quinta-feira, fevereiro 21, 2008

Interview - Mari Alkatiri: Reinado Did Not Shoot Horta

Tempo Magazine No. 25/VIII/February 19-25, 2008

Two shooting incidents took place last Monday--at two different times: one happened at the residence of President Jose Ramos-Horta and the other was aimed at the car carrying Prime Minister Xanana Gusmao. Ramos-Horta had just ended his exercises when he was struck by a volley of bullets at the compound of his residence. Major Alfredo Reinado, 42, the leader of the bloody attack was killed during the ensuing gun battle, along with one of his troops.

Ramos-Horta, a recipient of the Nobel peace prize in 1966, was immediately flown to the Royal Darwin Hospital in Darwin, Australia. "This is clearly an attempted coup d'etat. I will not allow anyone to take advantage of the situation," said Prime Minister Xanana. Since then, Timor Leste has come under emergency rule.

The armed attack was actually a tip of the iceberg in the series of political conflicts besetting Timor Leste since its independence. Some people say the incident was a continuation of the May 2006 violence, which erupted as a result of then-Prime Minister Mari Alkatiri's policies. Alkatiri had intended to streamline the military. About 600 dismissed soldiers protested, charging Alkatiri with discrimination. It seems most of the dismissed troops came from the western part of Timor Leste, while the leaders came from the eastern areas.

They formed themselves into street gangs. The nameless groups consisted of youths, and former members of the military and police--some of them commanders. One of them was Major Alfredo Reinado. Their actions succeeded in causing chaos in Dili. A number of civilians were killed. Mari Alkatiri himself was forced to resign as prime minister.

One day after the shooting of Ramos-Horta, a number of publications in Dili pointed at Alkatiri, charging his political party of being behind Reinado's activities. Alkatiri denied the charges. Last Tuesday, he held a press conference to refute all charges.

In the middle of the emergency situation in Timor Leste, Alkatiri spoke with Tempo correspondent in Dili, Jose Sarito Amaral, in an exclusive interview, which took place at his residence, last Friday. Alkatiri provided additional information to Tempo reporters Widiarsi Agustina and Faisal Assegaf by telephone. Excerpts:

What is your view on the shootings of President Ramos-Horta and Prime Minister Xanana?

It is all still very mysterious and I don't want to speculate on the incident. Clearly, the death of Reinado poses many questions, particularly since he died before President Horta was shot. That is to say, Reinado actually did not kill Horta because he died first. This is what confuses me.

So, who was actually responsible for the two attacks?

Once again it is difficult to determine who the mastermind is. I just know that it was not Reinado who shot President Horta. Strangely enough, one hour after the shooting, Prime Minister Xanana Gusmao was attacked. All this requires an immediate and thorough investigation. I suggest that a professional international team investigate the incidents.

Who do you think should be suspected?

I don't want to accuse anyone, because that needs evidence and a thorough investigation. Such as, why were Reinado's military attacks done simultaneously but so unprofessionally? This is strange. In my view, the shooting of Horta was executed by an organized group.

Do you have any idea who might have plotted this with Reinado?

I am not able to say much at this time. Clearly, the assassination attempts are linked. I am not an investigator, but I am attempting to seek some information and trying to analyze who is behind Reinado. Why did he die before Horta was shot?

According to some reports, the attack was linked to a meeting President Horta held with a number of politicians, a week before the shooting.

I think they are connected. Indeed, there was a meeting of politicians at Horta's residence a week before the shootings. Attending the meeting were members of the Timorese Reconstruction National Party (CNRT) led by Xanana Gusmao, the Social Democrat Party, the Timor Social Democrat Party Association (ASDT) and the Fretilin Party.

What was discussed at that meeting?

President Horta welcomed the proposal of the Fretilin Party to the UN Secretary-General.

Essentially it united all parties under the Parliamentary Majority Alliance (AMP) with the Fretilin, and forming an inclusive government, a national unity government. Fretilin itself refused to join in the national unity government like this one. The initiative was taken to resolve the problem of Alfredo Reinado, deserters led by Salsinha Gastao and also the refugees.

Do you think any of the party elites were involved?

I will just say that the person behind Horta's shooting perhaps disagreed with the President's initiative to form a new government and hold another election.

As the opposition, your party must be seen as a possible instigator of the attempted coup.
We want another election, not a coup, particularly since President Horta already approved it. But suddenly the Reinado group took the road to rebel against the state.

We want to ask whether you are involved or not in this attempted coup.

Well, I've been getting a lot of hate mail accusing me of being behind all this. They don't want me to be prime minister again. They say they are willing to do anything as long as Alkatiri does not return as prime minister. Everyone seems to hate me. I already explained: if Horta had not been shot, the agreement on the formation of an inclusive government and a repeat election would have taken place. And that was the recommendation of my party. So why should I kill anyone or pull a coup d'etat?

