sexta-feira, março 16, 2007

UNMIT – MEDIA MONITORING - Friday, 16 March 2007

National Media Reports

Mal Rerden: “People Who Support Alfredo, Against Law and Order”

The Commander of International Stabilisation Forces (ISF) Mal Rerden said that the people who join, support or cooperate with Major Alfredo Reinado will be working against the laws of Timor Leste.

Rerden said that Alfredo Reinado is a fugitive and people who join or cooperate with him will be breaking the law. He said Alfredo’s attitude is complicating ISF’s operation. Rerden appealed to all Timorese to cooperate with the ISF to apprehend Reinado and his group of supporters. (DN)

Atul Khare: “Alfredo Reinado Has to Choose 2 Options”

The Special Representative for the Secretary General (SRSG) Atul Khare has said that Alfredo Reinado can choose two options which have been presented by the Government of Timor Leste, the United Nations and the ISF. He said the first is for him to submit himself peacefully to the judicial process and the second is to be arrested by the ISF.

According to Khare the UN mission in Timor Leste will not waiver from these two options as the mandate of UNMIT does not permit the UN to create the impunity in this country. (DN)

UE Send 32 Observers to Timor Leste

The Ministry of Cooperation and Foreign Affairs reportedly held a Ceremony to sign an Intendment Accord it and the European Union regarding electoral observers for the 2007 elections. The Accord was signed by Minister Jose Luis Gutteres and the Representative of European Union n Timor Leste Gugliemo Colombo.

Minister Guterres said that the Accord will ensure international observers may observe the Presidential and Parliamentary elections and to ensure that the election will be free, fair and transparent. Mr Colombo said that EU will send 32 observers for the Presidential Election and 60 for Parliamentary election across all 13 districts including Dili. The members are from 27 nations within the European Union with experience as independent observers. (DN)

State Demands Alfredo to Surrender

The Government of Timor Leste is maintaining its position demanding that Alfredo Reinado disarm and submit himself to justice. The Prime Minister Jose Ramos Horta made the comments at a press conference on yesterday at the Government Palace.

Horta declared that the decision of Government has been clear and that there is no dialogue. He said that the position of Government is clear which is that Alfredo has to disarm and submit himself to justice. (TP)

F-FDTL Will Be Allocated to All Unsafe Places in Dili

The Prime Minister and the Minister of Defence and Security Jose Ramos Horta has announced that the decision of State, which is supported by the President of Republic Xanana Gusmão, to deploy the F-FDTL to provide security in Dili has been taken in consultation with the United Nations. Horta said the F-FDTL is able to provide security.

According to Horta, the F-FDTL will be allocated to trouble spots and prevent those who are indulging in violence to create daily disturbances in the Capital. Horta said maintained that the F-FDTL can perform security tasks despite some organisations expressing their concern. Horta said the State will find the way how to ensure cooperation between the F-FDTL and PNTL and the ISF and UNPOL. (TP)

If the State accepts the conditions, Alfredo Reinado will surrender

The Lawyer for Alfredo Reinado has guaranteed that if State accepts the proposal for surrender without reservation, his client will disarm and submit himself to the justice. Benevides Correia Barros made the comments at the Hotel Timor yesterday.

Benevides said that if State doesn’t agree this client will not surrender. Benevides added that under the proposal, Reinado wants home detention, akin to Rogerio Lobatoand Mari Alkatiri and State has to maintain security for him. (TP)

Alfredo Prefer to Die than To Be Imprisoned

The lawyer for Reinado Benevides has told local media, that his client wants a peaceful resolution. He said that without a thorough investigation, his client would prefer than go to prison. Reinado is insisting upon house arrest.

Major Rerden: Alfredo Is No More a Threat for Security

Commander of the Australian-led international forces, Brigadier Mal Rerden declared that Alfredo is not a significant threat for security. He said that Alfredo supporters are becoming weaker and less able to seek support. The ISF is continuing their operation to apprehend Alfredo and his members. In order to accomplish the mission, Major Rerden, has asked for community support by providing information about where Alfredo Reinado and his supporters may be hiding. (STL)

Bishop Alberto: Honest Figure Able to be President

Dili Diocese Bishop’s said that the next East Timor president will be an honest figure. Among those eight registered for the upcoming Presidential Election, he said the winner should be a person of honesty if the people are to trust that person to represent them. He said such candidates should be be honest and seek unity. (STL)

Dos leitores - Tradução da Margarida

Comentário sobre a sua postagem "Dos leitores":

Do Dr. Damien Kingsbury RE Nova política de impostos de Ramos-Horta: Conquanto esteja certo de que JRH esteja a tentar fazer o que é correcto para o povo de Timor-Leste, devia esperar-se que ele soubesse que não é adequado, numa democracia, um político em exercício iniciar ou anunciar uma nova política depois de ter entrado formalmente num período eleitoral. JRH há-de argumentar que está de saída do cargo de PM para se candidatar a presidente.

A questão é que uma vez que ele declarou que vai deixar o cargo de PM, e que o processo eleitoral já começou, ele é somente um PM interino – não um executivo -. Isto, misturado com facto de o período eleitoral para as presidenciais já ter começado sendo ele um dos candidatos. É suposto que o período eleitoral seja 'neutro', e onde não se iniciem ou anunciem desenvolvimentos de políticas.

A razão? A disputa eleitoral é suposto disputar-se num campo com oportunidades iguais para todos, no qual os candidatos não usam as vantagens do gabinete para promover a sua candidatura, independentemente de terem ou não essa intenção.


Timor-Leste unrest tests foreigners' resolve

National Business Review [New Zealand] - Friday, March 16, 2007

NZ pushes security and nation building
John Bishop

Political violence and civil unrest in Timor-Leste has surged and subsided in the past two weeks, raising questions over the cost and strategic value of New Zealand's involvement in that troubled island nation.

New Zealand has invested heavily in the moves to stabilise Timor-Leste both before and after it became independent in 2002.

New Zealand first committed peacekeepers to Timor-Leste in September 1999, and has seconded police and army personnel to various multilateral and UN led groupings since then. Staff from the Corrections and Customs departments have helped train their local counterparts.

The current deployments of troops and police began in May 2006 at the request of the Timorese government after mass demonstrations by disgruntled ex-military personnel in April last year. These led to what the Ministry of Foreign Affairs and Trade calls "a serious breakdown in internal security, which forced the Timorese government to call for international assistance."

The cost of deploying the 150 members of the New Zealand joint forces (mainly army personnel) is $2.2 million a month, or more than $25 million in the current year. NZAid has spent nearly $30 million in development assistance there since 1999.

New Zealand committed another $1.7 million in humanitarian aid last year, which was used to buy food and to support displaced persons camps.

The 25-person New Zealand police contingent is costing $5.9 million in the 2006/07 year but it is there under UN auspices and the costs are reimbursed.

New Zealand will also assist with advice and personnel in the elections later this year. The elections are intended to be a further step toward political stability, but may now be in question after the latest political violence there.

So why is New Zealand involved anyway

Official thinking puts forward two lines of argument.
One is the "good international citizenship" obligations that New Zealand takes on itself as an active member of the UN. In the past this has led New Zealand to take refugees from most international conflicts and to contribute to peace keeping and reconstruction efforts under both UN and Nato auspices.

The second argument is that Timor-Leste is at the cross roads between Indonesia and Australia, and that it is not in New Zealand's interests to have those countries at odds. Timor-Leste is also, arguably, part of the "arc of instability" to which regional strategists refer. That arc includes Papua New Guinea, Vanuatu, Tonga and Fiji. It is argued that it is not in New Zealand's interest to have failed states in the neighbourhood.

Embaixador EUA

The White House (EUA) - March 15, 2007
Personnel Announcement

The President today has nominated five individuals and intends to appoint ten individuals to serve in his Administration:

The President has nominated Hans G. Klemm, of Michigan, to be Ambassador Extraordinary and Plenipotentiary of the United States of America to the Democratic Republic of East Timor-Leste.

Mr. Klemm is a career member of the Senior Foreign Service and currently serves as Minister-Counselor for Economic Affairs at the United States Embassy in Japan. Prior to this, he served as Director of the Office of Career Development and Assignments in the Bureau of Human Resources at the Department of State. Earlier in his career, he served as Director of the Office of Agricultural, Biotechnology, and Textile Trade Affairs in the Bureau of Economic and Business Affairs. Mr. Klemm received his bachelor's degree from Indiana University and his master's degree from Stanford University.


Timor pode colocar o primeiro jogador no campeão australiano

Mais Futebol - 2007/03/15, 11:53

Alfredo Esteves, internacional timorense e antigo jogador do Desportivo das Aves, tem estado a treinar no Sydney FC e poderá transferir-se em definitivo para o clube australiano no início da próxima época.

O defesa direito, actualmente vinculado ao Minnesota Thunder da segunda divisão dos Estados Unidos, com mais dois anos de contrato, participou esta quarta-feira num jogo de preparação frente ao Wollongong Wolves, que terminou com a vitória do Sydney FC por 4-2.
O jogador luso-timorense tem estado à experiência sob o comando técnico de Branko Culina e, ao que tudo indica, poderá mesmo tornar-se no primeiro jogador de Timor a actuar no principal campeonato australiano.
Antes disso, o capitão da selecção timorense irá regressar aos Estados Unidos, mas, a confirmar-se a transferência, estará de regresso ao campeão australiano no próximo verão, para os trabalhos da pré-temporada.
O Sydney disputa neste momento a principal liga australiana e a Liga dos Campeões Asiáticos, preparando agora a recepção ao Urawa Red Diamonds, do Japão.

