sexta-feira, maio 02, 2008

UNMIT Daily Media Review - 2 May 2008

UNMIT-MEDIA

(International news reports and extracts from national media. UNMIT does not vouch for the accuracy of these reports)


February 11 attempt: Salsinha to tell the truth – Televizaun Timor-Leste

The rebels’ leader, Gastão Salsinha will be telling the truth in court about who is behind the attempt on February 11 when the day of judgement comes.

“The reasons for submitting ourselves to justice are based on my previous statements in March when I receive an agreement from the Prosecutor-General and President. I told them that I will submit myself when the President returns from Australia. No matter what the outcome, I am ready to cooperate with the Joint Operation even though they blocked me. My men and I have not submitted ourselves to the Joint Operation.

Today I am coming through the Church and the Center for Humanitarian Dialogue who convinced us to present ourselves to the Joint Operation Command in Ermera,” explained Salsinha on Thursday (1/5) in Dili District Court during the rebels’ first interrogation process.


Salsinha and five of his men are in pretrial detention – Timor Post

A dozen rebels suspected of involvement in an attack on East Timor's prime minister surrendered to authorities Tuesday. Salsinha and five of his men are under pretrial detention, after a hearing at Dili Court on Thursday (01/05). There is a possibility for Salsinha and his men to be imprisoned for more then 20 years if they are found guilty by the Court.

The evidence against Salsinha was presented to the tribunal by Marcelo Caetano, a rebel who had testified in Dili District Court against him during a two-day hearing on Thursday (01/05).

Salsinha: I don’t regret my actions as I did not create the problem – Timor Post

Gastão Salsinha said he does not regret his actions as the leaders of the country created the situation, not him. Salsinha also said that he surrendered to the authorities as he had promised previously once the President returned to Timor Leste after his medical treatment in Australia.

“Previously I myself sent a massage to the two top leaders that I would surrender if President Ramos-Horta returns from his treatment in Australia. Otherwise I would not surrender to any person, even though the Apprehension Operation forces would have covered all the areas in Timor-Leste. But I was only able to surrender to President Ramos-Horta if he returned. And also I surrendered because of good cooperation among the churches, Humanitarian Dialogue Centre and the other community who were always accompanying me, but I did not surrender to the Apprehension Operation forces.” said Salsinha after trial on Thursday (01/05) at Dili Court.

Horta wants to visit the rebels in prison – Timor Post

President Ramos-Horta said that he wants to visit the rebels who are in prison if it is permitted by the Prosecutor-General. He said he also wants to visit the petitioners.

“I am sure that as a President I will not forget those petitioners as their problem is still unresolved. They are God’s sons. People of Timor Leste should always listen to them and also Salsinha’s men in the prison. I need to visit them if I am permitted to do so by the Prosecutor-General,” said PR Ramos-Horta after visited the HQ of the Apprehension Operation at Memorial Hall on Thursday (30/04).

President Ramos Horta added that those who have surrendered would not lose the rights guaranteed to them under the Constitution.

PR Horta: “Joint Operation Command will provide security to the IDPs” – Diario Nacional

President José Ramos-Horta said that the Joint Operation Command will continue to provide security to all the IDPs returning to their homes. It will also conduct dialogue with the youth and other groups within the communities.

“We should welcome each other, not because the Government is forcing us, but because we are sincere and want to solve the problem.

The State of Siege will still continue for some days as weapons are still present among the communities,” said PR Horta on Wednesday (30/4) in the Memorial Hall, Dili.

Separately, the Commander of the Joint Operation Command, Filomeno Paixão said that the Government should collect all the illegal weapons carried by unidentified people so as to make the job of providing security to the IDPs easier.

“We do need the support of President and the Government in collecting the weapons carried illegally by the civilians around the country,” said Commander Paixão.

Ed: Challenge of justice – Diario Nacional

Starting from Tuesday (29/4) we close the old page of the violence and open the new page and history for the justice of the country.

There is no more vengeance, discrimination, and armed groups who walk freely around the country and threaten the stability of this new nation.

The rebels group led by Gastão Salsinha have surrendered through the Joint Operation Command. Even though they had made great efforts to disrupt the nation for more than two years, in the end they could not succeed and attain their goals.