According to some reports it was you and Fretilin who were behind Reinado's actions.

It has become the tradition in Timor Leste that if there is a problem, everyone blames it on Mari Alkatiri. But that's all right. That's why I called for the establishment of an international investigation. The United Nations mission and international peacekeeping forces in Timor Leste must also clarify their weaknesses in the country. Why weren't they able to detect the attack? They were quite close by.

In your view, how credible is the government of Xanana and Horta in the eyes of the public?
The coup and the shootings indicate the public's faith in the Xanana Gusmao government has fallen. If it was not able to control its security forces and protect President Horta, I can say that this is an inadequate government.

Did Fretilin want this to happen?

Fretilin did not want this. We do not want the crisis to be worse. Fretilin defends this nation so it is stable. The Fretilin chief and I called Xanana. We told him that the shooting of Horta was an act of rebellion against the state, not against Xanana or Horta.

What do you think was the intention of the Reinado group?

Fretilin never used Reinado for its political objectives. I never separated from him because I was never together with him in the first place. They united to bring down my government, but now they are split. In your opinion, who is behind all this?

So, you don't approve of Reinado's movement?

It's not a matter of supporting Reinado's movement or not. I just regret that it happened at all.
Is it true that a few days before the shooting Reinado met with a number of parliamentarians?
Three members of parliament met with Reinado three days before the shootings. They were from PSD/ASDT and PD. If Fretilin parliamentarians had met with Reinado that day, imagine what people would be saying now. Their meeting was secret and the international forces actually saw them. That is why the Attorney General must investigate them. I don't want to accuse anyone of the shooting right now. But on the other hand, there must be an investigation to seek the truth.

What about political support towards the government?

I think that politically, AMP is beginning to be destabilized. Perhaps it will soon fall. From the political viewpoint, they are already weak, they are unable to solve the Reinado problem, the deserters under Gastao and the refugees. This is making the supporters of AMP very unhappy. From the security viewpoint, President Horta could not be protected. He was shot. From the economic point of view, everyone knows that there is a rice crisis currently going on. Prices of commodities have gone up and the government has not been able to control this. This is what will bring down the AMP government, unless there is another election or an inclusive government is formed.

How strong are the Xanana supporters on the ground?

There are none at all because they were incapable of providing security for President Horta. If the people really want it, this cowboy government can prevail. Otherwise, I don't know any other solution. Pending the President's return to health, we must continue with preparing for repeat elections.

On security, what about the UN forces and the Australian troops?

The government is in a better position to answer that question. Personally, I question their professionalism in Timor Leste. They were very close to where it happened, yet they were not able to see the Reinado group. I don't want make accusations, but this quite clear.

It seems there has been continuous violence in Timor Leste since independence. Why is this?

This is because there is a group which uses violence for their political ends. Actually, we should really learn from this experience to better understand what the people want.

What about efforts at reconciliation so far?

There has been no attempt at reconciliation. Before and after last year's election, all the parties wanted to get rid of Fretilin. They did not want to unite, they wanted to be separate. And during the elections, Fretilin was accused of many things to damage its reputation.

What if Horta dies?

I am sure he will recover. But if he does pass away, there must be a new presidential election in six weeks' time.

1 comentário:

Margarida disse...

Tradução:

Entrevista - Mari Alkatiri: Reinado não baleou Horta
Tempo Magazine No. 25/VIII/Fevereiro 19-25, 2008

Dois incidentes de tiros ocorreram na passada Segunda-feira – em duas alturas diferentes: um aconteceu na residência do Presidente José Ramos-Horta e o outro visou o carro que levava o Primeiro-Ministro Xanana Gusmão. Ramos-Horta tinha acabado os seus exercícios quando foi atingido por uma rajada de balas no complexo da sua residência. O Major Alfredo Reinado, 42 anos, o líder do ataque sangrento foi morto durante a batalha que se seguiu, juntamente com uma das suas tropas.

Ramos-Horta, um receptor do Nobel da paz em 1966, foi imediatamente levado por via aérea para o Royal Darwin Hospital em Darwin, Austrália. "Esta é claramente uma tentativa de golpe de Estado. Não autorizarei ninguém a tirar vantagem da situação," disse o Primeiro-Ministro Xanana. Desde então, Timor-Leste está debaixo de estado de emergência.

O ataque armado foi actualmente o pico do iceberg numa série de conflitos políticos que tem constantemente afligido Timor-Leste desde a sua independência. Algumas pessoas dizem que o incidente foi a continuação da violência de Maio de 2006, que irrompeu como resultado das políticas de então de Alkatiri. Alkatiri tinha a intenção de despir as forças militares. Cerca de 600 soldados demitidos protestaram, acusando Alkatiri com discriminação. Parece que a maioria das tropas demitidas veio das partes ocidentais de Timor Leste, enquanto os líderes vieram das áreas do leste.

