quarta-feira, maio 14, 2008

UNMIT Press Conference - 14 May 2008 – Near Verbatim Transcript

UNMIT Spokesperson Allison Cooper: Thanks for joining us this morning. We are going to be talking about the Global Food Crisis and its effect in Timor-Leste, we will first hear from the Acting SRSG Finn Reske-Nielsen and we will then take your questions. Chana Opaskornkul of the UN’s Food and Agriculture Organization and Joan Fleuren, Country Director for the World Food Programme are here to assist with the questions.


Acting SRSG Finn Reske-Nielsen: Good morning, in recent weeks there have been many stories in the international media about starvation, violence and unsolvable situations stemming from the global food crisis. While the global food crisis is serious, and it will affect all countries, the situation in Timor-Leste is being managed by the Government’s importation of stocks from abroad.


Currently, there are 7,500 tonnes of rice in stock in Timor-Leste and a further 16,000 tonnes are being imported. 2,500 tonnes have arrived from Vietnam and a further 2,500 tonnes are expected this week. The remainder is due in the near future. We estimate that these food stocks will last for the immediate foreseeable future. This short-term solution will provide time for the Government to work on medium and long-term solutions.


The importations we are seeing at the moment are keeping prices from jumping. On the global market, a kilogram of rice costs between $1.20 and $1.30 compared with 40 cents 12 months ago. In Timor-Leste rice is selling for between 50 and 60 cents per kilogram compared with 40 cents per kilogram six months ago.


We do not see a danger of starvation in Timor-Leste. The Timorese have access to rice and other foods. In addition to rice, Timor-Leste produces 100,000 tonnes of maize per annum and is also a large producer of cassava which is particularly important during lean periods. Therefore there is no cause for alarm: the situation we are seeing elsewhere is not the situation we are seeing in Timor-Leste. In the coming weeks and months, the United Nations will continue to work with the Government and in particular, the National Food Security Committee, to monitor the situation and to provide advice on the unfolding situation.


Allison Cooper: Thank you Finn, do we have any questions now?


QUESTION: Good morning. I am Julio De Costa from Diario Nacional. You say that imported rice is on the way and you say the selling of rice will be the price set by the Government or will it be higher?


Joan Fleuren, WFP Country Director: The Government imports are meant to stabalise the market. So over the last 12 months globally food prices have risen by 200 per cent. But here in Timor-Leste they have not risen that much because the Government has stabilized the prices through imports. So the Government was selling rice at 50 cents a kilo, even though they spent much more than that to get it in to the community and that policy is going to continue for the foreseeable future. So to briefly answer your question, yes the food that the Government is importing will be the price the Government has set. But I would like to raise one thing the low price for the Government that the rice is importing. They can not influence by law, the prices set by private traders. So our food monitors they routinely collect price data of the market throughout the country and they usually found that the Government’s rice was sold at 50 cents and local rice is sold anywhere between 70 and 80 cents per kilo. Now this point hasn’t been asked, but I will state it: Over the last couple of weeks prices have increased quite a lot. One of the reasons is that there is not as much rice on the market as what there was a few weeks ago because the new harvest of rice has not come in and so there may be shortages locally so for the time being the Government has not yet filled that supply, increased food at subsidized prices. So you will see that Government rice is still sold for 50 cents a kilo where it’s available but other rice both imported by traders or local producers, have increased in price so it’s now one dollar a kilo.


Now, I cannot and I wouldn’t like to speak on behalf of the government and what they should do, but I do know that in conversations with government officials I know they are fully aware of this and they are taking action. And continued food imports as a short term is a good measure to do so because then the Government has food stocks of its own and they can sell it at subsidized prices.


Allison Cooper: Complementing the food import situation, Chana can you please explain about the national initiatives to produce a second crop of maize and rice?


Chana Opaskornkul, FAO: The root cause of the problem in Timor-Leste is that they have never been self-sufficient in food production. We realize that they are dependent on imported food, which every year roughly allows for twenty-five to thirty percent of food need in the country. We realize that it’s very important and at the moment that the Government does its best to purchase food from outside to keep the stock of food available in the country all the time. But, we also have to realize it’s important for TL in the medium term to increase capacity of farmers to produce more, to be more productive in terms of food production. The Ministry of Agriculture, Forestry, and Fisheries just conducted a food and crop survey last month, and from the preliminary result we know that we have a roughly 15 percent increase in food production this year. But at the same time, we still have a shortfall of production of food in the country of roughly around 50,000 metric tonnes for this year. We know that the country can be affected by the global food crisis and we may see that the price of food may decrease by the end of this year, but it will still be quite expensive. The longer-term strategy for the crisis in the country is that we must be less dependent on imported food and more productive in food production.


