domingo, julho 02, 2006

Dos leitores

"Last year's church-backed demonstrations was prompted by Dr Alkatiri's decision to drop religious education from the curriculum. The Catholic clergy had called for his resignation."

the decision wasnt to drop religion from the curriculum, but yet to make it a extra-curriculum subject and not obligatory in the state schools. The students can choose or not choose the subject if they wanted to have religion has a subject in school (however in the catholic schools the subject still obligatory, its understandable).

just making a correction.

Ministros do novo governo

Tudo indica que se manterão os mesmos ministros em funções. Pelo menos os que aceitarem integrar o novo governo chefiado por Ramos-Horta.

Resta saber se Ramos-Horta continua a acumular as pastas dos Negócios Estrangeiros e da Defesa.


Ex-general pans Timor intelligence

Deborah Snow
June 29, 2006

A FORMER senior Australian army officer has slammed Australia's grassroots intelligence networks in Timor and elsewhere in the region, saying they are in poorer shape than during World War II.

Retired Major-General Mike Smith, who was deputy commander of UN forces in East Timor in 2000 and now heads the charity Austcare, said yesterday he found it surprising that Australia "keeps being caught with its pants down" in East Timor, the Solomon Islands, Fiji and Papua New Guinea".

"If we really, really knew this region as well as some people think we do, then why are we constantly surprised by these issues?

"What this means to me is that we don't have good human intelligence, we don't understand what's going on at the grassroots level," he told the Lowy Institute for International Policy in Sydney.

As fresh violence broke out in Dili, General Smith said that "human intelligence is not deploying people to an area two weeks before an incident. It's having a network of sources throughout the country that have been established over many, many years. Quite frankly … our Coastwatcher system in World War II was probably more advanced than what we have now."

The Coastwatchers were a chain of secret observers put in place throughout PNG and the Pacific islands to keep Japanese shipping under surveillance.

General Smith suggested Australia attach anthropologists to its military deployments in the region and urged the establishment of a regional institute for complex emergencies.

"As the deputy force commander travelling around East Timor (in 2000), the thing I learned most about the international military force was how really little they knew about the people they were protecting."

He also found it "amazing" that Australia had not deployed a civil-military co-operation detachment in its current Timor mission.

"I suspect (the thinking was), 'we'll get in there and get out very quickly and won't have to stay'."

But he warned that "it's not about whether we are the sheriff of the US or not … we have to take a leading role, there is no alternative".

General Smith, who has recently returned from a visit to East Timor, said he still believed it was an emerging rather than a failed state, and that the determination of major political players to abide by the constitution was an achievement for democracy.

But the police force needed total reconstruction and aid donors should do much more to support civil governance.


Timor Church accused of plotting coup

It has been alleged that senior figures in the East Timor Church approached a defence forces (Falintil-FDTL) commander to lead a coup against the Alkatiri government.

According to Australian journalist John Martinkus, the Church leaders approached commander Brigadier Taur Matan Ruak following the weeks of mass demonstrations against the former Prime Minister Mari Alkatiri government in April 2005 but he rejected the offer.

Last year's church-backed demonstrations was prompted by Dr Alkatiri's decision to drop religious education from the curriculum. The Catholic clergy had called for his resignation.

The allegations, published yesterday on the New Matilda website, were made by senior sources within the command of F-FDTL who reportedly told Mr Martinkus that leaders of East Timor's defence forces were approached on three separate occasions in the past 18 months to lead a coup against Dr Alkatiri.

The sources say that early this year Brigadier Ruak was again approached and requested to lead a coup in a meeting with two prominent East Timorese leaders and two foreign nationals. Again, the commander refused, reportedly telling them it was against the constitution and would set an unacceptable precedent.

One of the commander's leading deputies, Lieutenant-Colonel Falur Rate Laek, a veteran of the war against Indonesia, was also approached by the same two local leaders and foreign nationals. He too, refused. According to Mr Martinkus' report, the nationalities of the foreigners were not revealed.

Mr Martinkus says his sources confirmed Dr Alkatiri's claim that allegations against him were politically motivated. Dr Alkatiri has blamed opposition groups within East Timor that had foreign backing for the recent unrest and said this crisis was a foreign backed coup.

In a wide-ranging interview last week, Dr Alkatiri blamed opposition groups for the breakdown of law and order last month that led to at least 130,000 East Timorese fleeing their homes and the total collapse of the East Timorese police force.

He said these people had repeatedly tried to convince prominent commanders in the East Timorese armed forces to overthrow his government in an armed coup. When this failed, they helped provoke the army mutiny which had taken the country to the brink of civil war.

