quarta-feira, março 12, 2008

Ramos-Horta names gunman


THE President of East Timor, Jose Ramos-Horta, identified the rebel who shot and seriously wounded him in the February 11 attacks as a man he helped nurse back to health two years ago.
Marcelo Caetano shot Mr Ramos-Horta at the front gate of his villa overlooking the Dili harbour, the President's brother, Arsenio, told the Herald last night.

"The President recognised him," Arsenio Ramos-Horta said. "This man must be brought to justice."

Two years ago Caetano, one of 600 disgruntled Timorese soldiers who were sacked after going on strike, was shot in the chest during a gun battle on Dili's outskirts.

Arsenio Ramos-Horta said his brother took Caetano into his house and arranged care for him while he recovered. Caetano stayed at the house for two weeks.

Caetano is believed to be on the run in East Timor's central mountains with other rebels who were involved in the Dili attacks, including the former army lieutenant Gastao Salsinha.

The rebels have told negotiators they will surrender only to the President, who is recovering in Darwin Private Hospital after six operations.

But a force of 350 heavily armed Timorese soldiers have surrounded the area where the rebels are believed to be holed up and have orders to hunt and, if necessary, kill them.

Salsinha missed several earlier deadlines to surrender.

Arsenio Ramos-Horta spoke to the Herald about Caetano while in the President's hospital ward last night.

He said he had not spoken directly with his brother about the shooting but said he knew he had identified Caetano, a low-ranked former soldier.

Arsenio Ramos-Horta said he confirmed Caetano was the gunman when he spoke to security guards who were at the house on the morning of the attacks.

Investigators already have the testimony of the rebel Amaro Da Costa, who saw Mr Ramos-Horta being shot as he hurried to his house after a morning walk.

"A minha saúde está no bom caminho", diz Ramos-Horta

Díli, 12 Mar (Lusa) - O Presidente da República de Timor-Leste, na sua primeira declaração pública desde o ataque de 11 de Fevereiro, afirmou que a sua saúde "está no bom caminho".

"A minha saúde está no bom caminho, apesar de ir devagar. Dentro de algum tempo, vou fazer o possível para voltar a Timor-Leste, para continuar a trabalhar", declarou José Ramos-Horta em Darwin, Austrália.

A declaração de José Ramos-Horta foi gravada em três línguas para transmissão televisiva: tétum, português e inglês.

"Pela primeira vez, desde que um nosso irmão, do grupo de Alfredo Reinado, do Grupo Salsinha, disparou contra mim, tenho hoje a possibilidade de falar a todo o povo timorense", começou por explicar o Presidente na sua curta mensagem.

"Aqui, no Hospital em Darwin, fui muito bem tratado por todos. Agradeço ao pessoal da ambulância e ao enfermeiro da GNR que me levou ao hospital no heliporto" de Díli, disse o chefe de Estado.

"Agradeço aos médicos no heliporto, do Centro Médico Aspen, que me salvaram a vida em Díli, antes de ser trazido de avião para Darwin", acrescentou o Presidente timorense.

"Não vou falar muito. Mais uma vez agradeço a todos vós. Peço ao governo, aos deputados e aos partidos, para trabalharem juntos para ajudar os pobres. Obrigado", concluiu José Ramos-Horta.

O chefe de Estado timorense foi atingido a tiro durante um ataque à sua residência em Díli pelo grupo do major Alfredo Reinado, que foi morto pela guarda presidencial.

Pouco depois, um segundo grupo, liderado pelo ex-tenente Gastão Salsinha, atacou a coluna onde seguia o primeiro-ministro, Xanana Gusmão, que saiu ileso da emboscada.


JSMP: Legal proceedings in Oecusse - February 2008

Press Release
Legal proceedings in Oecusse – February 2008
12 March 2008

Despite its relative isolation, the Oecusse District Court is well organised and in good repair. A two-storey building close to the local police station, the district offices and the local UNMIT outpost, it contains separate office facilities for judges, prosecutors and defenders, and is fully equipped for court administration. A generator on site ensures constant power, and air conditioning renders the building perfectly habitable.

This venue, however ready for service, is presently only scheduling cases for, at most, four days each month. In accordance with Directive 06/2007 on judicial personnel, a judge–Helder Antonio do Carmo – has been permanently appointed to Oecusse, as with each jurisdiction. A house has been built to accommodate Dr Carmo. Due to delays in furnishing the property, though, the judge is yet to take up residence here. JSMP has also learned that other properties acquired for the use of the prosecutor and public defender are, similarly, not yet ready for habitation due to ongoing renovations.

Instead, Oecusse’s dedicated judicial member travels to hear cases once a month, on this occasion accompanied by two other judges as required to hear cases as a panel. Where charges against a defendant may incur a sentence upward of five years’ in jail, the criminal procedure code stipulates the matter be heard by three judges together. Attending in February were judges Vitor Hugo Pardal and Constancio Basmery.

The court clerk, Vasco Kehi (assisted for the few days of this month’s sitting by an international counterpart), had scheduled four cases over as many days. Regrettably, only one matter was heard. One matter, due for a hearing on 28 February, did not proceed as police had not been able to locate the defendant to deliver a letter of notification. Parties in two other cases were not able to reach court as seasonal flooding had isolated their communities, and these cases were postponed to April.

