sábado, novembro 03, 2007

Reply to the Tempo Semanal survey

ETAN - 01 Nov 2007

Dear John,

Please post my reply to the Tempo Semanal survey to the East Timor list.
Many thanks,

David

RE: Timor Telecom survey conducted by Tempo Semanal

This survey is deceitful and in no way aimed at getting a "public opinion". Quite to the contrary, it seems to me that this survey aims to damage Timor Telecom unfairly by presenting a "survey" with questions framed in a way so as to lead participants to an obvious and predictable answer. Perhaps the answer that Tempo Semanal wants?

It's as if asking someone if he or she would like to be whacked on the head with a baseball bat.

Of course if I were presented with the questions in this survey my answer would be obvious. If opening up the telecommunication market to competitors means bringing better services and cheaper prices.I would be out of my mind if I were to reject this proposition.

What kind of a survey is this? This is clearly a campaign to damage TT's hold on Timor-Leste's communication sector. Not that there is anything wrong with this type of campaign because, as a costumer of Timor Telecom, I do think that TT needs to improve its services and bring prices down.

But for a news agency to run this type of campaign is disappointing and plainly disgraceful. It's not good journalism. I would not participate in this type of survey and I would discourage anyone else to do the same.

Even more worrying is the fact that TT has been coming under a lot of political attack very recently from key figures in the political establishment.

The president of Timor-Leste, Dr. Ramos-Horta, a Noble Laureate with ambitions to become the next UN Secretary General, recently used TT as a scapegoat in a bid to deflect attention from a scandal involving his close allies, the general prosecutor, Dr. Longuinhos Monteiro and Hermenegildo "Agio" Pereira, now a secretary of state.

A leaked recording of a phone conversation revealed that the general prosecutor and Pereira, then chief of staff to former president Jose Alexandre Gusmao, were conspiring with a suspect, Leandro Isaac, recommended for criminal investigation by a team of international investigators related to last year's violence.

When the taped conversation was exposed to the public, ironically by this same weekly paper, Dr. Ramos-Horta quickly accused TT of illegally bugging a personal conversation, never mind the fact that the conversation involved the prosecutor general, a state official and a criminal suspect.

Dr. Ramos-Horta presented no evidence whatsoever to back up his accusations. But the intention was there, to shift attention away from a revelation which will force him to remove his ally, Longuinhos Monteiro, and could possibly implicate his own integrity.

In a democratic country which Dr. Ramos-Horta claims to model himself on, such actions would have resulted in serious consequences and warranted criminal investigations against everyone involved.

The fact is the world knows that Dr. Loguinhos Monteiro is close ally of President Ramos-Horta, who at the start of his tenure as president backed the former's reappointment as prosecutor general by his predecessor, Jose Alexandre Gusmao. It is widely suspected that they are part of a group which allegedly engineered the fall of Mari Alkatiri, the democratically elected Fretilin prime minister, in 2006. This leaked recording will definitely lend credibility to the suspitions.

The taped conversation also implicated the now prime minister (dimmed illegal and unconstitutional by many), Jose Alexandre Gusmao, another close ally whom President Ramos-Horta helped to install as prime minister.

No wonder President Ramos-Horta is so quick to draw attention away from this damaging revelation and accuse TT. Is Tempo Semanal helping Dr. Ramos-Horta and his allies to bury the truth? Maybe Tempo Semanal should survey its readers whether the prosecutor general should be sacked and the president impeached?

Whereas for this constant attack against TT, I for one am skeptical about this answer to the telecommunication problem in Timor-Leste.

The idea that opening up the market for more competitors to come in would solve this problem overnight is simply simplistic, unrealistic and without much thought put in. And for a news agency to run this kind of line is clearly doing a good deal of disservice to a community it was supposedly set up to serve.

I would first consider the fact that Timor-Leste has a small market in the telecommunications world. Already the slice of the market is so small that no company can run a successful business without charging its customers with outrageous prices.

If more competitors were to come in to grab a share of the market, how big a profit will they get? If each one has a small share of the market and they don't make enough profit, one of these things will happen: either they reduce the services to keep the profit up, they just charge the costumers more, or a combination of both.

More competitors means smaller slice of the market which means a smaller slice of the profit. I don't think any company can take such risk. At the end of the day, it is the consumers who will bear all the burden anyway.