It was the sacking of 600 soldiers from the tiny country's western regions that precipitated the latest violence. The soldiers were protesting what they perceived as discrimination in the armed forces which is dominated by commanders from the country's east where the guerrilla forces fighting Indonesia's 24-year occupation held out.

In an interview with Mr Martinkus, Dr Alkatiri said his political opponents exploited ethnic divisions within the police force to create unrest.

"Then they try to influence the PNTL [national police force]. How did they do it? Through this kind of propaganda, Loromunu, Loro Sae (West versus East). They succeeded in dividing the people within the PNTL. This is the whole strategy.

"Then they put groups of PNTL against groups of F-FDTL in confrontation. And they succeeded again. This is why I requested assistance from outside," he said in reference to the arrival of Australian-led foreign troops in late May.

Dr Alkatiri is adamant the violence was orchestrated as part of a program to topple his government. "It has to be institutions, some organisations inside, assisted by others outside," he said.

He could not identify any of the alleged individuals or organisations and said that East Timor would need some time to investigate. "I think there are outside groups ... can be from Australia maybe from Indonesia but not the governments ... But still I do believe there are outside groups," he said.

Dr Alkatiri stepped down on Monday after Foreign Minister Jose Ramos-Horta resigned in protest over his continued reluctance to quit and his close ally President Xanana Gusmao threatened to do the same.

He denies allegations, aired on last week's Four Corners program, of participating in the arming of a civilian "hit squad" aimed at eliminating his opponents, including Church leaders. Dr Alkatiri said on Monday in a resignation statement that he was stepping down for the good of the nation.

29 Jun 2006

O nosso Xanana

Por Daniel Olieira

Como o próprio Presidente timorense bem resumiu, «onde há petróleo há problemas». E enquanto tudo isto acontecia, os portugueses foram acordando da sua candura. É que nem Xanana é o Nodi, nem Alkatiri é Fidel Castro.

O RIGOR, quando chega a Timor, é abatido logo na praia. As paixões associadas a Timor nascem de uma certa condescendência colonial. Uma genuína solidariedade misturada pelo incómodo de ver outra potência no nosso lugar, provocou, há sete anos, uma onda nacional de revolta. Esse momento deu aos portugueses uma visão infantilizada dos timorenses, em que Xanana foi transformado num super-herói da Marvel. E assim se manteve. Convenhamos que é mais fácil gostar de um católico do Benfica, simpático e atrapalhado, do que de um sisudo muçulmano de nome impronunciável.

Só que a verdade é mais dura. Xanana é um político inábil, embriagado pela sua própria figura. Até à chegada dos australianos andou a jogar à bola enquanto Alkatiri tratava da política e a situação se degradava. Já com o país a ferro e fogo percebeu-se que estava melhor quando estava calado.

O discurso de Estado que fez antes de empurrar Alkatiri borda fora é digno dos Gatos Fedorentos. Xanana transformou-se num joguete fácil às mãos dos interesses na região.
Alkatiri, com todos os seus defeitos, é, pelo contrário, um estadista frio mas responsável, sem carisma mas pragmático. Apesar de erros de palmatória, como o despedimento em massa de militares, foi minorando os estragos e contendo os seus apoiantes, ao mesmo tempo que as sedes da Fretilin eram destruídas em Díli. Fez tudo para evitar uma guerra civil. Imerso em erros e inexperiência, andou, durante os últimos anos, a tentar o improvável: impedir que Timor se transformasse de novo num satélite da Austrália e da Indonésia, procurando parceiros comerciais com menores interesses na região, como a China, o Koweit e o Brasil.

É o preço dessa ousadia necessária que está agora a pagar. Porque, como ele próprio bem resumiu, «onde há petróleo há problemas». E enquanto tudo isto acontecia, os portugueses foram acordando da sua candura. É que nem Xanana é o Nodi, nem Alkatiri é Fidel Castro.


Comissão Europeia envia missão a Díli

Quinta-feira chega a Díli um Enviado Especial do Presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso.

Miguel Amado chega acompanhado por Sonia Neto, political adviser do Presidente da Comissão Europeia.


ONG apela para envio urgente de uma nova missão

ONU em Timor, já!

Alterar tamanho
O Instituto para o Acompanhamento e Análise da Reconstrução de Timor-Leste (Institute for Reconstruction Monitoring and Analysis), uma ONG sedeada em Díli, pede às Nações Unidas o envio urgente de uma nova missão da ONU para Timor-Leste.

Num relatório dirigido a semana passada à Missão da ONU e aos estados-membros do Conselho de Segurança da ONU, a organização, conhecida pelo nome de La'o Hamutuk, passa em revista o papel da comunidade internacional em Timor durante o período de transição e explica por que considera indispensável que a próxima missão tenha um mandato de pelo menos cinco anos.

