terça-feira, janeiro 15, 2008

O que dizia, o agora PR, Ramos-Horta, em Junho de 2006...

O que dizia Ramos-Horta sobre o PM Mari Alkatiri, acusado por Railos:

DR JOSE RAMOS HORTA, MINISTER FOR DEFENCE: Even if I feel in my conscience that I am innocent, even if or... in my conscience as well, you know, these allegations are not all 100 per cent true but are 10 per cent true, I would have stepped down, you know? My own honour, my own dignity, my own pride would not, keep me, you know, in office.

(DR JOSÉ RAMOS HORTA, MINISTRO DA DEFESA: Mesmo se sentir na minha consciência que estou inocente, mesmo se ou... na minha consciência também, sabe, essas alegações não são todas 100 por cento verdades mas são 10 por cento verdades, eu teria saído, sabe? A minha própria honra, a minha própria dignidade, o meu próprio orgulho não me deixariam, manter-me, sabe, no gabinete.)

In Australian Broadcasting Corporation
Program Transcript
Reporter: Liz JacksonDate: 19/06/2006

E o que diz agora Ramos-Horta de Xanana acusado por Reinado:

Dr Ramos Horta says he will not be calling for the Prime Minister's resignation."I cannot do it because these are allegations by one individual in a very vague manner."

(O Dr Ramos Horta diz que não pedirá a resignação do Primeiro-Ministro."Não posso fazer isso porque estas são alegações de um indivíduo num modo muito vago.")

Pois é. Coluna vertebral? Não tem...

TalkAsia interview with Jose Ramos Horta

(CNN) -- Dr. Jose Ramos-Horta is the president of East Timor, the former Portuguese colony shattered by conflict in 1999. The Nobel Peace Prize laureate recently spoke with CNN's Richard Quest in the presidential office about his lifelong work fighting for his people, achieving independence, and the 2006 violence that plagued the country.

Ramos-Horta also spoke about the role the United Nations plays in his country and how he has reconciled with the Indonesian army


RQ: Hello, welcome to TalkAsia. I'm Richard Quest in Dili, East Timor. Look at the picture behind me, it is picture postcard perfect. White sandy beaches, crystal clear blue water, a nice spot for a bit of tourism. But this is East Timor, a country driven by decades of strife and violence. My guest this week on TalkAsia is the new president of the country, Jose Ramos Horta. This is TalkAsia.

We met in Dili where the international community is still working to make East Timor a safe place to live.

RQ: For three decades, you fought for independence. And then you got it, and you went one better, you became President of the country. But you are in that very small group of people in the world, who are in many ways, above politics, above party politics. And I think of the prime example, Nelson Mandela, the people who are, have transcended the daily fight.
JRH: Well, of course I don't want to create any, mislead anyone. I definitely do not compare myself to Nelson Mandela, I'm me, with my limited qualities and my many flaws, my many sins. But yes, I abhorred party politics in this country. I quit party politics almost 20 years ago, to be fairly neutral, not to be above anyone, but I simply refuse to be involved in our petty partisan politics, it does not mean that there are not many good people in the political party system. Of course there are, there are many good people, and because of them that I have hopes for our country and for democracy in this country.

RQ: You are that rare breed of international politician, a Nobel Peace Prize winner, but nobody says no to you.

JRH: I'm a fortunate that having to spent 24 years abroad, but I put a lot of effort in cultivating people. I have many good friends in Washington, in US Congress, in Europe, in Australia, in Asia, everywhere. But because I did it out of respect for these people whom I came across, and they were very caring about East Timor. So today I'm very privileged to say that I'm in the good favor of someone like Bill Clinton, I'm in good favor of many senators in Washington.

RQ: Which countries around the world do you believe you can, if not emulate, at least imitate?

JRH: Well we of course, we are a bit over a million now. 1.1 million. Population growth is very, very high, I don't know if it's something we should be proud of. But we oil and gas resources, tremendous potential for tourism, our coffee is, I would say the best in the world. I would see East Timor develop as Dubai. We have a United Arab Emirates, particularly Dubai. We have oil, we have gas, if we invest strategically, wisely. If we diversify right now our current investment portfolio, where we have 1.5 billion dollars in US treasury bonds, we get 100 million dollars every month, and this will increase in the next few years from other fields. We can turn East Timor into a sort of Dubai in Southeast Asia.

RQ: What do you see as being the UN's role here? What do you think of the United Nations?

JRH: Well the UN obviously is not made up entirely of Mother Teresas and the Einsteins. The UN is us, all of us. East Timor is a member of the UN. And we all are the qualities and the flaws. The UN in our country was extremely important particularly in 1999, when the Security Council in a very expeditious manner, authorized a peacekeeping force, peace enforcing force to come to Timor Leste. But then the Security Council authorized, the then UN transition administration, to be here only for two years, to build a nation-state from ashes. Well I told friends in the Security Council, not long ago, a few months ago in New York, do you realize how long does it take to make a small takeaway business, takeaway restaurant in New York, Manhattan, profitable? Well, three, five years. Do we want to make a nation-state viable in two years?

RQ: How long will it take, do you believe, to create this nation-state then?

JRH: Well, we need...because we started from zero in 2002. The UN had two year mandate to build the institution of the state. In two years! It's mind-boggling, you know, that they thought in New York that you can build a nation-state in two years. But it was not only the fault of the UN. Many of our own people here, leaders included, were in a hurry to get in the panels. After 24 years, after 500 years of Portuguese rule. I was a lonely voice who argued at the time in New York and here, we should try to get the UN to be here for at least five years and then independence come only at the fifth year. But by the time the UN left in 2002, we have basically the sketch, the skeleton of a state, not a really functioning state.


Intro- RQ: After years of calm...

RQ: From the outside looking in, you fought for so many years for peace and independence. You got independence. So why is there still violence here?

JRH: Well, sometimes, it's obviously there is a much exaggeration in the way the situation here is reported. The politicians fight each other but I have not seen a politician in this country fighting each other with guns. The violence that took place last year was mostly done by some elements in the armed forces, in the police, that were...resented each other. There were rivalries in discipline and there were violence carried out by gangs, youth gangs, partly because of drugs, alcohol, partly because of feeling of alienation, of poverty and unemployment.

RQ: But you did call in an external military force from Australia and New Zealand.

JRH: That's true, we could have prevented a civil war on our own, maybe. But at that time, I was foreign minister still. I discussed this dilemma with my friends, my colleagues, including with the bishop. Our pride aside, we simply thought we should not take chances; we should not risk more people getting hurt. We thought no, we could not risk lives here. There are divisions, deep divisions within our police force, deep divisions within our defense force. The two institutions that are supposed to guarantee security and tranquility to our people were divided up, were fighting each other. So we decided no, let's call support from our friends like Australia, New Zealand, Malaysia, and Portugal.

RQ: I've met many people for whom I've used the phrase "they've lived in exile." But I've never understood, so tell me sir, what is it like to go into exile? What's it like?

JRH: Well, you know when I first arrived in New York, December '75. Having never been in a big city in my life, have never seen snow in my life, and my duty was to speak before the Security Council at age 25 or 26. My first meeting was with the-then Soviet Union ambassador Mr. Yakov Malik. Someone in his 70s. He was already Soviet ambassador in San Francisco, when the UN was founded. Well the whole time I was talking to him, briefing him about East Timor, he was sleeping. And because you're sleeping and because I'm very polite, I talked even more softly because I didn't want to wake him up. And also I was worried, if I talked too loudly, he'll wake up, he gets annoyed at me for waking him up. So that was my first great diplomatic encounter in New York.

RQ: I suppose you spent a lot of time explaining to people where East Timor is on the map.

JRH: That's true. Most people...well in the UN they knew. But Americans, New Yorkers, every time I tell someone that I'm from East Timor, they say, you mean you're an Eskimo? Or they'll say, oh you're from Istanbul? Just to explain to people where we are, who we are, what we want...

RQ: You never gave up, what kept you going?

JRH: No, I actually never thought of giving up. Or every time something like that cross my mind, I would...a voice would tell me, my conscience would tell me, that if I were to give up, I would be betraying those who trusted me to speak for them.

RQ: Your personal loss during the years of struggle was quite huge, wasn't it?

JRH: Yes, I lost a sister and two younger brothers.

RQ: Two of whom you don't even know where they're buried?

