domingo, abril 20, 2008

UNMIT Daily Media Review - 17 April 2008

(Extracts from national media and international news reports - UNMIT does not vouch for the accuracy of these reports.)

Salsinha asks for the Operation to stop - Lasama: criminals lose the right to instruct the State – Televisão Timor-Leste

Salsinha is asking the State to stop the Apprehension Operation which has been hunting for him and his men, and to allow all of the petitioners to rejoin the military. Interim President Fernando Lasama, however, said that a criminal is not entitled to give instructions to the State.

“A criminal has no right expect the State to follow their requests. The Operation will continue to pursue Salsinha to bring him to justice,” said Acting President Lasama on Wednesday (16/4) at Palacio das Cinzas in Caicoli, Dili.

Fretilin: Prosecutor-General should report to NP – Suara Timor Lorosa’e
Fretilin asks the Prosecutor–General to appear before the National Parliament to give a report on the process of facilitating and negotiation with rebels conducted by the Public Ministry.

“The National Parliament as the representative of people asks the Prosecutor-General to provide accurate information about the process of negotiation between the Prosecutor General and the rebels over the past two years in order to avoid negative perceptions among the Timorese communities,” said Fretilin MP Francisco Miranda Branco on Wednesday (16/4) in the National Parliament, Dili.

Mr. Branco also said the clarification of his actions already presented by the Prosecutor-General was not complete.

Separately, Democratic Party MP Vital dos Santos said that the Prosecutor-General is not able to provide detailed information to the MPs because of a judicial requirement for confidentiality.

Meanwhile, CNRT MP Eduardo Barreto said the Prosecutor-General has already clarified his competence, and all information will be presented to the court.


Indonesian Supreme Court: has no power to judge 1999 actors – Suara Timor Lorosa’e

The National Alliance for the International Tribunal (ANTI) said the Supreme Court of Indonesia has no authority to judge the actors involved in political genocide of 1999 in Timor-Leste.

Based on the investigation from the high level commission the human rights, the cases that took place in Timor-Leste are human rights violations. The perpetrators should be judged by a court operating on international standards as recommended by the Indonesian human rights report.

A report prepared by United Nations experts said that the Indonesian Ad-Hoc Tribunal is not of an international standard. The experts gave Indonesia six months to correct its procedures, followed by a trial in an international tribunal.

“We ask the UN to not its hands of the serious crimes that took place in Timor-Leste. Security Council resolution 1272 guarantees that there will be no impunity for the crimes against humanity in Timor-Leste,” said ANTI’s press release.

Horta returns: PM Xanana allows public servants to welcome him – Suara Timor Lorosa’e

PM Xanana Gusmão has given permission to all the public servants to welcome the President who has been recovering from medical surgery for the past two and a half months. Public servants have been granted time off to attend the President’s arrival from 8:00 to 10:30 AM. They are expected to return to their offices to continue their work as usual.

Minister of State Arcanjo Leite appealed all Timorese, especially in Dili, to come out to welcome President Horta on his return. “We would like to appeal all the community to show their solidarity with the President on his return,” said Minister Leite.

Arévalo: investigation into February 11 incidents not formalized yet – Diario Nacional

Deputy Police Commissioner of UNPol Juan Carlos Arévalo said that an International Commission of Inquiry (ICI) proposed by many people to investigate the incidents of 11 February has not yet been officially requested.

“We are aware of various requests from Timorese people to establish an ICI for the February 11 incidents. However, the request has not been formalized,” he said.

PM Xanana: some sovereignty organs utilize media – Diario Nacional

Prime Minister Xanana Gusmão said that some sovereignty organs are recently utilizing media to make comments that are critical of the way that the Joint Operation is working and of the Government itself.

In his presentation of the State of Siege report to the National Parliament, PM Xanana said that the negative comments of certain MPs might jeopardize the activities of the Joint Operation Command.

According to PM Xanana, the objective of the Joint Operation Command is to intimidate and lower the morale of the enemy, isolate the rebels from logistic assistance, chase and gather the rebels and the petitioners who want to submit themselves to justice, and prevent the rebels from spreading out the areas where they are hiding.

PDHJ: Government should assist Salsinha’s family – Diario Nacional

The Provedor of the Human Rights and Justice (PDHJ), after monitoring in Ermera District, is recommending that the Ministry of Social and Solidarity give assistance to Salsinha’s family.

The PDHJ monitoring team recommended to the National Parliament that “the Ministry of Social and Solidarity provide social assistance to Ms. Joaquina [Salsinha’s wife] and her 4 children who are now under psychological pressure.”

Most people happy to welcome the President – Timor Post

Most people were happy to welcome the return of President Ramos-Horta to his homeland and see it as a victory for the people of Timor- Leste. Most people thank God that their President has survived his wounds after he was attacked by the rebels on February 11 at his residence.

Abril Soares de Jesus, a student, said he was very happy to welcome the President’s return to Timor Leste. “He has just recovered, and we have been expecting him to come to solve our problems,” said de Jesus.

Another young person, Eugenio, said that he was also very happy to welcome President Ramos-Horta. “I am very happy to welcome the President because he has recovered and returns to Timor-Leste. Many thanks to God as He has helped the President,” Eugenio said.

Generally, most Timorese people are happy to welcome the President, as they believe that only the President will be able to solve the problems facing the Timorese people.

Rebels leader Gastão Salsinha sends a letter to the State – Timor Post

Salsinha sent a letter to the State on Friday (11/04). In the letter Salsinha stated that he wanted to collaborate with justice and demanded the State to stop its military operation, ‘State of Siege’ and ‘State of Emergency’ as well as permit all of the petitioners to rejoin the East-Timor Defense Forces or F-FDTL. The letter was directed to all organs of sovereignty and the American Ambassador.

In another development, Acting President Fernando de Araujo Lasama said Salsinha’s demand was not relevant because he only wanted to make demands of the State but not want to obey the State’s orders.

“I think Salsinha’s demand is not relevant because if Salsinha himself would act responsibly, as a spokesperson of the Petitioners he would come down to Dili where the all petitioners are now concentrated now in order to solve their problems,” said the Acting President Fernando de Araujo Lasama.

Furthermore, Acting President Fernando de Araujo Lasama added that Salsinha and his men should surrender first then the State will stop the military operation following by the ‘State of Siege’ and ‘State of Emergency’.

300 hundred families of IDPs registered to return home – Timor Post

Minister of Solidarity Social, Maria Domingas Alves said that since March approximately 300 families have registered to return home.

“This week or next week, IDPs families from the National Hospital and Seminário Minor camps will return to their homes,” she said.

Meanwhile, Minister Alves said that food assistance to the IDP families has been reduced because WFP is no longer providing food to the Ministry. “We all know rice prices around the world are now more expensive, and we no longer have a donor providing rice to WFP,” she explained.

The Shooting of Horta – Dateline, 16 April

This week Video Journalist Mark Davis travels to East Timor and reports on the aftermath of the near fatal shooting of President Jose Ramos Horta.

President Horta was shot earlier this year, after rebel leader Alfredo Reinado and his followers paid an unexpected visit to the President’s family home.

Have Your Say: Will tensions in East Timor be resolved by the arrest of those behind the shooting of Ramos Horta?

Davis speaks exclusively to Reinado's troops who were with him at the shooting.

