terça-feira, fevereiro 12, 2008

Failed Timor assassination may lessen rebels' sway

from the February 12, 2008 edition - http://www.csmonitor.com/2008/0212/p04s02-woap.html


The bold attack on President Ramos-Horta raises key concerns about efforts to rebuild security forces.
By Simon Montlake and Nick Squires Correspondents of The Christian Science Monitor

BANGKOK, THAILAND; and Sydney, Australia

A foiled dawn attack Monday by rebel soldiers on East Timor's President Jose Ramos-Horta, who was shot and seriously wounded, has roiled this fledgling Southeast Asian country. But it may also signal the end of a rebel movement that had plagued efforts to restore stability.

Prime Minister Xanana Gusmao, who survived a separate ambush shortly after as he drove to his office, appealed for calm as Timorese security forces, backed by Australian-led peacekeepers, patrolled the capital, Dili. Mr. Ramos-Horta was evacuated Monday to Australia for further treatment after emergency care. At press time, doctors said he was in critical condition but were hopeful of a good recovery.

Australian Prime Minister Kevin Rudd said Monday he was sending 200 extra soldiers and police to East Timor, raising Australia's deployment to around 1,000 personnel. "Deeply shocked" by the violence, he also said he had agreed to an invitation from Gusmao to visit the country later this week in a show of support.

"For there to be a coordinated attempt to assassinate the democratically elected leadership of a close friend and neighbor of Australia's is a deeply disturbing development," Mr. Rudd told a news conference in Canberra, Australia.

Gusmao said the attacks were organized by Alfredo Reinado, an Army major who deserted in 2006 during a mutiny that plunged the country into turmoil and prompted the arrival of international peacekeepers. Mr. Reinado died in Monday's assault on the president's house, along with one of his soldiers, Gusmao said. "I consider this incident a coup attempt against the state by Reinado and it failed," he told a press conference.

The involvement of Reinado came as little surprise, say analysts, as he had recently threatened to confront the government, which has tried but failed to negotiate his surrender and disarm his men. His death could weaken the cohesion of his faction, while rallying popular sympathy for Ramos-Horta and Gusmao, allowing the country to move on.

But the boldness of Monday's attack on the country's two most powerful figures may undermine confidence in East Timor's security forces, which foreign trainers have tried to rebuild after their meltdown two years ago.

It also pointed up the complexities of reconciliation in Asia's poorest country, where tens of thousands are still living in shelters after fleeing that fighting, and where criminal gangs recruit idle youth left adrift in a stricken economy.

The 2006 unrest led to a realignment among Timor's political elite, whose divisions were shaped by a bitter independence struggle against Indonesian occupation, which ended in 1999. Ramos-Horta and Gusmao forced out former Prime Minister Mari Alkatiri, who was blamed for the Army mutiny, paving the way for largely peaceful elections last year that put the longtime allies in charge of the shaky government.

But various initiatives to bring Reinado back into the fold failed to jell, to the mounting frustration of Gusmao – a former resistance leader and independence hero. Reinado, who was wanted on murder charges, was blamed for a recent spate of nonlethal attacks on Australia troops. Yesterday's apparent assassination plots may have been a sign of desperation by a rebel whose popularity was waning.

"In the short-term there will be a lot of fearfulness because some of his supporters are still running around with guns, but for the long-term one of the government's major headaches is now out of the way," says Helen Hill, an East Timor expert at Victoria University in Melbourne, Australia.

Sophia Cason, an analyst for the International Crisis Group, says other renegade factions had tired of hiding out and sought a settlement without Reinado and other hold-outs.

"His support was definitely dwindling. Some of the other [ex-soldiers] had already come for dialogue with Xanana Gusmao. [Reinado] may have been feeling that he had fewer options available," she says.

Other observers warned, however, that Reinado loyalists may stage reprisals and seize on his death as a form of martyrdom, further destabilizing the country.

"There's a sense among people in the security sector that we've been in the eye of the storm for the last few weeks and it's going to get more turbulent," says a US aid worker in Dili.

