sábado, fevereiro 16, 2008

A emboscada a Alfredo Reinado e a Ramos-Horta também - versão do João Carrascalão


Trust shot to pieces in Timor

The Australian
By Paul Toohey in Dili
February 16, 2008 01:00am

• Few believe rebel leader was the real culprit
• Speculation of other forces at work
• Reinado didn't seem a cold-blooded killer


EAST Timor is a changed land, with what remained of its simple innocence lost the moment gunmen opened fire on its most revered statesmen.

These leaders - particularly President Jose Ramos Horta - liked to move among the poor, touching them, talking to them, reassuring them that they would never be forgotten.
All that is gone. There is no one left to trust.

There are many different versions of what happened on Monday morning. Prime Minister Xanana Gusmao has gone for the simplest.

He yesterday said he could, under other circumstances, imagine that Major General Alfredo Reinado may not have intended to kill the President - except for the fact that on this occasion there was another group of men waiting to ambush him as he drove to his Dili office in a motorcade. "It was a well-coordinated attack," said Gusmao.

But the story has taken a deeply sinister turn, with Ramos Horta's brother-in-law, Joao Carrascalao, claiming that both the President and Reinado were set up and attacked by, it would seem, sections of the army, or F-FDTL.

The suggestion is that the Australian-led International Security Force, trying to track down two groups of Reinado's men, are looking for the wrong people.

Despite Gusmao's confidence that this was a double assassination attempt by Reinado's group - a view he is certainly entitled to, given his vehicle was shot up by renegades - virtually no one in East Timor believes it.

Not even Reinado, an accomplished bigmouth who liked to taunt the Government in media interviews and his own DVD propaganda releases, seemed capable of an act of such outright stupidity.

Semi-official version of events questioned

The semi-official version is that Ramos Horta was on his early morning run. Reinado and his offsider Leopoldino entered the presidential compound and were shot dead by the F-FDTL guard.

As Ramos Horta returned with his bodyguards, they came upon the remainder of Reinado's men - four or five of them - who were concealed in the deep open storm drain outside the front gate of the compound. The group turned their weapons on the President and started firing.

What does seem clear is that Reinado and Leopoldino were shot early in the raid - if it was a raid.

Most East Timorese, from senior government ministers to the ordinary but news-aware street people, are convinced it was a set-up.

Carrascalao, an MP, is married to Ramos Horta's sister, Rosa. Her brother, Arsenio, was in the compound when the shooting started.

"The sequence is this," Carrascalao says. "My bother-in-law Arsenio rang my wife from the compound saying there was shooting. My wife then immediately rang Jose Ramos Horta on his morning walk. Jose told her that he heard some shooting in the direction of the house and he was going back to investigate. He had one bodyguard with him."

Why this bodyguard did not prevent his President from walking into a gun battle is somewhat mysterious, but it may be as simple as the fact that Ramos Horta had relatives inside and could not be prevented from approaching.

Carrascalao continues: "Arsenio rang again a few minutes later saying, 'Jose is wounded'. My wife rang the hospital and they dispatched an ambulance. It did not come to him straight away.

"I have another niece that lives at Balide (about a 15-minute drive from Ramos Horta's compound). She tried to go to the house but outside the Hotel California (on the coast road near the Ramos Horta residence), the UN police tried to prevent her from proceeding. Someone - I don't know who - had rung the UN police. They stayed about 300-400m away. They didn't go in. They were even trying to prevent the ambulance from entering."

Carrascalao says the ambulance finally ignored the UN guard and proceeded through to the villa.
"Jose didn't know Reinado was coming,' Carrascalao says. "Not at all. He was very confident he was going to resolve the problem (of the renegade major taunting the Government after fleeing prison following the laying of murder charges). He would talk to Reinado any time but he would never invite Reinado to his house. I can go there unannounced, but he's my brother-in-law. It's a private house."

Ramos-Horta's brother doesn't believe Reinado meant to kill

Carrascalao does not believe Reinado went to kill the President. "I personally don't think someone who had military training would ever prepare something to kill Jose in that way. I'm not a military man but I don't think they would do it.

I think - I can speculate - I think they were both ambushed. I think both Jose and Reinado were tricked."

One of Horta's guards said, on the day of the attack, that Reinado's band disarmed the guards at the front gate. All the men were wearing balaclavas except for Reinado.

Reinado and Leopoldino prowled the compound, finding a house lady and demanding to know where Ramos Horta's bedroom was. They kicked in the door and were engaged by guards and shot dead.

One suggestion is that Reinado had been told Ramos Horta wanted to see him. When he arrived at the front gate and was told Ramos Horta was not there, the self-important Reinado stormed in and demanded his promised audience.