Pedro Andrade, a public defender who has often argued cases in Oecusse, told JSMP that judges had, over preceding years, been strong advocates for the renovation of this court site, apparently despite some resistance from central administration. Dr Andrade also noted that recent graduates of legal training have increased the ranks of Timor’s public defenders to 16, with another four soon to complete their studies. It is hoped that this will ensure greater availability of defence lawyers at district locations.

Unfortunately, the cases for which Dr Andrade had travelled from Dili were not held. Police were sent, as waters subsided, to fetch the parties if possible, but in the mean time, the court continued through its docket. The first listed case, officially registered as 32/crms/2007/TDO, was a criminal matter, in which two defendants had been charged with stealing the victim’s roof, supposedly to satisfy a one-buffalo debt.

Testimony in this matter was heard on 25 February, and a witness interviewed. The Dili-based prosecutor, Domingos Barreto, presented indictments under section 406(1) of the Indonesian Penal Code, relating to destruction of property. Judge Carmo, handing down judgement two days later, found insufficient evidence in support of this case, and the defendants were acquitted without any financial liability to the court.

Dr Barreto laudably took time to explain the judgement to parties and warn against reprisals. Throughout the trial, care had been taken to translate proceedings into Baiqueno, the language of Oecusse. This entailed translation by judicial personnel between Portuguese and Tetum, and further translation to and from Baiqueno.

JSMP understands that Tetum is increasingly used in court at Oecusse, and that this is largely accepted by judges and lawyers. As no direct Baiqueno-Portuguese translator has yet been located and employed, the process of referring courtroom proceedings through Tetum is time-consuming and risks miscommunication to and between parties. JSMP staff have reported similar problems with translation into the local Macassae language at the Baucau court, and into Bunaq in the Suai jurisdiction.

The accused were ably represented by Mateus Nesi, a private lawyer with the local NGO Fundação Fatu Sinai Oecusse (FFSO). While in Oecusse, JSMP researchers met with representatives of FFSO and observed that formal mediation processes facilitated by the organization, often using legally trained ‘lian nain’, or local ritual leaders, were taking place with a frequency that far exceeded the current workload of the court.

JSMP also interviewed local community leaders who expressed concerns over the cost and time involved in taking matters to court. Travelling distance was also stated to be an issue – a problem now partially addressed in Suai by limited circuit hearings, whereby judges have, in some instances, travelled to remote locations to hear cases. Many saw dispute resolution in the community as preferable for practical, rather than explicitly cultural, reasons, even in respect of some serious criminal matters.

An unfortunate conclusion to proceedings at Oecusse district court last month saw parties from the delayed cases arrive with police escort only an hour after judicial personnel had departed overland for Dili immediately following the sole judgement. JSMP considers that this court is under-utilised at present, and calls for practical steps to be taken in order that more regular hearings take place. Delays as are now common in this jurisdiction undermine confidence in the formal system and, unsurprisingly, bolster support for alternative measures that may not be appropriate in all cases.

For further information please contact:

Timotio de Deus
Director, JSMP
Email: timotio@jsmp.minihub.org
Phone No: 3323883

This article was sent to you by the Judicial System Monitoring Programme (JSMP). Through the provision of independent legal analysis, court monitoring and community outreach activities JSMP aims to contribute to and evaluate the ongoing process of building a strong and sustainable justice system in Timor Leste. Visit our website at http://www.jsmp.minihub.org/

JSMP does not guarantee the content or endorse the views contained in articles distributed the list other than in respect of those publications prepared by JSMP itself.


JSMP: Precedimentos legais em Oecusse - Fevereiro 2008

Comunicado de Imprensa
Procedimentos legais em Oecusse – Fevereiro 2008
12 Março 2008

Apesar do seu isolamento relativo o Tribunal do Distrito de Oecusse está bem organizado e bem reparado. É um edifício de dois andares perto da estação da polícia, dos gabinetes do distrito e do posto local da UNMIT, contém instalações separadas para juízes, procuradores e defensores, e está completamente equipado para os serviços administrativos. Um gerador no local garante energia constante, e o ar condicionado torna o edifício perfeitamente habitável.

Esta instalação, apesar de estar pronta para trabalhar, presentemente apenas marca casos no máximo, quatro dias por mês. De acordo com a Directiva 06/2007 sobre o pessoal judicial , um juíz – Hélder António do Carmo – foi nomeado permanentemente para Oecusse, como para cada jurisdição. Foi construída uma casa para alojar o Dr Carmo. Devido a atrasos para mobilar a propriedade, contudo, o juiz ainda não está a residir aqui. O JSMP sabe também que outras propriedades adquiridas para uso do procurador e do defensor público estão, igualmente, não prontas para serem habitadas devido a renovações em curso.

Em vez disso os membros dedicados ao sector judicial de Oecusse viajam para ouvir os casos, uma vez por mês, sendo nessa ocasião acompanhados por dois outros juízes conforme requerido para ouvir casos colectivos. Quando as acusações contra um réu podem incorrer numa sentença de mais de cinco anos de prisão, o código do processo penal estipula que a matéria seja ouvida por três juízes juntos. A participar em Fevereiro, estiveram os juízes Vitor Hugo Pardal e Constâncio Basmery.

O funcionário judicial, Vasco Kehi (assistido nalguns poucos dias deste mês por um colega internacional), tinha marcado quatro casos para quatro dias. Lamentavelmente só uma matéria foi ouvida. Uma matéria, agendada para uma audiência em 28 de Fevereiro, não ocorreu porque a polícia foi incapaz de localizar o réu para lhe entregar a carta de notificação. As partes doutros dois casos não conseguiram chegar ao tribunal por causa das inundações sazonais terem isolado as suas comunidades e esses casos foram adiados para Abril.

