trezentos. Contudo, não há espaço suficiente para todos os peticionários adicionais. Resulta disso que alguns dos peticionários estão acampados na varanda do edifício e alguns vivem em tendas que lhes foram providenciadas.

Reconstituídos eventos de 11 de Fevereiro: O Procurador-Geral da República (PGR) Longuinhos Monteiro disse que os eventos de 11 de Fevereiro foram reconstituídos numa tentativa para descobrir mais detalhes do que aconteceu. O Procurador-Geral disse que a reconstituição mostra que o incidente foi um acto organizado por Alfredo e o seu grupo

RTL Cobertura de Notícias

Homem que atacou Horta entrega-se: O SRSG Khare disse que um dos membros do grupo armado que atacou a residência do PR Ramos-Horta se entregou voluntariamente à Polícia da ONU (UNPol) em Maubisse, distrito de Ainaro na Segunda-feira (25/2).

“Recebi pessoalmente a informação esta manhã que um dos homens se tinha entregue voluntariamente,” disse o SRSG Khare. O SRSG disse que o nome do homem estava na lista dos mandates de prisão. O Procurador-Geral investigará o seu envolvimento nos ataques de 11 de Fevereiro.

Operação Conjunta rejeita troca de fogo: O Comandante Operacional usará uma abordagem alternativa para trazer os amotinados à justice, mesmo apesar de terem sido descobertas as movimentações dos amotinados na parte oeste do país.

O Comandante Operacional da Operação Conjunta, Tenente Filomeno Paixão, disse que as movimentações de Salsinha, Susar e outros foram descobertas, mas que a operação não tomará nenhuma acção insensata dado que a Operação Conjunta visa trazer Salsinha e o seu grupo vivos para a justiça. Contudo avisou que ocorrerá confronto físico se os amotinados não se entregarem pacificamente.

Cobertura impressa

UNMIT não foi responsável pelos incidents de 11 Fevereiro: O Representante Especial do Secretário-Geral (SRSG) Atul Khare disse que a UNMIT não foi responsável pelos ataques conta PR José Ramos-Horta e PM Xanana Gusmão na Segunda-feira (11/2).

“Esta é uma nação soberana e independente. Conforme está na Constituição, Artigo 115/1.c, a responsabilidade da segurança de Timor-Leste pertence a Timor-Leste. Isso não é uma questão das forças internacionais estarem aqui para providenciarem a segurança ou não. Dado que esta é uma nação soberana, os líderes devem fazer alguma coisa,” disse o SRSG Khare na conferência de imprensa da UNMIT na Segunda-feira (15/2) na sede da UNMIT, Dili.

O SRSG disse que Alfredo e os seus homens foram responsáveis pelos incidentes de 11 de Fevereiro.

“A UNPol está aqui para trabalhar junta na manutenção da lei e da ordem, não para perseguir os que carregam armas,” disse o SRSG Khare

O SRSG Khare apelou também a Salsinha e ao seu grupo para se entregarem eles próprios à justiça. (STL)

SRSG: Alfredo responsável pelo 11 Fevereiro: O Representante Especial do Secretário-Geral (SRSG) Atul Khare, disse que os ataques contra o PR Ramos-Horta e o PM Xanana Gusmão eram da responsabilidade de Alfredo Reinado.

“Alfredo e os seus homens têm que assumir a responsabilidade do que aconteceu em11 de Fevereiro,” disse SRSG Khare na Conferência de Imprensa da UNMIT na Segunda-feira (15/2) na sede da UNMIT, Dili.

O SRSG Khare disse ainda que são necessárias mais investigações par descobrir todos os detalhes dos ataques.

“Quando voltei de Nova Iorque, pedi que fosse conduzida uma investigação par ver o que estava a acontecer e que erros tinham sido cometidos em 11 de Fevereiro e como esses podem ser melhorados,” disse o SRSG Khare.

Ao responder à pergunto sobre como é que Alfredo conseguiu movimentar-se livremente sem ter sido detectado pela ISF, o SRSG Khare respondeu: “Penso que a ISF responderá melhor à pergunta. Mas posso responder. Há algumas semanas atrás, o próprio PR encontrou-se com Alfredo. Ocorreram também discussões entre Alfredo e o Ministro João Gonçalves e com outros deputados. Eu ainda me lembro quando Alfredo cá veio e se encontrou com o PR Horta no Palácio das Cinzas em Dezembro. É errado dizerem que o Alfredo não tinha licença para andar por aí. O Alfredo não estava proibido de andar pelo país e ele andou e encontrou-se com os líderes do país.” (DN)

Mandato da UNMIT prolongado mais um ano: O Representante Especial do Secretário-Geral (SRSG) Atul Khare, disse que o mandato da UNMIT foi prolongado por mais u ano conforme proposta do Secretário-Geral da ONU depois do encontro com o Conselho de Segurança. O SRSG disse ainda que os membros do Conselho de Segurança apoiam fortemente a maneira como o Governo e a oposição de Timor-Leste lidaram com a situação. (DN)

ONU acredita que Salsinha se entregará: O Representante Especial do Secretário-Geral (SRSG) Atul Khare acredita que Gastão Salsinha e o seu grupo se entregarão eles próprios à justiça. “Não sei se Salsinha se vai entregar ou não mas espero que o faça porque o melhor caminho é entregar-se à justiça,” disse o SRSG Khare na Segunda-feira (25/2) na conferência de imprensa da UNMIT na sede da UNMIT Obrigado Barracks, Dili.

O SRSG Khare falou ainda do homem do grupo de Salsinha que se entregou à UNPol em Maubisse, Distrito de Ainaro.

“O homem será agora levado ao tribunal,” disse o SRSG Khare na conferência de imprensa da UNMIT na Segunda-feira (15/2) na sede da UNMIT, Dili.

“Quero enfatizar as declarações do Presidente interino Fernando Lasama de Araujo e do Primeiro-Ministro Xanana Gusmão que os que se entregarem à justiça serão tratados com dignidade." (DN)

Homem que atacou Horta entregou-se: Um dos membros do grupo armado que atacou a residência do PR Ramos-Horta entregou-se à polícia no sub-distrito de Maubisse, distrito de Ainaro na Segunda-feira (25/2).

O Representante Especial do Secretário-Geral (SRSG) Atul Khare, disse que o homem fazia parted um grupo que atacou a residência do PR Ramos-Horta.

“Esta manhã recebi uma chamada dum homem que esteva envolvido no ataque contra a residência do PR Horta em 11 de Fevereiro. O homem entregou.-se à PNTL e UNPol em Maubisse,” disse o SRSG Khare. “Fiquei muito feliz ao ouvir isto e pedi imediatamente aos Comandantes da UNPol e PNTL para irem direitos a Maubisse para se encontrarem com ele e trazê-lo pata Dili.”

O SRSG Khare pediu também a Salsinha e ao seu grupo para se entregarem ao Estado.

“Peço a Salsinha e ao seu grupo para se entregarem e cooperarem com a justiça dado que este é o melhor caminho para resolver os problemas,” disse o SRSG Khare.

