domingo, abril 20, 2008

UNMIT Daily Media Review - 18 April 2008

SBY to investigate Alfredo’s supporters in Indonesia – Timor Post

President José Ramos-Horta said that Indonesian President Soesilo Bambang Yudhoyono (SBY) has told him that his government will carry out investigations to find evidence related to the supporters of Alfredo Reinado in Indonesia.

“Last year Alfredo went to Indonesia and stayed in Jakarta, and made an interview with Metro TV. Investigations show many contacts from Indonesia with Alfredo. It has nothing to do with the Indonesian government of TNI.

I got confirmation from President SBY that Indonesia will find compelling evidence to indict some individuals in Indonesia,” said PR Ramos-Horta in a press conference held at Comoro Airport, Dili upon his return.

Horta: “Even though I almost died, I don’t want Salsinha to die” – Timor Post

Salsinha asked the State to stop the Apprehension Operation which has been set to hunt him and his men, and to receive all the petitioners.

“Salsinha has to explain who told him and backed him to destabilize this nation,” said PR Horta in his speech to the National Parliament on Thursday (17/4) in Dili.

PR Horta is appealing to Salsinha to come down and submit himself to justice and explain to the court how the attempt of February 11 was planned.

Horta: Government should buy rice with money from the petroleum fund – Timor Post

Even though PR Horta is not totally recovered yet, he is trying to solve the problems of poor people in this country by asking PM Xanana Gusmão to buy food [rice] with funds from the petroleum fund.

“I give thanks to all people, people who are barefoot and poor. My preoccupation right now is that the entire world is facing hunger.

The price of rice is increased. Those who are poor are getting poorer at this time. So I am asking the Government and the National Parliament to use resources from the petroleum fund to buy food for the poor,” he said at the press conference held at Comoro Airport, Dili on Thursday (17/4).

Govt. to force Rogerio back to prison – Timor Post

Through the Ministry of Justice, the Government has decided to force former Minister of the Interior, Tiago Rogerio Lobato, to return to prison in connection with his conviction for organizing the militias to fight against F-FDTL in the 2006 crisis.

“Now we have made preparations for [Mr. Rogerio]. I will instruct the prison guards to meet him directly at the airport and bring him to the prison to complete his prison term as sentenced by the court,” said Minister of Justice Lucia Lobato on Thursday (17/4) in the National Parliament.

Former Minister Rogerio Lobato went to Malaysia for medical treatment as he was about to be imprisoned in Becora Prison for the crime of organizing the militias to fight against F-FDTL in the 2006 crisis.

SES to provide extraordinary security to President Horta – Timor Post

The State Secretary for Security Francisco Guterres said that security forces consisting of the National Police of Timor-Leste (PNTL), Defence Forces of Timor-Leste (F-FDTL), Rapid Intervention Unit (UIR), Rapid Deployment Service (URP), United Nations Police (UNPol) and International Security Forces (ISF) are ready to provide extraordinary security to President Ramos-Horta.

State Secretary Guterres said that the security forces will be placed at the President’s residence to secure his safety and will conduct check points around the residence.

Ed: President has returned. Is Salsinha going to surrender? – Timor Post

President Ramos-Horta has returned to Timor-Leste after his medical treatment in Darwin, Australia. His presence responds to the peoples’ hope since that he should be back to Timor-Leste.

Now that he has returned, will Salsinha submit himself as he promised on the return of President Horta? What is Salsinha thinking about now?

Is he going to surrender or not? If he surrenders, then he accomplishes his promise to the people and the nation. All parties will consider him as an honest and brave man. If not, then Salsinha creates a big burden for the people and the nation.

We don’t know exactly whether Salsinha will submit himself or contact PR Horta or be arrested by the Joint Operation Command. Only time will tell.

Horta: “Salsinha has to alive to tell the truth” – Diario Nacional

PR Ramos-Horta said that he does not want Salsinha to be killed in the process of submitting himself to justice so the he can tell the truth about the plan of attack on February 11.


PR Horta said that he was the only president in the world who followed the rebels in order to negotiate, with the result that he was shot and wounded.

“Some time ago I told Alfredo and Salsinha that if you play with the weapons, then they will hit back to you,” said PR Horta in speech to the National Parliament on Thursday (17/4) upon his return from Australia.

PR Horta also appealed to Salsinha and his men to listen to him and ignore others who are trying to influence them.

