sábado, junho 23, 2007

Timor: «Vivia-se melhor no tempo indonésio», diz PNT

Diário Digital / Lusa
23-06-2007 15:01:00

O presidente do Partido Nacionalista Timorense (PNT), Abílio Araújo, pretende adaptar algumas políticas económicas indonésias e defende que a situação actual do país colocaria em risco a opção pela independência, dado que «se vivia melhor materialmente» durante a ocupação.

«Se não fosse a destruição feita pelos indonésios e pelas milícias (pró-autonomia) em 1999, a situação actual poderia ter gerado uma nova recusa da independência, porque o povinho hoje diz que vivia melhor materialmente», afirmou o líder do PNT.

«É claro que havia repressão e morte» nos 24 anos de ocupação do território, ressalvou Abílio Araújo, «simples empresário que vem investir aqui», antigo líder da Fretilin, que regressou quarta-feira de Portugal, onde tem vivido, para os últimos sete dias de campanha para as legislativas de 30 de Junho.

O militante foi recebido no aeroporto de Díli por cerca de 300 apoiantes, segundo a Polícia das Nações Unidas, situação que gerou uma «altercação» com elementos do campo de deslocados que obrigou à intervenção da UNPol e das Forças de Estabilização Internacionais (ISF) para «evitar a escalada para um incidente sério».

«Ninguém esperava» o entusiasmo dos apoiantes, disse Abílio Araújo, o que prenuncia que «o PNT vai ser a surpresa desta campanha», adiantando que a sua «imagem ainda está intacta», uma vez que pertence à mesma geração dos actuais líderes timorenses.

Abílio Araújo iniciou-se na política «muito jovem, com um grupo que mais tarde viria a ser a Associação Social-Democrata Timorense (ASDT) e a Fretilin», recordou. A sua posição política era, nessa época, no «género de uma clandestinidade com alguma tolerância do sistema colonial».

«Fui eu que redigi o programa político da Fretilin e escrevi o hino», recordou Abílio Araújo, que situa a sua desavença com a Fretilin na «profunda divergência» com Xanana Gusmão, comandante das Falintil e comissário político nacional do partido, «a partir de 1987/88».

O líder do PNT critica a governação da Fretilin porque, «não obstante ter ganho a maioria absoluta em 2002, deveria ter enveredado por uma política de convergência nacional».

One in five Timorese needs food assistance, UN report says

UN News Centre – 22 June 2007

A new United Nations report says one in five people in East Timor needs food assistance, blaming crop losses on persistent drought and locust plagues.

The report issued today by the UN Food and Agriculture Organization (FAO) and the UN World Food Programme (WFP) warns that to avert a major food crisis, up to 220,000 vulnerable people living in outlying areas across the country will require more than 15,000 tonnes of emergency food assistance, particularly during the six months of the coming 'lean season' starting in October.

“A poor harvest this year has worsened the already fragile livelihoods of people all over Timor but especially among the poorest people living in rural and more remote districts,” said Anthony Banbury, WFP's Regional Director for Asia.

“And for many of those displaced by the conflict during last year's crisis, who continue to live outside of their communities, a restricted domestic food supply means they will continue to rely on food assistance.”

The new report, based on a joint assessment mission carried out by the two UN agencies in March and April, suggests substantial reductions in all of the country's crops due in large part to recurring drought, especially on the north coast, and an outbreak of locust infestations in the western regions.

Production of maize, Timor's most important crop, declined by 30 per cent to 70,000 tonnes. Output of cereals, cassava and other tubers dropped by 25 30 per cent while rice production decreased by 20 per cent, the report says.

“We need to continue to closely monitor the drought situation and any further locust infestations to help provide Timorese farmers with the best information and assistance,” said Henri Josserand, Chief of FAO's Global Information and Early Warning System.

The FAO/WFP report also noted that the severe food crisis earlier this year, with commodity price hikes and the virtual disappearance of rice from the market, highlighted the need to improve food security policies, strategies and implementation mechanisms.

In addition to those affected by crop failure, Timor also has nearly 100,000 internally displaced people living in Dili or with relatives in the districts as a result of a political crisis that began in 2006 in the country, which the UN helped to shepherd to independence in 2002.

Editorial: Yesterday's heroes move to secure Timor's future

The Canberra Times (Australia) - Saturday, June 23, 2007

East Timor's veteran guerrilla hero Xanana Gusmao celebrated his 61st birthday on Wednesday, but there are no signs he is heading for a retirement home.

He celebrated with a 300-strong party into the wee small hours at his home in the foothills south of Dili, as he prepares for a new political role, just a month after stepping down as foundation President of the Democratic Republic of East Timor.

Although he had sworn to retire and become a pumpkin farmer after his five-year term, he now heads a ticket for the National Congress for the Reconstruction of East Timor in next Saturday's parliamentary elections, which could make him prime minister.

"I will cultivate pumpkins, but not in export quantities yet," Gusmao quipped at the CNRT's campaign headquarters in central Dili.

Asked by The Canberra Times why he is not stepping aside for younger politicians, he evoked a memory from his seven-year imprisonment in Jakarta's Cipinang prison.

"I saw that Indonesia had independence for over 50 years, yet only a small clique was really independent, while most people had nothing," he said, stressing that he doesn't want East Timor to follow suit.

The party aims to wrest parliamentary power from the hard-line Fretilin leadership of Mari Alkatiri, to end its dominance of East Timorese politics, a process begun in presidential elections last month.

Fretilin was then trounced in a two-round contest in which former prime minister Jose Ramos-Horta defeated Francisco "Lu-Olo" Guterres by 69 to 31 per cent.

The Nobel laureate had replaced Alkatiri as prime minister in June 2006 after he stepped down under popular pressure.

Fretilin was castigated by voters for its five-year performance in government, during which it registered significant achievements, notably in Alkatiri's spirited oil negotiations with Australia, but grew increasingly centralised and authoritarian.

A key factor in its defeat was public belief that it caused the violence which tore Dili apart during 2006.

Party vice-president Rogerio Lobato is serving seven years in Dili's Becora prison after sentencing on related counts of manslaughter and arming pro-government militiamen.
Seventeen political groups will contest the June 30 poll for 65 parliamentary seats 13 less than in the current Parliament, which was elected under UN tutelage in 2001 to draft East Timor's Constitution.

The wide spread of contenders nationalists, populists, monarchists and Marxists is a sign of maturing democracy in the half-island state.

The CNRT's acronym echoes that of the movement which led the final days of resistance to Indonesia's 24-year occupation, the National Council of Timorese Resistance (Conselho Nacional da Resistencia Timorense in Portuguese). Gusmao appears on campaign banners in two guises, as uniformed CNRT guerrilla leader, and as besuited civilian political leader of the CNRT party.
He and Ramos-Horta planned its formation, having resolved to trade places as part of their strategy to squeeze the current Fretilin leadership out of power.