That status as a martyr may be burnished by rumors that Reinado was betrayed by Gusmao and other negotiators. One story circulated Monday by Reinado supporters claimed that he had died before the attacks took place. Perhaps to debunk such rumor, Gusmao has pledged that a full autopsy will be carried out.

East Timor is part of what military strategists call an "arc of instability" to Australia's north, including states such as Papua New Guinea and the Solomon Islands. Its modern history has been marked by violence, upheaval, and internal strife. Ramos-Horta and Gusmao were key players in much of the drama.

After Indonesia seized the former Portuguese colony in 1974, former journalist Ramos-Horta became a roving diplomat for Timorese independence. He campaigned in exile to keep his nation's occupied status on the agenda and highlight Indonesia's military rule. In 1996, he shared the Nobel Peace Prize with Bishop Carlos Belo for his work. Meanwhile, Gusmao led a ragged resistance to Indonesia's rule until his capture in 1992 and detention in a Jakarta jail.

Gusmao and Ramos-Horta returned to their homeland in 1999, after Timorese voted overwhelmingly to secede from Indonesia in a UN-sponsored referendum. The result of the ballot triggered widespread violence by Indonesian-backed militia and a scorched-earth retreat by Indonesian troops. East Timor declared independence in 2002, after three years of United Nations rule, the first new nation-state of the 21st century.

1 comentário:

Margarida disse...

Tradução:
Assassínio falhado em Timor podem diminuir influência dos amotinados
Da edição de Fevereiro 12, 2008 http://www.csmonitor.com/2008/0212/p04s02-woap.html


O ataque atrevido ao Presidente Ramos-Horta levanta preocupações chave acerca dos esforços para reconstruir forças da segurança.
Por Simon Montlake e Nick Squires Correspondentes do The Christian Science Monitor

Banquecoquw, Tailândia e Sydney, Austrália

Um ataque frustrado na Segunda-feira por soldados amotinados contra o Presidente de Timor-Leste José Ramos-Horta, que foi baleado e ferido com gravidade, enervou este nascente país do Sudeste Asiático. Mas isso pode também indicar o fim do movimento dos amotinados que tem atacado esforços para restaurar a estabilidade.

O Primeiro-Ministro Xanana Gusmão, que sobreviveu uma emboscada separada pouco depois quando ia para o seu gabinete, apelou à calma quando as forças de segurança Timorenses, apoiadas por tropas lideradas pelos Australianos, patrulhavam a capital, Dili. O Sr. Ramos-Horta foi evacuado na Segunda-feira para a Austrália para mais cuuidados depois de tratamento de emergência. À imprensa, os médicos disseram que a sua condição era crítica mas que tinham esperança duma boa recuperação.

O Primeiro-Ministro Australiano Kevin Rudd disse na Segunda-feira que estava a mais mais 200 extra soldados e polícias para Timor-Leste, elevando o destacamento da Austrália para cerca de 1,000 tropas. "Profundamente chocado " pela violência, disse ainda que tinha concordado com um convite de Gusmão para visitor o país mais tarde nesta semana numa prova de apoio.

"Por ser um desenvolvimento profundamente perturbante ter havido uma tentativa coordenada de assassínio a uma liderança eleita democraticamente dum amigo e vizinho próximo da Austrália," disse o Sr. Rudd numa conferência de imprensa em Canberra, Austrália.

Gusmão disse que os ataques foram organizados por Alfredo Reinado, um major das forças armadas que desertou em 2006 durante um motim que mergulhou o país na confusão e levou à chegada de tropas internacionais. O Sr. Reinado morreu no assalto na Segunda-feira à casa do presidente, juntamente com um dos seus soldados, disse Gusmão. "Considero este incidente uma tentativa de golpe contra o Estado e falhou," disse numa conferência de imprensa.

O envolvimento de Reinado não é nenhuma surpresa, dizem analistas, dado que ele ainda recentemente ameaçou confrontar o governo, que tentou mas falhou negociar a sua rendição e desarmar os seus homens. A sua morte pode enfraquecer a coesão da sua facção, ao mesmo tempo que engaja a simpatia popular para Ramos-Horta e Gusmão, possibilitando que o país avance.