There is a unique thing happening in Timor-Leste that has never happened in this world. The State has welcomed the rebels with a ceremony which included the President of the National Parliament Fernando Lasama, Vice Prime Minister José Luis Guterres, Head of UNMIT Atul Khare, Commander of ISF and UNPol in Timor-Leste, and all MPs and members of the Government.

Is the aim of the ceremony to show special consideration to the rebels?

Is the ceremony considered as candy to make them [the rebels] sweet, and feel that the State will give them a pardon?

People are questioning what the leaders are doing now.

The great possibility is everyone’s secrets will be revealed in court. Is the court brave enough to bring these people to justice or not?

It is a great challenge for the judicial system. The judiciary may hear evidence but will it follow up? Will it be giving an opportunity for outsiders to interfere? If so, then the hope of justice will vanish – there will be no justice for the ordinary people; small people never achieve the justice.


Salsinha to be imprisoned 20 years – Suara Timor Lorosa’e

The former Spokesperson of the petitioners, Gastão Salsinha who is accused of involvement in the February 11 attacks, is facing 20 years of imprisonment, as announced by Prosecutor Felismino Cardoso during the hearing process of Salsinha and his group on Thursday (1/5) in the Dili Supreme Court.


Outrage at party for East Timor rebels – ABC Australia, 2 May

EAST Timorese authorities have hosted a party for rebels accused of trying to assassinate the nation's leaders.


The gathering for the 12 rebels, including leader Gastão Salsinha, was held at the joint headquarters of the police and military hours after the men gave themselves up in Dili on Tuesday.

Outraged opposition MPs said the event sent a dangerous message to citizens in a country plagued by instability and violence.

Salsinha and his rebels are suspected over February's assassination attempts against President Jose Ramos Horta, who was critically injured, and Prime Minister Xanana Gusmão, who escaped unharmed.

After their negotiated surrender on Tuesday, Salsinha and his 11 men were guests of honor at the party. Still dressed in their jungle fatigues, they danced and drank with members of the police and the military taskforce, who only days earlier had been hunting for them in the mountains.

"They were offered beer and food, and they were hugged and greeted by their former friends (in the military) many times," said Max Stahl, a filmmaker and East Timor observer.

The rebels left the party about 10pm, but police and soldiers drank beer and danced until after midnight.

Arsenio Bano, a Fretilin MP and member of the parliamentary defence and security committee, said the party was immature and bizarre.

"Anyone in this country will think now that if you need to get attention from the President or important men, you just need to make trouble — a lot of trouble will allow them to talk to you and negotiate with you."

He said the way the men had been treated made him pessimistic about the justice process.

It has also emerged that there was no formal process around the rebels' surrender on Tuesday. Arrest warrants for the wanted men were not acted upon until yesterday.

Salsinha, who is suspected of leading the February 11 attack on Mr Gusmão, appeared at a preliminary hearing late yesterday.

The rebels are being held in a secure facility in Dili, under police and military guard.

The joint police and military command was not available for comment.


U.N. hails surrender of Timorese attackers - United Press International, April 29

DILI, Timor-Leste, April 29 (UPI) -- U.N. officials in Timor-Leste Tuesday welcomed the surrender of 12 rebels wanted in an assassination attempt on the nation's president and prime minister.



Atul Khare, head of the United Nations mission in the East Asian nation, said the Feb. 11 attacks on President Jose Ramos-Horta and Prime Minister Xanana Gusmão had threatened the country, the U.N. News Center reported. Speaking of rebel commander Gastão Salsinha and his followers, who surrendered to authorities April 26 after negotiations led by a Catholic priest, Khare said, "They must now face justice"

Ramos-Horta, who was seriously wounded in the attack on his residence, recently returned to Timor-Leste after recovering from his injuries in Australia. Prime Minister Gusmão was not injured.

Khare urged all Timorese to work together toward a "peaceful, prosperous and stable nation, securely anchored in a culture of democracy, rule of law, and respect for human rights."


UNMIT MEDIA MONITORING

Tradução:

UNMIT Revista Diária dos Media - 2 Maio 2008

UNMIT-MEDIA

(Relatos de notícias Internacionais e extractos de media nacionais. A UNMIT não garante a correcção destes relatos)


Atentado de 11 Fevereiro: Salsinha vai contar a verdade – Televizaun Timor-Leste

O líder dos amotinados, Gastão Salsinha dirá a verdade no tribunal sobre o que esteve por detrás do atentado de 11 de Fevereiro, quando chegar o dia do julgamento.