Gastão Salsinha, once deputy to Reinado and now rebel leader, told Davis that, contrary to reports, the alleged attacks were not assassination attempts.

Reinado's men tell Davis they were angry at the news that negotiations for a potential peace deal had fallen through and had come down from their hideout to speak with Horta face to face.

In her first interview since the shooting, the rebel leader's girlfriend, Angelita Pires, accused of instigating the attack, tells Davis that she had nothing to do with the shooting, and that she now fears for her life.

She flatly denies allegations she convinced a drunken Reinado to go to the Presidential house.

TRANSCRIPT

East Timor, tomorrow, that deeply troubled nation will welcome home its President, Jose Ramos-Horta, who has been hospitalized in Darwin after being gunned down near his home three months ago. On that quite extraordinary morning, the Prime Minister Xanana Gusmão was also attacked and rebel leader Alfredo Reinado shot dead. Dateline's Mark Davis - no stranger to the twists and turns of East Timorese politics - has been in the tiny island nation, piecing together events that led to the attack, including exclusive interviews with the woman accused by Ramos-Horta of influencing the assault, plus Reinado's deputy, who is still hiding in the hills behind the capital, Dili.

REPORTER: Mark Davis

For the past two years this village, sitting at the very top of East Timor, has been a rebel stronghold. Today the East Timorese police and army are back in force on a mission to hunt down the would-be assassins of the nation's President and Prime Minister.

SOLDIER (Translation): We are here at Lete-Foho. He’s north of here.

In an extended game of cat and mouse the soldiers are circling the remnants of the rebel army of Alfredo Reinado and his Lieutenant Gastão Salsinha.

SOLDIER (Translation): The information we have is that these guys are there, but when we went, they were not there. Dare has just contacted me, move in fast.

This is good country to hide out in. But what is also hidden with the rebels in these mountains is the real story of what happened in Dili in the attack on President Ramos-Horta and Prime Minister Xanana Gusmão. Two months have past and there is still little more than a swirl of rumors about what happened that day.

Monday morning, February 11, and Dili awake to a chaotic scene. President Ramos-Horta shot and struggling for his life. Prime Minister Xanana Gusmão showered with gunfire but managing to escape. And Alfredo Reinado, a folk hero to many, shot dead. Buried with him was the mystery of what his plan was in coming to Dili - an assassination, a kidnapping, a coup. All of them possible for a man who dominated events in East Timor for the past two tumultuous years.

Since 2006 Alfredo Reinado ruled the mountains in the west of East Timor like a personal fiefdom – as he showed in his own DVD that he released late last year, complete with his favorite classical backing. Together with Salsinha, Alfredo ran an army of aggrieved soldiers from the west of East Timor, known as the petitioners. Hundreds of soldiers that had been dismissed when they alleged they were being discriminated by an eastern faction in the armed forces. From his mountain-top lair Alfredo would hurl abuse at the government below and issue threats about the coming year.

ALFREDO REINADO, REBEL LEADER: There is no guarantee. So you see who is guarantee that, this is after the New Year that things will fine. It is nothing. I can tell you that going even worst. And I say all those foreign investors; don't waste your time to invest in the time because nothing is guaranteed there.

Clearly Alfredo Reinado had grand visions of his power and considerable support to fund his army - support, encouragement and funding widely believed to be coming from East Timorese politicians and businesspeople, amongst others.

ALFREDO REINADO: Oh, why they know whoever is supporting us, why they didn't go out and get them, why they just talk? Talk and talk, no reality. It's only talk. Stand there and get some. You will see what will come or what will happen.

Plenty of supporters, apparently, but according to senior figures in East Timor, the main supporter, the real mastermind of his attack on February 11 is a surprising individual - an Australian Timorese woman living in a suburb in Dili. Angelita Pires reads almost daily accounts of accusations against her by Ramos-Horta, the state prosecutor and multiple unnamed sources implying she was the key player in a bloody plot. A femme fatale leading poor Reinado astray, a lady Macbeth ready to seize power with murder and mayhem.

ANGELITA PIRES: I am innocent I know this, so the people are still out there. The real perpetrators or whoever, what ever instigated this is still out there. And justice won't be made.

Angelita worked on Alfredo's legal matters before becoming his lover late last year, around the same time this video was shot.

ANGELITA PIRES: I suppose when you are close to somebody there are always accusations, but as I said I was close, I am not denying our relationship and that we wanted a future together I’m not denying that we wanted to spend the rest of our lives together. I guess, because we were close - people always make stories and in the end, as I said, I don't want to be a scapegoat, I don't want to be made a scapegoat simply because they can’t or is too difficult to find solutions and get to the real facts.

Angelita is not under house arrest but is afraid to appear in public, branded as she is of plotting to murder the most revered person in the country. The guys who've been waving all the guns have all been given their presumption of innocence. Since the Horta shooting, hundreds of Reinado's men have surrendered and are being housed under light security in Dili.

SPEAKER (Translation): You have to tell the truth about what you have done. What you have done... and tell the truth.

Most of these men have already been released after filling in a 2-page confessional questionnaire. Others directly involved in the attack on Horta and Xanana have been granted tea and biscuits with the Prime Minister, an honorable handover of weapons and a 'sorry' go a long way with the PM

REPORTER: Who is responsible for Alfredo, now at the moment all we hear about is his girlfriend, Angelita Pires, why is she the only focus, while clearly so many people were behind this man?

XANANA GUSMÃO, PRIME MINISTER: I cannot say, I am chief-executive, not the judicial.
Prosecutor Longuinhos Monteiro is maintaining a professional and stony silence on Reinado's many associates and accomplices, with one exception.

LONGUINHOS MONTERIO, PROSECUTOR: It is not proper to talk in advance.

REPORTER: But you have accused her of giving drugs to him, you have accused her of giving money to him.

LONGUINHOS MONTERIO: Not all the information we get is based on information from the witnesses on the ground. The witnesses are the ones together with them, so whoever that wanted to challenge this information, let them challenge it in the court.

REPORTER: Why do you think the attention has been on you?

ANGELITA PIRES: Maybe they are trying to - I don't know, maybe they are rushing, they are not getting the real facts.

There may be claims Angelita Pires was the mastermind of the plan but it seems no-one has the slightest idea what the plan was. The answer is still hidden in the hills being searched by the East Timorese army. Utilizing informers and rebels who have surrendered, the police and army are moving village to village and house to house, encouraging friends and relatives of the rebels to give them up.

MAJOR NEVIS (Translation): Maybe you’re encouraging them to run. That’s why they go. Who feeds them? Maybe you people from the villages.

Major Nevis is in charge of this mountain campaign and he knows that he has more than just family loyalty to overcome. Salsinha's key claim that people in the west are discriminated against runs deep here.

MAJOR NEVIS (Translation): They say we are discriminating, that the people from the west can only be foot soldiers and the people from the east are officers. So we ask them is Lieutenant – Colonel Meno from the east or from the west? They can't answer. How about Lieutenant – Colonel Coliati?

Salsinha won't be given up easily. And with a tightening military cordon it is now virtually impossible for anyone to reach him.

REPORTER: You now know a lot about these guys, what you think the intention was when they went to Dili, on February 11th?

MAJOR NEVIS (Translation): I can’t respond, the only people who can answer are Salsinha and Alfredo as to why they went to Dili on February 11.