O SRSG Khare disse ainda que se os peticionários quiserem vir para Dili, podem pedir escolta à UNPol e PNTL. (TP)

Mandato da UNMIT prolongado até 2009: O Representante Especial do Secretário-Geral (SRSG) Atul Khare informou o Presidente interino Fernando ‘Lasama’ de Araujo que o Conselho de Segurança decidiu prolongar a Missão da ONU em Timor-Leste (UNMIT) como foi proposto pelo Secretário-Geral Ban Ki-Moon.

O SRSG Khare disse ainda que o encontro do Conselho de Segurança, realizado na Quinta-feira da semana passada, correu bem e que os membros do CS deram o seu apoio ao Governo, Parlamento e partido da oposição de Timor-Leste. (TP)

UNMIT Mandate Extended for 12 Months


Dili, 26 February 2008 - The Secretary General’s Special Representative for Timor-Leste has welcomed the 12-month extension of the peacekeeping mandate, stating that it sends a strong message of support from the international community.

“The extension is a strong indication of the United Nations’ continuing resolve to assist the people of Timor-Leste to further stabilize and develop their country,” Mr Atul Khare said.
The Security Council, in its Resolution 1802, extended UNMIT’s mandate at the current level, while condemning in the strongest possible terms, the attacks on the President and Prime Minister of Timor-Leste on February 11.

At its current force, UNMIT has an authorised deployment of 1748 police personnel, 438 international civilian staff, 933 national staff and 134 United Nations volunteers.

The total operating budget is for the 2007/2008 financial year is US$153,187,500.

In Resolution 1802, the Security Council called on the Government of Timor-Leste to bring to justice those responsible for the February 11 attacks and for the people to remain calm, exercise restraint and maintain stability in the country.

It also reaffirmed the importance of ongoing efforts to reach accountability and justice, and underlined the importance of the implementation of the recommendations of the United Nations Independent Special Commission of Inquiry Report of 2006 by the Government of Timor-Leste.
The Council further called upon the Government, assisted by UNMIT, to continue working on a comprehensive review of the future role and needs of the security sector. It requested the UN mission, working with partners, to intensify the efforts to assist with further training, mentoring, institutional development, and strengthening of the National Police Force of Timor-Leste (PNTL).

The Council also reinforced the importance of UNMIT, in partnership with the Timorese, to continue focusing on four priority areas: review and reform of the security sector, strengthening the rule of law, economic and social development, and promoting a culture of democratic governance.

“These four areas are the priority for UNMIT over the coming 12 months and with the continued commitment of the Timorese leadership and the people of Timor-Leste, I am confident that we can achieve a lot,” Mr Khare said.

The new mandate for UNMIT will expire on February 26, 2009.

For further information please call UNMIT Spokesperson Allison Cooper on +670 7230453 or Hipolito Gama on +670 73118396. For a full copy of Resolution 1802 please visit http://www.unmit.org/


Mandato da UNMIT prolongado mais 12 meses


Dili, 26 Feveriro 2008 – O Representante Especial do Secretário-Geral para Timor-Leste deu as boas-vindas ao prolongamento por 12 meses do mandato de manutenção da paz , afirmando que isso envia uma mensagem forte de apoio da comunidade internacional.

“O prolongamento é um sinal forte da determinação continuada das Nações Unidas em assistir o povo de Timor-Leste a estabilizar e desenvolver o seu país,” disse o Sr Atul Khare.
O Conselho de Segurança, na sua Resolução 1802, prolongou o mandato da UNMIT no seu nível corrente, ao mesmo tempo que condenou nos mais fortes termos possíveis, os ataques ao Presidente e Primeiro-Ministro de Timor-Leste em 11 de Fevereiro.

Na sua composição corrente, a UNMIT tem um destacamento autorizado de 1748 pessoal de polícia, 438 empregados internacionais, 933 empregados nacionais e 134 voluntários das Nações Unidas.

O orçamento de operações total para o ano financeiro 2007/2008 é de US$153,187,500.

Nas Resolução 1802, o Conselho de Segurança apelou ao Governo de Timor-Leste para levar à justice os responsáveis pelos ataques de 11 de Fevereiro e para o povo se manter calmo, exercendo contenção e mantendo a estabilidade no país.

Reafirmou a importância dos esforços em curso para se alcançar responsabilização e justiça, e sublinhou a importância da implementação das recomendações do Relatório da Comissão de Inquérito Independente Especial de 2006 pelo Governo de Timor-Leste.

O Conselho apelou ainda ao Governo, assistido pela UNMIT, para continuar a trabalhar numa revisão compreensiva do papel no futuro e das necessidades do sector de segurança. Pediu à missão da ONU, trabalhando com parceiros, para intensificar esforços para assistir com mais formação, acompanhamento, desenvolvimento institucional e reforço da Polícia Nacional de Timor-Leste (PNTL).

O Conselho também reforçou a importância da UNMIT, em parceria com os Timorenses, a continuar o foco em quarto áreas prioritárias: revisão e reforma do sector da segurança, reforço do domínio da lei, desenvolvimento económico e social, e promoção duma cultura de governação democrática.

“Estas quarto áreas são a prioridade para a UNMIT nos próximos 12 meses e com o compromisso continuado da liderança Timorense e do povo de Timor-Leste, estou confiante que podemos alcançar bastante,” disse o Sr Khare.

O novo mandato da UNMIT expirará em 26 de Fevereiro de 2009.

Para mais informações ligue à porta-voz da UNMIT Allison Cooper no +670 7230453 ou Hipólito Gama no +670 73118396. Para uma cópia completa da Resolução 1802 visite www.unmit.org

Com dúvidas mas...

António Veríssimo deixou um novo comentário na sua mensagem "A lata do costume":

"Vamos ver se este novo mandato da UNMIT vai ser aproveitado pelo Sr. Khare para se redimir ou se vai ser mais do mesmo."

Com dúvidas mas...

Pensar positivo é óptimo e H. Correia como bom ser humano que devemos prezar não foge à regra. É assim que aqui manifesta esperança no “acordar” de Atul Kare e de toda a orientação estratégica da ONU em Timor-Leste.

Estimo bastante que ainda exista quem sobre a ONU consegue manter pensamentos positivos nos seus procedimentos futuros e fico razoavelmente combalido por não saber analisar os actuais procedimentos ou acções futuras da ONU, em Timor ou fora dela, com tanta esperança nas correcções que imperiosamente devia fazer mas que de ano para ano é sempre mais do mesmo, restando aos mais optimistas ter esperanças de melhorias.

Tenho para mim que Atul mais não faz do que seguir as regras do SG daquela descredibilizada organização. Se temos no topo um SG, Ban Ki-moon, completamente dominado pelas políticas norte-americanas e pelos lobys que governam aquela nação como será possível tudo melhorar e termos esperança de que o melhor aconteça?

Em minha opinião, Atul Kahre é um fiel representante dos interesses norte-americanos e australianos em Timor-Leste, a par de Xanana Gusmão e de Ramos Horta, com a diferença de que Ramos Horta é um individuo bem formado e que não esquece determinados ensinamentos da sua “primeira escola”, da juventude. Ramos Horta julga saber onde, como e quando poderá tirar algum partido do cerco imposto pelos interesses das duas potências e com isso beneficiar o país, os timorenses. É um diplomata "avisado" e acima de tudo timorense.