“We know that Alfredo and Salsinha gathered the petitioners. So I am asking Salsinha to surrender in Gleno’s Parish [in Ermera], then come to Dili to surrender his rifle … There’s no other place for Salsinha to talk, the only option is in court,” said PR Horta.

Lasama: The crisis could be solved in 2008 – Suara Timor Lorosa’e

The President of the National Parliament Fernando Lasama hopes that with the return of President Horta, the crisis being faced by the country could be solved this year.


“I believe that on the President’s return, and working with the sovereign organs of government, the nation’s problems could be resolved in 2008,” said PR of the National Parliament Lasama during the extraordinary session of the National Parliament on Thursday (17/4).

Separately, the Secretary-General of Fretilin Mari Alkatiri said that the President needs everyone’s support in order to recover 100%.

“We should find a way to support the president to complete his mandate well,” said Mr. Alkatiri.

F-FDTL: Army to take peacekeeping forces’ training – Suara Timor Lorosa’e

The State Secretary for Defence, Julio Thomas Pinto said that the Government of Timor-Leste through the Department of Defence is planning to send its army to Australia to take peacekeeping forces’ training.

The training program for peacekeeping forces is part of an existing package between Australia and Timor-Leste for its defence programme.

“In this agreement, Australia agrees to send its advisors to F-FDTL and the Department of Defence of Timor-Leste and also agrees to welcome our army forces to take peacekeeping forces’ training, including training in Navy,” said Mr. Pinto on Thursday (17/4) after signing the agreement of cooperation between the Department of Defence of Timor-Leste and Australia.

UN mission calls for renewed commitment to peace in Timor-Leste – Relief Web (Geneva, Switzerland), April 17

The United Nations mission in Timor-Leste today applauded the return of President José Ramos-Horta and called for strengthened and community-wide commitment to achieving enduring peace.

The head of the UN mission in Timor, Special Representative Atul Khare, greeted President Ramos-Horta at Dili airport. Mr. Khare congratulated him on his return and welcomed his determination to resume his duties as President.

President Ramos-Horta was wounded in a shooting attack on February 11 by rebel soldiers. He has spent the past two months in Australia undergoing medical treatment. During this time he was visited regularly by Special Representative Atul Khare, who on Thursday assured the President of the UN’s continued support.

Special Representative of the UN Secretary-General for Timor-Leste, Atul Khare said:

"I look forward to continuing the UN's work with the President in promoting democratic governance, strengthening the rule of law, supporting the review and reform of the security sector, and furthering socio-economic development.

President Horta's return is an opportunity for Timorese society to pull together with renewed determination for the future of Timor-Leste. Sustained peace depends upon the commitment of everyone, including politicians, the security sector, and the citizens of Timor-Leste."

For more information please call Allison Cooper on +670 7230453 or Lito Gama on +670 7311839

Former militia leader Eurico to meet Timor-Leste PM – Xinhua, April 17

Former pro-Indonesia militia leader Eurico Guterres said Thursday he would meet Timor-Leste Prime Minister Xanana Gusmão to push for reconciliation between the two countries.

The reconciliatory talk is set for April 28 in Dili.

Eurico, fresh from his acquittal of past human rights violation charges in Timor-Leste, said the reconciliation effort should go ahead under the Commission for Truth and Friendship, The Jakarta Post newspaper reported in its website.

The commission was set up by the two countries to seek out the truth surrounding the violence before and after the referendum for independence in the then Indonesian province in 1999.

The commission has delayed submitting its final report to both the presidents of Indonesia and Timor-Leste, pending the full recovery of Timor-Leste President Jose Ramos-Horta, who was shot in a coup attempt in January.

Horta may allow 'petitioners' back into army – ABC News, April 18

East Timor is considering measures to resolve a long-running dispute with rebel soldiers that triggered the violence in 2006.
President Jose Ramos-Horta has been in lengthy talks with disgruntled officers who deserted the army two years ago, including the rebel leaders blamed for the attempt on his life in February.

Nearly 600 soldiers left their barracks in protest against perceived discrimination in the defence forces in 2006, sparking civil unrest.

Dr Ramos-Horta says there may be a compromise solution to allow the so-called "petitioners" back into the army.

"Those petitioners who wish to return to the armed forces, must reapply, go through a recruitment process, to be screened," he said.

