sábado, abril 05, 2008

Indonesia: Former Militia Leader Gets Ten Years Jail

Radio Australia March 15, 2006 -transcript-

Indonesia's Supreme Court has reinstated the ten year jail sentence of the former militia leader Eurico Guterres for crimes against humanity committed in East Timor in 1999. The original sentence had been handed down in 2002 by Indonesia's ad hoc human rights court but reduced to five years on appeal and Guterres has yet to serve any time. Guterres headed the notorious Aitarak or Thorn militia which terrorized Dili's residents ahead of the U-N organised referendum on independence.

Presenter/Interviewer: Karon Snowdon

Speakers: Mario Carrascalao, Special Advisor to East Timor's President and Chairman of the Social Democratic Party.

SNOWDON: In one incident linked to the militia led by Eurico Guterres, in April 1999, at least 12 people died as they sheltered in the house of Manuel Carrascalao, among those killed was Carrascalao's teenage son.

Indonesian backed Timorese militia intimidated independence activists ahead of the referendum and after the overwhelming yes vote, they took revenge, going on a rampage of killing and destruction.

At the time of the first court hearing in 2002 and just ahead of his sentencing, Eurico Guterres was still defiant.

GUTERRES: I would not accept the judges decision, even for one day, or for one hour. Because what I did was for Indonesia.

SNOWDON: Two years later his sentence was halved on appeal, but this week, the Supreme Court reinstated the original ten year gaol term with a vote of four to one.

Manuel Carrascalao's brother, Mario was the Governor of East Timor for a decade from 1982.

CARRASCALAO: My brother's house was attacked. They killed my nephew. I do also have an audio cassette where he encouraged the militias to kill Mario Carrascalao, myself and my brother.

SNOWDON: Indonesia's internationally scorned ad hoc tribunal has acquitted all police and military officers accused of responsibility for or involvement in the atrocities in East Timor.
Prosecutors in the Guterres case have reportedly vowed to have him arrested.

If Guterres serves gaol time he will be the only one of 18 who faced charges in Indonesia to do so.

East Timor's own Serious Crimes Unit has indicted hundreds of offenders but Jakarta has taken no action.

In addition a UN backed report in January accused Indonesia of massive violent crimes during its occupation of East Timor between 1975 and 1999.

Mario Carrascalao who doesn't believe justice has been fully served in the Guterres case, now works as Special Advisor to East Timor's President Xanana Gusmao who favours reconciliation with Indonesia.

CARRASCALAO: For me they make justice, because it was an illegal war, many people here suffer it and many people were being killed here and many people ran away but who was behind Eurico Gutteres. I believe it's from the armed forces and the police, they were behind that.

Because when they attacked my brother's house, and killed my nephew, many people saw that there was the military. It is good that the supreme court arranged a ten year sentence, because he deserve it.

SNOWDON: And do you think that the reinstatement by the supreme court of the ten year sentence is a sign that Indonesia has taken the issue a little more seriously since the publication of the United Nations report, perhaps?

CARRASCALAO: Yeah, that's a better Indonesia for sure.

SNOWDON: And personally for you Mr Carrascalao, are you reconciling with Indonesia and with the Timorese militia after this time? Are you feeling that reconciliation is possible?

CARRASCALAO: No, for me of course I agree with the reconciliation, because you cannot leave the force as the enemy, so we have to really reconciliate with each other, but we should not forget justice.

1 comentário:

Margarida disse...

Tradução:
Indonésia: antigo líder de milícia apanha dez anos de prisão
Radio Australia Março 15, 2006 -transcrição-

O Tribunal Supremo da Indonésia restabeleceu a sentença de dez anos de prisão do antigo líder da milícia Eurico Guterres por crimes contra a humanidade cometidos em Timor-Leste em 1999. A sentença original foi dada em 2002 pelo tribunal da Indonésia de direitos humanos mas foi reduzida a cinco anos por apelo e Guterres ainda não serviu nenhum tempo. Guterres liderou a famosa milícia Aitarak ou Espinho que aterrorizou os residentes de Dili antes do referendo pela independência organizado pela ONU.