Pedro Andrade, um defensor público que tem defendido muitas vezes casos em Oecusse, disse ao JSMP que os juízes, em anos anteriores, tinham advogado fortemente a renovação deste tribunal, aparentemente apesar de alguma resistência da administração central. O Dr Andrade anotou também que graduados recentes de formação legal aumentaram as fileiras dos defensores públicos de Timor para 16, com outros quatro em breve a completarem os estudos. Espera-se que isto assegure maior disponibilidade de advogados de defesa localizados nos distritos.

Infelizmente, os casos por causa dos quais o Dr Andrade tinha vindo de Dili não ocorreram. A polícia foi enviada, quando a água baixou, a buscar as partes, se possível, mas entretanto, o tribunal continuou os seus procedimentos. O primeiro caso listado, registado oficialmente como 32/crms/2007/TDO, era de matéria criminal, no qual dois réus tinham sido acusados de terem roubado o telhado da vítima, supostamente para satisfazer uma dívida de búfalo.

Os testemunhos nesta matéria foram ouvidas em 25 de Fevereiro, e entrevistada uma testemunha. O procurador com base em Dili, Domingos Barreto, apresentou acusações sob a secção 406(1) do Código Penal Indonésio, relativo a destruição de propriedade. O juiz Carmo, ditou a sentença dois dias depois, concluiu que a evidência era insuficiente e os réus foram inocentados sem qualquer pagamento ao tribunal.

O Dr Barreto louvavelmente aproveitou o tempo para explicar a sentença às partes e avisar contra represálias. Durante o julgamento, houve o cuidado de se traduzir os procedimentos para Baiqueno, a língua de Oecusse. Isto obrigou a tradução pelo pessoal judicial entre o Português e Tétum, e mais tradução de e para Baiqueno.

O JSMP sabe que o Tétum é cada vez mais usado no tribunal em Oecusse, e que isto é largamente aceite por juízes e advogados. Como não foi ainda encontrado nem contratado nenhum tradutor directo Baiqueno-Português o processo de se fazer os procedimentos através do Tétum consome tempo e corre-se o risco de má comunicação para e entre as partes. O pessoal do JSMP relatou problemas similares com traduções para a língua local Macassae no tribunal de Baucau e para Bunaq na jurisdição de Suai.

Os réus foram representados capazmente por Mateus Nesi, um advogado particular da ONG local Fundação Fatu Sinai Oecusse (FFSO). Enquanto estiveram em Oecusse, os investigadores do JSMP encontraram-se com representantes da FFSO e observaram que processos formais de mediação facilitados pela organização, usando muitas vezes formados legalmente ‘lian nain’, ou leitores locais de rituais, ocorriam com uma frequência que muito excedem a carga de trabalho corrente dos tribunais.

O JSMP entrevistou também líderes da comunidade local que expressaram preocupações com o custo e o tempo envolvidos em levar matérias para o tribunal. A distância da viagem foi também afirmado ser uma questão – um problema respondido agora parcialmente em Suai por audiências de circuito limitado, pelas quais juízes têm, Algumas vezes, viajado para locais remotos para ouvir casos. Muitos vêem a resolução de disputas na comunidade preferíveis por razões práticas, em vez de culturais explicitamente, mesmo no que diz respeito a algumas matérias criminosas graves.

Uma conclusão infeliz aos procedimentos do tribunal do distrito de Oecusse no mês passado viu as partes dos casos adiados a chegarem com escolta da polícia apenas uma hora depois do pessoal judicial ter partido para Dili imediatamente depois do único julgamento. O JSMP considera que este tribunal está no presente sub-utilizado e pede que sejam dados passos práticos de modo a realizarem-se mais audiências regulares. Os atrasos como agora são comuns nesta jurisdição minam a confiança no sistema formal e, sem surpresa aumentam o apoio a medidas alternativas que podem não ser correctas em todos os casos.

Para mais informação por favor contacte:

Timotio de Deus
Director, JSMP
Email: timotio@jsmp.minihub.org
Phone No: 3323883

Este artigo foi enviado pelo Programa de Monitorização do Sistema Judicial (JSMP). Através da provisão de análise legal independente as actividades do JSMP de análise legal monitorização dos tribunais e passagem pela comunidade visam contribuir para e avaliar o processo em curso de construção dum sistema de justiça forte e sustentável em Timor Leste. Visito o nosso website em http://www.jsmp.minihub.org

O JSMP não garante o conteúdo nem endossa as opiniões contidas nos artigos distribuídos na lista além dos preparados pelo próprio JSMP .

Ramos-Horta faz primeira declaração pública

Um mês depois do atentado

Num vídeo divulgado por uma estação de televisão australiana, o chefe de Estado timorense agradeceu à equipa médica que o assistiu, incluindo o paramédico português que foi o primeiro a tratá-lo logo após o ataque.

Paula Cosme Pinto
10:50 Quarta-feira, 12 de Mar de 2008

Um mês depois do atentado de que foi vítima em Díli, Ramos-Horta fez as suas primeiras declarações públicas. No vídeo gravado no hospital australiano de Darwin, onde se encontra internado, o Presidente timorense agradeceu ao paramédico português que o assistiu logo após o ataque e à solidariedade que tanto "chefes de Estado como cidadãos comuns" têm demonstrado.