An alternative Fretilin leadership from the dissident faction known as "Fretilin Mudansa" is campaigning within CNRT ranks. Led by former foreign minister Jose Luis Guterres, its use of Fretilin emblems in CNRT campaigning has inflamed the Government party's feelings.
The election campaign has had a bitter and slightly vicious tone, which rose to a crescendo in the south coast Fretilin stronghold of Viqueque on June 3.

Of the 17 contenders, there are four front-runners apart from the CNRT, meaning the vote will be widely spread.

They are:

Fretilin, which polled 27.89 per cent in the first round of presidential elections;

The leftist Democratic Party, which polled 19.18 per cent.

UNDERTIM, a movement led by disgruntled ex-guerrillas which did not run a separate presidential campaign, backing Ramos-Horta's instead; and

A coalition of the centre-left Social Democrat Party (PSD) under former governor Mario Carrascalao with the populist Social Democratic Association of Timor (ASDT), which polled 23.25 per cent between them.

UNDERTIM is led by charismatic ex-guerrilla Cornelio Gama (known as L7) and is one of two veterans' movements competing.

It is close to CNRT, but running separately.

The PSD-ASDT coalition has, on the other hand, expressed hostility to the CNRT, with Mario Carrascalao describing it as a collection of "the worst characters there are in East Timor" with the prime aim of "destroying Mari Alkatiri", by undemocratic means.

The sharpest tension, however, exists between Fretilin and CNRT.

Carrascalao's attack on CNRT strategy was used by Fretilin to claim it was hatching an assassination plot against Alkatiri.

Carrascalao said this was "pure invention", but repeated that he believes the Gusmao/Ramos-Horta party is inflaming political divisions by aggravating rivalry with Fretilin.

The only serious violence in the campaign has been against CNRT, during its campaigning in the hard- line Fretilin stronghold of Viqueque.

Afonso Kudalai, a local CNRT supporter, was murdered by an off-duty policeman who pumped six pistol shots into him after a brief altercation over a police beating of another CNRT member.
The police chief of Viqueque had been suspended from duty during the presidential elections over accusations he violated police neutrality by supporting Fretilin publicly.
Kudalai died instantly, a few metres from the CNRT leaders. Later the same day another supporter was shot dead, allegedly by uniformed police from Baucau.

By an irony of fate Kudalai, who had recently joined the CNRT, was the nephew of Fretilin leader Francisco Guterres.

Germano "Hatta" da Silva, a close associate of Gusmao, saw the attack. "We are all still in shock", he said, "Fretilin claimed he was armed, but it was untrue."

Perpetrator Luis da Silva surrendered recently to United Nations police after days on the run.
Since then resolute UN policing has meant that inter-party friction has mainly been confined to poster wars between pro-CNRT and pro- Fretilin youths who tear each other's posters down by night and resume pasting the next.

Fretilin is trying to forestall another election defeat by presenting younger faces, a humbler image and reminding voters of its more successful policies, such as its oil dealings.

Defeated presidential candidate Guterres set an example by accepting defeat graciously soon after Jose Ramos-Horta's victory was announced, heading off possibilities of violence.

Parliamentary candidate Aniceto Guterres Lopes is a young human rights lawyer who represented political prisoners during the Indonesian occupation, founded the country's oldest human rights foundation Yayasan Hak, and was chief commissioner of East Timor's Truth and Reconciliation Commission. His work on the bilateral Truth and Friendship Commission with Indonesia, which offers amnesty to those who testify, has affected his standing, but his track record is still respected.

He is presenting Fretilin as the one party which has upheld prosecution of human rights violators, and said "the pursuit of justice is essential because even the crimes of 1999 have not been resolved satisfactorily."

Impunity cannot be tolerated, he added.

Fretilin's recent approval of an amnesty law for crimes committed in 2006 which could see Lobato freed appears to contradict this, but his stand is an acknowledgement of the depth of community feeling on justice issues and a sign that Fretilin may be seeking meaningful new directions.

One well-placed international observer predicts that Xanana Gusmao is most likely to lead a new government after June 30 with CNRT as most-voted, but that secondary votes will be spread closely between the other main political blocs, forcing a coalition government which could presage a more harmonious political future for the long-suffering Timorese.The ageing ex-guerrilla may be left with little time for his pumpkins.

East Timor: Gusmao Challenges Government

AKI - 22 June 2007 - 18:32

Dili - East Timor's President Jose Ramos-Horta on Friday urged the winner of next week's parliamentary elections to form a unity government in a bid to heal divisions in the tiny state. The 30 June polls will be crucial for the country's stability after last year's deadly violence. He said experience in East Timor had shown that a government dominated by one party had not done very well. The newly-formed CNRT, led by former president and independence hero Xanana Gusmao, and historic Fretilin are favourites in the parliamentary elections to be held in the former Portuguese colony with 14 parties and alliances contesting.

The CNRT is seeking to oust the left-leaning Fretilin party and install Gusmao as prime minister. "We established this party because we felt the need to change the direction given to the country by Fretilin, the party in government" Dionisio Babo, the secretary general of the Congresso Nacional De Reconstrução de Timor-Leste (CNRT) told Adnkronos International (AKI).

"Our agenda is pro-poor and aims also to introduce a gradual decentralization" said Babo, at the party headquarters in Dili. "There is a need to empower the people and make them feel as part of the country’s development."

Fretilin, which controls 55 of the 88 seats in the current parliament, is accused by the CNRT of having ignored the intense poverty in which much of the country lives and of having adopted policies aimed at perpetuating its own power.

"Fretilin did not govern with the intention of developing the country but only to concentrate power on a few people’s hands" he said.

East Timor is one of the poorest countries in Asia according to a 2006 UN survey, with 40 percent of the population living below the poverty level fixed at 55 US cents per day.

FRETILIN assina Acordos com as comunidades para desenvolvimento local

FRETILIN - 22 de Junho de 2007

FRETILIN é o único partido político em Timor-Leste que tomou a iniciativa de assinar Acordos com os Conselhos dos Sucos comprometendo-se assim a providenciar fundos até ao valor de US$100,000 por ano para o desenvolvimento das prioridades determinadas pelas comunidades locais.

O Presidente da FRETILIN, Francisco Guterres Lu’Olo assinou Acordos, na quarta-feira passada (20 de Junho), com os Conselhos de Sucos do subdistrito de Venilale, distrito de Baucau, na parte leste de Timor-Leste. Sucos são áreas administrativas constituídas por aldeias e são administradas pelos Conselhos democraticamente eleitos pelas populações nas eleições de 2005.
Os Acordos garantem que o Governo da FRETILIN concederá prioridade aos objectivos de desenvolvimento determinados pelas próprias comunidades. Os Acordos estão a ser assinados em todo o país. Do itinerário da liderança constam Baucau, Lautém, Viqueque, Dili, Liquiçá e Aileu. Os outros distritos estão a ser cobertos por outros membros do Comité Central da FRETILIN devidamente credenciados pela liderança da FRETILIN.