O mesmo já hoje não se pode afirmar de Xanana Gusmão. Vendeu a alma ao “diabo” quando começou a meter os pés pelas mãos e a comprometer-se com gente estranha e adversa à luta dos timorenses, por uma pátria, por independência e auto-suficiência.

Pessoalmente custa-me bastante analisar e concluir assim, sobre Xanana, e disto não sair, mas só o faço – assim como muitos outros – por verificar que ele mudou radicalmente e que o veio fazendo lenta e metodicamente – indiciando que sabe onde se meteu e que este é o caminho por que optou seguir, traindo os ideais que o levaram para a luta de que se tornou digno líder até determinado momento.

O perigo reside todo nas suas qualidades determinantes: ele não vai olhar a meios para atingir os seus fins. Quem se irá tramar serão os seus adversários e os timorenses sem alternativa de abandonar o país e o regime que Xanana irá impor mesmo à revelia de Ramos Horta. O tempo o dirá.

Assim, temos que a ONU e Atul Kahre irá continuar a privilegiar a Austrália (Xanana) em tudo.

Esse “em tudo” também significa beneficiar-se a si próprio e à pandilha abútrica dos que com tachos eventuais e permanentes engordam as suas contas bancárias e os seus currículos à custa da miséria para onde empurram os timorenses.

Ou seja: algumas centenas de abutres, os “chulos”, como João Severino, que os conhece, ainda há dias referia no seu “Pau Para Toda a Obra”.

Por isso, abençoados aqueles que ainda têm esperanças e não andam “neuras”, como eu, ao pensar nestas “coisas”.

Gostaria de me enganar. Nem sabem quanto. Mas as experiências que tenho vivido ao longo destas largas dezenas de anos têm-me demonstrado que a história repete-se sempre e que “quem se lixa é o mexilhão”.

Bem, mas, apesar de tudo, vale sempre a pena dizermos que não é o que queremos, por não ser o que está certo. Aplica-se a Timor e ao resto do mundo.

Ramos-Horta "talvez mais uma semana" no hospital - irmã

Díli, 26 Fev (Lusa) - O Presidente da República de Timor-Leste, José Ramos-Horta, estará "talvez mais uma semana no hospital" em Darwin, Austrália, afirmou hoje à agência Lusa a sua irmã Romana Horta.

O chefe de Estado timorense continua na unidade de cuidados intensivos do Hospital Real de Darwin, "mas já fora de perigo", explicou Romana Horta.

"Por enquanto, recebe apenas visitas dos familiares", afirmou a irmã do Presidente, contactada por telefone a partir de Díli.

José Ramos-Horta comeu "alimentos sólidos" pelo segundo dia e já consegue estar sentado.

A direcção do Hospital Real de Darwin instalou um gabinete para pessoal da Presidência timorense trabalhar, mas José Ramos-Horta deverá mudar para uma casa em Darwin quando tiver alta médica, afirmou à Lusa um assessor da Presidência.

O chefe de Estado timorense não vai poder voar durante mais um mês, pelo que a sua recuperação do ataque de 11 de Fevereiro vai decorrer na cidade do norte australiano.

José Ramos-Horta foi atingido a tiro num ataque à sua residência em Díli liderado pelo major fugitivo Alfredo Reinado.

Reinado morreu no ataque mas, pouco depois, um outro grupo liderado pelo ex-tenente Gastão Salsinha atacou a coluna em que seguia o primeiro-ministro, Xanana Gusmão, que escapou ileso.


Recolher obrigatório: cidade morta, país calmo

** José Costa Santos e Pedro Rosa Mendes, da agência Lusa, em Díli **

Díli, 26 Fev (Lusa) - Timor-Leste está em estado de sítio com recolher obrigatório, uma decisão política que tem reflexos visíveis na segurança mas que, indirectamente, provoca o adiamento de decisões e o abrandamento da actividade no país.

O recolher obrigatório vigorou entre as 20:00 e as 06:00, nos primeiros dez dias do estado de sítio, após os ataques de 11 de Fevereiro, e entre as 22:00 e as 06:00, a partir de 23 de Fevereiro, numa extensão de 30 dias do regime de excepção.

"A primeira consequência do estado de sítio não se nota à noite mas durante o dia: desde dia 11 que o Governo está centrado em gerir a situação de crise e a gestão normal estagnou. Tudo o que é importante está parado em cima das secretárias", contou à agência Lusa um assessor financeiro de um banco.

Díli, uma capital de cerca de 150 mil habitantes, não tem, com frequência, outro movimento nocturno digno de registo para além da violência entre grupos rivais de artes marciais ou de bandos juvenis.

Foi a pensar nesses grupos e na sua ligação potencial à violência política que, em primeiro lugar, foi instaurado o estado de sítio, explicaram à agência Lusa algumas fontes envolvidas na discussão das medidas de excepção.

Com toda a população, por igual, fechada em suas casas, há quem tenha de violar o recolher por obrigações funcionais de trabalho, quando o "patrão" não consegue condições para dar guarida aos seus trabalhadores.

As noites de fim-de-semana sofreram uma alteração drástica. As duas discotecas mais conhecidas da capital (onde não há mais nenhum sítio que mereça esse nome) fizeram "lock-in parties", onde os foliões se dispuseram a estar fechados dez horas na mesma pista.

Alguns, aliás, levaram sacos-de-dormir.

Outra população, simplesmente por estar afastada da capital, sente menos os efeitos dos problemas sempre concentrados em Díli.

"Os timorenses sentem menos a diferença do recolher, sobretudo em dias de semana e agora que começa mais tarde. São os estrangeiros em Díli quem mais 'sofre'", contou um responsávvel do Hotel Timor, o maior do país.

"Os clientes da Polícia das Nações Unidas (UNPol) e de outras forças de segurança continuam a vir jantar aqui porque o recolher não os afecta. Quanto ao resto, perdemos os clientes de fora, que jantam em casa, mas ganhámos os hóspedes do hotel, que não saem para jantar", resumiu o mesmo responsável.

À porta do Hotel Timor está um grupo da GNR 24 horas por dia, enquanto durar o estado de sítio, "e não é por lá dentro dormir o Presidente interino", explicou um oficial do Subagrupamento Bravo.

Outras forças, sobretudo da Polícia Nacional (PNTL), em especial da nova Task Force, criada em Dezembro de 2007, patrulham as ruas desertas de Díli, impondo a sua imagem agressiva à população.

A Task Force é o melhor argumento do Estado para fazer cumprir o recolher obrigatório, segundo muitos testemunhos recolhidos pela Lusa.

"Se as crianças estão a brincar à frente de casa, eles passam e mandam-nas para dentro. Se as pessoas estão sentadas no alpendre, mandam-nas para o quintal de trás", explicou um timorense que assistiu a algumas das intervenções da Task Force.