REPORTER: We would like to ask Salsinha, we want to ask Salsinha, we just can't find him.

Our first attempts to find Salsinha fail but Salsinha finds us and sends this video.

SALSINHA (Translation): We won’t give up.

This is the first account of what happened in Dili on Feb 11.

SALSINHA (Translation): There are many accusations about us, about Major Alfredo’s death and the President being wounded and also the attack on the Prime Minister. They all say that we were planning a coup. But they are lying. Whoever says that is trying to sully our reputation.

The rebels split into two when they came to Dili - Alfredo entering the President's house and Salsinha leading the group that shot at Prime Minister Xanana Gusmão.

SALSINHA (Translation): I was there but had no intention to launch a coup or harm the Prime Minister. If we’d planned to harm the Prime Minister, he would not have made it to Dili.

Salsinha emphatically claims that the mission wasn't an attempted coup, assassination or kidnapping, but what was it? Travelling with Timorese journalist Jose Belo, we can't get into the bush unobserved, but we manage to arrange a phone contact with one of the rebels involved in the attack on the Horta house. His code name is Teboko and his account is a remarkable one – he believed Alfredo had an appointment with the President.

TEBOKO: We had an order from Alfredo not to attack the residence of the President. It’s clear. You can imagine that if we were going to attack him... we could have shot him in Maubisse or Suai when we met him. We did not think of this. It was not in our minds. We had an appointment with the President from Major Alfredo and we were going with two vehicles and we arrived without any weapon discharge. As we know on the FDTL part, they shoot at us first. They killed Major Alfredo and a member Leopoldino.

Teboko acknowledges that he and his men disarmed the guards at Horta's gate but believes they may not have known about the meeting.

TEBOKO: OK, no trouble. We're just here to see the president.

According to Teboko, about 10 minutes after entering the compound with no gun fire and none threatened, Alfredo Reinado was suddenly shot dead. Meeting closed.

REPORTER: Were the other men, the men that are with you now, when you ask them did they also believe it was a meeting or did they believe it was an attack?

TEBOKO: They believed Alfredo was going to a meeting.
Even if the men believed they were attending a meeting with Horta – they'd done that before – what was Alfredo Reinado thinking? In recent months he had certainly been threatening enough and in his most recent DVD particularly hostile to Prime Minister Xanana Gusmão.

ALFREDO REINADO (Translation): I’m telling you Mr Xanana, me Alfredo, I have no fear.

Never, so don't bother to threaten me. If I make an ultimatum, the streets of Dili will be empty. And if he forces me, you will see my ultimatum.

Reinado's DVD has never been broadcast but has been circulated in East Timor. In essence Reinado accuses Xanana of supporting his uprising against the army and the then Fretilin government of Mari Alkatiri.

ALFREDO REINADO (Translation): Now he’s against us, he ordered us to make things turn out as they have. He is the one who supported the petitioners.

XANANA GUSMÃO: We told him - - if you have something about justice, go to the trial and you tell there. By attacking the President means that he had nothing to say. That is the conclusion that you can have.

In 2006 when Salsinha and the Reinado led their troops out of their bases, claiming discrimination, the national divide between east and west soon escalated. Rival gangs spiralled out of control, leaving dozens dead, thousands of houses destroyed and tens of thousands uprooted as refugees. The ensuing chaos helped bring down the government of Mari Alkatiri in the middle of his term.

MARI ALKATIRI, FORMER PRIME MINISTER: It was used politically. It could have been handed over very easily if it was not used politically. It was used politically by Xanana and others and now as you can see, it got out of control.

XANANA GUSMÃO: I don't respond, I don’t comment.

There was never any crime in Xanana expressing support for the petitioners, certainly initially. The dispute may be best left between Alkatiri and Xanana, but it does afford an insight into Reinado's state of resentment in the months leading up to February.

REPORTER: If Xanana and Horta to some degree, exerted influence at least over Reinado, when did they loose control over him?

MARI ALKATIRI: I think immediately after the elections they start to loose control over him, because he was waiting to be bought back as a hero? Yes.

REPORTER: And why didn’t they do that then?

MARI ALKATIRI: It’s not easy, there are a lot of elements in that you have the commander of the army who does not want them back...

REPORTER: And sections of their own government who don’t want them back and obviously Fretilin, the opposition doesn’t want them back.

To Reinado, others came to enjoy power after the fall of Alkatiri and he was left on a mountain top with outstanding murder charges against him. Another insight into his state of mind is given when we finally make contact with his deputy Salsinha.

SALSINHA (Translation): Yes, he was drunk, stressed and angry with the soldiers. At 9:30, Major Alfredo came to our place. He came drunk and told us to prepare the soldiers to go to Dili. He said "I'm going down to Dili to meet the leaders, the Prime Minister and the President." When the leader speaks, we never question, we just follow.

A drunk stresses and angry Reinado mustering his men in the middle of the night doesn't sound like a pre-planned military assault.

REPORTER: What was the order?

SALSINHA (Translation): The order was not clear. He only said that we should go to the Prime Minister's house.

Salsinha claims that all he knew was that he was await further instructions while Reinado met with Horta. He was still waiting when news came that Reinado was shot.

REPORTER: I find that hard to believe sir, if you have been sent to Xanana’s house or on the road, I find it hard to believe that you didn’t have an order to do something. You weren't going to have a cup of tea?

SALSINHA (Translation): He didn't say we were to have a cup of tea together. Maybe it's better to ask his lawyer about the plan. Ask Angelita Pires to explain clearly what happened, because Major Alfredo is dead. Go back and ask Angelita Pires about the plan.

Angelita denies that Reinado ever discussed any such plan with her and certainly not on the night in question. It doesn't make sense, she claims, because he was looking forward to an amnesty.

ANGELITA PIRES: He discussed at a future where he could live in peace, he could live contained, but in peace, yeah.

Salsinha confirms that a confidential amnesty had been offered by President Ramos-Horta in the middle of January.

REPORTER: Sir did Alfredo and yourself believe you were going to get an amnesty after discussions with the President. Were you offered amnesty in May?

SALSINHA (Translation): From the meeting in Maubisse, the President himself talked about an amnesty. Alfredo is dead but the other main witness is the Development Minister, Joao Goncalves.

Minister Joao Goncalves, who knew Reinado from their time together in Australia, attended the meeting with Horta and Reinado where an amnesty was offered.

MINISTER JOAO GONCALVES: In Maubisse the President told in fact that he intended to announce on 20th May an Amnesty that would cover all the crimes and everything that happened from the 2006 crisis.

Thursday 7 February and Horta has a fateful meeting at his home to discuss the amnesty and related issues. The entire political elite of East Timor arrived, walking up the driveway where Alfredo Reinado will lie dead in four days time.

REPORTER: Did Horta advise that he had offered an amnesty to Reinado? And was he very keen for agreement on amnesty to be reached?

MARI ALKATIRI: Yes.

All factions of the coalition government and Mari Alkatiri's Fretilin opposition have been invited as a gesture of national unity, but a consensus can't be reached.

MARI ALKATIRI: Amnesty in this country is not really in the competence of the President.

REPORTER: So it seems that Horta can't deliver on that promise of an amnesty
The meeting is amicable. The amnesty isn't rejected outright but critically, no decision is made.

MARI ALKATIRI: We decided to have another two meetings on 12 and 14 of February.