From the UN side, particularly FAO, we will support the Ministry of Agriculture and Fisheries in the medium term to support the farmer to be more productive, particularly in the second planting season and we’re going to start next month or the month of July. We will make good seed available and planting material and fertilizer available for roughly 30,000 families. We think by this measure we will encourage people to plant a second crop and we will increase the food production by around 30,000 metric tonnes of food production in the country. And, we also try to provide the storage capacity to farmer and it is very important because of the post harvest losses which are huge, roughly around 30 percent of food is destroyed during the storage. If you can imagine every year we produce roughly 100,000 tonnes of maize, and 30 percent of food, which is 30,000 metric tonnes, is destroyed during storage. The Government [inaudible] us to produce silos for 5,000 households this year. For the long term perspective, the Prime Minister mentioned at the rice ceremony last Saturday in Maliana that he wouldn’t say that TL could not buy more rice from the outside, he would say that we have increased production and we [inaudible] support to buy the product in the country in the next few years time.


Allison Cooper: Thank you Chana. We’ll take more questions.


QUESTION: Stephanie from Radio Australia: Are they (this is for Chana, I suppose) is there any disincentives for farmers to produce the second crop; will they have to have any initial outlay that they will have bear the burden of themselves, and what is the long-term incentive to produce a second crop?


Chana Opaskornkul: The problem with the farmers in TL is that normally they cannot sell their product because to import food has been very cheap for a long time until now. Last year the price of paddy was roughly around 12 cents per kilogram which roughly translates into 25 to 30 cents per kilo of rice. The farmer feels it’s not incentive enough for them to produce more. Through this crisis we have to take the opportunity to encourage the farmer to produce more because I think the price in the market will continue at the high level at least until the end of the year. We are working with the Government to see how to support the farmer in terms of buying the product. We have seen the trend in other countries already, like for example in Indonesia now the Government is buying paddy for farmers at roughly 25 cents per kilogram. So we think the [TL] Government might come up with the same strategy as Indonesia this year.


QUESTION: My name is Gaitano Alves from the Center of Investigative Journalism. Mr. Finn, you mentioned that for the medium term the UN will provide advice to Government in terms of the process of importing rice. Is there any other advice the UN can provide in terms of find a solution for this problem?


Finn Reske-Nielsen: First of all, let me say that the global food crisis is something that’s given a very high priority by the UN and the UN Secretary-General himself has taken charge of the UN response to the crisis and he has requested that at the country level the UN would also ensure an integrated approach across the UN system and with the World Bank. The UN system has been advising the Government a long time already on food issues particularly through the WFP efforts and the FAO. We will strengthen these efforts and yesterday I discussed with the Deputy PM that we would be very happy to advise the Government on various options that would be available in the longer term and we would also be happy to consider conducting a study of the socioeconomic impact that the food crisis might have in the medium to long term on TL. As a first step, TL has been selected as one of 20 countries that will be visited by a UN mission over the two to three months to do a country-specific assessment that could then lead to further advice down the line.


QUESTION: Pedro from Lusa: Two questions. I would like to know more if you can give some information about the ongoing negotiations between the Government and Thailand for the import of some 45 or 46,000 tones of rice. The second regards your initial statement it seems an explanation of normality that I would say no crisis can be expected; this was similar to what happened, it’s a general description of the situation in ET like last year and the year before where we saw a food crisis. What are the lessons learned from previous years and how can you be sure that no crisis will affect TL?


Finn Reske-Nielsen: We have seen over the past several months unrest in a number of countries across the globe and of course we have to remember last February we did see civil unrest particularly in Dili as a result of an acute shortage of rice. I think some of the lessons we have learned since then would include that we now have a better monitoring system in place; the WFP programme monitors the price fluctuations on a weekly basis and together with the Government also monitors the inflow of food from abroad and an estimation is done on a weekly basis of the availability of food in the country. It is also encouraging that the Government has activated its National Food Security Committee which is chaired by the Minister of Agriculture which also receives technical support from international advisors as well as from the FAO and the WFP. So a better system is in place to monitor the situation. So when I said the situation is normal and we don’t expect any serious problems it is based on this ongoing monitoring and we can say with a high degree of confidence that there is enough food available for the time being and therefore, we do not foresee there being food-related problems in the immediate future. That being said, the global food crisis is a serious problem that would require our concerted attention in the coming months in order to ensure that we keep the situation under control in TL. I do want to stress what Mr. Chana has said that there are also some opportunities that flow from the crisis: Namely that with much higher prices there is much greater incentive for farmers to expand their production and in particular in the short term this second harvest, this crop of maize, is going to help significantly to help alleviate problems later in the year. If handled correctly this could, in fact, have a positive impact on poverty alleviation in the rural areas including on nutritional standards in the country.


On the first question, I’ll ask my colleague from WFP.


Joan Fleuren: The only answer I can give is that I don’t know about the 45 tonnes from Thailand. But I do know that the Government is working hard on increasing its imports so they concluded a contract with Vietnam for 16,000 tonnes and that’s now being shipped and also negotiations are continuing with other countries including Indonesia. But, it may well be with Thailand, there must also be negotiations going on because Thailand is the largest rice exporter in the world and Thailand has not yet closed its borders for exports. And, of course, all these imports are a good solution for the short term to make sure there is no food crisis, but for the medium and long term activities are being put in place that Chan has explained.


Allison Cooper: We’re quickly running out of time here, so we’ll take two more questions.