Lu Olo disse que “as iniciativas das populações devem ser consideradas prioritárias para se atingir um desenvolvimento equitativo e equilibrado que beneficie todos os cidadãos.”

“Sob o nosso ponto de vista, esta é uma pré-condição para a erradicação da pobreza. É por isso que, na nossa campanha eleitoral, encetamos diálogos com as comunidades locais nas aldeias e sucos”, acrescentou.

“ Fizemos levantamentos das necessidades e prioridades das comunidades antes de assinarmos estes Acordos. A FRETILIN baseará nestes dados para elaborar os seus programas de desenvolvimento, planos e projectos no próximo governo. “

“Se o povo votar por nós nas eleições legislativas, o governo da FRETILIN incluirá no Plano de Desenvolvimento Nacional de cinco anos, um montante anual entre USD$25,000 e USD$100,000 para atender às necessidade e prioridades determinadas nos referidos levantamentos”, frisou Lu Olo.

Lu Olo disse que o montante prometido será canalizado através do Fundo de Desenvolvimento Comunitário e outros fundos criados durante o Primeiro Governo Constitucional”.

“Estes Acordos são um importante passo para o desenvolvimento de um processo transparente, responsável e descentralizado de gestão de fundos que providenciará benefícios directos às comunidades, Lu Olo continuou. São as comunidades que vão elaborar e gerir os projectos”.

Estes Acordos demonstram mais uma vez que a FRETILIN escuta e responde às aspirações do Povo.

“Temos vindo a fazer isto. A educação e a saúde têm sido nossos objectivos prioritários durante os primeiros cinco anos de governação e foi o povo que escolheu estas prioridades durante o processo de consultas públicas para o Plano Nacional de Desenvolvimento”

Para mais informações, contactar: José Teixeira, (+670) 728 7080 ou email para fretilin.media@gmail.com

Brasil enviará observadores às eleições do Timor Leste, informa o Itamaraty

Panorama Brasil - 22/06/2007
Rodrigo Lima

SÃO PAULO - O Ministério das Relações Exteriores (MRE - Itamaraty), através da sua assessoria de imprensa, informou nesta sexta-feira, 22 de junho, que o Brasil enviará uma missão de observadores às eleições legislativas do Timor Leste que serão realizadas em 30 de junho próximo. A missão será integrada por diplomatas, por parlamentares e por um professor, não identificado, que faz parte de um programa de cooperação naquele país. Dará prosseguimento às anteriores missões, quando observadores brasileiros acompanharam o primeiro e segundo turnos das eleições presidenciais de Timor Leste, realizados respectivamente em 9 de abril e 9 de maio últimos.

Timor Leste é o único país da Ásia e Oceania que tem o português como idioma oficial. Por esse motivo, o Brasil vem cooperando em áreas essenciais à formação do nascente Estado timorense, em campos como educação, justiça, segurança e formação de mão-de-obra. Participou, inclusive, das forças de paz da Organização das Nações Unidas (ONU) que encerrou os conflitos de independência em relação à Indonésia e uma guerra civil.

Timor-Leste/Eleições: Diplomata guineense volta a chefiar equipa de observadores da CPLP

LUSA – 22 Junho 2007 - 20:57

Lisboa - A equipa de observadores da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) às eleições legislativas de 30 de Junho em Timor-Leste voltará a ser liderada pelo diplomata guineense Apolinário Mendes de Carvalho, disse hoje à Lusa fonte da organização.

Secretário-geral do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Guiné-Bissau, país que detém presentemente a presidência da CPLP, Apolinário Mendes de Carvalho tinha já chefiado a equipa de observadores às presidenciais timorenses, realizadas a 09 de Abril.

Segundo o assessor de imprensa da CPLP, António Ilharco, a equipa de observadores integrará também 12 pessoas, metade dos quais de nacionalidade portuguesa.

“Por confirmar está a eventualidade da equipa de observadores vir a totalizar 13 pessoas, com a integração de um brasileiro, o que a confirmar-se será feito já em Díli”, acrescentou.

O secretário-executivo da CPLP, embaixador Luís Fonseca, manteve hoje uma reunião na sede da organização, em Lisboa, com os observadores, “tendo na ocasião sido efectuados preparativos de ordem operacional” da missão de observação, precisou António Ilharco.

No período da manhã, realizou-se também na sede da CPLP mais uma reunião do Conselho de Concertação Permanente, em que foram preparados diversos documentos para o Conselho de Ministros da organização, a realizar a 27 de Julho, em Lisboa, sob os auspícios de Portugal.

Relatório explica a crise política e militar de 2006

Jornal de Notícias – 23 Junho 2007

Os peticionários das Forças Armadas timorenses que protagonizaram a crise política e militar de 2006 "esqueceram-se que eram militares e que como militares não podem embarcar em manifestações públicas", concluiu o Relatório da Comissão de Notáveis.

Os quase 600 peticionários das Falintil - Forças de Defesa de Timor-Leste (F-FDTL) "esqueceram-se que como militares devem obedecer a uma cadeia de comando e não podem ter medo de a seguir, não podem ter medo de colocar os seus problemas directa e frontalmente", refere o relatório. "Esqueceram-se que os militares não podem, nem devem fazer reuniões clandestinas", notou ainda a Comissão sobre o grupo que, alegando ser alvo de discriminação no seio das F-FDTL, apresentou uma petição ao presidente da República e ao chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas a 9 de Janeiro de 2006.

A 17 de Fevereiro, os peticionários abandonaram os quartéis e a 16 de Março foi anunciada a exoneração de 594 militares, com data efectiva a 1 de Março.

A 28 de Abril, no quinto e último dia da manifestação dos peticionários em frente ao Palácio de Governo, eclodiu a violência que provocou as primeiras vítimas da crise política e militar.

"Julgando fazer bem, os chamados peticionários estavam afinal a ser aproveitados por outros, com influências políticas que depois distorceram o rumo inicial que os peticionários pretendiam levar", considerou o relatório dos Notáveis.

"Aquilo que era uma revindicação séria de melhoria de condições de vida dos militares", considerou a Comissão, "descambou numa crise política violenta, com mortos, feridos e a certa altura mais de cento e cinquenta mil deslocados no interior do país".

A Comissão foi criada a 3 de Maio de 2006 por despacho do primeiro-ministro Mari Alkatiri, que viria a ser demitido no mês seguinte.

Para os Notáveis que conduziram os inquéritos, "não se deram como provadas muitas das alegações, o que não significa necessariamente que as situações não pudessem ter ocorrido".
Os Notáveis analisam, entre outras variantes que influenciaram o comportamento dos peticionários, a relação entre "veteranos e novatos".