"Those who do not wish to return, they will get something equivalent to three years' salary."

In Timor-Leste, UN beefs up security ahead of President’s return – United Nations News Service, April 16

Security has been stepped up in Timor-Leste ahead of the return of President Jose Ramos-Horta on Thursday, some two months after he was wounded in an assassination attempt, a senior United Nations police official said today.

Ahead of the President’s return, the UN Integrated Mission in Timor-Leste (UNMIT) today unveiled strengthened security arrangements for the President on his arrival and afterwards, including checkpoints near his house and close protection by UN and Timorese police.

Mr. Ramos-Horta has been undergoing medical treatment in Darwin, Australia, after being shot at his home in the Timorese capital, Dili, by rebel soldiers on 11 February. Prime Minister Xanana Gusmão came under fire in a separate attack on his motorcade but was not injured.

The attacks are among several security-related challenges the young nation – which the UN helped shepherd to freedom in 2002 – has experienced during its short period of independence.

Speaking to reporters in Dili today, UNMIT’s Deputy Police Commissioner Juan-Carlos Arevalo said that one of the most important lessons from the attacks is that UN Police (UNPOL) should be reinstated into the security arrangements of the President.

Therefore, the Mission is providing members of the Portuguese Formed Police Unit (FPU) to be directly in charge of the close protection. ‘This team is very well equipped, very well trained and they have plenty of experience,’ said Mr. Arevalo.

‘Another important lesson is that we need to strengthen our links and our coordination among all the institutions related to security,’ he added. ‘We need to increase our communication channels, we need to coordinate even more… in procuring security and stability for East Timor.’

Horta welcomed home - The Australian, April 18

IT was a different kind of madness to that which has so often plagued the streets of Dili. This time it was an outpouring of affection and a celebration of survival.

Nine weeks after being shot down in cold blood, President Jose Ramos Horta yesterday challenged his deepest fears and drove slowly among thousands of East Timorese who lined the dusty streets to welcome him home.

Mr Ramos Horta stepped off a charter plane at 8am and looked tense as he took to the red carpet.

Dignitaries applauded and an armed guard snapped to attention. It made you wince to see his mates hug him and clap him on the back, right where he took two bullets.

The President began to relax as he moved among dancers and old friends. But old friends can be dangerous in Timor, as he knows.

It was then straight to a press conference, where Mr Ramos Horta said he would give "a few brief words.” But the former diplomat does not know how to be brief. He talked at great length in Tetum and Portuguese. Strangely, it was when he was talking in English that he broke down and cried.

"Sorry, I'm emotional. Even though I was shot and almost killed, I didn't want Mr Salsinha or anyone else to die," said the President, referring to the rebel leader who remains at large.

Mr Ramos Horta told of how he had believed he had built a warm relationship with the rebels, giving them money out of his pocket and driving up and down the mountains to win their trust and resolve the issue.

Then he toughened up and sent a message to Salsinha, who has said he will hand himself in only to Mr Ramos Horta. The President said he didn't want Salsinha.

"I prefer he takes himself to his church in Gleno (in the west) but not to me," he said. "He has to surrender to justice."

Mr Ramos Horta said he believed individuals in Indonesia had been urging Major Alfredo Reinado, who was killed by the President's guard during the attack in which Mr Ramos Horta was shot, to act against him.

He insisted the Indonesian Government had no part in the events.

Then the President left the airport complex surrounded by the hard men of East Timor, the GNR, or Portuguese riot police, who jogged alongside his vehicle.

Mr Ramos Horta gave an unscripted address to parliament, telling MPs their most important work in coming months related to "the barefoot and illiterate" people who were impatient and hungry.

He warned of a coming crisis with rising rice prices.

After the speech, Acting President Fernando de Araujo officially handed back the presidency to Mr Ramos Horta. The President left the parliament and headed east out of town to his home in Metiaut, on a newly laid bitumen road that workers had been working around the clock to ready for his return.

Mr Ramos Horta, who has admitted to being deeply traumatized by being shot, told The Australian he would know for sure how well he had recovered emotionally only when he saw the spot where he was shot.

But the President was too distracted to consider such matters. Before reaching his house, he got out of his car at a monument on a roundabout, where three local villages had combined to perform traditional dances.

A marching band of Catholic school children walked him up the road to his door, and Mr Ramos Horta paused only briefly to consider the spot where he was taken down.