JRH: Exactly. Yes. Till today, we don't know how they were killed, where they were killed. The sister, the luckiest one, she was killed. People saw she's been killed, she was buried. The local people, humble people, barefoot, poor, kept watch on her for 24 years. Then when I came back, I went to that village, we dug out her body and we reburied in the family grounds in Dili. The other two, we don't know where, how they were killed.

RQ: How do you live with that?

JRH: Well I absolutely...unable to. It's part of the enormous sacrifice many other Timorese, thousands of Timorese paid for it. My mother, who today lives in Australia, she doesn't...cannot bring herself to accept that reality. She's very angry why I and the other brothers and sisters, we tend to forgive. She is not prepared to forgive.

RQ: But where is your anger, Mr. President?

JRH: Well in the worst of the violence in '99, I was very angry. I wanted to see an international tribunal to charge those responsible for the violence. But then as Indonesian troops vacated East Timor, they were humiliated. You know, Indonesia is a very proud country. Their army was not defeated here, they left because there were changes in Indonesia that took place -- the Suharto dictatorship fell. And they swallowed their pride and they left. Should we wrap the wounds, no, I at that time said no, we must understand them and with them, normalize relations. We met within weeks of our country's freedom in '99. The deal was still burning. I was already in Jakarta meeting with some of the generals, whose names I heard and when I saw their nametag, I recognized some of their names that were orchestrating the violence here.


RQ: You won the Nobel Peace Prize and then you gave away the money and you gave away the medal to be sold for your people.

JRH: Yes, I gave away the medal, yes. To those who really deserved it.

RQ: What was it like winning the peace prize?

JRH: How was it like?

RQ: What was it like, yes?

JRH: Well, I was embarrassed, I was shocked when I heard the news, I couldn't believe. I thought others deserve it more than I did, and of course then it was extraordinary to advance because of freedom of democracy for my country.

RQ: But there's no doubt that winning the Nobel Peace Prize vests the recipients in an authority that nothing else does.

JRH: No, the individual, the individual in himself or herself must have had already a lot of credibility. Otherwise you will not win the Nobel Peace Prize. Because of his record, her record, he got the Nobel Peace Prize and then you have international recognition, visibility, and make his life, his work easier.

RQ: Vice President Al Gore is the latest recipient of the Prize.

JRH: Well, I congratulate Vice President Al Gore for winning the Nobel Peace Prize, for his work on the environment, and on this occasion, I wish to think of the many more whom I know, who have been struggling for the environment for their case in my vicinity, Australia, that is the Australian politician, Doctor Bob Brown. He's been struggling for making environment an issue for 30 years. I don't know whether writing a book and making a film is enough to win a Nobel Peace Prize, but I congratulate Al Gore for that, I don't know what he did. Eight years in White House, whether he did much to advance the cause of the environment, when he was, he was a powerful Vice President of the United States.

RQ: So this is your presidential...

JRH: Yeah, that is my humble office. Although I'm moving to an office you've seen here on the beachfront.

RQ: Is this the one that's being built with the help the Chinese? (JRH: Yeah.) It's fast! Why do you need such a big palace?

JRH: Well, we have, we're walking towards membership in ASEAN. We will need at least 250 staff, and actually the building was designed for 150. So actually it's going to be small.

RQ: But I'm very impressed and encouraged sir, your palace is over the road from your people.

JRH: Yes and I always say hello to them and my office is open to their bare foot. Just now I met with some 8 to 10 people who came from some remote villages of the country. And I was sitting there chatting with them, and to start implementing with them, the anti poverty problem, some of the projects that I picked.

RQ: How easy is it for an ordinary member of your country to get to see the President?

JRH: Well, of course there are many, many who want to see me, not everybody manage this because of time factor. But yesterday I spent quite a bit of time twice with an old, old lady, such a lovely delightful woman, very simple, illiterate, maybe in her 70s. She came all the way from the rural area, traveling at least four, five hours on a bus to come to see me. Fortunately I saw her, and immediately walked, invited her into the office. So I see people often. (RQ: Did she like it?) Oh yeah, yeah. And I enjoy them, it's not only my obligation but I actually enjoy them simple people, you know chatting with them, hearing stories from them, but also of course trying to help them.

RQ: You said to me sir, if the going gets really tough, and it all gets really nasty, and everybody start saying...you'll tell them what?

JRH: Well I tell them, you know, on camera I have to be diplomatic but I say these. I don't need this job, I don't want this job, so don't waste your time with demonstrations, don't waste your shoes, don't do shouts, don't scream, it's just a few of you. Write up a letter to me, saying sir, you should resign, and I'll resign. I'm not Musharraf, I'm not Saddam Hussein, I'm not George W. Bush who hangs in there 8 years, all these. I don't really care. I'm here because so many people pushed me. I got 70% of the votes. People seem to like me, but if in a few months from now, they realized that it was a mistake, well, just let me know.

RQ: Mr. President, thank you for talking to TalkAsia. Thank you sir.


Entrevista do TalkAsia com José Ramos Horta

(CNN) -- O Dr. José Ramos-Horta é o presidente de Timor-Leste a antiga colónia Portuguesa destruída por conflito em 1999. O laureado do Prémio Nobel da Paz falou recentemente com Richard Quest da CNN no gabinete presidencial sobre o trabalho de toda a sua vida de luta pelo seu povo, do alcançar a independência e sobre a violência de 2006 que atingiu o país.

Ramos-Horta falou ainda do papel que as Nações Unidas desempenham no seu país e como ele se reconciliou com os militares Indonésios


RQ: Olá, bem-vindo ao TalkAsia. Sou Richard Quest em Dili, Timor-Leste. Vejam a imagem por detrás de mim, é uma imagem perfeita de postal ilustrado. Praias de areia branca, águas azuis cristalinas, um local simpático para um pouco de turismo. Mas estamos em Timor-Leste, um país guiado por décadas de luta e violência. O meu convidado desta semana no TalkAsia é o novo presidente do país, José Ramos Horta. Isto é o TalkAsia.

Encontrámo-nos em Dili onde a comunidade internacional ainda está a trabalhar para fazer de Timor-Leste um local seguro para viver.

RQ: Durante três décadas, lutou pela independência. E depois obteve-a e foi para melhor, tornou-se Presidente do país. Mas pertence aquele muito pequeno grupo de pessoas no mundo, que estão de muitas maneiras acima da política, acima de políticas partidárias. E penso do exemplo principal, Nelson Mandela, as pessoas que estão, que transcenderam as lutas diárias.
JRH: Bem, obviamente, não quero criar nenhum, não quero enganar ninguém. Definitivamente não me comparo a Nelson Mandela, eu sou eu, com as minhas qualidades limitadas e as minhas muitas falhas, os meus muitos pecados. Mas sim, neste país eu detesto políticas partidárias. Eu desisti das políticas partidárias há quase 20 anos atrás, para ser mínimamente neutro, não para estar acima de ninguém, mas simplesmente recuso envolver-me nas nossas políticas partidárias mesquinhas, isso não significa que não haja muito boa gente no sistema dos partidos políticos. Obviamente que há, há muita boa gente, e por causa deles tenho esperanças para o nosso país e para a democracia neste país.

RQ: Você é daquela espécie rara de políticos internacionais, um vencedor do Prémio Nobel da Paz, mas ninguém lhe diz não a si.

JRH: Sou um felizardo por ter passado 24 anos no estrangeiro, mas ponho muito esforço a cultivar relações pessoais. Tenho muitos bons amigos em Washington, no Congresso dos USA, na Europa, na Austrália, na Ásia, por todo o lado. Mas fiz isso por respeito a essa gente com quem me cruzei e eles cuidavam muito de Timor. Assim hoje sou muito privilegiado em dizer que estou nas boas graças de alguém como Bill Clinton, estou nas boas graças de muitos senadores em Washington.

RQ: Que países do mundo acredita que pode, se não rivalizar, pelo menos imitar?

JRH: Bem nós obviamente, pouco passamos de um milhão agora. 1.1 milhão. O crescimento da população é muito, muito alto, não sei se é algo de que nos devemos orgulhar. Mas temos recursos de petróleo e gás, potencialidades tremendas para o turismo, o nosso café é, tenho de o dizer o melhor do mundo. Gostaria de ver Timor-Leste a desenvolver-se como o Dubai. Temos os Emirates Árabes Unidos, particularmente o Dubai. Temos petróleo, temos gás, se investirmos estrategicamente, sabiamente. Se agora mesmo diversificarmos a nossa carteira de acções correntes de investimento, onde temos 1.5 biliões de dólares dos USA em acções do tesouro dos USA, recebemos cada mês 100 milhões de dólares, e isso aumentará nos próximos anos de outros campos. Nós podemos tornar Timor-Leste numa espécie de Dubai na Ásia do Sudeste.