Then again, as far as I know, the deal that TT struck with the government means that at the end of the contract, TT will become a state owned company.

I see only benefits in the state owning such telecommunications infrastructure and service. Whereas the private sector prioritises profit, the state prioritises services. Under the state's ownership, the services can be aimed at serving the people's needs and not about making profit for individuals.

But for sure TT needs to improve its services. Although I am not an IT expert, I am sure that TT can spend some resources to update the telecommunications infrastructure.

The fact that we still have problems with phone calls and have an internet service lagging 20 years behind is just not good enough. There is widespread discontent with TT and this is a good wakeup call for TT to get its act together.

As for the new government, legitimate or not, it needs to put its share in as well. If the government feels that telecommunication is a vital sector and needs to be improved and the prices are too high, it should help this sector, perhaps by subsidizing it and help bring the prices down.

The government is already financing religious institutions (another business institution) to help them bring services to the people anyway, like making catholic school fees cheaper. So why not also help the telecommunications sector? At the end of the day, at the end of the contract, TT will become a state owned company anyway.

Timor Telecom needs to improve its services, but this survey is not the way to do it. For this latest attack against TT, I smell a rat!

TRADUÇÃO:

RE: Sondagem à Timor Telecom feita peloTempo Semanal

Esta pesquisa é enganadora e não visa de maneira alguma obter a "opinião do público". Antes pelo contrário, parece-me que esta sondagem visa prejudicar injustamente a Timor Telecom ao apresentar uma "sondagem" com perguntas formuladas de modo a levar os participantes a respostas obvias e previsíveis. Talvez às respostas que o Tempo Semanal quer?

É como perguntar às pessoas se gostariam que lhes batessem ca cabeça com um taco de baseball.

Obviamente se me apresentassem as perguntas desta sondagem a minha resposta seria óbvia. Se abrir o mercado das telecomunicações a competidores significar melhores serviços e preços mais baratos, seria doido se rejeitasse essa proposta.

Que tipo de sondagem é esta? Isto é claramente uma campanha para prejudicar o papel da TT no sector das comunicações de Timor-Leste. Não que haja algo de errado com este tipo de campanha porque, como cliente da Timor Telecom, penso que a TT precisa de melhorar os seus serviços e baixar os preços.

Mas uma agência noticiosa fazer este tipo de campanha é decepcionante e simplesmente desgraçado. Isto não é bom jornalismo. Não participarei neste tipo de sondagem e desencorajarei qualquer pessoa para fazer o mesmo.

Ainda mais preocupante é o facto de a TT ter vindo a estar sob grande ataque político muito recentemente de figuras chave das instituições políticas.

O presidente de Timor-Leste, Dr. Ramos-Horta, um laureado do Nobel com ambições de ser o próximo Secretário-Geral da ONU, usou recentemente a TT como bode expiatório numa tentativa de desviar atenções dum escândalo envolvendo os seus aliados próximos, o procurador-geral, Dr. Longuinhos Monteiro e Hermenegildo "Agio" Pereira, agora um secretário de Estado.

Uma fuga para a imprensa duma conversação telefónica gravada revelou que o procurador-geral e Pereira, então chefe de gabinete do antigo presidente José Alexandre Gusmão, estiveram a conspirar com um suspeito, Leandro Isaac, recomendado para investigação criminal por uma equipa de investigadores internacionais relacionados com a violência do ano passado.

Quando foi exposta à população a gravação da conversa, ironicamente por este mesmo semanário, o Dr. Ramos-Horta acusou rapidamente a TT de escuta ilegal duma conversa pessoal, sem mencionar o facto da conversa envolver o procurador-geral, um funcionário do Estado e um suspeito de crimes.

O Dr. Ramos-Horta não apresentou qualquer evidência de suporte das suas acusações. Mas a intenção estava lá, para mudar a atenção duma revelação que o forçará a remover o seu aliado, Longuinhos Monteiro, e que pode possivelmente implicar a sua própria integridade.

Num país democrático que o Dr. Ramos-Horta clama querer ele próprio modelar, de tais acções teriam resultado consequências sérias e justificariam investigações criminosas contra todas as pessoas envolvidas.