Then it was inside for lunch with his family, and no more official program for the day.

Thousands of T-shirts with images of Mr Ramos Horta and the Pope had been distributed for his return, with the words "Bemvindo Sr President.”

Welcome home, Mr President.

1 comentário:

Margarida disse...

Tradução:
UNMIT Revista dos Media Diários - 18 Abril 2008
SBY vai investigar os apoiantes de Alfredo na Indonésia – Timor Post

O Presidente José Ramos-Horta disse que o Presidente da Indonésia President Soesilo Bambang Yudhoyono (SBY) lhe disse que o seu governo desenvolverá investigações para encontrar evidência relacionada com apoiantes de Alfredo Reinado na Indonésia.

“No ano passado Alfredo foi à Indonésia e ficou em Jacarta, e deu uma entrevista à Metro TV. As investigações mostram muitos contactos da Indonésia com Alfredo.Não têm nada a ver com o governo Indonésio da TNI.

Obtive a confirmação do Presidente SBY que a Indonésia encontrará evidência convincente para indiciar alguns indivíduos na Indonésia,” disse o PR Ramos-Horta numa conferência de imprensa realizada no Aeroporto Comoro, Dili na sua chegada.

Horta: “Mesmo apesar de quase ter morrido não quero que Salsinha morra” – Timor Post

Salsinha pediu ao Estado para parar a Operação Apreensão que foi montada para o caçar e aos seus homens, e para receber todos os peticionários.

“Salsinha tem de explicar quem lhe disse e quem o apoiou a desestabilizar esta nação,” disse o PR Horta no seu discurso ao Parlamento Nacional na Quinta-feira (17/4) em Dili.

O PR Horta está a pedir a Salsinha para descer e render-se à justiça e explicar ao tribunal como foi planeado o atentado de 11 de Fevereiro.

Horta: Governo deve comprar arroz com o dinheiro do Fundo do Petróleo – Timor Post

Mesmo apesar do PR Horta não estar ainda totalmente recuperado, está a tentar resolver os problemas dos pobres neste país ao pedir ao PM Xanana Gusmão para comprar alimentos [arroz] com fundos do Fundo do Petróleo.

“Agradeço a toda a gente, gente de pé descalço e pobre. A minha preocupação agora é que todo o mundo enfrenta a fome.

O preço do arroz aumentou. Os pobres estão a ficar mais pobres nesta altura. Assim peço ao Governo e ao Parlamento Nacional para usarem os recursos do fundo do petróleo para comprar comida para os pobres,” disse ele numa conferência de imprensa no Aeroporto Comoro , Dili na Quinta-feira (17/4).

Governo força volta de Rogério para a prisão – Timor Post

Através do Ministério da Justiça, o Governo decidiu forçar o antigo Ministro do Interior, Tiago Rogério Lobato, a regressar à prisão em conexão com a sua condenação por organizar milícias para lutarem contra as F-FDTL na crise de 2006 .

“Agora fizemos preparativos para [Sr. Rogério]. Dei instruções aos guardas da prisão para se encontrarem com ele directamente no aeroporto e para o levarem para a prisão para completar a sua pena conforme sentença do tribunal,” disse a Ministra da Justiça Lúcia Lobato na Quinta-feira (17/4) no Parlamento Nacional.

O antigo Ministro Rogério Lobato foi para a Malásia para tratamento médico quando estava para ser encarcerado na Prisão de Becora pelo crime de organizar as milícias para lutarem contra as F-FDTL na crise de 2006.

SES vai dar segurança extraordinária ao Presidente Horta – Timor Post

O Secretário de Estado da Segurança Francisco Guterres disse que as forças da segurança consistindo na Polícia Nacional deTimor-Leste (PNTL), Força de Defesa de Timor-Leste (F-FDTL), Unidade de Intervenção Rápida (UIR), Serviço de Destacamento Rápido (URP), Polícia da ONUe (UNPol) e Força Internacional de Segurança (ISF) estão prontas para darem segurança extraordinária ao Presidente Ramos-Horta.

O Secretário de Estado Guterres disse que as forças serão colocadas na residência do Presidente para garantir a sua protecção e conduzirão postos de controlo à volta da residência.

Ed: Presidente regressou. Vai Salsinha entregar-se? – Timor Post

O Presidente Ramos-Horta voltou a Timor-Leste depois do tratamento médico em Darwin, Austrália. A sua presença responde às esperanças do povo dado que ele devia voltar para Timor-Leste.