REPORTER: And on the 11th Reinado attacked.

The meeting concludes that evening and Ramos-Horta gives it the best spin that he can.

RAMOS HORTA: We in the parliament, in the major parties can cooperate in order to resolve some of the pressing issues, like peace...

But he has a problem. He now has to tell Alfredo Reinado that there has been a hiccup in their plan. An emissary will be dispatched over the weekend. On Sunday the 10th, Angelita Pires heads up the mountain to have lunch with Alfredo Reinado. That's where the day started to go wrong, according to Salsinha.

SALSINHA (Translation): He drank with Angelita Pires on Sunday around 2 o'clock. The wine that they had was bought by Angela. Bought by Angela to the major's place. While they were drinking I didn't come near.

He doesn't know what time Angelita leaves, but believes she still could be there when Alfredo flies into his drunken rage at 9:30 that night.

ANGELITA PIRES: No, no no. First, that's not true. Well, I don't know, that's not true with me and my friends. We left at 3:30, 4:00, no drinks were consumed, zero.

REPORTER: So by 4:00 you'd left?

ANGELITA PIRES: Yes, 4:00, yes.

REPORTER: Others would testify to that?

ANGELITA PIRES: I drove back with my friends. I took a lift there and came back with my friends.

I checked with Angelita's friend, who confirms that they had left certainly before dark, so who was with Reinado in the hours before he forms his drunken decision to amble to Dili. Angelita claims that when she left there were other visitors who remained - one of who she recognized. And he works at the President's office. Ramos-Horta's office in Dili houses a group called MUNJ, the Movement for National Unity and Justice. They were acting as go-betweens for Horta and Reinado. Augusto Junior is its director and spokesman.

Since the Horta shooting MUNJ have been particularly coy about their presence in Reinado's camp the night before the attack. It's clear that they were delivering a message from Horta, but it is totally unclear what time they left. And oddly, Salsinha is equally vague when asked the same question.

REPORTER: What time did the people from the Presidents office leave?

SALSINHA (Translation): I have not yet confirmed with them what time they left. What time I haven't yet confirmed.

It seems that no one wants to be placed with Alfredo in the early evening hours of Sunday the 10th. It is clear he would be infuriated to hear of the meeting in Dili, where it would seem that every politician in the country had just betrayed him. Whatever conclusions he reached, what ever advice was given seems to have occurred in the hours just before 9:30 – when he lurches into his soldiers' camp with an urgent need to meet with Ramos-Horta. The answer to at least part of that mystery – those few key hours - may lie inside the walls of the President's Dili office.
WA considers guest workers from East Timor – ABC, 16 April

In an attempt to address labor shortages in the Kimberley region of Western Australia, the state government has outlined plans to use un-skilled workers from East Timor.

Earlier in the year the WA government signed a deal with East Timor to supply workers to major infrastructure projects.

The Minister for Planning and Infrastructure Alannah MacTiernan, says there's been overwhelming support to expand the project to other industries such as horticulture and pearling.

Ms MacTiernan says the Federal Government is yet to support the proposal.

"We've been and we've met with the East Timorese Government and they were really enthusiastic, industry is really enthusiastic and now the last piece of the jigsaw is obviously getting the Federal Government to agree to it," she said.

1 comentário:

Margarida disse...

Tradução:
UNMIT Revista dos Media Diários
UNMIT Revista dos Media Diários - 17 Abril 2008

(Extractos de relatos de medias nacionais e internacionais – A UNMIT não garante a correcção destes relatos.)

Salsinha pede que pare a Operação - Lasama: criminosos perderam o direito de dar instruções ao Estado – Televisão Timor-Leste

Salsinha está a pedir ao Estado para parar a Operação Apreensão que anda a persegui-lo e aos seus homens e para autorizar que todos os peticionários reintegrem as forças militares. O Presidente interino Fernando Lasama, contudo, disse que um criminoso não tem o direito de dar instruções ao Estado.

“Um criminoso não tem o direito de esperar que o Estado siga os seus pedidos. A Operação continuará a perseguir Salsinha para o trazer à justiça,” disse o Presidente interino Lasama na Quarta-feira (16/4) no Palácio das Cinzas em Caicoli, Dili.

Fretilin: Procurador-Geral deve informar o PN – Suara Timor Lorosa’e
A Fretilin pede ao Procurador-Geral para comparecer perante o Parlamento Nacional para dar um relatório do processo de facilitação e de negociação com os amotinados conduzidos pelo Ministério Público.

“O Parlamento Nacional como representante do povo pede ao Procurador-Geral para dar informação rigorosa acerca do processo de negociação entre o Procurador-Geral e os amotinados durante os dois últimos anos de modo a evitar percepções negativas entre as comunidades Timorenses,” disse o deputado da Fretilin Francisco Miranda Branco na Quarta-feira (16/4) no Parlamento Nacional, Dili.

O Sr. Branco disse também que a clarificação das acções já apresentadas pelo Procurador-Geral não estava completa.

Em separado, o deputado do PD Vital dos Santos disse que o Procurador-Geral não é capaz de dar informações detalhadas aos deputados por causa de requerimentos judiciais de confidencialidade.

Entretanto, o deputado do CNRT Eduardo Barreto disse que o Procurador-Geral já clarificou a sua competência, e que todas as informações serão apresentadas em tribunal.


Tribunal Supremo Indonésio: não tem poder para julgar os actores de 1999 – Suara Timor Lorosa’e

A Aliança Nacional para o Tribunal Internacional (ANTI) disse que o Tribunal Supremo da Indonésia não tem autoridade para julgar os actores envolvidos no genocídio politico de 1999 em Timor-Leste.

Baseado na investigação da comissão de alto nível dos direitos humanos, os casos que ocorreram em Timor-Leste são violações de direitos humanos. Os perpetradores devem ser julgados por um tribunal operando em padrões internacionais conforme recomendado pelo relatório dos direitos humanos da Indonésia.

Um relatório preparado por peritos das Nações Unidas disse que o Tribunal Ad-Hoc Indonésio não tem padrões internacionais. Os peritos deram seis meses à Indonésia para corrigir os seus procedimentos, seguido por um julgamento bun tribunal internacional.

“Pedimos à ONU para não lavar as mãos dos crimes graves que ocorreram em Timor-Leste. A resolução 1272 do Conselho de Segurança garante que não haverá impunidade para os crimes contra a humanidade em Timor-Leste,” lê-se num comunicado aos media da ANTI.

Horta regressa: PM Xanana autoriza funcionários públicos a darem-lhe as boas vindas – Suara Timor Lorosa’e

O PM Xanana Gusmão deu autorização aos funcionários públicos para darem as boas vindas ao Presidente que tem estado a recuperar de cirurgias e tratamento médico nos últimos dois meses e meio. Foi dado dispensa de trabalho aos funcionários públicos para estarem na chegada do Presidente das 8:00 até às 10:30 AM. Espera-se que regressm aos postos de trabalho para continuarem o trabalho normal.

O Ministro do Estado Arcanjo Leite apelou aos Timorenses, especialmente em Dili, para sairem para dar as boas vindas ao Presidente Horta no seu regresso. “Apelamos a toda a comunidade para mostrar a sua solidariedade com o Presidente no seu regresso,” disse o Ministro Leite.

