domingo, abril 20, 2008

UNMIT Daily Media Review

UNMIT Daily Media Review - 15 April 2008

(Extracts from national media and international news reports - UNMIT does not vouch for the accuracy of these reports.)


Police and military parade to welcome PR Horta – Rádio Timor-Leste

A military parade, held under tight internal security, will be held to welcome PR José Ramos-Horta on his return on Thursday (17/4).


Deputy Commander of Apprehension Operation, Mateus Fernandes said that the police and military have identified critical areas of conflict in order to anticipate disturbances in the future.

“He is as the Supreme Commander for both institutions of PNTL and F-FDTL and as the president of the country. We will welcome him with a military parade and accompany him along the route or to his residence,” said Commander Fernandes.

PR Horta: no amnesty for Salsinha – Televisão Timor-Leste

PR José Ramos-Horta said the State will not give amnesty to Salsinha and others who have been carrying weapons since 2006 as they did not follow the State’s orders.


PR Horta said that Salsinha should submit himself to justice and not to wait for him to return to Timor-Leste, as people of the country need calm to develop the country.

“I am ready to welcome him, he should submit himself to the Joint Operation Command, F-FDTL, PNTL, or the two Bishops,” said PR Horta said during a friendship party with the Timorese community in Darwin last Sunday. “He should go to Dili to face justice in court for his actions on February 11.” (13/4).

Alfredo made many telephone calls before his death – Timor Post

Prosecutor-General Longuinhos Monteiro said that before Alfredo Reinado was shot to death, he had numerous conversations with many people in Timor-Leste and made 47 calls to Australia.


“The numbers show calls to and from Alfredo’s mobile,” said PGR Monteiro in his report to the National Parliament on Monday (14/4) in Dili.

Mr. Monteiro has asked for the identities of those people who called Alfredo, and will ask Australia to give assistance in investigating the case.

“I have still not informed the country’s leaders who was behind the attacks. We will consider everyone as individuals regardless of their position,” added PGR Monteiro.

‘Ninja’ kidnapping children, people traumatized – Suara Timor Lorosa’e

People in Timor-Leste fear that 'Ninja' or 'masked men' are abducting their children to be used for human sacrifice.


According to reports, during Indonesian rule owners of bridges or road works across the country paid 'Ninja' to abduct children for sacrifice in order to bring good luck or prosperity to the project.

Last week, one local newspaper said that two children were abducted in Liquiça and the parents allege that 'Ninja' have abducted them. There was another report in a newspaper today that villagers in Taibisse (Dili) captured a 'Ninja' who was trying to abduct one child in their village. The residents saw ‘Ninja’ using money to try to kidnap the youngster. The 'Ninja' was captured and taken to the Police. The case is under the investigation.

Interim President Fernando de Araujo Lasama has appealed to all people to remain calm and not believe rumours.

Mateus: armed civilians hand over traditional weapons– Suara Timor Lorosa’e

The Vice Commander of the Apprehension Operation, Mateus Fernandes has confirmed that four armed civilians in Ermera district have voluntarily handed over their traditional weapons and ammunition to the PNTL in Lete-Foho station on Friday (11/4).


The civilians were taken to Dili for questioning in order to uncover their involvement with the rebels. On behalf of the Apprehension Operation, Mr. Fernandes repeatedly appealed to the rebels led by Gastão Salsinha to surrender.

PG: call numbers listed with Alfredo-Salsinha – Suara Timor Lorosa’e

Prosecutor–General (PG) Longuinhos Monteiro has uncovered 127 registered phone numbers connected directly to phones held by rebels associated with Alfredo and Salsinha before and after the assassination attempts on February 11.


From 8-13 February, Alfredo and Salsinha had contacts with 47 people from Australia, 31 people from Indonesia and others from Timor-Leste. However, the identities of the owners of the phones remain unknown as the devices are switched off and SIMM cards are often sold without proper registration.

Remedios demands UNMIT discipline two UNPOL officers – Timor Post

PR Ramos-Horta’s Principal Advisor, Dr. Paulo do Remedios, has demanded that UNMIT discipline two UNPOL officers who refused to provide an immediate respond on 11 February to the attack at the resident of PR Ramos-Horta.


Dr. Remedios said that at 6:55 am he received a telephone call from President Ramos-Horta who said he was in trouble. Dr. Remedios immediately asked for help from two UNPOL officers who were front of his house nearby their vehicles. Dr. Remedios said the two UNPOL officers refused to offer assistance as requested.

Dr. Remedios said he then proceeded to the President’s s residence at 7:15 and discovered that the President was wounded. Dr. Remedios said he tried to use his private car to take the President to the hospital when suddenly one ambulance arrived at the scene. The ambulance then transported the President to the ISF Medical Centre at the Heliport.

He said only the Portuguese FPU were present at the President’s residence and no one from ISF or UNPOL.

Dr. Remedios demanded that UNMIT discipline the two UNPOL officers who “only know how to receive plenty of money but did not want to maintain order.” He called on UNMIT to use “international law” against those UNPOL members who had “completely failed” to provide immediate assistance to the President. “UNMIT should take action against those UNPOL members by terminating their contracts or through disciplinary measures.”

He also called on UNMIT to clearly explain why those officers had refused to act. “I will continue to demand both disciplinary and criminal inquiries into this matter”, he said, adding that he was able to recommend the matter to the Office of the Prosecutor-General without authorization from the President.


MPs unhappy with SMS invitation to workshop – Timor Post

CNRT MP Gertrudes Moniz has said that some of the members of Government are not happy with the way they were invited to a workshop held in Obrigado Barracks by UNMIT and the Government of Timor-Leste on the separation of power in Government as the invitation was extended through short message services (SMS).


MP Moniz raised the issue in the National Parliament, saying an SMS was not the proper method of inviting Government officials.

In the same occasion, Fernanda Lay said that when a commission is going to call a minister, it should be sent through the national parliament by letter and then forwarded to the Prime Minister.

“As an MP, I would not invite officials through SMS. Even though they are our friends, we should show respect to their office,” said Ms. Fernanda, a CNRT MP.

Hugo: TL has to continue control imported goods – Timor Post

MP CNRT, Hugo da Costa said that Timor-Leste’s Government should take control the importation of goods such as food into the country because prices remain very high.

“I insist the Government help control the food prices in the country, otherwise this country will be threatened by food shortage,” he said.

