sexta-feira, maio 02, 2008

Let bygones be bygones: Gusmao

The Jakarta Post
May 02, 2008

Thorny issues from the past have often derailed relations between Timor Leste and its former master Indonesia. Timor Leste Prime Minister Kayrala Xanana Gusmao, on an official visit to Indonesia, discussed with The Jakarta Post's Riyadi Suparno and Matheos V. Messakh bilateral issues and the future of Timor Leste. What follows are excerpts:

During your visit, a number of economic agreements have been signed. How do you see the prospects for economic relations with Indonesia?

We see the relationship as more than the small amount of trade volume. We have held a meeting with Kadin (the Indonesian Chamber of Commerce and Industry) where we told them to look at us as a place of investment. As a business, maybe we cannot offer Indonesia high capability to buy your products. But look at us as a place of investment.

If you invest money, we could together sell your products to some other countries. We are a member of ACP-EC (African, Caribbean and Pacific countries and the European Community) Partnership Agreement, which is also known as the Cotonou Agreement. We can sell your products to Europe without tariffs, we can also sell the products to China and even to Australia without any tariffs.

This is the relationship. You bring your money through investment, give jobs to our people and together we sell products from Timor Leste. This is what we are trying to say to Indonesians.

We understand that there are still some elements in Timor Leste who have hard feelings about Indonesia. Do you think Indonesian investments will be safe?

Many Indonesians live in Timor Leste currently. The relationship with Indonesian is not a problem.

The Commission for Truth and Friendship (CTF), which was founded under your presidency, has received lots of criticism including from the United Nations. Some critics said the joint commission offered only impunity and undermined the judicial system. What's you stance?

In December 2006, I went to New York and also to Geneva to hand over the final report of the CAVR (the Commission for Reception, Truth and Reconciliation), a similar report to the CTF report.

We talked about an international community solution. I said, "It's yours, we do what we think the best for our country. If you want, go on. It is not my business."

It is the CAVR report that recommended Timor Leste bring all the countries that helped Indonesia occupy Timor Leste, whether it was politically or financially or even with equipment, to an international tribunal.

I told Timor Leste's parliament in 2005, "We don't have to do this after the devastation in 1999. Do we have to do this after everything was destroyed? The international community came and pushed us to do this." I asked the parliament, the people elected by our people, to decide.

The decision of the state is that the past is the past. We have to build our future. Are we strong enough to put the past in the past? We should be and we must be.

We must not avoid the past. We must tell the truth, we must say that something happened in Timor Leste and Indonesia in the past. We cannot just erase these things. This is what we are trying to educate ourselves about, that we lived together in a very dramatic situation in our history. But it was the past. Now we live together to build a better future for all of us.

But critics say that you cannot provide truth without going through a tribunal process. Your response?

But why me? When Timor Leste has many social problems, security problems, humanitarian problems, why do I have to divert my attention to this when my task is to provide service to my people?

Mozambique also had a war after their independence with thousands of people dying, but they could solve their problem internally. Perhaps some problems still exist but they don't have to kill each other because of the past.

Northern Ireland is also in a process of national reconciliation.

Why only us? Our position is not to vacate the past but to take the past as a lesson in order to prevent similar mistakes in the future.

I can say that whoever provided the TNI (the Indonesian Military) with weapons, bullets and other equipment must go to trial. I can always say that.

But for now, my biggest concern is how to make the life of my people better. The TNI are in the process of putting themselves in a democratic system. So, the best that we can appreciate from both sides is that we are conscious that in the past it was wrong, and now we have to move to share the future.

Even in Timor Leste, lots of people criticize you and President Ramos Horta for your position on the CTF.

I met (former military commander) Wiranto before the Indonesian presidential election in Bali in 2004, and when I went back to Dili they called me a traitor and liar. I don't mind. You can define me however you like, but my concern now is how to put the interest of the people above what can happen to me.

Some say that the 2006 crisis in Timor Leste was caused by the rivalry between you and Jose Ramos-Horta on one side, and Mari Alkatiri and the Fretilin party on the other side. What's your explanation?

It will take a long time to tell. I was a member of the Fretilin central committee a long time ago. If each one said that they are the best, I can have this opportunity also to say that I am the best.

We were defeated by the TNI in 1978, all the senior leaders died and I took over the leadership. I did everything in my capability and my capacity to continue until 1986. I changed the policy, then I became a traitor at that time. I came out from Fretilin (Revolutionary Front for an Independent Timor Leste) and put the guerrilla forces (Falintil) outside of the political party, and we became independent.

In 1999-2000, I said I finished my duty and let the parties to deal with state issues. We had confidence in Fretilin to take over the government for five years, but they made mistake.

So, I said I'm still ready to defend the interests of my people and I built a party. I let them save the country, now I'm ready to lead them again to free themselves from a condition of frustration.

There are still thousands of refugees in West Timor. What's your policy about these refugees?

If we look at the past, from 1999 to 2001, I was along the border, meeting with many of them including some high-level leaders. We solved many things. We brought back thousands and thousands of people.