RQ: Como é que vê que é o papel da ONU aqui? O que é que pensa das Nações Unidas?

JRH: Bem, a ONU não é feita inteiramente de Madres Teresas e Einsteins. A ONU somos nós, todos nós. Timor-Leste é membro da ONU. E todos nós temos qualidades e defeitos. No nosso país a ONU foi extremamente importante particularmente em 1999, quando o Conselho de Segurança de modo muito expedito, autorizou uma força de capacetes azuis, uma força para reforçar a paz para vir para Timor-Leste. Mas então o Conselho de Segurança autorizou, a então administração transitória da ONU, para ficar cá apenas durante dois anos, para construir um Estado-nação das cinzas. Bem, disse a amigos no Conselho de Segurança, não há muito tempo atrás, há alguns meses em Nova Iorque, têm ideia de quanto tempo demora fazer pequeno negócio de restaurante em Nova Iorque, Manhattan, lucrativo? Bem, três, cinco anos. Querem tornar viável um Estado-nação em dois anos?

RQ: Então quanto tempo demora, na sua ideia, para criar esta nação-Estado?

JRH: Bem, precisamos...porque começámos do zero em 2002. A ONU teve um mandato de dois anos para construir a instituição do Estado. Em dois anos! É impressionante, sabe, que tenham pensado em Nova Iorque que se pode construir um Estado-nação em dois anos. Mas isso não foi culpa apenas da ONU. Muita da nossa gente aqui, líderes inclusive, estavam numa pressa para entrar na equipa. Depois de 24 anos, depois de 500 anos de domínio Português. Eu fui uma voz solitária que na altura argumentou em Nova Iorque e aqui, devemos tentar ter a ONU aqui pelo menos cinco anos e depois a independência ocorre apenas no quinto ano. Mas na altura em que a ONU partiu em 2002, tínhamos basicamente o esboço, o esqueleto de um Estado, não um Estamos a funcionar realmente.


Intro- RQ: depois de anos de calma...

RQ: Olhando do exterior, vocês lutaram tantos anos pela paz e independência. Obtiveram a independência. Então porque é que ainda há violência?

JRH: Bem, algumas vezes obviamente há grande exagero na maneira como a situação é relatada. Os políticos lutam uns contra os outros mas não vi um político neste país a lutar contra outros com pistolas. A violência que ocorreu no ano passado foi feita na sua maioria por alguns elementos nas forças armadas, na polícia, que estavam...ressentidos uns com outros. Houve rivalidades na disciplina e houve violência feita por gangues, gangues de jovens, parcialmente por causa de drogas, alcool, parcialmente por sentimento de alienação, de pobreza e desemprego.

RQ: Mas você chamou uma força militar externa da Austrália e Nova Zelândia.

JRH: É verdade, podiamos talvez sozinhos ter prevenido uma guerra civil. Mas nessa altura, era ministro dos estrangeiros ainda. Eu discuti este dilema com os meus amigos, os meus colegas, incluindo com os bispos. Posto o nosso orgulho de lado, pensámos simplesmente que não devíamos arriscar; não devíamos arriscar que mais gente se ferisse. Pensámos, não, não podíamos arriscar vidas aqui. Há divisões, divisões profundas no seio da nossa força da polícia, divisões fundas no seio da nossa força de defesa. As duas instituições que é suposto garantirem segurança e tranquilidade ao nosso povo estavam divididas, estavam a lutar uma com a outra. Assim decidimos não, vamos pedir apoio a amigos nossos como a Austrália, Nova Zelândia, Malásia e Portugal.

RQ: Encontrei muita gente de quem usei a frase "eles viveram no exílio." Mas nunca entendi, assim diga-me, como é que é ir para o exílio? Como é isso?

JRH: Bem, sabe, a primeira vez que cheguei a Nova Iorque, Dezembro '75. Nunca tinha estado numa cidade grande na minha vida, nunca tinha visto neve na minha vida, e a minha obrigação era falar perante o Conselho de Segurança com 25 ou 26 anos de idade. O meu primeiro encontro foi com o então Embaixador da União Soviética Sr. Yakov Malik. Uma pessoa nos seus 70s. Ele era já o Embaixador Soviético em São Francisco, quando a ONU foi fundada. Bem todo o tempo que estive a falar com ele, a informá-lo sobre Timor-Leste, ele esteve a dormir. E porque estava a dormir e eu sou muito educado, falei ainda mais suavemente porque não o queria acordar. E estava também preocupado, que se falasse alto que ele acordasse que ficasse aborrecido por o acordar. Assim este foi o meu primeiro grande encontro diplomático em Nova Iorque.

RQ: Suponho que passou muito tempo a explicar às pessoas onde ficava Timor-Leste no mapa.

JRH: É verdade. A maioria das pessoas...bem na ONU sabiam. Mas os Americanos, os Nova-iorquinos, de cada vez que dizia a alguém que era de Timor-Leste,eles diziam, quer dizer que é um Eskimo? Ou diziam, oh é de Istambul? Apenas para explicar às pessoas onde estamos, quem somos, o que queremos...

RQ: Nunca desiste, o que é que o faz andar?

JRH: Não, de facto nunca pensei em desistir. Ou de cada vez que isso me passou pela mente, ...uma voz dizia-me, a minha consciência dizia-me, que se eu desistisse, estaria a trair os que confiaram em mim para falar por eles.

RQ: As suas perdas pessoais durante os anos de luta foram bastante grandes, não foram?

JRH: Sim, perdi uma irmã e dois irmãos mais novos.

RQ: Dois deles nem sabe onde estão enterrados?

JRH: Exactamente. Sim. Até hoje, não sabemos como foram mortos, onde foram mortos. A irmã, teve mais sorte, foi morta. Pessoas viram-na a ser morta, foi enterrada. Gente local, gente humilde, pé descalço, pobre, guardaram-na durante 24 anos. Depois quando regressei, fui a essa aldeia, desenterrámos o corpo dela e tornámos a enterrá-la em solo da família em Dili. Os outros dois, não sabemos onde, como foram mortos.

RQ: Como é que vive com isso?

JRH: Bem eu absolutamente...incapaz de. É parte do enorme sacrifício que muitos outros Timorenses, milhares de Timorenses pagaram por isso. A minha mãe que hoje vive na Austrália, não ...não consegue aceitar essa realidade. Ela está muito zangada por eu e os outros irmãos e irmãs, tendermos a perdoar. Ela não está preparada para perdoar.

RQ: Mas onde está a sua raiva, Sr. Presidente?

JRH: Bem no pior da violência em '99, eu estava muito zangado. Eu queria ver um tribunal internacional a acusar esses responsáveis pela violência. Mas depois as tropas Indonésias saíram de Timor-Leste, foram humilhadas. Sabe, a Indonésia é um país muito orgulhoso. As suas forças armadas não foram derrotadas cá, saíram porque ocorreram mudanças na Indonésia -- caiu a ditadura de Suharto . E eles engoliram o orgulho e partiram. Devíamos remexer nas feridas, não, nessa altura disse que não, devemos compreendê-los e com eles, normalizar s relações. Encontrámo-nos semanas depois da liberdade do nosso país em '99. O negócio estava ainda quente. Estava já eu em Jacarta a encontrar-me com alguns dos generais, cujos nomes ouvi quando vi os nomes deles nas etiquetas, reconheci alguns dos nomes que estavam a orquestrar a violência aqui.


RQ: Ganhou o Prémio Nobel da Paz e depois deu o dinheiro e deu a medalha para ser vendida para o seu povo.

JRH: Sim, dei a medalha, sim. Para os que realmente a mereceram.

RQ: Como é que foi ganhar o prémio da paz?

JRH: Como foi isso?

RQ: Como foi isso, sim?

JRH: Bem, estava embaraçado, estava chocado quando ouvi as notícias, não podia acreditar. Pensei que outros mereciam mais isso do que eu, e obviamente depois isso foi um avanço extraordinário por causa da liberdade e democracia para o meu país.

RQ: Mas não há nenhuma dúvida que ganhar o Prémio Nobel da Paz investe os recipientes numa autoridade que mais nada investe.