Timor Leader Says Rebels Had Support – Associated Press (AP)

SYDNEY, Australia (AP) — East Timor's president said he believed "external elements" were supporting the rebels who tried to assassinate him in the hope his country would be plunged into chaos and be declared a failed state.


In an interview with CNN on Monday, Jose Ramos-Horta did not identify the outsiders he believed were trying to destabilize his country or elaborate on what help he thought they had been doing to support such efforts.

Ramos-Horta, 58, has been recuperating in the northern Australian city of Darwin since February, when mutinous soldiers shot him outside his home in East Timor's capital, Dili. Prime Minister Xanana Gusmão escaped an ambush on his motorcade the same day.

The motive for the attacks, which followed more than a year of political turmoil and violence, remained unclear.

"An investigation has been ongoing, and there is increasing evidence pointing a finger at external elements that were supporting the renegade Alfredo Reinado," Ramos-Horta said, referring to the rebel leader who was killed during the Feb. 11 attack. "These are elements interested in destabilizing East Timor, plunging it into an endless civil war so it could be declared a failed state."

East Timor broke from decades of often-brutal Indonesian rule in 1999 in a U.N.-sponsored referendum. Three years later, it became Asia's newest nation, but the euphoria quickly evaporated amid the challenges of governing a divided, impoverished people.

The Sydney Morning Herald reported Tuesday that investigators found that Reinado was involved in 47 telephone calls to and from Australia in the hours before the February attacks. It said Timorese authorities have asked Australian agencies to provide the names of the telephone subscribers and to release any recorded conversations.

In the days following the attacks, a number of people were detained in Dili, including an Australian-Timorese woman who authorities said had hosted Reinado and his accomplices at her house the night before the attacks.

Reinado and another rebel were killed in a clash with Ramos-Horta's guards during the attack. An unknown number of rebels escaped.

In his interview with CNN, Ramos-Horta said it was imperative that the assassination attempt was properly investigated.

"Our country will need to get to the bottom of these events to heal from them," Ramos-Horta said.
The Nobel Peace Prize winner also said the attempt on his life had made him more resolved to help improve the lives of the impoverished Timorese.

"I would say that it has, primarily, reaffirmed my personal conviction and my ambition to lift people out of extreme poverty," he said. "Today, I have no other goal or ambition. The recent events have only served to reaffirm my lifelong commitment to helping the poor."

Ramos-Horta plans to return to East Timor on Thursday.


UNMIT Daily Media Review - 16 April 2008

(Extracts from national media and international news reports - UNMIT does not vouch for the accuracy of these reports.)

JOC: Salsinha to surrender on April 27 – Timor Post

Rebel leader Gastão Salsinha has told the Joint Operation Command that he will submit himself to justice on April 27.

“He [Salsinha] said via telephone that he will submit himself in April 27,” said the Commander of Joint Operation Lieutenant Colonel Filomeno Paixão at a press conference held in Memorial Hall on Tuesday (15/4).

Commander Paixão said that he has asked Salsinha to surrender voluntarily in order to contribute to solving the country’s problems.

After the attempted assassination on February 11, Salsinha said that he would surrender himself upon the return of President José Ramos-Horta from Darwin, Australia, to Timor-Leste.

Lasama invites the public to welcome President – Timor Post

Acting President Fernando ‘Lasama’ de Araujo is inviting all the people of Timor-Leste to stand along the road to welcome PR José Ramos-Horta on his return from Darwin, Australia.


After being wounded by gunshots on February 11, PR Ramos-Horta was evacuated to Darwin, Australia for medical treatment.

“I am asking all people not to come to the airport, but to stand along the road from the airport to the National Parliament from 8:30 to 9:00,” said Acting President Lasama at a press conference held on Tuesday (15/4) at the Comoro Airport, Dili.

Salsinha still has 14 rifles – Suara Timor Lorosa’e

The Commander of Joint Operation Lieutenant Colonel Filomeno Paixão said that even though the rebels’ strength is down to [16 persons], they still have 14 rifles to defend themselves if there is a shoot out between them and the Apprehension Operation.

Up until now, Salsinha and his group have still not surrendered to authorities. The Joint Operation continues to give them an opportunity to collaborate and avoid bloodshed by voluntarily facing justice in order to resolve the problem.

NP: No amnesty for Salsinha – Suara Timor Lorosa’e

Member of the National Parliament support the statement of President José Ramos-Horta not to give amnesty to Salsinha and others who were involved in the incidents of 11 February.

The Vice President of the Fretilin bench, Francisco Miranda Branco said that amnesty should be viewed from two dimensions, before and after the attempt.

“The situation was different when PR Horta talked to them in January. When February 11th happened, the equation changed,” he said on Tuesday (15/4) in the National Parliament, Dili.

Mr Branco said the State should take a firm position on the situation and not toy with a serious attempt to destroy the State.

During the same session of Parliament, the MP from the Democratic Party, Vital dos Santos said that amnesty is given after justice. There is no law to authorize the President or other sovereignty organs to give amnesty without judicial process.

Abel: Salsinha’s efforts will not succeed – Suara Timor Lorosa’e

The Commander of the Military Police Abel Ximenes said that further efforts by rebels under Salsinha’s command will not meet with success, as the Government has no tolerance for their actions.

“If the rebels’ struggle meets success, then chicken will have teeth,” he said. “They will be hunted by the Joint Operation Command.

“In this world, if a bicycle collides with a car, it is impossible that the car will be damaged; a bicycle will be damaged if collides with a car. This means that certain people who stand against the Government will become losers,” said Commander Ximenes on Tuesday (15/4) in Camea-Becora, Dili.

At the same occasion Commander Ximenes appealed anyone holding weapons to turn them over to the Joint Operation to avoid door-to-door checking.

PM Xanana: security improved during State of Siege – Radio Timor-Leste

PM Xanana Gusmão said the security situation in the country improved and values enshrined in the constitution were maintained during the State of Siege (from 23 February- 23 March) .

PM Xanana said that the one-month extension of the State of Siege demonstrated the operation model of F-FDTL and PNTL as well as their good coordination during the joint operation.

Prime Minister: 20 human rights violations against Apprehension Operation reported during the ‘State of Siege’ – Diario Nacional Prime Minister Xanana Gusmão has confirmed that from 23 February until 23 March, 20 cases of human rights violations were filed against the Apprehension Operation forces during the implementation of the State of Siege. Gusmão made the statement to MPs during a presentation at the National Parliament on Tuesday (15/04).