Timor-Leste: Caça ao Homem

Correio da Manhã – Sexta-feira, 16 de Março de 2007

Reinado em cartaz de fugitivos à Justiça

Carlos Menezes com agências

A imagem do major Alfredo Reinado está a ser divulgada em Timor-Leste numa lista com outros fugitivos à justiça. O cartaz, escrito em tétum, foi divulgado no dia em que o primeiro-ministro, José Ramos-Horta, afirmou que se sente “muito traído” pelo oficial e avisou que a operação de captura continuará porque “o braço da justiça é longo”.

As últimas imagens do major “são de um fugitivo, muito preocupado, mal alimentado e sob uma grande pressão”, afirmou, por seu lado, o comandante das Forças de Estabilização Internacionais, brigadeiro-general Mal Rerden.

“Sinto-me muito traído pelo major Reinado e defraudado pelo seu comportamento”, afirmou ontem Ramos-Horta, após um encontro com o procurador-geral da República, Longuinhos Monteiro. Horta recordou que recebeu “críticas de muitos sectores por não usar a força” contra Reinado e por insistir durante meses num processo negocial com o oficial que acabou por fugir à justiça.

Relativamente ao impacto negativo que a fuga do major Reinado pode ter nas eleições presidenciais do próximo dia 9 de Abril, Ramos-Horta referiu que não vê nenhum perigo mesmo que o militar não seja capturado até dia 23, início oficial da campanha eleitoral.

O primeiro-ministro adiantou ainda que esteve ontem a visitar Aileu, onde se diz que Reinado tem apoio entre a população. Contudo, diz Ramos-Horta, “tudo estava pacífico”. A fuga de Reinado parece não estar a correr bem. O brigadeiro-general Mal Rerden relatou à imprensa que as imagens do major “são de um fugitivo” e que “as suas acções não são as de um herói nem de um líder”, acrescentando que “Reinado já não coloca uma ameaça importante” à segurança pública.

Solução de paz para Timor

Agência Ecclesia – 15/03/2007, 17:25

Governo e rebeldes pedem a mediação da Igreja, numa altura em que se aproximam eleições presidenciais.

Novos apelos de paz surgem em Timor Leste onde os violentos distúrbios ainda não permitem chegar a uma pacificação social. Apesar da presença de forças internacionais de segurança, a tensão continua alta.

Nos últimos dias, o líder rebelde Alfredo Alves Reinado, um militar que tem estado na origem dos distúrbios do último ano que causaram já a morte de algumas pessoas e milhares de desalojados, manifestou a sua disponibilidade para conversar através da mediação da Igreja, em particular através do Bispo Ricardo da Silva.

A proposta foi abordada num colóquio na segunda feira passada, entre sacerdotes e o primeiro ministro timorense, José Ramos Horta, que também expressou a intenção do governo, manifestando-se favorável a uma negociação com a mediação da Igreja.

A tensão em Timor Leste é grande, desde os confrontos que no passado mês envolveram os soldados australianos da Força Internacional de Estabilização.

Entre as razões que causaram a espiral de violência, é a escassez que alastra em todo o país. Um apelo ao fim da violência e à construção de uma “cultura de paz e respeito mútuo” foi sublinhado pelo novo Núncio Apostólico de Timor, o Arcebispo Leopoldo Girelli e pelos Bispos Alberto Ricardo da Silva e Basilio do Nascimento na mensagem conjunta por ocasião da visita pastoral do Núncio ao país.

É neste contexto que se aproxima uma fase decisiva na curta história de Timor: as eleições presidenciais marcadas para o dia 9 de Abril.

- Com Rádio Vaticano

Candidatos à Presidência assinam código de conduta

Díli, 16 Mar (Lusa) - Os oito candidatos à Presidência da República assinaram hoje numa cerimónia solene o Código de Conduta a ser observado nas eleições de 09 de Abril.

O Código de Conduta foi aprovado pela Comissão Nacional de Eleições (CNE), a 07 de Março, por proposta do Secretariado Técnico de Administração Eleitoral (STAE).

A cerimónia de assinatura decorreu na presença do actual chefe de Estado, Xanana Gusmão, do chefe da missão da ONU em Timor-Leste, Atul Khare, e de vários diplomatas e líderes políticos.
O Presidente da República assinou ele próprio o Código de Conduta, na qualidade de testemunha em representação de um dos órgãos de soberania.

O Código começa no compromisso de "aceitar e cumprir escrupulosamente a Constituição, as leis, os regulamentos e outras disposições da República Democrática de Timor-Leste".

Os candidatos e os seus apoiantes comprometem-se "a aceitar os resultados legítimos da eleição ou contestá-los no Tribunal competente, nos termos das leis eleitorais".

"Participar no processo eleitoral de forma pacífica, democrática e transparente" é um dos pontos importantes do Código de Conduta, que inclui 24 artigos.

"Respeitar o carácter secreto do voto", "não exercer propaganda eleitoral em locais religiosos", "abster-se do uso indevido de bens do Estado e funcionários públicos para efeitos de propaganda e campanha eleitoral" estão entre os princípios assinados pelas oito candidaturas.

O Código de Conduta obriga também os candidatos a "respeitar as datas do calendário eleitoral", "respeitar os deveres de neutralidade e de imparcialidade a que estão sujeitos os funcionários públicos em geral" e a "não utilizar os cargos públicos como instrumentos de campanha".


Blog da Candidatura de LU-OLO

Alfredo Reinado não perturba processo eleitoral - FDTL (COM AUDIO)

Díli, 16 Mar (Lusa) - O brigadeiro-general Taur Matan Ruak disse hoje à agência Lusa, em Díli, que o major Alfredo Reinado "não perturba" o processo eleitoral e que as Forças de Defesa de Timor Leste (FDTL) cumprem as ordens do Estado.

"Por enquanto", disse, mantêm a segurança dos edifícios do Estado, sobretudo na capital.

"As nossa responsabilidades são claras, nós fazemos o que é ordenado pelo nosso Estado. Ultimamente nós temos ajudado a manter alguma segurança nos edifícios do Estado e este é o primeiro passo", referiu.

"Tudo o que vier, mais tarde, a ser decidido pelo nosso Estado as Forças Armadas estarão sempre disponíveis a cooperar, desde que tudo se concentre na recuperação da paz e estabilidade", acentuou.

Segundo Taur Matan Ruak, Alfredo Reinado, militar fugido à Justiça, "não perturba de maneira nenhuma" o processo eleitoral, mas acrescentou que "seria óptimo resolver o problema do Reinado, o mais cedo possível".

A campanha eleitoral para as presidenciais de 09 de Abril começa na próxima sexta-feira, um processo que Taur Matan Ruak considera importante para o futuro do país.

"Toda a gente sabe que as eleições são importantes para abrir um novo capítulo para o nosso país e isso o Alfredo Reinado também já o repetiu várias vezes, e é por isso que não estou preocupado", disse.

Em declarações à Lusa, o chefe do Estado Maior General das FDTL, após a assinatura de um protocolo com uma empresa que vai integrar antigos militares das FALINTIL, apelou a Reinado para se "entregar" e reafirmou que as Forças Armadas estão "à disposição do Estado para tudo o que for dito ou ordenado, sem vacilações".

"Por enquanto estamos a ajudar a estabilizar, sobretudo, a cidade de Díli", disse.

O major Alfredo Reinado, militar fugido, é acusado de posse ilegal de material de guerra, evadiu-se de uma prisão de Díli no dia 30 de Agosto de 2006 e segundo as Forças de Estabilização Internacionais encontra-se na região de Same, no sul do país.


UNMIT - security situation

This is a broadcast of the UN Police in Timor-Leste to provide you with
information about the security situation around the country.

Friday, March 16, 2007

The situation in Dili has remained relatively stable over the past 24

Today, the prompt response by UNPoL to a report of rock throwing in Biro
Pite ensured that the situation was brought under control without any
arrest or injury.

There were four separate attempts made late yesterday evening and early
this morning to gain entry to the World Food Programme warehouse in
Bebora. The first incident was brought under control by UNPoL who was
working with POR-FPU. Eighteen (18) people were arrested.

The second incident occurred just after midnight. Two arrests were made.
Shortly after, the third attempt was made by another 20 people. POR-FPU
and PAK-FPU attended this and three arrests were made. The last attempt
was made after an hour and dealt with by POR-FPU. A further two persons
were arrested, bringing the total number of arrests to 25.

The Police advise that you should avoid traveling during the night to the
most affected areas. Contact the police if you see anything suspicious or
any kind of problems, and avoid remaining near any disturbances. Call 112
or 7230365 to contact the police 24 hours a day, seven days a week.

This has been a daily broadcast of the UN Police in Timor-Leste, for the
people of Timor-Leste

Transcript - UNMIT Press Conference

March 15, 2007
Obrigado Barracks
Caicoli, Dili

Allison Cooper, UNMIT spokesperson: Good morning everyone thanks for
coming. We are going to hear from SRSG Atul Khare and then also a statement
from Brigadier Mal Rerden. I just want to point your attention to the table
behind me. There is a lot of information on elections as well as code of
conduct information for you to take away and read. Thank you.

SRSG Atul Khare: Good morning, thank you for coming again today

As I have said before, I have a zero tolerance policy for any misconduct by
UN personnel.

At the last press conference, I had said that I would introduce to you the
two top officers of my Conduct and Discipline Unit. They are Mr. Regu
Thamburan and Mr. Douglas Campos and they are here with us today.

They are ready to receive and follow-up on any complaint, by any one, about
the behaviour of UN staff and they can be reached under telephone number
731 1826, I repeat, 731 1826.

Let me now turn to an issue, which is on a lot of people’s mind: The issue
of Alfredo Reinado.

I have consistently underlined the need for justice and the rule of law so
that impunity does not prevail.