JRH: Não, o individuo, o próprio individuo deve já ter bastante credibilidade. Doutro modo não tentará ganhar o Prémio Nobel da Paz. Por causa do seu historial se se obteve um Prémio Nobel da Paz e depois tem-se reconhecimento internacional, visibilidade e isso torna a sua vida, o seu trabalho mais fácil.

RQ: O Vice-President Al Gore é o último recipiente do Prémio.

JRH: Bem, eu cumprimentei o Vice-Presidente Al Gore por ganhar o Prémio Nobel da Paz, pelo seu trabalho no ambiente, e nesta ocasião, quero pensar nos muitos mais que eu conheço que têm lutado pelo ambiente pelo seu caso na minha vizinhança, a Austrália, que é o político Australiano, Doctor Bob Brown. Ele tem lutado para fazer do ambiente uma questão durante 30 anos. Não sei se escrever um livro e fazer um filme é o suficiente para ganhar um Prémio Nobel da Paz, mas dou os parabéns a Al Gore por isso, não sei o que ele fez. Oito anos na Casa Branca, se ele fez muito para fazer avançar a causa do ambiente, quando era, ele era um poderoso Vice-Presidente dos Estados Unidos.

RQ: Então este é o seu presidencial...

JRH: Yeah, esse é o meu humilde gabinete. Apesar de me ir mudar para um gabinete que viu aqui na frente da praia.

RQ: É esse que está a ser construído com a ajuda dos Chineses? (JRH: Yeah.) è rápido! Por que é que precisa dum palácio tão grande?

JRH: Bem, nós temos, estamos a caminhar para sermos membros da ASEAN. Precisaremos pelo menos de 250 empregados, e na realidade o edifício foi pensado para 150. Assim na realidade vai ser pequeno.

RQ: Mas eu estou muito impressionado e encorajado sir, o seu palácio está além na estrada perto do seu povo.

JRH: Sim e eu digo sempre olá a eles e o meu gabinete está aberto aos seus pés descalços. Mesmo agora encontrei-me com algumas 8 a 10 pessoas que vieram de aldeias remotas do país. E eu estava sentado a falar com eles, e para começar a implementar com eles, o problema anti-pobreza, alguns dos projectos que eu apanhei.

RQ: Que facilidade tem um membro vulgar do seu país para ver o Presidente?

JRH: Bem, obviamente há muitos, muitos que me querem ver, nem toda a gente o consegue por causa do factor tempo. Mas ontem passei bastante tempo duas vezes com uma senhora velha, uma tão encantadora e maravilhosa mulher, muito simples, analfabeta, talvez nos seus 70s. Veio da zona rural, viajando pelo menos quatro, cinco horas num autocarro para vir ver-me. Felizmente que a vi, e imediatamente dirigi-me a ela, convidei-a para o meu gabinete. Assim vejo as pessoas muitas vezes. (RQ: Ela gostou?) Oh yeah, yeah. E eu tenho gosto, não é apenas uma obrigação minha mas de facto eu tenho gosto neles, na gente simples, sabe, falar com eles, ouvir histórias deles, mas também obviamente tentar ajudá-los.

RQ: Disse-me sir, se as coisas ficarem duras, e tudo ficar feio de facto, e toda a gente começar a dizer...o que é que lhes dirá?

JRH: Bem digo-lhes, sabe, frente às câmaras tenho de ser diplomático mas digo isto. Não preciso deste cargo, não quero este cargo, assim não gastem tempo com manifestações, não estraguem os vossos sapatos, não gritem, não berrem, são apenas uns poucos. Escrevam-me uma carta, dizendo sir, deve resignar, e eu resigno. Eu não sou Musharraf, eu não sou Saddam Hussein, eu não sou George W. Bush que aguenta lá 8 anos, nenhum destes. Eu não ligo realmente. Eu estou aqui porque tanta gente me empurrou. Eu obtive 70% dos votos. Parece que as pessoas gostam de mim, mas se dentro dalguns meses a partir de agora, eles virem que foi um erro, bem, digam-me apenas.

RQ: Sr. Presidente, obrigado por falar ao TalkAsia. Obrigado sir.

UNMIT – MEDIA MONITORING - Tuesday, 15 January 2008

"UNMIT assumes no responsibility for the accuracy of the articles or for the accuracy of their translations. The selection of the articles and their content do not indicate support or endorsement by UNMIT express or implied whatsoever. UNMIT shall not be responsible for any conseque6nce resulting from the publication of, or from the reliance on, such articles and translations."

National Media Reports

TVTL news coverage

Horta is confident that the Task Force can resolve the Reinado issue: Following the recent withdrawal of the National Movement for Peace and Justice (MUNJ) from the Task Force team set up by the Government, President Jose Ramos Horta still firmly believes in the Task Force’s ability to resolve Alfredo Reinado and the petitioners’ problems.

Horta said he will soon contact the Catholic Church and ask them to appoint a church representative to be a mediator in the dialogue.

Horta also said Reinado and the petitioners are victims of the political crises of 2006 and he called on them to continue holding dialogue with the Government.

RTL news coverage

More than a hundred people come to the office of the president to ask for assistance under the President’s Poverty Reduction Programme: More than a hundred people came to the office of the president on Monday (14/1) to ask for assistance.

Some of them were protesting against the registration process, claiming nepotism and unfairness.

“They are looking for their families and then registering them,” said Lucia Rosa, one of the protesters.

She said that they should identify the exact number of poor people first before giving them assistance.

* * *

Meeting of Reinado-Horta; NP considers it a positive step

Even though the National Parliament (NP) did not get the details about the informal dialogue between President (PR) Ramos-Horta and Alfredo Reinado, it still considered it to be a positive step.

“We are all waiting for a solution; we are in the final hour to find a solution and I think that the people agree with the NP, and believe Alfredo’s case should be solved,” said the President of NP Fernando Lasama.

The statement of the President of the NP Lasama was based on the information that a meeting was called to find a final solution for the Reinado issue. (STL)

Fretilin: asks Xanana to explain the 2006 crisis

The Member of the NP from Fretilin, Francisco Miranda, called on Prime Minister (PM) Xanana Gusmão to explain the problems of the 2006 crisis, since a video that was distributed across the country labelled him as the author of the crisis.

“As representatives of the people we are concerned about the impact of the video because of what it said about Xanana being the author of the 2006 crisis,” said Mr. Miranda on Monday (14/1) in Dili.

It is important that Xanana should be clear since many people have lost their properties and houses and have become IDPs.

The Member of the NP from CNRT, Pedro da Costa, said that the pressure from Fretilin is normal for a democratic state - if there is something that destroys the nation’s stability it should be brought to court with evidence, as only the court can decide whether it is true or not. (STL)

UNMIT: asks PR Horta to conduct dialogue with Reinado as soon as possible

The Special Representative of Secretary-General (SRSG) for Timor Leste and the Head of United Nations Mission in Timor-Leste (UNMIT), Atul Khare, asked President (PR) José Ramos-Horta, who just met Alfredo Reinado in Maubisse, to bring about dialogue as soon as possible.

“I used to meet PR Horta weekly. We would speak about security in the country and about how to solve the problems of the petitioners and Alfredo’s group,” said SRSG Khare on Monday (14/1) in the Palacio das Cinzas Caicoli, Dili.

Today MUNJ - who withdrew from the Task Force of the Government – went to Suai before PR Horta to have a meeting with Alfredo on Wednesday (16/1). (STL)

Alkatiri: asks Xanana to step down

East Timor's former Prime Minister Mari Alkatiri has called on current Prime Minister Xanana Gusmao to resign, amid claims he orchestrated the deadly unrest that erupted in 2006.

Alkatiri resigned as prime minister in June that year after a request from then President Gusmao, based on allegations that Alkatiri and several of his ministers gave instructions to arm civilian militia during the crisis.

His government had earlier sacked more than a third of the country's defence force, sparking factional violence that left 37 people dead and drove 100,000 from their homes.

Many of the sacked soldiers joined the rebellious former military police chief Alfredo Reinado, who last week alleged Gusmao was the "mastermind" who had fomented the unrest.

"I think that it is time for Xanana to resign from his post because he has established a precedent in 2006 based on allegations without fact," Alkatiri said on Sunday.

Alkatiri said the people of East Timor were waiting to find out the truth behind the crisis. Gusmao should resign and submit to justice, he said.

"Nobody in this country is untouchable," Alkatiri said. He said a task force set up to investigate the 2006 crisis was a sham and would never return an adverse finding against Gusmao.

