terça-feira, maio 13, 2008

ONU considera "infeliz" contrato do PNUD com ex-ministro da Defesa

Díli, 12 Mai (Lusa) - A sede das Nações Unidas (ONU) em Nova Iorque considerou "infeliz" o contrato laboral entre uma das seus agências em Timor-Leste e o ex-ministro da Defesa, revelou hoje o semanário "The Dili Weekly", publicado em Díli.

Um alto responsável da ONU, Larry D. Johnson, secretário-geral adjunto para Assuntos Jurídicos, recomendou indirectamente ao chefe da Missão Integrada das Nações Unidas em Timor-Leste (UNMIT), Atul Khare, que o contrato com o ex-ministro Roque Rodrigues fosse "rescindido".

A contratação do ex-ministro da Defesa do I Governo Constitucional pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) para assessor do Presidente da República, José Ramos-Horta, foi criticada numa troca confidencial de notas entre a sede da ONU e a missão em Timor-Leste.

O contrato do PNUD com Roque Rodrigues foi analisado em Nova Iorque após uma carta também confidencial do embaixador dos Estados Unidos da América e críticas no mesmo sentido "veiculadas pela embaixada da Austrália" em Timor-Leste, refere o semanário bilingue "The Dili Weekely".

Em causa está a contratação pelo PNUD de um dos nomes indicados para abertura de processo no relatório da Comissão Especial Independente de Inquérito para Timor-Leste (CEII), criada pela ONU após a crise política e militar de 2006.

"O contrato com Roque Rodrigues coloca a ONU numa posição delicada e é potencialmente lesivo da sua credibilidade e imagem", declara Larry D. Johnson.

O contrato é válido até final do ano.

"As provas relativas à movimentação, posse e uso ilegal de armas das F-FDTL (Falintil-Forças de Defesa de Timor-Leste) demonstram que essas armas foram distribuídas por e/ou com o conhecimento e aprovação das seguintes pessoas", escreve o relatório, iniciando a lista de nomes por Roque Rodrigues e por Taur Matan Ruak, chefe do Estado-Maior-general das Forças Armadas, além de outros oficiais superiores.

"A Comissão recomenda que estas pessoas sejam processadas judicialmente por transferência ilegal de armas", acrescenta o relatório da CEII no mesmo parágrafo.

Roque Rodrigues, que desde o final de 2007 integra o Grupo para a Reforma do Sector de Segurança, a funcionar na Presidência da República, foi contratado nessas funções de assessoria pelo PNUD a partir de 05 de Março de 2008.

Larry D. Johnson, o mais alto especialista em assuntos jurídicos da ONU, recorda na sua nota confidencial que o embaixador Hans Klemm escreveu a Atul Khare a 16 de Abril tomando posição contra a contratação de Roque Rodrigues.

O diplomata dos EUA opôs-se, em termos enérgicos, "a qualquer acção pela UNMIT ou qualquer outra agência da ONU em contratar um indivíduo identificado pela CEII como fundadamente suspeito de ter participado nas graves actividades criminosas em 2006".

Hans Klemm adiantava que se opunha a tal contratação "até que as autoridades competentes do governo de Timor-Leste dêem seguimento às recomendações" da CEII.

Considerava ainda o embaixador dos EUA em Díli que, segundo a citação que é feita por Larry D. Johnson, "tal atitude iria fragilizar a capacidade da ONU em pressionar com credibilidade a favor da responsabilização no futuro".

Hans Klemm condenava também "qualquer arranjo laboral indirecto pelo qual uma entidade exterior à ONU contrata um indivíduo citado pela CEII como um suspeito criminoso usando fundos fornecidos pela ONU".

Contactada hoje pela Lusa, a embaixada dos EUA declinou "desmentir ou confirmar" a existência da carta de Hans Klemm ou o seu conteúdo.

Roque Rodrigues, questionado pela Lusa sobre a natureza do seu contrato com o PNUD, afirmou apenas que "todos os esclarecimentos podem ser pedidos ao Presidente da República".

Contactada a Presidência da República, fonte oficial do gabinete de José Ramos-Horta respondeu que, sobre o contrato do ex-ministro da Defesa, o chefe de Estado timorense "nada tem a declarar".

A nota confidencial assinada por Larry D. Johnson, e a que a agência Lusa teve hoje acesso, é dirigida a Edmond Mulet, secretário-geral adjunto para Operações de Paz (DKPO), com cópia a vários destinatários, entre os quais a chefia central do PNUD.

Finn Reske-Nielsen, representante permanente do PNUD em Timor-Leste e número dois da UNMIT, que esta semana está a chefiar interinamente a missão por ausência de Atul Khare em Nova Iorque, não respondeu a um pedido de esclarecimento enviado pela Lusa.

Lyndon D. Johnson, em página e meia de análise da situação de Roque Rodrigues, refuta com veemência o argumento apresentado pela UNMIT e pelo PNUD de que o contrato com o ex-ministro da Defesa segue o princípio da presunção de inocência.