Of these cases, 11 were reported by the UN and nine others from the community. Gusmão added that there is a need identify the individuals who have committed these violations. Their names should be identified, as well as when and where the incident took place, in order to assist with investigations.

Paixão: People in Liquiça hand over weapons to the Joint Operation Command – Diario Nacional

The Commander of the F-FDTL/PNTL Joint Operation, Lieutenant Colonel Filomeno Paixão said that people in Liquiça voluntarily handed over three grenades, 11 traditional weapons (rakitan), and 429 pieces of ammunition to the Joint Operation Command in Liquiça district.


Paixão has appealed to all the people, including those working with NGOs and agencies who will be visiting the area around the operation, to contact the Joint Operation Command in Dili before departing in order to avoid areas where military operations are taking place.

“We will inform our forces in the field to watch out for people who will visit places nearby the Apprehension Operation areas, “said Lieutenant Colonel Filomeno Paixão.

Australia: East Timor President Suggests 'External Elements' Involved In Attack against Him – AP, 15 April

East Timor's president said he believed "external elements" were supporting the rebels who tried to assassinate him with hopes his country would be plunged into chaos and be declared a failed state.

Jose Ramos-Horta, 58, has been recuperating in the northern Australian city of Darwin since February, when mutinous soldiers shot him outside his home in East Timor's capital, Dili. Prime Minister Xanana Gusmão escaped an ambush on his motorcade the same day.

The motive for the attacks, which followed more than a year of political turmoil and violence, remained unclear.

In an interview with CNN on Monday (14 Apr), Ramos-Horta did not identify the outsiders he believed were trying to destabilize his country or elaborate on what help he thought they had been doing to support such efforts.

"An investigation has been ongoing, and there is increasing evidence pointing a finger at external elements that were supporting the renegade Alfredo Reinado," Ramos-Horta said, referring to the rebel leader who was killed during the Feb. 11 attack. "These are elements interested in destabilizing East Timor, plunging it into an endless civil war so it could be declared a failed state."

East Timor broke from decades of often-brutal Indonesian rule in 1999 in a U.N.-sponsored referendum. Three years later, it became Asia's newest nation, but the euphoria quickly evaporated amid the challenges of governing a divided, impoverished people.

The Sydney Morning Herald reported Tuesday (15 Apr) that investigators found that Reinado was involved in 47 telephone calls to and from Australia in the hours before the February attacks. It said Timorese authorities have asked Australian agencies to provide the names of the telephone subscribers and to release any recorded conversations.

In the days following the attacks, a number of people were detained in Dili, including an Australian-Timorese woman who authorities said had hosted Reinado and his accomplices at her house the night before the attacks.

Reinado and another rebel were killed in a clash with Ramos-Horta's guards during the attack. An unknown number of rebels escaped.

In his interview with CNN, Ramos-Horta said it was imperative that the assassination attempt was properly investigated.

"Our country will need to get to the bottom of these events to heal from them," Ramos-Horta said.

The Nobel Peace Prize winner also said the attempt on his life had made him more resolved to help improve the lives of the impoverished Timorese.

"I would say that it has, primarily, reaffirmed my personal conviction and my ambition to lift people out of extreme poverty," he said. "Today, I have no other goal or ambition. The recent events have only served to reaffirm my lifelong commitment to helping the poor."

East Timor medal ceremony venue shifted – NZPA, 15 April

New Zealand Defence Force and Police personnel who served in East Timor are to be presented with medals at a ceremony in the Beehive this afternoon.

Initially the ceremony, organized by Defence, was to be held in the Labor Party caucus room which National MP Judith Collins objected to.

However, it would now be held in the Beehive theaters after Prime Minister Helen Clark intervened saying it was a more appropriate space.

The Government would extend invitations to all parties' defence and veteran affairs spokespeople.

Initially only ministers directly involved -- the PM, Police and Defence-were to attend with Defence personnel, the Australian High Commissioner, police, medal recipients and their families.

A bigger venue was required once it was decided more people could attend.
Mars Collins had initially said it appeared that Labor was creating a photo opportunity for itself.

Last year the Government announced the new medals for service in East Timor.

The New Zealand General Service Medal (NZGSM) (Timor-Leste) would be awarded to New Zealand Defence Force and New Zealand Police personnel who served in East Timor from April 28, 2006, as part of the peacekeeping operation there.

ETimor president suspects 'external elements' behind shooting – AFP, 15 April

DILI (AFP) - East Timor President Jose Ramos-Horta has revealed suspicions that "external elements" were behind the February shooting which left him fighting for his life.

The Nobel peace laureate, who returns here on Thursday after more than two months' treatment and recovery in Australia, wrote in a commentary on CNN's website that unnamed forces were trying to destabilize his tiny country.

Ramos-Horta was shot twice in the back after a dawn raid on his home on February 11, while attackers also fired on a convoy carrying Prime Minister Xanana Gusmão, who escaped unharmed.

Renegade military leader Alfredo Reinado, who had been on the run since 2006 unrest, was killed in the firing but a number of rebels are still at large.

"An investigation has been ongoing, and there is increasing evidence pointing a finger at external elements that were supporting the renegade Alfredo Reinado," Ramos-Horta wrote.

"These are elements interested in destabilizing East Timor, plunging it into an endless civil war so it could be declared a failed state."

But the 58-year-old leader said the incident had given him renewed determination to fight poverty and violence in the fragile young democracy, which has been beset by conflict since independence from Indonesia in 1999.

"I am returning home in the next days, to do all I can to realize my dreams for East Timor -- to continue lifting the Timorese people out of poverty, and to create a zone of peace where all forms of violence are abandoned," he said.

The president's comments come a week after he appeared on television in East Timor to give assurances that he would return to lead the country, after earlier hinting to an Australian newspaper that he may step down.

Security is expected to be high for the president's return on Thursday.

"I expect that I will no longer be able to travel without a convoy, or walk away from my security to distribute clothing at a village on the road," Ramos-Horta said.

"We have lost something. But we will find a way to remain close."


Plan to employ East Timorese workers has support – ABC, 16 April

The State Government says there is widespread support for a plan to fly unskilled East Timorese workers into the Kimberley to try to address the region's chronic labor shortage.

In February, the Government signed a Memorandum of Understanding with East Timor to employ workers on major government infrastructure projects in the Pilbara and Kimberley.