"Os veteranos, com o peso moral adquirido ao longo da resistência, tendem a actuar abertamente, enquanto que o novato, pela experiência de vida na resistência clandestina, actua com subterfúgios procurando apoio dos comandantes ou de outras pessoas, reunindo às escondidas, fora da instituição, ainda que para discutir e lamentar os problemas da instituição", escrevem os autores.

Website do STAE Timor-Leste


Website da Comissão Nacional de Eleições de Timor-Leste


«Peticionários esqueceram-se que eram militares»

Notícias Lusófonas
23 Junho 2007

Os peticionários das forças armadas timorenses que protagonizaram a crise política e militar de 2006 "esqueceram-se que eram militares e que como militares não podem embarcar em manifestações públicas", concluiu o Relatório da Comissão de Notáveis.

Os quase 600 peticionários das Falintil-Forças de Defesa de Timor-Leste (F-FDTL) "esqueceram-se que como militares devem obedecer a uma cadeia de comando e não podem ter medo de a seguir, não podem ter medo de colocar os seus problemas directa e frontalmente", refere o relatório.

"Esqueceram-se que os militares não podem, nem devem fazer reuniões clandestinas", notou ainda a Comissão sobre o grupo que, alegando ser alvo de discriminação no seio das F-FDTL, apresentou uma petição ao Presidente da República e ao chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas a 9 de Janeiro de 2006.

A 17 de Fevereiro, os peticionários abandonaram os quartéis e a 16 de Março foi anunciada a exoneração de 594 militares, com data efectiva a 1 de Março.

A 28 de Abril, no quinto e último dia da manifestação dos peticionários em frente ao Palácio de Governo, eclodiu a violência que provocou as primeiras vítimas da crise política e militar.

"Julgando fazer bem, os chamados peticionários estavam afinal a ser aproveitados por outros, com influências políticas que depois distorceram o rumo inicial que os peticionários pretendiam levar", considerou o relatório dos Notáveis.

"Aquilo que era uma revindicação séria de melhoria de condições de vida dos militares", considerou a Comissão, "descambou numa crise política violenta, com mortos, feridos e a certa altura mais de cento e cinquenta mil deslocados no interior do país".

O relatório, com data de 31 de Janeiro, tem, em epígrafe, uma citação do ex-Presidente Xanana Gusmão: "Quem acredita em mim volta aos quartéis. Quem não acredita, não volta. Mas os que não voltarem sujeitam-se à lei", afirmou o chefe de Estado a 8 de Fevereiro de 2006.

A Comissão foi criada a 03 de Maio de 2006 por despacho do primeiro-ministro Mari Alkatiri, que viria a ser demitido no mês seguinte como consequência da crise.

"A Comissão foi capaz de chegar a algumas conclusões genéricas, não tendo sido possível, no entanto, investigar cada uma das alegações apresentadas, pelo tempo já transcorrido, por inexistirem testemunhas que pessoalmente se apresentassem a confirmar as alegações, não podendo assim ser dadas como provadas", lê-se no documento.

"Ficou a dúvida em alguns casos invocados por haver informações contraditórias", acrescenta o relatório.

Para os Notáveis que conduziram os inquéritos em Díli e nos distritos, "não se deram como provadas muitas das alegações, o que não significa necessariamente que as situações não pudessem ter ocorrido".

"Simplesmente, em alguns pontos, não foi possível à Comissão tirar conclusões com base na prova que não foram capazes de produzir de forma objectiva e inequívoca".

"A Comissão de Notáveis está no entanto convicta que só foi possível que tantos jovens se agrupassem como peticionários porque se julgaram e se sentiram profundamente injustiçados".

"Fizeram-no por solidariedade para com colegas, que nem sabiam ao certo de quem se tratavam, fizeram-no porque pensavam estarem a salvaguardar a imagem de alguns veteranos, naquilo que eles representam como ideal", lê-se nas conclusões do documento de quase 70 páginas.

"Este sentimento de serem vítimas de discriminação, de serem perseguidos, como se fosse uma fatalidade da sua condição de jovens timorenses, de se sentirem alvos possíveis de eliminação física, não tem porém um substrato real, eventualmente resultam do extrapolar de situações isoladas", concluiu a Comissão de Notáveis.

Os Notáveis analisam, entre outras variantes que influenciaram o comportamento dos peticionários, a relação entre "veteranos e novatos".

"Os veteranos, com o peso moral adquirido ao longo da resistência, tendem a actuar abertamente, enquanto que o novato, pela experiência de vida na resistência clandestina, actua com subterfúgios procurando apoio dos comandantes ou de outras pessoas, reunindo às escondidas, fora da instituição, ainda que para discutir e lamentar os problemas da instituição", escrevem os autores do documento.

"Os novatos têm tendência a pensar que os problemas se resolvem através de manifestações como acontecia no tempo da ocupação militar indonésia em que as FALINTIL, o Conselho Nacional da Resistência Maubere e depois o Conselho Nacional da Resistência Timorense os mobilizava para fazerem manifestações nas ruas", analisa o relatório, nas páginas dedicadas ao contexto cultural do problema.

"A petição foi redigida por indivíduos com um grau de capacidade intelectual diferente do nível intelectual encontrado nos peticionários", concluiu também o grupo que investigou o caso.

Questionados sobre quem seriam os autores da petição, notou a Comissão, "os próprios subscritores não conseguiram formular uma resposta credível" e também os oficiais das F-FDTL tinham dúvidas que fossem os próprios peticionários.

"Muitos peticionários mostraram solidariedade mas mostraram desconhecer os problemas expostos nos documentos", sublinha ainda o relatório.

A Comissão de Notáveis constatou um "descontentamento e mal-estar difuso, criando a percepção que estavam a ser alvo de tratamento discriminatório" entre os peticionários.

Chama também a atenção para a gravidade das dívidas de muitos soldados das F-FDTL ao BNU e a diferença de gastos em deslocações dos militares oriundos dos distritos ocidentais do país, mais longe dos quartéis.

Fretilin promete crescimento de 7% nos próximos cinco anos

Notícias Lusófonas
23 Junho 2007

A Fretilin anunciou hoje o seu programa de governo caso vença as eleições legislativas de 30 deste mês, prometendo estabilizar a taxa de crescimento real da economia em "pelo menos" sete por cento nos próximos cinco anos.

Numa conferência de imprensa hoje em Díli, Estanislau da Silva, actual primeiro-ministro e candidato a deputado pela Fretilin, defendeu que essa taxa tem por base as melhorias económicas registadas ao longo dos cinco anos de governo do seu partido.

"Nos últimos cinco anos, o governo da Fretilin pôs em marcha um conjunto de programas e de políticas que possibilitaram criar uma plataforma para um crescimento sustentável e forte da economia", reivindicou, sublinhando que tal permitirá, agora, "trazer benefícios reais para a população".

