sexta-feira, maio 02, 2008

SPEECH BY HIS EXCELLENCY THE PRIME MINISTER

DEMOCRATIC REPUBLIC OF TIMOR-LESTE

OFFICE OF THE PRIME MINISTER

SPEECH BY HIS EXCELLENCY THE PRIME MINISTER

KAY RALA XANANA GUSMÃO

ON THE OCCASION OF HIS VISIT TO JAKARTA

“REDEFINING FUTURE RELATIONS BETWEEN INDONESIA AND TIMOR-LESTE”

30 April 2008

Indonesian Council on World Affairs

Excellencies

Dear friends

Ladies and Gentlemen,

It is always an honour to address you all, particularly in this Council that brings together members from the most varied sectors of Indonesian society, and which has already received illustrious international figures for debates on issues of global importance, within a truly democratic and universal context. I therefore salute the members and patrons of the Indonesian Council on World Affairs for the excellent work they have been doing.

The subject “Redefining Future Relations between Indonesia and Timor-Leste” resonates deeply with me. The mutual sympathy and friendship that unites both our countries did not begin yesterday, and I believe they will not fade in the future, since they are part of the history of our two Republics.

Thus I will speak to you with an open heart, as one does among old friends. The common origins and the way in which the more painful memories of our past have been overcome – through a process of mutual reconciliation – allows us to foresee that our relations, by being strengthened, can contribute in the future to the consolidation of our two young democracies.

In 1999, the people of Indonesia and the people of Timor-Leste added a new chapter to the history of democracy in Southeast Asia. In spite of doubts and scepticism, our people voted for democracy and the principles of a State under the Democratic Rule of Law, with Indonesia abandoning irreversibly its legacy of autocratic governance and with Timor-Leste starting the path towards national sovereignty and independence.

Here I must congratulate His Excellency the President of the Republic Susilo Bambang Yudhoyono for his democratic vision for the Indonesia Nation. Under his leadership the Indonesian people have known the opportunities provided by a climate of peace and stability, and they have enjoyed the ideal of freedom.

Timor-Leste, as a young democracy, also aspires to be distinguished by a culture of tolerance and, like its neighbour, to promote “unity in diversity”, nurturing a true democratic culture.

As founding member of ASEAN and as an emergent democracy, Indonesia has been playing a leading role in terms of change and leadership, which are vital for the region of Southeast Asia of which Timor-Leste is a part. Your country, within a very specific context of respect for customs and traditions, has distinguished itself by way of significant changes that enabled the development of the economy and the promotion of peace and national stability.

This progress, accompanied by Timor-Leste with great enthusiasm, is all the more remarkable since we are talking about a country with an ethnic, historical, cultural and language diversity that cannot be neglected, thereby proving that diversity can indeed be a factor of development and union.

Timor-Leste has been extending and consolidating cooperative relations with several countries in the world, with special attention to the regional context. Membership of ASEAN is a priority for the Timorese State, since we consider that it is extremely important to belong to this “family” and to extract the implicit advantages that derive from here: security, stability, economic development and regional cooperation.

What is more, the fact that we will be full members of ASEAN is also a way for us to have a more active participation in the collective regional development effort.

I cannot miss this opportunity to salute the Indonesia Government for the creative and responsible way in which it has conducted the Aceh stabilization process – I consider it to be a triumph of Peace – a fruit of the commitment by the Indonesian leaders and civil society, in nurturing reconciliation and democracy in the Country.

This victory would not have been possible without the participation of all Indonesian people, who continue to astound us with demonstrations of courage and compassion, as well as with the way in which they have overcome the natural disasters that have befallen them.

I would also like to say a few words condemning vehemently the terrorist attacks that have killed hundreds of Indonesian citizens, mostly Muslims. These attacks represent an attempt to destroy the traditions of cultural tolerance and freedom, and the damaging connotation that is often made between Islam and terrorism must also be fought against effectively.

Indeed, we can see in the entire world the fundamental contribution that the Muslim community has made to the development of humankind itself, co-existing healthily with other religions and sharing its knowledge and wisdom in an open and constructive manner. Indonesia, the Country with the largest Muslim community in the world, has been a singular example of this reality.