«As forças estrangeiras de segurança, incluídos os contingentes militares e policiais australianos devem ser colocadas sob um comando coordenado da ONU», precisam os autores do relatório.

Concluem: «Desejamos que a crise actual sirva de advertência para a comunidade internacional e para a liderança timorense, e que a próxima missão da ONU no país dê prioridade às necessidades a longo prazo do milhão de pessoas que vivem em Timor-Leste, de forma a apoiar os seus esforços para a estabilidade, democracia e paz».

O relatório, enviado antes da demissão do Primeiro-ministro Mari Alkatiri, recomenda ainda que todas as actividades da ONU sejam desenvolvidas «em cooperação com o governo soberano de Timor-leste».

Nicole Guardiola

Leia o relatório completo.


Ramos-Horta confirmado chefe de Governo interino de Timor

Aguarda-se o anúncio de um novo Governo
02.07.2006 - 11h47 PÚBLICO

O prémio Nobel da Paz, José Ramos-Horta, vai ser designado primeiro-ministro interino de Timor-Leste, enquanto se aguarda o anúncio de um novo Governo, referiu ontem um responsável político local citado pela AFP, que também alertou para os riscos de fome entre a população que se encontra deslocada.

De acordo com um responsável político, citado pela AFP, Ramos-Horta admitiu no decurso de uma reunião com diplomatas e trabalhadores humanitários que deverá presidir ao próximo conselho de ministros, agendado para terça-feira. O antigo ministro dos Negócios Estrangeiros e da Defesa precisou ainda ter obtido o apoio do ex-primeiro-ministro, Mari Alkatiri, que se demitiu segunda-feira na sequência de pressões locais e internacionais.

Alkatiri é acusado de ter estado na origem das violências que abalaram o pequeno país em finais de Maio e que provocaram cerca de 30 mortos, e ainda de ter armado "esquadrões da morte" encarregues de liquidar opositores.

Em paralelo, o regime de coação imposto ao ex-ministro do Interior de Timor-Leste, Rogério Lobato, foi desagravado para a "obrigação de permanência na habitação", referiu ontem à Lusa o seu advogado, Paulo Remédios.

De acordo com o procurador-geral da República, Longuinhos Monteiro, Lobato arrisca uma pena de 15 anos de prisão para os quatro crimes de que é acusado: associação criminosa, posse ilegal de armas, conspiração e tentativa de revolução. Rogério Lobato é acusado de distribuir armas a grupos de veteranos da resistência para eliminar adversários políticos do primeiro-ministro demissionário e líder da Fretilin, Mari Alkatiri.

Ainda em declarações à Lusa, o chefe do Governo demissionário assegurou que o Presidente Xanana Gusmão não deverá dissolver o Parlamento nacional de Timor-Leste, e sugeriu que as eleições deverão ocorrer na data prevista, em Abril de 2007. "Esse cenário [dissolução do Parlamento] está afastado. Há indicações muito boas de que o Presidente está disponível e que vai haver diálogo com todos os partidos, incluindo a Fretilin", asseverou Alkatiri.

O 'peso' de uma fotocópia na capital dos rumores


João Pedro Fonseca Em Díli

Atranquilidade voltou a Díli. Só que, na capital mundial dos rumores, uma simples montagem fotográfica, mal amanhada e mal fotocopiada, onde se vê Alkatiri algemado a ser levado por militares australianos, foi o bastante para suscitar uma conferência de Imprensa da Fretilin. "Querem criar instabilidade, querem destruir a dignidade de Alkatiri, pretendem criar confusão nas pessoas através de mentiras, procuram obstaculizar o diálogo político que se iniciou para resolver a crise política."

A conferência de imprensa, na residência do primeiro-ministro, contou com a presença do presidente do partido, Lu-Olo, e de Alkatiri. Mas este não falou. A mensagem que quiseram transmitir era uma só: "A Fretilin está a fazer tudo para se resolver a crise, mas outros continuam a querer desestabilizar." Outros quem? Não sabem. Pediram aos jornalistas para perguntarem aos militares australianos: foram eles que receberam as ditas fotocópias e pediram à Fretilin para desmentir a mensagem.

Para os jornalistas internacionais, aquela conferência parecia até um pouco ridícula. Uma fotocópia mal amanhada? Mas os líderes timorenses sabem como circula a informação no país: primeiro é uma fotocópia manhosa; outro dirá que viu a fotografia, e alguns garantirão que alguém viu o militar a prender Alkatiri. Daí a necessidade de esclarecimento público.

Na casa de Alkatiri estava Arsénio Bano, o ministro do Trabalho, independente, que tem sido falado como altamente provável membro do futuro Governo de iniciativa presidencial.