O facto é que o mundo sabe que o Dr. Loguinhos Monteiro é um aliado próximo do Presidente Ramos-Horta, que no começo do seu mandato de presidente apoiou a re-nomeação do último como procurador-geral pelo seu predecessor, José Alexandre Gusmão. È uma suspeição espalhada que fazem parte dum grupo que alegadamente organizou a queda de Mari Alkatiri, o primeiro-ministro de Fretilin eleito democraticamente em 2006. Esta gravação deixada passar para o público traz definitivamente credibilidade às suspeições.

A conversa gravada implicou o agora primeiro-ministro (tido por muitos como ilegal e inconstitucional), José Alexandre Gusmão, um outro aliado próximo que o Presidente Ramos-Horta ajudou a instalar como primeiro-ministro.

Não admira que o Presidente Ramos-Horta seja tão rápido a desviar a atenção desta revelação devastadora e a acusar a TT. Está o Tempo Semanal a ajudar o Dr. Ramos-Horta e os seus aliados a enterrar a verdade? Talvez o Tempo Semanal deva sondar os seus leitores sobre se o procurador-geral deva ser despedido e o presidente impedido?

Quanto a este ataque constante contra a TT, desta vez sou céptico acerca desta resposta ao problema das telecomunicações em Timor-Leste.

A ideia que abrir o mercado para virem mais competidores resolve este problema do dia para a noite é simplesmente simplista, irrealista e sem muita substância. E uma agência noticiosa perseguir esta linha está claramente a prestar um mau serviço à comunidade que supostamente devia servir.

Considero primeiro o facto de Timor-Leste ter um mercado pequeno no mundo das telecomunicações. Nesta altura a fatia de mercado é tão pequena que nenhuma companhia pode fazer negócio com sucesso sem debitar aos seus clientes preços elevadíssimos.

Se estiverem para vir mais competidores para agarrarem uma parte do mercado, que lucro obterão? Se cada um tiver uma pequena parte do mercado e não tiverem suficientes lucros, acontecerá uma destas coisas: ou reduzirão os serviços para manterem os lucros, debitarão mais aos clientes, ou uma combinação de ambas.

Mais competidores significam fatias mais pequenas do mercado o que significa fatias mais pequenas de lucros. Não penso que alguma companhia possa assumir tal risco. No fim de contas, será o cliente a suportar todo o peso, de qualquer modo.

E depois, tanto quanto sei, o acordo que a TT fez com o governo significa que no fim do contracto, a TT se tornará uma companhia da propriedade do Estado.

Só vejo benefícios em que o Estado detenha tara serviços e infraestruturas de telecomunicações. Enquanto o sector privado dá prioridade ao lucro, o Estado dá prioridade aos serviços. Sob propriedade do Estado, os serviços podem visar servir as necessidades do povo e não fazer lucro para indivíduos.

Mas de certeza a TT precisa de melhorar os seus serviços. Apesar de não ser um perito de TI, tenho a certeza de que a TT pode gastar alguns recursos a actualizar as infraestruturas das telecomunicações.

O facto de ainda termos problemas com chamadas telefónicas e de termos um serviço de internet atrasado 20 anos não é bom. Há descontentamento espalhado com a TT e esta é uma boa chamada para a TT acordar e para actuar.

Quanto ao novo governo, legítimo ou não, precisa de desenvolver a sua parte também. Se o governo sente que as telecomunicações são um sector vital que precisa de melhorias e que os preços são demasiadamente altos, deve ajudar este sector, talvez subsidiando-o e ajudando-o a baixar os preços.

O governo está já a financiar instituições religiosas (uma outra instituição de negócios) para ajudá-las a desempenhar serviços para as pessoas, de qualquer modo, como tornar mais baratas as propinas escolares. Porque não ajudar então o sector das telecomunicações? No fim de contas, no fim do contracto, a TT de qualquer maneira é uma companhia da propriedade do Estado.

A Timor Telecom precisa de melhorar os seus serviços, mas esta sondagem não é o modo para o fazer. Cheiro uma ratoeira, com este último ataque contra a TT!

4 comentários:

Margarida disse...

Tradução:
RE: Sondagem à Timor Telecom feita peloTempo Semanal

Esta pesquisa é enganadora e não visa de maneira alguma obter a "opinião do público". Antes pelo contrário, parece-me que esta sondagem visa prejudicar injustamente a Timor Telecom ao apresentar uma "sondagem" com perguntas formuladas de modo a levar os participantes a respostas obvias e previsíveis. Talvez às respostas que o Tempo Semanal quer?