"Esta semana passei por dois taxistas que foram apanhados pela Task Force a 'furar' o recolher em Bidau (centro de Díli). Estavam a 'encher', a fazer flexões. Foi a 'pena' que encontraram para eles", contou um oficial da UNPol.

A capital adormece mais cedo mas Fernanda Azóia, uma professora de português que está há três anos em Timor-Leste, tem ouvido "música depois das 20:00 na igreja de Maubisse", a terra natal de Alfredo Reinado, o major rebelde morto nos ataques que protagonizou contra a residência de Ramos-Horta e contra Xanana Gusmão.

"Na primeira semana sentimos que havia uma maior vigilância, um maior controlo, mas na segunda semana já ouvimos, mesmo depois das 20:00, música na igreja, o que significa que as pessoas nem todas cumprem", explicou num contacto telefónico para Maubisse, cerca de 60 quilómetros a sul de Díli.

Fernanda Azóia disse também que a situação na cidade "é calma" e que está "tudo normal" sem qualquer comentário sobre o que se passou em Díli.

No lado oposto do país, em Lospalos (leste), residentes contactados pela Lusa dão conta de uma situação "calma", com a interrupção total de trânsito durante as horas de recolher, "com a cidade bloqueada à entrada e à saída".

Em Díli, são raras as pessoas que circulam durante a noite, mas aqui e ali mantêm-se os quiosques e vendedores ambulantes onde é possível comprar cigarros ou cartões pré-pagos para o telemóvel.

Quem é obrigado a trabalhar muito tarde ou muito cedo acaba por pernoitar nos locais de emprego, se ficar livre depois da hora de recolher, o que acontece no caso da hotelaria e da restauração, com os responsáveis dos estabelecimentos a terem de garantir dormida aos trabalhadores, embora em número reduzido e apenas para assegurar serviços mínimos.

"Na primeira hora do recolher é frequente encontrar ainda algumas pessoas que regressam a casa do trabalho e apesar de estarem a infringir as normas estabelecidas, a maioria das vezes as pessoas são abordadas, identificadas e deixadas seguir", explicou uma fonte das forças internacionais contactada pela agência Lusa.

A UNPol não tem conhecimento de detidos por desrespeito ao recolher obrigatório mas o comandante da Task Force, Mateus Fernandes, disse a jornalistas australianos terem sido detidas mais de 200 pessoas nos primeiros dias do estado de sítio.

A título não oficial, no entanto, elementos da UNPol dizem conhecer "muitos casos de pessoas apanhadas pela cidade ou até mesmo em suas casas e que passam a noite em detenção, sendo libertadas de manhã sem ninguém saber quem ordenou a sua captura", afirmou à Lusa um oficial internacional.

Todos, timorenses ou estrangeiros, tentam evitar "maus encontros" com as autoridades.

"Agora, com o recolher às 22:00, já se pode jantar, pelo menos. Na primeira semana, uns amigos que tinham conseguido bom polvo, boa lula e bom peixe telefonaram-me ao fim da tarde a desafiar para o jantar", conta um residente de Díli.

"Lá fui. Fizemos a caldeirada, que ficou óptima. Mas tivemos que engoli-la quase a ferver, porque às 20:00 tínhamos que estar de volta a casa".




Díli, 26 de Fevereiro de 2008

457 peticionários já se encontram acantonados em Aitarak Laran - cerca de 120 chegaram hoje

Cerca de 120 peticionários chegaram hoje a Aitarak Laran, juntando-se aos 337 que já se encontravam na zona de acantonamento ao final do dia de ontem, e perfazendo assim um total de 457.

Visando um levantamento das necessidades, tendo em conta o elevado número de peticionários que chegaram nos últimos dias, Aitarak Laran recebeu ontem a visita da Vice-Ministra da Saúde, do Secretário de Estado da Assistência Social e dos Desastres Naturais, do Secretário de Estado da Electricidade, Água e Urbanização, e do Secretário de Estado das Obras Públicas.

O Governo tem vindo a desenvolver esforços no sentido de assegurar a existência de todas as condições necessárias ao acantonamento dos peticionários. Além da distribuição de alimentos e de electricidade, hoje foram disponibilizadas mais oito tendas, colchões para os recém-chegados, e foram instalados contentores de água com uma capacidade de vinte mil litros.

Peticionários entregam-se nos distritos de Ainaro e Bobonaro

Em Ainaro, treze peticionários apresentaram-se hoje à UNPOL, que os trouxe até Díli, informou Arcângelo Leite, Ministro da Administração Estatal, de acordo com dados fornecidos pelo administrador do distrito. Em todo o território nacional a situação é normal e estável em termos de segurança, e a observância do Estado de Sítio decorre sem problemas.

No mesmo distrito verificou-se uma rixa entre grupos rivais no suco Lakelu, em Hatubuilico, conflito que foi sanado com a intervenção da Task Force. As forças de segurança realizaram também uma operação no suco Liurai, no sub-distrito de Maubisse.

Ainda no distrito de Ainaro há várias pontes e habitações que ameaçam ruir devido ao mau tempo, situação para a qual foi já alertado o Ministério da Solidariedade Social.

Em Ermera iniciaram-se operações militares levadas a cabo por efectivos da FSI, da GNR e da PNTL, informou o administrador do distrito, que indicou igualmente que os fortes ventos destruíram diversas plantações em Letefoho.

Em Bobonaro, um outro grupo de peticionários entregou-se à Polícia, concentrando-se no posto local, sendo posteriormente acompanhado pela UNPOL até Díli.

Na aldeia Builico, no suco Balibo, sub-distrito de Balibo, sete habitações foram destruídas pela forte ventania que assolou a região.

Ministra da Solidariedade Social avalia resultados do encontro da CPLP

De um universo de 63,612 deslocados internos (IDP’s), encontram-se já registadas um total de 627 famílias que pretendem regressar a suas casas, o que corresponde a 5,116 pessoas, de acordo com os dados do Ministério da Solidariedade Social.

A Secretaria de Estado para a Assistência Social e Desastres Naturais prosseguiu hoje o trabalho de coordenação do processo de reintegração de cinquenta dessas famílias nos seus bairros de origem.

Maria Domingas Fernandes Alves, Ministra da Solidariedade Social, reuniu hoje ontem com os secretários de Estado, directores, coordenadores e também com o secretariado executivo da CPLP para avaliar os resultados do evento que trouxe a Díli recentemente técnicos e ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais daqueles países.

Continuou hoje a decorrer no CNRT, em Díli, o “workshop” sobre quadros da ex-Resistência, patrocinado pela Secretaria de Estado dos Assuntos dos veteranos e Antigos Combatentes.

Problema da escassez de cimento resolvido com intervenção do Governo

O problema da escassez de cimento que se verificou até há poucos dias em Timor-Leste está já resolvido, em resultado dos esforços desenvolvidos pelo Primeiro Ministro, Kay Rala Xanana Gusmão, e pelo Ministro do Turismo, Comércio e Indústria, Gil Alves, junto dos importadores, que responderam afirmativamente ao apelo do Governo.

Nesse sentido, no passado dia 24 foram já descarregadas 1.500 toneladas de cimento, estando garantida a chegada de outras 1.800 toneladas na sexta-feira e de mais 1.200 toneladas no próximo dia 3 de Março.