Timor-Leste has a small but dynamic Muslim community, the rights of which are acknowledged in our Constitution. Our Government has been giving all necessary support for this community to develop itself and to have an active participation in the development of the Country.

The dialogue between cultures and civilizations requires strong and demanding internal agendas, in terms of respect for difference and the inclusion of everyone in society, regardless of beliefs, religions and cultures, especially today when we must carry on opening paths towards dialogue and hope, through all the existing tensions.

This dialogue must take place within a framework of universal values and principles, respecting individual rights and freedoms. Thus I must highlight the efforts made by the Indonesian Government and by His Excellency the President of the Republic Yudhoyono which, within the context of ASEAN, has been defending the fundamental rights of the people of Burma.

We have been following the dramatic situation lived in Burma with great concern and disappointment. These people, our neighbours in the region, have been the victims of policies that have laid waste to their democratic aspirations and that have eaten away at the economic, social and human fabric of their country. It is impossible for us to contain our indignation.

We truly hope that a solution can be found urgently for Burma – a solution that includes the leader of the opposition and the Nobel Peace Prize winner Ms Aung San Suu Kyi – returning freedom and the full exercising of democracy to their people.


Excellencies

Ladies and Gentlemen,

The common features that united Timor-Leste and Indonesia are too many for us to think of a future that does not involve the strengthening of our ties: we have a common historic past; we have common borders; we have Timorese citizens living in Indonesia and Indonesian citizens living in Timor-Leste, completely integrated. The Indonesian language has been declared a working language by our Constitution, and certain features of our two cultures also make us feel closer to each other.

In addition to this, we face similar challenges: to build a sound democracy; to consolidate transparent and accountable institutions; to enhance the rule of law; to strengthen the judicial system and to nurture a free and independent media capable of contributing to the accountability of the leaders towards their people.

In view of all this, our future relations must be built around a strong partnership that promotes peace and security, as well as new opportunities for prosperity, freedom, justice, tolerance and democracy for our neighbouring and friendly countries.

The development of the creation of the Truth and Friendship Commission, which represented a unique reconciliation model, is evidence of how this is possible.

We were pushed forward by the strong will to move on and by the determination to turn the pages of the past, through joint efforts, as the solution of old problems will contribute to advancing our bilateral relations. This innovative way to bring our two peoples together in an uncommon approach in the search for truth and in the promotion of friendship – instead of starting legal cases – contributes to their further unity, based on the common acknowledgement that we all suffered because of a regime.

The final report of the TFC will be ready within the present year – as a result of the acknowledged commitment by the commissioners from both countries – and its recommendations will be implemented as far as possible.

Let our recent history state that, despite the concerns underlying the creation of this Commission, the Republic of Indonesia and the Republic of Timor-Leste spared no effort to develop relations of stability, friendship and mutual advantages between the two countries and peoples, making reconciliation indeed a reality.

Excellencies

Ladies and Gentlemen,

The IV Constitutional Government of Timor-Leste entered office about 8 months ago and assumed the responsibility for the definition and implementation of a reform agenda in a country that, in addition to being democratically young, was also in a particularly weakened condition, as a result of the 2006 crisis.

The 2006 political crisis, which shook the foundations of our State and subjected our People to unforeseeable suffering and anguish, left behind a heavy legacy with painful consequences, of which the assassination attempts of February 11 were a dramatic example.

However, those who tried to attack the sovereignty of the State could not achieve their goals, as once again the institutions of our Country, despite their fledgling state, were able to face this new trial with firmness and determination.

The State of Timor-Leste chose to declare martial law in order to prevent greater public disturbances, as well as to undertake the necessary investigation and operational diligences to capture the suspects of the crimes, while at the same time ensuring the population a social climate of public normality and tranquillity.

These measures allowed a significant improvement in the internal security situation of the Country, with all of those involved in the attacks having already surrendered themselves to justice.

This development is the result in part of the creation of a Joint Command between the Armed Forces and the National Police, which have demonstrated that they are able to operate in a coordinated, efficient and effective manner. If we can draw positive lessons from difficult periods, we can highlight the cooperation of these two institutions, proving that, when confronted with a common objective, they are capable of working well and in a duly articulated manner, thereby disproving the argument arising in 2006 that these forces would never see eye to eye in the pursuit of the objectives of a State under the Democratic Rule of Law.