“As razões para nos termos entregado à justiça estão baseadas nas minhas declarações anteriores em Março quando recebi um acordo do Procurador-Geral. Disse-lhes que me entregaria quando o Presidente voltar da Austrália. Sejam quais forem as consequências, estou pronto para cooperar com a Operação Conjunta mesmo apesar de me terem bloqueado. Eu e os meus homens não nos entregámos à Operação Conjunta.

Hoje eu vim através da Igreja e do Centro para o Diálogo Humanitário que nos convenceu a entregarmos ao Comando da Operação Conjunta em Ermera,” explicou Salsinha na Quinta-feira (1/5) no Tribunal do Distrito de Dilidurante o primeiro processo de interrogatório dos amotinados.


Salsinha e cinco dos seus homens estão em detenção pré-julgamento – Timor Post

Uma dúzia de amotinados suspeitos de envolvimento nym ataque contra o primeiro-ministro de Timor-Leste entregou-se às autoridades na Quinta-feira. Salsinha e cinco dos seus homens estão sob detenção pré-julgamento depois duma audiência num tribunal de Dili na Quinta-feira (01/05). Há a possibilidade de Salsinha e dos seus homens serem presos durante mais de 20 anos se forem considerados culpados pelo Tribunal.

A evidência contra Salsinha foi apresentada no tribunal por Marcelo Caetano, um amotinado que tinha testemunhado no Tribunal do Distrito de Dili contra ele durante uma audiência de dois dias na Quinta-feira (01/05).

Salsinha: Não lamento as minhas acções porque não criei o problema – Timor Post

Gastão Salsinha disse que não lamenta as suas acções dado que foram os líderes do país que criaram a situação, não ele. Salsinha disse também que se rendeu às autoridades como tinha prometido previamente logo que o Presidente regressasse a Timor-Leste depois do tratamento médico na Austrália.

“Previamente eu próprio enviei uma mensagem aos dois líderes de topo que me entregaria se o Presidente Ramos-Horta regressar do seu tratamento na Austrália. De outro modo não me entregarei a ninguém, mesmo apesar das forças da Operaçao de Apreensão tenham coberto todas as áreas em Timor-Leste. Mas podia apenas entregar-me ao Presidente Ramos-Horta se ele voltasse. E também me entreguei por causa da boa cooperação entre as igrejas, o Humanitarian Dialogue Centre e outras comunidades que sempre me acompanharam, mas não me entreguei às forças da Operação de Apreensão.” disse Salsinha depois do tribunal na Quinta-feira (01/05) no Tribunal de Dili.

Horta quer visitar os amotinados na prisão – Timor Post

O Presidente Ramos-Horta disse que quer visitar os amotinados que estão na prisão se o Procurador-Geral autorizar. Disse que quer também visitar os peticionários.

“Tenho a certeza que como Presidente não esquecerei esses peticionários dado que o problema deles não está ainda resolvido. Eles são filhos de Deus. O povo de Timor-Leste deve sempre ouvi-los e também aos homens de Salsinha na prisão. Preciso de os visitar se for autorizado pelo Procurador-Geral,” disse o PR Ramos-Horta depois de ter visitado a sede da Operação Apreensão no Memorial Hall na Quinta-feira (30/04).

O Presidente Ramos Horta acrescentou que os que se entregaram não perderão os direntos garantidos pela Constituição.

PR Horta: “Comando da Operação Conjunta fará segurança aos deslocados” – Diario Nacional

O Presidente José Ramos-Horta disse que o Comando da Operação Conjunta continuará a dar segurança a todos os deslocados que regressem às suas casas. Também conduzirá diálogo com os jovens e outros grupos no interior das comunidades.

“Devemos dar as boas vindas uns aos outros, não porque o Governo nos força a isso, mas porque somos sinceros e queremos resolver o problema.

O Estado de Sítio continuará durante alguns dias dado que ainda há armas presentes entre as comunidades,” disse o PR Horta na Quarta-feira (30/4) no Memorial Hall, Dili.

Em separado, o Comandante do Comando da Operação Conjunta, Filomeno Paixão disse que o Governo deve recolher todas as armas ilegais transportadas por pessoas não identificadas para tornar mais fácil o trabalho de dar segurança aos deslocados .