"Queria agradecer ao serviço de ambulância do hospital de Díli e ao paramédico português que foi o primeiro a tratar-me", disse Ramos-Horta numa mensagem gravada e divulgada por uma cadeia de televisão australiana. Na sua primeira declaração pública após a tentativa de homicídio, o Prémio Nobel da Paz escusou-se a falar sobre os pormenores do ataque do dia 11 de Fevereiro, optando por fazer apenas agradecimentos a todos aqueles que o apoiaram ao longo do último mês.

"Agradeço à igreja de Timor, às igrejas de todo o mundo, às pessoas de todo o mundo. Aos líderes mundiais, aos cidadãos comuns, que ao longo de todo este tempo me têm dedicado a sua solidariedade, apoio e as suas preces", afirmou Ramos-Horta.

Em declarações à imprensa australiana, o director do hospital de Darwin, Len Notaros, afirmou que o presidente timorense deve ficar internado durante pelo menos mais uma semana, estando previsto que possa vir a ter alta dentro de dez dias.

Reunião do Conselho de Ministros de 12 de Março de 2008

IV Governo Constitucional


O Conselho de Ministros reuniu-se esta Quarta-feira, 12 de Março, 2008, na Sala de Reuniões do Conselho de Ministros, no Palácio do Governo, em Díli, e aprovou:

1- Decreto-Lei que aprova a Orgânica do Ministério da Justiça.

O presente diploma estabelece a Estrutura Orgânica do Ministério da Justiça, que define as atribuições, a organização e o funcionamento dos respectivos serviços e organismos sob a sua tutela. O Ministério da Justiça é o organismo responsável pela concepção, implementação e coordenação da política definida e aprovada pelo Parlamento Nacional e pelo Conselho de Ministros para as áreas da Justiça e do Direito.
A presente proposta de diploma visa desburocratizar a estrutura orgânica do Ministério da Justiça, através da criação de serviços integrados na administração directa e indirecta do Estado, como as Direcções Nacionais, por um lado, e o Centro de Formação Jurídica e a Defensoria Pública, por outro.

2- Resolução do Governo que atribui um subsídio às famílias dos peticionários.

O Conselho de Ministros aprovou uma Resolução do Governo visando atribuir um subsídio no montante de USD 150 (cento e cinquenta dólares americanos) às famílias de cada um dos peticionários concentrados em Aitarak Laran, para garantir o seu sustento imediato.
Este subsídio encontra justificação no facto dos peticionários estarem praticamente todos concentrados a pedido do Governo, sendo que alguns deles abandonaram mesmo os respectivos empregos por esse motivo, estando, assim, impossibilitados de proverem o sustento dos respectivos familiares.
O Ministério da Solidariedade Social, através da Secretaria de Estado da Assistência Social e Desastres Naturais, em coordenação com a Assessoria para a Sociedade Civil do Primeiro-Ministro, promoverão a ajuda necessária à distribuição deste apoio monetário.

O Conselho de Ministros analisou ainda:

3 - Programa de Descentralização da Administração Pública.

O Conselho de Ministros debateu e aprovou as linhas orientadoras do processo de descentralização e governo local em Timor-Leste, a fim de elaborar uma Proposta de Lei a apresentar ao Parlamento Nacional no sentido de criar uma estrutura de municípios a suceder ao actual sistema de distritos e sub-distritos.
O programa analisado na reunião de hoje baseia-se num diálogo abrangente que foi conduzido pelo Grupo de Trabalho Técnico Interministerial para Estudos de Descentralização, com a participação de representantes da sociedade civil e ONG’s, que participaram no processo de discussão realizado em visitas extensivas aos distritos, sub-distritos e sucos, e é acompanhado de um quadro estratégico e calendário de implementação.

4- Apresentação sobre Reestruturação Salarial e Carreiras da Função Pública.

O Conselho de Ministros ouviu uma apresentação efectuada por um técnico do Ministério das Finanças relativamente à reestruturação salarial e das carreiras da Função Pública. O Governo discutiu a apresentação, colocou algumas questões e decidiu aprofundar o estudo sobre a proposta feita em posterior reunião.

5- Apresentação sobre Orçamento Rectificativo.

A Ministra das Finanças fez uma apresentação ao Conselho de Ministros sobre o Orçamento Rectificativo no sentido de informar sobre os passos e a colaboração a dar por cada um dos membros do Governo.

6- Apresentação sobre “Task Force” no Sector das Telecomunicações.

O Conselho de Ministros ouviu uma apresentação de uma proposta do Ministério das Finanças no sentido de alterar o ordenamento jurídico vigente no sector das telecomunicações. Depois de uma análise e uma discussão aprofundada sobre o assunto, o Conselho de Ministros decidiu que o mesmo deverá ser aprofundado em reunião posterior.

Línguas de Timor na Internet

(encontrado no Blog hanoin oin-oin de João Paulo Esperança)

Sítios na Internet com recursos diversos sobre línguas de Timor:




UNMIT – MEDIA MONITORING - Wednesday, 12 March 2008

"UNMIT assumes no responsibility for the accuracy of the articles or for the accuracy of their translations. The selection of the articles and their content do not indicate support or endorsement by UNMIT express or implied whatsoever. UNMIT shall not be responsible for any conseque6nce resulting from the publication of, or from the reliance on, such articles and translations."