It is with satisfaction that I announce that at this time the exceptional measures restricting the rights and freedoms of citizens have been lifted, and that the country has returned to normal, with the exception of the region of Ermera, where some members of the rebel group surrendered only in the last couple of days.

Our Government is also committed to the urgent resolution of the problems that condition economic growth in our country, such as the problem of the thousands of internally displaced persons. We are aware that peace and stability cannot be achieved without restoring dignity and justice to these sectors of the population, who deserve the protection of the State and the material and spiritual wellbeing to make use of the freedom earned with so great a sacrifice.

Efficient governance is essential to strengthen the confidence of the People in the Government. The protection of Human Rights, Justice and the Rule of Law, together with the guarantee of security and stability to the people, are the main obligations of the State. In this sense we are faced with huge challenges, which need to be overcome urgently.

We have been following the Public Sector Reform in Indonesia, and my Government, too, has chosen 2008 as the year of Administrative Reform. The Government is committed to creating an efficient and independent civil service, free of corruption and relying on the collaboration with other state institutions – so that the transformation of the public sector may lead to governance characterised by transparency, accountability and efficiency in the management of public finance.

In the immediate fight against poverty we are implementing a proactive economic policy for mobilizing foreign investment and attracting investors. We believe this is the more immediate way to create employment, whilst at the same time transforming the national business environment, particularly insofar as it concerns the related administrative procedures.

In addition to this, we are reviewing the investment laws and other essential laws (such as the one on land and property) and attracting foreign investment, whilst undertaking tax reform and reducing taxes in the non-oil sector, in order to increase private investment.

It is here that I would like to see an increase in the investment and economic cooperation between Timor-Leste and Indonesia. We want more Indonesian companies to invest in Timor-Leste, and we want Timorese and Indonesian business people to have a closer relationship.

The truth is that around 70% to 80% of our external trade is with Indonesia, and therefore we have to develop mechanisms to facilitate these commercial relations and attract the Indonesian private sector.

The strengthening of the economic and commercial ties between our two countries is also an investment in our national security. Together with the establishment of new dynamics of cooperation in the area of defence, mostly in the border areas, this will be fundamental for the future dialogue between our Nations.

I must also thank Indonesia for closing the land border posts so as to prevent our bilateral relations from being affected, during the most critical periods we have experienced in the recent past.

The threats to internal stability within the global world of today are shared with concern by us all. The subversive actions against national identity and cohesion, the acts of terrorism, guerrilla war and force by movements with political goals contrary to the constitutional order (as we have witnessed with the attacks of February 11), and of course organized crime such as drug trafficking and others, are threats that we must fight together, as neighbouring countries.

The strengthening of our diplomatic relations makes the entire country benefit from stability, rather than just the border area, thus promoting development and fighting the threats that have an increasingly more global nature.

I would like to conclude by saying that the bilateral meetings we have had have been rather productive and fruitful. I can highlight the signing of various agreements in fundamental areas for the development of Timor-Leste, such as:
* Trade Agreement between Timor-Leste and Indonesia

* Memorandum of Understanding on Technical Cooperation on Trade

* Memorandum of Understanding on Technical Cooperation concerning Small, Medium Industries

* Memorandum of Understanding on Technical Cooperation on Drug and Food Control.
In addition to these bilateral and also trilateral agreements – including Australia, the United States, Brazil and Germany – I must also state my appreciation for the contribution that Indonesia has made towards the development of the institutional capacity of my country, providing technical cooperation and assistance in areas so diverse as health, forestry, transport, telecommunications, power and diplomacy, among others.

With Timor-Leste being a country that consists mostly of young people faced with the drama of unemployment and social integration, the scholarships and facilities attributed to our university students are very much appreciated by us.

Lastly, it is with great satisfaction that we welcome the establishment of an Indonesian Cultural Centre in Dili, in response to the request of His Excellency the President of the Republic Dr Ramos-Horta, as a means of promoting even closer cultural cooperation between Indonesia and Timor-Leste.

Despite the setbacks that have accompanied the sustainable development of our country, I consider that Timor-Leste has great potential to succeed and to be a source of pride for all those who have supported us and believed in us.

The common agenda of boosting cooperation as the defining feature of relations between Indonesia and Timor-Leste is promising! For the future I propose that we explore even further that which brings us close.