A escassez e o elevado preço no mercado deveu-se às condições climatéricas adversas, que tiveram um impacto negativo na transformação de matérias-primas nas fábricas. Por outro lado, as fortes chuvas e o vento têm dificultado a vinda dos transportes marítimos a Timor-Leste. A subida de preço do cimento deve-se também ao aumento do barril de petróleo nos mercados mundiais.

O Secretário de Estado do Conselho de Ministros
Porta-voz do Governo

Maternidade Escola em Timor quer reverter altos índices de mortalidade materna e infantil

Agencia Eclesia
12:38 PM (1 hour ago)

Está a nascer a Maternidade Escola em Timor. Uma iniciativa de solidariedade entre om país asiático e Portugal que, desde 2000, tem desenvolvido esforços para reverter a alta taxa de mortalidade materna e infantil naquele país.

Em Timor existem quatro hospitais e 47 médicos. Uma realidade claramente insuficiente para um país com tantas necessidades e com um atraso substancial de evolução das populações, o que “resulta num quadro elevado de mortalidade infantil e materna”, explica à Agência ECCLESIA Fernando Maymone Martins, médico e Presidente da Fundação Mater Timor.

Esta aposta, sendo uma clara resposta às urgências natais de Timor, quer também capacitar as pessoas locais para que estas possam trabalhar na Maternidade.
“É fantasia imaginar que se pode pôr a funcionar uma maternidade a partir de Lisboa a 20 mil quilómetros de distância”, explica o Presidente da Fundação. O projecto “não será bem sucedido se não for possível desencadear localmente os recursos necessários para manter a maternidade a funcionar, em especial os recursos humanos”.

Por indicação de D. Alberto Ricardo, bispo de Díli, as Irmãs Carmelitas activas administram este projecto no local. A Portugal vieram duas religiosas fazer formação na área de esterilização e obstetrícia e estão já disponíveis para trabalhar na Maternidade.
A tradição timorense dita que as mulheres tenham os seus filhos em casa. “O que não apresenta problemas se de facto a gravidez tiver a decorrer calmamente e se as habitações tiverem condições”.

Para auxiliar estas situações o Presidente da Fundação explica que tencionam equipar duas ambulâncias para que, auxiliadas por parteiras, se possam deslocar a várias localidades de forma a prestar auxílio e acompanhar estas situações.

“Será uma forma de a Maternidade funcionar como sede, e estender os seus braços de apoio a várias localidades das diocese de Dili e Baucau”.

Distúrbios em Timor

Abril era o mês apontado para a inauguração da Maternidade Escola. Os recentes distúbios em Timor criaram instabilidade na população o que “atrasou as obras”, que nesta altura se encontram em fase de acabamento.
“Não se registaram assaltos ou actos de vandalismo”, precisa Fernando Martins que em breve vai deslocar-se a Timor para se inteirar da actual situação.

“Aguardamos apenas indicações da igreja local e das autoridades civis para saber quando poderemos ir”, acrescenta, indicando que “não há previsão para a inauguração”.
Angariação de fundos e de recursos humanos

As energias concentram-se agora na angariação de fundos para aquisição de material.
Para a sala de partos e de operações “temos o material necessário praticamente garantido”, explica o Presidente da Fundação. No entanto falta equipar a enfermaria e a zona das consultas para além dos recursos humanos necessários.

A Maternidade quer também mobilar uma casa, anexa ao edifício principal, para que possa acolher mulheres que vivem no campo e que têm problemas na gravidez, de forma a que sejam acompanhadas nesta fase.

A Fundação Mater Timor lança um apelo para dar a conhecer este projecto a nível nacional e internacional, para que “pessoas que estejam interessadas em ir trabalhar na maternidade o possam fazer”.

Fernando Martins dá conta que têm tido “muitas manifestações de disponibilidade”, em especial de enfermeiros. As necessidades, no entanto, estendem-se a outras áreas também - médicos, técnicos de saúde, pediatras, anestesistas entre outros.

O Presidente da Fundação aponta que as necessidades são ainda muitas “quer a nível material como humano”.

Fernando Martins manifesta que Portugal tem uma tradição de ajuda a Timor muito apreciada pelos timorenses. Prova disso é o resultado da Campanha de Solidariedade realizada pela Rádio Renascença que se destinava à aquisição de material médico para equipar a Maternidade. Foram entregues 89 mil euros à Fundação Mater Timor.

Internacional Lígia Silveira 25/02/2008 15:28 3944 Caracteres 77 Timor Leste

Em ´plena recuperação´ José Ramos agradece a Lula

O Globo Online
Blog do Noblat
por Gustavo Noblat

Presidente do Timor Leste manda recado para Lula

Internado no Hospital Real de Darwin, na Austrália, vítima de um atentado contra sua vida ocorrido no último dia 11, o presidente do Timor Leste, José Ramos-Horta, comunicou mais cedo a seus familiares e aos amigos Caroline Larrieira e Roque Rodrigues que " deseja voltar logo ao trabalho".

Segundo informações passadas por telefone há pouco por Caroline e Roque ao senador Eduardo Suplicy (PT-SP), José Ramos está em "plena recuperação". Ele já não necessita mais de aparelhos para mantê-lo vivo.

José Ramos passou ontem pela sexta cirurgia por conta dos dois tiros que o atingiram quando alguns indivíduos apareceram armados em dois carros e dispararam várias vezes contra sua casa. Mesmo bem, ele ainda terá que aguardar em repouso durante algumas semanas antes de deixar o hospital.

Roque é ex-ministro da Defesa do Timor Leste. Caroline é diplomata e nasceu na Argentina. Ela foi namorada do diplomata brasileiro Sérgio Vieira de Mello, morto em um ataque terrorista à sede da ONU em 2003.

Atualização das 00h20 - Eduardo Suplicy acaba de falar ao telefone com José Ramos-Horta. E ouviu dele um pedido para que "transmita aos brasileiros e em especial ao presidente Lula e ao ministro da Relações Exteriores, Celso Amorim", seu agradecimento pelo apoio que tem recebido deles. O Brasil condenou os atentados no Timor Leste.

- Transmita aos brasileiros que estou bem e agradeça a Lula pelas sua palavras em solidariedade ao que passei, - pediu José Ramos.

Onde andam eles? Hellooooooo...

Comentário na sua mensagem "Timor journo 'beaten' by police":

Journalists beaten for breaching a curfew and being intimidated. At least these persons have voices that can project the injustice to them.

What of the countless of Timorese whose homes, with the little they have, are smashed up daily and trashed, and people who are beaten and taken into custidy for no reason? They have no voice. Where are the human rights lawyers?

Where are the NGOs who were so great in the last years fighting for Timorese rights?

Nowhere!!! They are either complicitous (because they are working with the government now) or too frightened to speak out.

What a real tragedy these brutal acts to an already brutalised people are being allowed to go on without check.


Jornalistas agredidos por violarem um recolher obrigatório e a serem intimidados. Pelo menos estas pessoas têm vozes que podem projector as injustiças que sofreram.

