sábado, março 29, 2008

NGO’s outline their plans for the future development of East Timor Feedback

Westender
- John Miller - http://www.etan.org/

Timorese and international NGOs working in Timor-Leste were allocated three places in the Development Partners Meeting which is taking place in Dili this week. They chose representatives from Concern, La'o Hamutuk and the NGO Forum



Statement by NGOs to Development Partners Meeting

The NGO community thanks the Ministry of Finance for this opportunity to participate, and we appreciate the support and interest from Timor-Leste’s Development Partners. Please excuse our omission of individual remarks of respect.

We would like to highlight two key priorities:

First, the people of Timor-Leste have suffered since 1999 as a result of displacement, fear, rumours and confusion. To help resolve this, our leaders need to be cautious and coordinated in public statements. We appeal to our leaders and their advisers and the national and international media to give clear and consistent messages to reduce public confusion.

Second, we appeal to all officials to respect our Constitution’s clear assignments of roles and responsibilities to different sovereign organs.

We would like to comment in more detail on four important sectors:

Justice

We recognise that some progress has been made regarding justice during the past two years, including increased prosecution of gender-based violence and the Council of Ministers’ recent approval of the Witness Protection Law. We urge Parliament to pass this law as quickly as possible.

We call for an end to the on-going cycle of impunity. Whilst we recognise that there has been some progress on cases from 2006, most cases remain unresolved. In the few trials which have been completed, not one convicted person is in a legally recognised prison facility.

We further recognise the progress on arson cases from 2007 but wish to highlight that there has been no prosecution of arson committed in 2006. We urge donors to recognise the negative effects of the cycle of impunity and to push for accountability for past crimes, including those committed during the Indonesian occupation.

In 2006, juveniles perpetrated many crimes, including serious crimes. There is no legal mechanism for dealing with these cases. We recommend that Government creates and that donors support a formal juvenile justice system, as well as an informal justice system of restorative justice for juvenile cases.

Many people observe that those who commit political crimes go free even though they were recommended for prosecution by independent commissions. Similarly, unclear dialogues pre-empt legal judicial processes contributing to the perception that talking about crimes has replaced holding perpetrators accountable.

Since 1999, Timor-Leste has experienced numerous national and international commissions, but very few of their recommendations have been implemented. Commissions cannot be a substitute for justice. We call upon the parliament to urgently debate the CAVR report and call upon the international community to help implement CAVR’s recommendations and the recommendations of previous commissions.

Transparency

Participation is critical to the development of democracy and, as members of civil society, we have a right and duty to be involved. We appreciate the commitment of the Government to a framework for transparency and accountability, but several challenges remain:

The consultation process during the development of legislation is poorly developed. For example, consultation is often very late, brief, and limited to one or two organisations. We recommend the early establishment of a clear, consistent and broad-based process for consultation on pending legislation.

The Constitution guarantees access to public information. In practice, however, access is very limited and public servants do not know which documents should be made available, often releasing them only to personal friends. The 2008 National Budget was not on the website until late February 2008, and then only in Portuguese and English. In addition, after legislation is approved, very few people are made aware of the implications.

We recommend that Parliament and the Council of Ministers publish a regular newsletter, in accessible languages, that includes decisions and pending agenda items, and explains new laws.

Civil society has been largely excluded from the current review of the National Development Plan and the preparation of the State of the Nation report. After nearly six years of self-government, this analysis must include perspectives from civil society and the grassroots. We are prepared to provide support to the sectoral analysis and request greater involvement in these processes and in developing the five-year strategic plan.

We welcome the Prime Minister’s and President’s commitments to strong mechanisms to prevent corruption. We recommend that the Office of the Provedor be provided with sufficient resources, and that alleged corruption be prosecuted promptly.

Development

Our Constitution promises decentralisation of government operations and decision-making, and the process is now underway in eight districts. We are committed to supporting decentralisation for the benefit of the poor. We recommend a single simple coordinated suco planning process where integrated priorities are identified and fed into ministerial action planning processes.

We further urge government departments to coordinate and plan together for district and suco development initiatives.

Some important laws will be adopted this year in relation to Suco Councils and Local Development. We request full public participation in the consultation and development of these laws, as we have direct experience of rural realities.