Let us reinvent new partnerships, formulating serious cooperation proposals, as a way to defend the freedom of our brother countries.

Our common history is made by our two peoples. Let us create the conditions for the friendship and solidarity among them to grow stronger and stronger!


Jakarta, 30 April 2008

Kay Rala Xanana Gusmão

1 comentário:

Margarida disse...

Tradução:
DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO
REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE

GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO

DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO

KAY RALA XANANA GUSMÃO

POR OCASIÃO DA SUA VISITA A JACARTA

“REDEFININDO O FUTURO DAS RELAÇÕES ENTRE A INDONÉSIA E TIMOR-LESTE”

30 Abril 2008

Conselho Indonésio de Assuntos Mundiais

Excelências

Caros amigos

Senhoras e Senhores,

É sempre uma honra dirigir-me a todos, particularmente neste Conselho que junta membros dos sectores mais variados da sociedade Indonésia, e que já recebeu figuras ilustres internacionais para debates em questões de importância global, dentro dum contexto verdadeiramente democrático e universal. Por isso saúdo os membros e patrocinadores do Conselho Indonésio de Assuntos Mundiais pelo excelente trabalho que têm feito.

O “Redefinindo o Futuro das Relações entre a Indonésia e Timor-Leste” cala fundo em mim. A simpatia e amizade mútua que une ambos os nossos países não começou ontem, e acredito que não se dissipará no futuro, dado que fazem parte da história das nossas duas Repúblicas.

Por isso falarei de coração aberto, como se faz entre velhos amigos. As origens comuns e o modo como se ultrapassaram as memórias mais dolorosas do nosso passado – através dum processo de reconciliação mútua – permitem-nos prever que as nossas relações, ao serem reforçadas, podem contribuir no futuro para a consolidação das nossas duas jovens democracias.

Em 1999, o povo da Indonésia e o povo de Timor-Leste acrescentaram um novo capítulo à história da democracia no Sudeste Asiático. Apesar de dúvidas e cepticismo, os nossos povos votaram pela democracia e princípios dum Estado sob o Primado Democrático da Lei, com a Indonésia a abandonar irreversivelmente a sua herança de governação autocrática e com Timor-Leste a começar um caminho para a independência e soberania nacional.

Aqui devo congratular Sua Excelência o Presidente da República Susilo Bambang Yudhoyono pela sua visão democrática para a Nação Indonésia. Sob a sua liderança o povo Indonésio conheceu as oportunidades providenciadas por um clima de paz e estabilidade, e tem gozado o ideal da liberdade.

Timor-Leste, como jovem democracia, aspira também a ser distinguida por uma cultura de tolerância e, como o seu vizinho, por promover a “unidade na diversidade”, alimentando uma verdadeira cultura democrática.

Como membro fundador da ASEAN e como democracia emergente, a Indonésia tem tido um papel de liderança em termos de mudança e de liderança, que são vitais para a região do Sudeste Asiático de que Timor-Leste faz parte. O vosso país, dentro dum contexto muito específico de respeito pelos costumes e tradições, tem-se distinguido pela via da mudanças significativas que permitiram o desenvolvimento da economia e a promoção da paz e da estabilidade nacional.

Este progresso, acompanhado por Timor-Leste com grande entusiasmo, é ainda mais extraordinário dado que falamos dum país com uma diversidade étnica, histórica, cultural e linguística que não pode ser negligenciada, com isso demonstrando que a diversidade pode na verdade ser um factor de desenvolvimento e união.

Timor-Leste tem estado a alargar e a consolidar as relações de cooperação com vários países no mundo, com atenção especial ao contexto regional. A adesão à ASEAN é uma prioridade para o Estado Timorense, dado que consideramos que é extremamente importante pertencer a esta “família” e extrair as vantagens implícitas que derivam disso: segurança, estabilidade, desenvolvimento económico e cooperação regional.

Mais ainda, o facto de sermos membros totais da ASEAN é também uma maneira para termos uma participação mais activa no esforço colectivo de desenvolvimento regional.

Não posso desperdiçar esta oportunidade para saudar o Governo Indonésio pela maneira criativa e responsável como conduziu o processo de estabilização de Aceh – considero isso um triunfo da Paz – um fruto do compromisso dos líderes Indonésios e da sociedade civil, na criação da reconciliação e democracia no país.