Arévalo: investigação aos incidentes de 11 de Fevereiro não formalizada ainda – Diario Nacional

O Vice-Comissário da Polícia da UNPol Juan Carlos Arévalo disse que não foi ainda pedida oficialmente uma Comissão Internacional de Inquérito (CII) proposta por muita gente para investigar os incidentes de 11 Fevereiro.

“Conhecemos os vários pedidos da população Timorense para estabelecer uma CII para os incidentes de 11 de Fevereiro. Contudo, o pedido não foi formalizado,” disse.

PM Xanana: alguns órgãos de soberania usam os media – Diario Nacional

O Primeiro-Ministro Xanana Gusmão disse que alguns órgãos de soberania estão recentemente a utilizar os media para fazer comentários críticos ao modo como a Operação Conjunta e o próprio Governo estão a trabalhar.

Na apresentação do relatório do Estado de Sítio ao Parlamento Nacional, o PM Xanana disse que os comentários negativos de alguns deputados podem pôr em risco as actividades do Comando da Operação Conjunta.

De acordo com o PM Xanana, o objectivo do Comando da Operação Conjunta é intimidar e baixar o moral do inimigo, isolar os amotinados de assistência logística, perseguir e juntar os amotinados e os peticionários que querem render-se à justiça, e prevenir os amotinados de se espalharem nas áreas onde se escondem.

PDHJ: Governo deve assistir a família de Salsinha – Diario Nacional

O Provedor dos Direitos Humanos e Justiça (PDHJ), depois de monitorização no distrito de Ermera, está a recomendar que o Ministério da Solidariedade Social dê assistência à família do Salsinha.

A equipa de monitorização do PDHJ recomendou ao Parlamento Nacional que o Ministério da Solidariedade Social dê assistência social à Srª Joaquina [mulher do Salsinha] e aos 4 filhos que estão sob pressão psicológica agora.”

Maioria das pessoas contentes por darem as boas vindas ao Presidente – Timor Post

A maioria das pessoas estavam contentes no regresso do Presidente Ramos-Horta à pátria e vêem isso como uma vitória para o povo de Timor- Leste. A maioria das pessoas agradece a Deus que o Presidente tenha sobrevivido depois de ser atacado pelos amotinados em 11 de Fevereiro na sua residência.

Abril Soares de Jesus, um estudante disse que estava feliz com o regresso do Presidente a Timor Leste. “Acabou de recuperar e apenas esperamos que venha resolver os nossos problemas,” disse de Jesus.

Um outro jovem, Eugénio, disse que estava também muito feliz ao receber o Presidente Ramos-Horta. “estou muito contente por receber o Presidente porque ele recuperou e regressou a Timor-Leste. Muitos agradecimentos a Deus por ter ajudado o Presidente,” disse Eugénio.

No geral, a maioria dos Timorenses estão felizes por receberem o Presidente, dado que acreditam que apenas o Presidente será capaz de resolver os problemas que os Timorenses enfrentam.

Líder amotinado Gastão Salsinha manda carta ao Estado – Timor Post

Salsinha mandou uma carta ao Estado na Sexta-feira (11/04). Na carta Salsinha afirmou que quer colaborar com a justiça e pediu que o Estado pare a operação militar, ‘Estado de Sítio’ e ‘Estado de Emergência’ bem como que autorize que todos os peticionários reintegrem a Força de Defesa de Timor-Leste ou F-FDTL. A carta foi enviada a todos os órgãos de soberania e ao Embaixador Americano.

Noutro desenvolvimento, o Presidente interino Fernando de Araújo Lasama disse que o pedido de Salsinha não era relevante porque ele apenas quer fazer exigências ao Estado e não quer obedecer às ordens do Estado.

“Penso que o pedido de Salsinha não é relevante porque se o próprio Salsinha actuasse responsavelmente, como porta-voz dos peticionários ele viria para Dili onde estão agora os peticionários concentrados para resolver os problemas deles,” disse o Presidente interino Fernando de Araújo Lasama.

Mais ainda, o Presidente interino Fernando de Araújo Lasama acrescentou que Salsinha e os seus homens se devem render primeiro e depois o Estado parará a operação militar seguida pelo ‘Estado de Sítio’ e ‘Estado de Emergência’.

300 famílias de deslocados registados para regressar a casa – Timor Post

A Ministra da Solidariedade Social, Maria Domingas Alves disse que desde Março se registaram aproximadamente 300 famílias para regressarem a casa.

“Nesta ou na próxima semana famílias de deslocados dos campos do Hospital Nacional e do Seminário Menor regressarão às suas casas,” disse ela.

Entretanto, a Ministra Alves disse que a assistência alimentar às famílias deslocadas foi reduzida porque o WFP deixou de dar alimentos ao Ministério. “Todos sabemos que o preço do arroz em todo o mundo subiu e deixámos de ter um dados a dar arroz ao WFP,” explicou ela.

Os tiros contra Horta – Dateline, 16 Abril

Esta semana o Jornalista de Video Mark Davis viaja para Timor-Leste e relata sobre o que se eguiu aos tiros quase fatais contra o Presidente José Ramos Horta.

O Presidente Horta foi baleado anteriormente este ano , depois do líder amotinado Alfredo Reinado e dos seus seguidores terem feito uma visita inesperada à casa do Presidente.

Dêem a vossa opinião: Serão as tensões em Timor-Leste resolvidas pela prisão dos que estiveram por detrás dos tiros contra Ramos Horta?

Davis fala exclusivamente a tropas do Reinado que estiveram com ele no tiroteio.

Gastão Salsinha, que voi vice do Reinado e é agora o líder dos amotinados, disse a Davis que, ao contrário das notícias, os alegados ataques não foram tentativas de assassínio.

Os homens de Reinado dizem a Davis que ficaram zangados com as notícias de que as negociações para um acordo de paz potencial tinham falhado e que tinham descido do seu esconderijo para falar com Horta face a face.

Na sua primeira entrevista desde o tiroteio, a namorada do líder dos amotinados, Angelita Pires, acusada de ter instigado o ataque, conta a Davis que não teve nada a ver com o tiroteio, e que agora receia pela sua vida.

Ela nega sem mais alegações de ter convencido um Reinado bêbado a ir a casa do Presidente.

TRANSCRIÇÃO

Amanhã, Timor-Leste, essa nação cheia de problemas dará as boas vindas ao Presidente, José Ramos-Horta, que esteve hospitalizado em Darwin depois de ter sido baleado perto da sua casa há três meses atrás. Nessa bastante extraordinária manhã, o Primeiro-Ministro Xanana Gusmão foi também atacado e o líder dos amotinados Alfredo Reinado morto a tiro. Mark Davis da Dateline – não estranhos às voltas e reviravoltas das políticas Timorenses – tem estado na pequena ilha nação, juntando peças que levaram ao ataque, incluindo entrevistas exclusivas com a mulher acusada por Ramos-Hortade influenciar o assalto, mais o vice de Reinado, que está ainda escondido nos montes por detrás da capital, Dili.

REPÒRTER: Mark Davis

Nos últimos dois anos esta aldeia, situada no topo de Timor-Leste, tem sido uma praça forte dos amotinados. Hoje a polícia e militares Timorenses estão de volta em força numa missão de caçar os possíveis assassinos do Presidente e Primeiro-Ministro da nação.

SOLDADO (Tradução): Estamos em Lete-Foho. Ele está a norte daqui.