Agora que ele voltou vai Salsinha entregar-se como prometeu sobre o regresso do Presidente Horta? O que é que está Salsinha a pensar agora?

Vai-se entregar ou não? Se se entregar, então cumpre a promessa ao povo e à nação. Todas as partes o considerarão um homem honesto e bravo. Se não, então Salsinha cria um grande peso ao povo e à nação.

Nâo sabemos exactamente se Salsinha se entrega ou contacta o PR Horta ou se será preso pelo Comando da Operação Conjunta. Apenas o tempo o dirá.

Horta: “Salsinha tem de dizer a verdade vivo” – Diario Nacional

O PR Ramos-Horta disse que não quer que Salsinha seja morto no processo de se render à justiça para que assim possa dizer a verdade sobre o plano de ataque em 11 de Fevereiro.


O PR Horta disse que era o único presidente no mundo que seguiu os amotinados para negociar, com o resultado de ter sido baleado e ferido.

“Há algum tempo atrás disse a Alfredo e Salsinha que se brincam com armas, depois elas podem atingi-los,” disse o PR Horta num discurso no Parlamento Nacional na Quinta-feira (17/4) no seu regresso da Austrália.

O PR Horta pediu também a Salsinha e aos seus homens para o ouvirem e ignorarem outros que os estão a tentar influenciar.

“Sabemos que Alfredo e Salsinha juntaram os peticionários. Assim peço a Salsinha para se render na paróquia de Gleno [em Ermera], virem depois para Dili para entregarem as suas espingardas … Não há outro lugar para Salsinha falar, a única opção é o tribunal,” disse o PR Horta.

Lasama: A crise podia ser resolvida em 2008 – Suara Timor Lorosa’e

O Presidente do Parlamento Nacional Fernando Lasama espera que com a volta do Presidente Horta, a crise que o país enfrenta pode serv resolvida este ano.

“Acredito que com o regresso do Presidente e trabalhando com os órgãos de soberania do governo, os problemas podiam ser resolvidos em 2008,” disse o Presidente do Parlamento Nacional Lasama durante a sessão extraordinária do Parlamento Nacional na Quinta-feira (17/4).

Em separado, o Secretário-Geral da Fretilin Mari Alkatiri disse que o Presidente precisa do apoio de toda a gente para recuperar a 100%.

“Devemos encontrar uma maneira de apoiar o presidente a completar o seu mandato bem,” disse o Sr. Alkatiri.

F-FDTL: Forças armadas vão receber formação de manutenção da paz – Suara Timor Lorosa’e

O Secretário de Estado da Defesa, Júlio Thomas Pinto disse que o Governo de Timor-Leste através do Departamento da Defesa está a planear enviar as suas forças armadas para a Austrália para receberem formação de manutenção da paz.

O programa de formação de manutenção da paz é parte dum pacote existente entre a Austrália eTimor-Leste para o seu programa de defesa.

“Neste acordo, a Austrália acorda em enviar os seus conselheiros para as F-FDTL e o Departamento da Defesa de Timor-Leste acorda também em receber as nossas forças armadas para receber formação em manutenção da paz, incluindo formação na Marinha,” disse o Sr. Pinto na Quinta-feira (17/4) depois de assinar o acordo de cooperação entre o Departamento de Defesa de Timor-Leste e a Austrália.

Missão da ONU apela a um compromisso renovado com a paz em Timor-Leste – Relief Web (Geneva, Suiça), Abril 17

A missão da ONU em Timor-Leste aplaudiu hoje o regresso do Presidente José Ramos-Horta e pediu um compromisso reforçado e alargado à comunidade para alcançar paz duradoura.

O responsável da missão da ONU em Timor, Representante Especial Atul Khare, saudou o Presidente Ramos-Horta no aeroporto de Dili. O Sr. Khare congratulou-o no seu regresso e saudou a sua determinação para retomar as suas funções de Presidente.

O Presidente Ramos-Horta foi ferido num ataque de tiros em 11 de Fevereiro por soldados amotinados. Ele passou os dois últimos meses na Austrália em tratamento médico. Durante este tempo foi visitado regularmente pelo Representante Especial Atul Khare, que na Quinta-feira assegurou ao Presidente o apoio continuado da ONU.