Esta vitória não teria sido possível sem a participação de todo o povo Indonésio, que nos continua a espantar com manifestações de coragem e de compaixão, bem como pela maneira como ultrapassaram os desastres naturais que sofreram.

Gostaria ainda de dizer algumas palavras para condenar veementemente os ataques terroristas que mataram centenas de cidadãos Indonésios, principalmente Muçulmanos. Esses ataques representam uma tentativa para destruir as tradições de tolerância cultural e liberdade e a conotação prejudicial que muitas vezes é feita entre o Islão e o terrorismo deve ser combatida com eficácia.

Na verdade, podemos ver em todo o mundo a contribuição fundamental que a comunidade Muçulmana tem dado para o desenvolvimento da própria humanidade, co-existindo saudavelmente com outras religiões e partilhando o seu conhecimento e sabedoria duma maneira aberta e construtiva. A Indonésia, to país com a maior comunidade Muçulmana no mundo, tem sido um exemplo singular desta realidade.

Timor-Leste tem uma comunidade Muçulmana pequena mas dinâmica, cujos direitos são reconhecidos pela nossa Constituição. O nosso Governo tem dado todo o apoio possível a esta comunidade para ela própria se desenvolver e ter uma participação activa no desenvolvimento do país.

O diálogo entre culturas e civilizações requer agendas internas fortes e exigentes, em termos de respeito pelas diferenças e a inclusão de todos na sociedade, independentemente de crenças, religiões e culturas, especialmente hoje quando devemos desenvolver a abertura de caminhos para o diálogo e esperança, através das tensões existentes.

Este diálogo deve ocorrer dentro duma moldura de valores universais e princípios, respeitando direitos individuais e as liberdades. Por isso devo sublinhar os esforços feitos pelo Governo Indonésio e por Sua Excelência o Presidente da República Yudhoyono que, no contexto da ASEAN, tem defendido os direitos fundamentais do povo de Burma.

Temos seguido a situação dramática em Burma com grande preocupação e descontentamento. Essa gente, nossa vizinha na região, tem sido vítima de políticas que desprezam as suas aspirações democráticas e que têm destruído o tecido económico, social e humano do seu país. É impossível contermos a nossa indignação.

Esperamos sinceramente que se encontre com urgência uma solução para Burma – uma solução que inclua a líder da oposição e vencedora do Prémio Nobel da Paz Srª Aung San Suu Kyi – o regresso à liberdade e exercício pleno da democracia ao seu povo.


Excelências

Senhoras e Senhores,

As características comuns que uniram Timor-Leste e a Indonésia são demasiadas para pensarmos num futuro que não envolva o reforço dos nossos laços: Temos uma passado histórico comum; temos fronteiras comuns; temos cidadãos Timorenses a viverem na Indonésia e cidadãos Indonésios a viverem em Timor-Leste, completamente integrados. A língua Indonésia foi considerada uma língua de trabalho na nossa Constituição, e certas características das nossas duas culturas fazem-nos também sentir mais próximos uns dos outros.

A juntar a isto, enfrentamos desafios comuns: construir uma democracia sólida; consolidar instituições transparentes e responsáveis; reforçar o domínio da lei; reforçar o sistema judicial e promover media livres e independentes capazes de contribuírem para a responsabilização dos líderes para com o povo.

Em vista de tudo isto, as nossas relações futuras devem ser construídas à volta de fortes parcerias que promovam a paz e a segurança, bem como de novas oportunidades para a prosperidade, liberdade, justiça, tolerância e democracia para os nossos países vizinhos e amigos.

É evidência de como isto foi possível o desenvolvimento da criação da Comissão da Verdade e Amizade, que representou um modelo único de reconciliação.

Fomos empurrados para a frente pela fonte vontade de avançar e pela determinação de virar as páginas do passado, através de esforços conjuntos, dado que a resolução de velhos problemas contribuirá para fazer avançar as nossas relações bilaterais. Esta maneira inovadora de juntar dois povos numa abordagem incomum na procura da verdade e na promoção da amizade – em vez de começar com casos legais – contribui mais para a sua unidade, baseado no reconhecimento comum de que sofremos todos por causa dum regime.