The Minister for Planning and Infrastructure, Alannah MacTiernan, met hospitality and tourism operators in Broome.

She says there is overwhelming support for expanding the agreement to other industries.

The Commonwealth would have to sign off on any agreement and is yet to indicate its support.
Ms MacTiernan denies suggestions local people would miss out on jobs as a result of the plan.

"There is no shortage of employment here, I think everyone acknowledges that, the challenge is in fact to find staff," she said.

"I don't think anyone could argue that this is displacing local people.

"It's a win for the businesses and the industry of the Kimberley because it ensures that we have got labor.

"Secondly it's a great opportunity for East Timorese because not only is it a chance for them to not only earn income, but also to acquire skills that are going to be really important to setting up businesses in there own country."

The Commonwealth must sign off on the proposal before it can go ahead.

Ramos Horta fought to live for country – TVNZ, 15 April

East Timor President Jose Ramos Horta says he willed himself to stay alive after he was shot so his country would not erupt into violence.


The 58-year-old is preparing to return to East Timor this week, two months after being evacuated to Australia after he was shot by rebels outside his Dili home.

His comments came as investigators revealed rebel leader Alfredo Reinado - killed after he invaded Ramos Horta's house on February 11 - was involved in 47 telephone calls to or from Australia in the hours before the attack.

Investigators are focusing their inquiries on the calls Reinado and his men made soon before and after the attacks, Fairfax reports, and are seeking Australia's help in tracing the calls.

In an interview with CNN, Ramos Horta said it was vital for East Timor to get to the bottom of the attacks in order "to heal from them".

"An investigation has been ongoing, and there is increasing evidence pointing a finger at external elements that were supporting the renegade Alfredo Reinado," he said.

"These are elements interested in destabilizing East Timor, plunging it into an endless civil war so it could be declared a failed state.

"In fact they have achieved the opposite. I have survived them, and we have survived them."

The Nobel Laureate said he knew he would be shot when he saw one of the rebels as he walked towards his home.

"As I walked up the street ... I saw one of the renegades and knew that he was going to shoot me," Ramos Horta told CNN.

"As he aimed for my heart, I turned to run. Instead of the left side of my chest, he shot me twice in the right side of the back."

Doctors later told him that he lost 80% of his blood following the attack, and that a piece of shrapnel had been found just two millimeters from his spine.

"I was also later told that if I had arrived at the hospital five minutes later I would have, without question, been dead," he said.

He recalled his fight for life as he rode in the ambulance on his way for initial treatment.

"I was willing myself to stay alive," he said.

"In these minutes, I felt that if I died, my country would explode into violence."

Ramos Horta said the assassination attempt had "reaffirmed" his desire to lift his countrymen out of extreme poverty.

"I am returning home in the next days, to do all I can to realize my dreams for East Timor - to continue lifting the Timorese people out of poverty, and to create a Zone of Peace where all forms of violence are abandoned," he said.

1 comentário:

Margarida disse...

Tradução:
UNMIT Revista dos Media Diários
UNMIT Revista dos Media Diários - 15 Abril 2008

(Extractos de relatos de medias nacionais e internacionais – A UNMIT não garante a correcção destes relatos.)


Parada da polícia e militares para dar as boas-vindas ao PR Horta – Rádio Timor-Leste

Uma parada militar, realizada sob apertada segurança interna, realizar-se-à para dar as boas vindas ao PR José Ramos-Horta no seu regresso na Quinta-feira (17/4).

O Vice-Comandante da Operação Apreensão, Mateus Fernandes disse que polícias e militares identificaram áreas críticas de conflito de modo a antecipar distúrbios no futuro.

“Ele é o Comandante Supremo de ambas as instituições da PNTL e F-FDTL e como presidente do país. Vamos recebê-lo com uma parada militar e acompanhá-o ao longo da estrada e para a sua residência,” disse o Comandante Fernandes.

PR Horta: não amnistiu para Salsinha – Televisão Timor-Leste

O PR José Ramos-Horta disse que o Estado não dará amnistia a Salsinha e outros que têm andado com armas desde 2006 dado que não seguiram as ordens do Estado.

O PR Horta disse que Salsinha se deve entregar à justiça e não esperar que regresse a Timor-Leste, dado que as pessoas precisam de calma para desenvolver o país.

“Estou pronto para o receber, ele deve submeter-se ao Comando da Operação Conjunta, F-FDTL, PNTL, ou aos dois bispos,” disse o PR Horta durante uma festa de amizade com a comunidade Timorense em Darwin no último Domingo. “Ele deve ir a Dili para enfrentar a justiça no tribunal pelas suas acções de 11 de Fevereiro.” (13/4).

Alfredo fez muitos telefonemas antes de morrer – Timor Post

O Procurador-Geral Longuinhos Monteiro disse que antes de Alfredo Reinado ser morto a tiro, que teve numerosas conversas com muita gente em Timor-Leste e que fez 47 chamadas para a Austrália.


“Os números mostram chamadas de e para o telemóvel de Alfredo,” disse o PGR Monteiro no relatório ao Parlamento Nacional na Segunda-feira (14/4) em Dili.

O Sr. Monteiro pediu as identidades dessas pessoas que telefonaram a Alfredo, e pedirá à Austrália para dar assistência na investigação do caso.

“Não informei ainda os líderes do país quem é que esteve por detrás dos ataques. Iremos considerar cada um individualmente independentemente da sua posição,” acrescentou o PGR Monteiro.

‘Ninja’ raptando crianças, pessoas traumatizadas – Suara Timor Lorosa’e

Pessoas em Timor-Leste receiam que 'Ninja' ou 'homens com máscaras' estejam a raptar as suas crianças para serem usadas em sacrifícios humanos.

De acordo com relatos, durante a governação dos Indonésios donos de trabalhos em pontes e estradas pelo país pagavam a 'Ninja' para raptar crianças para sacrifícios para trazer boa sorte ou prosperidade ao projecto.

Na semana passada, um jornal local disse que duas crianças tinham sido raptadas em Liquiça e os pais alegaram que 'Ninja' as tinham raptado. Houve uma outra notícia num jornal hoje que aldeões em Taibisse (Dili) capturaram um 'Ninja' que tentava raptar uma criança na aldeia. Os residentes viram o ‘Ninja’ a usar dinheiro para tentar raptar jovens. O 'Ninja' foi capturado e levado à Polícia. O caso está sob investigação.