“Não precisamos do apoio do Presidente e do Governo para recolher as armas ilegais transportadas por civis pelo país,” disse o Comandante Paixão.

Ed: Desaio da justiça – Diario Nacional

Começando na Terça-feira (29/4) fechámos uma página velha da violência e abrimos uma nova página e história para a justiça do país.

Não há mais vingança, discriminação e grupos armados a andarem em liberdade pelo país e ameaças à estabilidade desta nova nação.

O grupo amotinado liderado por Gastão Salsinha entregou-se por intermédio do Comando da Operação Conjunta. Mesmo apesar de terem feito grandes esforços para perturbar a nação durante mais de dois anos, no fim não tiveram sucesso para atingir os seus fins.

Aconteceu em Timor-Leste uma coisa única que nunca aconteceu neste mundo. O Estado deu as boas-vindas aos amotinados com uma cerimónia que incluiu o Presidente do Parlamento Nacional Fernando Lasama, o Vice-Primeiro-Ministro José Luis Guterres,o responsável da UNMIT Atul Khare, o Comandante da ISF e da UNPol em Timor-Leste, e todos os deputados e membros do Governo.

É o objectivo da cerimónia mostrar consideração especial pelos amotinados?

É a cerimónia considerada um rebuçado para os tornar [aos amotinados] doces e sentirem que o Estado lhes dará um perdão?

As pessoas interrogam-se sobre o que os líderes estão a fazer agora.

A grande possibilidade é que os segredos de toda a gente sejam revelados no tribunal. Tem o tribunal coragem suficiente para trazer todas essas pessoas à justiça ou não?

Isso é um grande desafio para o sistema judicial. Os judiciais podem ouvir evidência mas segui-la-ão? Estarão a dar uma oportunidade para a interferência de estrangeiros? Se sim, então a esperança de justiça desvanecer-se-à – não haverá justiça para as pessoas comuns; as pessoas pequenas nunca obtém a justiça.


Salsinha estará preso 20 anos – Suara Timor Lorosa’e

O antigo porta-voz dos peticionários, Gastão Salsinha que está acusado de envolvimento nos ataques de 11 de Fevereiro, está a enfrentar 20 anos de prisão, como anunciou o Procurador Felismino Cardoso durante o processo de audiência de Salsinha e do seu grupo na Quinta-feira (1/5) no Tribunal Supremo de Dili.


Escândalo com festa para amotinados de Timor-Leste – ABC Australia, 2 Maio

Autoridades Timorenses deram uma festa aos amotinados acusados de tentarem assassinar os líderes da nação.


A reunião para os 12 amotinados, incluindo o líder Gastão Salsinha, realizou-se na sede conjunta dos polícias e militares horas depois dos homens se terem entregado em Dili na Terça-feira.

Deputados da oposição escandalizados disseram que o evento enviou uma mensagem perigosa aos cidadãos num país que sofre de instabilidade e violência.

Salsinha e os seus amotinados são suspeitos de tentativas de assassínio em Fevereiro contra o Presidente José Ramos Horta, que ficou seriamente ferido, e o Primeiro-Ministro Xanana Gusmão, que escapou ileso.

Depois de terem negociado a rendição na Terça-feira, Salsinha e os seus 11 homens foram os convidados de honra na festa. Vestidos ainda com os seus uniformes de mato, dançaram e beberam com membros da polícia e da força militar, que apenas dias antes os perseguiam nas montanhas.

"Ofereceram-lhes cerveja e comida e foram abraçados e saudados pelos antigos amigos (na força militar) muitas vezes," disse Max Stahl, um realizador de filmes e observador de Timor-Leste.

Os amotinados deixaram a festa cerca das 10 pm, mas polícias e soldados beberam cerveja e dançaram até depois da meia-noite.

Arsénio Bano, um deputado da Fretilin e membro do comité parlamentar da defesa e segurança, disse que a festa foi imatura e bizarra.

"Agora qualquer pessoa neste país pensará que se precisar de obter a atenção do Presidente ou de homens importantes, apenas precisar de criar problemas — muitos problemas vão possibilitar que eles falem com eles e que negociem com eles."

Disse que o modo como os homens tinham sido tratados o faz pessimista sobre o processo da justiça.

