terça-feira, fevereiro 12, 2008

In Timor Leste, UN Police "Refused" to Help Horta, Decline to Answer Questions

Byline: Matthew Russell Lee of Inner City Press at the UN: News Analysis

UNITED NATIONS, February 11 -- In the aftermath of a daring double-assassination attempt in Timor Leste, there were questions concerning the UN that no one, it seemed, wanted to answer. After President Jose Ramos Horta was shot, UN police secured the area but did not move to help or transport him, according to the Australian Broadcasting Corporation. Inner City Press raised this very report at the noon briefing at UN headquarters on Monday, and was told that the UN had not been in charge of Ramos Horta's security. Fine -- but why, once he was shot, didn't they help?

After the Security Council adopted a somewhat fill-in-the-blanks Presidential Statement, deploring the shooting and calling for calm, Inner City Press asked the statement's proponent, South African Ambassador Dumisani Kumalo, about the ABC's report. Amb. Kumalo replied that it was not helpful to be assessing blame. Video here. But will the shooting cause any changes in the security mandate of the UN Mission in Timor Leste, UNMIT? Amb. Kumalo said he didn't think so. When the shootings took place, the head of UNMIT, Atul Khare, had been in New York to briefing the Council on Thursday. He set off flying for Dili, but it "takes time" to get there, Amb. Kumalo said.

Jose Ramos Horta in happier times: UN Police not shown then or now

The injunction not to blame anyone is not followed by Ramos-Horta's brother in law Joao Carrascalao, who is also the leader of the Timorese Democratic Union and a member of the State Council. Carrascalao told ABC that "we advised the United Nations Police who went to the scene but 300 meters before reaching there, they refused to proceed and the President was lying on the road... more than half an hour bleeding and losing a lot of blood. The United Nations Police didn't take action until the Portuguese General got there. That's one of the worst things that could happen to this country; have police from everywhere, everyone within one system and mostly looking after themselves than looking after the situation here."

In a press conference Dili, in the Obrigado Barracks, Khare's fill-in Finn Feske-Nielsen was asked why "UN Pol[ice] attended the incident where the President was shot this morning, yet didn't approach him to give him medical assistance." Feske-Nielsen said "we shall obviously look into it to see." Watch this site.

* * *

Feedback: Editorial [at] innercitypress.com

UN Office: S-453A, UN, NY 10017 USA Tel: 212-963-1439
Reporter's mobile (and weekends): 718-716-3540

1 comentário:

Margarida disse...

Tradução:
Em Timor-Leste, polícia da ONU “recusou” ajudar Horta, declina responder a perguntas
Byline: Matthew Russell Lee of Inner City Press at the UN: News Analysis

NAÇÕES UNIDAS, Fevereiro 11 – No seguimento duma dupla tentativa ousada de assassinato em Timor-Leste, há questões que dizem respeito à ONU e que parece, ninguém, quis responder. Depois do Presidente José Ramos Horta ter sido baleado, a polícia da ONU montou segurança na área mas não se mexeu para o ajudar ou para o transportar, de acordo com a Australian Broadcasting Corporation. Inner City Press levantou esta muito importante notícia na conferência de imprensa realizada no fim do dia na sede da ONU na Segunda-feira, e foi-lhe dito que a ONU não tinha a responsabilidade da segurança de Ramos Horta. Bom – mas porque é que, quando ele foi baleado, não o ajudaram?

Depois do Conselho de Segurança ter adoptado uma muito vaga Declaração Presidencial, lamentando o baleamento e apelando à calma, a Inner City Press perguntou ao proponente da Declaração, o embaixador da África do Sul Dumisani Kumalo, sobre a notícia da ABC. O embaixador Kumalo respondeu que não ajudava estar a averiguar culpas. Video aqui. Mas irá o baleamento causar algumas mudanças no mandato da segurança da Missão da ONU em Timor-Leste, a UNMIT? O embaixador Kumalo disse que pensa que não. Quando o baleamento ocorreu, o responsável da UNMIT, Atul Khare, estava em Nova Iorque par air dar informação ao Conselho na Terça-feira. Ele preparou-se para voar para Dili, mas "demora " chegar lá, disse o embaixador Kumalo.

José Ramos Horta em tempos mais felizes: polícia da ONU não se viu então nem agora

A imposição de não culpar ninguém não foi seguida pelo cunhado de Ramos-Horta, João Carrascalão, que é também o líder da União Democrática Timorense e membro do Conselho de Estado. Carrascalão disse à ABC que "aconselhamos a Polícia da ONU que foi para o local mas que ficou a 300 metros a ir até lá, mas eles recusaram assim proceder e o Presidente esteva deitado no chão... mais de meia hora a sangrar e a perder muito sangue. A Polícia da ONU não agiu até lá chegar a GNR Portuguesa. Isto foi uma das piores coisas que podia acontecer neste país; ter policies de todo o lado, todos dentro do sistemas mas a olharem principalmente por eles próprios em vez de olharem para a situação aqui."

Numa conferência de imprensa em Dili, nas Obrigado Barracks, ao substituto de Khare, Finn Feske-Nielsen foi perguntado porque é que "a Polícia da ONU atendeu o incidente onde o Presidente foi baleado esta manhã, contudo nem se aproximou dele nem lhe deu assistência médica." Feske-Nielsen disse "iremos obviamente analisar e ver isso." Observem este site.

* * *

Feedback: Editorial [at] innercitypress.com

UN Office: S-453A, UN, NY 10017 USA Tel: 212-963-1439
Telemóvel do Repórter (e fins-de-semanas): 718-716-3540

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.