Mas o descaramento do ataque de Segunda-feira às duas figures mais fortes do país pode minar a confiança nas forças de segurança de Timor-Leste, que os formadores estrangeiros tentaram reconstruir depois da dissolução delas há dois anos atrás.

Isso apontou também as complexidades da reconciliação no país mais pobre da Ásia, onde dezenas de milhares continuam a viver em abrigos depois de terem fugido dessa luta, e onde gangues criminosos recrutam jovens desempregados deixados à deriva numa economia devastada.

O desassossego de 2006 levou a um re-alinhamento entre a elite política de Timor, cujas divisões eram moldadas por uma amarga luta de independência contra a ocupação Indonésia, que acabou em 1999. Ramos-Horta e Gusmão forçaram a saída do antigo Primeiro-Ministro que foi culpado pelo motim das forças armadas, abrindo caminho para as eleições largamente pacíficas no ano passado que pôs os aliado de longo tempo à frente do governo instável.

Mas várias iniciativas para trazer Reinado de volta às fileiras falharam, para frustração crescente de Gusmão – um antigo líder da resistência e herói da independência. Reinado, que era procurado por acusações de homicídio, foi culpado por um recente episódio de ataques não letais contra tropas da Austrália. Os aparentes planos de assassínio de ontem podem ter sido um sinal de desespero dum amotinado cuja popularidade estava a desaparecer.

"No curto prazo haverá muitas lágrimas porque alguns dos seus apoiantes ainda andam por aí a circular com armas, mas a longo prazo desapareceu uma das maiores dores de cabeça do governo," diz Helen Hill, uma perita de Timor-Leste na Victoria University em Melbourne, Austrália.

Sophia Cason, uma analista do International Crisis Group, diz que outras facções de renegados estavam cansadas de se esconderem e que tinham procurado um entendimento com Reinado e outros foragidos.

"O seu apoio estava definitivamente a diminuir. Alguns dos outros [ex-soldados] já tinham vindo para o diálogo com Xanana Gusmão. [Reinado] pode ter sentido que já lhe restavam poucas opções," diz.

Outros observadores avisaram, contudo, que os leais a Reinado podem vingar-se e pegar na sua morte como uma forma de martírio, desestabilizando mais o país.

"Há o sentimento entre gente do sector da segurança que têm estado no olho do furacão nas últimas semanas e que vai haver mais turbulência," diz um trabalhador humanitário da ONU em Dili.

O estatuto de mártir pode ser polido por rumores que Reinado foi traído por Gusmão e outros negociadores. Na Segunda-feira circulava a história entre apoiantes de Reinado que ele tinha morrido antes dos ataques terem ocorrido. Talvez para enterrar tal rumor, Gusmaão prometeu que seria feita uma autópsia completa.

Timor-Leste é parte do que estrategas militares chamam um "arco de instabilidade " no norte da Austrália incluindo Estados como Papua Nova Guiné e as Ilhas Salomão. A história moderna delas tem sido marcada por violência, levantamentos e lutas internas. Ramos-Horta e Gusmão foram jogadores chave em muito do drama.

Depois da Indonésia ter tomado a antiga colónia Portuguesa em 1974, o antigo jornalista Ramos-Horta tornou-se um diplomata itinerante pela independência Timorense. Fez campanha no exílio para manter o estatuto de nação ocupada na agenda e sublinhar a governação militar da Indonésia. Em 1996, partilhou o Nobel da Paz com o bispo Carlos Belo pelo seu trabalho. Entretanto, Gusmão liderava uma resistência esfarrapada contra a governação Indonésia até à sua captura em 1992 e detenção numa prisão em Jacarta.

Gusmão e Ramos-Horta regressaram à sua pátria em 1999, depois dos Timorenses terem votado proeminentemente pela separação da Indonésia num referendo patrocinado pela ONU. O resultado da votação desencadeou violência espalhada por milícias apoiadas pelos Indonésios e uma política de terra queimada que acompanhou a saída das tropas Indonésias. Timor-Leste declarou a independência em 2002, depois de três anos de governação da ONU, o primeiro Estado-nação do século 21.

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.