President Jose Ramos-Horta should also be pushing for Gusmao's resignation, Alkatiri said.

"Ramos-Horta, as foreign minister, was very supportive of Xanana to force me to resign. Now he is president of the republic and he has to do the same."

Local media last week reported that Gusmao was refusing to respond to Reinado's claims, saying he did not want to engage in a "war of words". (TP)

Alfredo: Ramos-Horta should explain to the people

Former Commander of the Military Police Alfredo Reinado asked PR Ramos-Horta to disseminate information about their informal dialogue in Maubisse on Sunday (13/1) to people.

Reinado said that he could not release any details of the meeting because it was agreed that only PR Ramos-Horta should do so.

Mr. Benevides Barros, Alfredo’s lawyer, said that he will not comment until PR Ramos-Horta makes his statement about the meeting. (TP)

UN asks Alfredo to submit himself to justice

The Special Representative of Secretary-General (SRSG) for Timor-Leste, Atul Khare, said that the UN asks Alfredo to submit himself to justice.

SRSG Atul Khare said that the position of UN on Alfredo’s case is that he should face justice, and so the UN supports all the efforts of the government to solve the problem.

“I give my support to the task force and their efforts to bring Alfredo to submit himself to justice. Our (UN) position is clear - everyone should submit themselves to justice, including Alfredo Reinado,” said SRSG Atul Khare on Friday (11/1) in the United Nations Integrated Mission in Timor-Leste (UNMIT) Headquarters at Caicoli, Dili. (DN)

UN Concerned about 4000 pending cases in the court

The Special Representative of the Secretary-General (SRSG) for Timor-Leste, Atul Khare, said that the UN Mission in Timor-Leste is concerned by the fact that there are more than 4000 pending cases in courts across the country.

SRSG Khare said that the cases should be effectively reviewed in a short time to convince people that the justice system works and is acting in their best interests.

SRSG Khare also said that the UN Mission in Timor-Leste is committed to continue working in Timor-Leste based on the provisions of its mandate. (DN)

Alfredo accuses Xanana. Alkatiri: “Xanana should face trial”

“I never found out whether Xanana was behind or in front of the crisis. I always used to say that there was a great conspiracy. Now they are not getting along, and Alfredo expresses all the truth.

No one should believe that in this country some may face trial while others don’t. I submitted myself to justice because of a false accusation from Railos. Now Xanana should be encouraged to do the same thing in light of Alfredo’s accusation, you can never say that it is irrelevant,” said Mari Alkatiri, the Secretary General of Fretilin on Saturday (12/1) in Comoro Airport, Dili. (DN)


UNMIT – MONITORIZAÇÃO DOS MEDIA – Terça-feira, 15 Janeiro 2008

"A UNMIT não assume nenhuma responsabilidade pela correcção dos artigos ou pela correcção das traduções. A selecção dos artigos e o conteúdo deles não indicam apoio ou endosso pela UNMIT expresso ou implícito. A UNMIT não sera responsável por qualquer consequência que resulte da publicação de, ou pela confiança em tais artigos e traduções."

Relatos dos Media Nacionais

TVTL cobertura de notícias

Horta confia que o Grupo de Trabalho pode resolver a questão do Reinado:
Depois da saída do Movimento Nacional para a Paz e Justiça (MUNJ) da equipa do Grupo de Trabalho organizado pelo Governo, o Presidente José Ramos Horta acredita ainda firmemente na capacidade do Grupo de Trabalho para resolver os problemas de Alfredo Reinado e dos peticionários.

Horta disse que em breve contactará a igreja católica para lhe pedir para nomear um representante da igreja para ser um mediador no diálogo.

Horta disse ainda que Reinado e os peticionários são vítimas da crise política de 2006 e pediu-lhes para continuarem no diálogo com o Governo.

RTL cobertura de notícias

Mais de uma centena de pessoas foram ao gabunete do presidente pedirem assistência no âmbito do Programa de Redução de Pobreza do Presidente:
Mais de uma centena de pessoas foram ao gabinete do presidente na Segunda-feira (14/1) pedir assistência.

Alguns deles protestaram contra o processo de registo, queixando-se de nepotismo e injustiça.

“Estão a cuidar das famílias deles e a registá-las,” disse Lúcia Rosa, uma das que protestavam.

Ela disse que eles deviam identificar o número exacto de pessoas pobres antes de lhes darem assistência.

* * *

Encontro de Reinado-Horta; PN considera isso um passo positivo

Mesmo apesar do Parlamento Nacional (PN) não ter tido acesso a detalhes sobre o diálogo informal entre o Presidente (PR) Ramos-Horta e Alfredo Reinado, isso é na mesma considerado um passo positivo.

“Estamos todos à espera de uma solução; estamos nas horas finais para encontrar uma solução e eu penso que as pessoas concordam com o PN, e acreditam que o caso de Alfredo deve ser resolvido,” disse o Presidente do PN Fernando Lasama.

A declaração do Presidente do PN Lasama teve por base a informação que foi convocado um encontro para encontrar uma solução final para a questão de Reinado. (STL)

Fretilin: pede a Xanana para explicar a crise de 2006

O deputado do PN da Fretilin, Francisco Miranda, pediu ao Primeiro-Ministro (PM) Xanana Gusmão para explicar os problemas da crise de 2006, visto que um video que foi distribuído pelo país lhe chamou o autor da crise.

“Como representantes do povo estamos preocupados com o impacto do video por causa do que aí é dito acerca de Xanana ser o autor da crise de 2006,” disse o Sr. Miranda na Segunda-feira (14/1) em Dili.

É importante que Xanana seja claro visto que muita gente perdeu as suas propriedades e casas e ficaram deslocados.

O deputado do CNRT, Pedro da Costa, disse que é normal a pressão da Fretilin num Estado democrático – se há alguma coisa que destrói a estabilidade da nação deve ser levada perante os tribunais com provas, dado que apenas o tribunal pode decidir se isso é verdade ou não. (STL)

UNMIT: pede ao PR Horta para conduzir diálogo com Reinado tão cedo quanto possível

O Representante Especial do Secretário-Geral (SRSG) para Timor Leste e Chefe da Missão da ONU em Timor-Leste (UNMIT), Atul Khare, pediu ao Presidente (PR) José Ramos-Horta, que acabou de se encontrar com Alfredo Reinado em Maubisse, para fazer o diálogo tão cedo quanto possível.

“Costumo encontrar-me semanalmente com o PR Horta. Falaremos sobre a segurança no país e sobre como resolver os problemas dos peticionários e do grupo de Alfredo,” disse o SRSG Khare na Segunda-feira (14/1) no Palácio das Cinzas Caicoli, Dili.

Hoje o MUNJ – que se retirou do Grupo de Trabalho do Governo – foi a Suai antes do PR Horta para ter um encontro com Alfredo na Quarta-feira (16/1). (STL)

Alkatiri: pede a Xanana para se demitir

O antigo Primeiro-Ministro de Timor-Leste Mari Alkatiri pediu ao corrente Primeiro-Ministro Xanana Gusmão para resignar, no meio de acusações de que ele orquestrou o desassossego mortal que irrompeu em 2006.

Alkatiri resignou do cargo de primeiro-ministro em Junho desse ano depois de um pedido do então Presidente Gusmão, com base em alegações de que Alkatiri e vários dos seus ministros deram instruções para armar milícias civis durante a crise.

Antes, o seu governo tinha despedido mais de um terço da força de defesa do país desencadeando violência de facções que deixou 37 pessoas mortas e tirou 100,000 das suas casas.

Muitos dos soldados despedidos juntaram-se ao antigo chefe da polícia militar amotinado Alfredo Reinado, que na semana passada alegou que Gusmão foi o "organizador" que tinha fomentado o desassossego.

"Penso que está na hora do Xanana resignar do seu cargo porque ele criou um precedente em 2006 com base em alegações sem factos," disse Alkatiri no Domingo.

Alkatiri disse que o povo de Timor-Leste está à espera de descobrir a verdade por detrás da crise. Gusmão deve resignar e submeter-se à justiça, disse.

"Ninguém é intocável neste país," disse Alkatiri. Disse que um grupo de trabalho montado para investigar a crise de 2006 era uma simulação e nunca iria descobrir nada adverso contra Gusmão.

O Presidente José Ramos-Horta devia também empurrar Gusmão para resignar, disse Alkatiri.

