terça-feira, abril 08, 2008

East Timor aims to mend relationship with people

Connect Asia

ABC Radio National
Updated 11 hours 34 minutes ago

Almost two months since the attacks on East Timor's leaders and many of the rebels responsible remain on the run. But as the search continues, allegations of human rights violations towards citizens by the security forces continue to emerge.

Presenter: Stephanie March

Speaker: Fernanda Borges, East Timorese MP and the leader of the Parliamentary Committee for Human Rights; Francisco Gutteres, State Secretary for Security; Lenilda Maia, Village Chief in Erulu, Ermera district.

MARCH: In Ermera district in East Timor's mountainous interior, hundreds of police and military roam the countryside, searching for the rebels who remain on the run, following the attacks on the country's President and Prime Minster on February 11.

As the hunt continues, reports of violence against civilians by the military continue to emerge.

East Timorese MP and the leader of the Parliamentary Committee for Human Rights Fernanda Borges says her constituents in Ermera have complained of beatings and aggressive interrogations by the FFDTL military about the whereabouts of rebel leader Gastao Salsinha.

BORGES: There are questions like 'were you involved?' 'did you know him?' and sometimes when the answer is not to their liking they get beaten up.

MARCH: Late last month the government acknowledged that the military had on occasion used inappropriate and heavy handed tactics as part of the operation, and said the would investigate any claims of human rights abuses.

In an effort to renew peoples confidence in the security institutions, the government and joint police and military command are now giving each of the 52 affected communities in Ermera 600 US dollar for them to hold belated Easter parties to which they must invite military and police.

Francisco Gutteres is East Timor's State Secretary for Security.

GUTTERES: The money is used for the celebration of the Easter. The idea that we gave to the community is we want the community to understand - first that they should celebrate this Easter together with FFDTL and PNTL. The objective is that we would like them to understand that these two institutions are the state institutions that will protect them.

Lenilda Maia is the village chief of Erulu, a small mountain community in Ermera district and the home of some of rebel leader Gastao Salsinha's family members.

Erulu is one of the communities receiving $600 from the government to hold a party with the security forces.

She says some of the youth in her area have been slapped around by the military for not answering questions, but she has heard of more serious abuses in other parts of the district.

She says the head of the Military and Police joint operation Brigadier Taur Matan Ruak recently apologised to the communities for the abuses.

MAIA: Yes they are beating up people and the government apologised. Taur Matan Ruak sent a saying he was sorry to the youth who got beaten when the armed forces were here. There were some youth who gave incorrect information to the F-FDTL and they got beaten, that's why he sent a message here that invited the youth to join a party together with the armed forces.

MARCH: Lenilda Maia says the military presence makes people nervous, and the people are too scared to go to the coffee fields and start harvesting because they don't want to come across any military personnel or rebels.

She fears if the problem is not resolved soon the coffee beans will rot on the trees, and everyone will lose the income from the crops that they desperately need to survive and that moat people hope that Gastao Salsinha and his followers surrender to authorities soon so the FFDTL go away.

She says she is not sure if the belated Easter party will restore the damaged relations between the FFDTL and her community

MAIA: We don't really know if the money makes up for it but will see after the party. We invite the FFDTL to come to say a few words to the youth as well as to the mothers and fathers who have suffered because the situation has not been calm.

MARCH: The government says they are trying to get the military to change their behaviour.

The joint command has appealed to victims of beating or assaults by soldiers to come forward so their cases can be investigated.

State Secretary for Security Francisco Gutteres says several military personnel have been suspended from active duties pending investigations, but regardless of the investigation outcome, they will not dismissed from the military.

GUTTERES: Maybe a small kind of human rights abuse maybe there will be disciplinary action against them but we will not dismiss these guysjust because of a slap on people.

MARCH: But MP Fernanda Borges says that's not good enough.

BORGES: That's just fostering impunity. That is not strong disciplinary measure. That is not stating no tolerance to human rights violations.

MARCH: But Francisco Gutteres says its important not to let the small number of human rights abuses overshadow the achievements of the Joint Operation.

There has been an ongoing feud between East Timor's police and military since 2006 when claims of ethnic discrimination in the two institutions plunged the country into crisis.