QUESTION: I would like to clarify about the IDPs, how will you divide for them. Will they get rice for free because they are victims from two years ago?


Finn Reske-Nielsen: As you know, at the beginning of this year it was decided by the Government to reduce the distribution of food to IDPs to half ration and that policy has been maintained. Initially it was agreed that half rations distribution would only be for the months of February and March but the Government has since decided to extend that and I’ve bee advised by government that this is likely to continue until June at half ration. In the meantime, the Governments new efforts to support the voluntary relocation of IDPs are ongoing and it is very encouraging to note about 8,000 IDPs in fact have relocated on a voluntary basis and two camps including the camp at National Hospital have been closed.


QUESTION: Jesse from Dili Weekly: Was the UN’s decision to hire Roque Rodriques based on a directive from Ramos-Horta and does Finn still stand by that decision?


Finn Reske-Nielsen: We’ve issued a statement to you on this particular issue and I don’t have anything to add. If we have any developments, we’ll let you know.

Tradução:

UNMIT Conferência de Imprensa - 14 Maio 2008 – Transcrição quase verbal

Porta-vos da UNMIT Allison Cooper: obrigado por se juntarem a nós esta manhã. Vamos falar acerca da Crise Global de Alimentos e dos seus efeitos em Timor-Leste, vamos primeiro ouvir o SRSG em exercício Finn Reske-Nielsen e depois receberemos as vossas questões. Chana Opaskornkul da Organização de Alimentação e Agricultura da ONU e Joan Fleuren, Directora no País para o Programa Mundial da Alimentação estão aqui para assistir às questões.


SRSG em exercício Finn Reske-Nielsen: Bom dia, nas últimas semanas tem havido muitas histórias nos media internacionais sobre fome, violência e situações insolúveis resultantes da crise global de alimentos. Conquanto a crise global de alimentos seja séria, e afectará todos os países, a situação em Timor-Leste está a ser gerida pela importação pelo Governo de estoques do estrangeiro.


Correntemente, há 7,500 toneladas de arroz armazenado em Timor-Leste e estão a ser importadas mais 16,000 toneladas. 2,500 toneladas chegaram do Vietname e mais 2,500 toneladas são esperadas esta semana. O resto está previsto para um futuro próximo. Estimamos que estes estoques de alimentos durem para o previsto futuro imediato. Esta solução a curto prazo dará tempo ao Governo para trabalhar soluções a médio e longo prazo.


As importações que estamos a ver nesta altura impedem que os preços saltem. No mercado global, um quilograma de arroz custa entre $1.20 e $1.30 comparado com os 40 cêntimos de 12 meses atrás. Em Timor-Leste vende-se o arroz entre 50 e 60 cêntimos por quilograma comparado com 40 cêntimos por quilograma seis meses atrás.


Não vemos um perigo de fome em Timor-Leste. Os Timorenses têm acesso ao arroz e a outros alimentos. Em adição ao arroz, Timor-Leste produz 100,000 toneladas de milho por ano e é ainda um grande produtor de mandioca que é particularmente importante nos períodos magros. Por isso não há razões para alarme: a situação que estamos a ver noutros lados não é a situação que vemos em Timor-Leste. Nas próximas semanas e meses, a ONU continuará a trabalhar com o Governo e em particular, com o Comité Nacional de Segurança Alimentar, para monitorizar a situação e aconselhar à medida que a situação se desenrole.


Allison Cooper: Obrigado Finn, há algumas perguntas agora?


PERGUNTA: Bom dia. Sou Júlio De Costa do Diario Nacional. Disse que arroz importado vem a caminho e diz que o preço de venda do arroz será o preço marcado pelo Governo ou será mais alto?


Joan Fleuren, Directora do País do WFP: As importações do Governo são para estabilizar o mercado. Assim nos últimos 12 meses globalmente os preços dos alimentos subiram em 200 por cento. Mas aqui em Timor-Leste não subiram tanto porque o Governo estabilizou os preços através de importações. Por isso o Governo estava a vender o arroz a 50 cêntimos o quilo, mesmo apesar de gastarem muito mais do que isso a lev´s-lo para as comunidades e essa política vai continuar pelo futuro previsível. Assim para responder brevemente à sua pergunta, sim os alimentos que o Governo está a importar terão os preços que o Governo marcou. Mas quero levantar uma coisa o preço baixo para o arroz que o Governo está a importar. Não podem ser influenciados por lei, os preços são marcados por comerciantes privados. Assim os monitores de alimentos recolhem por rotina informações dos preços do mercado através do país e geralmente encontraram que o arroz do Governo estava a ser vendido a 50 cêntimos e o arroz local é vendido em todo o lado entre 70 e 80 cêntimos por quilo. Este ponto não foi perguntado, mas digo isto: durante as duas últimas semanas os preços aumentaram bastante. Uma das razões é por não haver muito arroz no mercado como havia algumas semanas atrás porque a nova colheita de arroz ainda não chegou e por isso pode haver carências localmente assim nesta altura o Governo ainda não preencheu esse abastecimento, aumentaram os alimentos a preços subsidiados. Assim ainda vêem arroz do Governo a ser vendido a 50 cêntimos por quilo onde está disponível mas o outro arroz quer o importado por comerciantes ou o dos produtores locais, aumentou o preço e por isso custa agora um dólar por quilo.


