quarta-feira, março 19, 2008

Timorese President Leaves Hospital

AP
19.03.2008
5 hours ago

SYDNEY, Australia (AP) — East Timor President Jose Ramos-Horta said a tearful farewell Wednesday to hospital staff who treated him in northern Australia for five weeks following his severe wounding in an assassination attempt at home.

Ramos-Horta said he expects to remain in Australia "for a few more weeks" for therapy.

The Nobel Peace laureate, who was treated at two Darwin hospitals following the Feb. 11 shooting, gave the doctors and nurses at Royal Adelaide Hospital a gift of Timorese coffee before he was discharged Tuesday.

"It's the best coffee in the world," said the thin, unshaven president. "I would like to thank you all for your care and patience."

Rebel troops shot Ramos-Horta outside his home in East Timor's capital, Dili, and on the same day ambushed Prime Minister Xanana, Gusmao, who escaped unharmed. The attacks underscored East Timor's volatility six years after it declared independence following decades of harsh rule by Indonesia and a period of U.N. administration.

Ramos-Horta recalled bleeding heavily and being fully conscious after the shooting as he was aken in "a very old battered ambulance" to an Australian medical center in Dili.

"I remember every detail from the moment I was shot," he said. "On the way to the heliport I fell off the chair a few times because there were no belts. I remember even though I was bleeding I was holding on tight. And I was telling the driver, 'Go slow.' But maybe he was wise because it was only a matter of minutes for me to arrive there. And then I arrived here in your hands. I thank all of you."

He then put his hands to his face and fought back tears.

Hospital spokeswoman Michelle Foster said Ramos-Horta would receive further treatment from the hospital. "He needs some physiotherapy and doctors would like to keep an eye on him," she said.

The attack on Ramos-Horta was led by rebel troop leader Alfredo Reinado, who was shot and killed by presidential guards during the violence.

Tradução:

Presidente Timorense deixa Hospital

AP
19.03.2008
5 horas atrás

SYDNEY, Austrália (AP) — O Presidente de Timor-Leste José Ramos-Horta disse numa lacrimejosa despedida na Quarta-feira aos empregados do hospital que o trataram no norte da Austrália durante cinco semanas depois dos ferimentos sérios numa tentativa de assassínio em casa.

Ramos-Horta disse que espera ficar na Austrália "durante mais algumas semanas" para terapia.

O laureado do Nobel da Paz, que foi tratado em dois hospitais de Darwin depois do tiroteio de 11 de Fevereiro, deu uma prenda de café Timorense aos médicos e enfermeiros no Royal Adelaide Hospital antes de ter tido alta na Terça-feira.

"É o melhor café do mundo," disse presidente magro e não barbeado. "Quero agradecer a todos os vossos cuidados e paciência."

Tropas amotinadas balearam Ramos-Horta fora da sua casa na capital de Timor-Leste, Dili, e no mesmo dia emboscaram o Primeiro-Ministro Xanana Gusmão, que escapou ileso. Os ataques sublinham a volatilidade de Timor-Leste seis anos depois de declarar a independência depois de décadas de dura governação pela Indonésia e dum período de administração da ONU.

Ramos-Horta lembrou-se que sangrava abundantemente e de estar totalmente consciente depois dos disparos e de ser levado "numa muito velha e desgastada ambulância" para um centro médico Australiano em Dili.

"Lembro-me de cada detalhe desde o momento em que fui baleado," disse. "A caminho do heliporto caí da cadeira várias vezes porque não havia cintos. Lembro-me que apesar de estar a sangrar que me agarrava com força. E que dizia ao motorista, 'Vai devagar.' Mas talvez ele fosse sábio porque foi uma questão apenas de minutos para chegar lá. E depois cheguei aqui às vossas mãos. Agradeço a todos vós."

Pôs depois as mãos na cara a lutar contra as lágrimas.

A porta-voz do Hospital Michelle Foster disse que Ramos-Horta receberá mais tratamentos do hospital. "Ele precisa de alguma fisioterapia e os médicos gostariam de manter um olho nele," disse.

O ataque a Ramos-Horta foi liderado pelo líder das tropas amotinadas Alfredo Reinado, que foi morto a tiro pelos guardas presidenciais durante a violência.

1 comentário:

Margarida disse...

Tradução:
Presidente Timorense deixa Hospital
AP
19.03.2008
5 horas atrás

SYDNEY, Austrália (AP) — O Presidente de Timor-Leste José Ramos-Horta disse numa lacrimejosa despedida na Quarta-feira aos empregados do hospital que o trataram no norte da Austrália durante cinco semanas depois dos ferimentos sérios numa tentativa de assassínio em casa.

Ramos-Horta disse que espera ficar na Austrália "durante mais algumas semanas" para terapia.

O laureado do Nobel da Paz, que foi tratado em dois hospitais de Darwin depois do tiroteio de 11 de Fevereiro, deu uma prenda de café Timorense aos médicos e enfermeiros no Royal Adelaide Hospital antes de ter tido alta na Terça-feira.

"É o melhor café do mundo," disse presidente magro e não barbeado. "Quero agradecer a todos os vossos cuidados e paciência."

Tropas amotinadas balearam Ramos-Horta fora da sua casa na capital de Timor-Leste, Dili, e no mesmo dia emboscaram o Primeiro-Ministro Xanana Gusmão, que escapou ileso. Os ataques sublinham a volatilidade de Timor-Leste seis anos depois de declarar a independência depois de décadas de dura governação pela Indonésia e dum período de administração da ONU.

Ramos-Horta lembrou-se que sangrava abundantemente e de estar totalmente consciente depois dos disparos e de ser levado "numa muito velha e desgastada ambulância" para um centro médico Australiano em Dili.

"Lembro-me de cada detalhe desde o momento em que fui baleado," disse. "A caminho do heliporto caí da cadeira várias vezes porque não havia cintos. Lembro-me que apesar de estar a sangrar que me agarrava com força. E que dizia ao motorista, 'Vai devagar.' Mas talvez ele fosse sábio porque foi uma questão apenas de minutos para chegar lá. E depois cheguei aqui às vossas mãos. Agradeço a todos vós."

Pôs depois as mãos na cara a lutar contra as lágrimas.

A porta-voz do Hospital Michelle Foster disse que Ramos-Horta receberá mais tratamentos do hospital. "Ele precisa de alguma fisioterapia e os médicos gostariam de manter um olho nele," disse.

O ataque a Ramos-Horta foi liderado pelo líder das tropas amotinadas Alfredo Reinado, que foi morto a tiro pelos guardas presidenciais durante a violência.

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.