terça-feira, abril 01, 2008

UN AND PARTNERS APPEAL FOR $33.5 MILLION FOR RECOVERY EFFORTS

UN News Centre

31 March 2008 – The United Nations and non-governmental organizations working in Timor-Leste are seeking $33.5 million to help the country’s most vulnerable, including internally displaced persons (IDPs) and those most at risk from natural disasters.

Finn Reske-Nielsen, the UN’s Humanitarian Coordinator for Timor-Leste, said that funds raised will complement those already committed by the Government toward projects outlined in the Transitional Strategy and Appeal.

“The Government of Timor-Leste has committed $15 million in 2008 to address IDP issues,” said Mr. Reske-Nielsen. “These financial resources constitute a significant and increased commitment of the Government towards these issues. However, further donor support to the Government’s efforts will be valuable to help meet its shortfall.”

The funds will support some 67 projects in three strategic areas: continued emergency assistance in IDP camps, supporting the Government’s National Recovery Strategy and strengthening the country’s ability to manage risk and impact from natural disasters.

While humanitarian assistance in the IDP camps continues to be critical, the primary focus of the Government and its partners this year is early recovery initiatives that will facilitate the return and/or resettlement of those that have been displaced.

Mr. Reske-Nielsen said that ongoing humanitarian problems that stem from the crisis that erupted in 2006 are complex and multi-dimensional with social, economic and political roots.

The 2006 crisis, attributed in part to differences between Timor-Leste’s eastern and western regions, began in April with the firing of 600 striking soldiers, a third of the overall armed forces.

Ensuing violence claimed at least 37 lives and drive 155,000 people, or about 15 per cent of the total population, from their homes. The Security Council created the UN Integrated Mission in Timor-Leste (UNMIT) in August that year to help restore stability.

“There is no simple or short-term solution, and the experience of national and international organisations along with the Government shows that continued support to ongoing humanitarian response and recovery efforts is vital to reaching a sustainable resolution to the crisis,” Mr. Reske-Nielsen stated.

Tradução:

ONU E PARCEIROS DO DESENVOLVIMENTO APELAM PARA $33.5 MILHÕES PARA ESFORÇOS DE RECUPERAÇÃO

Centro de Notícias da ONU

31 Março 2008 – As Nações Unidas e organizações não-governamentais a trabalharem em Timor-Leste estão à procura de $33.5 milhões para ajudarem os mais vulneráveis do país, incluindo deslocados e os que correm mais riscos por desastres naturais.

Finn Reske-Nielsen, o Coordenador Humanitário da ONU para Timor-Leste, disse que os fundos angariados complementarão aqueles já comprometidos pelo Governo para projectos sublinhados na Estratégia Transitória e no Apelo.

“O Governo de Timor-Leste prometeu $15 milhões em 2008 para responder a questões dos deslocados,” disse o Sr. Reske-Nielsen. “Estes recursos financeiros constituem um compromisso significativo e aumentado do Governo para estas questões. Contudo, mais apoio dos dadores para os esforços do Governo serão valiosos para ajudar às suas carências”

Os fundos apoiarão cerca de 67 projectos em três áreas estratégicas: assistência de emergência continuada nos campos de deslocados, apoio à Estratégia de Recuperação Nacional do Governo e reforço da capacidade do país para gerir os riscos e o impacto de desastres naturais.

Conquanto a assistência humanitária nos campos de deslocados continue a ser importante, o foco principal do Governo e dos seus parceiros este ano são iniciativas de recuperação que irão facilitar o regresso e/ou o assentamento dos que têm estado deslocados.

O Sr. Reske-Nielsen disse que os problemas humanitários em curso que nasceram da crise que irrompeu em 2006 são complexos e multi-dimensionais com raízes sociais, económicas e políticas.

A crise de 2006, atribuida em parte a diferenças entre o leste e o oeste de Timor-Leste, começou em Abril com o despedimento de 600 soldados em greve, um terço de todas as forças armadas.

A violência que se seguiu fez pelo menos 37 mortes e levou 155,000 pessoas, ou cerca de 15 por cento da população total, das suas casas. O Conselho de Segurança criou a Missão Integrada da ONU em Timor-Leste (UNMIT) em Agosto desse ano para ajudar a restaurar a estabilidade.

“Não há solução simples ou a curto prazo, e as experiências de organizações nacionais e internacionais ao lado do Governo mostra que apoio continuado a respostas humanitárias e a esforços de recuperação em curso é vital para alcançar uma resolução sustentada da crisis,”afirmou o Sr. Reske-Nielsen.

1 comentário:

Margarida disse...

Tradução:
ONU E PARCEIROS DO DESENVOLVIMENTO APELAM PARA $33.5 MILHÕES PARA ESFORÇOS DE RECUPERAÇÃO
Centro de Notícias da ONU

31 Março 2008 – As Nações Unidas e organizações não-governamentais a trabalharem em Timor-Leste estão à procura de $33.5 milhões para ajudarem os mais vulneráveis do país, incluindo deslocados e os que correm mais riscos por desastres naturais.

Finn Reske-Nielsen, o Coordenador Humanitário da ONU para Timor-Leste, disse que os fundos angariados complementarão aqueles já comprometidos pelo Governo para projectos sublinhados na Estratégia Transitória e no Apelo.

“O Governo de Timor-Leste prometeu $15 milhões em 2008 para responder a questões dos deslocados,” disse o Sr. Reske-Nielsen. “Estes recursos financeiros constituem um compromisso significativo e aumentado do Governo para estas questões. Contudo, mais apoio dos dadores para os esforços do Governo serão valiosos para ajudar às suas carências”

Os fundos apoiarão cerca de 67 projectos em três áreas estratégicas: assistência de emergência continuada nos campos de deslocados, apoio à Estratégia de Recuperação Nacional do Governo e reforço da capacidade do país para gerir os riscos e o impacto de desastres naturais.

Conquanto a assistência humanitária nos campos de deslocados continue a ser importante, o foco principal do Governo e dos seus parceiros este ano são iniciativas de recuperação que irão facilitar o regresso e/ou o assentamento dos que têm estado deslocados.

O Sr. Reske-Nielsen disse que os problemas humanitários em curso que nasceram da crise que irrompeu em 2006 são complexos e multi-dimensionais com raízes sociais, económicas e políticas.

A crise de 2006, atribuida em parte a diferenças entre o leste e o oeste de Timor-Leste, começou em Abril com o despedimento de 600 soldados em greve, um terço de todas as forças armadas.

A violência que se seguiu fez pelo menos 37 mortes e levou 155,000 pessoas, ou cerca de 15 por cento da população total, das suas casas. O Conselho de Segurança criou a Missão Integrada da ONU em Timor-Leste (UNMIT) em Agosto desse ano para ajudar a restaurar a estabilidade.

“Não há solução simples ou a curto prazo, e as experiências de organizações nacionais e internacionais ao lado do Governo mostra que apoio continuado a respostas humanitárias e a esforços de recuperação em curso é vital para alcançar uma resolução sustentada da crisis,”afirmou o Sr. Reske-Nielsen.

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.