Agora, não posso e não falarei em nome do governo e do que ele deve fazer, mas sei em conversa com funcionários do governo sei que têm completo conhecimento disto e que estão a tomar medidas. E a importação continuada de alimentos a curto prazo é uma boa medida porque então o Governo tem estoques de alimentos próprias e podem vendê-los a preços subsidiados.


Allison Cooper: Complementando a situação da importação de alimentos, Chana pode por favor explicar acerca das iniciativas nacionais para produzir uma segunda produção de milho e arroz?


Chana Opaskornkul, FAO: A causa na raiz do problema em Timor-Leste é nunca terem sido auto-suficientes na produção de alimentos. Percebemos que dependem de alimentos importados, que em cada ano permite grosseiramente vinte e cinco a trinta por cento das necessidades de alimentos no país. Percebemos que é muito importante e que nesta altura o Governo faça o seu melhor para comprar alimentos no exterior para manter o estoque de alimentos disponíveis no país a todo o tempo. Mas, temos também de perceber que é importante para TL no médio prazo aumentar a capacidade dos agricultores para produzirem mais, serem mais produtivos em termos de produção de alimentos. O Ministério da Agricultura, Forestas e Pescas acabou de conduzir uma avaliação de alimentos e produções o mês passado, e dos resultados preliminares que conhecemos houve à volta um aumento de 15 por cento na produção de alimentos este ano. Mas ao mesmo tempo, temos ainda um défice de produção de alimentos no país, de à volta de 50,000 toneladas métricas para este ano. Sabemos que o país pode ser afectado pela crise global de alimentos e podemos ver que o preço dos alimentos pode baixar pelo fim deste ano, mas será bastante caro. A estratégia a mais longo prazo para a crise no país é que devemos ser menos dependentes de alimentos importados e mais produtivos na produção de alimentos.


Do lado da ONU, particularmente da FAO, apoiaremos o Ministério da Agricultura e Pescas a médio prazo para apoiar os agricultores a serem mais produtivos, particularmente na segunda estação de plantações e vamos começar no mês que vem ou no mês de Julho. Vamos disponibilizar boas sementes, material para plantar e fertilizante para cerca de 30,000 famílias. Pensamos que com esta medida que vamos encorajar as pessoas a plantarem uma segunda produção e aumentaremos a produção de alimentos em cerca de 30,000 toneladas métricas de produção de alimentos no país. E, vamos também tentar providenciar capacidade de armazenamento aos agricultores e isto é muito importante por causa das perdas pós-colheitas que são enormes, grosseiramente à volta de 30 por cento dos alimentos é destruódo durante a armazenagem. Se conseguir imaginar em cada ano que produzimos à volta de 100,000 toneladas de milho e 30 por cento dos alimentos são 30,000 toneladas métricas, é destruído durante a armazenagem. O Governo [inaudível] para produzir silos para 5,000 casas este ano. Para uma perspectiva a longo prazo, o Primeiro-Ministro mencionou na cerimónia do arroz no Sábado passado em Maliana que não diria que TL não podia comprar mais arroz do exterior, ele diria que aumentámos a produção e nós [inaudível] apoio para comprar o produto no país nos próximos anos.


Allison Cooper: Obrigado Chana. Aceitamos pais perguntas.


PERGUNTA: Stephanie da Radio Australia: Há (isto é para Chana, suponho) há alguns desincentivos para os agricultores produzirem uma segunda produção; terão alguns gastos iniciais terão que arcar com o peso eles próprios, e qual é o incentivo a longo prazo para produzirem uma segunda produção?


Chana Opaskornkul: O problema dos agricultores em TL é que normalmente não conseguem vender os seus produtos porque os alimentos importados têm sido muito baratos durante muito tempo até agora. No ano passado o preço do arroz com casca era à volta de 12 cêntimos por quilograma que grosseiramente se traduzia em 25 a 30 cêntimos por quilo de arroz. O agricultor sente que não é um incentivo suficiente para produzir mais. Através desta crise temos de agarrar a oportunidade para encorajar o agricultou a produzir mais porque penso que o preço no mercado continuará num nível alto até ao fim do ano. Estamos a trabalhar com o Governo para ver como apoiar o agricultor em termos da compra do produto. Temos visto as tendências noutros países já, como por exemplo na Indonésia agora o Governo está a comprar arroz com casca aos agricultores aproximadamente a 25 cêntimos por quilograma. Assim pensamos que o Governo [TL] pode vir com a mesma estratégia da Indonésia este ano.


PERGUNTA: O meu nome é Gaitano Alves do Centro de Jornalismo Investigativo. Sr. Finn, mencionou que para o médio prazo a ONU vai dar aconselhamento ao Governo em termos do processo de importação de arroz. Há mais algum conselho que a ONU pode dar em termos de encontrar uma solução para este problema?