Ao DN, o presidente do partido disse ter participado numa reunião com Xanana Gusmão, no âmbito de uma comitiva parlamentar da Fretilin. Desse encontro saiu um acordo no sentido de se sentarem esta semana para dialogar sobre a formação do Governo. Ontem mesmo reuniu a Comissão Política da Fretilin, para discutir esta questão. Existe já um pacote de objectivos para apresentar ao Presidente. E o clima no partido é de optimismo, não obstante a insistência em não revelar nomes e a recusa de opinar sobre a possibilidade de Xanana estar já a convidar pessoas para esse Executivo sem ainda ter falado com a Fretilin.

O nome mais provável para chefe de Governo é Ramos-Horta, que já assumiu poder aceitar o cargo se tal for necessário, "suportarei esse fardo", e alguns nomes do actual Governo, nomeadamente independentes, poderão integrá-lo. Os dirigentes da Fretilin, que não falam sobre cenários, aguardando pelos contactos com o Presidente, dizem-se com total abertura para discutir perfis, nomes, políticas, tudo. "Não seremos obstáculo para as soluções desta crise", disse Lu-Olo ao DN.

Na cidade o clima mudou da noite para o dia: miúdos brincam nas ruas, reabriram as lojas, pessoas passeiam à beira-mar, famílias confraternizam sentadas nos quintais. Só uma coisa não mudou: os deslocados teimam em não voltar a suas casas. Desde anteontem que deixaram de correr rumores na cidade, e isso tranquiliza. Mas, sabendo como as coisas mudam de um momento para o outro, preferem não arriscar. Muitos têm as casas destruídas, outros não se sentem seguros em voltar. Nos últimos dias multiplicaram-se os campos de deslocados. Até Ramos-Horta tem umas dezenas de pessoas no seu quintal. Todos os espaços perto de instalações com segurança são bons para ficar. E as instituições humanitárias garantem as refeições que, se calhar, em casa, não teriam...

Parlamento regressa ao trabalho com lei eleitoral no topo da agenda

Eduardo Lobão, da Agência Lusa Díli, 02 Jul (Lusa) - O parlamento de Timor-Leste regressa segunda-feir a ao trabalho com os olhos postos na apresentação e debate de uma lei eleitoral que garanta a realização de eleições no país, sejam elas antecipadas ou não, dis se hoje à Lusa fonte parlamentar.

A apresentação de uma proposta de lei eleitoral terá de partir de uma o u mais das 12 bancadas com assento parlamentar porque a proposta que o Governo j á tinha entregue, e que estava a aguardar agendamento, deixa de ter existência l egal com a queda do governo, provocada pela demissão do primeiro-ministro, Mari Alkatiri, prontamente aceite pelo Presidente Xanana Gusmão, no passado dia 26 de Junho.

A demissão do Governo marcou a transferência da coordenação da governaç ão para o ministro de Estado, dos Negócios Estrangeiros e da Defesa, José Ramos Horta, que terá a responsabilidade de dirigir a equipa governamental até à forma ção de um Governo de transição, de base alargada.

Mari Alkatiri retoma, como anunciou previamente no acto de renúncia, o lugar de deputado para que foi eleito nas eleições de 2001 e vai preparar o part ido maioritário, a FRETILIN, para as legislativas.

As eleições poderão realizar-se no período previsto, em Abril ou Maio d e 2007, mas caso fracassem os contactos políticos, actualmente centrados no Parl amento, o presidente Xanana poderá optar pela dissolução, com a ida às urnas a r ealizar-se em Novembro.

Para tanto, bastará adaptar o Regulamento Eleitoral concebido pelas Naç ões Unidas e que regulou as eleições de 2001, ganhas confortavelmente pela FRETI LIN com 57,37 por cento dos votos.

Nos últimos dias, e no âmbito do esforço para ultrapassar a crise polít ica, Xanana Gusmão reuniu com todas as bancadas parlamentares e a Comissão Polít ica Nacional da FRETILIN mantém-se reunida desde sábado.

Entretanto, com o final das manifestações pró e contra Mari Alkatiri, q ue ao longo da semana passada se realizaram em Díli, a capital timorense regress ou este fim-de-semana à normalidade, em que apenas a instalação de postos de con trolo de identificação de pessoas e carros, a cargo dos efectivos militares inte rnacionais estacionados em Timor-Leste, relembra que o país ainda não saiu da pr ofunda crise social, política e militar em que mergulhou no final de Abril.

Cerca de 2.200 efectivos militares da Austrália, Malásia, Nova Zelândia e Portugal começaram a chegar ao país a 25 de Maio passado.

