segunda-feira, janeiro 14, 2008

Xanana: “I don’t want to have a war of words.”

Jornal Diario Nacional, Dili, 11 January 2008

On Being The Author of the 2006 Crisis


Prime Minister (PM) Kay Rala Xanana Gusmao said that he did not want a war of words regarding the Alfredo Reinado CD currently being disseminated throughout the community, which accuses him of being the author of the 2006 crisis and has lead to FRETILIN demands, because these things have legal implications.

Xanana made these statements to journalists at the Presidential Palace in Caicoli, Dili on Thursday (10/1) after the weekly meeting with the President of the Republic, when he was questioned by journalists about the CD.

“I have read the statement and communiqué by FRETILIN regarding this CD, but I do not want to respond to this issue because there are legal implications and I do not want to engage in a war of words. Let whoever wants to scream about it scream,” said Xanana Gusmao.

The former head of state highlighted that he did not want to give any notice to the CD and the statements by FRETILIN, not because he was scared that he had engaged in any wrong doing but sees the issue as irrelevant.

“I am not giving any attention not because I am scared I have done anything wrong, but I am not paying any attention because I see it as very irrelevant. If someone falls over there but is not hurt, what would I be doing going over to embrace him?” pointed out Xanana.

The former resistance leader further declared that had already seen the CD that is currently being disseminated, as have other people, but he does not want to judge himself, but the people will decide.

“I can say to you (journalists) that I have received the CD, I have seen it, and perhaps all of you have also seen it already. I do not want to judge myself. You see for yourselves. Let it be; I will not speak about the CD because I have no knowledge of it, I have only heard about it because people have spoken to me saying let it be. Sometimes I pass by some place and people might scream out insults at me, but they do not have the CD,” said the Head of Government.

Responding to questions from journalists as to whether the government will continue with its commitment to hold dialog with Alfredo Reinado and the petitioners, Xanana Gusmao said that they would still be making contacts to resolve the issue through dialog to show the government’s commitment to solve the problem through dialog.

“We will continue with contacts to resolve the problem with dialog, as will the President of the Republic will continue also. I already said to you that I went to Aileu having heard before going there that people would not be going, but I went anyway to show the government’s commitment. On 21 December, I came to the Presidential Palace. Before coming here I also already knew that he would not be coming but I came just the same,” said Xanana Gusmao.

NOT AFFECTED

On the same occasion when asked about the declaration by the Movement for National Unity and Justice (MUNJ) of their withdrawal from the government Task Force established to solve the case of the petitioners and Alfredo Reinado because they considered the statements made by the Secretary of State for Security that Alfredo and the petitioners are n o longer military but civilians and that such statements are contrary to the Task Force’s terms of reference, Xanana Gusmao replied that MUNJ’s withdrawal will not affect the dialog that the government is committed to undertaking in seeking to resolve the case of Alfredo and the petitioners.

“MUNJ’s withdrawal from the Task Force will not affect the dialog process established by the government through the task force,” said Xanana.

1 comentário:

Margarida disse...

Tradução:
Xanana: “Não quero entrar numa guerra de palavras.”
Jornal Diario Nacional, Dili, 11 Janeiro 2008

Sobre ser o autor da crise de 2006


O Primeiro-Ministro (PM) Kay Rala Xanana Gusmão disse que não quer entrar numa guerra de palavras a propósito do CD do Alfredo Reinado que correntemente anda a ser disseminado através das comunidades, onde o acusa de ser o autor da crise de 2006 e tem levado a pedidos da FRETILIN, porque estas coisas não têm implicações legais.

Xanana fez estas declarações a jornalistas no Palácio Presidencial em Caicoli, Dili na Quinta-feira (10/1)depois da reunião semanal com o Presidente da República, quando foi questionado pelos jornalistas sobre o CD.

“Li a declaração e comunicado da FRETILIN relativo a este CD, mas não quero responder a esta questão porque há implicações legais e não me quero engajar numa guerra de palavras. Deixem gritar quer quiser gritar acerca disso,” disse Xanana Gusmão.

O antigo chefe do Estado sublinhou que não quis fazer qualquer comentário sobre o CD e às afirmações da FRETILIN, não porque tenha medo que se tenha engajado em algo de errado mas porque a questão como a vê é irrelevante.

“Não presto atenção não porque tenha medo de ter feito algo errado, mas não presto atenção porque vejo isso como muito irrelevante. Se alguém ali cair mas não ficou ferido, o que faria é ir lá e abraçá-lo?” anotou Xanana.

O antigo líder da resistência mais declarou que já viu o CD que correntemente está a ser disseminado, como outras pessoas viram, mas não se quer julgar a si próprio e o povo decidirá.

“Posso dizer-lhes a vocês (jornalistas) que recebi o CD, que o vi, e talvez todos vós já o tenham visto. Não me quero julgar a mim próprio. Vocês que decidam. Que assim seja; não falarei sobre o CD porque nada disso sei, apenas ouvi falar disso porque as pessoas falaram comigo e disseram-me que deixasse as coisas assim. Às vezes passo nalguns lugares e as pessoas podem gritar e insultar-me, mas não têm o CD,” disse o Chefe do Governo.

Respondendo a perguntas dos jornalistas sobre se o governo continuará com os seus compromissos para fazer diálogo com Alfredo Reinado e os peticionários, Xanana Gusmão disse que farão ainda contactos para resolver a questão através do diálogo para mostrar o compromisso do governo para resolver o problema através do diálogo.

“Continuaremos com contactos para resolver o problema com diálogo, bem como continuará o Presidente da República também. Já vos disse que fui a Aileu tendo antes ouvido dizer que as pessoas não iam lá, mas de qualquer modo eu fui para mostrar o compromisso do governo. Em 21 Dezembro, vim ao Palácio Presidencial. Antes de vir cá já sabia que ele não viria mas vim na mesma,” disse Xanana Gusmão.

NÃO AFECTADO

Na mesma ocasião quando lhe perguntaram acerca da declaração do Movimento para a Unidade Nacional e Justiça (MUNJ) sobre a saída do Grupo de Trabalho que o governo estabeleceu para resolver o caso dos peticionários e Alfredo Reinado porque consideraram as declarações do Secretário de Estado que Alfredo e os peticionários já não são militares mas civis e que tais declarações são contrárias aos termos de referência do Grupo de Trabalho, Xanana Gusmão respondeu que a saída do MUNJ não afectará o diálogo que o governo está comprometido a assumir para tentar resolver o caso de Alfredo e dos peticionários.

“A saída do MUNJ do Grupo de Trabalho não afectará o processo de diálogo estabelecido pelo governo através do grupo de trabalho,” disse Xanana.

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.