Num jogo prolongado de gato e rato os soldados estão a rodear o que resta do exército amotinado de Alfredo Reinado e do seu Tenente Gastão Salsinha.

SOLDADO (Tradução): As informações que temos é que esses tipos estão lá, mas quando vamos, já lá não estão. Dare acabou de me contactar, avancem com rapidez.

Este é um bom sítio para se esconderem. Mas o que também está escondido com esses amotinados nestas montanhas é a história real do que aconteceu em Dili no ataque ao Presidente Ramos-Horta e Primeiro-Ministro Xanana Gusmão. Pasaram dois meses e pouco mais há do que um conjunto de rumores sobre o que aconteceu nesse dia.

Em 11 de Fevereiro, Segunda-feira de manhã Dili acordou numa cena caótica. O Presidente Ramos-Horta baleado e a lutar pela vida. O Primeiro-Ministro Xanana Gusmão banhado por tiros mas a conseguir escapar. E Alfredo Reinado, um herói popular para muitos, morto a tiro. Enterrado com ele foi o mistério do que era o seu plano em vir a Dili - um assassínio, um rapto, um golpe. Tudo isto possível a um homem que dominou eventos em Timor-Leste nos últimos dois tumultuosos anos.

Desde 2006 Alfredo Reinado governou nas montanhas de Timor-Leste como um domínio feudal pessoal – como mostrou no seu próprio DVD que ele emitiu no final do ano passado, completo com o seu suporte clássico favorito. Juntamente com Salsinha, Alfredo conduziu um exército de soldados queixosos do oeste de Timor-Leste, conhecidos como os peticionários. Centenas de soldados que tinham sido despedidos quando alegaram que estavam a ser discriminados por uma facção do leste nas forças armadas. Da sua toca no topo das montanhas Alfredo gritaria contra o abuso do governo em baixo e emitia ameaças no próximo ano.

ALFREDO REINADO, LÍDER AMOTINADO: Não há garantias, assim vê quem garante isso, isto é que depois do Ano Novo que as coisas estarão boas. Isso não é nada. Posso dizer-lhe que vão ficar piores. E vejo todos estes investidores estrangeiros; não percam o vosso tempo a investirem nesta altura, porque nada está garantido lá.

Claramente que Alfredo Reinado tinha visões grandiosas acerca do seu poder e apoio considerável para financiar o seu exército – apoio, encorajamento e financiamento amplamente acreditado que vinha de políticos e homens de negócio Timorenses, entre outros.

ALFREDO REINADO: Oh, porque é que sabendo eles quem nos está a apoiar, porque é que não foram apanhá-los, porque é que apenas falam? Falam e falam, nada de realidade. É apenas conversa Levantem-se e apanhem alguns. Vão ver o que virá e o que acontecerá.

Bastantes apoiantes, aparentemente mas de acordo com figuras de topo em Timor-Leste, o principal apoiante, o verdadeiro autor do seu ataque em 11 de Fevereiro é um indivíduo surpreendente – uma mulher Australiana Timorense a viver num subúrbio em Dili. Angelita Pires lê quase diariamente relatos de acusações contra ela por Ramos-Horta, o procurador do Estado e múltiplas fontes anónimas que implicam que ele foi a jogadora chave num golpe sangrento. Uma mulher fatal que perturbou o pobre Reinado, uma lady Macbeth pronta a tomar o poder com homicídios e confusão.

ANGELITA PIRES: Sei que estou inocente, assim as pessoas estão ainda por aí. Os perpetradores reais, ou seja quem for, seja quem for que instigou isso estão ainda por aí. E não se fará justiça.

Angelita trabalhou nas matérias legais de Alfredo antes de se tornar amante dele no final do ano passado, por volta da mesma altura em que este video foi filmado.

ANGELITA PIRES: Suponho que quando se está tão próximo de alguém há sempre acusações, mas como disse, estava próxima, Não nego a nossa relação e que queríamos ter um futuro juntos. Não nego que queríamos passar juntos o resto das nossas vidas. Calculo que por estarmos próximos – que as pessoas inventam sempre histórias e no fim, como disse não quero ser um bode expiatório simplesmente porque não conseguem ou é demasiadamente difícil descobrir soluções e chegar aos factos reais.

Angelita está agora sob prisão domiciliária mas tem medo de aparecer em público, rotulada como foi de cnspirar para assassinar a pessoa mais respeitada no país. Os tipos que têm andado a agitar todas as armas receberam a presunção de inocência. Desde os tiros contra Horta, centenas de homens de Reinado renderam-se e estão hospedados sob segurança leve em Dili.

ORADOR (Tradução): Tem de dizer a verdade sobre o que fez. Sobre o que fez... e dizer a verdade.

A maioria destes homens já foram libertados depois de preencherem uma questionário de confissão de duas páginas. Outros directamente envolvidos no ataque contra Horta e Xanana foi-lhes oferecido chá e bolos com o Primeiro-Ministro, uma entrega de armas honrosa e um 'desculpe' com o PM

REPÓRTER: Quem é responsável por Alfredo, agora no momento em que todos ouvimos falar da sua namorada, Angelita Pires, porque é que é ela o único foco, ao mesmo tempo que claramente esteve tanta gente por detrás deste homem?

XANANA GUSMÃO, PRIMEIRO-MINISTRO: Não posso dizer, sou chefe do executivo, não do judicial.
O Procurador Longuinhos Monteiro está a manter um silêncio profissional e de pedra sobre os muitos associados e cúmplices de Reinado com uma excepção.

LONGUINHOS MONTERIO, PROCURADOR: Não é adequado falar antes.

REPÓRTER: Mas acusou-a de lhe dar drogas, acusou-a de lhe dar dinheiro.

LONGUINHOS MONTERIO: Nem toda a informação foi recolhida de informações de testemunhas no terreno. As testemunhas são as que estão juntas com elas, assim seja quem for que queira desafiar esta informação, deixem-no desafiar no tribunal.

REPÓRTER: Porque é que pensa que a atenção se tem focado em si?

ANGELITA PIRES: Talvez estejam a tentar – não sei, talvez se estejam a apressar, eles não estão a obter os factos reais.

Pode haver afirmações que Angelita Pires foi a autora do plano mas parece que ninguém tem a mínima ideia do que era o plano. A resposta está ainda escondida nos montes que estão a ser escrutinizados pelo exército Timorense. Utilizando informadores e amotinados que se renderam, a polícia e os militares estão-se a mover de aldeia para aldeia e de casa a casa, encorajando familiares e amigos dos amotinados para os entregarem.

MAJOR NEVIS (Tradução): Talvez estejam a encorajá-los a fugir. É por isso que eles vão. Quem é que os alimenta? Talvez vocês gente das aldeias.

O Major Nevis tem a responsabilidade da campanha da montanha e sabe que tem mais do que lealdade familiar a ultrapassar. A afirmação chave de Salsinha de que as pessoas do oeste são discriminadas cai fundo aqui.

MAJOR NEVIS (Tradução): Dizem que são discriminados, que as pessoas do oeste apenas podem ser pobres soldados e que as pessoas do leste são os oficiais. Por isso perguntamos a eles se o Tenentet – ou o Coronel Meno é do leste ou do oeste? Não conseguem responder. E que tal o Tenente – Coronel Coliati?