We acknowledge considerable progress in strengthening the National Food Security Policy Committee and appointing food security officers and extension staff to work in the districts. We recommend that at least half of the extension workers should be female, because of the unique role that women play in managing family resources.

When food production cannot meet Timor-Leste’s needs, we recommend assistance to local farmers to increase the quality and quantity of their production, improving longer-term food security and reducing dependence on imports.

In the National Food Security Policy Committee’s work with the National Disaster Management Directorate, we urge them to establish clear mechanisms to monitor district-level food security during 2008.

Fifteen thousand people enter the labour market every year, and the numbers are rising. In this country where severe unemployment endangers health, education and public security, job creation must be a priority. Whilst our private sector is small and lacks capacity, it must be nurtured, with engagement by all development partners. As the private sector develops, we urge the Government to create jobs through public works projects, but implemented by private sector partners. We believe that there should be targets for youth employment in this area.

International agencies in Timor-Leste spend the large majority of their available funding on foreign consultants and contractors, and to import supplies. We ask the Government to join our call on international partners to increase local spending, helping to stimulate job creation and build private sector capacity.

Security

Stable and permanent security cannot come from police, military or other armed forces alone. Until problems such as unemployment, poverty, alienation, trauma, inconsistent law enforcement, weak judicial system, unclear land rights, and people feeling excluded from the government are dealt with, no number of men with guns will make people feel secure.

Although we welcome improvements in security, we are concerned about extending the state of siege and creating a state of emergency. It is dangerous for curfews and limitations on freedom of assembly to become “normal,” especially when there’s no logical relationship between them and the hunt for the last few Reinado/Salsinha supporters.

Sometimes these mechanisms are implemented with heavy handed tactics and top-down instructions. Detailed guidance should be provided to everyone involved in enforcing the states of siege and emergency. We urge the government to demonstrate its commitment to human rights by dealing with abuses promptly and publicly, and not to prolong abridgements of civil liberties longer than absolutely necessary.

We welcome the Government’s National Recovery Strategy to address the continuing displacement of people across the nation. While this initiative tries to find sustainable ways for displaced people to return to communities, we urge the government to adopt a “whole of community” approach rather than an “IDP-centred” approach. Poverty in this country is endemic, and addressing IDP’s needs should not exacerbate community prejudices and socio-economic disparities.

In order to hasten development and resolve IDP displacement, we call upon the Government to give urgent attention to the issue of housing and land ownership for all Timorese citizens.

For people to feel safe, communities must be actively involved in establishing and maintaining security and stability for themselves. We recommend that appropriate community policing and training be used. To the UN, we recommend that the security sector reform review process consult the people of Timor-Leste regarding priorities for our police and military forces.

Once again, we ask Australia and New Zealand to place their ISF soldiers under UN command. Further, we encourage all actors in the security sector to coordinate so that their programmes are compatible and consistent.

Conclusion

In conclusion, we NGOs are proud to contribute to reducing poverty, increasing democracy and developing our nation. In this statement, we have outlined some factors we believe are essential achieving stable, equitable development in Timor-Leste.

Thank you for your attention and response.

Maria Angelina Sarmento, NGO Forum
Santina Soares, La’o Hamutuk
Clare Danby, Concern Worldwide

Tradução:

ONG’s descrevem os seus planos para o desenvolvimento futuro de Timor-Leste

Westender
- John Miller - www.etan.org

Foram alocados três lugares às ONG's Timorenses e internacionais a trabalharem em Timor-Leste no Encontro de Parceiros do Desenvolvimento que se está a realizar em Diliesta semana. Escolheram esses representantes da Concern, La'o Hamutuk e a NGO Forum


Declaração de ONG's ao Encontro dos Parceiros de Desenvolvimento

A comunidade das ONG's agradece ao Ministério das Finanças esta oportunidade para participar, e apreciamos o apoio e interesse dos Parceiros de Desenvolvimento de Timor-Leste. Por favor desculpem a nossa omissão de cumprimentos individuais.