GUTTERES: Because you can see after the two years crisis they have been fighting, in 2006, now they are working together providing security. This is one of the major achievements we will have. So we have to give them some kind of appreciation that they have done a good job, the were not tempted to get involved in fighting again.

MARCH: But MP Fernanda Borges says there are still major disciplinary problems within both forces, and throwing money at communities to forgive their failings is inappropriate, and unsustainable.

BORGES: That is the wrong approach to policing and security issues. Money should not be involved in the work of security people they shouldn't start a practice of doing things like that - using money - because it's still very much and unprofessional force. The defence force and the police very much need to be professionalised as well as brought under some disciplinary standards

Listen at http://www.abc.net.au/ra/programguide/stories/m1566462.asx

etanetanetanetanetanetanetanetanetanetanetanetan
ETAN welcomes your support. For more info: http://etan.org/etan/donate.htm

John M. Miller Internet: fbp@igc.org
National Coordinator
East Timor & Indonesia Action Network (ETAN)
PO Box 21873, Brooklyn, NY 11202-1873 USA
Phone: (718)596-7668 Mobile phone: (917)690-4391
Skype: john.m.miller
Web site: http://www.etan.org

1 comentário:

Margarida disse...

Tradução:
Timor-Leste tenta enendar relações com pessoas
Connect Asia

ABC Radio National
Actualizado 11 horas 34 minutos atrás
Quase dois meses depois dos ataques aos líderes de Timor-Leste e muitos dos amotinados responsáveis mantém-se em fuga. Mas enquanto a perseguição continua, alegações de violações de direitos humanos dos cidadãos pelas forças de segurança continuam a emergir.

Apresentador: Stephanie March

Orador: Fernanda Borges, deputada Timorense e líder do Comité Parlamentar para os Direitos Humanos; Francisco Guterres, Secretário do Estado da Segurança; Lenilda Maia, Chefe de Aldeia de Erulu, distrito Ermera .

MARCH: No distrito de Ermera no interior montanhoso de Timor-Leste, centenas de polícias e militares correm o campo, procurando os amotinados que continuam em fuga, após os ataques ao Presidente e Primeiro-Minstro do país em 11 de Fevereiro.

Enquanto a perseguição continua, continuam a emergir relatos de violência contra civis pelos militares.

A deputada Timorense e líder do Comité Parlamentar para os Direitos Humanos Timorense Fernanda Borges diz que cidadãos de Ermera se queixaram de agressões e de interrogatórios agressivos pelos militares das F-FDTL acerca da localização do líder amotinado Gastão Salsinha.

BORGES: Houve perguntas como 'esteve envolvido?' 'conhece ele?' e por vezes quando a resposta não é do gosto deles são agredidos.

MARCH: No fim do mês passado o governo reconheceu que os militares nalgumas ocasiões usaram tácticas não apropriadas e de mão pesada como parte da operação, e disse que haveria de investigar quaisquer queixas de abusos de direitos humanos.

Num esforço para renovar a confiança das pessoas nas instituições de segurança, o governo e o comando conjunto da polícia e militares estão agora a dar a cada uma das 52 comunidades afectadas em Ermera 600 US dólares para realizarem festas de Pàscoa tardias para as quais devem convidar militares e polícias.

Francisco Guterres é o Secretário de Estado da Segurança em Timor-Leste.

GUTERRES: O dinheiro é usado para a celebração da Páscoa. A ideia que demos à comunidade é que queremos que a comunidade entenda – primeiro que devem celebrar esta Páscoa junta com as F-FDTL e PNTL. O objectivo é que gostaríamos que eles entendessem que estas duas instituições são instituições do Estado que as protegerão.

Lenilda Maia é chefe da aldeia de Erulu, uma pequena comunidade da montanha no distrito de Ermera e a terra de alguns membros da família do líder amotinado Gastão Salsinha.

Erulu é uma das comunidades que está a receber $600 do governo para fazer uma festa com as forças de segurança.

Ela diz que alguns dos jovens na sua área têm sido agredidos por militares por não responderem a perguntas, mas ela ouviu de abusos mais sérios noutras partes do distrito.

Ele dis que recentemente o chefe da operação conjunta de Militares e Polícias pediu desculpa às comunidades pelos abusos.