Finn Reske-Nielsen: Primeiro que tudo, deixem-me dizer que a crise global de alimentos é uma coisa a que damos uma muito alta prioridade na ONU e o próprio Secretário-Geral da ONU assumir a responsabilidade da resposta da ONU à crise e tem pedido que a nível do país a ONU iria também assegurar uma abordagem integrada através do sistema da ONU e com o Banco Mundial. O sistema da ONU tem estado a avisar o Governo já há muito tempo em questões de alimentos particularmente através dos esforços do WFP e da FAO. Reforçaremos estes esforços e ontem discuti com o Vice-PM que teríamos muito prazer em aconselhar o Governo em várias opções que possam estar disponíveis a longo prazo e teríamos também muito prazer em considerar conduzir um estudo do impacto socioeconómico que a crise de alimentos pode ter a médio e a longo prazo em TL. Como primeiro passo, TL foi escolhido como um dos 20 países que serão visitados por uma missão da ONU durante dois a três meses para fazer uma avaliação específica do país que pode então levais a mais aconselhamento no fim.


PERGUNTA: Pedro da Lusa: Duas perguntas. Gostaria de saber mais se pode dar alguma informação acerca das negociações em curso entre o Governo e a Tailândia para a importação de cerca de 45 ou 46,000 toneladas de arroz. A segunda é sobre as suas afirmações iniciais que parecem uma explicação de normalidade que diria que não se pode esperar nenhuma crise; isso foi similar com o que aconteceu, é uma descrição geral da situação em TL como no ano passado e no ano anterior onde vimos crise alimentar. Quais são as lições aprendidas de anos anteriores e como é que pode ter a certeza que nebhuma crise afectará TL?


Finn Reske-Nielsen: Vimos nas últimas semanas desassossego num numero de países pelo mundo e obviamente temos de lembrar que em Fevereiro passado vimos desassossego civil particularmente em Dili como resultado duma aguda carência de arroz. Penso que algumas das lições que aprendemos desde então incluem termos agora um melhor sistema de monitorização; os programas do WFP monitorizam as flutuações de preços numa base semanal e juntamente com o Governo monitorizam também o influxo de alimentos do estrangeiro e é feita uma estimativa em base semanal da disponibilidade de alimentos no país. É também encorajador que o Governo tenha activado o seu Comité Nacional de Segurança Alimentar que é presidido pelo Ministro da Agricultura que recebe também apoio técnico de conselheiros internacionais bem como da FAO e WFP. Assim está agora em funcionamento um sistema melhor para monitorizar a situação. Assim quando disse que a situação é normal e que não esperamos nenhuns problemas sérios é com base na monitorização em curso e podemos dizer com ul alto grau de confiança que há suficientes alimentos disponíveis para o tempo presente e por isso, não prevemos problemas relacionados com os alimentos no futuro imediato. Dito isto, a crise global de alimentos é um sério problema que vai exigir atenção concertada nos próximos meses de modo a garantir que mantemos a situação sob controlo em TL. Quero sublinhar que o Sr. Chana disse que há também algumas oportunidades que derivam da crise: Nomeadamente que com preços muito mais altos há um maior incentivo para os agricultores expandirem as suas produções e em particular no curto prazo esta segunda colheita, esta produção de milho, vai ajudar significativamente a ajudar a aliviar problemas mais tarde no ano. Se gerido correctamente isto pode, de facto, ter um impacto positivo no alívio da pobreza nas áreas rurais incluindo nos padrões nutricionais no país.


Sobre a primeira pergunto, peço ao meu colega do WFP.


Joan Fleuren: A única resposta que posso dar é que não sei das 45 toneladas da Tailândia. Mas sei que o Governo está a trabalhar bastante para aumentar as suas importações por isso concluíram um contrato com o Vietname para 16,000 toneladas que vem a caminho e que também continuam negociações com outros países incluindo a Indonésia. Mas, pode bem ser com a Tailândia, pode também haver negociações em curso porque a Tailândia é o maior exportador de arroz no mundo e a Tailândia ainda não fechou as fronteiras à exportação. E, obviamente, todas estas importações são uma boa solução para o curto prazo para garantir que não há crise alimentar, mas para o médio e longo prazo estão a desenvolve-se actividades que Chan explicou.


Allison Cooper: Estamos rapidamente a esgotar o tempo, aceitamos mais duas perguntas.


PERGUNTA: Gostaria de clarificar acerca dos deslocados, como vão dividir para eles. Terão arroz gratuito porque são vítimas desde dois anos atrás?


Finn Reske-Nielsen: Como sabe, desde o princípio deste ano foi decidido pelo Governo reduzir a distribuição de alimentos aos deslocados para meia ração e essa política tem sido mantida. Inicialmente foi acordado que a distribuição das meias rações seria só para os meses de Fevereiro e Março mas desde então o Governo decidiu prolongar isso e foi avisado pelo governo que isto provavelmente é para continuar até Junho como meia ração. Entretanto, os novos esforços do Governo para apoiar a relocalização voluntária dos deslocados estão em curso e é muito encorajador anotar que cerca de 8,000 deslocados se relocalizaram numa base voluntária e dois campos incluindo o campo do Hospital Nacional foram fechados.