A vinda daqueles efectivos, na sequência da desintegração da Polícia Na cional, das divisões no seio das forças armadas e da actividade criminosa de gru pos de civis, potenciada pela distribuição de armas, partiu de uma iniciativa co njunta da Presidência da República, Governo e Parlamento.

A questão da distribuição de armas a civis está já a ser investigada, n um processo que tem como primeira vítima o ex-ministro do Interior Rogério Lobat o.

Depois de ouvir as quatro acusações relacionadas com a alegada distribu ição de armas, e pelas quais arrisca uma pena de 15 anos de cadeia, Lobato, que é também vice-presidente da FRETILIN, viu-lhe ser aplicada a medida de coacção d e prisão domiciliária, devido ao risco de fuga do país.

Esta medida de coacção foi entretanto aligeirada sábado, passando o ex- ministro, por razões de segurança, a estar abrangido pela obrigatoriedade de se manter na sua residência.

Mari Alkatiri, implicado neste processo, deverá ser ouvido nos próximos dias, logo que o advogado que o representará chegue a Díli, segundo o ex-chefe do governo.

A atestar a dimensão social da crise em Timor-Leste estão as cerca de 1 50 mil pessoas distribuídas por campos de acolhimento, a maior parte dos quais n a capital.

As Nações Unidas, que solicitaram no dia 12 à comunidade internacional que ajudasse a financiar as operações de assistência humanitária para os próximo s três meses, alertaram este fim-de-semana que o atraso na libertação desses fun dos está a obrigar à redução da prestação dos apoios aos desalojados.

Os deslocados, que se encontram na maioria em instituições ligadas à Ig reja Católica, receiam regressar às suas casas, por temerem a repetição da onda de violência que entre Abril e Maio causou a morte a 30 pessoas e a destruição d e centenas de casas e estabelecimentos comerciais.

EL Lusa/Fim

Dos leitores

"eu estou inteiramente de acordo com a luta pelo esclarecimento, pela verdade e pela justiça, mas sou só uma leitora do timor-online e uma amiga de todos os povos em luta. A inteligência, tolerância e persistência deste blog deve-se ao malai azul, a quem felicito por ter re-organizado o arquivo. Este é um testemunho fundamental e recomendo aos que ainda se desculpam de não tomar posição por desconhecimento, que se atrevam a ler o arquivo do timor-online. Lá encontram todas as informações para poderem, consciente e responsávelmente tomar posição. Lá encontrei a resposta a muitas dúvidas que tinha. Obrigada, malai azul."

Ramos-Horta próximo Primeiro-Ministro

Tudo nos indica que José Ramos-Horta será nomeado Primeiro-Ministro para a semana.


Dos leitores

Os anónimos que aqui esperneiam contra o Malai Azul, por ele neste blog dar a conhecer ao mundo a outra face da moeda, são aqueles adoram a democracia quando ela serve os grupos de interesses que eles representam. A verdade histórica do golpe em Timor, mais cedo ou mais tarde vai ser conhecida. Entretanto derrubou-se um governo sustentado numa maioria no parlamento.
Por muitas cambalhotas que queiram dar esse é o facto. Para isso tiveram que criar o caos em Timor, destruir, pilhar, assutar. Mas afinal isso que lhes importa? Conseguiram o que queriam. Para esse tipo de gentinha os seus intereses estão acima do bem estar de todo um povo. Ao longo da historia da humanidade houve sempre judas que se venderam por 30 dinheiros.

Uma anónima Portuguesa que participou sempre em Portugal em todas as manifestações e acções contra a ocupação de Timor pela Indonésia.

Aiii Timorr



A culpa da comunidade internacional será porque vê factos já que a única emoção que envolve Timor é o bem e a paz daquele país?

Parece-me que os ódios irracionais e desmedidos e as campanhas primárias de anti-comunismo que já ninguém acredita ficam-se pela classe politica timorense.

E as mãos manchadas de sangue no passado, têm todos sem excepção.

Mas o hoje não é o ontem.

E hoje o que a comunidade internacional viu foi uma FRETILIN em tom sóbrio apelar à paz, à não violência, ao entendimento e respeito pela legalidade democrática em oposição a um novo partido designado "Xanana e os seus seguidores", com o lider, a demitir-se das suas funções de Presidente da República, ao lado da violência e destruição, com total desrespeito pelo povo e legalidade democrática, gerindo uma espécie de estado com leis próprias.

O que a comunidade internacional viu foi o país mais ajudado do mundo com as suas doações de milhões de dólares a ser destruído, a população a ser violentada e um Presidente da República a sorrir e a classificar tudo isto de "esperteza" que permitiu ganhar a "guerra".

Senhor anónimo nada mas nada justifica a violência e destruição ocorrida nos últimos dois meses em Timor e peço-lhe para não se esquecer é que o que a comunidade internacional viu que a violência e destruição partiu efectivamente dos apoiantes e protegidos de Xanana Gusmão, dos anti-Alkatiri.