"Ramos-Horta, quando era ministro dos estrangeiros, apoiou bastante Xanana quando me forçou a resignar. Agora ele é presidente da República e tem de fazer a mesma coisa."

Na semana passada os media locais relataram que Gusmão se recusava responder às acusações de Reinado, dizendo que não se queria engajar numa "guerra de palavras ". (TP)

Alfredo: Ramos-Horta deve explicações ao povo

O antigo Comandante da Polícia Militar Alfredo Reinado pediu ao PR Ramos-Horta para disseminar a informação ao povo sobre o diálogo informal dele em Maubisse no Domingo (13/1).

Reinado disse que que não podia contar nenhum detalhe do encontro porque fora acordado que apenas o PR Ramos-Horta o devia dar.

O Sr. Benevides Barros, advogado de Alfredo, disse que não comentará até o PR Ramos-Horta fazer as suas declarações sobre o encontro. (TP)

ONU pede a Alfredo para se submeter ele próprio à justiça

O Representante Especial do Secretário-Geral (SRSG) para Timor-Leste, Atul Khare, disse que a ONU pede ao Alfredo para se submeter à justiça.

O SRSG Atul Khare disse que a posição da ONU no caso de Alfredo é que ele deve enfrentar a justiça, e assim a ONU apoia todos os esforços do governo para resolver o problema.

“Dou o meu apoio ao grupo de trabalho e aos seus esforços para levarem o Alfredo a subneter-se à justiça. A nossa (ONU posição é clara - toda a gente deve submeter-se à justiça, incluindo Alfredo Reinado,” disse o SRSG Atul Khare na Sexta-feira (11/1) na sede da Missão Integrada da ONU em Timor-Leste (UNMIT) em Caicoli, Dili. (DN)

ONU preocupada com 4000 casos pendentes no tribunal

O Representante Especial do Secretário-Geral (SRSG) para Timor-Leste, Atul Khare, disse que a Missão da ONU em Timor-Leste está preocupada com o facto de haver mais de 4000 casos pendentes nos tribunais do país.

O SRSG Khare disse que os casos devem ser efectivamente revistos a curto prazo para as pessoas se convencerem que o sistema da justiça funciona e que está a agir para o seu interesse.

O SRSG Khare disse também que a Missão da ONU em Timor-Leste está comprometida a continuar a trabalhar em Timor-Leste com base nas provisões do seu mandato. (DN)

Alfredo acusa Xanana. Alkatiri: “Xanana deve enfrentar o tribunal”

“Nunca descobri se Xanana estava por detrás ou à frente da crise. Sempre disse que havia uma grande conspiração. Agora não se estão a entender e Alfredo expressa toda a verdade.

Ninguém deve acreditar que neste país alguns devem enfrentar o tribunal enquanto outros não. Eu próprio submeti-me à justiça por causa duma aacusação falsa de Railos. Agora Xanana deve ser encorajado a fazer a mesma coisa à luz da acusação de Alfredo, nunca se pode dizer que isso é irrelevante,” disse Mari Alkatiri, o Secretário-Geral da Fretilin no Sábado (12/1) no Aeroporto Comoro, Dili. (DN)



No âmbito da discussão d a Proposta de Resolução nº 1/II sobre a Adesão ao Protocolo de Quioto à Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas, a Comissão de Negócios Estrangeiros, Defesa e Segurança Nacionais (Comissão B) deliberou realizar audiências públicas, para facultar aos deputados, da acima referida Comissão, as informações necessárias para melhor análise do documento.

O conjunto de audiências públicas terá lugar amanhã, dia 16 de Janeiro de 2008, pelas 10h00, na Sala do Plenário do Parlamento Nacional.

A audiência pública contará ainda com a presença dos Deputados da Comissão de Agricultura, Pescas, Florestas, Recursos Naturais e Ambiente (Comissão D), assim como, com a presença de Suas Excelências, o Ministro dos Negócios Estrangeiros, Zacarias Albano da Costa, o Secretário de Estado do Meio Ambiente, Abílio de Deus de Jesus Lima, o Ponto Focal para as Alterações Climáticas em Timor-Leste, o Senhor Adão Barbosa, o Director dos Serviços Nacionais do Meio Ambiente, o Senhor Carlos Ximenes e do Director da Fundação Haburas, Demetrio Amaral Carvalho.

PN - Agenda Plenária No. 51/II

Gabinete de Relações Públicas
Segunda-Feira, 14 de Janeiro de 2008

A Sessão Plenária de hoje foi presidida pelo Presidente do Parlamento Nacional, Sr. Fernando La Sama de Araújo, coadjuvado pelos Vice-Presidentes, Sr. Vicente da Silva Guterres, Sra. Maria da Paixão de Jesus da Costa, pela Secretária da Mesa Sra. Maria Terezinha Viegas e as Vice-Secretárias, Sra. Maria da Costa Exposto e Sra. Teresa Maria de Carvalho.

Na agenda de hoje foram abordados os assuntos seguintes:

Apreciação de mensagem do Sr. Presidente da Republica para efeitos de assentimento a deslocação, em visita oficial, ao Vaticano, a Itália e ao Brasil, de 18 de Janeiro a 7 de Fevereiro de 2008. A supracitada deslocação foi aprovada com 43 votos a favor, 0 voto contra e 6 votos abstenções (Projecto de Resolução no 6/II).

Discussão e votação na generalidade do Projecto de Lei no 1/II “ Regime Jurídico do Financiamento dos Partidos Políticos”.

A Relatora da Comissão de Economia, Finanças e Anti-Corrupção (Comissão C), Sra. Cipriana Pereira, procedeu à leitura do relatório e parecer elaborado por esta Comissão relativamente à Proposta de Lei em apreço. O presente relatório foi aprovado na reunião da Comissão com 7 votos por unanimidade.

O referido Projecto de Lei foi aprovado na Generalidade com 43 votos a favor, 3 contra e 6 abstenções.

UNMIT – MEDIA MONITORING - Monday, 14 January 2008

National Media Reports

TVTL news coverage

No broadcasting.

RTL news coverage

The government and the National Parliament (NP) reducing the pension for veterans and former combatants is an insult: Veteran Biloi Mali claimed that it is a big insult for the government and NP to reduce the pension for veterans and former combatants.

Biloi Mali said that the living conditions for veterans and former combatants are not as good as the living conditions of those with a means of earning a living.

Biloi Mali also said now is the time for veterans and former combatants to claim their rights.

Immigration officials to keep out those who are a threat to the nation: The State Secretary for Security Francisco Guterres said that the Department of Immigration plays an important role in protecting the nation by identifying those who are a threat to the nation.

The State Secretary for Security also said that immigration officials should identify immigrants who have tourist visas but are working in Timor-Leste and should take administrative action against them.

Head of UN Mission, Atul Khare, supports the Task Force of the government as a peaceful way to solve Alfredo's problem: The Special Representative of Secretary-General (SRSG) for Timor-Leste, Atul Khare, said that UN welcomes the work of the Task Force in bringing about dialogue to enable Alfredo to submit himself to justice.

SRSG Atul Khare said it is important that justice and the rule of law are adhered to help security and development in the country. The UN position on Alfredo's case is that Alfredo should be brought to justice and the UN supports the efforts of the government to solve the problem.

* * *
Ramos-Horta: F-FDTL and PNTL to act according to constitution

President (PR) José Ramos-Horta said that the Defence Forces of Timor-Leste (F-FDTL) and the National Police of Timor-Leste (PNTL) need to act according to the constitution to guarantee the peace and stability of the country.

PR Ramos-Horta said that if the two institutions fall victim once more to the political maneuverings of political leaders, there will be new crisis in the country.

PR Ramos-Horta also said the PNTL needs to absorb the lessons of 2006 to improve itself. (TP and DN)

February 2008: GNR to train PNTL in discipline

In February, PNTL will receive training from the Guarda Nacional Republicana (GNR) of Portugal to improve its discipline.

The State Secretary for Security Francisco Guterres declared that Portugal's GNR is preparing a curriculum for the training.

"Discipline training is important, it helps officers to act professionally, and people therefore feel calm and secure when the PNTL is in action," said State Secretary Francisco Guterres on Friday (11/1) in the Headquarters of the Unidade de Intervenção Rápida (UIR), Dili, at the ceremony of provisional certification to 29 members of the UIR who had taken their first phase of the training. (TP)

UN supports Task Force: Alfredo should submit himself to justice

The Special Representative of the Secretary-General (SRSG) for Timor-Leste, Atul Khare, said that UN supports the work of the task force to bring about a dialogue so that Alfredo can submit himself to the justice.