PERGUNTA: Jesse de Dili Weekly: A decisão da ONU de contratar Roque Rodrigues foi com base numa directiva de Ramos-Horta e Finn ainda apoia essa decisão?

Finn Reske-Nielsen: Emitimos uma declaração para vocês sobre esta questão particular e não tenho nada a acrescentar. Se houver qualquer desenvolvimento, dizemos-lhes.

1 comentário:

Margarida disse...

Tradução:
UNMIT Conferência de Imprensa - 14 Maio 2008 – Transcrição quase verbal
Porta-vos da UNMIT Allison Cooper: obrigado por se juntarem a nós esta manhã. Vamos falar acerca da Crise Global de Alimentos e dos seus efeitos em Timor-Leste, vamos primeiro ouvir o SRSG em exercício Finn Reske-Nielsen e depois receberemos as vossas questões. Chana Opaskornkul da Organização de Alimentação e Agricultura da ONU e Joan Fleuren, Directora no País para o Programa Mundial da Alimentação estão aqui para assistir às questões.


SRSG em exercício Finn Reske-Nielsen: Bom dia, nas últimas semanas tem havido muitas histórias nos media internacionais sobre fome, violência e situações insolúveis resultantes da crise global de alimentos. Conquanto a crise global de alimentos seja séria, e afectará todos os países, a situação em Timor-Leste está a ser gerida pela importação pelo Governo de estoques do estrangeiro.


Correntemente, há 7,500 toneladas de arroz armazenado em Timor-Leste e estão a ser importadas mais 16,000 toneladas. 2,500 toneladas chegaram do Vietname e mais 2,500 toneladas são esperadas esta semana. O resto está previsto para um futuro próximo. Estimamos que estes estoques de alimentos durem para o previsto futuro imediato. Esta solução a curto prazo dará tempo ao Governo para trabalhar soluções a médio e longo prazo.


As importações que estamos a ver nesta altura impedem que os preços saltem. No mercado global, um quilograma de arroz custa entre $1.20 e $1.30 comparado com os 40 cêntimos de 12 meses atrás. Em Timor-Leste vende-se o arroz entre 50 e 60 cêntimos por quilograma comparado com 40 cêntimos por quilograma seis meses atrás.


Não vemos um perigo de fome em Timor-Leste. Os Timorenses têm acesso ao arroz e a outros alimentos. Em adição ao arroz, Timor-Leste produz 100,000 toneladas de milho por ano e é ainda um grande produtor de mandioca que é particularmente importante nos períodos magros. Por isso não há razões para alarme: a situação que estamos a ver noutros lados não é a situação que vemos em Timor-Leste. Nas próximas semanas e meses, a ONU continuará a trabalhar com o Governo e em particular, com o Comité Nacional de Segurança Alimentar, para monitorizar a situação e aconselhar à medida que a situação se desenrole.


Allison Cooper: Obrigado Finn, há algumas perguntas agora?


PERGUNTA: Bom dia. Sou Júlio De Costa do Diario Nacional. Disse que arroz importado vem a caminho e diz que o preço de venda do arroz será o preço marcado pelo Governo ou será mais alto?


Joan Fleuren, Directora do País do WFP: As importações do Governo são para estabilizar o mercado. Assim nos últimos 12 meses globalmente os preços dos alimentos subiram em 200 por cento. Mas aqui em Timor-Leste não subiram tanto porque o Governo estabilizou os preços através de importações. Por isso o Governo estava a vender o arroz a 50 cêntimos o quilo, mesmo apesar de gastarem muito mais do que isso a lev´s-lo para as comunidades e essa política vai continuar pelo futuro previsível. Assim para responder brevemente à sua pergunta, sim os alimentos que o Governo está a importar terão os preços que o Governo marcou. Mas quero levantar uma coisa o preço baixo para o arroz que o Governo está a importar. Não podem ser influenciados por lei, os preços são marcados por comerciantes privados. Assim os monitores de alimentos recolhem por rotina informações dos preços do mercado através do país e geralmente encontraram que o arroz do Governo estava a ser vendido a 50 cêntimos e o arroz local é vendido em todo o lado entre 70 e 80 cêntimos por quilo. Este ponto não foi perguntado, mas digo isto: durante as duas últimas semanas os preços aumentaram bastante. Uma das razões é por não haver muito arroz no mercado como havia algumas semanas atrás porque a nova colheita de arroz ainda não chegou e por isso pode haver carências localmente assim nesta altura o Governo ainda não preencheu esse abastecimento, aumentaram os alimentos a preços subsidiados. Assim ainda vêem arroz do Governo a ser vendido a 50 cêntimos por quilo onde está disponível mas o outro arroz quer o importado por comerciantes ou o dos produtores locais, aumentou o preço e por isso custa agora um dólar por quilo.


Agora, não posso e não falarei em nome do governo e do que ele deve fazer, mas sei em conversa com funcionários do governo sei que têm completo conhecimento disto e que estão a tomar medidas. E a importação continuada de alimentos a curto prazo é uma boa medida porque então o Governo tem estoques de alimentos próprias e podem vendê-los a preços subsidiados.