O relatório final da CVA ficará pronto no ano presente – em resultado do compromisso reconhecido por comissários de ambos os países – e as suas recomendações serão implementadas tãso longe quanto possível.

Deixem que a nossa história recente afirmar que, apesar das preocupações subjacentes à criação desta Comissão, a República da Indonésia e a República de Timor-Leste não pouparam esforços para desenvolver relações de estabilidade, amizade e vantagens mútuas entre os dois países e povos, tornando a reconciliação na verdade uma realidade.

Excelências

Senhoras e Senhores,

O IV Governo Constitucional de Timor-Leste foi nomeado há cerca de 8 meses atrás e assumiu a responsabilidade pela definição e implementação duma agenda de reformas num país que, em adição a ser jovem democraticamente, estava também num estado particularmente enfraquecido, em resultado da crise de 2006.

A crise política de 2006, que abalou os alicerces do nosso Estado e sujeitou o nosso povo a sofrimentos e aflições imprevisíveis, deixou para trás uma herança pesada com consequências dolorosas, de que foram exemplos dramáticos as tentativas de assassínio de 11 de Fevereiro.

Contudo, os que tentaram atacar a soberania do Estado não conseguiram atingir os seus objectivos, dado que mais uma vez as instituições do nosso país, apesar da sua condição jovem, foram capazes de enfrentar esta nova provação com firmeza e determinação.

O Estado de Timor-Leste optou pela declaração da lei marcial de modo a impedir maiores perturbações da ordem pública, bem como para a realização da investigação necessária e das diligências operacionais para a captura dos suspeitos dos crimes, e ao mesmo tempo assegurar à população um clima social de normalidade pública e tranquilidade.

Essas medidas permitiram uma melhoria significativa da situação de segurança interna do país, tendo-se já entregue à justiça todos os envolvidos nos ataques.

Este desenvolvimento foi o resultado da criação dum Comando Conjunto entre as Forças Armadas e a Polícia Nacional, que mostraram que são capazes de operar de modo coordenado, eficiente e efectivo. Se pudermos tirar lições positivas de períodos difíceis, podemos sublinhar a cooperação destas duas instituições, o que prova que, quando confrontadas com um objectivo comum, são capazes de trabalhar bem e de modo devidamente articulado, provando assim errado o argumento que emergiu em 2006 que essas forças nunca podiam estar de mão-na-mão no prosseguimento dos objectivos dum Estado na Aplicação da Lei Democrática.

É com satisfação que anuncio que neste altura as medidas excepcionais de restrição de direitos e liberdades dos cidadãos foram levantadas, e que o país regressou ao normal, com a excepção da região de Ermera, onde apenas há horas se entregaram alguns membros do grupo amotinado.

O nosso Governo está ainda comprometido com a urgente resolução dos problemas que condiciona o crescimento económico no nosso país, tais como os problemas dos milhares de deslocados. Sabemos que não pode ser alcançada a paz e a estabilidade sem restaurar a dignidade e a justiça desses sectores da população, que merece a protecção do Estado e o bem estar material e espiritual para fazer uso da liberdade conquistada com tão grande sacrifício.

É essencial uma governação eficiente para reforçar a confiança do povo no Governo. a protecção dos Direitos Humanos, Justiça e o Domínio da Lei, juntamente com a garantia da segurança e estabilidade para a população são as principais obrigações do Estado. Neste sentido enfrentamos desafios enormes que precisam de ser urgentemente ultrapassados.

Tem estado a seguir a Reforma do Sector Público na Indonésia, e o meu Governo também escolheu 2008 como o ano da Reforma Administrativa. O Governo está comprometido com a criação dum serviço público eficiente e independente, livre de corrupção e apoiado na colaboração com outras instituições do Estado – para que a transformação do sector público possa levar a uma governação caracterizada pela transparência, responsabilização e eficiência na gestão das finanças públicas.

Na luta imediata contra a pobreza estamos a implementar uma política económica pró-activa para mobilizar investimento estrangeiro e atrair investidores. Acreditamos que este é o caminho mais imediato para criar emprego, enquanto ao mesmo tempo transforma o ambiente nacional dos negócios, particularmente no que diz respeito aos procedimentos administrativos relacionados.