O Presidente Interino Fernando de Araújo Lasama apelou a toda a gente para se manter calma e não acreditar em rumores.

Mateus: civis armados entregam armas tradicionais– Suara Timor Lorosa’e

O Vice-Comandante da Operação Apreensão, Mateus Fernandes confirmou que quatro civis armados no distrito de Ermera entregaram voluntariamente as suas armas e munições tradicionais na estação da PNTL em Lete-Foho na Sexta-feira (11/4).

Os civis foram levados para Dili para interrogatório de modo a descobrir o seu envolvimento com os amotinados. Em nome da Operação Apreensão, o Sr. Fernandes apelou repetidamente aos amotinados liderados por Gastão Salsinha para se renderem.

PG: números de chamadas listadas com Alfredo-Salsinha – Suara Timor Lorosa’e

Procurador-Geral (PG) Longuinhos Monteiro descobriu 127 números de telefone registados conectados directamente a telefones detidos por Alfredo e Salsinha antes e depois das tentativas de assassínio em 11 de Fevereiro.


De 8-13 Fevereiro, Alfredo e Salsinha tiveram contactos com 47 pessoas da Austrália, 31 pessoas da Indonésia e outras de Timor-Leste. Contudo as identidades dos proprietários dos telefones mantém-se desconhecidos dado que os aparelhos estão desligados e os cartões SIMM são muitas vezes vendidos sem registo correcto.

Remédios pede à UNMIT para disciplinar dois oficiais da UNPOL – Timor Post

O Conselheiro Principal do PR Ramos-Horta, Dr. Paulo do Remédios, pediu à UNMIT para disciplinar dois oficiais da UNPOL para darem resposta imediata ao ataque de 11 Fevereiro na residência do PR Ramos-Horta.

O Dr. Remédios disse que às 6:55 am recebeu uma chamada telefónica do Presidente Ramos-Horta a dizer que estava com problemas. O Dr. Remédios imediatamente pediu ajudo a dois oficiais da UNPOL que estavam em frente à sua casa perto dos seus veículos. O Dr. Remédios disse que os dois oficiais da UNPOL se recusaram a oferecer a assistência pedida.

O Dr. Remédios disse que depois se dirigiu à residência do Presidente às 7:15 e descobriu que o Presidente estava ferido. O Dr. Remédios disse que tentou usar o seu carro particular para levar o Presidente para o hospital quando subitamente chegou uma ambulância ao local. A ambulância depois transportou o Presidente ao Centro Médico da ISF no Heliporto.

Ele disse que apenas a FPU Portuguesa estiveram presentes na residência do Presidente e ninguém da ISF ou UNPOL.

O Dr. Remédios pediu que a UNMIT discipline tos dois oficiais da UNPOL que “apenas sabem receber bastante dinheiro e não querem manter a ordem.” Ele apelou à UNMIT para usar a “lei internacional” contra estes dois membros da UNPOL que tinham “falhado completamente” em dar assistência imediata ao Presidente. “A UNMIT deve agir contra esses membros da UNPOL terminando os seus contratos ou através de medidas disciplinares.”

Ele pediu ainda á UNMIT para explicar claramente porque é que esses oficiais se recusaram a agir. “Continuarei a exigir ambos disciplinares e criminosos inquéritos nesta matéria”, disse ele, acrescentando que podia recomendar a matéria ao Gabinete do Procurador-Geral sem autorização do Presidente.


Deputados descontentes com convites SMS para a workshop – Timor Post

A deputada do CNRT Gertrudes Moniz disse que alguns membros do Governo não estão contentes com a maneira como foram convidados para uma workshop realizada em Obrigado Barracks pela UNMIT e Governo de Timor-Leste sobre a separação de poderes no Governo dado que o convite foi feito através de curto serviço de mensagens (SMS).

A deputada Moniz levantou esta questão no Parlamento Nacional, dizendo que um SMS não era o método adequado para convidar Governantes.

Na mesma ocasião, Fernanda Lay disse que quando uma comissão chama um ministro, isso deve ser feito através do parlamento nacional por carta e depois enviada para o Primeiro-Ministro.

“Como deputada, não convidaria governantes por SMS. Mesmo apesar de serem nossos amigos, devemos mostrar respeito pelo cargo deles,” disse a Srª. Fernanda, uma deputada do CNRT.

Hugo: TL tem de continuar o controlo de bens importados – Timor Post

O deputado do CNRT, Hugo da Costa disse que o Governo de Timor-Leste deve controlar a importação de bens como alimentos para o país porque os preços continuam muito elevados.

“Insisto que o Governo ajude a controlar os preços da comida no país, de outro modo este país será ameaçado com carências de alimentação,” disse.

Lider de Timor diz que amotinados tinham apoio – Associated Press (AP)

SYDNEY, Australia (AP) — O presidente de Timor-Leste disse que acreditava que "elementos externos" estavam a apoiar os amotinados que o tentaram assassinar na esperança que o seu país mergulhasse no caos e fosse declarado um Estado falhado.

Numa entrevista à CNN na Segunda-feira, José Ramos-Horta não identificou os do estrangeiro que acredita estiveram a tentar desestabilizar o seu país nem elaborou sobre que ajuda ele pensa que eles deram para apoiar tais esforços.

Ramos-Horta, 58 anos, tem estado a recuperar na cidade do Norte da Austrália de Darwin desde Fevereiro, quando soldados amotinados o balearam no exterior da sua casa na capital de Timor-Leste, Dili. O Primeiro-Ministro Xanana Gusmão escapou ileso no mesmo dia a uma emboscada à sua caravana.

O motivo para os ataques, depois de mais de um ano de turbilhão político e violência, mantém-se não claro.

"Está em curso uma investigação, e há crescente evidência a apontar o dedo a elementos externos que estavam a apoiar o renegado Alfredo Reinado," disse Ramos-Horta, referindo-se ao líder amotinado que foi morto no ataque de 11 de Fevereiro. "Esses são elementos interessados na desestabilização de Timor-Leste, mergulhando-o numa guerra civil sem fim para que possa ser declarado um Estado falhado."

Timor-Leste rompeu de décadas de muitas vezes brutal governação Indonésia em 1999 num referendo patrocinado pela ONU. Três anos mais tarde, tornou-se a mais nova nação da Ásia, mas a euforia evaporou-se rapidamente no meio dos desafios de governar uma população dividida e empobrecida.