Salsinha não desistirá com facilidade. E com um cordão militar a apertar é agora virtualmente impossível a alguém alcançá-lo.

REPÓRTER: Sabe muitas coisas destes tipos, qual pensa que era a intenção quando foram a Dili, em 11 de Fevereiro?

MAJOR NEVIS (Tradução): Não posso responder, as únicas pessoas que podem responder são Salsinha e Alfredo sobre porque é que foram a Dili em 11 de Fevereiro.

REPÓRTER: Gostaríamos de perguntar a Salsinha, queremos perguntar a Salsinha, apenas não o conseguimos encontrar.

As nossas primeiras tentativas de encontrar Salsinha falharam mas Salsinha encontrou-nos e mandou este video.

SALSINHA (Tradução): Não desistiremos.

Este é o primeiro relato do que ocorreu em Dili em 11 de Fevereiro.

SALSINHA (Tradução): Há muitas acusações sobre nós, sobre a morte do Major Alfredo e do Presidente ter sido ferido e também do ataque ao Primeiro-Ministro. Dizem todos que estávamos a planear um golpe. Mas estão a mentir. Seja quem for que diz isto está a tentar sujar a nossa reputação.

Os amotinados dividiram-se em dois quando chegaram a Dili - Alfredo entrando em casa do Presidente e Salsinha liderando o grupo que disparou contra o Primeiro-Ministro Xanana Gusmão.

SALSINHA (Tradução): Eu estava lá mas não tinha nenhuma intenção de lançar um golpe ou de magoar o Primeiro-Ministro. Se tivéssemos planeado magoar o Primeiro-Ministro, ele não teria chegado a Dili.

Salsinha afirma enfáticamente que a missão não era uma tentativa de golpe, assassínio ou rapto, mas o que é que era? Viajando com o jornalista Timorense José Belo, não conseguimos entrar no mato sem sermos detectados, mas conseguimos arranjar um contacto telefónico com um dos amotinados envolvidos no ataque contra a casa do Horta. O seu nome de código é Teboko e é notável o seu relato – ele acreditava que Alfredo tinha um encontro marcado com o Presidente.

TEBOKO: Tínhamnos uma ordem de Alfredo para não atacar a residência do Presidente. È claro. Pode imaginar que se íamos atacá-lo... podíamos tê-lo baleado em Maubisse ou Suai quando nos encontrámos com ele. Não pensámos nisto. Isso não estava nas nossas mentes. Tínhamos a marcação dum encontro com o Presidente do Major Alfredo e íamos com dois veículos e chegámos sem disparar nenhum tiro. Como sabemos da parte das FDTL, foram eles os primeiros a disparar contra nós. Eles mataram o Major Alfredo e um membro Leopoldino.

Teboko reconhece que ele e os seus homens desarmaram os guardas no portão de Horta mas acredita que eles podiam não saber do encontro.

TEBOKO: OK, nenhum problema . Estamos aqui apenas para ver o presidente.

De acordo com Teboko, cerca de 10 minutos depois de entrarem no complexo sem nenhum tiro e sem nenhuma ameaça, Alfredo Reinado foi de repente morto a tiro. Encontro encerrado.

REPÓRTER: Os outros homens, os homens que estão consigo agora, quando lhes perguntou acreditavam também que era um encontro ou acreditavam que isso era um ataque?

TEBOKO: Acreditavam que Alfredo estava a ir para um encontro.
Mesmo se os homens acreditavam que iam para um encontro com Horta – isso tinha acontecido antes – o que é que estava Alfredo Reinado a pensar? Nos meses recentes ele tinha ameaçado suficientemente e no seu mais recente DVD era particularmente hostil contra o Primeiro-Ministro Xanana Gusmão.

ALFREDO REINADO (Tradução): Estou-lhe a dizer Sr Xanana, eu Alfredo, não tenho medo.

Nunca, por isso não se rale em ameaçar-me. Se eu faço um ultimato, as ruas de Dili ficarão vazias. E se ele me forçar verão o meu ultimato.

O DVD de Reinado nunca foi emitido mas tinha andado a circular em Timor-Leste. Em essência Reinado acusou Xanana de apoiar o seu levantamento contra as forças armadas e contra o governo então da Fretilin de Mari Alkatiri.

ALFREDO REINADO (Tradução): Agora ele está contra nós, ele ordenou-nos de fazer as coisas como fizémos. Foi ele quem apoiou os peticionários.

XANANA GUSMÃO: Dissemos-lhe - - se têm algo acerca da justiça, vão para o tribunal e contem lá. Ao atacarem o Presidente significa que não tinha nada para dizer. É essa a conclusão que podemos ter.

Em 2006 quando Salsinha e Reinado lideraram as tropas para fora das bases, queixando-se de discriminação, muito brevemente escalou a divisão entre leste e oeste. Gangues rivais sairam fora do controle, deixando dúzias mortos, milhares de casas destruídas e dezenas de milhares desenraizados como deslocados. O caos que se seguiu ajudou a derrubar o governo de Mari Alkatiri a meio do seu mandato.

MARI ALKATIRI, ANTIGO PRIMEIRO-MINISTRO: Isso foi usado politicamente. Isso podia ter sido resolvido com muita facilidade se não fosse usado politicamente. Isso foi usado politicamente por Xanana e outros como podem ver agora, e saiu fora do controle.

XANANA GUSMÃO: Não respondo, não comento.

Nunca houve nenhum crime na expressão de apoio de Xanana aos peticionários, certamente no início. A dispute pode ser melhor deixada entre Alkatiri e Xanana, mas merece um olhar o estado de ressentimento de Reinado nos meses que levaram a Fevereiro.

REPÓRTER: Se Xanana e Horta em certo grau, exerceram influência pelo menos sobre Reinado, quando é que perderam o controle sobre ele?

MARI ALKATIRI: Penso que imediatamente depois das eleições eles começaram a perder o controle sobre ele, porque ele estava à espera de ser trazido de volta como um herói? Sim.

REPÓRTER: E porque é que não fizeram isso então?

MARI ALKATIRI: Não é fácil, há muitos elementos, há o comandante das forças armadas que não os quer de volta...

REPÓRTER: E secções do próprio governo deles que não os querem de volta e obviamente a Fretilin, a oposição não os quer de volta.

Para Reinado, outros vieram gozar o poder depois da queda de Alkatiri e ele foi deixado no topo duma montanha com graves acusações de homicídio contra ele. Ficamos com outro olhar ao seu estado mental Aquando finalmente fazemos contacto com o seu vice Salsinha.

SALSINHA (Tradução): Sim, ele estava bêbado, estressado e zangado com os soldados. Às 9:30, o Major Alfredo veio ao nosso sítio. Ele estava bêbado e disse-nos para prepararmos os soldados para irem a Dili.Ele disse "Vou descer a Dili para encontrar os líderes, o Prime Ministro e o Presidente." Quando o líder fala, nunca o questionamos, apenas o seguimos.

Um bêbado, estressado e zangado Reinado juntando os seus homens a meio da noite não soa como um assalto militar pré-planeado.

REPÒRTER: Qual era a ordem?

SALSINHA (Tradução): A ordem não foi clara. Ele disse apenas que devíamos ir a casa do Primeiro-Ministro.

