quarta-feira, maio 14, 2008

Palop e Comissão Europeia aprovam plano de cooperação 2008/2013

Angola Press

Luanda, 06/05 – A VI Reunião dos Ordenadores Nacionais dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (Palop) e Timor Leste aprovou hoje (terça-feira), em Luanda, o documento orientador da cooperação com a Comissão Europeia, no qual se estabelecem os sub-domínios em que se vai reger o relacionamento, no período 2008/2013.

De acordo com a ordenadora nacional do Fundo Europeu para o Desenvolvimento (FED) da República de Angola e ministra do Planeamento, Ana Dias Lourenço, que falava no encerramento da reunião, o documento, com validade para cinco anos, estabelece os princípios de cooperação no âmbito do 10º FED.

Disse que o entendimento abrange projectos a executar, os montantes indicativos e respectivos ordenadores nacionais.

Informou que no âmbito desse relacionamento, os projectos comuns serão financiados através das contribuições provenientes dos programas indicativos nacionais dos países participantes, proporcionais à sua dotação específica, com uma alocação indicativa na ordem de 33, 1 milhões de euros.

A 6ª reunião dos ordenadores nacionais procedeu à análise do cumprimento das decisões e recomendações do encontro realizado em 2007, em Lisboa, sobre a programação da cooperação no âmbito do 10º FED, no período 2008-2013, e à avaliação do ponto de situação dos projectos em curso no quadro do 9º FED.

O encontro de Lisboa havia recomendado a realização de um estudo, visando a identificação de áreas de intervenção, susceptíveis de se enquadrar no princípio da “Boa Governação” que, nos termos do entendimento obtido, deverá constituir o principal domínio da cooperação dos PALOP, Timor-Leste/CE do 10º FED.

Constituído em 1958 com o objectivo de aplicar as disposições do tratado de Roma, o FED é financiado pelos Estados membros da Comissão Europeia e destina-se a prestar assistência financeira aos países de África, Caraíbas e Pacífico (ACP), com os quais a União Europeia mantém relações no âmbito da Convenção de Lomé.

UNMIT Press Conference - 14 May 2008 – Near Verbatim Transcript

UNMIT Spokesperson Allison Cooper: Thanks for joining us this morning. We are going to be talking about the Global Food Crisis and its effect in Timor-Leste, we will first hear from the Acting SRSG Finn Reske-Nielsen and we will then take your questions. Chana Opaskornkul of the UN’s Food and Agriculture Organization and Joan Fleuren, Country Director for the World Food Programme are here to assist with the questions.

Acting SRSG Finn Reske-Nielsen: Good morning, in recent weeks there have been many stories in the international media about starvation, violence and unsolvable situations stemming from the global food crisis. While the global food crisis is serious, and it will affect all countries, the situation in Timor-Leste is being managed by the Government’s importation of stocks from abroad.

Currently, there are 7,500 tonnes of rice in stock in Timor-Leste and a further 16,000 tonnes are being imported. 2,500 tonnes have arrived from Vietnam and a further 2,500 tonnes are expected this week. The remainder is due in the near future. We estimate that these food stocks will last for the immediate foreseeable future. This short-term solution will provide time for the Government to work on medium and long-term solutions.

The importations we are seeing at the moment are keeping prices from jumping. On the global market, a kilogram of rice costs between $1.20 and $1.30 compared with 40 cents 12 months ago. In Timor-Leste rice is selling for between 50 and 60 cents per kilogram compared with 40 cents per kilogram six months ago.

We do not see a danger of starvation in Timor-Leste. The Timorese have access to rice and other foods. In addition to rice, Timor-Leste produces 100,000 tonnes of maize per annum and is also a large producer of cassava which is particularly important during lean periods. Therefore there is no cause for alarm: the situation we are seeing elsewhere is not the situation we are seeing in Timor-Leste. In the coming weeks and months, the United Nations will continue to work with the Government and in particular, the National Food Security Committee, to monitor the situation and to provide advice on the unfolding situation.

Allison Cooper: Thank you Finn, do we have any questions now?

QUESTION: Good morning. I am Julio De Costa from Diario Nacional. You say that imported rice is on the way and you say the selling of rice will be the price set by the Government or will it be higher?

Joan Fleuren, WFP Country Director: The Government imports are meant to stabalise the market. So over the last 12 months globally food prices have risen by 200 per cent. But here in Timor-Leste they have not risen that much because the Government has stabilized the prices through imports. So the Government was selling rice at 50 cents a kilo, even though they spent much more than that to get it in to the community and that policy is going to continue for the foreseeable future. So to briefly answer your question, yes the food that the Government is importing will be the price the Government has set. But I would like to raise one thing the low price for the Government that the rice is importing. They can not influence by law, the prices set by private traders. So our food monitors they routinely collect price data of the market throughout the country and they usually found that the Government’s rice was sold at 50 cents and local rice is sold anywhere between 70 and 80 cents per kilo. Now this point hasn’t been asked, but I will state it: Over the last couple of weeks prices have increased quite a lot. One of the reasons is that there is not as much rice on the market as what there was a few weeks ago because the new harvest of rice has not come in and so there may be shortages locally so for the time being the Government has not yet filled that supply, increased food at subsidized prices. So you will see that Government rice is still sold for 50 cents a kilo where it’s available but other rice both imported by traders or local producers, have increased in price so it’s now one dollar a kilo.

Now, I cannot and I wouldn’t like to speak on behalf of the government and what they should do, but I do know that in conversations with government officials I know they are fully aware of this and they are taking action. And continued food imports as a short term is a good measure to do so because then the Government has food stocks of its own and they can sell it at subsidized prices.

Allison Cooper: Complementing the food import situation, Chana can you please explain about the national initiatives to produce a second crop of maize and rice?

Chana Opaskornkul, FAO: The root cause of the problem in Timor-Leste is that they have never been self-sufficient in food production. We realize that they are dependent on imported food, which every year roughly allows for twenty-five to thirty percent of food need in the country. We realize that it’s very important and at the moment that the Government does its best to purchase food from outside to keep the stock of food available in the country all the time. But, we also have to realize it’s important for TL in the medium term to increase capacity of farmers to produce more, to be more productive in terms of food production. The Ministry of Agriculture, Forestry, and Fisheries just conducted a food and crop survey last month, and from the preliminary result we know that we have a roughly 15 percent increase in food production this year. But at the same time, we still have a shortfall of production of food in the country of roughly around 50,000 metric tonnes for this year. We know that the country can be affected by the global food crisis and we may see that the price of food may decrease by the end of this year, but it will still be quite expensive. The longer-term strategy for the crisis in the country is that we must be less dependent on imported food and more productive in food production.

From the UN side, particularly FAO, we will support the Ministry of Agriculture and Fisheries in the medium term to support the farmer to be more productive, particularly in the second planting season and we’re going to start next month or the month of July. We will make good seed available and planting material and fertilizer available for roughly 30,000 families. We think by this measure we will encourage people to plant a second crop and we will increase the food production by around 30,000 metric tonnes of food production in the country. And, we also try to provide the storage capacity to farmer and it is very important because of the post harvest losses which are huge, roughly around 30 percent of food is destroyed during the storage. If you can imagine every year we produce roughly 100,000 tonnes of maize, and 30 percent of food, which is 30,000 metric tonnes, is destroyed during storage. The Government [inaudible] us to produce silos for 5,000 households this year. For the long term perspective, the Prime Minister mentioned at the rice ceremony last Saturday in Maliana that he wouldn’t say that TL could not buy more rice from the outside, he would say that we have increased production and we [inaudible] support to buy the product in the country in the next few years time.

Allison Cooper: Thank you Chana. We’ll take more questions.

QUESTION: Stephanie from Radio Australia: Are they (this is for Chana, I suppose) is there any disincentives for farmers to produce the second crop; will they have to have any initial outlay that they will have bear the burden of themselves, and what is the long-term incentive to produce a second crop?

Chana Opaskornkul: The problem with the farmers in TL is that normally they cannot sell their product because to import food has been very cheap for a long time until now. Last year the price of paddy was roughly around 12 cents per kilogram which roughly translates into 25 to 30 cents per kilo of rice. The farmer feels it’s not incentive enough for them to produce more. Through this crisis we have to take the opportunity to encourage the farmer to produce more because I think the price in the market will continue at the high level at least until the end of the year. We are working with the Government to see how to support the farmer in terms of buying the product. We have seen the trend in other countries already, like for example in Indonesia now the Government is buying paddy for farmers at roughly 25 cents per kilogram. So we think the [TL] Government might come up with the same strategy as Indonesia this year.

QUESTION: My name is Gaitano Alves from the Center of Investigative Journalism. Mr. Finn, you mentioned that for the medium term the UN will provide advice to Government in terms of the process of importing rice. Is there any other advice the UN can provide in terms of find a solution for this problem?

Finn Reske-Nielsen: First of all, let me say that the global food crisis is something that’s given a very high priority by the UN and the UN Secretary-General himself has taken charge of the UN response to the crisis and he has requested that at the country level the UN would also ensure an integrated approach across the UN system and with the World Bank. The UN system has been advising the Government a long time already on food issues particularly through the WFP efforts and the FAO. We will strengthen these efforts and yesterday I discussed with the Deputy PM that we would be very happy to advise the Government on various options that would be available in the longer term and we would also be happy to consider conducting a study of the socioeconomic impact that the food crisis might have in the medium to long term on TL. As a first step, TL has been selected as one of 20 countries that will be visited by a UN mission over the two to three months to do a country-specific assessment that could then lead to further advice down the line.

QUESTION: Pedro from Lusa: Two questions. I would like to know more if you can give some information about the ongoing negotiations between the Government and Thailand for the import of some 45 or 46,000 tones of rice. The second regards your initial statement it seems an explanation of normality that I would say no crisis can be expected; this was similar to what happened, it’s a general description of the situation in ET like last year and the year before where we saw a food crisis. What are the lessons learned from previous years and how can you be sure that no crisis will affect TL?

Finn Reske-Nielsen: We have seen over the past several months unrest in a number of countries across the globe and of course we have to remember last February we did see civil unrest particularly in Dili as a result of an acute shortage of rice. I think some of the lessons we have learned since then would include that we now have a better monitoring system in place; the WFP programme monitors the price fluctuations on a weekly basis and together with the Government also monitors the inflow of food from abroad and an estimation is done on a weekly basis of the availability of food in the country. It is also encouraging that the Government has activated its National Food Security Committee which is chaired by the Minister of Agriculture which also receives technical support from international advisors as well as from the FAO and the WFP. So a better system is in place to monitor the situation. So when I said the situation is normal and we don’t expect any serious problems it is based on this ongoing monitoring and we can say with a high degree of confidence that there is enough food available for the time being and therefore, we do not foresee there being food-related problems in the immediate future. That being said, the global food crisis is a serious problem that would require our concerted attention in the coming months in order to ensure that we keep the situation under control in TL. I do want to stress what Mr. Chana has said that there are also some opportunities that flow from the crisis: Namely that with much higher prices there is much greater incentive for farmers to expand their production and in particular in the short term this second harvest, this crop of maize, is going to help significantly to help alleviate problems later in the year. If handled correctly this could, in fact, have a positive impact on poverty alleviation in the rural areas including on nutritional standards in the country.