O Sydney Morning Herald relatou na Terça-feira que investigadores descobriram que Reinado estava envolvido em 47 chamadas telefónicas para e de Austrália nas horas antes dos ataques de Fevereiro. Disse que as autoridades Timorenses pediram às agências Australianas para darem os nomes dos subscritores e para libertarem quaisquer conversas gravadas.

Nos dias que se seguiram aos ataques, uma série de pessoas foram detidas em Dili, incluindo uma mulher Australiana-Timorense que as autoridades disseram ter hospedado Reinado e os seus acompanhantes na sua casa na noite antes dos ataques.

Reinado e um outro amotinado foram mortos num confronto com os guardas de Ramos-Horta durante o ataque. Um número desconhecido de amotinados escapou.

Na entrevista á CNN, Ramos-Horta disse que é imperativo que a tentativa de assassínio seja investigada adequadamente.

"O nosso país precisa de chegar ao fundo desses eventos para se curar deles," disse Ramos-Horta.
O vencedor do Nobel da Paz disse também que o atentado contra a sua vida tinha deixado com mais resolução para melhorar as vidas dos Timorenses empobrecidos.

"Diria que isto, em primeiro lugar reafirmou a minha convicção pessoal e a minha ambição para tirar as pessoas da pobreza extrema," disse ele. "Hoje, não tenho outro objectivo ou ambição. Os eventos recentes serviram apenas para reafirmar o meu compromisso de vida para ajudar os pobres."

Ramos-Horta planeia regressar a Timor-Leste na Quinta-feira.


UNMIT Revista dos Media Diários - 16 Abril 2008

(Extractos de relatos de medias nacionais e internacionais – A UNMIT não garante a correcção destes relatos.)

COC: Salsinha entrega-se em 27 de Abril – Timor Post

O lider amotinado Gastão Salsinha disse ao Comando da Operação Conjunta que se renda à justiça em 27 de Abril.

“Ele [Salsinha] disse por telefone que se renderá em 27 Abril,” Disse o Comandante da Operação Conjunta Tenente Coronel Filomeno Paixão numa conferência de imprensa no Memorial Hall na Terça-feira (15/4).

O Comandante Paixão disse que pediu ao Salsinha para se render de modo a contribuir para resolver os problemas do país.

Depois da tentativa de assassínio em 11 de Fevereiro, Salsinha disse que se renderia depois do regresso do Presidente José Ramos-Horta de Darwin, Austrália, a Timor-Leste.

Lasama convida a população para receber o Presidente – Timor Post

O Presidente Interino Fernando ‘Lasama’ de Araújo está a convidar toda a população de Timor-Leste para se manter ao longo da estrada para dar as boas-vindas ao PR José Ramos-Horta no seu regresso de Darwin, Austrália.


Depois de ferido por tiros em 11 de Fevereiro, o PR Ramos-Horta foi evacuado para Darwin, Austrália para tratamento médico.

“Peço à população para não vir ao aeroporto mas para ficar ao longo da estrada do aeroporto para o Parlamento Nacional das 8:30 até 9:00,” disse o Presidente Lasama numa conferência de imprensa na Terça-feira (15/4) no Aeroporto Comoro, Dili.

Salsinha tem ainda 14 espingardas – Suara Timor Lorosa’e

O Comandante da Operação Conjunta Tenente Coronel Filomeno Paixão disse que mesmo apesar da força dos amotinados estar em [16 pessoas], eles têm ainda 14 espingardas para se defenderem se houver um tiroteio entre eles e a Operação Apreensão.

Até agora, Salsinha e o seu grupo ainda não se entregaram às autoridades. A Operação Conjunta continua a dar-lhes uma oportunidade para colaborar e evitar derramamento de sangue enfrentando voluntariamente a justiça de modo a resolver o problema.

PN: Não amnistia para Salsinha – Suara Timor Lorosa’e

O deputado do Parlamento apoia a declaração do Presidente José Ramos-Horta para não dar amnistia a Salsinha e outros que estiveram envolvidos nos incidentes de 11 Fevereiro.

O Vice-Presidente da bancada da Fretilin, Francisco Miranda Branco disse que a amnistia deve ser vista em duas dimensões, antes e depois do atentado.

“A situação era diferente quando o PR Horta falou com eles em Janeiro. Quando aconteceu o 11 de Fevereiro, a equação mudou,” disse ele na Terça-feira (15/4) no Parlamento Nacional, Dili.

O Sr Branco disse que o Estado deve ter uma posição firme na situação e não brincar com uma tentativa séria de destruir o Estado.

Durante a mesma sessão do Parlamento, o deputado do PD, Vital dos Santos disse que a amnistia é concedida depois da justiça. Não há lei que autorize o Presidente ou outro órgão de soberania a dar amnistia sem processo judicial.

Abel: esforços de Salsinha não terão sucesso – Suara Timor Lorosa’e

O Comandante da Polícia Militar Abel Ximenes disse que mais esforços pelos amotinados sob o comando de Salsinha não terão sucesso, dado que o Governo não tem tolerância pelas suas acções.

“Se a luta dos amotinados tiver sucesso, então as galinhas têm dentes,” disse ele. “Eles serão perseguidos pelo Comando da Operação Conjunta

“Neste mundo, se uma bicicleta colidir com um carro, é impossível o carro ficar danificado; a bicicleta que colida com um carro ficará danificada. Isto significa que certas pessoas que estão contra o Governo serão perdedores,” disse o Comandante Ximenes na Terça-feira (15/4) em Camea-Becora, Dili.

Na mesma ocasião o Comandante Ximenes apelou a qualquer pessoa que tenha armas que as entregue à Operação Conjunta para evitar buscas porta-a-porta.

PM Xanana: segurança melhorou durante o Estado de Sítio – Radio Timor-Leste

O PM Xanana Gusmão disse que a situação de segurança do país melhorou e que os valores inscritos na constituição foram mantidos durante o Estado de Sítio (de 23 Fevereiro- 23 Março) .

O PM Xanana disse que o prolongamento de um mês do Estado de Sítio demonstrou a operação modelo da F-FDTL e PNTL bem como a sua boa coordenação durante a operação conjunta.