Allison Cooper: Complementando a situação da importação de alimentos, Chana pode por favor explicar acerca das iniciativas nacionais para produzir uma segunda produção de milho e arroz?


Chana Opaskornkul, FAO: A causa na raiz do problema em Timor-Leste é nunca terem sido auto-suficientes na produção de alimentos. Percebemos que dependem de alimentos importados, que em cada ano permite grosseiramente vinte e cinco a trinta por cento das necessidades de alimentos no país. Percebemos que é muito importante e que nesta altura o Governo faça o seu melhor para comprar alimentos no exterior para manter o estoque de alimentos disponíveis no país a todo o tempo. Mas, temos também de perceber que é importante para TL no médio prazo aumentar a capacidade dos agricultores para produzirem mais, serem mais produtivos em termos de produção de alimentos. O Ministério da Agricultura, Forestas e Pescas acabou de conduzir uma avaliação de alimentos e produções o mês passado, e dos resultados preliminares que conhecemos houve à volta um aumento de 15 por cento na produção de alimentos este ano. Mas ao mesmo tempo, temos ainda um défice de produção de alimentos no país, de à volta de 50,000 toneladas métricas para este ano. Sabemos que o país pode ser afectado pela crise global de alimentos e podemos ver que o preço dos alimentos pode baixar pelo fim deste ano, mas será bastante caro. A estratégia a mais longo prazo para a crise no país é que devemos ser menos dependentes de alimentos importados e mais produtivos na produção de alimentos.


Do lado da ONU, particularmente da FAO, apoiaremos o Ministério da Agricultura e Pescas a médio prazo para apoiar os agricultores a serem mais produtivos, particularmente na segunda estação de plantações e vamos começar no mês que vem ou no mês de Julho. Vamos disponibilizar boas sementes, material para plantar e fertilizante para cerca de 30,000 famílias. Pensamos que com esta medida que vamos encorajar as pessoas a plantarem uma segunda produção e aumentaremos a produção de alimentos em cerca de 30,000 toneladas métricas de produção de alimentos no país. E, vamos também tentar providenciar capacidade de armazenamento aos agricultores e isto é muito importante por causa das perdas pós-colheitas que são enormes, grosseiramente à volta de 30 por cento dos alimentos é destruódo durante a armazenagem. Se conseguir imaginar em cada ano que produzimos à volta de 100,000 toneladas de milho e 30 por cento dos alimentos são 30,000 toneladas métricas, é destruído durante a armazenagem. O Governo [inaudível] para produzir silos para 5,000 casas este ano. Para uma perspectiva a longo prazo, o Primeiro-Ministro mencionou na cerimónia do arroz no Sábado passado em Maliana que não diria que TL não podia comprar mais arroz do exterior, ele diria que aumentámos a produção e nós [inaudível] apoio para comprar o produto no país nos próximos anos.


Allison Cooper: Obrigado Chana. Aceitamos pais perguntas.


PERGUNTA: Stephanie da Radio Australia: Há (isto é para Chana, suponho) há alguns desincentivos para os agricultores produzirem uma segunda produção; terão alguns gastos iniciais terão que arcar com o peso eles próprios, e qual é o incentivo a longo prazo para produzirem uma segunda produção?


Chana Opaskornkul: O problema dos agricultores em TL é que normalmente não conseguem vender os seus produtos porque os alimentos importados têm sido muito baratos durante muito tempo até agora. No ano passado o preço do arroz com casca era à volta de 12 cêntimos por quilograma que grosseiramente se traduzia em 25 a 30 cêntimos por quilo de arroz. O agricultor sente que não é um incentivo suficiente para produzir mais. Através desta crise temos de agarrar a oportunidade para encorajar o agricultou a produzir mais porque penso que o preço no mercado continuará num nível alto até ao fim do ano. Estamos a trabalhar com o Governo para ver como apoiar o agricultor em termos da compra do produto. Temos visto as tendências noutros países já, como por exemplo na Indonésia agora o Governo está a comprar arroz com casca aos agricultores aproximadamente a 25 cêntimos por quilograma. Assim pensamos que o Governo [TL] pode vir com a mesma estratégia da Indonésia este ano.


PERGUNTA: O meu nome é Gaitano Alves do Centro de Jornalismo Investigativo. Sr. Finn, mencionou que para o médio prazo a ONU vai dar aconselhamento ao Governo em termos do processo de importação de arroz. Há mais algum conselho que a ONU pode dar em termos de encontrar uma solução para este problema?