On the first question, I’ll ask my colleague from WFP.

Joan Fleuren: The only answer I can give is that I don’t know about the 45 tonnes from Thailand. But I do know that the Government is working hard on increasing its imports so they concluded a contract with Vietnam for 16,000 tonnes and that’s now being shipped and also negotiations are continuing with other countries including Indonesia. But, it may well be with Thailand, there must also be negotiations going on because Thailand is the largest rice exporter in the world and Thailand has not yet closed its borders for exports. And, of course, all these imports are a good solution for the short term to make sure there is no food crisis, but for the medium and long term activities are being put in place that Chan has explained.

Allison Cooper: We’re quickly running out of time here, so we’ll take two more questions.

QUESTION: I would like to clarify about the IDPs, how will you divide for them. Will they get rice for free because they are victims from two years ago?

Finn Reske-Nielsen: As you know, at the beginning of this year it was decided by the Government to reduce the distribution of food to IDPs to half ration and that policy has been maintained. Initially it was agreed that half rations distribution would only be for the months of February and March but the Government has since decided to extend that and I’ve bee advised by government that this is likely to continue until June at half ration. In the meantime, the Governments new efforts to support the voluntary relocation of IDPs are ongoing and it is very encouraging to note about 8,000 IDPs in fact have relocated on a voluntary basis and two camps including the camp at National Hospital have been closed.

QUESTION: Jesse from Dili Weekly: Was the UN’s decision to hire Roque Rodriques based on a directive from Ramos-Horta and does Finn still stand by that decision?

Finn Reske-Nielsen: We’ve issued a statement to you on this particular issue and I don’t have anything to add. If we have any developments, we’ll let you know.


UNMIT Conferência de Imprensa - 14 Maio 2008 – Transcrição quase verbal

Porta-vos da UNMIT Allison Cooper: obrigado por se juntarem a nós esta manhã. Vamos falar acerca da Crise Global de Alimentos e dos seus efeitos em Timor-Leste, vamos primeiro ouvir o SRSG em exercício Finn Reske-Nielsen e depois receberemos as vossas questões. Chana Opaskornkul da Organização de Alimentação e Agricultura da ONU e Joan Fleuren, Directora no País para o Programa Mundial da Alimentação estão aqui para assistir às questões.

SRSG em exercício Finn Reske-Nielsen: Bom dia, nas últimas semanas tem havido muitas histórias nos media internacionais sobre fome, violência e situações insolúveis resultantes da crise global de alimentos. Conquanto a crise global de alimentos seja séria, e afectará todos os países, a situação em Timor-Leste está a ser gerida pela importação pelo Governo de estoques do estrangeiro.

Correntemente, há 7,500 toneladas de arroz armazenado em Timor-Leste e estão a ser importadas mais 16,000 toneladas. 2,500 toneladas chegaram do Vietname e mais 2,500 toneladas são esperadas esta semana. O resto está previsto para um futuro próximo. Estimamos que estes estoques de alimentos durem para o previsto futuro imediato. Esta solução a curto prazo dará tempo ao Governo para trabalhar soluções a médio e longo prazo.

As importações que estamos a ver nesta altura impedem que os preços saltem. No mercado global, um quilograma de arroz custa entre $1.20 e $1.30 comparado com os 40 cêntimos de 12 meses atrás. Em Timor-Leste vende-se o arroz entre 50 e 60 cêntimos por quilograma comparado com 40 cêntimos por quilograma seis meses atrás.

Não vemos um perigo de fome em Timor-Leste. Os Timorenses têm acesso ao arroz e a outros alimentos. Em adição ao arroz, Timor-Leste produz 100,000 toneladas de milho por ano e é ainda um grande produtor de mandioca que é particularmente importante nos períodos magros. Por isso não há razões para alarme: a situação que estamos a ver noutros lados não é a situação que vemos em Timor-Leste. Nas próximas semanas e meses, a ONU continuará a trabalhar com o Governo e em particular, com o Comité Nacional de Segurança Alimentar, para monitorizar a situação e aconselhar à medida que a situação se desenrole.

Allison Cooper: Obrigado Finn, há algumas perguntas agora?

PERGUNTA: Bom dia. Sou Júlio De Costa do Diario Nacional. Disse que arroz importado vem a caminho e diz que o preço de venda do arroz será o preço marcado pelo Governo ou será mais alto?

Joan Fleuren, Directora do País do WFP: As importações do Governo são para estabilizar o mercado. Assim nos últimos 12 meses globalmente os preços dos alimentos subiram em 200 por cento. Mas aqui em Timor-Leste não subiram tanto porque o Governo estabilizou os preços através de importações. Por isso o Governo estava a vender o arroz a 50 cêntimos o quilo, mesmo apesar de gastarem muito mais do que isso a lev´s-lo para as comunidades e essa política vai continuar pelo futuro previsível. Assim para responder brevemente à sua pergunta, sim os alimentos que o Governo está a importar terão os preços que o Governo marcou. Mas quero levantar uma coisa o preço baixo para o arroz que o Governo está a importar. Não podem ser influenciados por lei, os preços são marcados por comerciantes privados. Assim os monitores de alimentos recolhem por rotina informações dos preços do mercado através do país e geralmente encontraram que o arroz do Governo estava a ser vendido a 50 cêntimos e o arroz local é vendido em todo o lado entre 70 e 80 cêntimos por quilo. Este ponto não foi perguntado, mas digo isto: durante as duas últimas semanas os preços aumentaram bastante. Uma das razões é por não haver muito arroz no mercado como havia algumas semanas atrás porque a nova colheita de arroz ainda não chegou e por isso pode haver carências localmente assim nesta altura o Governo ainda não preencheu esse abastecimento, aumentaram os alimentos a preços subsidiados. Assim ainda vêem arroz do Governo a ser vendido a 50 cêntimos por quilo onde está disponível mas o outro arroz quer o importado por comerciantes ou o dos produtores locais, aumentou o preço e por isso custa agora um dólar por quilo.

Agora, não posso e não falarei em nome do governo e do que ele deve fazer, mas sei em conversa com funcionários do governo sei que têm completo conhecimento disto e que estão a tomar medidas. E a importação continuada de alimentos a curto prazo é uma boa medida porque então o Governo tem estoques de alimentos próprias e podem vendê-los a preços subsidiados.

Allison Cooper: Complementando a situação da importação de alimentos, Chana pode por favor explicar acerca das iniciativas nacionais para produzir uma segunda produção de milho e arroz?

Chana Opaskornkul, FAO: A causa na raiz do problema em Timor-Leste é nunca terem sido auto-suficientes na produção de alimentos. Percebemos que dependem de alimentos importados, que em cada ano permite grosseiramente vinte e cinco a trinta por cento das necessidades de alimentos no país. Percebemos que é muito importante e que nesta altura o Governo faça o seu melhor para comprar alimentos no exterior para manter o estoque de alimentos disponíveis no país a todo o tempo. Mas, temos também de perceber que é importante para TL no médio prazo aumentar a capacidade dos agricultores para produzirem mais, serem mais produtivos em termos de produção de alimentos. O Ministério da Agricultura, Forestas e Pescas acabou de conduzir uma avaliação de alimentos e produções o mês passado, e dos resultados preliminares que conhecemos houve à volta um aumento de 15 por cento na produção de alimentos este ano. Mas ao mesmo tempo, temos ainda um défice de produção de alimentos no país, de à volta de 50,000 toneladas métricas para este ano. Sabemos que o país pode ser afectado pela crise global de alimentos e podemos ver que o preço dos alimentos pode baixar pelo fim deste ano, mas será bastante caro. A estratégia a mais longo prazo para a crise no país é que devemos ser menos dependentes de alimentos importados e mais produtivos na produção de alimentos.

Do lado da ONU, particularmente da FAO, apoiaremos o Ministério da Agricultura e Pescas a médio prazo para apoiar os agricultores a serem mais produtivos, particularmente na segunda estação de plantações e vamos começar no mês que vem ou no mês de Julho. Vamos disponibilizar boas sementes, material para plantar e fertilizante para cerca de 30,000 famílias. Pensamos que com esta medida que vamos encorajar as pessoas a plantarem uma segunda produção e aumentaremos a produção de alimentos em cerca de 30,000 toneladas métricas de produção de alimentos no país. E, vamos também tentar providenciar capacidade de armazenamento aos agricultores e isto é muito importante por causa das perdas pós-colheitas que são enormes, grosseiramente à volta de 30 por cento dos alimentos é destruódo durante a armazenagem. Se conseguir imaginar em cada ano que produzimos à volta de 100,000 toneladas de milho e 30 por cento dos alimentos são 30,000 toneladas métricas, é destruído durante a armazenagem. O Governo [inaudível] para produzir silos para 5,000 casas este ano. Para uma perspectiva a longo prazo, o Primeiro-Ministro mencionou na cerimónia do arroz no Sábado passado em Maliana que não diria que TL não podia comprar mais arroz do exterior, ele diria que aumentámos a produção e nós [inaudível] apoio para comprar o produto no país nos próximos anos.

Allison Cooper: Obrigado Chana. Aceitamos pais perguntas.

PERGUNTA: Stephanie da Radio Australia: Há (isto é para Chana, suponho) há alguns desincentivos para os agricultores produzirem uma segunda produção; terão alguns gastos iniciais terão que arcar com o peso eles próprios, e qual é o incentivo a longo prazo para produzirem uma segunda produção?

Chana Opaskornkul: O problema dos agricultores em TL é que normalmente não conseguem vender os seus produtos porque os alimentos importados têm sido muito baratos durante muito tempo até agora. No ano passado o preço do arroz com casca era à volta de 12 cêntimos por quilograma que grosseiramente se traduzia em 25 a 30 cêntimos por quilo de arroz. O agricultor sente que não é um incentivo suficiente para produzir mais. Através desta crise temos de agarrar a oportunidade para encorajar o agricultou a produzir mais porque penso que o preço no mercado continuará num nível alto até ao fim do ano. Estamos a trabalhar com o Governo para ver como apoiar o agricultor em termos da compra do produto. Temos visto as tendências noutros países já, como por exemplo na Indonésia agora o Governo está a comprar arroz com casca aos agricultores aproximadamente a 25 cêntimos por quilograma. Assim pensamos que o Governo [TL] pode vir com a mesma estratégia da Indonésia este ano.

PERGUNTA: O meu nome é Gaitano Alves do Centro de Jornalismo Investigativo. Sr. Finn, mencionou que para o médio prazo a ONU vai dar aconselhamento ao Governo em termos do processo de importação de arroz. Há mais algum conselho que a ONU pode dar em termos de encontrar uma solução para este problema?

Finn Reske-Nielsen: Primeiro que tudo, deixem-me dizer que a crise global de alimentos é uma coisa a que damos uma muito alta prioridade na ONU e o próprio Secretário-Geral da ONU assumir a responsabilidade da resposta da ONU à crise e tem pedido que a nível do país a ONU iria também assegurar uma abordagem integrada através do sistema da ONU e com o Banco Mundial. O sistema da ONU tem estado a avisar o Governo já há muito tempo em questões de alimentos particularmente através dos esforços do WFP e da FAO. Reforçaremos estes esforços e ontem discuti com o Vice-PM que teríamos muito prazer em aconselhar o Governo em várias opções que possam estar disponíveis a longo prazo e teríamos também muito prazer em considerar conduzir um estudo do impacto socioeconómico que a crise de alimentos pode ter a médio e a longo prazo em TL. Como primeiro passo, TL foi escolhido como um dos 20 países que serão visitados por uma missão da ONU durante dois a três meses para fazer uma avaliação específica do país que pode então levais a mais aconselhamento no fim.