Gostaríamos de fazer sobressair duas prioridades chave:

Primeira, o povo de Timor-Leste sofreu desde 1999 em resultada da deslocação, medo, rumores e confusão. Para ajudar a resolver isto, os nossos líderes precisam de ser cuidadosos e coordenados nas declarações públicas. Apelamos aos nossos líderes e aos seus conselheiros e aos media nacionais e internacionais para darem mensagens claras e consistentes para reduzir a confusão pública.

Segunda, apelamos a todas as entidades oficiais para respeitarem a separação clara dos papéis e responsabilidades dos diferentes órgãos de soberania conforme está estabelecido na Constituição.

Gostaríamos de comentar com mais detalhe em quatro sectores importantes:

Justiça

Reconhecemos que foram feitos alguns progressos em relação à justiça durante os dois últimos anos, incluindo a prossecução da violência com base no género e a recente aprovação pelo Conselho de Ministros da Lei de Protecção de Testemunhas. Urgimos o Parlamento para aprovar esta lei tão rapidamente quanto possível.

Apelamos ao fim do ciclo de impunidade em curso. Ao mesmo tempo que reconhecemos que houve alguns progressos nos casos de 2006, a maioria dos casos continua por resolver. Nos poucos julgamentos completados, nem uma das pessoas condenadas está numa instalação prisional legalmente reconhecida.

Reconhecemos ainda os progressos nos casos de fogo posto de 2007 mas queremos sublinhar que não houve nenhuma prossecução nos casos de fogo posto ocorridos em 2006. Urgimos os dadores a reconhecer os efeitos negativos do ciclo de impunidade e a pressionarem pela responsabilização de crimes do passado, incluindo os cometidos durante a ocupação Indonésia.

Em 2006, jovens perpetraram muitos crimes, incluindo crimes sérios. Não há nenhum mecanismo legal para lidar com estes casos. Recomendamos que o Governo crie e que os dadores apoiem um sistema formal de justiça juvenil bem como um sistema informal de justiça para justiça restauradora para os casos de jovens.

Muitos observam que os que cometem crimes políticos saem em liberdade mesmo apesar de terem sido recomendados para prossecução por comissões independentes. Similarmente, diálogos obscuros pre-emptam processos judiciais legais contribuindo para a percepção que falar acerca dos crimes tem substituído responsabilizar os perpetradores.

Desde 1999, Timor-Leste tem tido a experiência de numerosas comissões nacionais e internacionais, mas muito poucas das suas recomendações têm sido implementadas. As comissões não podem seu um substituto para a justiça. Apelamos ao parlamento para debater urgentemente o relatório da CVA e apelamos a toda a comunidade internacional para ajudar a implementar as recomendações da CAVR e as recomendações das anteriores comissões.

Transparência

A participação é importante para o desenvolvimento da democracia e como membros da sociedade civil, temos o direito e o dever de estarmos envolvidos. Apreciamos o compromisso do Governo duma moldura para transparência e responsabilização mas mantém-se vários desafios:

O processo de consulta durante o desenvolvimento da legislação está pobremente desenvolvido. Por exemplo, a consulta muitas vezes é tardia, breve e limitada a uma ou duas organizações. Recomendamos o estabelecimento em breve dum processo claro, consistente e de base alargada para consulta sobre a legislação pendente.

A Constituição garante o acesso à informação pública. Na prática, contudo, o acesso é muito limitado e os funcionários públicos não conhecem que documentos devem ser disponibilizados, emitindo-os muitas vezes apenas para os amigos pessoais. O Orçamento Nacional para 2008 apenas foi posto no website no final de Fevereiro de 2008, e então apenas em Português e Inglês. Em adição, depois da legislação ser aprovada, muito pouca gente é informada das implicações.

Recomendamos que o Parlamento e o Conselho de Ministros publicam um boletim de notícias regular, em linguagem acessível, que inclua decisões e itens de agenda pendentes, e explique as novas leis.

A sociedade civil stem sido largamente excluída da revisão corrente do Plano de Desenvolvimento Nacional e da preparação do relatório do Estado da Nação. Depois de quase seis anos de auto-governo, esta análise deve incluir perspectivas da sociedade civil e das bases. Estamos preparados para dar apoio a análises sectoriais e pedimos maior envolvimento nestes processos e no desenvolvimento do plano estratégico de cinco anos.