The only message we have always had for Alfredo Reinado is that he has to
face justice; he can do so by submitting himself to justice or the relevant
organs can bring him to justice.

This is a message that I have conveyed whenever the topic came up,
including to a lawyer for Mr. Reinado, who called on me Thursday last week.

There was, incidentally, nothing secret about that meeting – both the
Government of Timor-Leste and the ISF were aware of it -- nor were there
any negotiations.

On another issue, but somehow related, United Nations, UNMIT personnel
involved with supporting the electoral process have returned to Same today.

UNPol and PNTL officers have been present in Same all throughout and have
been exercising normal policing functions since the beginning of this week.

Cooperation between them and the ISF during the operations has been

Finally, I am delighted that on the recommendation of STAE, the CNE
announced yesterday that the voter registration has been extended for five
days until 21st of March. We all want the elections to be credible, free
and fair, to be organized under the supervision of independent CNE and to
result in having a restorative and unifying impact to the country.

Thank you and I will now turn over to Brigadier Mal Rerden.

Brig. Rerden: Thank you SRSG. I wish to provide you with information on a
number of claims that had been made and raised in the media which I feel
need to be clarified and provide you with the facts as they happened.

Regarding the claims that unarmed civilians were killed during the Same
operation on 4th of March, five armed Timorese men were killed during the
operation when they posed an immediate threat to the lives of ISF members
involved. The men who were killed, were armed with a variety of small arms
weapons and their weapons have been collected and they are now being
verified against TL records to confirm their origins. The ISF regrets the
lost of life during this incident and again calls on Reinado and his group
of supporters to hand themselves in to the authorities. The ISF acted
appropriately and in accordance with its rules of engagement during the
Same operation. These rules of engagements allow soldiers to defend
themselves and the lives of those whom they have been assigned to protect.
The soldiers responded after being fired upon first. As is normal in these
situations, we are conducting internal investigations and are assisting
UNPol with their investigation into the incident.
Regarding claims that the ISF destroyed houses during the Same operations
on the 8th of March, following the operations, the ISF utilized an
assessment team to speak with the local villagers about any damages caused
during our activities. To date, the ISF has been made aware of relatively
minor damage to several structures, which was caused by helicopter
downwash. The ISF will assist local villagers in repairing the damages and
there is another team visiting there today.
Regarding the ill treatment of civilians claimed during our operations on
the 8th of March, the ISF members undertook specific [inaudible] cultural
awareness training as part of their force preparation activities and the
sensitivities affecting all of the ISF planning. The apprehension
operations are extremely complex and are focused on preventing injuries to
innocent people whilst removing the threat of Reinado and his group of
armed supporters. Several persons of interest were detained during these
operations but they were released after having their identities confirmed.
The ISF uses flexible plastic handcuffs during the detention process to
reduce the potential threat to ISF members. Plastic handcuffs are removed
when the bona fide [identity] of the individuals have been established and
there is no further threat or harm to the ISF members
Turning to progress on the apprehension operations, Reinado is a fugitive
from justice and those who directly support him are breaking the law.
Reinado’s actions compromised earlier negotiations attempts by the
government of TL. Due to his actions, he is ashamed and untrustworthy and
does not deserve support or assistance. Reinado chose to run and hide,
leaving his men behind to fight for him. His actions are not those of a
hero or a leader. Reinado and his group no longer poses a significant
threat. He is now reduced to smalls groups with very limited movement or
support. I encourage all people to provide information to the authorities
about Reinado and his group. I also want to thank all of those Timorese who
have already assisted with the information for the apprehension operation.
The ISF together with TL government and the United Nations call upon
Reinado to hand himself in to the authorities and allow the Timorese people
to continue to resolve their differences democratically and peacefully.

SRSG Khare: Thank you. We will take a few questions now, a large number of
questions. Let’s start from here, Lusa.

Journalist Lusa: Question to Brig. Rerden. I noted that the claims you are
clarifying now are mostly and basically from the Australian press
[inaudible]. Do you think that the operations are still having problems in
being understood in the Australian media?

Brig. Rerden: I think perhaps there maybe some, uncertainty about why an
operation which is about stabilizing the security environment and providing
a peaceful environment for the people of Timor to resolve their
differences, about why it is necessary to conduct the sorts of operations
we have over the last week or two? Sadly, we had to because an individual
has seen fit to put himself outside the rule of law and to challenge the
authority of the State of TL. So it is probably not surprising that the
people in Australian don’t quite understand why things have changed in that
way. But after three months of negotiations when an individual decides to
step outside that process and carries out acts of unlawful seizure of
weapons then the circumstances change.

SRSG Khare: I have five questions. Guido followed by Jill and then RTP yes
I noticed that. We take Guido.

Journalist Guido: If in case Alfredo hides in the church compound, does the
ISF use the equipment such as helicopters or armoured, to conduct the
operations like the one in Farol a week ago?

Brig. Rerden: I would encourage Reinado to give himself up so that he
reduces and removes the chance of any innocent people being affected by our
operations, including the structure or buildings of religious worship, it
would be I think a grossly irresponsible to hide himself in such a way and
to endanger such an important cultural site or religious site in such a

Journalist Jill: I have a question for you and the Brigadier. Firstly, for
the SRSG. Would it not be appropriate for the UN to perhaps take some
initiatives and council East Timorese leaders to be a little more flexible
in relation to the proposal of Mr. Reinado’s [inaudible]. It seems to me
that there better solutions for a political problem than a military

SRSG Khare: United Nations stands for peace. We were trying to bring
Reinado to justice in a peaceful manner along with the government and of
course the National Parliament as and also the ISF. I told the Security
Council on the 12th of February that efforts are underway to ensure that
Reinado submits himself to justice in a peaceful manner. It is clearly
Reinado’s responsibility that we have gotten to the point where we are now.
As I told Reinado’s lawyer that the rule of law and justice must be upheld.
I cannot foresee an agreement between a person who is suspected of having
committed several crimes to having an accord with the State. But this does
not mean that there is no peaceful solution. The solution is that Reinado
must submit himself to justice in a peaceful manner and I trust that if he
is a true leader he will hear this call for the benefit of the people of
TL. And I must add that the UN and myself have specifically noted the
commitment given by President Gusmão in his statement that if Reinado
submits to justice in a peaceful manner he shall be treated with due
dignity as indeed should be the case for all prisoners.

You had two questions. We will take both.

Journalist Jill: You said Mr. Reinado was reduced to small group and he
doesn’t really have a support. We all know that he has the support of the
disenchanted youths of the west and in Dili but in terms of force and
spontaneous and disorganizing [inaudible] but he also has the support of
the former guerrilla commanders of the west who counseled him. They are a
force [inaudible] and are in regular touch with him and the petitioners. Do
you see this as small and insignificantly groups?

Brig. Rerden: I was talking about the support groups of the actual armed
members of his group. I hope he has been given council by the wise and
experienced former guerilla fighters because I am sure they would be
advising him that in his current circumstances the best thing for the
people is for him to give himself up to the justice process.

Journalist from Kyodo: I want to know more about the operation conducted in
Dili. Were you looking for Alfredo? And I was talking to a mother that she
and her children suffered a lot in this operation, her children are now
traumatized with the operation even she said the forces did not respect her
as a woman and the forces did not have pity on the children. They treated
the children and the woman really bad. She said the forces must conduct the
operations in a more wise manner in order to respect the woman and
[inaudible] for the children.

Brig. Rerden: I remind you that our operations are to apprehend an armed
group of men who have fired at the authorities. These are complex
operations and we take every effort to minimize the impact on innocent
civilians. My soldiers have had specific training and will take every
possible step to ensure that any civilians they encounter during their
operations are dealt with respectfully and appropriately. And it is our
concern for the civilians as you highlighted that causes us to continue to
ask Reinado to give himself up to save innocent civilians from the impact
of these activities.

Journalist RTTL: I have two questions. First we know that UNMIT and the ISF
are trying to conduct the operations to ask Reinado to surrender or to
apprehend him and at the same time from the part of TL authorities is
trying along with the church to find, have some kind of talk with Alfredo.
Do you think these two things can be in line to find a peaceful solution
and secondly what is the result of the investigation on the incident that
took place at the airport a few weeks ago and thirdly in regards to the
provision of security for the presidential candidates.

SRSG Khare: Let me answer all three questions. But let me begin with the
presidential candidates first. I had written to all presidential
candidates as I had told this press conference earlier that as soon as
their candidature is confirmed by the Court of Appeal they would be
provided security by UNMIT. Some of the candidates have already accepted
and security arrangements are in place. A few of those have indicated that
it would only be required during the campaign period and we respect that.
There was one candidate who was worried that we are going to charge them
some money for this provision and we had to tell them that this is not the
case, this is the contribution of UNMIT and the responsibility of UNMIT to
provide security to all. Coming now to the investigations in the incident
at the airport IDP camp, I presume you are talking about that. It is, the
investigation of course is continuing, it will take some more time.
Obviously as you know the result of the investigation is the property of
the Prosecutor General of TL, the government of TL and would be shared with
them in an appropriate manner.

Coming finally to the last question on Alfredo Reinado, I’m delighted that
the government is exploring all avenues to convey the same two messages,
which I outlined earlier. These messages area very clear, Reinado should
submit himself to justice unconditionally and that once he submits to
justice he will be treated with dignity as indeed all other prisoners
should be treated with dignity. I now have a lot of questions, RTP AP, Lusa
and we will end there because these conferences are getting longer.

Journalist Lusa: Two weeks ago, Mr. Reske-Nielsen talked about the
situation of the IDPs. What are the exact numbers of the IDP’s now? How
many people still require humanitarian assistant?