PERGUNTA: Pedro da Lusa: Duas perguntas. Gostaria de saber mais se pode dar alguma informação acerca das negociações em curso entre o Governo e a Tailândia para a importação de cerca de 45 ou 46,000 toneladas de arroz. A segunda é sobre as suas afirmações iniciais que parecem uma explicação de normalidade que diria que não se pode esperar nenhuma crise; isso foi similar com o que aconteceu, é uma descrição geral da situação em TL como no ano passado e no ano anterior onde vimos crise alimentar. Quais são as lições aprendidas de anos anteriores e como é que pode ter a certeza que nebhuma crise afectará TL?

Finn Reske-Nielsen: Vimos nas últimas semanas desassossego num numero de países pelo mundo e obviamente temos de lembrar que em Fevereiro passado vimos desassossego civil particularmente em Dili como resultado duma aguda carência de arroz. Penso que algumas das lições que aprendemos desde então incluem termos agora um melhor sistema de monitorização; os programas do WFP monitorizam as flutuações de preços numa base semanal e juntamente com o Governo monitorizam também o influxo de alimentos do estrangeiro e é feita uma estimativa em base semanal da disponibilidade de alimentos no país. É também encorajador que o Governo tenha activado o seu Comité Nacional de Segurança Alimentar que é presidido pelo Ministro da Agricultura que recebe também apoio técnico de conselheiros internacionais bem como da FAO e WFP. Assim está agora em funcionamento um sistema melhor para monitorizar a situação. Assim quando disse que a situação é normal e que não esperamos nenhuns problemas sérios é com base na monitorização em curso e podemos dizer com ul alto grau de confiança que há suficientes alimentos disponíveis para o tempo presente e por isso, não prevemos problemas relacionados com os alimentos no futuro imediato. Dito isto, a crise global de alimentos é um sério problema que vai exigir atenção concertada nos próximos meses de modo a garantir que mantemos a situação sob controlo em TL. Quero sublinhar que o Sr. Chana disse que há também algumas oportunidades que derivam da crise: Nomeadamente que com preços muito mais altos há um maior incentivo para os agricultores expandirem as suas produções e em particular no curto prazo esta segunda colheita, esta produção de milho, vai ajudar significativamente a ajudar a aliviar problemas mais tarde no ano. Se gerido correctamente isto pode, de facto, ter um impacto positivo no alívio da pobreza nas áreas rurais incluindo nos padrões nutricionais no país.

Sobre a primeira pergunto, peço ao meu colega do WFP.

Joan Fleuren: A única resposta que posso dar é que não sei das 45 toneladas da Tailândia. Mas sei que o Governo está a trabalhar bastante para aumentar as suas importações por isso concluíram um contrato com o Vietname para 16,000 toneladas que vem a caminho e que também continuam negociações com outros países incluindo a Indonésia. Mas, pode bem ser com a Tailândia, pode também haver negociações em curso porque a Tailândia é o maior exportador de arroz no mundo e a Tailândia ainda não fechou as fronteiras à exportação. E, obviamente, todas estas importações são uma boa solução para o curto prazo para garantir que não há crise alimentar, mas para o médio e longo prazo estão a desenvolve-se actividades que Chan explicou.

Allison Cooper: Estamos rapidamente a esgotar o tempo, aceitamos mais duas perguntas.

PERGUNTA: Gostaria de clarificar acerca dos deslocados, como vão dividir para eles. Terão arroz gratuito porque são vítimas desde dois anos atrás?

Finn Reske-Nielsen: Como sabe, desde o princípio deste ano foi decidido pelo Governo reduzir a distribuição de alimentos aos deslocados para meia ração e essa política tem sido mantida. Inicialmente foi acordado que a distribuição das meias rações seria só para os meses de Fevereiro e Março mas desde então o Governo decidiu prolongar isso e foi avisado pelo governo que isto provavelmente é para continuar até Junho como meia ração. Entretanto, os novos esforços do Governo para apoiar a relocalização voluntária dos deslocados estão em curso e é muito encorajador anotar que cerca de 8,000 deslocados se relocalizaram numa base voluntária e dois campos incluindo o campo do Hospital Nacional foram fechados.

PERGUNTA: Jesse de Dili Weekly: A decisão da ONU de contratar Roque Rodrigues foi com base numa directiva de Ramos-Horta e Finn ainda apoia essa decisão?

Finn Reske-Nielsen: Emitimos uma declaração para vocês sobre esta questão particular e não tenho nada a acrescentar. Se houver qualquer desenvolvimento, dizemos-lhes.

Dos leitores

Comentário na sua mensagem "ONU considera "infeliz" contrato do PNUD com ex-mi...":

When the succession of US Secretaries of states and defense or for that matter presidents who conspired with, aided and abetted regimes from Pinochet's to Batista's to that in Nicaragua and Honduras and Guatemala and El Salvador, and the Shah of Iran and the Us general's and others responsible for Guantanamo Bay and Abu Grahib etc etc etc are similarly condemned even before being convicted without being availed of the presumption of innocence, should the USA and its sherrif in Asia/Pacific even dare to condemn a Timorese patriot like Roque Rodrigues as they have.

More to the point, have they objected so vehemently to Xanana Gusmao who has been accused of being responsible for the crisis that beset Timor-Leste in 2006? There is as much ample evidence for that.

Do they ban the current president of the national parliament from attending US official fucntions because he and his party are well known to have supported Alfredo Reinado who is accused for having led an attempted assassination plot gainst the president of Timor-Leste?

The man who held a reception for Reinado in June 2006 in Suai welcoming him as a hero.

Will the US State Department take action against those of their employees like Ms Liz Wharton who openly and proudly announced that she admired Alfredo Reinado and along with others including US Ranger Ron Sergeant and the Regional Security Officer met with Reinado?

No. They will not I suspect because they only dislike Roque Rodrigues because he has the intellect, integrity and patriotic strength to fearlessly and independently advise the President of the Republic in the interests of Timor-Leste, whilst those of the ilk of Australian Army Major M Stone advises him in the interests of Australia and its ally the USA.

Isn't it Major Stone who is advising the President against an international commission of Investigation into the 11 February events because it will also bring his masters under the microscope?

The USA and its lackey Australia should just butt out of Timor-Leste's affairs.

The Timorese know who you are and what you are up to. Your days under the sun of being able to con some Timorese have come to an end.......in fact came to an end when those with interests opposed to those of Timor-Leste (who you and your government's supported in the form of Alfredo and the petitioners) tried to kill its avowed advocate in the shape of the President. Lets just say that we can all be confident that everyone from the president down to the taxi driver and phone card salesman all know who they can and cannot trust now. is it any wonder the GNR are now encharged with guarding the president to the exclusion of other contingents?

Your games are up.......!!!!!!! Go home is what my Timorese friends are telling me.


Quando uma sucessão de Secretários de Estado e de Defesa dos USA, ou mesmo de Presidentes que conspiraram, ajudaram e cooperaram com regimes desde o de Pinochet ao de Baptista e os da Nicarágua e Honduras e Guatemala e El Salvador, e o Shá do Irão e os generais dos USA e outros responsáveis pela Baía de Guantanamo Bay e Abu Grahib etc etc etc forem da mesma forma condenados mesmo antes de terem sido julgados sem terem beneficiado da presunção de inocência, devem os USA e o seu sherrif na Àsia/Pacífico sequer ousar condenar um patriota Timorense como Roque Rodrigues como fizeram.

Indo mais ao ponto, objectaram eles tão veementemente a Xanana Gusmão que tem sido acusado de ser responsável pela crise que acossou Timor-Leste em 2006? Há muito mais ampla evidência para isto.

Vão proibir o corrente presidente do parlamento nacional de atender funções oficiais dos USA porque é bem sabido que ele e o seu partido apoiaram Alfredo Reinado que foi acusado de ter liderado uma conspiração para tentar assassinar o presidente de Timor-Leste?

O homem que organizou uma recepção a Reinado em Junho de 2006 no Suai deu-lhe as boas vindas como a um herói.

Vai o Departamento de Estado dos USA tomar acção contra alguns dos seus empregados como a Srª Liz Wharton que abertamente e orgulhosamente anunciou que admirava Alfredo Reinado juntamente com outros incluindo o USA Ranger Ron Sergeant e o Oficial Regional de Segurança que se encontrou com Reinado?

Não. Suspeito que não porque eles apenas não gostam de Roque Rodrigues porque ele tem intelecto, integridade e força patriótica para sem medo e de maneira independente aconselhar o Presidente da República no interesse de Timor-Leste, enquanto os do tipo do Major das Forças Armadas Australianas M Stone o aconselham no interesse da Austrália e do seu aliado os USA.

Não é verdade que é o Major Stone que está a aconselhar o Presidente contra uma comissão internacional de Investigação aos eventos de 11 de Fevereiro porque isso também colocará o patrão dele sob o microscópio?

Os USA e o seu lacaio Austrália deve apenas desaparecer dos assuntos de Timor-Leste.

Os Timorenses sabem quem vocês são e do que são capazes. Os vossos dias debaixo do sol de serem capazes de enganar alguns Timorenses chegaram ao fim......de facto chegaram ao fim quando os que têm interesses opostos aos de Timor-Leste (que vocês e o vosso governo apoiaram na forma de Alfredo e dos peticionários) tentaram matar o vosso declarado advogado na forma de Presidente. Digamos apenas que podemos todos estar confiantes que toda a gente desde o presidente até ao motorista de taxi e ao vendedor de cartões de telefone, todos sabem agora em quem confiar ou não. É alguma admiração que seja a GNR que agora está encarregada da guarda do presidente com a exclusão doutros contingentes?

Os vossos jogos acabaram...... !!!!!!! Vão-se embora é o que os meus amigos Timorenses me estão a dizer.

INTERVIEW: Ramos-Horta looks to the future after near-fatal shooting

Posted : Wed, 14 May 2008 04:31:00 GMT
Author : DPA
Australasia World News

Díli - Three months after a near-fatal assassination attempt, East Timor President and Nobel Peace Prize laureate Jose Ramos-Horta is back in his office and full of plans. Still pale, Ramos-Horta lays out his work schedule from his home in the capital, Dili, in an interview with Deutsche Presse-Agentur dpa:

"I have three priorities for the next two years: first, the reorganization of the police force and Army. Second, serious efforts to alleviate poverty with cash for the most vulnerable, like old people and veterans. They should get 100 US dollars monthly. Third, to invest in infrastructure projects that create a lot of jobs."

The president receives guests in his elegant wood and bamboo house on Kennedy Boulevard. His office there is only a stone's throw away from the street where on February 11 rebels fired the gunshots that nearly cost him his life.