Damos as boas vindas aos compromissos do Primeiro-Ministro e do Presidente com mecanismos fortes para prevenir a corrupção. Recomendamos que o Gabinete do Provedor tenha os recursos suficientes e que a alegada corrupção seja prontamente processada.

Desenvolvimento

A nossa Constituição promete a descentralização das operações do governo e a tomada de decisões e o processo está agora em curso em oito distritos. Estamos comprometidos a apoiar a descentralização para benefício dos pobres. Recomendamos um único simples processo coordenado de planeamento de sucos onde estejam identificadas as prioridades integradas e incluídas nos processos de planeamento da acção ministerial.

Urgimos também os departamentos do governo a coordenarem e a planearem juntos para as iniciativas de desenvolvimento dos distritos e sucos.

Este ano serão adoptadas algumas leis importantes em relação aos Conselhos de Sucos e Desenvolvimento Local. Pedimos participação total pública na consulta e desenvolvimento destas leis, dado que temos experiência directa das realidades rurais.

Reconhecemos progresso considerável no reforço do Comité da Política Nacional de Segurança Alimentar e na nomeação de funcionários de segurança alimentar e no pessoal da extensão para trabalhar nos distritos. Recomendamos que pelo menos metade dos trabalhadores da extensão deve ser feminino, por causa do papel único que têm as mulheres na gestão dos recursos das famílias.

Quando a produção de alimentos não responde às necessidades de Timor-Leste, recomendamos a assistência aos agricultores locais para aumentar a qualidade e a quantidade das suas produções, melhorar a segurança alimentar a longo prazo e reduzir a dependência em importações.

No trabalho do Comité da Política Nacional de Segurança Alimentar com a Direcção Nacional da Gestão dos Desastres, urgimos que estabeleçam mecanismos claros para monitorizar a nível dos distritos a segurança alimentar durante 2008.

Quinze mil pessoas entram no mercado do trabalho todos os anos, e os números estão a subir. Neste país onde o desemprego severo põe em risco a saúde, educação e a segurança pública, deve ser uma prioridade a criação de empregos. Conquanto o nosso sector privado seja pequeno e com falta de capacidade, deve ser acarinhado com engajamentos por todos os parceiros do desenvolvimento. Enquanto o sector privado se desenvolve, urgimos o Governo a criar empregos através de projectos de obras públicas, mas implementados por parceiros do sector privado. Acreditamos que deve haver metas para emprego de jovens nesta área.

As agências internacionais em Timor-Leste gastam a larga maioria dos seus fundos disponíveis em consultores e contratados estrangeiros e a importar bens. Pedimos ao Governo para se juntar ao nosso apelo aos parceiros internacionais para aumentar os gastos locais, ajudando a estimular a criação de empregos e a construir a capacidade do sector privado.

Segurança

A segurança estável e permanente não pode vir apenas de polícias, militares ou outras forças armadas. Até problemas como desemprego, pobreza, alienação, traumatismos, aplicação inconsistente da lei, sistema judicial fraco, direitos de propriedade obscuros, e as pessoas sentirem-se excluídas do governo serem resolvidos, nenhum número de homens com armas fará as pessoas sentirem-se seguras.

Apesar de darmos as boas vindas às melhorias na segurança, estamos preocupados com o prolongamento do estado de sítio e com a criação do estado de emergência. É perigoso que recolheres obrigatórios e limitações à liberdade se tornem “normais,” especial quando não há nenhuma relação lógica entre eles e a perseguição do resto dos poucos apoiantes de Reinado/Salsinhas.

Às vezes esses mecanismos são implementados com tácticas de mão pesada e instruções de cima para baixo. Devem ser dadas orientações detalhadas para todos os envolvidos na aplicação do estado de sítio e emergência. Urgimos o governo a mostrar o seu compromisso com os direitos humanos lidando prontamente e publicamente com os abusos, e a não prolongar encurtamentos das liberdades civis mais tempo do que o absolutamente necessário.