National Media Reports

TVTL News Coverage

Monteiro: no more bargaining with Salsinha: The General Prosecutor of the Republic, Longuinhos Monteiro said that the Government and the General Prosecutor will not bargain with Salsinha. “As the Government’s representative in this case, I tell you that we will not bargain with Salsinha. For us this is an urgent case to be solved immediately,” said Mr. Monteiro on Tuesday (11/3) in Caicoli, Dili. According to Mr. Monteiro, Salsinha asked on Monday (10/3) to extend his time for surrendering, but then broke his own promise by sending a letter to the General Prosecutor explaining that he would not be surrendering.

“Now Salsinha says that he wants to surrender to PR Ramos-Horta when the President returns from Australia; this is his own statement. If something happens, don’t blame the Government” said Mr. Monteiro.

Xanana: Salsinha, don’t waste this time: At the plenary session of the National Parliament on Tuesday (11/3) PM Xanana Gusmão appealed to all people who have connections with Salsinha and his group to persuade them to surrender, rather than to die. With regards to the Prosecutor General Longuinhos Monteiro’s relationship with Salsinha, the Prime Minister said that the Prosecutor General’s interaction with Salsinha was only to confirm whether Salsinha would surrender or not.

RTL News Coverage

Monteiro: Salsinha influenced to not surrender: The General Prosecutor of the Republic Longuinhos Monteiro has claimed that there is an important person in this country who is influencing Salsinha not to surrender to the old leadership, but instead to surrender to the new leaders- the Prosecutor General declined to reveal who the new leaders are.

Separately, Mr. Monteiro also said that some people outside the country are attempting to supply Salsinha with weapons. “I have new information that a person has tried to get between 5-10 weapons to support Salsinha,” said Mr. Monteiro on Tuesday (11/3) in Dili. However, Mr. Monteiro believes that the weapons will not reach Timor-Leste as the country has taken action to prevent this kind of weapons’ distribution.

Mateus Fernandes: The operation against rebels may create victims: Related to the unsuccessful attempts to get Salsinha to surrender to the state, the Deputy Commander of the F-FDTL/PNTL Joint Operation, Inspector Mateus Fernandes, said that the operation against the rebel leader may create victims if the rebels do not follow the state’s instruction and open fire against the operation in Ermera. Inspector Fernandes said that the Joint Operation will attempt to avoid using physical confrontation against the rebels, instead looking for peaceful ways to get them to surrender. “We really don’t want this operation to create victims. So we are asking Salsinha not to listen to rumours,” said Inspector Fernandes. The F-FDTL/PNTL Joint Operation continues in the districts, while in Ermera district the operation is approaching the stronghold of Salsinha and his group.

Print Coverage

Monteiro: no more bargaining with Salsinha: The General Prosecutor of the Republic, Longuinhos Monteiro said that the Government and the General Prosecutor will not bargain with Salsinha. “As the Government’s representative in this case, I tell you that we will not bargain with Salsinha. For us this is an urgent case to be solved immediately,” said Mr. Monteiro on Tuesday (11/3) in Caicoli, Dili. According to Mr. Monteiro, Salsinha asked to extend his time for surrendering on Monday (10/3) but then broke his own promise by sending a letter to the General Prosecutor explaining why he would not be surrendering.

“Now Salsinha says that he wants to surrender to PR Ramos-Horta when the president returns from Australia; this is his own statement. If something happens, don’t blame the Government” said Mr. Monteiro.

Xanana: Salsinha, don’t waste your time: PM Xanana Gusmão appealed to Salsinha and his group to not waste time by waiting for PR Ramos-Horta’s return in order to surrender.

“Salsinha is waiting for the President to surrender, but this will not help. This is not an option that the Joint Operation Command will consider,” said PM Xanana at the plenary session of the National Parliament on Tuesday (11/3) when the Prime Minister presented the report of the 48 hours of the ‘State of Siege’ to the National Parliament.

PM Xanana Gusmão also appealed to all people who have connections with Salsinha and his group to persuade them to surrender, rather than to die. With regards to the Prosecutor General Longuinhos Monteiro’s relationship with Salsinha, the Prime Minister said that the Prosecutor General’s interaction with Salsinha was only to confirm whether Salsinha would surrender or not. (STL)

Tara-Tilman meet Lasama: Petitioners, not to return to the military: Former Major Augusto ‘Tara’ and Marcos ‘Pilotu’, together with four other petitioners, officially met the Acting President of the Republic, Fernando ‘Lasama’ to discuss the future for the petitioners gathered in Aitarak Laran, Dili.

Major Tara said that the position of the Acting President is also the same as the Governments: that the petitioners cannot return to the military and must remain as civilians.

“We are asking Prime Minister Xanana to clarify that the petitioners are to indeed remain as civilians, so that we have a clear answer,” said Tara on Tuesday (11/3) after meeting the Acting President. (STL)

Joint Operation overacts: NP asks Xanana to quit: Member of the National Parliament are asking PM Xanana to quit from his position as the Minister of Security and Defence as he is unable to control PNTL and F-FDTL officers who acted inappropriately during the ‘State of Siege.’ During the NP plenary session, the Prime Minister offered no comment on this, but said that the Joint Operation Command would make efforts to improve their attitudes. The Prime Minister has also appealed for community members to report what they see, hear and feel to the Provedor of Human Rights. (STL)

People try to support weapons to Salsinha: The General Prosecutor of Republic Longuinhos Monteiro said that some people outside the country are attempting to supply Salsinha with weapons. “I have new information that a person has tried to get between 5-10 weapons to support Salsinha,” said Mr. Monteiro on Tuesday (11/3) in Dili. However, Mr. Monteiro believes that the weapons will not reach Timor-Leste as the country has taken action to prevent this kind of weapons’ distribution. (TP)

Op/Ed: Horta asks Salsinha to surrender: PM Xanana Gusmao has reaffirmed PR Horta’s message that the deadline for Salsinha to surrender is Tuesday (11/3), and that military action would follow if he did not surrender. This message is very important to Salsinha and his group and should make them think about what they have done. This message may have come as a response to Salsinha’s letter stating that he would only surrender when PR Horta returned to Timor-Leste.