Ramos-Horta doesn't talk about the attack that saw him hospitalized in Australia for two months. Earnest and wearing a blue T-shirt that reads "Presidente," the 58-year-old sits at his desk and prefers to talk about the rosy future he sees for his 1 million countrymen and -women
Most of them live in poverty in the tiny South-East Asian nation that was shaken in early 2006 by civil unrest, largely blamed on high unemployment among East Timor's young people.

Ramos-Horta, who won the 1996 Nobel for leading the diplomatic campaign for East Timor's independence from Indonesia, advised the East Timorese to let his government have time to make improvements.

"The problem is that people are too impatient," he says. "This country is only six years old. I have travelled and seen developing countries all over the world. I hope that we can do better than Guatemala in 20 years, and that country has been independent for 200 years."

East Timor was a Portuguese colony for 400 years before neighbouring Indonesia invaded it in 1975 and occupied it for 24 years. In a 1999 UN-supervised referendum, the East Timorese voted for independence in polling that was preceded and followed by pro-Indonesian militias running amok. A thousand people were killed, and 70 per cent of East Timor's infrastructure was destroyed.

An Indonesia-East Timor Commission of Truth and Friendship has finished three years of investigations and public hearings, at which witnesses testified that they saw Indonesian soldiers and Timorese militiamen killing scores of unarmed civilians. The panel's final report was expected at the end of this month.

"I am disappointed that many of the senior Indonesian military officers involved did not seize the opportunity to confess and apologize for their failure to control the situation," Ramos-Horta says.

The divorced president lives alone on the edge of Dili and is reading Nelson Mandela's book From Freedom to Future as he recovers from the assassination attempt. It lies on a table on his terrace next to a stack of magazines, which include Men's Health.

On the wall hangs pictures of Che Guevara, John F Kennedy and Mao alongside movie posters of Casablanca and The Godfather. A plush Santa Claus dangles in the window.

An affluent East Timor is only a question of time for Ramos-Horta.

"We have enough money," he says. "We have enormous resources in oil and gas."
Money from the sale of those resources has put 2.6 billion dollars in East Timor's oil fund, and Ramos-Horta says he wants to invest that money for his country and also use 100 million dollars of it to set up an investment bank in East Timor that would help small businesses.

"We could charge 7-per-cent interest, which is less than half of what the other banks charge here," he says. "That would give us a good return and help the community."

The president has become more serious than in years past, but his winning smile and easy charm, which won the world over to his land's cause, are still there.

He is also thinking about the time after he leaves the presidency. He says he finds that he, as a Nobel laureate and experienced diplomat, would still have an indispensable, if diminishing, role to play for his country.

"East Timor is so small - it is of no consequence to the world, so individuals may have a greater impact because of their personality," he says. "But in a few years, this country will be peaceful and prosperous. By then it will not matter so much if we have a new generation of leaders who do not know how to play on the international stage."



ENTREVISTA: Ramos-Horta olha para o futuro depois de baleado quase fatalmente

Postado : Quarta-feira, 14 Maio 2008 04:31:00 GMT
Autor : DPA
Australasia World News

Díli – Três meses depois duma quase fatal tentativa de assassínio, o Presidente de Timor-Leste e laureado do Nobel da Paz José Ramos-Horta está de volta ao seu gabinete e cheio de planos.

ainda pálido, Ramos-Horta desenrola a sua agenda de trabalhp da sua casa na capital, Dili, numa entrevista à Deutsche Presse-Agentur dpa:

"tenho três prioridades para os dois próximos anos: primeira, a reorganização da força da polícia e das Forças Armadas. Segunda, esforços sérios para aliviar a pobreza com dinheiro para os mais vulneráveis, como idosos e veteranos. Eles devem receber 100 US dólares mensalmente. Terceira, investir em projectos de infraestruturas para criar muitos empregos."

O presidente recebe convidados na sua elegante casa de madeira e bamboo no Kennedy Boulevard. O seu gabinete lá está apenas na distância duma pedrada da rua onde em 11 de Fevereiro amotinados dispararam os tiros que quase lhe custaram a vida.

Ramos-Horta não fala do ataque que o levou a ficar hospitalizado na Austrália durante dois meses. Alerta e usando uma T-shirt azul onde se lê "Presidente,"o homem de 58 anos senta-se na sua secretária e prefere falar sobre o futuro cor-de-rosa que antevê para os seus 1 milhão de co-cidadões e co-cidadãsA maioria vive na pobreza na pequena nação do Sudeste Asiático que foi abalada no princípio de 2006 por desassossego civil, largamente causado pelo elevado desemprego entre os jovens de Timor-Leste.

Ramos-Horta, que ganhou o Nobel de 1996 por liderar a campanha diplomática pela independência de Timor-Leste da Indonésia, aconselhou os Timorenses a deixarem o seu governo ter tempo para fazer melhorias.

"O problema é que as pessoas são demasiadamente impacientes," diz ele. "Este país tem apenas seis anos. Eu viajei e vi países em via de desenvolvimento em todo o mundo. espero que possamos fazer melhor do que a Guatemala em 20 anos, e esse país é independente à 200 anos."

Timor-Leste foi uma colónia Portuguesa durante 400 anos antes da vizinha Indonésia o invadir em 1975 e o ocupar durante 24 anos. Em 1999 num referendo supervisionado pela ONU, os Timorenses votaram pela independência numa votação que foi precedida e seguida por milícias pró-Indonésias que desencadearam uma fúria. Mil pessoas foram mortas e 70 por cento das infraestruturas de Timor-Leste foram destruídas.

Uma Comissão Indonésia-Timor-Leste para a Verdade e Amizade acabou três anos de investigações e audições públicas, nas quais testemunhas testemunharam que viram soldados Indonésios e milicianos Timorenses a matar muitos civis desarmados. O relatório final do painel era esperado no fim deste mês.

"Estou desapontado por muitos dos oficiais militares Indonésios de topo envolvidos não terem agarrado a oportunidade para confessar e pedir desculpas pelo falhanço deles para controlar a situação," diz Ramos-Horta.

O presidente divorciado vive sozinho no topo de Dili e está a ler o livro de Nelson Mandela Da Liberdade Para o Futuro enquanto recupera da tentativa de assassínio. Está em cima duma mesa no seu terraço perto dum monte de revistas, que inclui Men's Health.

Na parede estão fotos de Che Guevara, John F Kennedy e Mao ao lado de cartazes de cinema de Casablanca e O Padrinho. Na janela está um gordinho Pai Natal.

Um afluente Timor-Leste é apenas uma questão de tempo para Ramos-Horta.

"Temos dinheiro suficiente," diz ele. "Temos enormes recursos em petróleo e gás."Dinheiro da venda desses recursos pôs no Fundo de Petróleo de Timor-Leste 2.6 biliões de dólares, e Ramos-Horta diz que quer investir esse dinheiro para o seu país e também usar 100 desses milhões de dólares para montar um banco de investimento em Timor-Leste que ajudaria os pequenos negócios.

"Podíamos cobrar 7 por cento de taxas, que é menos de metade do que os outros bancos cobram cá," diz. "Isso daria um bom retorno e ajudaria a comunidade."

O presidente tornou-se mais sério do que no passado, mas o seu sorriso vitorioso e charme fácil, que conquistaram o mundo para a causa do seu país, ainda estão lá.

Está também a pensar no tempo depois de sair da presidência. Diz que que acha que, como laureado Nobel e diplomata experiente, terá ainda um papel indispensável, se bem que diminuído a jogar pelo seu país.

"Timor-Leste é tão pequeno – não tem nenhuma consequência para o mundo, por isso os indivíduos podem ter um maior impacto por causa das suas personalidades," diz ele. "Mas em poucos anos, este país será pacífico e próspero. Então não interessará tanto se tivermos uma nova geração de líderes que não sabem como jogar na arena internacional."


Arroz, base alimentar e angústia sasonal

Díli, 14 Mai (Lusa) - Timor-Leste, o país mais pobre de uma região exportadora de arroz, sofre de um défice crónico de produção alimentar. O arroz, a base da alimentação, é o centro de uma angústia cíclica, embora existam condições para a autosuficiência.

A produção actual de Timor-Leste é de 40 mil toneladas de arroz por ano. O país tem que importar anualmente entre 50 a 60 mil toneladas, o que significa que apenas 30 por cento do arroz consumido pelos timorenses é produzido no país.

Dito ainda de outro modo: Timor-Leste produz arroz para três ou quatro meses de consumo; o arroz para o resto do ano tem que vir de fora.

Antes de 1999, o recorde de importação de arroz situou-se nas 48 mil toneladas e a produção foi estável ao longo da década, em média de 65 mil toneladas, com um pico de 74 mil toneladas em 1995.

Os principais distritos produtores de arroz são Viqueque, Baucau, Bobonaro e Manatuto.

Um relatório de 2001, feito pela Autoridade de Transição, indicava que apenas 40 por cento da terra arável estava cultivada, um dos indicadores do potencial por explorar.

Apenas 29 por cento da força de trabalho total era usada no sector, embora existam estudos que indicam que a agricultura, combinada com projectos de infra-estruturas e comercialização, poderia assegurar quase 75 por cento dos empregos.

Os estudos económicos e agronómicos sobre Timor-Leste retratam um país onde o sector agrícola é, apesar disso, a única fonte de rendimento de 80 por cento da população, a um nível de subsistência e num contexto de problemas estruturais.

No caso do arroz, estudos posteriores à independência mostravam que 75 por cento da população rural depende da orizicultura para sobrevivência ou para obter lucros marginais. No entanto, 75 por cento da produção de arroz é para consumo próprio das famílias camponesas, deixando apenas 25 por cento para entrar no mercado.

A penúria alimentar na cidade e no campo reflecte o quadro mais geral da agricultura timorense: lotes de pequena dimensão, baixa produtividade por hectare, altos níveis de analfabetismo e problemas de saúde da população, cumulados num nível de vida muito baixo.

Experiências recentes em Maliana (oeste) com sementes melhoradas demonstraram que é possível ao agricultor timorense atingir o nível de nove toneladas de arroz por hectare.

Uma camponesa da região recebeu um tractor como recompensa, sábado passado, na cerimónia de início da colheita. No entanto, a média nacional é de apenas duas toneladas de arroz por hectare.

Os hábitos alimentares dos timorenses sofreram uma alteração durante a ocupação indonésia, aproximando-se dos gostos do Sudeste Asiático.

No tempo colonial português, a base da alimentação dos timorenses era o milho. Actualmente, o milho é a base da dieta de 45 por cento da população rural mais pobre, mas sempre como cereal de substituição do arroz, o que acontece também com os pobres na população urbana.

Timor-Leste produz cem mil toneladas de milho por ano, além de produzir quantidades substanciais de mandioca. Ambos os cereais constituem alternativas e complemento na dieta diária, sobretudo em épocas de escassez de arroz.

O café, principal cultura de exportação, continua num patamar de cultura de subsistência, com os níveis de produtividade inferiores a metade do potencial conhecido.

O arroz está a ser vendido nos mercados da capital, Díli, por 50 ou 60 cêntimos de dólar norte-americano, com arroz de distribuição governamental disponível, comparando com 40 cêntimos por quilo há seis meses.

Estes preços foram hoje dados em Díli por responsáveis das Nações Unidas em Timor-Leste. Uma visita ao mercado de rua no centro da capital revela um preço um pouco superior, rondando os 70 cêntimos de dólar por quilo.