MAIA: Sim, têm agredido pessoas e o governo pediu desculpa. Taur Matan Ruak mandou dizer aos jovens que foram agredidos quando as forças armadas tiveram cá que lamentava. Houve vários jovens que deram informações incorrectas às F-FDTL e foram agredidos, foi por isso que ele mandou uma mensagem aqui que convidava os jovens para se juntarem numa festa com as forças armadas.

MARCH: Lenilda Maia diz que a presença dos militares faz as pessoas nervosas, e as pessoas estão demasiadas assustadas para irem para os campos de café e começarem a colheita porque não se querem cruzar com nenhum pessoal militar ou amotinados.

Ela receia que se o problema não for resolvido em breve que os grãos de café apodrecem nas árvores, e toda a gente perder´s o rendimento das produções que desesperadamente precisam para sobreviver e que a maioria das pessoas têm esperança que Gastão Salsinha e os seus seguidores se rendam às autoridades em breve para que as F-FDTL se vão embora.

Ela diz que não tem a certeza se a festa de Páscoa tardia restaurará as relações danificadas entre as F-FDTL e a sua comunidade

MAIA: Realmente não sabemos se o dinheiro resolverá isso mas veremos depois da festa. Convidamos as F-FDTL para virem dizer algumas palavras aos jovens bem como às mães e pais que sofreram porque a situação não tem estado calma.

MARCH: O governo diz que está a tentar que os militares mudem o seu comportamento.

O comando conjunto tem apelado às vítimas de agressão ou de assaltos pelos soldados para apresentarem os seus casos para poderem ser investigados.

O Secretário de Estado da Segurança Francisco Gutteres diz que vários membros do pessoal militar foram suspensos do serviço activo enquanto há investigações pendentes, mas que independentemente do resultado da investigação, não serão demitidos da força militar.

GUTERRES: Talvez um pequeno tipo de abuso de direitos humanos, talvez haja acção disciplinar contra eles mas não demitiremos estes tipos apenas por causa duma bofetada nas pessoas.

MARCH: Mas a deputada Fernanda Borges diz que isso não é suficientemente bom.

BORGES: Isso apenas promove a impunidade. Isso não são medidas disciplinares fortes. Isso não é afirmar nenhuma tolerância a violações de direitos humanos.

MARCH: Mas Francisco Guterres diz que é importante não deixar que um pequeno número de abusos de direitos humanos obscureçam as realizações da Operação Conjunta.

Tem havido uma luta em curso entre a polícia e os militares de Timor-Leste desde 2006 quando queixas de discriminação étnica nas duas instituições mergulharam o país na crise.

GUTERRES: Porque pode ver dois anos depois de terem andado à luta na crise, em 2006, agora estão a trabalhar juntos prestando segurança. Esta é uma das maiores realizações que teremos. Por isso temos que lhes mostrar algum tipo de apreço de que fizeram um bom trabalho, que não foram tentados a envolverem-se em lutas outra vez.

MARCH: Mas a deputada Fernanda Borges diz que ainda há grandes problemas disciplinares dentro das duas forças e atirar dinheiro às comunidades para perdoarem os seus falhanços não é correcto nem sustentável.

BORGES: Esta é a abordagem errada para questões de policiamento e de segurança. Não se deve envolver dinheiro no trabalho das pesoas da segurança, elas não devem começar uma prática de fazerem coisas como esta – usando dinheiro - porque são ainda muito forças não profissionais. A força de defesa e a polícia precisam muito de serem profissionalizadas bem como serem postas debaixo de alguns padrões disciplinares

Ouçam em http://www.abc.net.au/ra/programguide/stories/m1566462.asx

etanetanetanetanetanetanetanetanetanetanetanetan
ETAN agradece o seu apoio. Para mais info: http://etan.org/etan/donate.htm

John M. Miller Internet: fbp@igc.org
Coordeinador Nacional
East Timor & Indonesia Action Network (ETAN)
PO Box 21873, Brooklyn, NY 11202-1873 USA
Phone: (718)596-7668 Mobile phone: (917)690-4391
Skype: john.m.miller
Web site: http://www.etan.org

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.