SRSG Khare: The exact number of IDPs on any particular day tends to
fluctuate, depending upon the security situation and the perception about
security among the population. It is indeed true that the number of IDPs
increased during the second week of February. As far as I am aware the
government has decided to continue with the distribution of food although
at the same point of time efforts are being made to determine the most
vulnerable but as of now the distribution of food to the IDPs continue. The
regular meetings of the inter-ministerial committee shared by the Minister
of Labor and Community Reinsertion which are being held on these issues
continue and we will return back to the issue of the IDPs in our next press
conference when we will have some more, better information about the
situation both on the challenge of distribution of rice as also, there are
some reports about locusts eating crops, having been seen in Bobonaro and
Ermera. And finally to close the topic I believe that at the end of March,
that means say about two weeks from now, the blanket food distribution
would be reevaluated again.

Journalist AP: Recently Mr. Alexander Downer, told the media that Alfredo
would be arrested before the elections, what do you think, are you able to
do so?

SRSG Khare: You know obviously this is a press conference of UNMIT and ISF
and we would not comment upon the statement which had been made by
respective leaders of other countries.

Journalist: Alfredo continues to be a threat to the elections. Does the ISF
guarantee that he would be arrested?

Brig. Rerden: Our operations to apprehend Reinado and his group are
continuing. As I said in my statement our operations already have reduced
Reinado such the he is no longer a significant threat. But I stress again
as the SRSG has stressed that the achievement of a peaceful outcome rests
with Reinado and he has the option and the opportunity to give himself up
to the authorities now.

Journalist Radio RTTL: The message of appealing including your appeal would
not change Alfredo’s mind to give up. So what are you going to do?

SRSG Khare: There are two answers that I want to give and I think it is
better that they are understood clearly. It is not a question of mode or
feeling it is a question of the law and justice. Either Reinado has to
submit himself peaceful to justice or the relevant organs have to bring him
to justice and much as I prefer the first option as we have heard very
clearly from the commander of ISF that the second option of bringing him to
justice continues.

Journalist: I would like to ask this question to Brig. Mal Rerden. During
the operations four of Alfredo men were killed but there was rumor that an
Australian force was also killed. Is it true?

Brig. Rerden: I would just clarify for you as it was announced in previous
press conferences that there in fact five of Reinado’s armed men who were
killed as a result of our operation on the 4th of March. There were no ISF
troops who were injured or killed during the operation.

SRSG Khare: Last two questions.

Journalist: Mr. Rerden you mentioned that you appeal for the people to
provide information to the ISF and you also mention that Alfredo no longer
has the influence so that means, does it means you now [inaudible] in your
operation to apprehend him and his group?

Brig. Rerden: Obviously I cannot go into specific details of the
operations, as always there is an important need to protect the security of
our operations. What I can say is that any information provided by people
which leads to the apprehension of Reinado or his group would be acted upon
very quickly.

Journalist: Brigadier General, I understand that you saw the most recent
footage of Reinado. What assessments do you [inaudible] about the location
and condition of Reinado and also how do you feel personally that he is
using the same uniform as you.

Brig. Rerden: The images of Reinado struck me as being exactly the image of
a fugitive. He look like he was worried, he look like he was gaunt, lacking
in food, someone who is under a great deal of stress. In regards to his
wearing of the uniform, firstly my personal opinion is not really relevant;
it is simply a matter to state that this uniform is the uniform of the
Australian Defence Force and it is not appropriate for anyone else to be
wearing it.

Journalist: Regarding to this treatment with some journalists and
civilians, civilians have been searched and a journalist searched and
camera taken, some of the journalist faced some problems during the
operation on Sunday in Palapaso as well. One was not allowed to talk on the
phone. Are there any clarifications?

Brig. Rerden: As I have stated out, operations are being conducted to
apprehend armed individuals who have fired on the authorities. This level
of threat requires a very controlled military operation to ensure the
minimum possible impact on the civilians in the area and therefore it is
necessary initially to detain individuals in the immediate area and to
ensure that they are not going to present a threat to the ISF or to other
civilians. Once their status has been confirmed, their identity confirmed
and there is no evident of remaining threat then they are releases. With
regards to the media and access to the high threats operations I would
highlight that we restrict the movement of the media and all other
civilians into this area for their own protection.

Journalist: What about the confiscation of the tape recorder. This is not a
lethal weapon?

Brig. Rerden: Details of our operations in terms of information and in
terms of items that we may seize during those operations are not able to be
discussed in any detail at the moment because they are contributing to an
ongoing operation.

SRSG Khare: Well I think we close the press conference here. And since I
formally close the press conference, I want to say something, today is,
since the three months that I arrived it is now my 14th weekly press
conference and in the next press conference I really want to encourage the
sole woman, Timorese journalist that I see every time to ask the first
question no matter what question you want to ask, first question not matter
what. Thank you.

UNMIT Welcomes the Signing of the Code of Conduct for the 2007 Presidential Elections


Dili, March 16, 2007 - At a ceremony in Dili this afternoon, the head of the UN Integrated Mission in Timor Leste (UNMIT) said the signing of a Code of Conduct for the April 9 election will help to ensure that the elections are free, fair, transparent and peaceful.

The Code of Conduct has been drafted by the national body responsible for running the elections, the Technical Secretariat for the Administration of Elections (STAE) and approved by the National Electoral Commission (CNE).

The Code was signed by all eight presidential candidates in Dili.

Special Representative to the Secretary General for Timor Leste Atul Khare signed the Code as a witness, along with the representatives of Organs of Sovereignty, the church and civil society.

Mr Khare noted the importance of the Code of Conduct as a whole, as a clear commitment of all candidates to free and fair elections.

He highlighted in particular the commitment by all candidates, their representatives and supporters to accept the results, or to challenge them only in competent courts; and to campaign positively through programmes of action not personal criticism of other candidates.

He also drew attention to those clauses which encourage respect for the rights of other candidates and request candidates to refrain from exercising any illegitimate influence on voters.

“Today’s signing signifies a formal acknowledgement of the guiding principles and rules that will help to ensure that the 2007 Presidential elections are free, fair, transparent and peaceful,” Mr Khare said.

UNMIT is mandated through Security Council Resolution 1704 to “support Timor-Leste in all aspects of the 2007 presidential and parliamentary electoral process, including through technical and logistical support, electoral policy advice and verification or other means.”

East Timor rebel must surrender: Ramos-Horta

Dili, March 15 (AFP) - East Timor's Prime Minister Jose Ramos-Horta Thursday urged a fugitive rebel leader to surrender to Australian troops, saying he cannot muster enough support to disrupt upcoming presidential polls.

"The position is very clear to him ... surrender the weapons and surrender himself to justice," Ramos-Horta said of Major Alfredo Reinado, who is on the run after eluding an attack on his base by Australian troops.

The rebel has been a persistent problem for the government of impoverished East Timor, which will soon hold its first presidential election since independence from Indonesia in 1999.

The prime minister said the government was not negotiating with Reinado and played down fears the fugitive could destabilise the April 9 poll, which Ramos-Horta is favourite to win.

"I do not believe that Reinado and his men want to disturb the election," the premier said. "I do not believe that he has the ability to generate the large support to ... disturb the election in any area of the country."

Ramos-Horta vowed Reinado, who broke out of jail last year, would be respected and protected if he surrendered.

The rebel has ruled out surrendering to Australian troops, saying he is only prepared to negotiate with the government if the military operation against him is halted.

The renegade soldier has been criticised for his part in unrest in May that killed at least 37 people, displaced 150,000 and led to the deployment of Australian-led international peacekeepers.

East Timor's President Xanana Gusmao gave the international force the green light to capture Reinado after accusing him of stealing weapons last month.

Australian troops then stormed his mountain base in Same, 50 kilometres (30 miles) south of the capital, Dili, but Reinado escaped and has eluded a subsequent manhunt.

The offensive triggered unrest in the capital and elsewhere, prompting the president to warn in a televised address of a security crackdown.

Brigadier Mal Rerden, the Australian who heads the international force in East Timor, has said he is confident his troops will track down and apprehend the renegade.

Ramos-Horta was the exiled spokesman of the East Timorese resistance movement during the country's occupation by Indonesia from 1975 to 1999.

The 57-year-old shared the 1996 Nobel Peace Prize for his efforts at bringing peace to the country. He is thought likely to become president because of his domestic popularity and international standing.

Reinado fired on Aussie troops first: Brigadier

By Jill Jolliffe

Dili, March 15 (AAP) - East Timor's fugitive rebel leader Alfredo Reinado fired on Australian troops before they shot back, killing five of his supporters, Australia's military commander in the country says.

Brigadier Mal Rerden today said Australian troops, who had Reinado surrounded at his mountain base earlier this month, did everything they could to convince him to surrender.

But when the rebels began firing their weapons, the Australians had to make a snap decision, and that was to return fire, Rerden said.

"Reinado's group had used their weapons and were threatening," said the brigadier, who also heads the International Security Forces in East Timor. "In these life and death situations, split second decisions are to be made," he said when asked if his elite troops had any choice but to return fire. "Even with night vision we can't distinguish an arm and a leg at 50 metres, it's not realistic."

A separate source said one of four Black Hawk helicopters used in the raid at the south-coast town of Same was hit by small arms fire and had to land prematurely.

Rerden said his troops had acted entirely within their rules of engagement, and had given Reinado, who escaped, every chance to surrender.

Troops had even used a loud-hailer calling on the rebel and his supporters to surrender.

Rerden described the March 4 raid - which involved four helicopter gunships, armoured cars and scores of heavily-armed SAS troops - as one of "minimal force necessary in the circumstances".

He said the Australian force would co-operate fully with a United Nations police investigation into the Same deaths and had already submitted its own report to the UN and the Timorese government.