Emergiu também que não houve nenhum processo formal à volta da rendição dos amotinados na Terça-feira. Os mandatos de captura contra os homens procurados apenas ontem foram accionados.

Salsinha, que é suspeito de liderar o ataque em 11 de Fevereiro contra o Sr Gusmão, apareceu numa audiência preliminar ontem à tarde.

Os amotinados estão numa instalação de segurança em Dili, sob guarda de polícias e militares.

O comando conjunto da polícia e militares não esteve disponível para comentar.


ONU louva rendição de atacantes Timorenses - United Press International, Abril 29

DILI, Timor-Leste, Abril 29 (UPI) – Autoridades da ONU em Timor-Leste na Terça-feira saudaram a rendição de 12 amotinados procurados por tentativas de assassínio ao presidente e primeiro-ministro do país.


Atul Khare, responsável da missão da ONU na nação da Ásia do Leste, disse que os ataques de 11 de Fevereiro ao Presidente José Ramos-Horta e Primeiro-Ministro Xanana Gusmão tinham ameaçado o país, noticiou o Centro de Notícias da ONU. Falando do comandante amotinado Gastão Salsinha e dos seus seguidores, que se renderam às autoridades em 26 de Abril depois de negociações lideradas por um padre católico, Khare disse, "Eles devem enfrentar a justiça agora"

Ramos-Horta, que foi ferido com gravidade no ataque na sua residência, regressou recentemente a Timor-Leste depois de recuperar dos seus ferimentos na Austrália. O Primeiro-Ministro Gusmão saiu ileso.

Khare urgiu a todos os Timorenses para trabalharem para uma "nação pacífica, próspera e estável, ancorada com segurança numa cultura da democracia, primado da lei e respeito pelos direitos humanos."


UNMIT MONITORIZAÇÃO DOS MEDIA

http://www.unmit.org/

2 comentários:

h correia disse...

"Horta wants to visit the rebels in prison – Timor Post"

Já agora, só falta ir viver para lá com eles. E que tal levar-lhes umas cervejinhas e um karaoke?

Margarida disse...

Tradução:
UNMIT Revista Diária dos Media - 2 Maio 2008
UNMIT-MEDIA

(Relatos de notícias Internacionais e extractos de media nacionais. A UNMIT não garante a correcção destes relatos)


Atentado de 11 Fevereiro: Salsinha vai contar a verdade – Televizaun Timor-Leste

O líder dos amotinados, Gastão Salsinha dirá a verdade no tribunal sobre o que esteve por detrás do atentado de 11 de Fevereiro, quando chegar o dia do julgamento.

“As razões para nos termos entregado à justiça estão baseadas nas minhas declarações anteriores em Março quando recebi um acordo do Procurador-Geral. Disse-lhes que me entregaria quando o Presidente voltar da Austrália. Sejam quais forem as consequências, estou pronto para cooperar com a Operação Conjunta mesmo apesar de me terem bloqueado. Eu e os meus homens não nos entregámos à Operação Conjunta.

Hoje eu vim através da Igreja e do Centro para o Diálogo Humanitário que nos convenceu a entregarmos ao Comando da Operação Conjunta em Ermera,” explicou Salsinha na Quinta-feira (1/5) no Tribunal do Distrito de Dilidurante o primeiro processo de interrogatório dos amotinados.


Salsinha e cinco dos seus homens estão em detenção pré-julgamento – Timor Post

Uma dúzia de amotinados suspeitos de envolvimento nym ataque contra o primeiro-ministro de Timor-Leste entregou-se às autoridades na Quinta-feira. Salsinha e cinco dos seus homens estão sob detenção pré-julgamento depois duma audiência num tribunal de Dili na Quinta-feira (01/05). Há a possibilidade de Salsinha e dos seus homens serem presos durante mais de 20 anos se forem considerados culpados pelo Tribunal.

A evidência contra Salsinha foi apresentada no tribunal por Marcelo Caetano, um amotinado que tinha testemunhado no Tribunal do Distrito de Dili contra ele durante uma audiência de dois dias na Quinta-feira (01/05).

Salsinha: Não lamento as minhas acções porque não criei o problema – Timor Post

Gastão Salsinha disse que não lamenta as suas acções dado que foram os líderes do país que criaram a situação, não ele. Salsinha disse também que se rendeu às autoridades como tinha prometido previamente logo que o Presidente regressasse a Timor-Leste depois do tratamento médico na Austrália.