Apresentador/Entrevistador: Karon Snowdon

Oradores: Mário Carrascalão, Conselheiro Especial do Presidente de Timor-Leste e Presidente do Partido Social Democrático.

SNOWDON: Num incidente ligado à milícia liderada por Eurico Guterres, em Abril 1999, pelo menos 12 pessoas morreram quando se abrigavam na casa de Manuel Carrascalão, entre esses mortos estava o filho adolescente de Carrascalão.

A milícia Timorense apoiada pela Indonésia intimidou activistas da independência antes do referendo e depois do proeminente voto pelo sim, vingaram-se, entrando numa fúria de mortes e destruições.

Na altura da primeira audiência em 2002 e mesmo antes da sua condenação, Eurico Guterres estava ainda a desafiar.

GUTERRES: Não aceitarei a decisão do juiz, mesmo por um dia, ou por uma hora. Porque o que fiz foi pela Indonésia.

SNOWDON: Dois anos mais tarde por apelo a sentença foi reduzida em metade, mas esta semana, o Tribunal Supremo reestabeleceu a pena original de dez anos num voto de quatro para um.

O irmão de Manuel Carrascalão, Mário foi o Governador de Timor-Leste durante uma décade desde 1982.

CARRASCALÃO: A casa do meu irmão foi atacada. Mataram o meu sobrinho. Tenho ainda a audio cassette onde ele encorajou os da milícia para matarem Mário Carrascalão, eu próprio e o meu irmão.

SNOWDON: O internacionalmente desdenhado tribunal ad hoc da Indonésia tem inocentado todos os oficiais da polícia e militares acusados de responsabilidade pelas ou de envolvimento nas atrocidades em Timor-Leste.
Procuradores no caso de Guterres têm jurado que o vão prender.

Se Guterres servir tempo na cadeia será o único de 18 que enfrentaram acusações na Indonésia a fazê-lo.

A própria Unidade de Crimes Sérios de Timor-Leste acusou centenas de criminosos mas Jacarta não tomou qualquer acção.

Em adição um relatório apoiado pela ONU em Janeiro acusou a Indonésia de crimes violentos de massa durante a sua ocupação de Timor-Leste entre 1975 e 1999.

Mário Carrascalão que não acredita que a justiça tenha sido totalmente servida com o caso de Guterres, agora trabalha como Conselheiro Especial para o Presidente de Timor-Leste Xanana Gusmão que favorece a reconciliação com a Indonésia.

CARRASCALÃO: Para mim fizeram justiça, porque essa foi uma guerra ilegal, muita gente sofreu aqui e muita gente foi morta aqui e muita gente fugiu mas quem é que estava por detrás de Eurico Guterres. Acredito que esses eram das forças armadas e da polícia, eram eles que estavam por detrás .

Porque quando eles atacaram a casa do meu irmão e mataram o meu sobrinho, muita gente viu que estavam lá os militares. É bom que o tribunal supremo tenha arranjado uma pena de dez anos, porque ele merece isso.

SNOWDON: E pensa que a re-integração pelo tribunal supremo da sentença de dez anos é um sinal que a Indonésia tomou a questão com um pouco mais de seriedade desde a publicação do relatório das Nações Unidas, talvez?

CARRASCALÃO: Yeah, isso é melhor para Indonésia de certeza.

SNOWDON: E pessoalmente para si Sr Carrascalão, reconciliou-se com a Indonésia e com a milícia Timorense depois deste tempo? Sente que é possível a reconciliação?

CARRASCALÃO: Não, para mim obviamente concordo com a reconciliação, porque não se pode deixar a força como o inimigo, por isso temos realmente de reconciliar uns com os outros, mas não devemos esquecer a justiça.

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.