Dubbed Operation Astute, the Australian hunt for Reinado is ongoing, with "wanted" posters issued today for the rebel leader and five other men.

Rerden, eager to limit any negative fallout from the Same deaths, has been dedicating some of his time to local press briefings aimed at dispelling what he said were false claims about the Australian operation.

Those false claims included that an unarmed civilian was killed.

Rerden described Reinado's interview this week on the ABC's Foreign Correspondent program as showing "exactly the images I expect of a fugitive - worn, gaunt, lacking food, under stress".

He said there would be no compromises where Reinado was concerned, and that a proposal by his lawyers for his surrender under certain conditions was unacceptable.

The proposal has also been rejected by East Timor's government.

Reinado had only one option - surrender and be jailed – Rerden and UN mission chief Atul Khare told Timorese journalists when they asked if they would take up an offer of mediation by the Catholic Church.

Reinado's lawyers have proposed a surrender based on several conditions.

Under their proposal, the rebel leader would faced a reduced number of charges, including attempted murder and revolt against the state, but excluding illegal arms possession and desertion from the army.

Reinado was a leader in last year's factional fighting among the military and police, which spilled into Dili's streets in violence that killed at least 37 people and sent about 155,000 fleeing to refugee camps.

Notícias - 13 de Março de 2007 em inglês - traduzidas pela Margarida

WSWS – 13 Março 2007

Escalada da repressão em Timor-Leste pelas tropas Australianas
Por Patrick O’Connor, candidato do SEP em Marrickville, NSW (Australia)

Militares Australianos balearam e mataram cinco soldados amotinados em Timor-Leste em 4 de Março, durante uma operação que supostamente visava capturar o antigo major Alfredo Reinado. As mortes vieram precisamente uma semana depois de soldados Australianos terem morto dois deslocados na capital de Timor-Leste, Dili. A crescente contagem de mortes, que acontecem no meio do elevado desassossego social e um crescente sentimento anti-Australiano, testemunha a vontade de Canberra de aumentar a violência e a repressão de maneira a consolidar a sua ocupação neo-colonial.

O governo Howard despachou secretamente 100 tropas SAS para Timor-Leste em 3 de Março. Não se sabe se isso foi autorizado pelo governo Timorense, ou se nem foi informado disso, do aumento das tropas. Os soldados de elite foram supostamente enviados para liderar a operação Reinado, mas Canberra não explicou porque é que as 800 tropas Australianas e as 120 da Nova Zelândia que já lá estão não eram suficientes para prender o antigo comandante militar e os seus homens. Há poucas dúvidas que Canberra aproveitou a oportunidade do assalto à base de Reinado como um meio de reforçar as suas garras em Timor-Leste por meio do aumento do número de tropas.

As circunstâncias exactas da operação de 4 de Março são desconhecidas e mantém-se muitas perguntas sem respostas. No meio da noite, bastantes tropas Australianas pesadamente armadas, apoiadas por um pelotão de soldados da Nova Zelândia bem como dois helicópteros Black Hawk e três carros de transporte blindados, atacaram a base de Reinado na cidade da montanha central de Same, a sul de Dili. Cinco dos seus apoiantes foram mortos na batalha que se seguiu, mas Reinado e muitos outros escaparam para o mato.

Não foi explicado como é que o antigo major conseguiu escapar. As tropas SAS tinham armas e equipamentos superiores, incluindo óculos para visão nocturna. Nas semanas que antecederam a operação, as forças Australianas tiveram extensas oportunidades de vigilância em Same e tinham bloqueado a base de Reinado seis dias antes do assalto.

Os poucos relatos dos media que descreveram a operação levantam mais questões que respostas. Em 5 de Março, o Sydney Morning Herald relatava: “O amotinado treinado pelos Australianos [i.e. Reinado] sabia que eles estavam a vir e tinha mandado pelo menos seis mensagens telefónicas a jornalistas e diplomatas. ‘Estamos em alerta para receber um ataque de qualquer tipo,’ disse pouco antes do assalto.” Em 8 de Março, o Time afirmava: “menos de 30 minutos depois do tiroteio ter começado, os Australianos por razões ainda desconhecidas pararam os disparos e recuaram, permitindo que Reinado e os seus homens sobreviventes escapassem através da espessa floresta para a lado ocidental do monte.”

Há todas as possibilidades de as forças Australianas nunca terem tido a intenção de capturar Reinado. Afinal de contas, o antigo major teve um papel altamente valioso para Canberra no passado. Em Maio de 2006, Reinado ajudou a dar o pretexto necessário para o destacamento das tropas Australianas em Timor-Leste.

O “major” é uma figura altamente suspeita com laços próximos das forças militares Australianas. Tornou-se um foragido em Maio passado depois dele e dos seus apoiantes terem desertado das forças armadas e terem atacado tropas leais ao governo do antigo Primeiro-Ministro Mari Alkatiri. O governo de Howard usou o desassossego que se seguiu como um pretexto para despachar centenas de tropas Australianas para o país empobrecido e para forçar a saída de Alkatiri do seu cargo. Depois da emissão das incríveis alegações sem qualquer base do programa “Four Corners” da ABC, de que Alkatiri tinha formado um esquadrão de ataque para assassinar os seus opositores, ele resignou em 26 de Junho e sucedeu-lhe o candidato favorito de Canberra, José Ramos-Horta.

O crime de Alkatiri, no que respeitava ao governo de Howard, foi a sua tentativa para contrabalançar a influência da Austrália ao garantir o patrocínio da China, Portugal, e outros poderes rivais. O primeiro-ministro da Fretilin tinha ainda pressionado o governo de Howard ao emitir um número de concessões, limitadas mas mesmo assim significativas, para a divisão dos rendimentos do gás e do petróleo de Timor.

Reinado foi festejado na altura pela imprensa Australiana e, gozando do patrocínio do Presidente Gusmão, viveu uma vida encantada em Timor-Leste até à sua detenção sob acusação de crimes de armas pela polícia Portuguesa em 26 de Julho. A casa que Reinado usou para guardar as armas estava directamente do lado oposto duma base das forças militares Australianas. Num episódio que levantou mais questões sobre a conivência de Canberra, Reinado foi de certa forma capaz de literalmente sair a andar da prisão em 30 de Agosto. Continuou depois a sua campanha anti-governo das montanhas, acusando Ramos-Horta de estar refém da Fretilin.

Canberra prepara-se para as eleições Timorenses

O assassinato dos homens de Reinado desencadeou uma resposta imediata, sob condições onde já havia tensões altas após os disparos fatais contra dois homens em Dili em 23 de Fevereiro. Os apoiantes de Reinado em Dili travaram lutes com a predominantemente Portuguesa polícia da ONU, ao mesmo tempo que gangs de jovens armadas com paus e pedras na capital cantavam, “Abaixo a Austrália” e erguiam barricadas nas ruas queimando pneus.

Uma série de reportagens dos media tem iluminado o nível do sentimento anti-Australiano entre os gangs criminosos de Dili, muitos dos quais têm ligações com forças da direita anti-governo ligadas com a igreja católica e partidos da oposição parlamentar. Em 5 de Março, cerca de 20 jovens atacaram o Dili Club, um restaurante e bar que é propriedade de Australianos e frequentado por estrangeiros. A polícia dispersou ainda 500 manifestantes que tentaram manifestar-se no exterior da fortificada embaixada Australiana. Desde então o departamento dos assuntos estrangeiros aconselhou “pessoal não essencial” Australiano a sair do país.

As razões não são difíceis de descobrir. As intervenções lideradas pelos militares do governo de Howard em Timor-Leste em 1999 e em 2006 nunca foram guiadas por preocupações “humanitárias” com o povo do país. Pelo contrário, elas visavam defender interesses económicos e geo-estratégicos da elite Australiana no poder. Acima de tudo, a preocupação de Howard era garantir que as corporações Australianas pudessem continuar a sua pilhagem das reservas de petróleo e gás de Timor de multi-biliões de dólares, minimizando a influência de poderes rivais, principalmente de Portugal e China.

Canberra não tem feito nada para melhorar a vida dos Timorenses comuns. A pobreza e o desemprego são endémicos, e uma estimativa de 100,000 pessoas (numa população de um milhão) mantêm-se classificados como “deslocados”. A recente falta de arroz aumentaram os receios de fome e má-nutrição. As pavorosas condições sociais, combinadas com as tácticas altamente agressivas das forças ocupantes, aumentaram a oposição à ocupação liderada pelos Australianos, particularmente entre os desempregados em Dili e noutros centros urbanos.

A resposta de Canberra a este desassossego crescente tem sido aumentar a repressão. O assassinato dos cinco homens de Reinado é sem dúvida vista como um aviso, designado para aterrorizar a população a aceitar a ocupação em curso do pequeno Estado “independente”. As forças Australianas têm agora poderes abrangentes devido a uma directiva emitida pelo Presidente Xanana Gusmão em 6 de Março que autoriza policies e soldados estrangeiros a fazer buscas e detenções sem mandato de captura e a acabar com quaisquer reuniões ou ajuntamentos públicos.

Tais medidas serão sem nenhuma dúvida utilizadas no decurso da campanha presidencial cuja eleição está marcada para 9 de Abril e para as eleições parlamentares previstas para pouco depois. Canberra tem estado a dirigir uma série de manobras de bastidores que visam garantir um resultado favorável. O Primeiro-Ministro Ramos-Horta anunciou a sua candidatura à presidência, ao mesmo tempo que o Presidente Gusmão tem a intenção de se tornar primeiro-ministro. Gusmão está correntemente a elaborar um novo partido politico e tem esperança de arredar a Fretilin com a ajuda dos partidos políticos de direita. O presidente tem uma história reconhecida de facilitar as intervenções da Austrália em Timor-Leste, enquanto que Ramos-Horta tem laços muito antigos com Canberra. No mês passado assegurou a há muito atrasada ratificação parlamentar do acordo que autoriza a Austráliaa continuar a sua exploração das reservas de petróleo e gás do “Greater Sunrise” no Mar de Timor.