É como perguntar às pessoas se gostariam que lhes batessem ca cabeça com um taco de baseball.

Obviamente se me apresentassem as perguntas desta sondagem a minha resposta seria óbvia. Se abrir o mercado das telecomunicações a competidores significar melhores serviços e preços mais baratos, seria doido se rejeitasse essa proposta.

Que tipo de sondagem é esta? Isto é claramente uma campanha para prejudicar o papel da TT no sector das comunicações de Timor-Leste. Não que haja algo de errado com este tipo de campanha porque, como cliente da Timor Telecom, penso que a TT precisa de melhorar os seus serviços e baixar os preços.

Mas uma agência noticiosa fazer este tipo de campanha é decepcionante e simplesmente desgraçado. Isto não é bom jornalismo. Não participarei neste tipo de sondagem e desencorajarei qualquer pessoa para fazer o mesmo.

Ainda mais preocupante é o facto de a TT ter vindo a estar sob grande ataque político muito recentemente de figuras chave das instituições políticas.

O presidente de Timor-Leste, Dr. Ramos-Horta, um laureado do Nobel com ambições de ser o próximo Secretário-Geral da ONU, usou recentemente a TT como bode expiatório numa tentativa de desviar atenções dum escândalo envolvendo os seus aliados próximos, o procurador-geral, Dr. Longuinhos Monteiro e Hermenegildo "Agio" Pereira, agora um secretário de Estado.

Uma fuga para a imprensa duma conversação telefónica gravada revelou que o procurador-geral e Pereira, então chefe de gabinete do antigo presidente José Alexandre Gusmão, estiveram a conspirar com um suspeito, Leandro Isaac, recomendado para investigação criminal por uma equipa de investigadores internacionais relacionados com a violência do ano passado.

Quando foi exposta à população a gravação da conversa, ironicamente por este mesmo semanário, o Dr. Ramos-Horta acusou rapidamente a TT de escuta ilegal duma conversa pessoal, sem mencionar o facto da conversa envolver o procurador-geral, um funcionário do Estado e um suspeito de crimes.

O Dr. Ramos-Horta não apresentou qualquer evidência de suporte das suas acusações. Mas a intenção estava lá, para mudar a atenção duma revelação que o forçará a remover o seu aliado, Longuinhos Monteiro, e que pode possivelmente implicar a sua própria integridade.

Num país democrático que o Dr. Ramos-Horta clama querer ele próprio modelar, de tais acções teriam resultado consequências sérias e justificariam investigações criminosas contra todas as pessoas envolvidas.

O facto é que o mundo sabe que o Dr. Loguinhos Monteiro é um aliado próximo do Presidente Ramos-Horta, que no começo do seu mandato de presidente apoiou a re-nomeação do último como procurador-geral pelo seu predecessor, José Alexandre Gusmão. È uma suspeição espalhada que fazem parte dum grupo que alegadamente organizou a queda de Mari Alkatiri, o primeiro-ministro de Fretilin eleito democraticamente em 2006. Esta gravação deixada passar para o público traz definitivamente credibilidade às suspeições.

A conversa gravada implicou o agora primeiro-ministro (tido por muitos como ilegal e inconstitucional), José Alexandre Gusmão, um outro aliado próximo que o Presidente Ramos-Horta ajudou a instalar como primeiro-ministro.

Não admira que o Presidente Ramos-Horta seja tão rápido a desviar a atenção desta revelação devastadora e a acusar a TT. Está o Tempo Semanal a ajudar o Dr. Ramos-Horta e os seus aliados a enterrar a verdade? Talvez o Tempo Semanal deva sondar os seus leitores sobre se o procurador-geral deva ser despedido e o presidente impedido?

Quanto a este ataque constante contra a TT, desta vez sou céptico acerca desta resposta ao problema das telecomunicações em Timor-Leste.

A ideia que abrir o mercado para virem mais competidores resolve este problema do dia para a noite é simplesmente simplista, irrealista e sem muita substância. E uma agência noticiosa perseguir esta linha está claramente a prestar um mau serviço à comunidade que supostamente devia servir.

Considero primeiro o facto de Timor-Leste ter um mercado pequeno no mundo das telecomunicações. Nesta altura a fatia de mercado é tão pequena que nenhuma companhia pode fazer negócio com sucesso sem debitar aos seus clientes preços elevadíssimos.