Primeiro-Ministro: 20 violações de direitos humanos contra a Operação Apreensão reportadas durante o 'Estado de Sítio' – O Diario Nacional disse que o Primeiro-Ministro Xanana Gusmão confirmou que desde 23 Fevereiro até 23 March, foram apresentados 20 casos de violações de direitos humanos contra as forças da Operação Apreensão durante a implementação do Estado de Sítio. Gusmão fez a declaração aos deputados durante uma apresentação no Parlamento Nacional na Terça-feira (15/04).

Desses casos, 11 foram reportados pela ONU e nove outros da comunidade. Gusmão acrescentou que há a necessidade de identificar os individuos que cometeram essas violações. Os nomes devem ser identificados, bem como quando e onde ocorreram os incidentes para assistir às investigações.

Paixão: Pessoas em Liquiça entregaram armas ao Comando da Operação Conjunta – Diario Nacional

O Comandante da Operação Conjunta da F-FDTL/PNTL, tenente Coronel Filomeno Paixão disse que pessoas em Liquiça entregaram voluntariamente três granadas, 11 armas tradicionais (rakitan), e 429 peças de munições ao Comando da Operação Conjunta no distrito de Liquiça.


Paixão apelou a toda a gente, incluindo aos que trabalham com ONG's e agências que estarão de visita á área à volta da operação, para contactar o Comando da Operação Conjunta em Dili antes de partirem de modo a evitarem áreas onde ocorrem operações militares.

“Informaremos as nossas forças no campo para observarem as pessoas que irão visitar lugares perto das áreas da Operação Apreensão,“ disse o Tenente Coronel Filomeno Paixão.

Austrália: Presidente de Timor-Leste Sugere 'Elementos externos' envolvidos no ataque contra ele – AP, 15 Abril

O presidente de Timor-Leste disse que acredita que "elementos externos" estiveram a apoiar os amotinados que tentaram assassiná-lo com a esperança que o seu país mergulhasse no caos e fosse declarado um Estado falhado.

José Ramos-Horta, 58 anos, tem estado a recuperar na cidade do norte da Austrália de Darwin desde Fevereiro, quando soldados amotinados o balearam no exterior da sua casa b«na capital de Timor-Leste, Dili. O Primeiro-Ministro Xanana Gusmão escapou duma emboscada à sua caravana no mesmo dia.

O motivo para os ataques, que se seguiram a mais de um ano de turbilhão político e violência,não está claro.

Numa entrevista à CNN na Segunda-feira (14 Abril), José Ramos-Horta não identificou os do estrangeiro que acredita estiveram a tentar desestabilizar o seu país nem elaborou sobre que ajuda ele pensa que eles deram para apoiar tais esforços.

"Está em curso uma investigação, e há crescente evidência a apontar o dedo a elementos externos que estavam a apoiar o renegado Alfredo Reinado," disse Ramos-Horta, referindo-se ao líder amotinado que foi morto no ataque de 11 de Fevereiro. "Esses são elementos interessados na desestabilização de Timor-Leste, mergulhando-o numa guerra civil sem fim para que possa ser declarado um Estado falhado."

Timor-Leste rompeu de décadas de muitas vezes brutal governação Indonésia em 1999 num referendo patrocinado pela ONU. Três anos mais tarde, tornou-se a mais nova nação da Ásia, mas a euforia evaporou-se rapidamente no meio dos desafios de governar uma população dividida e empobrecida.

O Sydney Morning Herald relatou na Terça-feira que investigadores descobriram que Reinado estava envolvido em 47 chamadas telefónicas para e de Austrália nas horas antes dos ataques de Fevereiro. Disse que as autoridades Timorenses pediram às agências Australianas para darem os nomes dos subscritores e para libertarem quaisquer conversas gravadas.

Nos dias que se seguiram aos ataques, uma série de pessoas foram detidas em Dili, incluindo uma mulher Australiana-Timorense que as autoridades disseram ter hospedado Reinado e os seus acompanhantes na sua casa na noite antes dos ataques.

Reinado e outro amotinado foram mortos num confronto com guardas de Ramos Horta durante o ataque. Um número desconhecido de amotinados escapou.
Na entrevista á CNN, Ramos-Horta disse que é imperativo que a tentativa de assassínio seja investigada adequadamente.

"O nosso país precisa de chegar ao fundo desses eventos para se curar deles," disse Ramos-Horta.
O vencedor do Nobel da Paz disse também que o atentado contra a sua vida tinha deixado com mais resolução para melhorar as vidas dos Timorenses empobrecidos.

"Diria que isto, em primeiro lugar reafirmou a minha convicção pessoal e a minha ambição para tirar as pessoas da pobreza extrema," disse ele. "Hoje, não tenho outro objectivo ou ambição. Os eventos recentes serviram apenas para reafirmar o meu compromisso de vida para ajudar os pobres."

Mudança de local de cerimónia de entrega de medalhas – NZPA, 15 Abril

Pessoal da Polícia e da Força de Defesa da Nova Zelândia que serviram em Timor-Leste vão ser presenteados com medalhas numa cerimónia em Beehive esta tarde.

Inicialmente a cerimónia organizada pela DEFESA, era para ter sido organizada na sala de congressos do Partido Labor ao que a deputada Nacional Judith Collins objectou.

Contudo, agora realizar-se-à nos teatros Beehive depois da Primeira-Ministra Helen Clark ter intervindo dizendo que esse era um espaço mais adequado.

O Governo convidará todos os porta-vozes da defesa e de assuntos de veteranos dos partidos.

Inicialmente apenas os ministros directamente envolvidos -- PM, Polícia e Defesa – deviam atender com o pessoal da Defesa, o Alto Comissário Australiano, polícias, receptores das medalhas e suas famílias.

Foi requerido um local maior logo que ficou decidido que mais pessoas podiam atender.
Mars Collins inicialmente tinha dito que parecia que o Labor estava a criar uma oportunidade de fotos para ele próprio.

No ano passado o Governo anunciou as novas medalhas para serviço em Timor-Leste.

A Medalha de Serviço Geral da Nova Zelândia (NZGSM) (Timor-Leste) será concedida ao pessoal da Força da Defesa e da Polícia da Nova Zelândia que serviu em Timor-Leste desde 28 de Abril de 2006, como parte da operação de manutenção da paz lá.

Presidente de Timor-Leste suspeita de 'elementos externos' por detrás dos tiros – AFP, 15 Abril

DILI (AFP) – O Presidente de Timor-Leste José Ramos-Horta revelou suspeitas de "elementos externos" terem estado por detrás dos disparos de Fevereiro que o deixaram a lutar pela vida.