Rivalidade dos grandes poderes

As eleições presidenciais e parlamentares estão a realizar-se no meio de uma grande rivalidade de poder que se intensifica em Timor-Leste, com Canberra a ficar cada vez mais preocupada com a a expansão da influência económica e diplomática da China.

“A China ofereceu aos líderes de Timor-Leste viagens com todas as despesas pagas na China, estabeleceu relações tentadoras com as forças armadas de Timor-Leste, incluindo a doação de equipamentos como tendas e uniformes, e pagou a pelo menos seis oficiais das forçar armadas para serem treinados na China,” relatou um artigo nos jornais Age e Sydney Morning Herald no Sábado passado. A longa peça anotava que a PetroChina, “uma das maiores companhias estatais de energia da China”, financiou um estudo sísmico na zona do petróleo e do gás em Timor-Leste, e alertava também que a China podia eventualmente controlar as rotas do mar de Timor, podendo potencialmente Pequim “isolar bens e o território das forças militares Australianas”.

A resposta do governo de Howard tem sido utilizar a força militar e a desconsiderar abertamente a soberania nacional (de TL) de modo a assegurar a posição dominante de Canberra. Os assassinatos recentes marcam um divisor de águas e indicam que o governo Australiano está preparado para eliminar qualquer pessoa que esteja no seu caminho à maneira da sua estratégia neo-colonial em Timor-Leste e através do Pacífico Sul.

Todas as instituições políticas e dos media na Austrália são cúmplices dos crimes do governo de Howard. Apesar da corrente campanha eleitoral para a eleição do estado de New South Wales e das eleições federais previstas mais tarde este ano, nenhum dos partidos políticos parlamentares—incluindo os trabalhistas, os verdes e os democratas—levantaram nos media ou no parlamento os assassinatos dos Timorenses. O seu silêncio, mais uma vez comprova o seu apoio total à ocupação de Timor-Leste pela Austrália. A organização de protesto da classe média Aliança Socialista da mesma forma opõe-se à exigência da retirada das forças Australianas, tornando-se com isto cúmplice da intervenção do governo de Howard. As organizações que agora compõem a Aliança Socialista tiveram um papel politico crítico na facilitação da intervenção militar inicial de Canberra em 1999, quando ajudaram a organizar comícios de apoio à ida das tropas.

A Partido Socialista pela Igualdade (SEP) é o único partido que concorre às eleições de New South Wales que levantou como questão central a retirada de todas as forças Australianas de Timor-Leste e do Sul do Pacífico, como parte da oposição de princípio à agressão neo-colonial de Canberra. O SEP opõe-se à roubalheira em curso dos recursos naturais de Timor-Leste e exige a revisão de todos e cada um dos acordos existentes de petróleo e gás de acordo com as legítimas fronteiras marítimas de Timor-Leste. O pequeno Estado deve ser totalmente compensado por rendimentos já roubados por Canberra e por companhias de petróleo e gás Australianas. Deve também iniciar-se um programa de ajuda massiva para levanter o povo Timorense da pobreza e dar-lhes serviços decentes de saúde, educação e outros serviços essenciais.

O SEP apela aos trabalhadores Australianos para se oporem aos crimes do governo de Howard na região e para desenvolverem uma luta política contra a agenda de militarismo e guerra de Canberra. Os trabalhadores da Austrália e as massas empobrecidas do Pacífico partilham um interesse comum opondo-se às actividades predatórias de Canberra na região, que inevitavelmente é acompanhada por ataques globais aos direitos democráticos no país. Apelamos a todos os trabalhadores, jovens e estudantes para apoiarem o SEP e a sua campanha na eleição estadual em New South Wales, e para considerarem com seriedade juntarem-se às suas fileiras.


Australian Financial Review - Terça-feira, Março 13, 2007

Região precisa de cura não de um penso rápido

Robert McClelland [Robert McClelland é o porta-voz da oposição Australiana sobre negócios estrangeiros.]

O último desassossego em Timor-Leste é uma lembrança poderosa que chegou a altura para a Austrália rever a sua estratégia no modo de lidar com os Estados falhados na região

Nos anos recentes temos testemunhado destacamentos de forças militares em estilo porta giratória para Timor-Leste por causa do governo de Howard ter falhado na tomada de medidas efectivas para responder às pressões sociais, económicas e étnicas subjacentes que provocam desassossego civil. Em vez disso, tem optado por soluções militares a curto prazo tipo "Band-Aid" que abortam mais cedo ou mais tarde.

Em 1999, a Austrália destacou cerca de 5000 tropas para Timor-Leste como parte da missão Interfet que teve sucesso. No início de 2005, com o compromisso das tropas Australianas reduzido a cerca de 450 membros, a Austrália opôs-se ao que teria sido um prolongamento de 12 meses do mandato da ONU até Maio de 2006. Pouco depois disso, a missão central da ADF terminou. O compromisso total da Austrália ficou reduzido a cerca de 30 membros do pessoal das forças de defesa.

Depois, em Fevereiro do ano passado, 400 soldados Timorenses desertaram dos seus quartéis, do que resultou violência, casas destruídas e negócios arruinados. A Austrália tornou a destacar mais de 1000 tropas para lidar com a situação de segurança que se deteriorava e para reforçar a aplicação da lei. Muitos peritos comentadores foram críticos da saída da Austrália em primeiro lugar.

Descrever o destacamento das nossas forças militares como uma porta giratória reflecte uma misallocation de prioridades estratégicas dado que o foco da nossa segurança nacional continua dirigido para o Iraque. Exactamente quando estávamos a tirar as tropas de Dili em 2005, o estava a pô-las na província de al-Muthanna.

Hoje, estão cerca de 800 membros da ADF em Timor-Leste. Até à data, o custo para os pagadores de impostos Australianos para essas operações de segurança e de policiamento já ultrapassou os $3 biliões.

Apesar disso, Timor-Leste permanece um caso problemático sob o ponto de vista social e económico. Agora, Timor-Leste está perto de ter o mais baixo rendimento per capita do mundo. A expectativa média de vida é somente de 55.5 anos e a taxa de iliteracia de adultos é de 50 por cento. Uma estimativa dá cerca de 40 por cento da população a viver abaixo da linha de pobreza e metade da população não tem água potável.

A construção da nação com sucesso em Timor-Leste e noutros Estados falhados na nossa região requerem acção a muito mais longo prazo e intervenções militares substanciais em vez das do tipo "Band-Aid".

Protestos violentos, gangs de rua prowling ou acusações constantes de corrupção no governo ocorrem não somente em Dili, mas também nas capitais das Ilhas Salomão, Tonga, Fiji e Papua Nova Guiné.

A Austrália deve estar preparada para responder a estes desafios regionais de segurança com uma resposta política muito mais sofisticada e de longo prazo. A quase total reliance nas nossas forças armadas, não é suficiente, por mais impressionante que seja.

Como questão de urgência, devemos assumir a responsabilidade da construção de nação em larga escala no interior dos Estados falhados do nosso próprio pátio das traseiras. É uma tarefa para a nossa própria segurança nacional que deve ser desempenhada cuidadosa e completamente. Não há estratégia de saída aqui – é aqui que vivemos.


Associated Press - Terça-feira, Março 13, 2007

Ramos-Horta diz que desafios mais duros são para o novo governo

Dili, Timor-Leste: José Ramos-Horta, que ganhou um prémio Nobel da paz por ajudar a obter a independência para Timor-Leste e que concorre agora à presidência, prometeu na Terça-feira levar mais prosperidade para a nação atingida pela crise, mas avisou que não será fácil ter progresso.

Ramos-Horta foi instalado como primeiro-ministro o ano passado quando o primeiro governo pós-independência da pequena nação caiu depois de um motim das forças armadas e de violência nas ruas que matou 37 pessoas e levou ao regresso de tropas estrangeiras.

Disse numa entrevista à Associated Press que permanecem os problemas graves, mas "não com a extensão com que alguns pessimistas os pintam - que isto é um Estado falhado ou que o país está em guerra civil."

"Penso que evitámos uma guerra civil," disse.

Disse que os próximos cinco anos são capazes de serem mais duros que os primeiros cinco anos da independência "por cauda da crise que temos tido quase há 12 meses."

"As pessoas perdoarão menos porque já estão à espera há mais de cinco anos pelos frutos da independência e ... há muito desacordo com a liderança," disse.

Timor-Leste libertou-se de 24 anos de governação brutal Indonésia em 1999 depois de uma votação sobre a independência patrocinada pela ONU. Tropas Indonésias vingativas e milicianos mataram centenas de pessoas e destruíram as infra-estruturas da nação antes da chegada de tropas estrangeiras para restaurar a ordem.

Ramos-Horta era a cara pública do movimento de resistência Timorense na ONU durante a ocupação Indonésia. Foi ministro dos estrangeiros antes de se tornar primeiro-ministro em Julho.

Disse que o próximo governo trará aumento da riqueza para o país de 900,000 pessoas que permanece entre os mais pobres na Ásia.

"Apesar de termos muito mais dinheiro, temos de responder muito mais depressa," disse, referindo-se a uma esperada infusão de dinheiro das reservas offshore de petróleo e de gás.

Alguns receiam que a eleição presidencial do próximo mês possa desencadear nova violência no país, que está tenso no meio de uma operação militar Australiana em curso para capturar um soldado foragido ligado ao desassossego do ano passado e explosões de violência de gangs.