Will Salsinha obey the call to surrender, or will he wait some more time? Let’s see who follows who: will the state follow Salsinha’s whims? Or will Salsinha follow the State’s demands. On the one hand, each party has a right to self-defence, but it is also important that each party contribute to the nation’s stability. Let’s wait for the implementation of the state’s decision to see what the intentions are: to kill, or to listen to each other? (TP)

Riak Leman: ‘State of Siege’ benefits community: The Social Democratic Party (PSD) member of NP, Riak Leman said that the ‘State of Siege’ should be extended as the situation is still unstable given that Salsinha has not as yet surrendered and that weapons distributed in 2006 are still at large. Mr. Leman also said that the ‘State of Siege’ does not discriminate against anyone but instead benefits all members of the community. (TP)

Ana Pessoa: ‘State of Siege’ should not become ‘State of Normal’: Fretilin member of National Parliament, Ana Pessoa said that the ‘State of Siege’ should not become a ‘State of Normal’. “The ‘State of Siege’ is implemented only when the nation is being threatened or in grave danger, this is why PR Ramos-Horta accepted the ‘State of Siege’ for a period of 48 hours,” said Ms. Pessoa in NP, Dili when PM Xanana presented the report of the 48 hours of the ‘State of Siege’.

Ms Pessoa also said that there is something wrong with the country if people can only live in peace during a ‘State of Siege’. “If all the petitioners are calm, why are we continuing with the ‘State of Siege’? Because of Salsinha? In the 2006 crisis, PM Alkatiri did not authorize a demonstration, but PR Xanana said that to demonstrate is a right. Why didn’t he implement the ‘State of Siege’ at that time when people were burning houses … we have be honest, if there is threat to the nation, we [the government] should inform the people so that they can know the truth and not listen to rumours.” (DN)

National News Sources:
Televizaun Timor-Leste (TVTL)
Radio Timor-Leste (RTL)
Timor Post (TP)
Suara Timor Lorosae (STL)
Diario Tempo (DT)
Diario Nacional (DN)
Semanário Nacional (SN)
Tempo Semanal (TS)

Agradecimentos de Ramos Horta nas primeiras declarações públicas após atentado

Sydney, Austrália, 12 Mar (Lusa) - O presidente de Timor-Leste, José Ramos Horta, agradeceu hoje à equipa médica que o acompanhou e todos os que o apoiaram, na sequência da tentativa de homicídio falhada de 11 de Fevereiro.

Nas suas primeiras declarações públicas, o prémio Nobel da Paz disse, numa mensagem gravada e transmitida por uma cadeia de televisão australiana, que não vai falar já sobre os detalhes do ataque de 11 de Fevereiro perpetrado em sua casa em Díli.

“Hoje é a primeira vez que falo publicamente. Apesar de não desejar fazer um discurso político, nesta semana pascal gostaria de aproveitar para agradecer a todos os que rezaram por mim, que olharam por mim, e que trataram de mim após a tentativa de homicídio”, afirmou.

O presidente de Timor-Leste foi internado num hospital da cidade australiana de Darwin, onde passou uma semana em coma induzido, tendo ainda sido submetido a cinco intervenções cirúrgicas.

Len Notaros, o director do Royal Darwin Hospital, onde Ramos Horta está a ser tratado, disse que o chefe de Estado timorense deve ficar internado durante pelo menos mais uma semana.

O presidente timorense sofreu a 11 de Fevereiro uma emboscada montada pelo grupo liderado por Alfredo Reinado, que foi morto pelos guardas presidenciais durante o ataque.

O primeiro-ministro Xanana Gusmão escapou ileso a um outro ataque quando viajava de carro no mesmo dia.


Ramos-Horta thanks supporters in message

March 12, 2008 - 1:59PM
East Timorese President Jose Ramos-Horta has thanked supporters around the globe in his first public comment since an assassination attempt last month.

Dr Ramos-Horta released video giving a brief message in three languages from the Darwin Private Hospital, where he is continuing to recuperate from gunshot wounds.

The president was shot twice in the back outside his home in Dili on February 11, when he and Timorese Prime Minister Xanana Gusmao were targeted by rebels in assassination attempts. Mr Gusmao escaped unscathed.

"It is the first time I have been able to speak publicly," Dr Ramos-Horta said in the three-minute statement.

The president, who has undergone surgery five times and faces a sixth operation to re-attempt part of a skin graft that failed to take, spoke firmly in the message.

"Although I am refraining from making a political speech, this being Easter week, I wish to use this opportunity to thank all who prayed for me, who looked after me, who prayed for me."

He thanked the government and people of Australia, paramedic and hospital staff in Dili and Darwin, the Catholic church and others around the world.

"The world leaders, common people who all this time have shown sympathy, their support and their prayers, I thank you all and God bless you.

"Here in Darwin I have been very well looked after by everybody, the staff, even the humble cleaners."