Damos as boas vindas à Estratégia de Recuperação Nacional do Governo para responder à deslocação continuada das pessoas através da nação. Conquanto esta iniciativa tente encontrar caminhos sustentados para os deslocados regressarem às suas comunidades, urgimos o governo a adoptar uma abordagem de “toda a comunidade” em vez duma abordagem “centrada no deslocado”. A pobreza neste país é endémica, e responder às necessidades dos deslocados não deve exacerbar os preconceitos da comunidade e as disparidades sócio-económicas.

De modo a apressar o desenvolvimento e a resolver o deslocamento dos deslocados, apelamos o Governo a dar atenção urgente à questão do alojamento e à posse da terra para todos os cidadãos Timorenses.

Para as pessoas se sentirem seguras, as comunidades devem estar activamente envolvidas no estabelecimento e manutenção da segurança e na estabilidade para elas próprias. Recomendamos que seja usado policiamento e formação comunitário adequado. À ONU recomendamos que no processo de revisão da reforma do sector da segurança que consulte o povo de Timor-Leste sobre as prioridades para a nossa polícia e forças militares.

Mais uma vez, pedimos à Austrália e Nova Zelândia para colocar os seus soldados da ISF sob o comando da ONU. Mais, encorajamos todos os actores no sector da segurança a coordenarem de modo a que os seus programas sejam compatíveis e consistentes.

Conclusão

Em conclusão, nós ONGs estamos orgulhosas para contribuir para a redução da pobreza, aumentar a democracia e desenvolver a nação. Nesta declaração, sublinhámos alguns factores que acreditamos serem essenciais para alcançar o desenvolvimento estável e igualitário em Timor-Leste.

Obrigado pela vossa atenção e resposta.

Maria Angelina Sarmento, NGO Forum
Santina Soares, La’o Hamutuk
Clare Danby, Concern Worldwide

1 comentário:

Margarida disse...

Tradução:
ONG’s descrevem os seus planos para o desenvolvimento futuro de Timor-Leste Feedback
Westender
- John Miller - www.etan.org

Foram alocados três lugares às ONG's Timorenses e internacionais a trabalharem em Timor-Leste no Encontro de Parceiros do Desenvolvimento que se está a realizar em Diliesta semana. Escolheram esses representantes da Concern, La'o Hamutuk e a NGO Forum


Declaração de ONG's ao Encontro dos Parceiros de Desenvolvimento

A comunidade das ONG's agradece ao Ministério das Finanças esta oportunidade para participar, e apreciamos o apoio e interesse dos Parceiros de Desenvolvimento de Timor-Leste. Por favor desculpem a nossa omissão de cumprimentos individuais.

Gostaríamos de fazer sobressair duas prioridades chave:

Primeira, o povo de Timor-Leste sofreu desde 1999 em resultada da deslocação, medo, rumores e confusão. Para ajudar a resolver isto, os nossos líderes precisam de ser cuidadosos e coordenados nas declarações públicas. Apelamos aos nossos líderes e aos seus conselheiros e aos media nacionais e internacionais para darem mensagens claras e consistentes para reduzir a confusão pública.

Segunda, apelamos a todas as entidades oficiais para respeitarem a separação clara dos papéis e responsabilidades dos diferentes órgãos de soberania conforme está estabelecido na Constituição.

Gostaríamos de comentar com mais detalhe em quatro sectores importantes:

Justiça

Reconhecemos que foram feitos alguns progressos em relação à justiça durante os dois últimos anos, incluindo a prossecução da violência com base no género e a recente aprovação pelo Conselho de Ministros da Lei de Protecção de Testemunhas. Urgimos o Parlamento para aprovar esta lei tão rapidamente quanto possível.

Apelamos ao fim do ciclo de impunidade em curso. Ao mesmo tempo que reconhecemos que houve alguns progressos nos casos de 2006, a maioria dos casos continua por resolver. Nos poucos julgamentos completados, nem uma das pessoas condenadas está numa instalação prisional legalmente reconhecida.

Reconhecemos ainda os progressos nos casos de fogo posto de 2007 mas queremos sublinhar que não houve nenhuma prossecução nos casos de fogo posto ocorridos em 2006. Urgimos os dadores a reconhecer os efeitos negativos do ciclo de impunidade e a pressionarem pela responsabilização de crimes do passado, incluindo os cometidos durante a ocupação Indonésia.