Agence France-Presse - Terça-feira, Março 13, 2007

Ajudante: Foragido de Timor falará se pararem a caça ao homem

Um amotinado foragido de Timor-Leste perseguido pelas tropas Australianas está preparado para negociar se pararem a operação militar contra ele, disse um dos seus ajudantes na Terça-feira.

"Se quiserem entrar num diálogo, é fácil. A operação tem de parar," disse o ajudante à AFP sob anonimato, que disse ter citado Alfredo Reinado.

O ajudante disse estar satisfeito por os dois bispos terem sido recentemente nomeados como mediadores para qualquer diálogo futuro.

"Estou muito feliz," disse Reinado, citado pelo ajudante. "A igreja é um órgão independente, e eu confio mais que eles possam avançar com o diálogo."

Reinado tem sido um problema persistente para o governo de Timor-Leste, uma das nações do mundo mais pobres e a com a independência mais recente.

Está prevista a realização da eleição presidencial no próximo mês e alguns receiam que Reinado possa desestabilizar a eleição.

Ele tem sido criticado por causa do seu papel na violência do ano passado que matou pelo menos 37 pessoas, deslocou 150,000 e levou ao destacamento de tropas estrangeiras.

Tropas Australianas cercaram a base de Reinado nas montanhas em fins de Fevereiro e atacaram-no alguns dias mais tarde, matando quatro dos seus apoiantes armados.

Mas o soldado desertor iludiu a ofensiva e foi lançada uma caça ao homem depois do ataque falhado.

A base de Reinado estava localizada em Same, a cerca de 50 quilometros (30 milhas) a sul da capital, Dili, e o ajudante disse que o amotinado lamentava o incómodo que tinha provocado aos residentes da cidade que sofreram com a acção militar.

"Estou triste e o meu coração chora com o que aconteceu em Same, por causa de gente inocente ter sido vítima," citou que Reinado disse isso.

Apoiantes de Reinado manifestaram-se em Dili e noutros sítios depois da ofensiva militar, levando o Presidente Xanana Gusmão de Timor-Leste a avisar de uma quebra da segurança numa intervenção na televisão.

O presidente deu luz verde às forças internacionais para capturarem Reinado depois de o ter acusado de roubar armas de postos da polícia na fronteira com a vizinha Indonésia, que ocupou Timor-Leste durante 24 anos.


ABC - Terça-feira, Março 13, 2007. 6:27pm (AEDT)

Não quero disparar contra Australianos, diz o amotinado de Timor-Leste

O homem mais procurado em Timor-Leste diz que não tem qualquer intenção de prejudicar os Australianos, mesmo apesar de cinco dos seus apoiantes terem sido mortos num assalto por militares Australianos no seu esconderijo há quase duas semanas.

O major Alfredo Reinado tem andado a monte desde que escapou da prisão depois de ter pegado em armas contra o governo de Timor-Leste num levantamento violento no ano passado.

Disse a uma equipa do programa da ABC Correspondente Estrangeiro, que o descobriu depois de dois dias no mato, que não tem nenhuma intenção em se entregar às forças especiais Australianas.

"Eu, eu não conheço a palavra rendição," disse. "Render-me-ei à justiça, não a ninguém, não a nenhum comando ou a nenhuma força. Nunca quis disparar contra nenhum Australiano."

Quando questionado porque é que tinha disparado anteriormente contra eles, o major Reinado respondeu, "Defendo-me a mim próprio porque eles dispararam primeiro."

O major Reinado diz que não quer matar em retaliação.

"O Governo foi responsável, não acredito que fossem as pessoas da Austrália a darem estas ordens e se as pessoas da Austrália [perderem] um ser amado, perguntem ao vosso Governo quem é que ordenou isto," disse. "Nunca quisemos fazer mal a ninguém, mas temos o direito de nos protegermos a nós próprios."


Agence France-Presse – March 13, 2007 07:19pm

Amotinado Timorense promete não se render

O foragido Timorense amotinado major Alfredo Reinado prometeu nunca se render aos soldados Australianos e diz que se defenderá se for atacado.

Usando contactos com base nas montanhas e no mato à volta de Dili, uma equipa do programa da ABC, Correspondente Estrangeiro, encontrou maneira de chegar ao esconderijo do major Reinado e entrevistou-o.

O major Reinado é procurado por ter liderado um bando de soldados desertores em Abril e Maio últimos, quando lutas entre facções rivais das forças de segurança degeneraram em violência em Timor-Leste.

Foi detido e depois escapou-se e tem andado a monte desde então, e mais recentemente eludiu esforços Australianos para o capturarem.

As tensões aumentaram desde 4 de Março, quando soldados Australianos atacaram a sua base na cidade de Same, matando cinco dos seus apoiantes.

In an interview broadcast on the ABC tonight, Maj Reinado vowed he would never surrender to Australian forces and would defend himself if attacked.

"Nunca tenho uma palavra para rendição. Render-me-ei à justiça, não a nenhum comando, a nenhuma força," disse.

Perguntado se atacaria soldados Australianos se fosse cercado, o major Reinado respondeu: "Nunca quis disparar contra nenhum Australiano".

Quando confrontado se tinha disparado contra Australianos no princípio do mês, o major Reinado disse: "Defendo-me a mim proópria porque dispararam primeiro contra nós ".

O amotinado disse que lutava contra o Governo Timorense porque as forças de segurança tinham disparado contra manifestantes anti-governamentais durante o caos que sacudiu Dili no ano passado.

"Tive que sair e pará-los porque esta instituição pertence ao povo, (tive) de me levantar e defender o povo, não matar o povo," disse.

O major Reinado já foi visto como um aliado da Austrália, onde vivem a sua mulher e filhos.

Disse que duvidava que o público Australiano apoiasse a tentativa dos militares para o capturarem.

"O Governo foi responsável, não acredito que (fossem) as pessoas da Austrália a ordenarem isto," disse o major Reinado. "Se as pessoas da Austrália perderem um ente querido, perguntará ao seu governo quem é que ordenou isto. Nunca quisemos magoar ninguém mas temos o direito de nos protegermos a nós próprios."

O programa da ABC também relata acusações de as forças Australianas terem mão pesada quando entraram na aldeia de Sasaneh à procura do major Reinado, não muito depois da tentativa de 4 de Março para o capturarem.

"Partiram mobílias e disseram às pessoas para porem as mãos acima da cabeça. Mulheres e homens," disse um aldeão. "São dez vezes piores que os Indonésios. Os militares Australianos não são bons. Em 24 anos de ocupação Indonésia os Indonésios nunca fizeram isso na nossa aldeia."

Os militares Australianos negaram ter destruído qualquer casa e dizem que ajudaram aldeãos a repararem "estragos muito pequenos " nalguns edifícios.

O Brigadeiro Mal Rerden, que comanda as forças Australianas em Timor-Leste, disse estar confiança que as suas tropas eram capazes de capturar o major Reinado. "Temos, obviamente de o localizar e estamos a trabalhar muito arduamente para isso, sabe, a natureza do terreno é muito rugosa," disse. "Mas os soldados envolvidos na operação estão muito bem treinados, muito bem equipados e são muito bem liderados e tenho muita confiança neles."


AKI – 13 Março 2007, 09:57 am

Timor-Leste: major desertor diz que conversará com o Governo

Dili - O major desertor Alfredo Alves Reinado está a caminho de Dili para conversações com o governo mediadas pela igreja católica. Numa entrevista com a AdnKronos International (AKI), o soldado amotinado disse que está de boa saúde e que não foi ferido durante o assalto liderado pelos Australianos contra ele e que mataram cinco em 4 de Março. "Estou a usar um uniforme Australiano e estou a caminho da capital (Dili) para conversações mediadas pela igreja católica. Estou muito perto de Dili," disse o major Reinado à AKI via telefone de um local desconhecido na Terça-feira.

"Estou de boa saúde e bem-disposto. O assalto não me afectou," acrescentou o amotinado, que culpou o Presidente Xanana Gusmão e o Primeiro-Ministro José Ramos Horta pela morte dos seus companheiros, em vez de culpar as tropas Australianas.

"Não culpo os soldados Australianos. Culpo os que deram ordens aos soldados," disse.

A disponibilidade da igreja católica para mediar foi confirmada à AKI pelo bispo Alberto Ricardo da Silva da diocese de Dili. "A igreja está pronta para mediar em qualquer diálogo entre o governo e o major Reinado, se ambas as partes quiseram que a igreja se envolva," disse o bispo, anteriormente encontrado.

Contudo o encontro ainda não foi confirmado pelo governo.

Entretanto, o Comandante das Forças de Estabilização Internacional lideradas pelos Australianos (ISF), Brigadeiro Malcolm Rerden, disse que continua a perseguição ao major Reinado. "A ISF manter-se-à firme e continua a sua operação militar até Alfredo e os seus seguidores serem capturados," disse o Brigadeiro Rerden aos repórteres em Dili na Terça-feira.

"Estou a pedir ao Alfredo para evitar mais conflitos, incluindo a possibilidade de poder perder a vida. Deve portanto render-se, com os seus homens, à polícia nacional, à polícia da ONU e às forças internacionais de modo a poder ir a tribunal e enfrentar as acusações contra ele," acrescentou.

Reinado tem andado a monte desde que escapou da prisão da capital de Timor-Leste Dili em Agosto, juntamente com outros 50 presos. O Presidente Xanana Gusmão ordenou a sua detenção depois de ser acusado de assaltar um posto da polícia e ter roubado 25 armas automáticas o mês passado.

Tinha estado preso pelo seu papel na violência que irrompeu em Timor-Leste depois do despedimento de aproximadamente 600 soldados, que se queixavam de discriminação étnica sobre promoções em Abril passado.