Disse o Representante Especial do Secretário-Geral da ONU emTimor-Leste, Atul Khare:

"Espero continuar o trabalho da ONU com o Presidente na promoção da governação democrática, reforço do primado da lei, apoio da revisão e reforma do sector da segurança, e mais desenvolvimento socio-económico.

O regresso do Presidente Horta é uma oportunidade para a sociedade Timorense se aproximar com determinação renovada para o futuro de Timor-Leste. A paz sustentada depende do compromisso de todos incluindo políticos, sector da segurança e cidadãos de Timor-Leste."

Para mais informação por favor ligue Allison Cooper no +670 7230453 ou Lito Gama no +670 7311839

Antigo líder da milícia Eurico encontra-se com PM de Timor-Leste – Xinhua, Abril 17

O antigo líder da milícia pró-Indonésia Eurico Guterres disse na Quinta-feira que se vai encontrar com o Primeiro-Ministro de Timor-Leste Xanana Gusmão para empurrar a reconciliação entre os dois países.

A conversa reconciliadora está marcada para 28 de Abril em Dili.

Eurico, fresco da libertação de acusações de violações de direitos humanos no passado em Timor-Leste, disse que os esforços de reconciliação devem avançar sob a Comissão da Verdadc e Amizade, O jornal Jakarta Post noticiou isto no seu website.

A comissão foi montada pelos dois países para encontrar a verdade que rodeou a violência antes e depois do referendo para a independência na então província Indonésia em 1999.

A comissão atrasou a entrega do seu relatório final a ambos os presidentes da Indonésia e Timor-Leste, pendente da recuperação total do Presidente de Timor-Leste José Ramos-Horta, que foi baleado numa tentativa de golpe em Janeiro.

Horta pode autorizar o regresso dos 'peticionários' às forças armadas – ABC News, Abril 18

Timor-Leste está a considerar medidas para resolver a disputa de há muito tempo com os soldados amotinados que despoletaram a violência em 2006.
O Presidente José Ramos-Horta tem andado em demoradas conversas com os oficiais decepcionados que desertaram das forças armadas há dois anos atrás, incluindo os amotinados acusados do atentado contra a sua vida em Fevereiro.

Perto de 600 soldados sairam dos seus quartéis em protesto contra discriminação percepcionada nas forças de defesa em 2006, desencadeando desassossego civil.

O Dr Ramos-Horta diz que pode haver uma solução de compromisso para permitir os chamados "peticionários" de volta às forças armadas.

"Essres peticionários que desejem voltar às forças armadas , podem recandidatar-se, passar por um processo de recruta, serem escrutinados," disse.

"Os que não quiserem voltar, receberão o equivalente a três anos de salário."


Em Timor-Leste, ONU reforça a segurança antes do regresso do Presidente – Serviço de Notícias da ONU, Abril 16

A segurança foi reforçada em Timor-Leste antes do regresso do Presidente José Ramos-Horta na Quinta-feira, cerca de dois meses depois de ter ficado ferido numa tentativa de assassínio, disse hoje um oficial de topo da polícia da ONU .

Antes do regresso do Presidente, a missão integrada da ONU em Timor-Leste (UNMIT) revelou hoje arranjos da segurança reforçada para a chegada do Presidente e depois, incluindo postos de controlo perto da sua casa e protecção próxima por polícia da UNU e Timorense.

O Sr. Ramos-Horta esteve em tratamento médico em Darwin, Austrália, depois de ter sido baleado na sua casa na capital Timorense, Dili, por soldados amotinados em 11 Fevereiro. O Primeiro-Ministro Xanana Gusmão esteve debaixo de fogo num ataque separado à sua caravana mas saiu ileso.

Os ataques estão entre vários desafios de segurança que a jovem nação – que a ONU ajudou a conduzir à liberdade em 2002 – experimentou no seu curto período de independência.

Hoje falando a repórteres em Dili, o Vice-Comissário da Polícia da UNMIT Juan-Carlos Arevalo que uma das mais importantes lições dos ataquesé que a Polícia da ONU (UNPOL) deve ser reinstalada nos arranjos de segurança do Presidente.

Por isso, a Missão deu membros da Da Unidade Formada da Polícia Portuguesa (FPU) para terem a responsabilidade directa da protecção próxima. ‘Esta equipa está muito bem equipada, muito bem treinada e têm muita experiência,’ disse o Sr. Arevalo.