O preço do arroz no mercado mundial é de 1,20 a 1,30 dólares por quilo, comparado com 40 cêntimos de dólar há seis meses.

Em todo o caso, "sem comida do governo no mercado, o preço rondaria o dobro" em Timor-Leste, salientaram hoje os responsáveis do Programa Alimentar Mundial (PAM) e da organização para a Agricultura e Alimentação (FAO) no país.

Os mesmos responsáveis afirmaram que "há comida suficiente para os próximos tempos" e consideraram improvável que se venha a registar uma crise alimentar devido ao contexto internacional, mas alertaram que a crise já quase habitual só será ultrapassada com um aumento da produção.

"Não esperamos uma crise (alimentar), pela monitorização semanal que vimos fazendo dos géneros disponíveis no mercado e dos preços praticados", declarou hoje Finn Reske-Nielsen, representante residente do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) em Timor-Leste.

"A situação está a ser seguida pelo Governo, com importações de arroz", acrescentou Finn Reske Nielsen, salientando que "não há motivo para alarme".

O Governo timorense concluiu um acordo com o Vietname para a importação de 16 mil toneladas de arroz, "que estão neste momento a ser embarcadas" para Timor-Leste, de acordo com o director do Programa Alimentar Mundial no país, Joan Fleuren.

"Continuam negociações com outros países para a importação de arroz, incluindo com a Indonésia e talvez com a Tailândia, que é o maior exportador de arroz do mundo e ainda não fechou as suas fronteiras à exportação", declarou Joan Fleuren.

Chana Opaskornkul, director da FAO em Timor-Leste, frisou que "a causa essencial das crises alimentares é que o país nunca foi auto-suficiente em comida".

Apesar de estar para já afastada uma crise mais grave, um relatório elaborado em Setembro de 2007 pelo PAM e pela FAO, sobre a situação em Díli, revelou que existem 25 mil pessoas "em risco de vida" na capital, a necessitar de ajuda alimentar urgente.

O relatório indicou também que outras 40 mil pessoas estão em "risco de subsistência", numa cidade com cerca de 120 mil habitantes.

Em média, uma família timorense gasta cerca de 60 por cento do seu rendimento em comida (75 por cento em famílias pobres).

Armazéns de alimentos foram atacados em Fevereiro de 2007, sobretudo em Díli, e a fúria popular foi dirigida contra viaturas e instalações das Nações Unidas e do Governo. Também em 2006, em plena crise política e militar, o arroz faltou nos mercados.

Além das consequências directas sobre uma larga população que não consegue pagar o arroz aos preços actuais, as condições específicas de Timor-Leste após a crise de 2006 aumentam o potencial de instabilidade.

O relatório do PAM/FAO revelou que metade da população assistida com ração em Díli não está em situação de carência. Ao mesmo tempo, um igual número de pessoas com carência alimentar existe fora dos campos de deslocados.

Os dados disponíveis do PAM e da FAO indicam que 47 por cento das crianças timorenses sofrem de má nutrição crónica e 42 por cento abaixo dos cinco anos de idade têm menos peso do que seria normal.

Timor-Leste tem um rendimento anual per capita de apenas 370 dólares norte-americanos e 40 por cento da população vive abaixo do limiar mínimo nacional de pobreza, que é de 55 cêntimos de dólar por dia.


Reunião do Conselho de Ministros de 14 de Maio de 2008

IV Governo Constitucional


O Conselho de Ministros reuniu-se esta Quarta-feira, 14 de Maio de 2008, na Sala de Reuniões do Conselho de Ministros, no Palácio do Governo, em Díli, e aprovou:

1- Decreto-Lei que aprova o Regime de Atribuição de Bolsas de Estudo no Estrangeiro

A Educação é uma das áreas a que o Governo, em cumprimento do compromisso assumido no seu Programa, tem dedicado grande atenção.

Considerando a importância que reveste a formação superior para o aumento da qualificação dos recursos humanos, de modo a permitir a formação adequada de quadros e a construção de uma força laboral sólida, numa sociedade cada vez mais competitiva e exigente, o Governo vai incentivar o intercâmbio internacional de estudantes do ensino superior timorense.

Para a promoção do intercâmbio internacional de estudantes, importa estimular os jovens a procurar a qualificação profissional no estrangeiro, atribuindo bolsas a todos os estudantes que para tal se qualifiquem.

O diploma hoje aprovado define as condições de atribuição e o regime aplicável às bolsas para prosseguimento de estudos e investigação científica em estabelecimentos de ensino superior ou em centros de investigação no estrangeiro, e tem por finalidade principal dotar o país de recursos humanos devidamente qualificados, capazes de responder a médio e longo prazo às necessidades dos vários sectores da economia, bem como da administração pública.
Esta bolsa, que confere ao beneficiário o estatuto de bolseiro do Ministério da Educação, compreende os tipos de bolsa de licenciatura, bolsa de pós-graduação, bolsa de mestrado e bolsa de doutoramento quando se destina a financiar a frequência de cursos superiores para a obtenção do grau de licenciado ou trabalhos de investigação para obtenção de grau ou de diploma académico pós-graduado. O diploma prevê ainda a atribuição de bolsas para actividades de investigação científica.

Com a aprovação deste diploma o Governo dá um importante passo para o enriquecimento de Timor-Leste, ao promover e incentivar a qualificação, a competitividade e a excelência da sua mais importante fonte de riqueza: os jovens timorenses.

O Conselho de Ministros discutiu ainda:

- O programa das comemorações da Restauração da Independência, que decorrem durante a próxima semana;
- O processo dos IDPs;
- A visita a Timor-Leste dos Ministros da Defesa dos Estados que integram a Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP);
- Os relatórios sobre a execução do Orçamento do Período de Transição e do Primeiro Trimestre de Janeiro a Março de 2008

Ministros da Defesa da CPLP reúnem-se no fim de semana em Timor-Leste

Lisboa, 14 Mai (Lusa) - O ministro da Defesa, Nuno Severiano Teixeira, participa, no fim de semana, em Díli, no X encontro de ministros da Defesa da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

Cabo Verde, representado pela ministra da Defesa, Maria Cristina Fontes Lima, entrega, na ocasião, a presidência rotativa deste fórum ministerial anual a Timor-Leste.

O encontro ministerial da Defesa dos países da CPLP, que arranca sábado, visa desenvolver os acordos existentes neste sector entre Portugal, Angola, Brasil, Moçambique, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe e Guiné-Bissau.

Portugal vai defender na reunião a criação de uma rede de centros de excelência no sector da defesa com o objectivo de permitir que os países da CPLP possam desenvolver e beneficiar do treino e da formação em cada um dos restantes países membros.

A intenção é criar áreas de especialidade militar em cada estado-membro da CPLP, com Portugal a apontar o exemplo de Moçambique que poderia apostar no seu centro de Fuzileiros navais de Catembe.

A iniciativa portuguesa foi debatida durante a visita do ministro da defesa português a Moçambique, em Março passado com o seu homólogo moçambicano.

Como habitualmente, nesta X reunião ministerial de ministros da Defesa da CPLP, assuntos como a segurança internacional e a cooperação técnico-militar serão também debatidos.

Nuno Severiano Teixeira deverá manter conversações à margem da reunião com o Presidente timorense, José Ramos Horta, e com o primeiro-Ministro e ministro da Defesa Nacional, Xanana Gusmão, para debater a cooperação bilateral entre Portugal e Timor-Leste.



Restaurasãun Independensia ba Timor- Leste. Esposisaun ida ne’e hetan fatin iha loron 19 fulan Maio 2008, tuku 5.30
lokraik iha Hotel Timor.

Convidamos V. Exa para abertura de exposição “Loos-Sim- Yes” assinalando o 6° Aniversário da Restauração da Independência,
no dia 19 de Maio pelas 17h30 no lobby do Hotel Timor.

We invite you to the opening of the exhibition “Loos- Sim –Yes” to mark the 6th Restoration of Independence day, opening
19th May at 5.30 pm in Hotel Timor lobby.

Gabriela Gansser
Management Mentor

Free Art School and Cultural Centre
Rua dos Martires da Patria, Comoro
PO. Box 166, Correios Central, Dili, East Timor
E-mail: admin@artemoris.org
Web-site: www.artemoris.org
Tel.: +670 723 3507

ONU garante que "há comida suficiente" em Timor-Leste e afasta crise alimentar

Díli, 14 Mai (Lusa) - Responsáveis das Nações Unidas em Timor-Leste afirmaram hoje em Díli que "há comida suficiente para os próximos tempos" e consideraram improvável que se venha a registar uma crise alimentar.

"Não esperamos uma crise (alimentar), pela monitorização semanal que vimos fazendo dos géneros disponíveis no mercado e dos preços praticados", declarou hoje Finn Reske-Nielsen, representante-especial interino do secretário-geral da ONU no país.

Finn Reske Nielsen, representante residente do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) em Timor-Leste, chefia interinamente a Missão Integrada da ONU no país (UNMIT), por ausência de Atul Khare em Nova Iorque.

"Aprendemos lições das crises nos dois últimos anos e o esquema que está montado é melhor" do que o que existia em 2007 e 2006, acrescentou Finn Reske Nielsen, em conferência de imprensa.

"Temos ouvido muitas histórias sobre fome e violência", explicou o responsável da UNMIT antes de descrever uma situação de normalidade em Timor-Leste em termos de segurança alimentar.

"A situação está a ser seguida pelo Governo, com importações de arroz", acrescentou Finn Reske Nielsen, salientando que "não há motivo para alarme".

"A situação de outros países não é a que se vive aqui", sublinhou o chefe interino da UNMIT.

O preço do arroz no mercado mundial é de 1,20 a 1,30 dólares norte-americanos por quilo, comparado com 40 cêntimos de dólar há seis meses, segundo números apresentados pela ONU.

O preço actual do arroz em Timor-Leste é de 50 a 60 cêntimos por quilo, segundo a ONU, e "sem comida do Governo no mercado, o preço rondaria o dobro", afirmaram hoje os responsáveis da ONU.

O Governo timorense concluiu um acordo com o Vietname para a importação de 16 mil toneladas de arroz, "que estão neste momento a ser embarcadas" para Timor-Leste, afirmou na mesma conferência de imprensa o director do Programa Alimentar Mundial no país, Joan Fleuren.

"Continuam negociações com outros países para a importação de arroz, incluindo com a Indonésia e talvez com a Tailândia, que é o maior exportador de arroz do mundo e ainda não fechou as suas fronteiras à exportação", declarou Joan Fleuren.

"Os preços aumentaram muito nos últimos meses e uma das razões é que não há tanta comida como devia haver no mercado, porque a nova colheita ainda não apareceu e o Governo ainda não cobriu isso com arroz subsidiado", acrescentou Joan Fleuren.

Finn Reske Nielsen considerou "encorajador" a criação pelo Governo timorense de uma comissão de segurança alimentar.

Os responsáveis da UNMIT, do PAM e da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO) sublinharam que o abastecimento da população em cereais só será resolvido com o aumento da produção.

Chana Opaskornkul, director da FAO em Timor-Leste, frisou que "a causa essencial das crises alimentares é que o país nunca foi auto-suficiente em comida".