A spokesman for the president said he was expected to move out of hospital in a week or two but would remain in Darwin for some time while undergoing outpatient treatment.

Dr Ramos-Horta has told visitors he forgives rebel leader Alfredo Reinado, who was killed in the gun battle, for his role in both the attack on him and the ambush on Mr Gusmao.

So far, arrest warrants have been issued against 17 people suspected of involvement in attacks, including the man who took command of rebel soldiers after the death of Reinado, Gastao Salsinha.


Ramos-Horta agradece a apoiantes em mensagem

Março 12, 2008 - 1:59PM
O Presidente Timorense José Ramos-Horta agradeceu aos apoiantes em todo o mundo no seu primeiro comentário público desde a tentativa de assassínio no mês passado.

O Dr Ramos-Horta emitiu uma gravação em video numa breve mensagem em três línguas do Darwin Private Hospital, onde continua a recuperação das feridas das balas.

O presidente recebeu dois tiros nas costas no exterior da sua casa em Dili em 11 de Fevereiro, quando ele e o Primeiro-Ministro Timorense Xanana Gusmão foram visados por tentativas de assassínio por amotinados. O Sr Gusmão escapou ileso.

"Foi a primeira vez que falei para o exterior," disse o Dr Ramos-Horta na sua declaração de três minutos.

O presidente, que foi operado cinco vezes e espera uma sexta operação para um enxerto que não pegou, falou com firmeza na gravação.

"Apesar de me estar a refrear em fazer um discurso político, por estarmos na semana da Páscoa , desejo aproveitar esta oportunidade para agradecer a todos os que rezaram por mim, que cuidaram de mim e que rezaram por mim."

Agradeceu ao povo e governo da Austrália, paramédicos e pessoal do hospital em Dili e Darwin, à igreja católica e outras em todo o mundo.

"Os líderes mundiais, pessoas comuns que têm mostrado simpatia todo este tempo, com apoio e orações, agradeço a todos e que Deus vos abençoe.

"Aqui em Darwin toda a gente tem cuidado muito bem de mim, o pessoal, mesmo pelos empregados de limpeza mais humildes."

Um porta-voz do presidente disse que dentro duma ou duas semanas ele deve mudar-se do hospital mas que ficará em Darwin durante algum tempo enquanto estiver em tratamento ambulatório.

O Dr Ramos-Horta tem dito aos visitantes que perdoa ao líder amotinado Alfredo Reinado, que foi morto no tiroteio, pelo duplo papel dele no ataque a ele e na emboscada ao Sr Gusmão.

Até agora, foram emitidos mandatos de captura contra 17 pessoas suspeitas de envolvimento nos ataques, incluindo o homem que tomou o comando dos soldados amotinados depois da morte de Reinado, Gastão Salsinha.

ENI faz nova descoberta de petróleo no Mar de Timor

Lisboa, 11 Jan (Lusa) - O grupo petrolífero italiano ENI anunciou, em Milão, uma nova descoberta de petróleo no Mar de Timor, numa área conjuntamente administrada por Timor-Leste e pela Austrália.

Em comunicado, a ENI refere que os testes iniciais indicam uma produção potencial de 6.100 barris de petróleo por dia.

A descoberta foi feita numa zona a 500 quilómetros da costa australiana e o poço de exploração foi perfurado a 3.568 metros de profundidade.

A concessão é operada pela ENI, com 40 por cento, numa "joint-venture" com a japonesa Inpex, com 35 por cento e a canadiana Talisman Energy, com os restantes 25 por cento.

A Galp Energia está presente na exploração petrolífera em Timor-Leste, depois de ter assinado contratos com a ENI respeitantes a cinco blocos.

Os blocos de Timor-Leste atribuem direitos de exploração em cinco áreas diferentes localizadas no mar, que totalizam uma área conjunta de 12.100 quilómetros quadrados.

As concessões atribuídas são de sete anos para a fase de exploração e de 25 anos para a fase de produção.

O consórcio para a exploração em Timor-Leste é constituído pela ENI (90 por cento) e a Galp Energia (10 por cento).

A ENI detém uma participação de 33,4 por cento da Galp Energia


Timor: «Não existem razões para eleições antecipadas»

Jornal Digital

2008-03-11 20:09:33
Afirma Duarte Nunes, vice-presidente do CNRT

Díli – O duplo atentado de 11 de Fevereiro acentuou as querelas inter partidárias em Timor. Duarte Nunes, vice-presidente do partido Congresso Nacional de Reconstrução de Timor-Leste (CNRT), considera que se deve afastar a ideia de eleições antecipadas.

O CNRT, partido criado em torno da imagem de Xanana Gusmão, maioritário no seio da Aliança para uma Maioria Parlamentar (AMP) que constituiu o Governo após as últimas eleições em Timor, tem sido alvo de vários ataques da oposição, especialmente da Fretilin, que não reconhece o seu Governo como legitimo e defende eleições antecipadas, sustentando que era um dos objectivos do presidente Ramos-Horta na véspera do atentado.

Duarte Nunes, vice-presidente do CNRT, em entrevista à PNN, disse que participou em várias reuniões com Ramos-Horta e a possibilidade de haver uma eleição antecipada, a pedido da Fretilin, foi abordada. «Esta ideia ficou posta de lado porque teriam de haver razões fortes», avança Duarte Nunes, «razões conforme a Constituição», todos os partidos com assento parlamentar teriam de concordar com «essa ideia da dissolução do parlamento», e considera que ainda não há razões para discutir essa proposta.