Mas o que dizer dos Timorenses sem conta cujas casas, com o que pouco lá têm, são diariamente arrebentadas e desarrumadas e das pessoas que são agredidas e presas sem razão nenhuma? Estes não têm voz. Onde é que estão os defensores dos direitos humanos?

Onde é que estão as ONG’s que eram tão grandes nos últimos anos na lutar pelos direitos dos Timorenses?

Em sítio nenhum!!! Das duas uma, ou são cúmplices (porque agora estão a trabalhar com o governo) ou estão demasiadamente aterrorizadas para falarem.

Como é real a tragédia desses actos brutais contra gente já massacrada ser permitida sem ninguém controlar.

Timor journo 'beaten' by police

The Australian
Michael Mckenna February 26, 2008

A SENIOR staff member of the East Timor Post newspaper was allegedly beaten and arrested at the weekend in the latest of a series of incidents pointing to a crackdown on press freedom across the troubled country.

Less than a month after Prime Minister Xanana Gusmao threatened to arrest local journalists, claiming inaccurate reporting was contributing to national instability, East Timor Post senior layout editor Agustinho Ta Pasea was arrested on Saturday morning on his way to the Dili printing presses with a computer file of the paper's weekend edition.

Post editor Mouzinho De Araujo told The Australian Ta Pasea claims he was stopped at 2am, beaten by military police and then taken to a police station where he was assaulted again.

De Araujo said his staff member was held for 11 hours on grounds he had broken the 10pm-6am curfew in Dili, introduced during recent unrest "He wasn't out there because of personal interests, but because of the national interests in trying to keep the people informed.

"Agus showed his identity card, explained he was taking the edition to be published and then these police punched him. He was later beaten at the police station by several men ... Maybe, it is because our newspaper has been tough on authorities."

Ta Pasea was released early on Saturday afternoon with cuts and bruises to his face. The edition of the newspaper was published later that day, instead of the usual time of 7am. De Araujo said he had lodged a formal complaint with police and the Government.

In January, Mr Gusmao said 2008 was a year of reform that would include the local media.


Jornalista de Timor 'agredido' pela polícia

The Australian
Michael Mckenna Fevereiro 26, 2008

Um jornalista de topo de jornal Timor Post foi alegadamente agredido e preso no fim-de-semana no ultimo duma série de incidentes o que aponta para uma tomada de posição contra a liberdade de imprensa pelo país inquieto.

Menos um mês depois do Primeiro-Ministro Xanana Gusmão ter ameaçado prender jornalistas locais, afirmando que relatos erróneos estavam a contribuir para a instabilidade nacional, o editor gráfico de topo do Timor Post Agostinho Ta Pasea foi preso no Sábado de manhã quando se dirigia para a gráfica em Dili com o ficheiro informático da edição de fim-de-semana do jornal.

O editor do Post Mouzinho De Araújo disse ao The Australian que Ta Pasea se queixa que foi parado às 2 am, agredido pela polícia militar e depois levado para uma estação de polícia onde tornou a ser agredido.

De Araújo disse que o seu funcionário ficou detido 11 horas por ter violado o recolher obrigatório das 10 pm-6 am em Dili, introduzido durante o recente desassossego "Ele não andava na rua por interesse pessoal, mas por causa do nosso interesse nacional em tentar manter o povo informado.

"Agus mostrou o seu bilhete de identidade, explicou que ia levar a edição para ser publicada e depois esses polícias agrediram-no. Mais tarde tornou a ser agredido na estação de polícia por vários homens ... Talvez, isso aconteceu porque o nosso jornal tem sido duro para as autoridades."

Ta Pasea foi libertado no Sábado à tarde com golpes e ferimentos na cara. A edição do jornal acabou por ser publicada mais tarde nesse dia, em vez das habituais 7 am. De Araujo disse que apresentou uma queixa formal contra a polícia e o Governo.

Em Janeiro, o Sr Gusmão disse que 2008 era um ano de reformas e que isso ia incluir a media local.

A lata do costume

H. Correia deixou um novo comentário na sua mensagem "Shame on you Mr. Khare!":

Margarida falou bem

Todos nós sabemos o que aconteceu há quase dois anos (e de então para cá).

Mas será que o Sr. Atul Khare sabe? É que parece que ficou amnésico. Se for o caso, nós podemos dar-lhe uma ajuda.

A UNPOL, consciente e assumidamente, desrespeitou ordens do tribunal, recusando-se a participar na captura de Reinado e dos outros evadidos da prisão.

A UNMIT calou-se perante os inúmeros atropelos às liberdades individuais e leis de Timor-Leste cometidos pelas forças australianas.

Mais recentemente, vimos imagens de Reinado e seus homens, armados, sendo recebidos com todas as honrarias numa esquadra da UNPOL.

Perante isto, só por masoquismo é que os timorenses iriam confiar de novo em quem já deu provas de incompetência e apoio a foragidos acusados de crimes graves.

Vamos ver se este novo mandato da UNMIT vai ser aproveitado pelo Sr. Khare para se redimir ou se vai ser mais do mesmo.

Police arrest and beat Timor Post employee, obstruct foreign reporters

Reporters Without Borders/Reporters sans frontières

25 February 2008

Reporters Without Borders condemns the action of the police in arresting and beating a Timor Post journalist on the night of 22 February as he was travelling to the location in Kaikoli, near Dili, where his daily is printed in order to help prepare the next issue. He was freed the next day.

The staff of daily newspapers have had to take risks to bring out issues on time since an
8pm-to-6am curfew was imposed under a state or emergency that was declared after the attempted murders of President José Ramos-Horta and Prime Minister Xanana Gusmao on 11 February. The emergency was extended for another 30 days on 22 February.

Reporter Rory Callinan of Time magazine and photographer John Wilson were detained and threatened by Australian members of an international peace-keeping force near Dili in mid-February when they tried to avoid a roadblock set up by the peace-keepers during a sweep for rebel soldiers.

According to their story, published in The Australian, they were eventually able to continue on their way but were arrested again for violating the curfew. Other reporters, including The Australian's correspondent, were blocked at a checkpoint by Australian soldiers.

The Australian photographer Lindsay Moller was meanwhile manhandled by two Portuguese peace-keepers and forced to delete the photos she had taken of an Australian woman of Timorese origin, Angelita Pires, who had been arrested on suspicion of supporting soldiers participating in the uprising.

Prime Minister Gusmao imposed the state of emergency in order to facilitate operations
against the rebels. Gusmao was not hurt in the 11 February murder attempts but the president was serious injured. Three weeks before, on 18 January, Gusmao had threatened to arrest journalists who published "erroneous" information. He referred at the time to recent interviews with rebel leader Alfredo Reinado which, he said, had contributed to national instability.



Un employé du Timor Post arrêté et passé à tabac par la police, des reporters étrangers empêchés de travailler

Reporters sans frontières dénonce le traitement infligé à un reporter du Timor Post qui a été arrêté puis battu par la police, dans la nuit du 22 février 2008, alors qu'il se rendait à
l'imprimerie de Kaikoli, près de Dili, pour préparer la parution du quotidien. Il a été relâché le lendemain.