“Previamente eu próprio enviei uma mensagem aos dois líderes de topo que me entregaria se o Presidente Ramos-Horta regressar do seu tratamento na Austrália. De outro modo não me entregarei a ninguém, mesmo apesar das forças da Operaçao de Apreensão tenham coberto todas as áreas em Timor-Leste. Mas podia apenas entregar-me ao Presidente Ramos-Horta se ele voltasse. E também me entreguei por causa da boa cooperação entre as igrejas, o Humanitarian Dialogue Centre e outras comunidades que sempre me acompanharam, mas não me entreguei às forças da Operação de Apreensão.” disse Salsinha depois do tribunal na Quinta-feira (01/05) no Tribunal de Dili.

Horta quer visitar os amotinados na prisão – Timor Post

O Presidente Ramos-Horta disse que quer visitar os amotinados que estão na prisão se o Procurador-Geral autorizar. Disse que quer também visitar os peticionários.

“Tenho a certeza que como Presidente não esquecerei esses peticionários dado que o problema deles não está ainda resolvido. Eles são filhos de Deus. O povo de Timor-Leste deve sempre ouvi-los e também aos homens de Salsinha na prisão. Preciso de os visitar se for autorizado pelo Procurador-Geral,” disse o PR Ramos-Horta depois de ter visitado a sede da Operação Apreensão no Memorial Hall na Quinta-feira (30/04).

O Presidente Ramos Horta acrescentou que os que se entregaram não perderão os direntos garantidos pela Constituição.

PR Horta: “Comando da Operação Conjunta fará segurança aos deslocados” – Diario Nacional

O Presidente José Ramos-Horta disse que o Comando da Operação Conjunta continuará a dar segurança a todos os deslocados que regressem às suas casas. Também conduzirá diálogo com os jovens e outros grupos no interior das comunidades.

“Devemos dar as boas vindas uns aos outros, não porque o Governo nos força a isso, mas porque somos sinceros e queremos resolver o problema.

O Estado de Sítio continuará durante alguns dias dado que ainda há armas presentes entre as comunidades,” disse o PR Horta na Quarta-feira (30/4) no Memorial Hall, Dili.

Em separado, o Comandante do Comando da Operação Conjunta, Filomeno Paixão disse que o Governo deve recolher todas as armas ilegais transportadas por pessoas não identificadas para tornar mais fácil o trabalho de dar segurança aos deslocados .

“Não precisamos do apoio do Presidente e do Governo para recolher as armas ilegais transportadas por civis pelo país,” disse o Comandante Paixão.

Ed: Desaio da justiça – Diario Nacional

Começando na Terça-feira (29/4) fechámos uma página velha da violência e abrimos uma nova página e história para a justiça do país.

Não há mais vingança, discriminação e grupos armados a andarem em liberdade pelo país e ameaças à estabilidade desta nova nação.

O grupo amotinado liderado por Gastão Salsinha entregou-se por intermédio do Comando da Operação Conjunta. Mesmo apesar de terem feito grandes esforços para perturbar a nação durante mais de dois anos, no fim não tiveram sucesso para atingir os seus fins.

Aconteceu em Timor-Leste uma coisa única que nunca aconteceu neste mundo. O Estado deu as boas-vindas aos amotinados com uma cerimónia que incluiu o Presidente do Parlamento Nacional Fernando Lasama, o Vice-Primeiro-Ministro José Luis Guterres,o responsável da UNMIT Atul Khare, o Comandante da ISF e da UNPol em Timor-Leste, e todos os deputados e membros do Governo.

É o objectivo da cerimónia mostrar consideração especial pelos amotinados?

É a cerimónia considerada um rebuçado para os tornar [aos amotinados] doces e sentirem que o Estado lhes dará um perdão?

As pessoas interrogam-se sobre o que os líderes estão a fazer agora.

A grande possibilidade é que os segredos de toda a gente sejam revelados no tribunal. Tem o tribunal coragem suficiente para trazer todas essas pessoas à justiça ou não?