Eles próprios se formaram em gangues de rua. Os grupos sem nome que consistem em jovens, e antigos membros de militares e polícias – alguns deles comandantes. Um deles era o Major Alfredo Reinado. As suas acções tiveram sucesso em causar o caos em Dili. Uma série de civis foi morto. O próprio Mari Alkatiri foi forçado a resignar como primeiro-ministro.

Um dia depois dos tiros contra Ramos-Horta, uma série de publicações em Dili apontavam a Alkatiri, acusando o seu partido político de estar por detrás das actividades de Reinado. Alkatiri negou as acusações. Na última Terça-feira, ele realizou uma conferência de imprensa a refutar todas as acusações.

No meio da situação de emergência em Timor-Leste, Alkatiri falou com o correspondente do Tempo em Dili, José Sarito Amaral, numa entrevista exclusiva, que se realizou na sua residência na Sexta-feira passada. Alkatiri deu informação adicional aos repórteres do Tempo Widiarsi Agustina e Faisal Assegaf por telefone. Extractos:

Qual é a sua opinião sobre os tiros contra o Presidente Ramos-Horta e Primeiro-Ministro Xanana?

É tudo ainda muito misterioso e não quero especular sobre o incidente. Claramente, a morte de Reinado coloca muitas questões, particularmente dado que ele morreu antes do Presidente Horta ser baleado. Isto quer dizer que Reinado actualmente não matou Horta porque morreu primeiro. É isto que me confunde.

Assim, quem foi actualmente responsável pelos dois ataques?

Mais uma vez é difícil determinar quem é o autor. Acabei de saber que não foi Reinado que baleou o Presidente Horta. Bastante estranhamente, uma hora depois dos tiros, o Primeiro-Ministro Xanana Gusmão foi atacado. Tudo isto requer uma investigação imediata e rigorosa. Eu sugiro que uma equipa profissional internacional investigue os incidentes.

Quem é que pensa que será suspeito?

Não quero acusar ninguém, porque isso precisa de evidência e duma investigação rigorosa. Como tal, porque é que os ataques militares de Reinado feitos simultaneamente (foram) tão não-profissionais? Isto é estranho. Na minha opinião, os tiros contra Horta foram executados por um grupo organizado.

Tem alguma ideia de quem é que podia ter conspirado isto com Reinado?

Não posso dizer muito nesta altura. Claramente, as tentativas de assassínio estão ligadas. Eu não sou um investigador, mas estou a tentar recolher alguma informação e a tentar analisar quem está por detrás de Reinado. Porque é que ele morreu antes de Horta ser baleado?

De acordo com alguns relatórios, o ataque esteve ligado a um encontro que o Presidente Horta teve com uma série de políticos, uma semana antes dos tiros.

Penso que estão ligados. Na verdade, houve um encontro com políticos na residência de Horta uma semana antes dos tiros. A participarem no encontro estiveram membros do CNRT liderados por Xanana Gusmão, do PSD, da ASDT e da Fretilin.

O que é que foi discutido nesse encontro?

O Presidente Horta deu as boas vindas à proposta da Fretilin ao Secretário-Geral da ONU.

Essencialmente ela unia todos os partidos sob a Aliança da Maioria Parlamentar (AMP) com a Fretilin, em formar um governo inclusivo, um governo de unidade nacional. A própria Fretilin recusou juntar-se ao governo de unidde nacional como este. A iniciativa foi tomada para resolver o problema de Alfredo Reinado, desertores liderados por Gastão Salsinha e também os deslocados.

Pensa que algumas das elites dos partidos esteve envolvida?

Digo apenas que a pessoa por detrás dos tiros contra Horta talvez discordasse com a iniciativa do Presidente de formar um novo governo e de realizar eleições antecipadas.

Como oposição, o seu partido deve ser visto como um instigador possível da tentativa de golpe.

Nós queremos uma outra eleição, não um golpe, particularmente desde que o Presidente Horta já tinha aprovado isso. Mas subitamente o grupo de Reinado toma a estrada para se revoltar contra o Estado.

Queremos perguntar se está ou não está envolvido nesta tentativa de golpe.

Bem, tenho recebido muito correio de ódio a acusar-me de estar por detrás disto tudo. Eles não querem que seja outra vez primeiro-ministro. Dizem que estão dispostos a fazer tudo desde que Alkatiri não volte a ser primeiro-ministro. Toda a gente parece odiar-me. Eu já expliquei: se Horta não tivesse sido baleado, o acordo para a formação de um governo inclusivo e eleições antecipadas realizar-se-iam. E essa foi a recomendação do meu partido. Assim porque é que eu iria matar alguém e fazer um golpe de Estado?