Em adição a isto, estamos a rever as leis do investimento e outras leis essenciais (tais como as leis da terra e da propriedade) e a atrair investimento estrangeiro, ao mesmo tempo que fazemos a reforma dos impostos e reduzimos os impostos no sector não petrolífero, de modo a aumentar o investimento privado.

É aqui que gostaria de ver um aumento no investimento e cooperação económica entre Timor-Leste e a Indonésia. Queremos mais companhias Indonésias a investirem em Timor-Leste, e queremos que homens de negócios Timorenses e Indonésios tenham relações mais próximas.
A verdade é que cerca de 70% a 80% do nosso comércio externo é com a Indonésia, e por isso temos de desenvolver mecanismos para facilitar essas relações comerciais e atrair o sector privado Indonésio.

O reforço dos laços económicos e comerciais entre os nossos dois países é também um investimento na nossa segurança nacional. Juntamente com o estabelecimento de novas dinâmicas de cooperação na área da defesa, principalmente na área da fronteira, isto será fundamental para o diálogo futuro entre as nossas nações.

Tenho também que agradecer à Indonésia por fechar os postos de passagem na fronteira para prevenir que as nossas relações bilaterais serem afectadas durante os períodos mais críticos que experimentámos no passado recente.

As ameaças à estabilidade interna no mundo global de hoje são partilhadas com preocupação por todos nós. As acções subversivas contra a identidade e a coesão nacional, os actos de terrorismo, guerrilha e força por movimentos com objectivos políticos contrários à ordem constitucional (como testemunhámos com os ataques de 11 de Fevereiro), e obviamente o crime organizado tal como o tráfico de droga e outros, são ameaças que devemos lutar contra juntos, como países vizinhos.

O reforço das nossas relações diplomáticas faz todo o país beneficiar da estabilidade, em vez apenas da área da fronteira, promovendo assim o desenvolvimento e lutando contra ameaças que crescentemente são de natureza mais global.

Gostaria de concluir dizendo que os encontros bilaterais que tivemos foram bastante produtivos e frutuosos. Posso sublinhar a assinatura de vários acordos em áreas fundamentais para o desenvolvimento de Timor-Leste, tais como:
* Acordo de Comércio entre Timor-Leste e Indonésia

* Memorando de Entendimento em Cooperação Técnica e Comércio

* Memorando de Entendimento em em Cooperação Técnica entre Pequenas e Médias Indústrias

* Memorando de Entendimento em Cooperação Técnica no Controlo de Alimentação e Drogas.
Em adição a estes acordos bilaterais e também trilaterais – incluindo a Austrália, os Estados Unidos, Brasil e Alemanha – tenho também de declarar o meu apreço pela contribuição que a Indonésia tem dado em relação ao desenvolvimento da capacidade institucional do meus país, providenciando cooperação técnica e assistência em áreas tão diversas como saúde, florestas, transportes, telecomunicações, energia e diplomacia, entre outras.

Sendo Timor-Leste um país que consiste principalmente de jovens que enfrenta o drama do desemprego e da integração social, as bolsas de estudos e facilidades concedidas aos estudantes universitários são muito apreciadas por nós.

Por fim, é com grande satisfação que damos as boas vindas ao estabelecimento dum Centro Cultural Indonésio em Dili, em resposta ao pedido de Sua Excelência o Presidente da República Dr Ramos-Horta, como meio para promover ainda maior cooperação cultural entre a Indonésia e Timor-Leste.

Apesar dos recuos que têm acompanhado o desenvolvimento sustentado do nosso país, considero que Timor-Leste tem um grande potencial para ter sucesso e ser uma fonte de orgulho para todos os que nos apoiaram e acreditaram em nós.

A agenda comum de aumentar a cooperação e definir características das relações entre a Indonésia e Timor-Leste é prometedora! Para o futuro proponho que exploremos ainda mais o que nos aproxima.

Reinventemos novas parcerias, formulando propostas sérias de cooperação como caminho para defender a liberdade dos nossos países irmãos.

A nossa história comum é feita pelos nossos dois povos. Criemos as condições para a amizade e a solidariedade entre eles cresça cada vez mais forte e forte!


Jacarta, 30 Abril 2008

Kay Rala Xanana Gusmão

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.