"Constatamos que Timor-Leste precisa de importar anualmente, sempre, 25 a 30 por cento dos alimentos consumidos pela população", declarou o responsável da FAO.

Timor-Leste produz actualmente 40 mil toneladas de arroz por ano e importa entre 50 a 60 mil toneladas.

"Precisamos que o Governo mantenha as reservas de arroz a um nível adequado em qualquer altura, mas temos que perceber que, a médio prazo, tem que se aumentar a produtividade", acrescentou Chana Opaskornkul.

A FAO lançou um programa de assistência a 30 mil famílias timorenses com adubos e sementes melhoradas para que, em Junho e Julho, se prepare a segunda colheita anual, de forma a obter nos últimos meses do ano um aumento de 30 toneladas cúbicas de arroz.

A FAO respondeu também ao apelo do Governo para a instalação de silos, combatendo o estrago de cereais, que é actualmente de cerca de 30 por cento de perda em cada colheita.


Audio - Timor Leste - Fretilin's comeback.

Tue, 13 May 2008

Timor Leste - Fretilin's comeback.

Listen at http://cdn1.libsyn.com/nimbinradiomedia/DaSilvaMay_2008.mp3

10.5 Mb 128kbps mono 11:28 mins

Estanislau Da Silva was a former Prime Minister of Timor Leste, when the Fretilin was the party in government. Before that, he was the Minister for Agriculture in the Fretilin government. He is in Australia this week to attend the launching of a book by a Timorese man, Naldo Rei (click here to see Radio National ABC interview) who grew up in Indonesian occupied Timor Leste, as a committed supporter of the Fretilin led resistance movement.

Estanislau Da Silva spoke to 2NimFM and Latin Radical at a very opportune time. Australian mainstream media is playing down the commitment of the second largest (social democrat) political party to run with Fretilin as a renovated government coalition in next year's elections. But it looks like the beginning of the end of Xanana Gusmao's hastily cobbled together AMP coalition, designed to keep Fretilin out of power after last year's election result, when Fretilin won the largest vote, but was denied the opportunity to try to form a government, by Presidential intervention.

Da Silva does not dwell on this. He moves on and is at his most eloquent and passionate (as a former Minister for Agriculture) when he speaks about the Fretilin party's commitment to resist the pressures of corporate Agribusiness, and a commitment to develop, as far as possible, self sufficiency in basic food products by enabling small farmers. The current government appears to be more interested in encouraging corporate agribusiness investment. Da Silva says Fretilin is committed to resisting corporate pressures to use Timor's precious acreage to grow biofuels - the main factor in a looming global shortage of basic food products. Important, when even corporations like Nestles are saying that there is no such thing as a global food shortage - it is the diversion of food crops to produce biofuels that is causing the rise in food prices.

[This message was distributed via the east-timor news list. For info on how to subscribe send a blank e-mail to info@etan.org. To support ETAN see http://etan.org/etan/donate.htm ]


Audio - Timor Leste – A recuperação da Fretilin

Terça-feira, 13 Maio 2008

Timor Leste – A recuperação da Fretilin.

Ouça em http://cdn1.libsyn.com/nimbinradiomedia/DaSilvaMay_2008.mp3

10.5 Mb 128kbps mono 11:28 mins

Estanislau Da Silva foi um antigo Primeiro-Ministro de Timor-Leste, quando a Fretilin era o partido no governo. Antes disso, ele era Ministro da Agricultura no governo da Fretilin. Ele está esta semana na Austrália para participar no lançamento de um livro dum homem Timorense, Naldo Rei (clique aqui para ver a entrevista da Radio National ABC) que cresceu no Timor-Leste ocupado pela Indonésia, como um apoiante comprometido com o movimento da resistência liderado pela Fretilin.

Estanislau Da Silva falou ao 2NimFM e Latin Radicalnuma altura muito oportuna. Os media de referência Australianos estão a desvalorizar o comprometimento do segundo maior partido político (social democrata) a concorrer como a Fretilin numa coligação para um governo renovado nas eleições do próximo ano. Mas isso parece que é o princípio do fim da coligação AMP juntada à pressa por Xanana Gusmão, designada para manter a Fretilin fora do poder depois do resultado das eleições no ano passado, quando a Fretilin ganhou o maior número de votos, mas a intervenção do Presidente lhe negou a oportunidade para tentar formar governo.

Da Silva não desenvolve isso. Ele avança e é muito mais eloquente e entusiasmado (como antigo Ministro da Agricultura) quando fala acerca do compromisso da Fretilin de resistir às pressões das corporações do Agronegócio, e do compromisso para desenvolver tão longe quanto possível, a auto-suficiência na produção de produtos alimentares básicos capacitando pequenos agricultores. O corrente governo parece estar mais interessado a encorajar corporações do agronegócio. Da Silva diz que a Fretilin está comprometida a resistir às corporações para pressionar para o uso de preciosas terras de Timor para crescer biocombustíveis – o principal factor numa crescente carência global de produtos de alimentação básicos. Importante, mesmo quando corporações como a Nestlé dizem que não existe carência global de alimentos – é a mudança de produções alimentares para produzir biocombustíveis que está a causar o aumento dos preços da alimentação.

[esta mensagem foi distribuída via a lista de notícias de timor-leste. Para informações sobre como subscrever envie um e-mail para info@etan.org. Para apoiar ETAN veja http://etan.org/etan/donate.htm ]

UN delays on Timor extension request

The Australian, 14 May

THE UN will wait until February to consider whether it will continue its peacekeeping mission in East Timor, despite President Jose Ramos Horta asking it to commit until at least 2012.

Mr Ramos Horta, still recovering from being shot in February, views his country as volatile despite the apparent calm following the surrender of rebels a fortnight ago.

"I want to play safe," Mr Ramos Horta told the BBC yesterday. "I don't want to, for sake of patriotism, pride, that we should ask, sorry, now you can leave. We should be very cautious. That's why I have said to the UN we need UN police here for at least five years -- up to 2012."

UN spokeswoman Allison Cooper said her organisation had to consider the President's request "in the context of peacekeeping commitments globally".
"We currently have a mandate though to February 2009," Ms Cooper said. "We had a 12-month extension in February this year. We will have to report back to the Security Council in February next year and provide a report of progress and they will consider and vote on it. They will decide whether to trim back or reduce the mandate in certain areas, based upon our recommendations."

The UN has a mandated strength of 1748 police officers for East Timor, with 1500 in the country at any time. They come from 41 countries and 50 are Australians. They also have 438 international staff, 933 national staff and 134 volunteers.

"The peacekeepers here are police, with no military component, unlike the UN's military component in Darfur," Ms Cooper said.

"The Security Council will listen to the mission and take into account requests from the President. They will hear what Jose Ramos Horta has said."

Australia has 750 troops in East Timor as part of its International Stabilisation Force, though that was lifted by 200 immediately after Mr Ramos Horta was shot. In late April, those extra troops returned home once the country was deemed secure.

Mr Ramos Horta also told the BBC he wanted the Australians to stay until at least next year, though that is a commitment Kevin Rudd appeared to give on his visit to Dili in the days after the President was shot.

NZ minister to attend trade, defense meetings in Japan – China View, 13 May
WELLINGTON, May 13 (Xinhua) -- New Zealand Trade and Defense Minister Phil Goff will leave for Japan on Wednesday to meet his counterparts in that country to promote closer economic and security ties.

The three-day visit supports the Japan leg of Prime Minister Helen Clark's trip to Japan and South Korea where the prime minister will be meeting leaders of both countries.

"New Zealand attaches great importance to its relationship with Japan. Our two-way trade is valued at 7.3 billion NZ dollars (5.6 billion U.S. dollars) and Japan is our third largest export market," Goff said.

Japan and New Zealand are working closely on regional trade and economic integration initiatives, he added.

Goff will also attend and speak at the first ever Japan New Zealand Partnership Forum.

The Partnership Forum, on May 14-16, is set to be the largest and most significant gathering of government and business leaders from the two countries ever held, with around 80 senior participants from Japan and New Zealand confirmed to attend.

On security issues, Goff and the Japanese defense chief will discuss international and regional defense and security issues, including developments in the Pacific, Afghanistan and Timor Leste.

New Zealand and Japan have many shared security interests that lend themselves to closer cooperation, including disaster relief and peacekeeping, he added.


ONU atrasa pedido de prolongamento em Timor

The Australian, 14 Maio

A ONU vai esperar até Fevereiro se continuará a sua missão de manutenção da paz em Timor-Leste, apesar do Presidente José Ramos Horta ter pedido para continuar até pelo menos 2012.

O Sr Ramos Horta, ainda a recuperar do ataque em Fevereiro, tem a visão do seu país como volátil apesar da calma aparente depois da rendição de amotinados há quinze dias atrás.

"Quero jogar pelo seguro," disse o Sr Ramos Horta à BBC ontem. "Não quero em nome do patriotismo, orgulho, que digamos, lamento, agora podem sair. Devemos ter muito cuidado. É por isso que tenho dito à ONU que precisamos cá da polícia da ONU pelo menos cinco anos – até 2012."

A porta-voz da ONU Allison Cooper disse que a sua organização tinha de considerar o pedido do Presidente "no contexto de comprometimentos globais de manutenção da paz".
"Correntemente temos um mandato até Fevereiro de 2009," disse a Srª Cooper. "Tivemos um prolongamento de 12 meses em Fevereiro deste ano. Teremos de reportar ao Conselho de Segurança em Fevereiro do próximo ano os progressos e eles considerarão e votarão sobre isso. Decidirão se cortarão ou reduzirão o mandato em certas áreas, com base nas nossas recomendações."

A ONU tem uma força mandatada de 1748 oficiais da polícia para Timor-Leste, com 1500 no país a todo o tempo. Vêm de 41 países e 50 são Australianos. Têm também 438 empregados internacionais, 933 empregados nacionais e 134 voluntários.

"Os da manutenção da paz aqui são polícias, sem componente militar, ao contrário da componente militar da ONU no Darfur," disse a Srª Cooper.

"O Conselho de Segurança ouvirá a missão e tomará em consideração pedidos do Presidente. Ouvirão o que José Ramos Horta disse."

A Austrália tem 750 tropas em Timor-Leste como parte da Força Internacional de Estabilização, apesar de ter sido aumentada em 200 imediatamente depois do Sr Ramos Horta ter sido baleado. No final de Abril, essas tropas extra regressaram a casa uma vez que o país parecia seguro.

O Sr Ramos Horta disse também à BBC que queria que os Australianos ficassem pelo menos até ao fim do próximo ano, apesar disso ser um compromisso que Kevin Rudd parece ter dado na sua visita a Dili dias depois dos tiros contra o Presidente.

Ministro da NZ vai estar em encontros de comércio, defesa no Japão – China View, 13 Maio
WELLINGTON, Maio 13 (Xinhua) – O Ministro do Comércio e Defesa da Nova Zelândia Phil Goff partirá para o Japão na Quarta-feira para se encontrar com os seus colegas nesse país para promover laços mais apertados na economia e segurança.

A visita de três dias apoia a fase no Japão da visita tripartida da Primeira-Ministra Helen Clark ao Japão e Coreia do Sul onde a primeira-ministra se encontrará com líderes de ambos os países.