O laureado do Nobel da paz, que regressou na Quinta-feira depois de mais de dois meses de tratamento e recuperação na Austrália, escreveu num comentário do site da CNN que forças não nomeadas estiveram a tentar desestabilizar o seu pequeno país.

Ramos-Horta foi baleado pelas costas duas vezes depois dum assalto matinal à sua casa em 11 de Fevereiro, ao mesmo tempo que os atacantes dispararam contra uma caravana do Primeiro-Ministro Xanana Gusmão, que escapou ileso.

O líder militar desertor Alfredo Reinado, que andava foragido desde o desassossego de 2006, foi morto no tiroteio mas um número de amotinados continuam em fuga.

"Está em curso uma investigação e há mais evidência a apontar dedos para elementos externos que apoiavam o desertor Alfredo Reinado," escreveu Ramos-Horta.

"Estes são elementos interessados em desestabilizar Timor-Leste, mergulhando-o em guerra civil sem fim para que pudesse ser declarado um Estado falhado."

Mas o líder de 58 anos disse que o incidente lhe dera uma determinação renovada para lutar contra a pobreza e a violência na democracia jovem e frágil, que tem estado a sofrer de conflito desde a independência da Indonésia em 1999.

"regresso a casa nos próximos dias , para fazer tudo o que posso fazer para realizar os meus sonhos por Timor-Leste -- para continuar a levantar o povo Timorense da pobreza, e criar uma zona de paz onde todas as formas de violência sejam abandonadas," disse.

Os comentários do presidente surgiram uma semana depois de ter aparecido na televisão de Timor-Leste para garantir que regressará para liderar o país, depois de especulações anteriores de um jornal Australiano que poderia sair.

Espera-se que a segurança seja alta para o regresso do presidente na Quinta-feira.

"Espero que deixe de poder viajar sem uma caravana, ou de me afastar da minha segurança para distribuir roupas numa aldeia na estrada," disse Ramos-Horta.

"Perdemos algo. Mas descobriremos uma maneira para nos mantermos perto."


Plano para empregar trabalhadores Timorenses tem apoio – ABC, 16 Abril

O governo do estado diz que há apoio alargado para um plano para trazer trabalhadores Timorenses não qualificados para Kimberley para tentar resolver a carência crónica de mão de obra da região.

Em Fevereiro, o Governo assinou um Memorando de Entendimento com Timor-Leste para empregar trabalhadores em grandes projectos de infraestruturas do governo em Pilbara e Kimberley.

A Ministra do Plano e Infraestruturas, Alannah MacTiernan, encontrou-se com operadores de hospitalidade e turismo em Broome.

Diz que há grande apoio para expandir o acordo a outras indústrias.

A Commonwealth terá de assinar qualquer acordo e não indicou ainda o seu apoio.
A Srª MacTiernan nega sugestões que a população local perderá oportunidades de empregos em resultado do plano.

"Não há falta de empregos aqui, Penso que todos reconhecem isso, o desafio de facto é encontrar pessoal," disse ela.

"Penso que ninguém concordo que isto desloca a população local.

"É uma vitória para os negócios e a indústria de Kimberley porque garante que temos mão de obra.

"Em segundo lugar é uma grande oportunidade para os Timorenses porque não é apenas uma possibilidade para eles ganharem salários mas também para adquirirem capacidades que vão ser realmente importantes para montarem negócios no seu próprio país."

A Commonwealth tem de assinar o proposata antes de avançar.

Ramos Horta lutou para viver para o país – TVNZ, 15 Abril

O Presidente de Timor-Leste José Ramos Horta diz que lutou para se manter vivo depois de ter sido baleado para que o seu país não irrompesse em violência.

O homem de 58 anos prepara-se para regressar para Timor-Leste esta semana dois meses depois de ter sido evacuado para a Austrália depois d ter sido baleado por amotinados no exterior da sua casa em Dili.

Os seus comentários surgiram depois de investigadores revelarem que o líder amotinado Alfredo Reinado – morto depois de ter invadido a cada de Ramos Horta em 11 de Fevereiro - estar envolvido em 47 telefonemas para e da Austrália horas antes do ataque.

Os investigadores estão a focar o seu inquérito nas chamadas que Reinado e os seus homens fizeram pouco antes e depois dos ataques, relata a Fairfax, e estão a procurar a ajuda da Austrália para seguir as pistas dos telefonemas.

Numa entrevista à CNN, Ramos Horta disse que era vital para Timor-Leste chegar ao fundo dos ataques de modo "a sarar a partir daqui".

"Está em curso uma investigação, e há evidência crescente a apontar um dedo a elementos externos que apoiaram o renegado Alfredo Reinado," disse ele.

"Esses são elementos interessados em desestabilizar Timor-Leste, mergulhando-o em guerra civil sem fim para que possa ser declarado um Estado falhado.

"De facto eles alcançaram o oposto. Eu sobrevivi a eles e sobrevivemos a eles ."

O laureado do Nobel disse que soube que seria baleado quando viu um dos amotinados quando caminhava para a casa.

"Quando subia a rua ... vi um dos renegados e soube que ele ia balear-me," disse Ramos Horta à CNN.

"Quando ele visou o meu coração, eu virei-me para correr. Em vez do lado direito do meu peito, ele baleou-me duas vezes no lado direito das minhas costas."

Mais tarde os médicos disseram-lhe que ele perdera 80% do seu sangue depois do ataque, e que um fragmento da bala fora encontrado apenas a dois milímetros da sua coluna.

"Disseram-me também que se tivesse chegado ao hospital cinco minutos mais tarde, estaria, sem dívida, morto," disse ele.

Lembrou a sua luta pela vida quando era conduzido na ambulância a caminho do tratamento inicial.

"Tentava manter-me vivo," disse.

"Nesses minutos, senti que se morresse, o meu país explodiria em violência."

Ramos Horta disse que a tentativa de assassínio tinha "reafirmado" o seu desejo de levantar os seus co-cidadãos da pobreza extrema.

"Regresso a casa nos próximos dias para fazer tudo o que puder para realizar os meus sonhos para Timor-Leste - para continuar a levantar os Timorenses da pobreza, e criar uma Zona de Paz onde sejam abandonadas todas as formas de violência ," disse.

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.