De acordo com alguns relatos foi você e a Fretilin que estiveram por detrás das acções de Reinado.

Tornou-se uma tradição em Timor Leste que se há um problema, toda a gente acusa disso Mari Alkatiri. Mas está bem. Foi por isso que pedi o estabelecimento duma investigação internacional. A missão da ONU e as forças internacionais em Timor-Leste devem também clarificar a sua fraqueza no país. Porque é que não foram capazes de detectar o ataque? Estavam bastante por perto.

Na sua opinião, qual é a credibilidade do governo de Xanana e Horta aos olhos da população?

O golpe e os tiros indicam que a fé da população no governo de Xanana Gusmão caiu. Não foi capaz de controlar as suas próprias forças de segurança e de proteger o Presidente Horta, Posso dizer que este é um governo inadequado.

A Fretilin quis que isto acontecesse?

A Fretilin não quis isto. Não queremos que a crise piore. A Fretilin defende que esta nação seja estável. O chefe da Fretilin e eu ligámos a Xanana. Dissemos-lhe que os tiros contra Horta foram uma acto de revolta contra o Estado, não contra Xanana ou Horta.

Qual pensa que era a intenção do grupo de Reinado?

A Fretilin nunca usou Reinado para os seus objectivos políticos. Eu nunca me se separei dele porque eu nunca estive junto com ele em primeiro lugar. Eles uniram-se para derrubar o meu governo, mas agora eles estão separados. Na sua opinião quem está por detrás disto tudo?

Portanto, não aprova o movimento de Reinado?

Não é uma questão de apoiar ou não o movimento de Reinado. Apenas lamento que tudo isto tenha acontecido.

É verdade que poucos dias antes dos tiros que Reinado se encontrou com alguns deputados?

Três deputados encontraram-se com Reinado três dias antes dos tiros. Eram do PSD/ASDT e PD. Se os deputados da Fretilin se tivessem encontrado com Reinado nesse dia, imagine o que é que as pessoas diriam agora. O encontro deles foi secreto mas as forças internacionais actualmente viram-nos. É por isso que o Procurador-Geral deve investigá-los. Não quero acusar ninguém dos tiros neste momento. Mas por outro lado tem de haver uma investigação para procurar a verdade.

E acerca do apoio político para com o governo?

Penso que politicamente a AMP está a começar a desestabilizar-se. Talvez caia em breve. Do ponto de vista político, já estão fracos, não conseguiram resolver o problema de Reinado, dos desertores sob comando do Gastão e dos deslocados. Isto está a pôr os apoiantes da AMP muito infelizes. Do ponto de vista da segurança, o Presidente Horta não conseguiu ser protegido. Ele foi baleado. Do ponto de vista económico, toda a gente sabe que correntemente há uma crise de arroz. Os preços dos bens subiram e o governo não foi capaz de controlar isto. É isto que derrubará o governo da AMP, a não ser que haja eleições antecipadas ou que seja formado um governo inclusivo.

Qual é a força dos apoiantes de Xanana no terreno?

Não tem nenhuma porque foram incapazes de dar segurança ao Presidente Horta. Se as pessoas realmente quisessem isso, este governo cowboy pode prevalecer. De outro modo, não conheço nenhuma outra solução. Pendente do regresso da saúde do Presidente, devemos continuar com os preparativos para as eleições antecipadas.

Sobre a segurança, que tal sobre as forças da ONU e das tropas Australianas?

O governo está em melhor posição para responder a essa questão. Pessoalmente, questiono o profissionalismo deles em Timor Leste. Eles estavam muito perto do que aconteceu, contudo não conseguiram ver o grupo de Reinado. Não quero fazer acusações, mas isto é bastante claro.

Parece que tem havido violência contínua em Timor.-Leste desde a independência. Porque é que isto acontece?

Isto acontece porque há um grupo que usa a violência para os seus fins políticos. Actualmente, devíamos realmente aprender com esta experiência para melhor entender o que é que as pessoas querem.

E que tal sobre os esforços para a reconciliação até agora?

Não tem havido nenhuma tentativa de reconciliação. Antes e depois das eleições do ano passado, todos os partidos se queriam livrar da Fretilin. Eles não quiseram unir-se, eles quiseram ir separados. E durante as eleições, a Fretilin foi acusada de muitas coisas para estragar a sua reputação.

E se Horta morre?

Tenho a certeza que vai recuperar. Mas se morrer, tem de haver uma nova eleição presidencial dentro de seis semanas.

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.