Now that I am the head of the government, first, I have to look after the stability within my country. I will continue to look at this issue and in the middle of that we will create all the conditions for them to be sure that if they return they will not meet the enemy.

Bahasa Indonesia is still spoken widely in Timor Leste. What will be the future of Bahasa Indonesia there?

In our constitution, Bahasa Indonesia is our working language. And now under our cooperation, Indonesia will help us with teachers to teach Bahasa in secondary schools so that our students will be ready if they go to Indonesian universities.

There is a joke in Timor Leste that Indonesian graduates are "sarjana supermi" (instant noodle scholars). What's your opinion?

I have many of them working with me. I am also a sarjana of life, graduated from "Universitas Tertutup" in Cipinang penitentiary.

3 comentários:

Margarida disse...

Tradução:
Gusmão: o que passou, passou
The Jakarta Post
Maio 02, 2008

Questões espinhosas do passado descarrilaram muitas vezes as relações entre Timor-Leste e o seu antigo carrasco, a Indonésia. O Primeiro-Ministro de Timor-Leste Kayrala Xanana Gusmão, numa visita oficial à Indonésia, discutiu com Riyadi Suparno e Matheos V. Messakh do The Jakarta Post questões bilaterais e o futuro de Timor-Leste. Seguem-se extractos:

Durante a sua visita, foram assinados alguns acordos económicos. Como vê as perspectivas para as relações económicas com a Indonésia?

Vemos as relações para além da pequena quantidade do volume do comércio. Tivemos um encontro com a Kadin (Câmara de Comércio e Indústria Indonésia) onde lhes dissemos para nos verem como um local de investimento. Como negócio, talvez não podemos oferecer à Indonésia uma alta capacidade de comprarmos os vossos produtos. Mas vejam-nos como um local de investimento.

Se investirem dinheiro, podemos juntos vender os vossos produtos a alguns países. Somos membros do Acordo de Parceria da ACP-EC (países Africanos, das Caraíbas e Pacíficos e a Comunidade Europeia), também conhecido como Acordo Cotonou. Podemos vender os vossos produtos para a Europa sem tarifas, podemos também vender os produtos para a China e mesmo para a Austrália sem quaisquer tarifas.

É esta a relação. Vocês trazem o vosso dinheiro por intermédio do investimento, dão trabalho ao nosso povo e juntos vendemos os produtos de Timor-Leste. É isto que estamos a tentar dizer aos Indonésios.

Sabemos que ainda há alguns elementos em Timor-Leste que têm sentimentos duros com a Indonésia. Pensa que os investimentos Indonésios estão seguros?

Muitos Indonésios vivem correntemente em Timor-Leste. A relação com os Indonésios não é um problema.

A Comissão para a Verdade e Amizade (CVA), que foi criada na sua presidência, recebeu muitas críticas incluindo da ONU. Alguns críticos disseram que a comissão conjunta apenas ofereceu impunidade e que minou o sistema judicial. Qual é a sua posição?

Em Dezembro de 2006, fui a Nova Iorque e também a Geneve entregar o relatório final da CAVR (a Comissão para a Abertura, Verdade e Reconciliação, um relatório similar ao relatório da CVA.

Falámos acerca duma solução da comunidade internacional. Eu disse, "Isto é de vocês, nós fazemos o que pensamos que é melhor para o nosso país. Se quiserem, avancem. Isso não é negócio meu."

É o relatório da CAVR que recomendou que Timor Leste leve a um tribunal Internacional todos os países que ajudaram a Indonésia a ocupar Timor-Leste, fosse politicamente ou financeiramente ou mesmo com equipamentos.

Eu disse ao parlamento de Timor-Leste em 2005, "Não temos que fazer isso depois da devastação em 1999. Temos que fazer isto depois de tudo ter sido destruído? A comunidade internacional veio e empurrou-nos a fazer isto." pedi ao parlamento, as pessoas eleitas pelo nosso povo, para decidir.

A decisão do Estado é que o passado é o passado. Temos de construir o nosso futuro. Temos força suficiente para pôr o passado para trás? Devíamos ter e temos de ter.

Não devemos evitar o passado. Devemos dizer a verdade, devemos dizer o que aconteceu em Timor-Leste e na Indonésia no passado. Não podemos simplesmente apagar estas coisas. É isto em que estamos a tentar educar a nós próprios, que vivemos juntos uma situação muito dramática na nossa história. Mas isso é o passado. Agora vivemos juntos para construir um futuro melhor para todos nós.

Mas os críticos dizem que não se pode alcançar a verdade sem ser através dum processo no tribunal. A sua resposta?

Mas porquê a minha? Quando Timor-Leste tem tantos problemas sociais, problemas de segurança, problemas humanitários, porque é que tenho de reverter a minha atenção para isto quando a minha tarefa é prestar serviço ao meu povo?

Moçambique teve também uma guerra depois da independência com milhares de pessoas que morreram, mas conseguiram resolver o problema internamente. Talvez ainda existam alguns problemas mas não têm que se matar uns aos outros por causa do passado.

A Irlanda do Norte está também num processo de reconciliação nacional.