E isto é um facto inegável.

E para concluir só queria deixar registada uma pergunta de um manifestante da FRETILIN a Xanana e que a comunidade internacional põe desde o primeiro minuto da crise:

"Diz que é o garante da Constituição, então porque não parou a crise? Quando as FDTL recolheram aos quartéis começaram a destruir as casas da população, porque não os mandou parar?"

Xanana acabou por sair mal do meio da multidão, sendo apupado e com um jovem no megafone a dizer que quando o Presidente estava preso em Jacarta "também fui para lá ajudar, nessa altura éramos todos Timor, todos irmãos, para quê estas divisões?" Ficou a falar sozinho...

O passado é passado e nunca será o presente.
O grave é que hoje alguns continuem a persistir em sujar as mãos de sangue e outros optem pelo respeito pela legalidade democrática.

A comunidade internacional viu, Kofi Annan viu e "obrigou" o Presidente da República a uma mensagem ao País de paz e respeito pela democracia que apenas aconteceu por imposição e não por convicção.

O que a comunidade internacional espera é que o Povo Timorense também tenha visto.


Mesmo não sendo apoiante do Sr. Alkatiri, é-me difícil aceitar que se minta descaradamente só para sujar ainda mais o seu nome.

1º - Foi o PM demissionário que solicitou ao Procurador-Geral que fosse ouvido o mais rapidamente possível;

2º - Em resposta a este pedido, a audiência foi marcada para hoje, sexta-feira, dia 30;

3º -O advogado do PM demissionário não se encontra ainda em Díli, pelo que a audiência foi adiada para nova data.

A isto chama-se funcionamento legal das instituições do Estado.

Em conformidade com a Constituição de Timor-Leste, a presunção de inocência é um dos primados da Lei. O Sr. PM demissionário tal como qualquer outro cidadão (nacional ou estrangeiro) em TL, tem o direito de defesa perante acusações que lhe foram ditigidas.

Como dizia alguém ontem: Elementar, meu Caro Watson ...

Transcrição completa da entrevista no Publico que não está online:

Figuras da Igreja e estrangeiros aliciaram os militares para um golpe de Estado em Timor-Leste

Público, 30/06/06, Entrevista de Adelino Gomes a Mari Alkatiri

Público: A opinião pública portuguesa tem-se mostrado de algum modo desiludida com o que se passa em Timor-Leste. Desistiram da independência?

Mari Alkatiri: Toda a gente apoiou os timorenses, realmente, mas tiveram algumas ilusões. Os timorenses são seres humanos como os outros. Saíram de uma guerra prolongada e dura, e esto exigia uma melhor perspectiva e sistematização. Viram-se as partes mais economicistas e políticas do problema, mas descuraram-se as questões social e cultural.

Público: Quis preservar os benefícios do petróleo para as gerações vindouras. Mas - criticam alguns - esqueceu-se de que os timorenses não vão chegar lá com a barriga vazia.

Mari Alkatiri: As pessoas esquecem-se de que o primeiro dólar dos 600 milhões que agora estão no Fundo do Petróleo entrou em Setembro do ano passado. Não se podia usar dinheiro sem o ter. Segundo ponto: para uma política de desenvolvimento avançar, tem que desenvolver a capacidade da administração pública e desconcentrá-la. A sociedade deve acompamhá-la. Ora, isto não se faz de um dia para o outro.

Público:Quem vá a Timor-Leste depara com a sensação, no homem comum, de que este não ganhou nada com a independência.

Mari Alkatiri: Naturalmente. Se conseguir dar-me o exemplo de um país que tenha chegado à independência e três ou quatro anos depois tenha conseguido resolver os seus problemas, reconheço o meu erro.

Público: Devia comparecer hoje diante de um procurador. Rejeita as acusações de que armou um grupo paramilitar, mas a verdade é que se encontrou com os responsáveis do grupo.

Mari Alkatiri: Pedi um adiamento. O meu advogado (português, cujo nome Alkatiri não revela) não chegou ainda. Quando me encontrei com eles, vinham como delegados ao Congresso da Fretilin. Pertenciam à organização de segurança, que todos os congressos têm.

Público: O antigo comandante da Polícia Nacional, Paulo Martins, diz que o informou, por carta, dessa distribuição de armas.

Mari Alkatiri: Paulo Martins anda a mentir descaradamente.

Público: O ex-ministro do Interior, Rogério Lobato, confirma que organizou esse grupo armado. Isso torna-o responsável.

Mari Alkatiri: Não li ainda o depoimento dele. Esse caso devia ser do conhecimento do primeiro-ministro, é verdade. Mas não me foi pedida opinião nenhuma. (Se tivesse sido) Teria dito que não.