"O caso em apreço não tem a ver com a culpa ou a inocência do senhor Roque Rodrigues, mas antes com uma questão de política sobre se a ONU devia ter contratado uma pessoa sob a qual a CEII tem fundadas suspeitas de ter cometido um crime grave", escreve o chefe dos assessores jurídicos das Nações Unidas.

Larry D. Johnson conclui que a ONU "deve procurar rescindir a sua relação contratual com Roque Rodrigues, a fim de minorar mais danos" à organização.

Para Nova Iorque, a rescisão pode ser feita por mútuo consentimento, ainda que seja preciso indemnizar o ex-ministro da Defesa com "o equivalente a parte, ou mesmo o total dos salários", que Roque Rodrigues devia receber até final de 2008.

O chefe da unidade legal da ONU deixa também a sugestão de o PNUD estudar "se há uma base para o contrato ser rescindido de imediato".

PRM.
Lusa/fim

NOTA DE RODAPÉ:

A nós parece-nos infeliz é as críticas virem dos diplomatas americanos e australianos que conseguiram que o Relatório "Independente" das Nações Unidas não os referisse como os principais responsáveis da crise de 2006...

7 comentários:

Anónimo disse...

"As provas relativas à movimentação, posse e uso ilegal de armas das F-FDT"..."iniciando a lista de nomes...".

As provas, à semelhança das (não) encontradas no Iraque, vista a credibilidade e fidelidade das fontes do onde provêm, são no mínimo duvidosas. Trata-se de mais uma tentativa bem ao estilo americano-australiano de, arranjando um inimigo público vísivel, esconderem algo muito maior.

É necessário procurar em tantos exemplos negros na história da ONU que contribuíram para uma má imagem e falta de credibilidade da ONU, um dos exemplos a mais elevado nível o de Kurt Waldheim, que antes de se tornar o secretário-geral da organização era um oficial nazi procurado pelos crimes de guerra, para agora um Roque Rodrigues constituir a ameaça grave?

A imagem da ONU em Timor não ficou manchada ainda há pouco tempo no ataque ao Presidente, Ramos-Horta, quando a UNPOL ficou a observar sérena e impavidamente o PR de Timor-Leste a perder cada minuto mais sangue e quase morrer. É de notar ainda que se trata do presidente dum país e não dum cidadão comum? Nem vamos imaginar como seria neste caso!

Talvez os Australianos preferiam que o assessor do Presidente de República fosse australiano,não?
Num sentimento de impotência vão espelhar o veneno na ONU. Víboras!!!!

Margarida disse...

Esse tal Lyndon D. Johnson comete no mínimo um grave abuso pois se qualquer arguido se presume inocente até à condenação judicial definitiva o Roque nem sequer arguido foi constituído. Além de que nenhuma Comissão, nem sequer da ONU, se pode substituir aos tribunais do país.

h correia disse...

"O contrato do PNUD com Roque Rodrigues foi analisado em Nova Iorque após uma carta também confidencial do embaixador dos Estados Unidos da América e críticas no mesmo sentido "veiculadas pela embaixada da Austrália" em Timor-Leste"

Eis a prova de que EUA e Austrália interferem directamente nos assuntos internos de Timor-Leste - à atenção dos incrédulos que chamavam a isto "teoria da conspiração". Infelizmente, não é teoria.

Que legitimidade têm estes dois países de interferir numa questão que só diz respeito à ONU e a Timor-Leste?

A resposta só pode ser uma: estes países julgam que são donos de Timor, o "fundo do quintal", como lhe chamou Howard.

E qual é a objecção? O Sr. Larry Johnson, que tem um nome beasquetebolístico mas prefere outros "desportos", vai dizendo que a CEII tem "fundadas suspeitas" de Roque Rodrigues "ter cometido um crime grave". Ora isto é mentira: a CEII apenas recomendou "que estas pessoas sejam processadas judicialmente", o que não equivale a declará-las suspeitas, algo que só aos tribunais diz respeito. Para além disso, a própria comissão diz no preâmbulo do seu relatório que apenas faz recomendações, não pretendendo acusar ou condenar ninguém.

Os tiques de Bocassa ou Mugabe destes americanos e seus lacaios a respeito de uma pessoa que está inocente até prova em contrário - e já lá vão dois anos sem qualquer prova produzida - fazem lembrar o derrube do PM legitimo, em 2006, com insinuações ridículas semelhantes. Dessa vez o pretexto foi a célebre videocassete de um programa difamatório australiano enviado a Xanana, que se apressou a considerá-lo Lei divina, como Moisés fez com as tábuas dos dez mandamentos.

Penso que não restam dúvidas sobre quem esteve por trás desse outro "afastamento"...

Anónimo disse...

A ONU, desta feita ao abrigo da capa dos EUA e da Australia, e com o seu total apoio, farao tudo para acabar de vez com as F-FDTL. Querem instituir uma organizacao policial com componentes de paramilitarizacao e, para tal, as F-FDTL teriam de ser desmanteladas.