Se estiverem para vir mais competidores para agarrarem uma parte do mercado, que lucro obterão? Se cada um tiver uma pequena parte do mercado e não tiverem suficientes lucros, acontecerá uma destas coisas: ou reduzirão os serviços para manterem os lucros, debitarão mais aos clientes, ou uma combinação de ambas.

Mais competidores significam fatias mais pequenas do mercado o que significa fatias mais pequenas de lucros. Não penso que alguma companhia possa assumir tal risco. No fim de contas, será o cliente a suportar todo o peso, de qualquer modo.

E depois, tanto quanto sei, o acordo que a TT fez com o governo significa que no fim do contracto, a TT se tornará uma companhia da propriedade do Estado.

Só vejo benefícios em que o Estado detenha tara serviços e infraestruturas de telecomunicações. Enquanto o sector privado dá prioridade ao lucro, o Estado dá prioridade aos serviços. Sob propriedade do Estado, os serviços podem visar servir as necessidades do povo e não fazer lucro para indivíduos.

Mas de certeza a TT precisa de melhorar os seus serviços. Apesar de não ser um perito de TI, tenho a certeza de que a TT pode gastar alguns recursos a actualizar as infraestruturas das telecomunicações.

O facto de ainda termos problemas com chamadas telefónicas e de termos um serviço de internet atrasado 20 anos não é bom. Há descontentamento espalhado com a TT e esta é uma boa chamada para a TT acordar e para actuar.

Quanto ao novo governo, legítimo ou não, precisa de desenvolver a sua parte também. Se o governo sente que as telecomunicações são um sector vital que precisa de melhorias e que os preços são demasiadamente altos, deve ajudar este sector, talvez subsidiando-o e ajudando-o a baixar os preços.

O governo está já a financiar instituições religiosas (uma outra instituição de negócios) para ajudá-las a desempenhar serviços para as pessoas, de qualquer modo, como tornar mais baratas as propinas escolares. Porque não ajudar então o sector das telecomunicações? No fim de contas, no fim do contracto, a TT de qualquer maneira é uma companhia da propriedade do Estado.

A Timor Telecom precisa de melhorar os seus serviços, mas esta sondagem não é o modo para o fazer. Cheiro uma ratoeira, com este último ataque contra a TT!

Margarida disse...

Tradução:
Resposta à sondagem do Tempo Semanal
ETAN - 01 Nov 2007

Caro John,

Por favor entregue a minha resposta à sondagem do Tempo Semanal na lista de Timor -Leste.
Muito obrigado,

David

Anónimo disse...

Here is a rat if there ever was one; to answer David's question: A man named Robert Cooksey from Sydney....former Australian Department of Defence Permanent Secretary or something, under Kim Beazley as Minister for Defence (late 1980's to early 1990's) who married a young Timorese woman from Ainaro, young enough to be his daughter (granddaughter even perhaps. He was the principal backer of the alternative bid to Timor Telecom and supported by Ramos-Horta. This bid lost for good reasons. They were not up to it and could not even get their bid in on time. He spent alot of money on this bid and still has hopes to recover it somehow. He spent alot of time in Timor and knows everyone, even journalists like Jose Belo, whom he hosted in Sydney. He is also close to Xanana, Kirsty and others. including former Horta adviser and now Labor candidate for the NSW seat of page, Janelle Saffin. All old Labor mates and part of the NSW labor MAFIA. The NSW right wing MAFIA at that. Cooksey an unrepentant pro-Jakarta lobbyist is one of the architects of the defence alliances with Indonesia and the need for Timor to become an Australian defense offshore facility as some sort of forward defense center. Imagine an Australian company with this sort of background with this sort of principal in change, no national sovereignty anymore folks.

Anónimo disse...

The propblem with Timor Telecom is not that it is a monopoly, but that it is an incompetent monopoly.

Routing international phone calls via Portugal is crazy. What is that suposed to do? Miraculously make everybody speak Portuguese?

It is more expensive to call Timor Leste from the rest of the world than any other country, even small and poor ones. Why? Because TT charges too much.

The argument that Timor Leste cannot have competition because it is too small is completely out of date - Fiji has only 850 000 people, Vanuatu has 215 000 people. They also have broadband internet, either ADSL or WiMax.

TT is a disgrace, an embarrassment to Portugal, and a disservice to Timor Leste.

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.