Isso é um grande desafio para o sistema judicial. Os judiciais podem ouvir evidência mas segui-la-ão? Estarão a dar uma oportunidade para a interferência de estrangeiros? Se sim, então a esperança de justiça desvanecer-se-à – não haverá justiça para as pessoas comuns; as pessoas pequenas nunca obtém a justiça.


Salsinha estará preso 20 anos – Suara Timor Lorosa’e

O antigo porta-voz dos peticionários, Gastão Salsinha que está acusado de envolvimento nos ataques de 11 de Fevereiro, está a enfrentar 20 anos de prisão, como anunciou o Procurador Felismino Cardoso durante o processo de audiência de Salsinha e do seu grupo na Quinta-feira (1/5) no Tribunal Supremo de Dili.


Escândalo com festa para amotinados de Timor-Leste – ABC Australia, 2 Maio

Autoridades Timorenses deram uma festa aos amotinados acusados de tentarem assassinar os líderes da nação.


A reunião para os 12 amotinados, incluindo o líder Gastão Salsinha, realizou-se na sede conjunta dos polícias e militares horas depois dos homens se terem entregado em Dili na Terça-feira.

Deputados da oposição escandalizados disseram que o evento enviou uma mensagem perigosa aos cidadãos num país que sofre de instabilidade e violência.

Salsinha e os seus amotinados são suspeitos de tentativas de assassínio em Fevereiro contra o Presidente José Ramos Horta, que ficou seriamente ferido, e o Primeiro-Ministro Xanana Gusmão, que escapou ileso.

Depois de terem negociado a rendição na Terça-feira, Salsinha e os seus 11 homens foram os convidados de honra na festa. Vestidos ainda com os seus uniformes de mato, dançaram e beberam com membros da polícia e da força militar, que apenas dias antes os perseguiam nas montanhas.

"Ofereceram-lhes cerveja e comida e foram abraçados e saudados pelos antigos amigos (na força militar) muitas vezes," disse Max Stahl, um realizador de filmes e observador de Timor-Leste.

Os amotinados deixaram a festa cerca das 10 pm, mas polícias e soldados beberam cerveja e dançaram até depois da meia-noite.

Arsénio Bano, um deputado da Fretilin e membro do comité parlamentar da defesa e segurança, disse que a festa foi imatura e bizarra.

"Agora qualquer pessoa neste país pensará que se precisar de obter a atenção do Presidente ou de homens importantes, apenas precisar de criar problemas — muitos problemas vão possibilitar que eles falem com eles e que negociem com eles."

Disse que o modo como os homens tinham sido tratados o faz pessimista sobre o processo da justiça.

Emergiu também que não houve nenhum processo formal à volta da rendição dos amotinados na Terça-feira. Os mandatos de captura contra os homens procurados apenas ontem foram accionados.

Salsinha, que é suspeito de liderar o ataque em 11 de Fevereiro contra o Sr Gusmão, apareceu numa audiência preliminar ontem à tarde.

Os amotinados estão numa instalação de segurança em Dili, sob guarda de polícias e militares.

O comando conjunto da polícia e militares não esteve disponível para comentar.


ONU louva rendição de atacantes Timorenses - United Press International, Abril 29

DILI, Timor-Leste, Abril 29 (UPI) – Autoridades da ONU em Timor-Leste na Terça-feira saudaram a rendição de 12 amotinados procurados por tentativas de assassínio ao presidente e primeiro-ministro do país.


Atul Khare, responsável da missão da ONU na nação da Ásia do Leste, disse que os ataques de 11 de Fevereiro ao Presidente José Ramos-Horta e Primeiro-Ministro Xanana Gusmão tinham ameaçado o país, noticiou o Centro de Notícias da ONU. Falando do comandante amotinado Gastão Salsinha e dos seus seguidores, que se renderam às autoridades em 26 de Abril depois de negociações lideradas por um padre católico, Khare disse, "Eles devem enfrentar a justiça agora"

Ramos-Horta, que foi ferido com gravidade no ataque na sua residência, regressou recentemente a Timor-Leste depois de recuperar dos seus ferimentos na Austrália. O Primeiro-Ministro Gusmão saiu ileso.

Khare urgiu a todos os Timorenses para trabalharem para uma "nação pacífica, próspera e estável, ancorada com segurança numa cultura da democracia, primado da lei e respeito pelos direitos humanos."


UNMIT MONITORIZAÇÃO DOS MEDIA
www.unmit.org

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.