Entre as prioridades da Fretilin, Estanislau da Silva destacou a necessidade de se acelerar o desenvolvimento nas áreas das infra-estruturas e agrícola e criar medidas para combater o desemprego, nomeadamente entre os mais jovens, a camada de população mais afectada.

Segundo o dirigente da Fretilin, sectores-chave que o partido pretende ver implementados no quadro das infra-estruturas passam pela energia, água, estradas "e outras obras públicas", sendo igualmente prioritária a reestruturação das forças de segurança.

A reestruturação deve abranger, no entender do partido, não só a Polícia Nacional de Timor-Leste (PNTL) como o próprio Ministério do Interior e as Falintil-Forças de Defesa de Timor-Leste (F-FDTL).

Um futuro governo da Fretilin, acrescentou, terá em conta a necessidade de se elaborar "melhor legislação para regulamentar as actividades da PNTL e da F-FDTL, promovendo, paralelamente, um aumento orçamental que abrangerá também o sistema judicial.

Ainda neste pacote, a Fretilin prometeu criar novas esquadras de polícia e polícias comunitárias, o que "ajudará" a restabelecer a lei e a ordem em todo o país.

Na área económica, Estanislau da Silva, antigo ministro da Agricultura, disse que a Fretilin vai criar incentivos para atrair investidores ao país, "estabelecer" um sistema de segurança social para apoiar os mais pobres e "continuar" a assistência aos "mais vulneráveis".

Por outro lado, a Fretilin quer promover indústrias ligadas à área agrícola, atribuir créditos aos agricultores e garantir o pagamento das pensões dos antigos combatentes através de instituições próprias.

Defendendo a promoção "contínua" da igualdade do género e da mulher em todas as áreas da sociedade, Estanislau da Silva afirmou que a Fretilin vai aumentar os programas de formação profissional, medida esta que visa essencialmente combater o desemprego entre os jovens.

Em relação ao problema dos cerca de 100.000 deslocados, dados actualizados quinta-feira pela Missão das Nações Unidas em Timor-Leste, relativos ao mês de Maio, a Fretilin pretende criar uma política de habitação social para as pessoas que continuam em campos de refugiados.

Educação e Saúde são também "prioridades" num executivo da Fretilin, continuou Estanislau da Silva, indicando que haverá "mais investimento" em ambos os sectores, nomeadamente na formação de professores e na melhoria das condições de trabalho no Hospital Nacional Guido Valadares, em Díli.

Na sua intervenção, Estanislau da Silva lembrou que a Fretilin está na origem da fundação do Estado de Timor-Leste.

"Em 1975, a Fretilin disse ao povo que, um dia, Timor-Leste seria independente e ninguém acreditou em nós. Dissemos também que não seria fácil e que levaria tempo. Muitos disseram-nos que tal não seria possível e que apenas estávamos a sonhar. Conseguimos provar que estavam errados", afirmou.

A Fretilin perdeu as eleições presidenciais com a derrota de Francisco Guterres "Lu Olo" para José Ramos-Horta, na segunda volta realizada a 9 de Maio.

A actual direcção, liderada por Francisco Guterres "Lu Olo" e pelo secretário-geral, Mari Alkatiri, enfrenta também a dissidência interna do Grupo Mudança, do ex-ministro dos Negócios Estrangeiros José Luís Guterres que tem 14 candidatos nas listas do Congresso Nacional da Reconstrução de Timor-Leste (CNRT), partido liderado pelo ex-Presidente Xanana Gusmão.

Comunicados da UNMIT

O último comunicado da UNMIT foi enviado em inglês, tetum, indonésio e português.

Por esta ordem...

Boletins de voto chegam antes das Eleições Parlamentares


23 de Junho de 2007 Dili – Os boletins de voto para as eleições parlamentares de 30 de Junho chegaram á Dili hoje, vindos do local de impressão em Surabaya.

O vôo alugado que trazia os boletins foi recebido pelos oficiais do Governo, da Comissão Nacional de Eleições (CNE), do Secretariado Tecnico de Administração Eleitoral (STAE) e das Nações Unidas.

O Chefe-adjunto da Missão Integrada das Nações Unidas em Timor-Leste (UNMIT), Sr. Finn Reske-Nielsen saudou a chegada dos boletins e disse que a UNMIT e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) ajudaram na impressão dos boletins após um pedido do Governo de Timor-Leste.

“Após ter conduzido um processo tenro avaliando as diferentes ofertas sobre critério incluindo o custo, o tempo de produção e qualidade, uma empresa foi escolhida em Surabaya.

As autoridades indonésias facilitaram cada passo do processo e proporcionaram medidas de segurança necessárias em Surabaya. Antes de os boletins terem deixado o local de impressão foram pré-arrumados em caixas pelos oficiais do STAE e da UNMIT para serem destribuidos aos districtos,” disse o Sr. Reske-Nielsen.

As especificações para os boletins de voto são mais complexas do que aquelas para boletins usados durante as eleições presidenciais. Em adicao aos nomes e símbolis dos partidos e coligações a concorrer á eleição, os boletins necessitam ter, cada, um número de série num canhoto perfurado. A quantidade e destribuição dos boletins podem ser, portanto, cuidadosamente monitoradas e controladas.

A produção iniciou-se tarde na semana passada, supervisadas por uma delegação conjunta de oficiais do STAE, CNE, PNUD e UNMIT. Daí, os representantes do STAE e da CNE acompanharam, hoje, as urnas de volta para Dili.

Os boletins e urnas serão protegidas em Dili, na sede do STAE e começa a entrega aos destrictos na Terça-Feira com a destribuição aos centros de voto na Sexta-Feira.

O Primeiro-Ministro Interino e Ministro Coordenador, Dr. Rui Maria de Araújo, o chefe da CNE, Faustino Cardoso, o Director de STAE, Tomas Cabral, o chefe da Missao da ONU em Timor-Leste (UNMIT), o Sr. Atul Khare e o Ministro em Exercício da Administração Estatal, o Sr. Valentim Ximenes estavam todos presentes no Aeroporto de Dili para saudar a chegada do vôo.

A UNMIT e mandatada atravês da Resolução 1704 do conselho de Segurança para “apoiar Timor-Leste em todos os aspectos do processo das eleições presidenciais e parlamentares incluindo, atravês de apoio técnico e logístico, conselho das políticas eleitorais e verificação ou outros meios.”

Para mais informação, favor, contactar a Porta-voz da UNMIT, a Srª. Allison Cooper no +670 7230453

Website do Partido Nacionalista Timorense - PNT


Políticas? Quem precisa delas?

Tradução da Margarida:

The Economist

Jun 21 2007 DILI
Da edição impressa do The Economist

Policies? Who needs them?