‘Outra lição importante é que precisamos de reforçar as nossas ligações e a nossa coordenação entre todas as instituições relacionadas com a segurança,’ acrescentou. ‘Precisamos de aumentar os canais de comunicação, precisamos de coordenar ainda mais… na busca de segurança e estabilidade para Timor-Leste.’

Horta recebido em casa - The Australian, Abril 18

Foi uma loucura de tipo diferente que tantas vezes ataca as ruas de Dili. Desta vez era uma explosão de afeição e a comemoração de sobrevivência.

Nove semanas depois de ter sido baleado a sangue frio, o Presidente José Ramos Horta desafiou ontem os seus mais profundos medos e guiou devagar no meio de milhares de Timorenses que ladeavam as ruas poeirentas para o receber de volta.

O Sr Ramos Horta saíu de um avião alugado às 8am e parecia tenso quando avançou na carpete vermelha.

Individualidades aplaudiram e guardas armados fizeram continência. Fazia impressão ver os seus colegas abraçá-lo e bater-lhe nas costas, exactamente onde apanhou duas balas.

O Presidente começou a relaxar quando se movia entre dançarinos e velhos amigos. Mas como ele sabe, velhos amigos podem ser perigosos em Timor.

Foi directamente para uma conferência de imprensa, onde o Sr Ramos Horta disse que daria "breves palavras.” Mas o antigo diplomata não sabe ser breve. Falou muito tempo em Tétum e Português. Estranhamente, foi quando falava em Inglês que se comoveu e chorou.

"Desculpem, Sou emotivo. Mesmo apesar de ter sido baleado e quase morto, não quero que o Sr Salsinha ou mais alguém morra," disse o Presidente, referindo-se ao líder amotinado que continua ao largo.

O Sr Ramos Horta disse como acreditava que tinha construido uma relação calorosa com os amotinados, dando-lhes dinheiro da sua algibeira e subindo e descendo montanhas para ganhar a confiança deles e resolver a questão.

Depois endureceu e mandou uma mensagem a Salsinha, que disse que se renderá apenas ao Sr Ramos Horta. O Presidente disse que não quer Salsinha.

"Prefiro que ele vá à sua igreja em Gleno (no oeste) mas não a mim," disse. "Tem de se render à justiça."

O Sr Ramos Horta disse acreditar que indivíduos na Indonésia tinham urgido o Major Alfredo Reinado, que foi morto pelos guardas do Presidente durante o ataque onde o Sr Ramos Horta foi baleado, a agir contra ele.

Insistiu que o Governo Indonésio não teve parte nos eventos.

Depois o Presidente deixou o complexo do aeroporto cercado pelos homens duros de Timor-Leste, a GNR, ou polícia anti-motim Portuguesa, que correram ao lado do seu veículo.

O Sr Ramos Horta fez um discurso não escrito no parlamento, dizendo aos deputados que o trabalho mais importante nos próximos meses é o relacionado com os "pés-descalços e analfabetos" que estão impacientes e esfomeados.

Avisou da próxima crise com o aumento do preço do arroz.

Depois do discurso, o Presidente interino Fernando de Araújo entregou oficialmente a presidência de volta ao Sr Ramos Horta. O Presidente saíu do parlamento e dirigiu-se para fora da cidade para a sua casa em Metiaut, numa nova estrada de betume que os trabalhadores construiram trabalhando 24 horas por dia para acabar no seu regresso.

O Sr Ramos Horta, que admitiu estar profundamente traumatizado por ter sido baleado, disse ao The Australian que teria a certeza quando tinha recuperado emocionalmente apenas quando visse o sítio onde foi baleado.

Mas o Presidente estava demasiadamente distraído para considerar tais matérias. Antes de chegar a casa, saiu do carro num monumento numa rotunda onde três aldeias locais tinham combinado fazer danças tradicionais.

Uma manda a marchar de crianças duma escola Católica andaram para cima e para baixo na estrada da sua porta, e o Sr Ramos Horta teve apenas uma breve pausa para considerar o sítio onde caiu.

Depois entrou para dentro para almoçar com a família, e não teve mais programa oficial no dia.

Milhares de T-shirts com a imagem do Sr Ramos Horta e do Papa foram distribuidas para o seu regresso, com as palavras "Bem-vindo Sr Presidente.”

Bem vindo a casa, Sr Presidente.

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.