"A Nova Zelândia atribui grande importância às suas relações com o Japão. O nosso comércio está avaliado em 7.3 biliões NZ dólares (5.6 biliões de dólares USA) e o Japão é o nosso terceiro maior mercado de exportação," disse Goff.

O Japão e a Nova Zelândia estão a trabalhar de perto em iniciativas de integração económica e de comércio regional, acrescentou.

Goff também atenderá e falará pela primeira vez no Forum de Amizade Japão Nova Zelândia.

O Forum de Amizade, em14-16 de Maio, está previsto ser o maior e mais significativo ajuntamento de líderes do governo e de negócios dos dois países alguma vez realizado, com cerca de 80 participantes de topo do Japão e Nova Zelândia já confirmados.

Nas questões de segurança, Goff e o chefe da defesa Japonesa discutirão questões de defesa internacional e regional e de segurança, incluindo desenvolvimentos no Pacífico, Afeganistão e Timor-Leste.

A Nova Zelândia e o Japão partilham muitos interesses de segurança que os levam eles próprios a mais próxima cooperação, incluindo auxílio a desastres e manutenção da paz, acrescentou.

UNMIT Daily Media Review - 14 May 2008


(International news reports and extracts from national media. UNMIT does not vouch for the accuracy of these reports)

Press Club, RTTL sign agreement – Televisaun Timor-Leste

Radio-Televisaun Timor-Leste (RRTL) and the Timor-Leste Press Club have signed a "Meet the Press" agreement on Tuesday (13/5) to disseminate information through Televisaun Timor-Leste (TVTL).

The accord was signed in the offices of TVTL in Caicoli, Dili by the Director of RTTL Antonio Dias and the President of the Press Club Domingos Saldanha.

Mr. Saldanha said that the accord was a real step to facilitate RTTL as a public medium to disseminate information about the "Meet the Press" programs through TVTL's studios.

“The Press Club wants to sign an accord with RTTL because RTTL is a public broadcaster whose branches could reach the people in the country, as well to foreign countries. That is why Press Club chose RTTL to transmit the Club's programs,” said Mr. Saldanha.

The Director of RTTL said that the agreement is also a positive step to disseminate information to the public.

“In this cooperation we hope that this is the first step between the Timor-Leste Press Club and TVTL to show the public that there is space to disseminate information to them,” said Mr. Dias.

The accord also states that the Timor-Leste Press Club will pay TVTL US$1,000 per year to disseminate their programs.

President: State to review work of the Joint Operation Command – Suara Timor Lorosa’e

President José Ramos-Horta said that the State is going to review the work of the Joint Operation Command in order to determine whether its mandate should be continued or not.

“We have discussed many things related to the current situation which concern the State’s efforts to strengthen national stability. We also discussed the review of the mandate of the Joint Operation Command to determine whether it should be continued or not,” said the President José Ramos-Horta to journalists after a meeting on Tuesday (13/5) at the President's office in Farol, Dili.

During the meeting, participants addressed the importance of both the F-FDTL and PNTL working together to strengthen the confidence that they have gained from the people since the crises broke out in 2006.

Meanwhile President José Ramos-Horta asked the petitioners to accept the proposed offer from the Government. If they want to rejoin military, they should follow the recruitment process. Those who want to return to civilian life should prepare themselves to receive a grant from the government to restart their lives.

“I believe that the recruitment process will be fair. The trained commanders will know and understand what to do,” said Horta.

MP: future election not decided by one party – Suara Timor Lorosa’e

PUN MP Fernanda Borges said that the future election is not decided by one party and is not something that only belongs to only one group. There was no need to discuss interests that belong to one party during this stage because everything has to be decided based on legal procedures.

“We need to know that there is a constitution, that the existing government has the confidence of the members of the National Parliament,” said MP Fernanda Borges on Tuesday (13/5) at National parliament.

PUN MP Fernanda Borges added that the AMP alliance members are only keen to listen to various rumours. She said that if this alliance was not going stand together confidently in the Parliament, then this government could fall.

Separately, KOTA MP Olinda Guterres said there is no need to obsess about the future election, as it was better for everyone to tackle current problems facing the nation.

“I would like to say that our people have suffered too much. There is no need to create more politics in order to politicize people and bring suffering to the people,” said Olinda Guterres.

AMP’s meeting: UNDERTIM to join – Diario Nacional and Timor Post

The Alliance of Majority in Parliament (AMP) held a meeting on Tuesday (13/5) in the residence of President of the National Parliament which was attended by CNRT President Kay Rala Xanana Gusmão, PSD President Mario Viegas Carrascalão, ASDT President Francisco Xavier do Amaral, PD President Fernando Lasama, and President UNDERTIM Cornelio Gama. The meeting was aimed at welcoming UNDERTIM in order to strengthen the position of the alliance to withstand any efforts to weaken it

CNRT President Gusmão explained that the meeting was held to discuss UNDERTIM joining the AMP. "We welcome it to strengthen the AMP,” explained Mr. Gusmão.

Separately, ASDT President Mr. Xavier said that his party is still in the AMP. The coalition of ASDT-Fretilin is not going to break the AMP down.

In addition, UNDERTIM President Mr. Gama said that his party is going to join AMP because they have the same programs to be implemented.

“We join AMP with the conscience that the AMP’s programs now being implemented are part of UNDERTIM’s programs, such as, giving attention to the veterans and vulnerable people. Another reason to join AMP is that some people trying to break the AMP, and we are joining to strengthen it,” said Mr. Gama.

PR Ramos-Horta: the petitioners not to be mixed in the new recruitment – Diario Nacional

President José Ramos-Horta said he is asking to not mix the new F-FDTL candidates with the petitioners in the recruitment process.

PR Horta said the decision made by the State is still the same: those who want to return to the military are welcomed through recruitment process and those who want to leave will be directly supported by the Government to make better their lives.

“If some petitioners might be disappointed then it should be explained that for those who were previously sergeants or officers, they will be allowed to take their posts. But they will have to undergo new training as have been away from the barracks for two years.

I think that the recruitment will take some time. It may be started with the [groups] of the petitioners, then the new candidates” said PR Horta on Tuesday (13/5) in Farol Dili.

Ed: What if I do not pass the recruitment …? – Diario Nacional

On Monday (12/5), the Government of the Alliance of Majority in Parliament (AMP) officially announced the results of the questionnaires submitted by the petitioners as one of the ways to solve their problems.

The results show that 339 petitioners want to return to the military and follow the recruitment process, and the other 356 prefer to be civilians.

The decision they made does not have significantly different implications. Those who return to F-FDTL will have their monthly salary as military personnel. The others will have equivalent of three years of salary as F-FDTL members.

The salary range will be US$3,600 to $7,260. PM Gusmão said that this is not small change.

Where does the money come from - from the State Budget or other sources?

If it comes from 2008 State Budget, was this planned for or not?

The public should know that the money is spent in order to guarantee transparency and accountability.

What to do if the petitioners are not recruited in the recruitment process? Do they still having the right to get three years salary or not?

The Government should take this into consideration to avoid any unwanted things happening in the future. We wait …

Horta wants UN to stay in E Timor – Angola Press, 13 May

United Nations should stay in East Timor until at least 2012, President Jose Ramos Horta has said.

He also said that there was still great potential instability and the country needed more time to organize its police and the economy. Mr Ramos Horta was seriously injured in an assassination attempt in February.

An Australian-led peacekeeping force returned to East Timor in 2006 after outbreaks of political violence which paralyzed the country.

Mr Ramos Horta said that peace in his country remained precarious and that he would like a UN presence in East Timor for at least the next five years. He also said it was likely the country would need Australian-led forces to stay on into next year.

Mr Ramos Horta narrowly survived a shooting attack by rebel soldiers in February, and said now was not the time for East Timor to handle its security situation alone.

"I want to play safe. I don’t want to, for sake of patriotism, pride, that we should ask sorry, now you can leave.

"We should be very cautious. That’s why I have said to UN we need UN police here for at least 5 years - up to 2012."

He said the numbers and the mission could change, but that a UN force of some kind was needed "to give us the time and space to reorganize our defence force, our police force, to improve our economy, to reduce the social tensions arising from poverty and unemployment".

Many people have criticized the UN for pulling out too soon in those early years - but Mr Ramos Horta said East Timor itself must accept some of that blame.

The unwillingness of UN contributors to pay for long peacekeeping missions, said Mr Ramos Horta, is a major problem.

Committing to a country like East Timor for several years - rather than in six or 12-month cycles - he said, would mean big improvements.



UNMIT Revista Diária dos Media - 14 Maio 2008


(Relatos de notícias internacionais e extractos de media nacionais. A UNMIT não garante a correcção destes relatos)

Press Club, RTTL assinam acordo – Televisaun Timor-Leste

Radio-Televisaun Timor-Leste (RRTL) e o Timor-Leste Press Club assinaram um acordo "Encontro com a Imprensa" na Terça-feira (13/5) para disseminar informação através da Televisaun Timor-Leste (TVTL).

O acordo foi assinado nos escritórios da TVTL em Caicoli, Dili pelo director da RTTL António Dias e o Presidente do Press Club Domingos Saldanha.

O Sr. Saldanha disse que o acordo era um passo real para facilitar à RTTL como meio público a disseminação da informação nos programas "Encontros com a Imprensa" através dos estúdios da TVTL.

“O Press Club quer assinar um acordo com a RTTL porque a RTTL é um emissor público cujos ramos podem atingir as pessoas no país, bem como países estrangeiros. Foi por isso que o Press Club escolheu a RTTL para transmitir os programas do Club,” disse o Sr. Saldanha.

O Director da RTTL disse que o acordo é também um passo positivo para disseminar a informação à população.

“Nesta cooperação esperamos que este seja um primeiro passo entre o Timor-Leste Press Club e a TVTL para mostrar à população que há espaço para lhes disseminar informação,” disse o Sr. Dias.

O acordo também afirma que o Timor-Leste Press Club pagará à TVTL US$1,000 por ano para disseminar os seus programas.

Presidente: Estado vai rever o trabalho do Comando da Operação Conjunta – Suara Timor Lorosa’e

O Presidente José Ramos-Horta disse que o Estado vai rever o trabalho do Comando da Operação Conjunta de modo a determinar se o seu mandato deve ser continuado ou não.

“Discutimos muitas coisas relacionadas com a corrente situação que preocupam os esforços do Estado para reforçar a estabilidade nacional. Discutimos também a revisão do mandato do Comando da Operação Conjunta para determinar se deve ser continuado ou não,” disse o Presidente José Ramos-Horta aos jornalistas depois de um encontro na Terça-feira (13/5) no gabinete do Presidente no Farol, Dili.

Durante o encontro, participantes salientaram a importância de ambas F-FDTL e PNTL trabalharem juntas para reforçar a confiança que ganharam no povo desde que irrompeu a crise em 2006.

Entretanto o Presidente José Ramos-Horta pediu aos peticionários para aceitarem a oferta proposta pelo Governo. Se se quiserem re-integrar na força militar, têm de seguir o processo de recrutamento. Os que quiserem voltar para a vida civil devem preparar-se para receber a doação do governo para recomeçar as suas vidas.

“Acredito que o processo de recrutamento será justo. Os comandantes de formação saberão e compreendem o que fazer,” disse Horta.