SRSG Atul Khare said that the position of UN on Alfredo's case is that he should face justice, and so the UN welcomes the efforts of the government to solve the problem.

"I support the task force and its efforts to ensure that Alfredo submit himself to justice. Our (UN) position is clear: everyone should face justice, including Alfredo Reinado," said SRSG Atul Khare on Friday (11/1) in the United Nations Integrated Mission in Timor-Leste (UNMIT) Headquarters at Caicoli, Dili. (TP and STL)

UNPol to assist PNTL in operation

United Nations Police (UNPol) in Timor-Leste will accompany the PNTL, in particular the PNTL Task Force, in order to allay concerns about the behaviour of the PNTL in Dili and other districts.

UNPol Commissioner Rodolfo Tor said that a key part of UNPol's mission is to capacity-build PNTL members so that they are professional.

Commissioner Tor also said that UNPol can only handover all police stations to the PNTL once assessments have been made, certain criteria have been met, and the PNTL are logistically equipped to handle such a transfer.

"All these things should be considered before UNPol hands over the police station to the PNTL. The decision is not made by UNPol alone; all the stakeholders make the decision," said Commissioner Tor on Friday (11/1) on Friday (11/1) in UNMIT Headquarters at Caicoli, Dili. (TP)

Horta-Xanana glad: Fretilin wants to support the state

PR Ramos-Horta said that he and Prime Minister (PM) Xanana Gusmão are happy that Fretilin wants to support efforts to solve the issues of IDPs, Reinado and the petitioners.

PR Ramos-Horta said that he met the President of Fretilin, Francisco Guterres Lu-Olo, and that Fretilin wants to help the state and current government to solve the problems of the IDPs, the petitioners and Alfredo Reinado. (DN)

Bishop Basilio: "The state and Alfredo should be in agreement"

Bishop Basilio do Nascimento of Baucau Diocese said that the Church is ready to collaborate with the government to solve the case of the petitioners and Alfredo Reinado.

"The Church can help to solve it politically, not morally," said Bishop Basilio in Dili when asked about the Church's point of view on Reinado.

Bishop Basilio also said that the government, Reinado and the petitioners must all be in agreement. This means that the Task Force of the government should involve other organizations to find a way towards dialogue.

"I believe that the petitioners will not cooperate if the government does not adhere to strong principles in its attempt to solve the problem," added the Bishop. (DN)

Alfredo accuses Xanana. Alkatiri: "Xanana should go to court"

"I never wavered from saying that Xanana was behind or in front of the crisis. I used to say previously that this was all a great conspiracy. Now they are not getting along, and Alfredo decides to reveal the truth.

It is wrong that some people should go to court and not others. I submitted myself to justice because of the false accusations of Railos. Xanana should do the same now that he has been accused. He cannot say it is not relevant," said Mari Alkatiri, the Secretary-General of Fretilin on Saturday (12/1) at Comoro Airport, Dili. (DN)

Atul Khare: "It's important to change the mentality of the UIR"

SRSG Atul Khare stated in front of PR Ramos-Horta and PM Xanana Gusmão, Minister of Interior Rai Pereira of Portugal, UNPol Commissioner Rodolfo Tor and other members of the government that the Government plans to change the mentality of the UIR are important for its future.

"I want the police to do their work based upon law and order, as it determines the whether the public see them as professional, but they must also serve the community with personal integrity," said the SRSG Khare on the ceremony of provisional certification for 29 UIR members on Friday (11/1) in the Headquarter of UIR in Dili. (DN)

7 Indonesian and 2 Chinese citizens deported

The Immigration Department Director, Inspector Carlos Jeremias, said that the Government of Timor-Leste through the Department of Immigration deported seven Indonesian and two Chinese citizens.

"From the total number of 33 foreign citizens investigated, in the past two days we have deported seven Indonesian and two Chinese citizens to their own countries…some of them were not deported as they paid a fine," said Mr. Jeremias.

The deported citizens were found guilty of working whilst in the country on tourist visas. Those foreign citizens who were voluntarily deported will not be allowed to enter Timor-Leste for another two years. (STL))


UNMIT – MONITORIZAÇÃO DOS MEDIA – Segunda-feira, 14 Janeiro 2008

Relatos dos Media Nacionais

TVTL Não houve cobertura de notícias

RTL cobertura de notícias

O governo e o Parlamento Nacional (PN) reduzirem as pensões dos veteranos e dos antigos combatentes é um insulto: O veterano Biloi Mali afirmou que é um grande insulto do governo e do PN reduzirem as pensões dos veteranos e antigos combatentes.

Biloi Mali disse que as condições de vida dos veteranos e antigos combatentes não são tão boas quanto as condições de vida dos que têm meios para ganhar a vida.

Biloi Mali disse ainda que agora é a altura dos veteranos e antigos combatentes afirmarem os seus direitos.

Funcionários da imigração vão manter fora os que são uma ameaça para a nação: O Secretário de Estado para a Segurança Francisco Guterres disse que o Departamento da Imigração tem um papel importante na protecção da nação ao identificar os que são uma ameaça para a nação.

O Secretário de Estado para a Segurança disse ainda que os funcionários da imigração devem identificar os imigrantes que têm vistos de turista mas que estão a trabalhar em Timor-Leste e que devem tomar medidas administrativas contra eles.

Responsável da Missão da ONU, Atul Khare, apoia o Grupo de Trabalho do governo como maneira pacífica para resolver o problema de Alfredo: O Representante Especial do Secretário-Geral (SRSG) para Timor-Leste, Atul Khare, disse que a ONU saúda o trabalho do Grupo de Trabalho para fazer o diálogo para possibilitar que o Alfredo se sebmeta ele próprio à justiça.

O SRSG Atul Khare disse que é importante que a justiça e o domínio da lei tenham adesão para ajudar a segurança e o desenvolvimento no país. A posição da ONU sobre o caso de Alfredo é que o Alfredo deva ser levado à justiça e que a ONU apoia os esforços do governo para resolver o problema.

* * *Ramos-Horta: F-FDTL e PNTL devem agir de acordo com a constituição

O Presidente (PR) José Ramos-Horta disse que as F-FDTL e a PNTL precisam de agir de acordo com a constituição para garantir a paz e a estabilidade do país.

O PR Ramos-Horta disse que se as duas instituições caírem vítimas mais uma vez de manobras políticas de líderes políticos, haverá nova crise no país.

O PR Ramos-Horta disse ainda que a PNTL precisa de absorver as lições de 2006 para se mehorar ele própria. (TP e DN)

Fevereiro 2008: GNR vai formar PNTL em disciplina

Em Fevereiro, a PNTL receberá formação da Guarda Nacional Republicana (GNR) de Portugal para melhorar a sua disciplina.

O Secretário de Estado para a Segurança Francisco Guterres declarou que a GNR de Portugal está a preparar o curriculum para a formação.

"É importante a formação em disciplina, isso ajuda os oficiais a agirem com profissionalismo, e depois as pessoas sentem-se calmas e seguras quando a PNTL entra em acção," disse o Secretário de Estado Francisco Guterres na Sexta-feira (11/1) na sede da Unidade de Intervenção Rápida (UIR), Dili, na cerimónia de certificação provisória de 29 membros da UIR que passaram a primeira fase de formação. (TP)

ONU apoia Grupo de Trabalho: Alfredo deve submeter-se à justiça

O Representante Especial do Secretário-Geral (SRSG) para Timor-Leste, Atul Khare, disse que a ONU apoia o trabalho do Grupo de Trabalho para fazer diálogo para que Alfredo se possa submeter à justiça.

O SRSG Atul Khare disse que a posição da ONU no caso do Alfredo é que ele deve enfrentar a justiça e assim a ONU saúda os esforços do governo para resolver o problema.

"Apoio o grupo de trabalho e os seus esforços para garantirem que Alfredo se submete à justiça. A nossa (ONU) posição é clara, toda a gente deve enfrentar a justiça, incluindo o Alfredo Reinado," disse o SRSG Atul Khare na Sexta-feira (11/1) na sede da UNMIT em Caicoli, Dili. (TP e STL)

UNPol vai assistir a PNTL nas operações

A UNPol em Timor-Leste acompanhará a PNTL, em particular a Task Force da PNTL, de modo a evitar preocupações com o comportamento da PNTL em Dili e nos outros distritos.