L'agression est survenue alors que l'état d'urgence a été prolongé de trente jours, à
compter du 22 février 2008, suite aux tentatives d'assassinat, le 11 février, du Premier ministre et du président José Ramos-Horta. Le couvre-feu imposé à la population de 20 heures à 6 heures du matin contraint les rédactions des quotidiens à prendre des risques importants pour pouvoir boucler leurs publications.

Par ailleurs, Rory Callinan du magazine américain Time et le photographe John Wilson ont été interpellés et menacés mi-février par des soldats australiens près de Dili. Selon leur témoignage, publié dans The Australian, les deux journalists tentaient de contourner un barrage installé par les forces internationales qui menaient une opération pour retrouver des mutins. Après avoir pu reprendre la route, les deux reporters et leurs enterprètes ont été de nouveau interpellés pour avoir violé le couvre-feu. D'autres
collègues, notamment du quotidien The Australian, ont été bloqués à un check-point par des soldats australiens.

Et au même moment, Lindsay Moller, photographe de The Australian, a été malmenée par deux soldats portugais de la force internationale puis contrainte d'effacer des clichés d'une Australienne d'origine timoraise, Angelita Pires, en état d'arrestation. Cette dernière est soupçonnée d'avoir soutenu les mutins.

Le Premier ministre Xanana Gusmao, sorti indemne de l'attaque dont il était la cible, a imposé l'état d'urgence pour lutter contre les insurgés.

Déjà le 18 janvier 2008, le chef du gouvernement avait menacé d'arrêter les journalistes qui publieraient des informations "erronées". Il avait notamment évoqué de récentes interviews du chef rebelle Alfredo Reinado, qui, selon lui, auraient contribué à l'instabilité nationale.

Vincent Brossel
Asia - Pacific Desk
Reporters Sans Frontières
47 rue Vivienne
75002 Paris
33 1 44 83 84 70
33 1 45 23 11 51 (fax)



Polícia prende e agride jornalista do Timor Post e impede trabalho de repórteres estrangeiros

Repórteres Sem Fronteiras /Reporters sans frontières

25 Fevereiro 2008

Os Repórteres Sem Fronteiras condenam as acções da polícia que prendeu e agrediu um jornalista do Timor Post na noite de 22 de Fevereiro quando ele ia para Kaikoli, perto de Dili, onde é impresso o seu jornal, para preparara edição seguinte. Foi libertado no dia seguinte.

Os funcionários dos jornais têm tido que correr riscos para que os jornais possam sair a horas desde que foi instaurado um recolher obrigatório sob um estado de emergência que foi declarado depois das tentativas de assassínio do Presidente José Ramos-Horta e Primeiro-Ministro Xanana Gusmão em 11 de Fevereiro. O estado de emergência foi prolongado por mais 30 dias em 22 de Fevereiro.

O repórter Rory Callinan da revista Time e o fotógrafo John Wilson foram detidos e ameaçados por tropas Australianas membros da força internacional perto de Dili em meados de Fevereiro quando tentaram evitar um posto de controlo de estrada montado pelas tropas estrangeiras durante uma busca aos soldados amotinados.

De acordo com a história deles, publicada no The Australian, eles acabaram por conseguir continuar o caminho mas foram novamente presos por terem violado o recolher obrigatório. Outros repórteres, incluindo o correspondente do The Australian, estiveram bloqueados em postos de controlo por soldados Australianos.

A fotógrafa do The Australian Lindsay Moller foi entretanto importunada por dois polícias Portugueses e forçado a eliminar as fotos que tinha tirado a uma mulher Australiana de origem Timorense, Angelita Pires, que fora presa por suspeita de apoio aos amotinados que tinham participado no levantamento.

O Primeiro-Ministro Gusmão impôs o estado de emergência de modo a facilitar as operações contra os amotinados. Gusmão saiu ileso nas tentativas de assassínio de 11 de Fevereiro mas o presidente ficou ferido com gravidade. Três semanas antes, em 18 Janeiro, Gusmão tinha ameaçado prender os jornalistas que publicassem informações "erradas". Na altura referia-se a entrevistas recentes com o líder amotinado Alfredo Reinado que, disse, tinham contribuído para a instabilidade nacional.



Um jornalista do Timor Post preso e metido na prisão pela polícia, repórteres estrangeiros impedidos de trabalhar

Os Repórteres sem fronteiras denunciaram o tratamento infligido a um repórter do Timor Post que foi preso, depois agredido pela polícia, na noite de 22 de Fevereiro quando se dirigia para a gráfica em Kaikoli, perto de Dili, porá preparar a saída do quotidiano. Foi libertado no dia seguinte.

A agressão aconteceu quando o estado de emergência foi prolongado por trinta dias, a começar em 22 de Fevereiro de 2008, depois das tentativas de assassínio de 11 de Fevereiro, do Primeiro-ministro e do presidente José Ramos-Horta. O recolher obrigatório imposto à população das 20 horas às 6 horas da manhã obriga as redacções dos jornais diários a correrem riscos para prepararem as suas publicações.

Por outro lado, Rory Callinan da revista americana Time e o fotógrafo John Wilson foram interpelados a ameaçados em meados de Fevereiro por soldados australianos perto de Dili. Conforme o testemunho deles, publicado no The Australian, os dois jornalistas tentaram contornar um posto de controlo instalado pelas tropas internacionais que conduziam uma operação para encontrar os amotinados. Depois de conseguirem retomar a estrada, os dois repórteres e os seus intérpretes foram de novo interpelados por terem violado o recolher obrigatório. Outros colegas, nomeadamente do diário The Australian, foram bloqueados num posto de controlo por soldados australianos.

E na mesma altura, Lindsay Moller, fotógrafa do The Australian, foi importunada por dois polícias portugueses da força internacional e depois obrigada a eliminar as fotos duma Australiana de origem timorense, Angelita Pires, quando estava a ser presa. Esta última é suspeita de ter ajudado os amotinados.

O Primeiro-ministro Xanana Gusmão, que saiu ileso do ataque que o visou, impôs o estado de emergência para lutar contra os amotinados.

Já em 18 Janeiro 2008, o chefe do governo tinha ameaçado prender os jornalistas que publicassem informações "erradas". Ele tinha nomeadamente evocado as entrevistas recentes do líder amotinado Alfredo Reinado, que, segundo ele, tinham contribuido para a instabilidade nacional.

Vincent Brossel
Gabinete Ásia - Pacífico
Repórteres Sem Fronteiras
47 rue Vivienne
75002 Paris
33 1 44 83 84 70
33 1 45 23 11 51 (fax)

Mandato da missão da ONU prorrogado por mais um ano

Nações Unidas, Nova Iorque, 25 Fev (Lusa) - O Conselho de Segurança das Nações Unidas prorrogou hoje o mandato da Missão Integrada da ONU em Timor-Leste (UNMIT) por mais um ano, ao aprovar por unanimidade a resolução 1802.

O mandato, que terminava na terça-feira, foi assim prorrogado até 26 de Fevereiro de 2009.