O papel desempenhado pelas F-FDTL durante o golpe, impediu a fragmentacao do Estado e, consequentemente, o seu desaparecimento total e a criacao do protectorado tão almejado pela ONU, EUA e Australia.

Como ainda nao conseguiram - e dificilmente conseguirao - chegar a Taur Matan Ruak, tentam chegar a outros 'elos' que levem ao mesmo objectivo, mesmo que leve mais tempo.

Agora é Roque Rodrigues. Só quem não o conhece é que pode 'aceitar' a argumentação utilizada ...

Pessoalmente, acho que seria optimo Roque Rodrigues e Taur Matan Ruak irem a tribunal. Seria uma bela forma de sabermos o muito que ainda está obcuro relativamente a 2006 e ao papel desempenhado por tantos 'heróis'.

Uma coisa é certa, são duas pessoas de enorme integridade, que não se vendem, e que falarão a verdade.

Será por isso que é "preciso destrui-los"?

Anónimo disse...

When the succession of US Scertaries of states and defence or for that matter presidents who conspired with, aided and abetted regimes from Pinochet's to Batista's to that in nicaragua and Honduras and Guatemala and El Salvador, and the Shah of Iran and the Us general's and others responsible for Guantanamo Bay and Abu Grahib etc etc etc are similarly condemned even before being convicted without being availed of the presumption of innocence, should the USA and its sherrif in Asia/Pacific even dare to condemn a Timorese patriot like Roque Rodrigues as they have. More to the point, have they objected so vehemently to Xanana gusmao who has been accused of being responsible for the crisis that beset Timor-Leste in 2006? There is as much ample evidence for that. Do they ban the current president of the national parliament from attending US official fucntions because he and his party are well known to have supported Alfredo Reinado who is accused for having led an attempted assassination plot gainst the president of Timor-Leste? The man who held a reception for Reinado in june 2006 in Suai welcoming him as a hero. Will the US State Department take action against those of their employees like Ms Liz Wharton who openly and prudly announced that she admired Alfredo reinado and along with others including US Ranger Ron Sargeant and the Regional Security Officer met with Reinado? No. They will not I suspect because they only dislike Roque Rodrigues because he has the intellect, integrity and patriotic strengh to fearlessly and inependently adivise the President of the Republic in the interests of Timor-Leste, whilst those of the ilk of Australian Army Major M Stone advises him in the interests of Australia and its ally the USA. Isn't it Major Stone who is advising the President against an international commission of Investigation into the 11 February events because it will also bring his masters under the microscope. The USA and its lackey Australia should just butt out of Timor-Leste's affairs. The Timorese know who you are and what you are up to. Your days under the sun of being able to con some Timorese have come to an end.......in fact came to an end when those with interests opposed to those of Timor-Leste (who you and your government's supported in the form of Alfredo and the petitioners) tried to kill its avowed advocate in the shape of the President. Lets just say that we can all be confident that everyone from the president down to the taxi driver and phone card salesman all know who they can and cannot trust now. is it any wonder the GNR are now encharged with guarding the president to the exclusion of other contingents? Your games are up.......!!!!!!! Go home is what my Timorese frinends are telling me.

Anónimo disse...

Roque Rodrigues a possuir e usar armas ilegalmente??????


Haaaaaa!!! Haaaaaa!!! Haaaaaaaa!

Só os mongoloídes podiam inventar isto!

Devem ter visto o Roque manter, possuir e usar livros que confundiram com as armas!

Isabel Carvalho disse...

Concordo que é de facto ridícula toda esta história ... mais uma, talvez para desviar as intenções reais por detrás desta jogada.

Porquê este ataque a Roque Rodrigues?

As funções que desempenha actualmente, por nomeação do Presidente da República, ligam-se à reforma do sector de segurança e defesa.

Quem o conhece, quem conhece os seu passado de integridade e honestidade, só pode mesmo é pensar: qual a intenção deste ataque?

A resposta está nas respostas às seguintes perguntas:

1 - O que pretendem os EUA e a Austrália com esta reforma?
2 - O que pretende o actual governo com esta reforma, não esquecendo quem é o actual titular da pasta da defesa: o PM?
3 - Porque é que o PR tem um grupo de coordenação para a reforma deste sector na Presidência da República?
4 - Qual o papel desempenhado pela PNTL e pelas F-FDTL durante a crise?

Roque Rodrigues é o bode expiatório para uma situação que os EUA e a Austrália querem controlar e não estão a conseguir.

É triste, pegarem numa pessoa como o Roque ...

Em Timor-Leste, como em qualquer outro país, e nos meios políticos em geral, já são demasiados os 'pecadores' e poucos os que mantém a verticalidade do Roque Rodrigues.

Duvido que vejas este - ou qualquer outro blog, sabendo que não és propriamente um entendido nestas tecnologias - mas, independentemente das intenções por detrás do ataque, sinto que é devida uma palavra de força, Roque, confio em ti, na tua integridade e lealdade a Timor-Leste!

São muitos os que te conheceram ao longo dos anos e nutrem uma amizade e respeito que persiste e se reforça com a tua postura.

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.