Reinado tinha abandonado as forças armadas e juntou-se a eles em 4 de Maio, 2006.

Os confrontos deixaram 37 pessoas mortas, forçaram 155,000 a fugir das suas casas, deitaram abaixo o governo do antigo primeiro-ministro Mari Alkatiri, e resultaram no destacamento de tropas estrangeiras lideradas pelos Australianos na pequena nação do Sudeste Asiático.


AAP – Março 13, 2007 04:39pm

Tropas Australianas 'destruiram casas em Timor'

A imagem da Austrália em Timor-Leste sofreu mais estragos com as acusações de as tropas em perseguição do foragido amotinado major Alfredo Reinado ter danificado casas de aldeia num assalto durante a noite.

Um padre da paróquia de Same, a cena da tentativa abortada das tropas Australianas para capturar Reinado em 4 de Março, protestou sobre um assalto quatro dias mais tarde na aldeia próxima de Serema.

O padre David Alves Conceição disse que aldeões tinham sido aterrorizados com a chegada de quatro helicópteros Black Hawk e um transportador de tropas, actuando aparentemente sob a informação que tinham dado abrigo ao major foragido, que se mantém a monte.

"Assaltaram casas e ordenaram às pessoas para saíram para fora a meio da noite para fazerem buscas," disse o padre Conceição.

"Agricultores pobres, gente idosa. Esta é uma população pacífica, e este é um problema que não será resolvido pela força. Se alguém é nosso amigo e usa força isso provocará uma reacção."

Ambos a igreja e pessoas locais afirmam que houve casas destruídas durante o assalto de 8 de Março.

Imagens de cerca de 10 casas danificadas foram mostradas na televisão nacional Timorense ontem à noite, e o deputado Social Democrata Riak Leman protestou ontem no parlamento.

O padre Conceição disse que a operação militar no distrito de Same continuava numa base diária.

"É como estar a viver num campo de batalha," disse.

O comandante da força Australiana Brigadeiro General Mal Rerden negou que tivessem destruído casas.

"As nossas operações em Same foram conduzidas para minimizar prejuízos na população civil e para protegê-los de Reinado e do seu grupo', disse. "Não houve nenhuma casa destruída em resultado das nossas acções ou dos helicópteros."

O Brigadeiro General Rerden disse que houve alguns "estragos muito pequenos nalgumas casas " e que as tropas tinham voltado para ajudar os aldeões nas reparações.

Repetiu que a única opção que Reinado tem é a rendição, descrevendo-o como um foragido à justiça.

"Os que o estão a apoiar directamente estão a infringir a lei," disse.

Reinado permanece um foragido e é relatado que tem um bando de cerca de 100 homens com ele, metade dos quais estão armados. Diz-se que veste um uniforme das forças armadas Australianas.

O Brig. Gen Rerden deu ainda novos detalhes da operação inicial contra Reinado, durante a qual as tropas Australianas cercaram a sua fortaleza em Same e mataram cinco dos seus apoiantes, mas não puderam evitar que o amotinado escapasse.

Perguntado se tinha havido um contacto telefónico com o foragido antes da operação, o Brig. Gen Rerden disse: "Foi dada a Reinado uma outra oportunidade para se render por contacto verbal.”

"Até ao último momento antes de a operação começar foi-lhe dada uma opção verbal para se render."

Perguntado se os tiros de aviso terem sido disparados antes dos cinco associados de Reinado terem sido baleados até à morte, o Brig. Gen Rerden disse que eles estavam "numa posição onde constituíam uma ameaça letal imediata para os meus soldados.

"Os soldados da Força de Estabilização Internacional têm o direito de se defenderem se as suas vidas estiverem ameaçadas."


TIME – Terça-feira, Março 13, 2007

O assalto que correu mal

Por: Rory Callinan

No papel deve ter parecido uma missão fácil. Na perseguição havia mais de 200 soldados regulares bem armados e soldados das forças especiais, com metralhadoras, gás lacrimogéneo e cães polícias, apoiados por helicópteros e por blindados de transporte do pessoal. O objectivo era prender Alfredo Reinado, o antigo comandante da polícia militar Timorense, e cerca de 60 companheiros desertores, armados somente com espingardas de assalto, que estavam abrigados num complexo no cume do monte da aldeia de Same, a cerca de 50 km a sul de Dili.

Mas os caçadores regressaram de mãos vazias. Reinado e a maioria dos seus homens escaparam (veja caça ao homem: O assalto a Reinado), deixando as tropas da Força de Estabilização Internacional (ISF) sem nada procurando os montes pesadamente florestados. Entretanto, a tentativa de capturar o homem que muitos Timorenses vêem como um herói da resistência desencadeou protestos violentos em Dili e uma vaga de hostilidade contra as ISF.

Mais de uma semana depois da operação, os comandantes da ISF recusam-se ainda a dar detalhes do que aconteceu, dizendo que uma investigação está em curso. Mas um dos amotinados que fugiu com Reinado afirma que foram mortos civis durante o assalto, que dispararam contra os amotinados sem aviso, e que pelo menos um tinha pedido aos soldados para não dispararem.

Quando a TIME visitou a cena do assalto—uma antiga casa do administrador em Same em mau-estado, a cerca de 50 km a sul de Dili, que os amotinados ocuparam em 26 de Fevereiro—os soldados Australianos estavam ainda a fazer bloqueios nas estradas de acesso das proximidades. Partes do telhado do edifício tinham tinham sido varridas, aparentemente pela ventania dos dois helicópteros Black Hawk usados no assalto, e havia buracos de balas nalgumas árvores ao longo das estradas. Duas caixas de artigos médicos e um gerador pareciam ter sido abandonos pelos amotinados.

No fim-de-semana de 10-11 de Março, a TIME viajou no mato remoto para se encontrar com o seguidor de Reinado, Nelson Galucho, que tem estado a monte desde o assalto. Galucho disse que três dias antes da operação, soldados da ISF tinham-no apanhado no distrito de Ermera e tinham-no levado para Dili, onde foi interrogado durante duas horas acerca das operações de Reinado, armas e o número de seguidores, depois levaram-no de regresso a casa. Diz que os soldados lhe pediram desculpa mais tarde por o terem detido.

Cercado por guarda-costas irascíveis, Galucho fez o relato do assalto abortado. Disse que o seu companheiro amotinado Deolindo Barros tinha sido morto por tropas Australianas de um dos helicópteros que sobrevoava o complexo dos amotinados. "Deolindo viu os soldados e gritou-lhes para não dispararem, mas eles balearam-no," disse Galucho. "Não avisaram nem nada." Galucho, cujo irmão Nikson ficou ferido no assalto (está agora sob custódia em Dili), disse ainda que três civis foram mortos no assalto, mas foi incapaz de dar detalhes ou evidência.

A ISF tem dito que cinco homens foram mortos no assalto. Quatro eram tidos como seguidores de Reinado (veja Caça ao homem: O assalto a Reinado). O nome do quinto homem não foi divulgado, mas a ISF diz que o seu corpo foi encontrado no mato espesso num monte perto do complexo.

Os soldados Australianos guardaram o corpo de Barros durande dois dias depois do assalto; depois foi entregue na morgue improvisada do Hospital Guido Valadares em Dili, tinha as marcas de ter sido autopsiado—o que a família de Barros disse ter sido feito se a sua autorização. Buracos e marcas nas roupas de Barros sugerem que foi ferido na parte detrás do pescoço, na nádega direita e no peito. A irmã de Barros, Francesca da Cruz, especula que foi atingido pelas costas por balas disparadas de um helicóptero.

Barros foi enterrado no fim-de-semana na sua aldeia no cimo da montanha de Houba, a 100 km a sul de Dili. Mais de 500 pessoas enchiam a sua casa de quinta simples para verem o corpo de Barros que jazia num caixão aberto ao lado de fotos dele e de Reinado. A perturbada viúva de Barros quer que os governos Timorense e Australiano paguem a educação dos três filhos. A meio do funeral, um helicóptero da ISF sobrevoou vagarosamente por cima. Jovens locais gritaram, "F__k off, Aussie," mas a maioria dos enlutados disse que não responsabilizavam a Austrália pela morte de Barros. Alguns, contudo, disseram que a ISF estava a ser usada como um instrumento do governo Timorense.

Quatro dias depois do assalto, algumas duas dúzias de soldados das forças especiais Australianas bloquearam uma intersecção a sul de Same e interrogaram as pessoas que passavam. O oficial que comandava o grupo disse que estavam lá "para proteger a segurança das pessoas." Residentes locais disseram que um grupo de homens de Reinado tinha-se dirigido para oeste para a pequena cidade da montanha de Alas, acerca de 65 km a sul de Dili, e que tropas têm andado pela área rugosa a pé e por helicóptero.

Galucho disse à TIME que Reinado continua escondido mas capaz de comunicar com apoiantes. "É muito triste o que eles [a ISF] têm feito, e o governo devia ter uma mente aberta e não actuar de modo a criar um problema," disse Galucho. Ele e outros amotinados querem negociar, disse, mas que não o fariam enquanto as tropas Australianas estiverem no país: "Podem tentar matar-nos, então porque é que tentaríamos negociar com eles?"

Um porta-voz do ISF, o líder de esquadráo Ivan Benitez, disse, "Cinco Timorenses foram mortos durante a operação de Same quando se tornaram uma ameaça imediata para os soldados da ISF." Recusou dar qualquer detalhe acerca da missão ou das circunstâncias das mortes, ou comentar as alegações de Galucho acerca das mortes de civis. Em adição à corrente investigação da ISF ao incidente, uma investigação da polícia da ONU vai começar dentro de dias.


Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.