Público: Foi traído por Lobato?

Mari Alkatiri: Prefiro não estar a enterrar mais ninguém. Deixemos que as conclusões sejam retiradas pelo tribunal.

Público: Lobato há muito que era objecto de acusações. Não acha que foi no mínimo imprudente nomeá-lo para funções daquelas?

Mari Alkatiri: Acredito na transformação das pessoas. Continuo convicto de que com a mudança as pessoas se transformam.

Público: Há quem pense que, de protector, passou, a partir de certa altura, a ficar refém dele.

Mari Alkatiri: Eu não sou refém de ninguém. E muito menos dos meus ministros. (O comandante do grupo) Railós apareceu como a gota de água que fez transbordar o copo. Foiaproveitado. Encontrou-se aí um argumento político. Doutra forma, ter-se-ia respeitado o princípio da presunção da inocência.

Público: John Martinkus (antigo correspondente australiano em Timor-Leste) acaba de escrever um artigo ( em que o cita, dizendo que figuras de topo da Igreja e da oposição, acompanhadas por dois elementos estrangeiros, tentaram convencer o brigadeiro Matan Ruak e o tenente-coronel Falur a derrubar o Governo. Confirma?

Mari Alkatiri: Confirmo, mas não disse o nome dos oficiais contactados. E não disse se era o Governo A, B ou C. Mas disse “estrangeiros”, sim.

Público: Esta crise mostra um enorme fosso entre a geração da resistência e as gerações seguintes. Os senhores falharam a passagem do testemunho?

Mari Alkatiri: O espaço entre os veteranos e a geração actual não está devidamente ocupado. (Os líderes mais jovens) Estão aí. São os que viveram intensamente a ocupação (indonésia). Há jovens bastante determinados, embora um pouco perdidos. É preciso é que não haja mais conflitos destes.

Público: O Presidente chamou “ilegítima” à sua direcção. Vai convocar novo Congresso?

Mari Alkatiri: Se o Tribunal de Recursos confirmar essa ilegitimidade. Só ele tem competência constitucional para o fazer. O Presidente tomou uma posição política. Respeitamo-la. Mas num estado de direito democrático há órgãos próprios para tomar essas decisões.

Público: Se pudesse, que medidas tomava para ultrapassar esta crise?

Mari Alkatiri: Primeiro, formar o mais rapidamente possível um Governo constitucional. Depois, encontrar um mecanismo de consulta mais abrangente, para que todos participem no processo que leva até às eleições.

Público: Voltará a falar com o Presidente Xanana?

Mari Alkatiri: Por que não? Não sou um bom relações-públicas, mas nunca deixei de falar com as pessoas.

Não é essencial que o novo primeiro-ministro pertença à Fretilin

A comissão política da Fretilin decide hoje o nome que deverá sugerir a Xanana para a chefia do Governo. Mari Alkatiri acredita que o presidente não dissolverá o Parlamento.

Público: A Fretilin esperava 30 mil pessoas em Díli. As notícias que chegam aqui a Portugal falam em quatro mil. É bastante menos...

Mari Alkatiri: O correspondente da Lusa deve ser míope. Ou não sabe contar. Não são quatro mil nem são 30 mil, porque nãohavia viaturas que chegassem. São para cima de 15 mil.

Público: Os manifestantes pretendiam entregar um documento ao Presidente da República (PR) pedindo que este reconsidere a aceitação da sua demissão. Isso faz sentido?

Mari Alkatiri: Não vi ainda o documento. Espero que não façam isso.

Público: Já houve contacto do PR com a Fretilin? Que nome indicará para primeiro-ministro, se ele lhe pedir, nos termos constitucionais?

Mari Alkatiri: Até agora não houve nenhum contacto. Vamos ter uma reunião da comissão política nacional esta sexta-feira à tarde. Aí veremos qual a pessoa.

Público: Pode dar-nos o perfil mais adequado? Alguém entre aqueles que o Dr. Ramos-Horta já apontou?

Mari Alkatiri: Alguns, sim. Alguém que tenha um domínio dos dossiers, que tenha participado, nos últimos anos, nesta governação para saber o que é governar e (que tenha) com uma formação global, não muito específica.

Público: É essencial que pertença à Fretilin?

Mari Alkatiri: Não é essencial que seja. Mas terá que ser alguém da confiança da Fretilin, no mínimo.

Público: Se não chegar a acordo e o PR dissolver o Parlamento, o que é que a Fretilin fará?