Num cenário de eleições antecipadas o CNRT apostaria novamente no carisma de Xanana Gusmão como motor na cativação de eleitores. «O partido nasceu agarrando-se à figura do Xanana» reconhece Duarte Nunes, «as ideias vieram só para reforçar. As pessoas olham mais para o Xanana, e entendem que pelo menos ele ainda pode dar o seu contributo para melhorar a situação que pode ser estragada com esta crise. As pessoas vêem que o CNRT o pode fazer» e sublinha que «não é o programa em si ou as ideias que tentam convencer as pessoas, mas as figuras.»

«Nas campanhas, todos os partidos têm boas ideias, bons programas, mas temos um grande apoio popular. É o que se vê nas campanhas, que quando aparece o Xanana as pessoas sempre se entusiasmaram.»

No entanto a AMP começa a dar sinais de falta de coesão. O vice-presidente do CNRT reconhece algumas «fragilidades» na AMP, mas «em termos de ideias para produzir», sugerindo que para melhorar as coisas «todos têm de estar coordenados», e defende que manter e apoiar o Estado «está acima de tudo.»

«Se, por exemplo, quebrarmos a aliança (AMP), poderemos provocar novas eleições em vez de resolver os problemas dos refugiados, isto é uma ideia destrutiva», considera.

O mesmo responsável político atribui as responsabilidades da actual crise ao antigo Governo da Fretilin: «O problema era interno da F-FDTL (Forças de Defesa de Timor-Leste) que o Governo tinha na mão e podia ter resolvido a nível interno. Mas deixou passar e as coisas correram.

Depois o Governo, na pessoa do Ministro do Governo, fez a distribuição das armas. A verdade é que ele foi julgado e está preso. Baseado nisto, podemos entender que a culpa é do Governo da Fretilin. Se esta solução dos peticionários for resolvida, pelo menos as pessoas vão acreditar mais no actual Governo do que na Fretilin. A Fretilin está a tentar esforçar-se para participar, para ter algum mérito na opinião pública, porque eles também contribuíram para o problema.»

Assim, para Duarte Nunes, uma das etapas da resolução da crise em que mergulha Timor-Leste passa pela «captura daqueles que participaram nos ataques (contra Ramos-Horta e Xanana Gusmão)» e não acredita que o grupo de Gastão Salsinha consiga reorganizar-se e cativar as populações. «Eles já estiveram muito tempo com essas populações» considera o vice-presidente do CNRT, «estiveram com eles durante quase um ano, e esta última actuação é uma desilusão, portanto estão praticamente como perseguidos», perante a actual situação o mesmo político defende que a população que eventualmente protegeu os «fugitivos» desligaram-se destes pelo facto de serem homens procurados. «Ajudaram por ajudar, mas aderir às suas ideias é difícil, porque estão apertados.»

A tensão nas ruas de Díli é visível. Duarte Nunes atribui esta tensão ao Estado de Sitio declarado, «é a primeira vez que é declarada em Timor, as pessoas entendem que há um perigo eminente que se aproxima ou pode acontecer» e defende que é uma forma de se «ver se a população se submete ou não à ordem do Estado. O recolher obrigatório é uma forma de educar» e critica a Fretilin de não ter instaurado Estado de Sitio em 2006: «Na altura foi um erro. Podiam ter declarado o estado de sítio. Pelo menos as pessoas ficavam em casa, os que atentavam e infringiam o recolher obrigatório pagavam uma sanção e as coisas não corriam assim tão mal.»

Tiago Farinha

(c) PNN Portuguese News Network

Autoridades do Timor-Leste despedem-se brigada médica cubana

Havana. 11 Março de 2008
Granma Digital

DILI — Nesta cidade teve lugar uma cerimônia oficial de despedida aos médicos e ao pessoal da saúde cubana, que cumpriram digna e honrosamente uma missão na República de Timor-Leste durante mais de dois anos.

Na cerimônia marcaram presença o presidente em exercício da República de Timor-Leste, Fernando Lasama de Araújo; o primeiro vice-ministro, José L. Guterres; o ministro das Relações Exteriores, Zacarias da Silva; o da Saúde, o doutor Nelson Martins; e o embaixador de Cuba nesse país, Ramón Hernández Vázquez.

A brigada médica cubana chegará a Cuba em 13 de março no mesmo avião em que outro contingente cubano da saúde irá para o Timor, que com os que ainda permanecem nesta nação, completarão a brigada integrada agora por 237 cooperadores, além de 35 professores que irão lá neste mês a fim de continuar a Campanha Nacional de Alfabetização, por meio da qual já foram alfabetizados 550 timorenses.

O chefe de Estado do Timor, ao terminar o empolgante ato, onde todos os cooperadores receberam um diploma das autoridades do país, agradeceu em seu nome e no do povo timorense "o empenho, a dedicação e a grande ajuda prestada, através de vocês, pelo amigo povo cubano. Dou também as boas-vindas aos colaboradores que em breve chegarão e aproveitou a ocasião para fazer votos de sucessos e novas conquistas ao povo cubano".

De sua parte, o ministro da Saúde, Nelson Martins, disse:

"Muitas comunidades nos pediram que os médicos cubanos permaneçam aqui por mais tempo pois seu trabalho tem sido ótimo. Todo o pessoal médico cubano ganhou a confiança dos profissionais da saúde do Timor. Congratulo todos vocês. O povo do Timor ama-os."


Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.