Em 2006, jovens perpetraram muitos crimes, incluindo crimes sérios. Não há nenhum mecanismo legal para lidar com estes casos. Recomendamos que o Governo crie e que os dadores apoiem um sistema formal de justiça juvenil bem como um sistema informal de justiça para justiça restauradora para os casos de jovens.

Muitos observam que os que cometem crimes políticos saem em liberdade mesmo apesar de terem sido recomendados para prossecução por comissões independentes. Similarmente, diálogos obscuros pre-emptam processos judiciais legais contribuindo para a percepção que falar acerca dos crimes tem substituído responsabilizar os perpetradores.

Desde 1999, Timor-Leste tem tido a experiência de numerosas comissões nacionais e internacionais, mas muito poucas das suas recomendações têm sido implementadas. As comissões não podem seu um substituto para a justiça. Apelamos ao parlamento para debater urgentemente o relatório da CVA e apelamos a toda a comunidade internacional para ajudar a implementar as recomendações da CAVR e as recomendações das anteriores comissões.

Transparência

A participação é importante para o desenvolvimento da democracia e como membros da sociedade civil, temos o direito e o dever de estarmos envolvidos. Apreciamos o compromisso do Governo duma moldura para transparência e responsabilização mas mantém-se vários desafios:

O processo de consulta durante o desenvolvimento da legislação está pobremente desenvolvido. Por exemplo, a consulta muitas vezes é tardia, breve e limitada a uma ou duas organizações. Recomendamos o estabelecimento em breve dum processo claro, consistente e de base alargada para consulta sobre a legislação pendente.

A Constituição garante o acesso à informação pública. Na prática, contudo, o acesso é muito limitado e os funcionários públicos não conhecem que documentos devem ser disponibilizados, emitindo-os muitas vezes apenas para os amigos pessoais. O Orçamento Nacional para 2008 apenas foi posto no website no final de Fevereiro de 2008, e então apenas em Português e Inglês. Em adição, depois da legislação ser aprovada, muito pouca gente é informada das implicações.

Recomendamos que o Parlamento e o Conselho de Ministros publicam um boletim de notícias regular, em linguagem acessível, que inclua decisões e itens de agenda pendentes, e explique as novas leis.

A sociedade civil stem sido largamente excluída da revisão corrente do Plano de Desenvolvimento Nacional e da preparação do relatório do Estado da Nação. Depois de quase seis anos de auto-governo, esta análise deve incluir perspectivas da sociedade civil e das bases. Estamos preparados para dar apoio a análises sectoriais e pedimos maior envolvimento nestes processos e no desenvolvimento do plano estratégico de cinco anos.

Damos as boas vindas aos compromissos do Primeiro-Ministro e do Presidente com mecanismos fortes para prevenir a corrupção. Recomendamos que o Gabinete do Provedor tenha os recursos suficientes e que a alegada corrupção seja prontamente processada.

Desenvolvimento

A nossa Constituição promete a descentralização das operações do governo e a tomada de decisões e o processo está agora em curso em oito distritos. Estamos comprometidos a apoiar a descentralização para benefício dos pobres. Recomendamos um único simples processo coordenado de planeamento de sucos onde estejam identificadas as prioridades integradas e incluídas nos processos de planeamento da acção ministerial.

Urgimos também os departamentos do governo a coordenarem e a planearem juntos para as iniciativas de desenvolvimento dos distritos e sucos.

Este ano serão adoptadas algumas leis importantes em relação aos Conselhos de Sucos e Desenvolvimento Local. Pedimos participação total pública na consulta e desenvolvimento destas leis, dado que temos experiência directa das realidades rurais.

Reconhecemos progresso considerável no reforço do Comité da Política Nacional de Segurança Alimentar e na nomeação de funcionários de segurança alimentar e no pessoal da extensão para trabalhar nos distritos. Recomendamos que pelo menos metade dos trabalhadores da extensão deve ser feminino, por causa do papel único que têm as mulheres na gestão dos recursos das famílias.

Quando a produção de alimentos não responde às necessidades de Timor-Leste, recomendamos a assistência aos agricultores locais para aumentar a qualidade e a quantidade das suas produções, melhorar a segurança alimentar a longo prazo e reduzir a dependência em importações.