Finn Reske-Nielsen: Primeiro que tudo, deixem-me dizer que a crise global de alimentos é uma coisa a que damos uma muito alta prioridade na ONU e o próprio Secretário-Geral da ONU assumir a responsabilidade da resposta da ONU à crise e tem pedido que a nível do país a ONU iria também assegurar uma abordagem integrada através do sistema da ONU e com o Banco Mundial. O sistema da ONU tem estado a avisar o Governo já há muito tempo em questões de alimentos particularmente através dos esforços do WFP e da FAO. Reforçaremos estes esforços e ontem discuti com o Vice-PM que teríamos muito prazer em aconselhar o Governo em várias opções que possam estar disponíveis a longo prazo e teríamos também muito prazer em considerar conduzir um estudo do impacto socioeconómico que a crise de alimentos pode ter a médio e a longo prazo em TL. Como primeiro passo, TL foi escolhido como um dos 20 países que serão visitados por uma missão da ONU durante dois a três meses para fazer uma avaliação específica do país que pode então levais a mais aconselhamento no fim.


PERGUNTA: Pedro da Lusa: Duas perguntas. Gostaria de saber mais se pode dar alguma informação acerca das negociações em curso entre o Governo e a Tailândia para a importação de cerca de 45 ou 46,000 toneladas de arroz. A segunda é sobre as suas afirmações iniciais que parecem uma explicação de normalidade que diria que não se pode esperar nenhuma crise; isso foi similar com o que aconteceu, é uma descrição geral da situação em TL como no ano passado e no ano anterior onde vimos crise alimentar. Quais são as lições aprendidas de anos anteriores e como é que pode ter a certeza que nebhuma crise afectará TL?


Finn Reske-Nielsen: Vimos nas últimas semanas desassossego num numero de países pelo mundo e obviamente temos de lembrar que em Fevereiro passado vimos desassossego civil particularmente em Dili como resultado duma aguda carência de arroz. Penso que algumas das lições que aprendemos desde então incluem termos agora um melhor sistema de monitorização; os programas do WFP monitorizam as flutuações de preços numa base semanal e juntamente com o Governo monitorizam também o influxo de alimentos do estrangeiro e é feita uma estimativa em base semanal da disponibilidade de alimentos no país. É também encorajador que o Governo tenha activado o seu Comité Nacional de Segurança Alimentar que é presidido pelo Ministro da Agricultura que recebe também apoio técnico de conselheiros internacionais bem como da FAO e WFP. Assim está agora em funcionamento um sistema melhor para monitorizar a situação. Assim quando disse que a situação é normal e que não esperamos nenhuns problemas sérios é com base na monitorização em curso e podemos dizer com ul alto grau de confiança que há suficientes alimentos disponíveis para o tempo presente e por isso, não prevemos problemas relacionados com os alimentos no futuro imediato. Dito isto, a crise global de alimentos é um sério problema que vai exigir atenção concertada nos próximos meses de modo a garantir que mantemos a situação sob controlo em TL. Quero sublinhar que o Sr. Chana disse que há também algumas oportunidades que derivam da crise: Nomeadamente que com preços muito mais altos há um maior incentivo para os agricultores expandirem as suas produções e em particular no curto prazo esta segunda colheita, esta produção de milho, vai ajudar significativamente a ajudar a aliviar problemas mais tarde no ano. Se gerido correctamente isto pode, de facto, ter um impacto positivo no alívio da pobreza nas áreas rurais incluindo nos padrões nutricionais no país.


Sobre a primeira pergunto, peço ao meu colega do WFP.


Joan Fleuren: A única resposta que posso dar é que não sei das 45 toneladas da Tailândia. Mas sei que o Governo está a trabalhar bastante para aumentar as suas importações por isso concluíram um contrato com o Vietname para 16,000 toneladas que vem a caminho e que também continuam negociações com outros países incluindo a Indonésia. Mas, pode bem ser com a Tailândia, pode também haver negociações em curso porque a Tailândia é o maior exportador de arroz no mundo e a Tailândia ainda não fechou as fronteiras à exportação. E, obviamente, todas estas importações são uma boa solução para o curto prazo para garantir que não há crise alimentar, mas para o médio e longo prazo estão a desenvolve-se actividades que Chan explicou.


Allison Cooper: Estamos rapidamente a esgotar o tempo, aceitamos mais duas perguntas.


PERGUNTA: Gostaria de clarificar acerca dos deslocados, como vão dividir para eles. Terão arroz gratuito porque são vítimas desde dois anos atrás?


Finn Reske-Nielsen: Como sabe, desde o princípio deste ano foi decidido pelo Governo reduzir a distribuição de alimentos aos deslocados para meia ração e essa política tem sido mantida. Inicialmente foi acordado que a distribuição das meias rações seria só para os meses de Fevereiro e Março mas desde então o Governo decidiu prolongar isso e foi avisado pelo governo que isto provavelmente é para continuar até Junho como meia ração. Entretanto, os novos esforços do Governo para apoiar a relocalização voluntária dos deslocados estão em curso e é muito encorajador anotar que cerca de 8,000 deslocados se relocalizaram numa base voluntária e dois campos incluindo o campo do Hospital Nacional foram fechados.


PERGUNTA: Jesse de Dili Weekly: A decisão da ONU de contratar Roque Rodrigues foi com base numa directiva de Ramos-Horta e Finn ainda apoia essa decisão?


Finn Reske-Nielsen: Emitimos uma declaração para vocês sobre esta questão particular e não tenho nada a acrescentar. Se houver qualquer desenvolvimento, dizemos-lhes.

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.