Deputada: futuras eleições não são decididas por um partido – Suara Timor Lorosa’e

A deputada do PUN Fernanda Borges disse que as futuras eleições não são decididas por um partido e que não é coisa que pertença apenas a um grupo. Não há necessidade de discutir interesses que pertencem a um partido neste estágio porque tudo tem de ser decidido com base em procedimentos legais.

“Precisamos de saber que há uma constituição, que o governo existente tem a confiança dos membros do Parlamento Nacional,” disse a deputada Fernanda Borges na Terça-feira (13/5) no Parlamento Nacional.

A deputada do PUN Fernanda Borges acrescentou que os membros da AMP estão apenas disponíveis para ouvir vários rumores. Disse que se esta aliança não se vai manter junta com confiança no Parlamento, então este governo pode cair.

Em separado a deputada do KOTA Olinda Guterres diz que não há necessidade de estarem obssecados com eleições futuras, dado que é melhor toda a gente resolver os problemas correntes que a nação enfrenta.

“Quero dizer que o nosso povo sofreu demasiado. Não há necessidade de fazer mais política para politicizar o povo e levar sofrimento ao povo,” disse Olinda Guterres.

Encontro da AMP: UNDERTIM vai juntar-se – Diario Nacional and Timor Post

A Aliança da Maioria no Parlamento (AMP) realizou um encontro na Terça-feira (13/5) na residência do Presidente do Parlamento Nacional onde participaram o Presidente do CNRT Kay Rala Xanana Gusmão, o Presidente do PSD Mário Viegas Carrascalão, o Presidente da ASDT Francisco Xavier do Amaral, o Presidente do PD Fernando Lasama, e o Presidente do UNDERTIM Cornélio Gama. O encontro teve o objectivo de saudar a entrada do UNDERTIM de modo a reforçar a posição da aliança para aguentar quaisquer esforços para a enfraquecer

O Presidente do CNRT Gusmão explicou que o encontro se fez para discutir a entrada do UNDERTIM na AMP. "Damos-lhes as boas vindas para reforçar a AMP,” explicou o Sr. Gusmão.

Em separado, o Presidente da ASDT Sr. Xavier disse que o seu partido está ainda na AMP. A coligação ASDT-Fretilin não vai derrubar a AMP.

Em adição, o Presidente do UNDERTIM Sr. Gama disse que o seu partido se vai juntar à AMP porque têm os mesmos programas para implementar.

“Juntamo-nos à AMP com a consciência de que os programas da AMP agora a serem implementados são parte dos programas do UNDERTIM, tais como, dar atenção aos veteranos e pessoas vulneráveis. Uma outra razão para nos juntarmos à AMP é porque algumas pessoas estão a tentar romper a AMP,e juntamo-nos para a reforçar,” disse o Sr. Gama.

PR Ramos-Horta: os peticionários não se vão misturar no novo recrutamento – Diario Nacional

O Presidente José Ramos-Horta disse que pede para não misturar os novos candidatos às F-FDTL com os peticionários no processo de recrutamento.

O PR Horta disse que a decisão tomada pelo Estado é ainda a mesma: os que querem regressar à força militar são bem-vindos através do processo de recrutamento e os que quiserem sair são apoiados directamente pelo Governo para fazerem melhores vidas.

“Se alguns peticionários ficarem desapontados então deve-se-lhes explicar que os que antes eram sargentos ou oficiais, serão autorizados a retomar os seus postos. Mas terão de passar por nova formação dado que estiveram afastados dos quartéis durante dois anos.

Penso que o recrutamento demorará algum tempo. Poderá começar com o [gupo] de peticionários, depois os novos candidatos” disse o PR Horta na Terça-feira (13/5) no Farol Dili.

Ed: O que é que me acontecerá se não ficar aprovado no recrutamento …? – Diario Nacional

Na Segunda-feira (12/5), o Governo da Aliança da Maioria do Parlamento (AMP) anunciou oficialmente os resultados dos questionários submetidos pelos peticionários como uma das maneiras para resolver os seus problemas.

Os resultados mostram que 339 peticionários querem regressar à força militar e seguir o processo de recrutamento e que os outros 356 preferem ser civis.

A decisão que eles tomaram não tem implicações significativamente diferentes. Os que regressarem às F-FDTL terão os seus salários mensais como pessoal militar. Os outros terão o equivalente a três anos de salário dos membros das F-FDTL.

O salário variará entre US$3,600 a $7,260. O PM Gusmão disse que isto não são trocos pequenos.

Donde é que vem o dinheiro – do Orçamento do Estado ou de outras fontes?

Se vem do Orçamento do Estado de 2008, havia planeamento para isso ou não?

A população deve saber que o dinheiro é gasto para garantir transparência e responsabilização.

O que fazer se os peticionários não forem recrutados no processo de recrutamento? Têm ainda o direito ao salário de três anos ou não?

O Governo deve ter isto em consideração para evitar que aconteçam coisas não queridas no futuro. Nós esperamos …


Bolsas de estudo - estudantes provenientes dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa e de Timor

A Fundação Millennium Bcp concede bolsas de estudo em Portugal, a estudantes provenientes dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa e de Timor, para:

Realização de mestrados
Licenciaturas - apenas renovações
Carta de apresentação com breve exposição sobre as razões e motivações subjacentes à candidatura (a enviar por correio electrónico)

Os pedidos de bolsa são seleccionados de acordo com vários critérios, entre os quais salientamos os seguintes:
Licenciatura completa
Carência económica comprovada

Para ver mais clicar no link abaixo:


Prisão de Colmera "esvaziada" depois de pedido de "habeas corpus"

Díli, 13 Mai (Lusa) - Todos os suspeitos detidos em Colmera, Díli, incluindo Gastão Salsinha, foram hoje transferidos de prisão, dias depois de a Defensoria Pública ter apresentado uma providência de "habeas corpus", afirmaram à Lusa fontes judiciais.

Na origem do "esvaziamento" da messe de Colmera parece estar, segundo as fontes contactadas pela Lusa, a apresentação de uma providência de "habeas corpus" pela Defensoria Pública e a possibilidade de um dos beneficiários "estar detido por ninguém ter reparado que não havia nada contra ele".

"A casa de Colmera foi esvaziada hoje, por decisão súbita", afirmou à Lusa uma fonte judicial que pediu o anonimato e que não quis indicar "quem tomou a decisão".

Entre os presos transferidos para outro local está o ex-tenente Gastão Salsinha, suspeito de envolvimento no duplo ataque de 11 de Fevereiro contra o Presidente da República de Timor-Leste, José Ramos-Horta, e o primeiro-ministro, Xanana Gusmão.

"Os arguidos que eram alvo de mandados de captura foram transferidos para a prisão de Becora [em Díli]. Os que estão sujeitos apenas à medida de termo de identidade e residência estão em Aitarak Laran", segundo a mesma fonte.

Aitarak Laran, em Díli, é o campo onde estão acantonados mais de seiscentos ex-peticionários das Forças Armadas, a poucas centenas de metros de Colmera.

A Lusa tentou, sem resultado, obter confirmação e esclarecimentos oficiais sobre a transferência de presos junto do comando conjunto da operação "Halibur" e dos magistrados ligados ao processo de 11 de Fevereiro.

Com Gastão Salsinha estavam detidos nas instalações de Colmera outros elementos acusados de participação ou cumplicidade nos ataques de Fevereiro, incluindo vários dos homens que pertenceram ao antigo grupo do major Alfredo Reinado.

Amaro da Costa "Susar", braço-direito de Alfredo Reinado, considerado uma das peças centrais do processo, e os três detidos timorenses extraditados pela Indonésia há uma semana estavam também detidos em Colmera.

Ao final da tarde de hoje, "não era visível nenhum do habitual aparato de segurança junto da casa", segundo uma fonte ligada ao processo do 11 de Fevereiro.

Trata-se da casa e anexo da messe de oficiais das Falintil-Forças de Defesa de Timor-Leste (F-FDTL), no centro do bairro comercial de Colmera, instalação recém-recuperada e que o Governo indicou, no final de 2007, como estabelecimento prisional de alta segurança, até à construção de um edifício de raiz.

Até agora, 18 dos arguidos no processo do 11 de Fevereiro encontram-se em prisão preventiva, desconhecendo as autoridades judiciais contactadas pela Lusa quantos ou quais estavam em Colmera e noutros estabelecimentos, "uma vez que o local de cumprimento da medida de coação é uma decisão da competência do Ministério da Justiça".

A defensora pública internacional Zeni Ardnt confirmou hoje à Lusa que apresentou a 08 de Maio o "habeas corpus" em benefício de Tito Tilman e de Ventura.

Zeni Arndt declarou à Lusa que "Tito Tilman está desaparecido" e que recebeu "notícias não confirmadas de que a família de Ventura está a ser ameaçada para não indagar do paradeiro do familiar".

Segundo a defensora internacional, apenas três dos quatro timorenses extraditados pela Indonésia foram presentes a juiz. O quarto, Tito Tilman, não foi ouvido.

Zeni Arndt acrescentou que não existe contra Tito Tilman nem contra Ventura, apesar de este ter pertencido ao grupo de Alfredo Reinado, qualquer mandado de captura, informação que a Lusa confirmou também hoje junto do Ministério Público.

O mesmo magistrado do Ministério Público timorense acrescentou que a providência de "habeas corpus" ainda não obteve resposta, mas que o Tribunal de Recurso "já pediu informações sobre os dois elementos".

O prazo legal para a resposta à diligência feita pela defensora pública é de oito dias, neste caso, até 16 de Maio.

"Não há nenhum suporte processual que justifique a detenção de Tito Tilman ou de Ventura", adiantou o magistrado do Ministério Público ouvido pela Lusa.

"Se eles estiverem detidos, pode considerar-se que estão sequestrados e alguém pode estar a cometer um crime de detenção ilegal", acrescentou o magistrado.

"A detenção é ilegal, pois que até ao presente momento não foi apresentado ao juiz competente, em total afronta à Constituição da República e à Lei Adjectiva Penal vigente", acusou Zeni Arndt no enunciado da providência, a que a Lusa teve acesso.

A acusação de cárcere privado é dirigida, formalmente, contra o Comando Conjunto da "Halibur", através do tenente-coronel Filomeno Paixão, das F-FDTL, e do inspector Mateus Fernandes, da Polícia Nacional de Timor-Leste (PNTL).

"Não possuíam mandado judicial e agiram com arbítrio, prepotência e artimanha ao encarcerarem Ventura na prisão em Colmera sem autorização legal para tal", acrescenta a providência de "habeas corpus".

A defensora pública manifestou-se apreensiva com o paradeiro de Tito Tilman e de Ventura, "porque isto constitui um crime gravíssimo, de cárcere privado", segundo explicou à Lusa.

Zeni Arndt tencionava visitar hoje a messe de Colmera mas a visita acabou por não ser possível por questões de agenda dos defensores públicos.

A defensora internacional esteve em Colmera dia 08 de Maio e pode "garantir" que ainda lá estava Tito Tilman e também Ventura, segundo informação prestada por Ismael Sansão Moniz Soares, um dos presos extraditados da Indonésia.

Depois dessa data, nada existe, oficialmente, sobre o paradeiro dos dois detidos.

A defensora internacional solicitou a libertação imediata dos dois indivíduos.



Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.