Sob o slogan “Libertámos o país...agora libertamos o povo,” Xanana Gusmão está a fazer campanha sem descanso para as primeiras eleições legislativas de Timor-Leste em 30 de Junho. O Sr Gusmão, líder da resistência contra a governação Indonésia, foi presidente desde a independência em 2002 até ao mês passado. Naquele cargo está agora José Ramos-Horta, um laureado do Nobel pelo seu trabalho na resistência no exílio. Nas eleições presidenciais derrotou com facilidade o candidato do partido no poder, a Fretilin. O Sr Gusmão agora quer suceder ao seu velho aliado como primeiro-ministro.


Xanana (frente) e José: troca de lugares. Membros do seu novo partido o CNRT, estão febrilmente escrever uma constituição e programa do partido. O Sr Gusmão pode bem ganhar mesmo sem eles. Os comícios do CNRT atraem grandes multidões. Mas a sua campanha assenta apenas no carisma do Sr Gusmão e nas críticas à Fretilin por incompetência e corrupção. O CNRT, cujo nome lembra a coligação da resistência que o Sr Gusmão liderou no final dos anos de 1990s, nem sequer tenta oferecer políticas.

O Sr Gusmão pode contar com o apoio dos outros partidos da oposição e a simpatia da influente igreja católica. Todos estão desejosos de ver a Fretilin pelas costas, liderada por Mari Alkatiri, e dominada pela sua “clique de Maputo” de antigos exilados em Moçambique. Está ainda acossada por fraccionismo. Uma facção “Reforma” juntou-se mesmo à campanha do Sr Gusmão e apela aos seguidores para votarem no CNRT. Mas a Fretilin é ainda o partido com o maior número de militantes. Os observadores esperam uma corrida ombro-a-ombro com o CNRT. Membros do parlamento de 65 lugares serão eleitos por representação proporcional para um mandato de cinco anos. Dos 14 partidos e coligações que estão em disputa apenas dois outros são esperados ganhar muitos lugares. Provavelmente juntar-se-ão a uma coligação liderada pelo CNRT.

A campanha tem sido razoavelmente pacífica. Mas a violência pode ser desencadeada por movimentações de última hora feitas pelo parlamento dominado pela Fretilin. Mudou a lei eleitoral de modo que os votos serão contados m cidades dos distritos em vez de em cada uma das estações de votação. Ostensivamente para prevenir intimidação a nível de aldeia, a mudança pode fazer aumentar as alegações de fraude eleitoral. Desde uma quebra da segurança no ano passado a ONU tem outra vez uma grande presença em Timor-Leste, juntamente com tropas lideradas pelos Australianos. A Fretilin não confia neles para garantir a segurança, contudo as eleições presidenciais foram pacíficas.

O novo governo enfrentará grandes problemas: uma população pobre, mal nutrida com a mais alta taxa de fertilidade do mundo; elevado desemprego; guerra de gangs entre grupos de jovens desmotivados; cerca de 100,000 pessoas em campos de deslocados; e um desertor das forças armadas escondido nas montanhas com os seus seguidores bem armados.

Contudo terá também mais de $1.2 biliões em rendimentos de petróleo bem guardados. O Sr Ramos-Horta, que constitucionalmente não tem qualquer controlo nas decisões económicas, tem andado a promover Timor-Leste como uma zona de comércio livre. Quer ainda subsidiar o cultivo do arroz e do café e distribuir algum do dinheiro do petróleo em entregas monetárias aos pobres. Este populismo fiscal alarma alguns observadores, como o ICG (International Crisis Group) uma organização que espera que a administração do CNRT seja mais consultante e transparente do que a da Fretilin, mas que questiona as suas “capacidades profissionais”. Seja qual for o partido que ganhe, um relatório do ICG conclui sombriamente que o resultado será muito menos um governo unificado que será provavelmente muito menos eficaz do que o seu antecessor.

Margarida deixou um novo comentário na sua mensagem "Entrevista: ‘Não sou o herói que pintam’":

1 - Diz o Xanana na entrevista à Visão:

“Fui ao Hotel Timor para uma cerimónia de posse do Fórum dos Empresários e, à uma hora, aquilo aconteceu (a manifestação rebentou). Disse ao primeiro-ministro que ia para o Palácio das Cinzas [Presidência] e esperar a acção que os jovens iam tomar. Ninguém me contactou mais. No dia 29 de manhã, era um sábado, a minha segurança informou-me que tinha havido um tiroteio para os lados de Comoro e do aeroporto na noite anterior. Chamei o superintendente da polícia, Paulo Martins, e perguntei-lhe que tiros tinham sido aqueles. «Não fomos nós», respondeu-me. «Foram as forças [Forças de Defesa de Timor-Leste]. Às quatro horas, o primeiro-ministro chamou-nos e dividiu-nos, forças e nós [polícia] pelo aeroporto, rotunda de Comoro e Tassitolo.» Liguei logo ao primeiro-ministro: «E eu não sei de nada? Vocês não me consultaram?» Disse-me que tentaram mas que o telefone não funcionava... «Epá, eu estive aqui até à noite, de sua casa, no farol até aqui, Caicoli, são 5 quilómetros, por que não mandaram ninguém?”

2 - Diz o Relatório da Comissão Independente da ONU:

Violência no Palácio do Governo
47. Cerca do meio-dia (do dia 28 de Abril) os manifestantes começaram a movimentar-se em direcção ao Palácio do Governo. (…).

48. Os manifestantes entraram no Palácio do Governo. Duas viaturas foram queimadas. Escritórios localizados no rés-do-chão do edifício foram saqueados. A multidão atirou pedras contra a polícia.
Um membro da polícia foi atacado com uma catana. (…) Cerca da 01.30 horas da tarde os manifestantes haviam dispersado.
Dois civis haviam sido mortos. Três civis e um membro da PNTL haviam sofrido ferimentos de arma de fogo. Um civil e um membro da PNTL haviam sofrido outros ferimentos graves.

Violência no Mercado de Comoro
49. Após abandonarem o Palácio do Governo os manifestantes regressaram para Taci Tolu, escoltados por membros da PNTL e da Polícia das Nações Unidas (UNPOL). A caminho passaram pelo mercado de Comoro (…). Pouco depois disso um
pelotão de 21 membros da UIR foi enviado para a rotunda do aeroporto e um segundo pelotão igualmente com 21 elementos da UIR foi enviado para o mercado de Comoro. Cada pelotão tinha três viaturas. Elementos adicionais da UIR, não desdobrados expressamente na área, estavam também presentes no local. O pelotão colocado no mercado foi atacado pela multidão. Em resposta, o comandante do pelotão ordenou o lançamento de gás lacrimogéneo. Os peticionários então passaram pela via assim aberta escoltados por duas das viaturas da UIR. (…) Um civil foi morto por uma arma disparada à longa distância. Oito civis sofreram ferimentos de arma de fogo. Dois membros da polícia e dois civis sofreram outros ferimentos graves.