No trabalho do Comité da Política Nacional de Segurança Alimentar com a Direcção Nacional da Gestão dos Desastres, urgimos que estabeleçam mecanismos claros para monitorizar a nível dos distritos a segurança alimentar durante 2008.

Quinze mil pessoas entram no mercado do trabalho todos os anos, e os números estão a subir. Neste país onde o desemprego severo põe em risco a saúde, educação e a segurança pública, deve ser uma prioridade a criação de empregos. Conquanto o nosso sector privado seja pequeno e com falta de capacidade, deve ser acarinhado com engajamentos por todos os parceiros do desenvolvimento. Enquanto o sector privado se desenvolve, urgimos o Governo a criar empregos através de projectos de obras públicas, mas implementados por parceiros do sector privado. Acreditamos que deve haver metas para emprego de jovens nesta área.

As agências internacionais em Timor-Leste gastam a larga maioria dos seus fundos disponíveis em consultores e contratados estrangeiros e a importar bens. Pedimos ao Governo para se juntar ao nosso apelo aos parceiros internacionais para aumentar os gastos locais, ajudando a estimular a criação de empregos e a construir a capacidade do sector privado.

Segurança

A segurança estável e permanente não pode vir apenas de polícias, militares ou outras forças armadas. Até problemas como desemprego, pobreza, alienação, traumatismos, aplicação inconsistente da lei, sistema judicial fraco, direitos de propriedade obscuros, e as pessoas sentirem-se excluídas do governo serem resolvidos, nenhum número de homens com armas fará as pessoas sentirem-se seguras.

Apesar de darmos as boas vindas às melhorias na segurança, estamos preocupados com o prolongamento do estado de sítio e com a criação do estado de emergência. É perigoso que recolheres obrigatórios e limitações à liberdade se tornem “normais,” especial quando não há nenhuma relação lógica entre eles e a perseguição do resto dos poucos apoiantes de Reinado/Salsinhas.

Às vezes esses mecanismos são implementados com tácticas de mão pesada e instruções de cima para baixo. Devem ser dadas orientações detalhadas para todos os envolvidos na aplicação do estado de sítio e emergência. Urgimos o governo a mostrar o seu compromisso com os direitos humanos lidando prontamente e publicamente com os abusos, e a não prolongar encurtamentos das liberdades civis mais tempo do que o absolutamente necessário.

Damos as boas vindas à Estratégia de Recuperação Nacional do Governo para responder à deslocação continuada das pessoas através da nação. Conquanto esta iniciativa tente encontrar caminhos sustentados para os deslocados regressarem às suas comunidades, urgimos o governo a adoptar uma abordagem de “toda a comunidade” em vez duma abordagem “centrada no deslocado”. A pobreza neste país é endémica, e responder às necessidades dos deslocados não deve exacerbar os preconceitos da comunidade e as disparidades sócio-económicas.

De modo a apressar o desenvolvimento e a resolver o deslocamento dos deslocados, apelamos o Governo a dar atenção urgente à questão do alojamento e à posse da terra para todos os cidadãos Timorenses.

Para as pessoas se sentirem seguras, as comunidades devem estar activamente envolvidas no estabelecimento e manutenção da segurança e na estabilidade para elas próprias. Recomendamos que seja usado policiamento e formação comunitário adequado. À ONU recomendamos que no processo de revisão da reforma do sector da segurança que consulte o povo de Timor-Leste sobre as prioridades para a nossa polícia e forças militares.

Mais uma vez, pedimos à Austrália e Nova Zelândia para colocar os seus soldados da ISF sob o comando da ONU. Mais, encorajamos todos os actores no sector da segurança a coordenarem de modo a que os seus programas sejam compatíveis e consistentes.

Conclusão

Em conclusão, nós ONGs estamos orgulhosas para contribuir para a redução da pobreza, aumentar a democracia e desenvolver a nação. Nesta declaração, sublinhámos alguns factores que acreditamos serem essenciais para alcançar o desenvolvimento estável e igualitário em Timor-Leste.

Obrigado pela vossa atenção e resposta.

Maria Angelina Sarmento, NGO Forum
Santina Soares, La’o Hamutuk
Clare Danby, Concern Worldwide

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.