Salsinha afirma que tudo o que sabia é que devia esperar mais instruções enquanto Reinado se encontrava com Horta. Estava ainda à espera quando chegaram notícias a dizer que Reinado fora baleado.

REPÓRTER: Acho difícil acreditar nisso senhor, se foi enviado para casa do Xanana ou para a estrada, Acho difícil de acreditar que não tinha uma ordem para fazer alguma coisa. Não ia tomar uma chávena de chá?

SALSINHA (Tradução): Ele não disse que íamos tomar uma chávena de chá juntos. Talvez seja melhor perguntar ao seu advogado sobre o plano. Pergunte a Angelita Pires para explicar claramente o que aconteceu, porque o Major Alfredo está morto. Volte a perguntar a Angelita Pires acerca do plano.

Angelita nega que Reinado tenha alguma vez discutido um tal plano com ela e certamente nunca na noite em questão. Isso não tem sentido, diz ela, porque ele estava à espera duma amnistia.

ANGELITA PIRES: Ele discutia um futuro onde podia viver em paz, ele podia viver contido, mas em paz, yeah.

Salsinha confirma que uma amnistia confidencial tinha sido oferecida pelo Presidente Ramos-Horta em meados de Janeiro.

REPÓRTER: Senhor, o Alfredo e o senhor alguma vez acreditaram que iam obter uma amnistia depois de discussões com o Presidente. Foi-lhes oferecida a amnistia para Maio?

SALSINHA (Tradução): Desde o encontro em Maubisse, o próprio Presidente falou acerca de uma amnistia. Alfredo está morto mas a outra testemunha principal é o Ministro do Desenvolvimento João Gonçalves.

O Ministro João Gonçalves, que conhecia Reinado desde os tempos juntos na Austrália, atendeu o encontro com Horta e Reinado onde foi oferecida a amnistia.

MINISTRO JOÃO GONÇALVES: Em Maubisse o Presidente disse de facto que tinha a intensão de anunciar em 20 de Maio uma Amnistia que iria cobrir todos os crimes e tudo o que aconteceu desde a crise de 2006.

Quinta-feira 7 Fevereiro e Horta tem um encontro funesto na sua casa para discutir a amnistia e questões relacionadas. Chegou toda a elite política de Timor-Leste, subindo o caminho onde Alfredo Reinado acabou por ficar deitado morto dentro de quatro dias.

REPORTER: Horta avisou que tinha oferecido uma amnistia a Reinado? E estava ele desejoso que fosse alcançado um acordo sobre a amnistia?

MARI ALKATIRI: Sim.

Todas as facções da coligação do governo e a oposição da Fretilin de Mari Alkatiri foram convidadas como um gesto de unidade nacional, mas não conseguiram alcançar um consenso.

MARI ALKATIRI: Neste país a amnistia não é realmente uma das competências do Presidente.

REPÓRTER: Assim parece que Horta não pode cumprir a promessa duma amnistia
O encontro é amigável. A amnistia não foi rejeitada sem mais mas criticamente nenhuma decisão foi tomada.

MARI ALKATIRI: Decidimos ter outros dois encontros em 12 e 14 de Fevereiro.

REPÓRTER: e em 11 de Fevereiro Reinado é atacado.

O encontro concluiu-se nessa noite e Ramos-Horta dá-lhe a melhor volta que pode.

RAMOS HORTA: Nós no parlamento, nos maiores partidos podemos cooperar de modo a resolver algumas das questões prementes, como a paz...

Mas ele tem um problema. Ele tem agora de dizer a Alfredo Reinado que houve um soluça no plano deles. Durante o fim-de-semana enviarão um emissário. Em 10, no Domingo, Angelita Pires sobe a montanha para almoçar com Alfredo Reinado. Foi aqui que o dia começou a andar mal, ade acordo com Salsinha.

SALSINHA (Tradução): Ele bebeu com Angelita Pires no Domingo por volta das 2 horas. O vinho que tinham tinha sido levado por Ângela. Levado por Ângela para o lugar do major. Enquanto estavam a beber eu não me aproximei.

Ele não sabe a que horas a Angelita saíu, mas acredita que ela podia ainda estar lá quando Alfredo entrou na sua fúria de bêbado às 9:30 dessa noite.

ANGELITA PIRES: Não, não não. Primeiro, isso não é verdade. Bem, não sei, isso não é verdade sobre mim e sobre os meus amigos. Partimos às 3:30, 4:00, não foram consumidas bebidas, zero.

REPÓRTER: Então pelas 4:00 tinha partido?

ANGELITA PIRES: Sim, 4:00, sim.

REPÓRTER: Outros podem testemunhar isso?

ANGELITA PIRES: Eu guiei de volta com os meus amigos. Eu apanhei uma boleia até lá e regressei com os meus amgos.

Confirmei com os amigos de Angelita, que confirmam que tinham partido certamente antes do escuro, assim quem é que esteve com Reinado nasa horas antes dele ter tomado a sua decisão bêbada de trotar para Dili. Angelita afirma que quando saiu havia outros visitantes que permaneceram – um dos quais ela reconheceu. E ele trabalha no gabinete do Presidente. O gabinete de Ramos-Horta em Dili abriga um grupo chamado MUNJ, o Movimento para a Unidade Nacional e Justiça. Eles actuavam como intermediários para Horta e Reinado. Augusto Júnior é o director e porta-voz.

Desde os tiros contra Horta o MUNJ tem estado particularmente envergonhado acerca da sua presença no campo de Reinado na noite antes do ataque. É claro que estavam a entregar a mensagem de Horta, mas nada se sabe a que horas partiram. E estranhamente, Salsinha é igualmente vago quando lhe é colocada a mesma questão.

REPÓRTER: A que horas partiram as pessoas do gabinete do Presidente?

SALSINHA (Tradução): Ainda não confirmei a que horas é que eles partiram. A que horas ainda não confirmei.

Parece que ninguém quer ser colocado com Alfredo nas primeiras horas da noite de 10, Domingo. É claro que ficaria enfurecido ao ouvir do encontro em Dili, onde isso lhe iria parecer que todos os políticos do país tinham acabado por o trair. Fossem qual fossem as conclusões que tirou, fosse qual fosse o conselho que lhe deram, isso parece ter ocorrido nas horas imediatamente antes das 9:30 – quando entrou no acampamento dos seus soldados com a urgente necessidade de se encontrar com Ramos-Horta. A resposta para pelo menos parte desse mistério – essas poucas horas chave - pode estar dentro das paredes do gabinete do Presidente em Dili.

OA considera hospedar trabalhadores de Timor-Leste – ABC, 16 Abril

Numa tentativa de responder às carências de mão de obra na região de Kimberley do Oeste da Austrália, o governo do Estado delineou planos para usar mão de obra não especializada de Timor-Leste.

No princípio do ano o governo do OA assinou um acordo com Timor-Leste para fornecer trabalhadores a grandes projectos de infraestruturas.

A Ministra do Plano e Infraestruturas Alannah MacTiernan, diz que tem havido apoio proeminente para expandir o projecto a outras indústrias tais como horticultura e procura de pérolas.

A Srª MacTiernan diz que o Governo Federal ainda não apoiou a proposta.

"Estivemos e reunimos com o Governo Timorense e estão realmente entusiasmados, a indústria está realmente entusiasmada a agora a última peça do puzzle é obviamente levar o Governo Federal a concordar com isso," disse.

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.