Violência em Rai Kotu
50. Após passarem por Comoro, os manifestantes em retirada prosseguiram rumo a Taci Tolu, sendo que alguns regressavam para a sua base em Carantina e outros dispersavam pelas montanhas. À medida que o grupo de manifestantes avançava pela área um número superior a cem (100) casas pertencentes principalmente a pessoas oriundas da parte leste do país foram sendo queimadas. (…).

51. Manifestantes armados de arcos e flechas reuniram-se em Rai Kotu. Cerca das 05.00 horas da tarde duas viaturas da F-FDTL seguindo do quartel-general da Polícia Militar em Caicoli em direcção ao quartel-general da F-FDTL em Taci Tolu e transportando catorze (14) soldados passou em frente desse grupo de manifestantes. Na viagem de regresso, cerca das 05.15 horas da tarde, as viaturas depararam-se com o mesmo grupo, o qual havia edificado uma barricada com uma série de coisas e com pneus a arder. Com o aproximar das viaturas da F-FDTL, os manifestantes lançaram granadas contra as mesmas. Os catorze soldados da F-FDTL ripostaram com disparos de arma de fogo. (…). Os atacantes dispersaram. Um civil foi morto em consequência do confronto. (…)

3 – Isto é o anjinho do então PR ignorou o ataque e as destruições na sede do Governo, ignorou as mais de cem casas queimadas, ignorou os mortos e os feridos e disto tudo o único comentário que faz é que “No dia 29 de manhã, era um sábado, a minha segurança informou-me que tinha havido um tiroteio para os lados de Comoro e do aeroporto na noite anterior” quando os incidentes aconteceram em pleno dia: às 01h30 já tinham dispersado da sede do Governo, passando por Comoro, rumo a Tuci Tolu acontecendo o último incidente cerca das 05.00 da tarde.

O anjinho nem sentiu o cheiro das casas que arderam. É pior que o macaco da história que nada vê, nada ouve, e nada fala porque este macacão até nada cheira!

Cesteiro que faz um cesto faz um cento. Quem mente desta maneira tão descarada é capaz de todas as mentiras, como aliás se constata em toda a entrevista. Do princípio ao fim.


Talvez se Xanana usasse o seu telemóvel, o Primeiro-Ministro teria podido contactá-lo. Mas Xanana fazia questão de se gabar que não tinha telefone em casa e que não usava o telefone oficial, mesmo em situações de emergência. A isto chama-se irresponsabilidade...

Dos Leitores

Margarida deixou um novo comentário na sua mensagem "Entrevista: ‘Não sou o herói que pintam’":

Visão - O que imagina que aconteceria se tivesse sido o senhor a resignar em vez de Alkatiri?

Xanana- O CNRT aparecia na mesma... se me mantivesse vivo.

Quando todos nos lembramos as vezes que jurou que ia cultivar abóboras porque estava farto da política.

Aliás já em 26/08/2001 – Isto é vai para 6 anos – na sua declaração de candidatuta à Presidência da República dizia ele:
“Declaro aqui e agora que aceitarei ser nomeado pelos partidos para Presidente da República de Timor-Leste se os mesmos partidos demonstrarem o máximo compromisso para aceitar quaisquer que sejam os resultados das eleições.

Sei que não sou a pessoa indicada. Ultimamente tenho-me sentido muito cansado, depois do peso de 25 anos.

Sempre alimentei o sonho de que, depois da independência, teria tempo para cultivar abóboras e criar animais.”

É de sempre este comportamento dele - sonso, manhoso a mentir com quantos dentes tem. Ah! E é pena que não tenham publicado a fotografia da "prisão" dele e o ar feliz e a rir-se no meio dos indonésios. Essa foto é reveladora do figurão que ele é.

Primeiro-ministro do Timor rejeita proposta de Governo de unidade

EFE – 22 Junho 2007- 02:07

Díli - O primeiro-ministro interino do Timor-Leste, Estanislau da Silva, rejeitou hoje a proposta do presidente José Ramos Horta, que pediu a todos os partidos políticos que disputam as eleições legislativas de 30 de junho que formem um Governo de união nacional.
"Sou totalmente contra essa idéia, porque ela contraria os princípios da democracia", disse o primeiro-ministro à Efe, em Díli.

Silva acrescentou que a sugestão de Ramos Horta "mata o processo de pluralidade política numa jovem nação como o Timor-Leste".

"Quem será então a oposição parlamentar? Que lógica tem isso? Eu acho que nenhuma", criticou.

O primeiro-ministro, nomeado pelo governamental Fretilin, esclareceu que seu partido não participará de um Governo de união nacional se o Conselho Nacional para a Reconstrução do Timor-Leste (CNRT), que apóia a proposta de Ramos Horta, vencer as eleições.

"Seremos uma oposição forte no Parlamento para contribuir de forma positiva para nossa jovem democracia", anunciou.

Fretilin e CNRT são os favoritos para ganhar as eleições.

Timor: Alkatiri fora, Carrascalão preferido de Xanana para primeiro-ministro

Público – 21.06.2007 - 15h52
Legislativas a 30 de Junho

Adelino Gomes

O ex-Presidente da República de Timor-Leste Xanana Gusmão proporá o nome de Mário Carrascalão, líder do PSD e antigo governador de Timor durante a ocupação indonésia, para o cargo de primeiro-ministro, caso o seu partido, o CNRT, vença as eleições legislativas do próximo dia 30.

O CNRT oferecerá também a um outro partido - a Fretilin - as pastas das Relações Exteriores e das Telecomunicações, reservando o cargo de presidente do Parlamento Nacional para Xanana Gusmão. O antigo primeiro-ministro Mari Alkatiri reafirmou, por seu lado, que não apresentará a sua candidatura à chefia do Governo caso a Fretilin - partido de que é secretário-geral - saia vencedora das mesmas eleições.

A agência espanhola EFE liga estas manifestações de intenção dos líderes do CNRT e da Fretilin a um apelo feito hoje em Díli pelo Presidente José Ramos-Horta, "em nome da estabilidade, da paz, da harmonia e da reconciliação", para que os partidos timorenses aceitem formar "um Governo de união nacional, porque a realidade mostra que um só partido não pode governar bem o país".

FRETILIN indica medidas para futura protecção da soberania sobre o petróleo

FRETILIN - Comunicado de Imprensa - 21 Junho 2007

O Secretário-Geral da FRETILIN, Dr Mari Alkatiri, que foi também Primeiro-Ministro e Ministros dos Recursos Naturais, Minerais e Políticas Energéticas, do primeiro governo constitucional de Timor-Leste, disse que a FRETILIN irá promover, no parlamento e quando formar o Governo, duas medidas para assegurar que o povo de Timor-Leste receberá benefícios máximo das reservas de gás e petróleo do país.