O Comissário da UNPol Rodolfo Tor disse que a chave da missão da UNPol é a construção de capacidades dos membros da PNTL para que sejam profissionais.

O Comissário Tor disse também que a UNPol apenas pode entregar todas as estações de polícia à PNTL depois das avaliações terem sido feitas, certos critérios respondidos e a PNTL estar equipada logisticamente para gerir uma tal transferência.

"Todas estas coisas devem ser consideradas antes da UNPol entregar todas as estações de polícia à PNTL. A decisão não é tomada apenas pela UNPol; todas as partes tomam a decisão," disse o Comissário Tor na Sexta-feira (11/1) na sede da UNMIT em Caicoli, Dili. (TP)

Horta-Xanana satisfeitos: Fretilin quer apoiar o Estado

O PR Ramos-Horta disse que o Primeiro-Ministro (PM) Xanana Gusmão está satisfeito por a Fretilin querer apoiar os esforços para resolver as questões dos deslocados, Reinado e peticionários.

O PR Ramos-Horta disse que se encontrou com o Presidente da Fretilin, Francisco Guterres Lu-Olo, e que a Fretilin quer ajudar o Estado e o corrente governo a resolver os problemas dos deslocados, peticionários e Alfredo Reinado. (DN)

Bispo Basilio: "O Estado e Alfredo devem estar de acordo "

O bispo Basilio do Nascimento da Diocese de Baucau disse que a igreja está pronta para colaborar com o governo para resolver o caso dos peticionários e de Alfredo Reinado.

"A igreja pode ajudar a resolver isso políticamente, não moralmente," disse o bispo Basilio em Dili quando lhe perguntaram a opinião da igreja sobre o Reinado.

O bispo Basilio disse ainda que o governo, Reinado e os peticionários devem estar todos de acordo. Isto significa que o Grupo de Trabalho do governo deve envolver outras organizações para através do diálogo encontrar um caminho.

"Acredito que os peticionários não cooperarão se o governo não aderir a princípios fortes na sua tentativa para resolver o problema," acrescentou o bispo. (DN)

Alkatiri: Alfredo acusa Xanana "Xanana deve ir para o tribunal "

"Nuca duvidei que Xanana estava por detrás ou à frente da crise. Antes, costumava dizer que tudo isso foi uma grande conspiração. Agora que não se entendem, Alfredo decidiu revelar a verdade.

É errado que algumas pessoas devam enfrentar os tribunais e que outras não. Eu próprio me submeti à justice por causa de acusações falsas de Railos. Xanana deve fazer a mesma coisa, agora que foi acusado. Ele não pode dizer que isso não é relevante," disse Mari Alkatiri, o Secretário-Geral da Fretilin no Sábado (12/1) no Aeroporto Comoro, Dili. (DN)

Atul Khare: "É importante mudar a mentalidade da UIR"

O SRSG Atul Khare afirmou à frente do PR Ramos-Horta e PM Xanana Gusmão, Ministro do Interior Rui Pereira de Portugal, Comissário da UNPol Rodolfo Tor e outros membros do governo que os planos do Governo para mudar a mentalidade da UIR são importantes para o futuro.

"Quero a polícia a fazer o seu trabalho com base na lei e na ordem, dado que isso determina se o o público as vê como profissionais, mas devem também servir a comunidade com integridade pessoal," disse o SRSG Khare na cerimónia de entrega de certificação provisória a 29 membros da UIR na Sexta-feira (11/1) na sede da UIR em Dili. (DN)

7 cidadãos Indonésios e 2 Chineses deportados

O Director do Departamento da Imigração, Inspector Carlos Jeremias, disse que o Governo de Timor-Leste através do Departamento da Imigração deportou sete cidadãos Indonésios e dois Chineses.

"Do número total de 33 cidadãos estrangeiros investigados nos últimos dois dias deportámos sete Indonésios e dois Chineses para os seus países …alguns deles não foram deportados porque pagaram uma multa," disse o Sr. Jeremias.

Concluiu-se que os cidadãos deportados eram culpados de trabalhar quando estavam no país com visto de turismo. Esses cidadãos estrangeiros que foram deportados voluntariamente não serão autorizados a entrar em Timor-Leste nos próximos dois anos. (STL))

Call for East Timorese workers to fill job vacancies

ABC News
Posted 4 hours 14 minutes ago

East Timor's President Jose Ramos-Horta is appealing to the Federal Government to let thousands of his country's workers fill labour vacancies in Australia.

Businesses are struggling to address labour shortages in many parts of Australia.

Dr Ramos-Horta says he approached the former Howard Government with his idea to fill labour shortages with East Timorese workers, but says he did not get a response.

However he says he hopes the Rudd Government will take a different approach

"So I would plead with Australia to let in a few hundred Timorese, a few thousand, for let's say up to nine months of the year," he said.

Dr Ramos-Horta says allowing Timorese people seasonal work in Australia would be of great benefit to both countries.


Pedido para trabalhadores Timorenses ocuparem vagas de emprego

ABC News
Postada a 4 horas 14 minutos atrás

O Presidente de Timor-Leste José Ramos-Horta está a apelar ao Governo Federal para autorizar que milhares de trabalhadores do seu país preencham vagas de emprego na Austrália.

Os comerciantes lutam para responder a carências laborais em muitas partes da Austrália.

O Dr Ramos-Horta diz que abordou o antigo Governo de Howard com a sua ideia de preencher as carências laborais com trabalhadores Timorenses, mas diz que não obteve uma resposta.

Contudo diz que espera que o Governo Rudd aborde de modo diferente

"Assim pedirei à Austrália que autorize algumas poucas centenas de Timorenses, uns poucos milhares para digamos nove meses por ano," disse.

O Dr Ramos-Horta diz que autorizar o povo Timorense a fazer trabalho sazonal na Austrália será um grande benefício para ambos os países.

Xanana recorda o mal que Suharto fez ao povo timorense

A Semana Online


O general Suharto, que se encontra na iminência de morrer, vai ser recordado pelo primeiro-ministro de Timor-Leste, Xanana Gusmão, como um homem que causou muitos males aos timorenses. Ainda assim, o homem que conduziu a resistência contra o ocupante indonésio não deixa de salientar alguns aspectos positivos de Suharto.

Para Xanana Gusmão, o general Suharto "foi um homem que teve o seu lado bom e mau. Teve os seus lados fracos, sobretudo por não respeitar os direitos humanos, governar em ditadura e promover a corrupção, mas foi também o promotor do desenvolvimento de um grande país, o que - tratando-se do quinto país mais populoso do mundo - não foi fácil".

Suharto, prossegue Xanana, “ficará também na história pelo mal que fez ao povo de Timor e ao Indonésio, mas a sua atitude não poderá deixar de ser contextualizada na época em que governou. Teve algum brilho, mas também grandes desaires, como os direitos humanos e a democracia."

O Primeiro-Ministro timorense aproveitou para recordar que recebeu felicitações do ex-Presidente da Indonésia quando venceu as eleições presidenciais, em 2002.

Pois é!... Mas o mal é esse mesmo!...

14 Janeiro 2008
Blog Do alto do Tatamailau!...

"O povo deu-me um mandato (de cinco anos) e o cumprirei da melhor forma possível".
Xanana Gusmão14.01.2008 EFE

Pois é!.. Mesmo dando de barato que foi o povo que lhe deu o que não deu, o mal é que "a melhor forma possível" de VEXA não chega para aquilo que se propôs fazer!...

"Quem te manda a ti, sapateiro, tocar rabecão?!...".

Já ouviu falar do "princípio de Peter"? Ora veja aqui

VEXA é um caso paradigmático da aplicação deste princípio! Quem não merece mais que um "sofrível" não pode desempenhar funções para que é necessário, no mínimo, ser-se "bom"!... E, nitidamente, VEXA não o é...

Coisas da vida!...Mas é pena! Bem que os timorenses precisavam que fosse...

Publicada por Manuel Leiria de Almeida

Onde anda a LUSA?...

H. Correia deixou um novo comentário na sua mensagem "TEREMOS CRIMINOSOS NOS ORGÃOS DE SOBERANIA?":

Aqui está um exemplo de um assunto altamente polémico que neste momento faz correr rios de tinta (ou de pixels), mas tem sido perfeitamente ignorado pela Lusa e pela imprensa portuguesa em geral.


Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.