A UNMIT, actualmente com 2.700 pessoas, foi criada em Agosto de 2006 e conta com uma componente policial de 1.480 efectivos, mais de uma centena dos quais pertencem à Guarda Nacional Republicana (GNR, força portuguesa).

O mandato da UNMIT é ajudar o governo timorense a "consolidar a estabilidade, promover uma cultura de governação democrática e a facilitar o diálogo político".

Além dos efectivos ao serviço das Nações Unidas, a Austrália e a Nova Zelândia mantêm em Timor-Leste mais de um milhar de militares, no âmbito das Forças Internacionais de Estabilização (ISF, no acrónimo em inglês), enviadas na sequência da grave crise político-militar desencadeada em Abril de 2006.

No passado dia 11, os chefes de Estado e de governo de Timor-Leste, José Ramos-Horta e Xanana Gusmão, respectivamente, foram alvo de atentados separados.

Ramos-Horta, gravemente ferido, encontra-se ainda em Darwin, norte da Austrália, em tratamento médico, enquanto Xanana Gusmão saiu ileso.

Na resolução hoje aprovada por unanimidade, o Conselho de Segurança da ONU "apela ao povo de Timor-Leste para que permaneça calmo, faça prova de contenção e a mantenha a estabilidade no país"


UN council condemns murder attempt on East Timor leader

Posted : Mon, 25 Feb 2008 18:12:05 GMT

New York - The UN Security Council on Monday condemned "in the strongest possible terms" the attempt on the life of East Timor's President Jose Ramos-Horta, calling it an attack on the institutions of the island nation. The council belatedly adopted a resolution to state its position on the situation in East Timor, where a UN peace mission has been assisting the government in Dili to strengthen political and economical development.

Ramos-Horta and his prime minister survived an assassination attempt on February 11 that was led by rebel leader Alfredo Reinado, who was shot to death. Ramos-Horta was severely wounded and flown to Australia for medical services.

The UN said Monday one of Reinado's rebel groups surrendered, but not the rest.

The resolution condemned the attack, calling on Dili to bring the attackers to justice. It urged political leaders to work together for peace and democracy.

Shame on you Mr. Khare!

Margarida deixou um novo comentário na sua mensagem "Elemento do antigo grupo de Reinado rendeu-se à po...":

“Penso também que é bom lembrar Maio de 2006, e todos sabem o que aconteceu em Maio de 2006, e eu congratulo-me por ver pela primeira vez as F-FDTL e a PNTL numa operação conjunta. Isso dá-me esperança para o futuro", sublinhou o chefe da UNMIT.

Se se lembra tão bem de Maio de 2006 como diz, menos desculpa tem então para o comportamento de desafio e de incumprimento da decisão do tribunal que acatou e fez acatar pela UNPOL a não execução dos mandatos de captura contra quem enveredou pela violência contra os seus camaradas de armas e a população de Díli.

Shame on you Mr. Khare!

Militares indonésios instruídos para reforçar coordenação conjunta de segurança na fronteira

Kupang, Indonésia, 25 fev (Lusa) - Os militares indonésios colocados junto à fronteira com Timor-Leste receberam instruções para reforçar a coordenação da segurança na zona fronteiriça com as autoridades timorenses, noticiou hoje a agência Antara.

A referência às instruções foi feita no decorrer de uma cerimónia realizada hoje em Kupang, a capital do lado indonésio da ilha de Timor, pelo comandante da Região Militar IX da Indonésia, major-general GR Situmeang.

Aquele responsável militar disse que o comando sub-regional tem "garantido a segurança da fronteira de forma correcta", mas destacou a importância de "intensificar a coordenação" das acções de controlo com o lado timorense.

Igualmente citado pela ANTARA, o comandante sub-regional, coronel Winston Pardamean Simanjuntak, confirmou que além da coordenação que diz manter com os oficiais timorenses, tem também trabalhado com os elementos da Missão Integrada das Nações Unidas em Timor-Leste (UNMIT), colocados junto à fronteira.

"A coordenação é fundamental e é essencial que, periodicamente, os militares (indonésios) e os oficiais encarregues da segurança de Timor-Leste, bem como as Nações Unidas, reforcem esse mecanismo para prevenir diferenças na aplicação de medidas e políticas", adiantou.

O coronel Winston Pardamean Simanjuntak acrescentou que as principais ameaças à segurança fronteiriça são o contrabando e a entrada ilegal de imigrantes.

A Indonésia anunciou o reforço da segurança na sua fronteira com Timor-Leste, na sequência dos ataques de 11 de Fevereiro, contra o presidente timorense, José Ramos-Horta, e o primeiro-ministro Xanana Gusmão.

No passado dia 15, o embaixador da Indonésia em Lisboa, Francisco Lopes da Cruz disse à Lusa que as autoridades de Jacarta tinham aberto a fronteira.

"Abrimos a fronteira àqueles que por um motivo ou outro querem passar, sem entraves nenhuns, por questões de segurança ou para garantir a circulação de bens de primeira necessidade", acrescentou.

A Indonésia ocupou Timor-Leste entre 1975 e 1999.





Díli, 25 de Fevereiro de 2008

Elemento do grupo de Reinado entrega-se à Polícia em Díli

Um dos arguidos do processo envolvendo Alfredo Reinado anterior aos acontecimentos do passado dia 11 de Fevereiro entregou-se hoje à Polícia, em Díli, informou o Procurador Geral da República, Longuinhos Monteiro.

Sobre aquele elemento impende igualmente mandado de captura relativamente aos acontecimentos de 11 de Fevereiro. No total são 23 os mandados emitidos, encontrando-se mais três em processo e tendo outros cinco sido requisitados ao tribunal, aguardando despacho do juiz.
O Governo apela aos restantes que sigam este bom exemplo e se entreguem à Justiça, e não optem pela via da violência.

Secretaria de Estado da Segurança lamenta incidente com jornalistas do Timor Post

A Secretaria de Estado da Segurança (SES) já reuniu com os jornalistas do Timor Post afectados e apresentou desculpas em nome do Governo pelo incidente de hoje, em que a polícia usou da força de forma não justificada, reiterando a necessidade de corrigir este tipo de actuação.

A SES recordou que a polícia está sob muita pressão por ter que funcionar vinte e quatro horas diárias durante o Estado de Sítio. Apelou ainda aos cidadãos para colaborarem ao máximo, não violarem as limitações impostas pelo Estado de Sítio e prestarem a assistência necessária às forças de segurança, para garantir que tudo decorra da melhor forma.

Governo expressa gratidão pelo comportamento salutar de todo o Povo

O Governo reitera o seu profundo apreço pelo comportamento salutar de todo o Povo até este momento, um apoio que se deve manter até que termine o Estado de Sítio.

Em reunião extraordinária realizada no sábado, o Conselho de Ministros expressou a sua total confiança no Comando Conjunto e em todos os componentes das Forças de Segurança que neste momento assumem no terreno a responsabilidade de garantir os resultados que o Povo e o Estado necessitam de alcançar durante o Estado de Sítio.

O Secretário de Estado do Conselho de Ministros
Porta-voz do Governo


Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.