Mari Alkatiri disse hoje que a FRETILIN queria que a exploração onshore e offshore de petróleo e gás fosse reservada para a companhia nacional, e que o gás do campo offshore do Greater Sunrise que fosse processado em Timor-Leste.

“Nos próximos parlamento e governo, a FRETILIN irá fazer tudo o que estiver ao seu alcance, e sob a constituição, para assegurar que a riqueza dos recursos naturais de Timor-Leste seja explorada de forma sustentável, para o benefício máximo de Timor-Leste e do seu povo”, disse Mari Alkatiri.
Alkatiri afirmou que o governo da FRETILIN tem lutado sempre para trazer a conduta e a Planta LNG do Greater Sunrise para Timor-Leste.

“Temos defendido que ter o gasoduto e a Planta LND do Gretar Sunrise para onshore Timor-Leste é direito absoluto e soberano de Timor-Leste. Temos insistido sempre que Timor-Leste, como um estado soberano, decidirá o que irá acontecer à nossa parte dos recursos do Greater Sunrise. Os futuros governo e parlamento da FRETILIN continuarão sempre a pôr em primeiro lugar os nossos interesses nacionais – foi por isso que lutamos por tanto tempo, de forma dura, pela nossa independência. Somente defendendo tais posições é que poderemos alcançar resultados justos para o nosso povo.”

No dia 30 de Maio de 2007, a imprensa Australiana relatou comentários públicos do Ministro dos Recursos Naturais australiano, Sr. Ian McFarlane, afirmando que estava optimista em relação aos procedimentos do Greater Sunrise, mas que: “A Austrália perdeu o seu lugar na fila onde já se encontra Brwose, Pluto, e também já se encontra o Projecto Chevron na Ilha Barrow, em Western Australia.” “Os proponentes do Sunrise irão cooperar com o pedido Timorense.” “Assim que tal for feito, Sunrise será um grande projecto para avançar.”

“Este é o resultado directo dos esforços e persistência, sobre este assunto, do primeiro governo constitucional, que liderei. O meu governo sempre defendeu os direitos do povo timorense para que o gasoduto e a Planta de LNG sejam trazidas para onshore de Timor-Leste, e agora vemos os resultados da nossa persistente defesa dos nossos direitos. Mas, outros partidos e líderes não partilham o nosso compromisso de que poderíamos alcançar tal objectivo. Quando o governo da FRETILIN necessitou do seu apoio para negociar sobre este assunto com a Austrália e com as companhias de petróleo e gás, eles limitavam-se a criticar o nosso trabalho. Eles não conseguem ter uma visão e aperceberem-se de que o seu apoio poderia ajudar o governo a obter resultados que trariam grandes benefícios para o futuro do nosso povo e da nossa nação. Agora, o nosso povo pode ver por eles próprios que temos sempre governado para os interesses do nosso povo e da nossa nação”, afirmou Mari Alkatiri.

Mari Alkatiri disse também que ele e o governo da FRETILIN têm sempre feito clara a sua visão, aos stakeholders, de que a exploração e o desenvolvimento do petróleo e gás onshore deverá ser reservado para a companhia nacional de petróleo de Timor-Leste.

“O actual Ministro para os Recursos Naturais, Minerais e Política Energética, José Teixeira, publicou para opinião pública, a cerca de três meses, um esboço de uma proposta de lei para o estabelecimento de uma companhia nacional de petróleo e regular a indústria downstream. Teixeira disse-me que o governo tem recebido muitas opiniões da sociedade civil, indústrias e outros stakeholders. O governo irá agora produzir outro esboço que irá incorporar todas as preocupações e sugestões recebidas dos grupos da sociedade Cilvil de Timor-Leste. O segundo esboço será então publicado para opinião e consulta pública e será o próximo governo a levar em frente. A FRETILIN quer que estas leis melhorem o modelo de transparência e progresso, já reforçado nas leis actuais, que tem sido aplaudido pela comunidade internacional. A FRETILIN não pretende acabar, de forma alguma, com a transparência nas medidas do sector petrolífero que já são parte das nossas leis. A FRETILIN põe as leis em primeiro lugar.

“Estabelecer uma companhia nacional de petróleo é uma forma para assegurar que mantemos controle dos nossos recursos, para o nosso povo. É também uma forma de envolver sectores nacionais de investimento privados como parte. Outro objectivo é para controlar o processo e a utilização dos nossos recursos, de forma a criar outras indústrias e mais emprego. Isto será feito através de regulamentos apropriados para a indústria downstream, de forma a garantir que o processo ocorrerá em Timor-Leste, e não em qualquer outro sítio. Mas, nós demos trabalhar muito para trazer o gás do campo do Greater Sunrise para Timor-Leste, para garantir um rápido desenvolvimento da indústria downstream.”

Mari Alkatiri disse também que o parlamento e o próximo governo da FRETILIN irão fazer tudo ao seu alcance para garantir as medidas de defesa e de transparência das leis de petróleo na constituição, para proteger a riqueza de Timor-Leste para as gerações futuras. A maioria parlamentar e o governo da FRETILIN têm feito tudo para assegurar que os recursos naturais, particularmente o petróleo, continuem sob o controle do povo timorense.

“A nossa Lei de Exploração Petrolífera foi aprovada sem qualquer voto conta, e a Lei do Fundo de Petróleo foi aprovada com unanimidade, depois de uma consulta pública e análise. Isto demonstra o consenso entre todos os partidos e o nosso povo, em relação a estas leis. A FRETILIN compromete-se a proteger esse consenso alcança nestas leis,” disse Alkatiri.

“As Leis de Exploração de Petróleo têm sido elogiadas como estando entre as leis mais modernas, transparentes e progressivas, do mundo, incorporando os padrões de melhor prática mundial.

“As leis permitem a retenção de posse nacional e interesse nacional ao providenciar transparência e defesas apropriadas para uma Companhia Nacional de Petróleo (prioridade do Estado ou partilhada pelo estado e privado) participar em ambas operações downstream e upstream.

“Eu fui Ministro no governo da FRETILIN que foi principal responsável pela elaboração destas leis. Eu assisti a volta inaugural de ofertas. Timor-Leste tem atribuído Production Sharing Contracts para áreas de exploração offshore à companhias internacionais de renome, seguindo ofertas (bidding) internacionais transparentes e competitivas. Resistir à pressão por parte de muitos para conceder os contractos sem passar por um processo internacional competitivo. A nossa resistência teve como resultado Timor-Leste ter ficado reconhecido pela sua transparência na indústria petrolífera. Estou muito orgulhos pelo o que conseguimos alcançar.

Devemos continuar a construir, a partir do que já foi alcançado, para proteger os nossos recursos para o nosso povo.” Para mais informações, contacte: José Teixeira (+670) 728 7080


Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.