Mari Alkatiri: Não creio que o PR avance nesse sentido. Ele tem dito que vai cumprir a Constituição. A dissolução aprofunda ainda mais esta crise que passa de política a humanitária e institucional. A dissolução significa que não teremos Orçamento, nem leis eleitorais, com todas as implicações para o futuro.

Público: Ele disse que gostava que houvesse eleições já em Novembro. Concorda?

Mari Alkatiri: Digo terminantemente que não há condições. Se conseguirmos realizá-las em Abril/Maio, o que espero, teremos muita sorte.

Público: Já falou nisso (numa entrevista publicada ontem na Visão). Em concreto o que se passou entre domingo à tarde e segunda-feira de manhã para que se convencesse mesmo a resignar?

Mari Alkatiri: A quase certeza de que, sem a minha demissão, o Parlamento será dissolvido ou o PR, inclusive, resignaria. Foi para evitar a crise institucional que isso provocaria, e o que acabei de me referir.

Público: O PR já o tinha dito antes.

Mari Alkatiri: Sim, Mas havia várias iniciativas em volta para que nada disso acontecesse. O mais importante, num Estado jovem como o nosso, é que se consiga preservar as instituições democráticas eleitas. Uma demissão do PM não implicaria novas eleições, mas a do PR sim. Ora, não há eleições sem leis eleitorais. A queda do Governo era um mal menor. Senti que, se não me demitisse, a história julgar-me-ia pelo aprofundamento da crise. Fiz consultas amplas, com o presidente do partido e com outros membros da comissão política e assumi essa responsabilidade. Para servir melhor o país e servir também melhor o partido.

Público: Foi uma derrota também pessoal, a sua resignação?

Mari Alkatiri: Não me importo com derrotas pessoais, desde que haja vitórias para o povo e para o Estado. Mas não me sinto derrotado: tenho a certeza de que a Fretilin vai ganhar as eleições em 2007.

Díli foi mais tarde à cama para festejar vitória de Portugal

Díli, 01 Jul (Lusa) - Díli deitou-se hoje mais tarde que o habitual, com os festejos da vitória de Portugal no Mundial de Futebol Alemanha2006 acentuados por caravanas automóveis nas ruas da capital timorense.

"Portugal, Portugal" foram os gritos de muitos timorenses que, de carro ou de motociclo, agitando bandeiras de Portugal, celebraram a passagem às meias-finais, depois da vitória sobre a Inglaterra.

Junto ao quartel da GNR, na zona de Metiaut, imediatamente após o final do jogo, muitos timorenses e portugueses celebraram a vitória, saudando os convidados que assistiram ao jogo nas instalações ocupadas pelos militares portugueses.

O ministro dos Negócios Estrangeiros e da Defesa, José Ramos- Horta, respondeu de imediato "viva Portugal", quando a Lusa lhe pediu um comentário ao jogo, a que assistiu ao lado dos embaixadores de Portugal, João Ramos Pinto, e da Inglaterra, Tina Redshaw.

"Se for o Brasil a jogar com Portugal nas meias finais..., então que ganhem os dois", disse Ramos-Horta à Lusa.

O Brasil joga hoje à noite com a França e o vencedor deste jogo disputará nas meias-finais com Portugal o acesso à final do Alemanha2006.

A outra meia-final será jogada entre a Alemanha e a Itália.

No final do jogo, a embaixadora inglesa manifestou total "fairplay", reconhecendo que Portugal foi "mais feliz".

Outro cidadão inglês, Ian Martin, enviado especial do secretário-geral da ONU, Kofi Annan, a Timor-Leste, que também assistiu ao jogo no quartel da GNR, não pareceu muito convencido, mas estava resignado.

"Jogámos muito tempo só com dez, mas dou os parabéns a Portugal pela vitória", afirmou.

Entre os convidados estavam presentes dezenas de cidadãos portugueses, e também timorenses, que se juntaram aos 124 efectivos da GNR, e que celebraram ruidosamente cada grande penalidade convertida pelos jogadores portugueses e cada defesa do guardião Ricardo.

A hora tardia a que terminou o jogo, cerca das 03:00 da madrugada de domingo em Díli, não foi obstáculo para as celebrações, que se espalharam por vários bairros, e com as caravanas a privilegiarem a Avenida de Portugal, onde se situa a residência do embaixador português.

Também os soldados australianos, que integram o contingente de forças militares internacionais estacionadas em Timor-Leste devido à crise político-militar, se associaram à festa.

Num posto de controlo instalado no acesso ao Palácio do Governo, com recurso a dois blindados, e após o controlo da viatura e verificação da identidade do condutor, os militares australianos expressaram os parabéns: "Congratulations for the soccer victory" (Parabéns pela vitória no futebol), à passagem do carro da Lusa.

O jogo foi transmitido pela Rádio e Televisão de Timor-Leste.



Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.