Porquê apenas nós? A nossa posição não é para desvalorizar o passado mas tirar do passado uma lição de modo a prevenir erros similares no futuro.

Posso dizer que seja quem for que forneceu ao TNI (Militares da Indonésia) armas, balas e outros equipamentos deve ir a julgamento. Posso sempre dizer isso.

Mas por agora, a minha maior preocupação é como tornar melhor a vida do meu povo. O TNI está no processo de se pôr num sistema democrático. Assim, o melhor que podemos fazer para apreciar ambos os lados é que temos consciência que no passados isso foi errado, e que agora temos que andar para partilhar o futuro.

Mesmo em Timor-Leste, muita gente o criticou e ao Presidente Ramos Horta pela vossa posição sobre a CVA.

Encontrei-me com (antigo comandante militar) Wiranto antes das eleições presidenciais Indonésias em Bali em 2004, e quando voltei para Dili chamaram-me traidor e mentiroso. Não me ralo. Podem chamar-me o que quiserem, mas a minha preocupação agora é como pôr o interesso do povo acima do que me possa acontecer a mim.

Alguns dizem que a crise de 2006 em Timor-Leste foi causada pela rivalidade entre você e José Ramos-Horta por um lado e Mari Alkatiri e a Fretilin no outro lado. Qual é a sua explicação?

Demorará muito tempo a dizer. Eu fui membro do comité central da Fretilin há muitos anos atrás. Se cada um disser que é o melhor, posso ter também esta oportunidade para dizer que sou o melhor.

Fomos derrotados pelo TNI em 1978, morreram todos os líderes de topo e eu tomei a liderança. Fiz tudo na minha habilidade e capacidade para continuar até 1986. Mudei a política, depois tornei-me um traidor nessa altura. Saí da Fretilin (Frente Revolucionária para um Timor Independente) e pus as forças da guerrilha (Falintil) fora do partido político, e tornámo-nos independentes.

Em 1999-2000, eu disse que acabara a minha obrigação e que deixava aos partidos lidarem com as questões do Estado. Tínhamos confiança na Fretilin para tomar o governo durante cinco anos, mas eles cometeram erros.

Então, disse que estava ainda pronto para defender os interesses do meu povo e construí um partido. Deixei-os salvar o país, agora estou pronto para os liderar outra vez para os libertar duma condição de frustração.

Há ainda milhares de refugiados no Oeste de Timor. Qual é a sua política em relação a estes refugiados?

Se olharmos para o passado, de 1999 a 2001, estive ao longo da fronteira, encontrando-me com muitos deles incluindo alguns dos líderes de alto nível. Resolvemos muitas coisas. Trouxemos de regresso milhares e milhares de pessoas.

Agora que estou à frente do governo, primeiro, tenho que ver a estabilidade dentro do meu país. Continuarei a olhar por esta questão e no meio disso criaremos todas as condições para eles terem a certeza que se regressarem não se encontrarão com o inimigo.

O Bahasa Indonésio é ainda falado amplamente em Timor-Leste. Qual será o futuro do Bahasa Indonésio lá?

Na nossa constituição, o Bahasa Indonésio é a nossa língua de trabalho. E agora sob a nossa cooperação, a Indonésia vai ajudar-nos com professores para ensinar Bahasa nas escolas secundárias para que os nossos estudantes estejam prontos se quiserem ir para universidades Indonésias.

Há uma anedota em Timor-Leste que os formados na Indonésia são "sarjana supermi" (académicos de massa instantânea). Qual é a sua opinião?

Tenho muitos deles a trabalhar comigo. Sou também um sarjana da vida, formado da "Universitas Tertutup" na prisão de Cipinang.

h correia disse...

A comparação que Xanana faz entre os crimes da Indonésia e os casos de Moçambique e da Irlanda do Norte é completamente despropositada.

Em primeiro lugar, estes últimos são assuntos internos da Grã-Bretanha e de Moçambique, enquanto que em Timor-Leste não houve nenhum conflito interno. Essa é a versão que a Indonésia tentou vender para justificar a existência das milícias como uma facção interna e não como seu instrumento de repressão e de interferência num território estrangeiro (não autónomo, segundo a ONU, ou independente, segundo a Fretilin, para o caso tanto faz).

Em segundo lugar, todas as acções da Indonésia ou de milícias a seu mando enquadram-se na invasão e posterior anexação desse território contra a vontade do seu povo. Isto configura uma grave violação do Direito Internacional, pelo que deve estar sujeito às consequências inerentes.

Ken Westmoreland disse...

Margarida, não deve traduzir Bahasa Indonesia como "Bahasa Indonésio". É o equivalente de chamar o português "Portuguese língua" em inglês - é ridículo.

O PM se esqueciu que o indonésio é apenas uma das línguas de trabalho, como inglês. Embora ambos línguas sejam importantes, não merecem estatuto oficial, como o inglês e alemão não precisam de estatuto oficial nos Países Baixos, onde 75 por cento da população pode falar inglês e 65 por cento pode falar alemão. É uma situação semelhante na Dinamarca.

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.