Carrascalao points to the fact that the President was shot in the back as he walked up the hill towards Reinado's men hiding in the storm drain. "Jose was shot in the back. He was not running away. The shots came from behind. The indications are that it was not Reinado's men who shot him - it was a set-up. There was another group laying in wait, across the road."

Carrascalao says there is no doubt Reinado and Leopoldino were shot inside the compound, by F-FDTL guards using machine-guns.

In short, he believes Reinado was summoned to the scene, by someone, to set him up for killing his brother-in-law, the President.

"I think someone had told Reinado to come down and meet Horta. That is my personal belief.

Knowing Jose, knowing how punctual he is, he would never leave the house without keeping an appointment." He also suggests it is possible that Reinado's own balaclava-clad colleagues may have led him into the trap.

As for the ambush on the Prime Minister, Carrascalao believes it was part of a co-ordinated attack but says: "By whom I don't know."

Carrascalao is a free-speaking man. If he thought Reinado's men had tried to kill the President, he would have little hesitation in saying so.

The ISF has for the past three days been prowling the hills above Dili looking for 18 men who it is believed are associated with Reinado's band. One of them is second-in-command, Lieutenant Gastao Salsinha, who is accused of leading the prime ministerial ambush. He insisted several days ago that he had nothing to do with it. Given he is being hunted, he might well say that.

But if you wind back to the start of this problem, in April 2006, when Timor was torn by rioting and mutiny within the armed forces, it was Reinado and Salsinha who abandoned their roles in a protest against the violent actions of the army they were serving in.

Even when Reinado came down from the hills in 2006 and was involved in a gun battle with the army, which saw him charged with murder, vision of the encounter showed him repeatedly warning the army soldiers approaching him that he didn't want to kill them.

Reinado may have seen himself as a freedom fighter, but he never seemed like a cold-blooded killer.


Tradução:

Confiança partida em bocados em Timor

The Australian
Por Paul Toohey em Dili
February 16, 2008 01:00am

• Poucos acreditam que o líder amotinado era o réu real
• Especulação do trabalho doutras forças
• Reinado não parecia um assassino de sangue-frio

Timor-Leste é uma terra mudada, com o que parecia a sua inocência simples perdida no momento em que pistoleiros abriram fogo contra os seus estadistas mais reverenciados.

Esses líderes - particularmente o Presidente José e Ramos Horta – gostavam de andar entre os pobres, tocando neles, reassegurando-os que nunca seriam esquecidos.
Tudo isso foi-se. Já não há ninguém em quem confiar.

Há muitas versões diferentes do que aconteceu na Segunda-feira de manhã. O Primeiro-Ministro Xanana Gusmão foi pela mais simples.

Ontem, ele disse que podia, sob outras circunstâncias, imaginar que o Major General Alfredo Reinado podia não ter a intenção de matar o Presidente – excepto para o caso que nesta ocasião havia um outro grupo de homens à espera de o emboscar quando ia numa caravana para o seu escritório em Dil. "Foi um ataque bem coordenado," disse Gusmão.

Mas a história tomou uma volta profundamente sinistra, com o cunhado de Ramos Horta, João Carrascalão, a afirmar que ambos o President e Reinado tinham sido enganados e atacados pelo que pareceria ser secções das forças armadas ou F-FDTL.

A sugestão é que a Força Internacional de Segurança liderada pelos Australianos que estão a tentar encontrar os dois grupos dos homens de Reinado, andam à procura das pessoas erradas.

A pesar da confiança de Gusmão disto ter sido uma dupla tentativa de assassínio pelo grupo de Reinado – uma opinião a que ele tem o direito dado que o seu veículo foi baleado pelos desertores – virtualmente ninguém em Timor-Leste acredita nisto.

Nem mesmo Reinado, um completo desbocado que gostava de provocar o Governo em entrevistas nos media e em emissões de propaganda nos DVD do próprio, parecia capaz dum acto de tal estupidez.

Versão semi-oficial dos eventos questionada

A versão semi-oficial é que Ramos Horta andava no seu passeio matinal. Reinado e o seu guarda-costas Leopoldino entraram no complexo presidencial e foram ambos mortos a tiro pelos guardas das F-FDTL.

Quando Ramos Horta regressava com os guarda-costas, encontraram os restantes homens de Reinado – quatro ou cinco deles – que estavam escondidos no dreno no exterior do portão da frente do complexo. O grupo virou as armas contra o Presidente e começou a disparar.

O que parece claro é que Reinado e Leopoldino foram baleados no princípio do assalto -se isso foi um assalto.

A maioria dos Timorenses, desde ministros de topo do governo até ao homem de rua mas conhecedor das notícias, está convencido de que isto é uma montagem.

Carrascalão, um deputado, está casado com a irmã de Ramos Horta, Rosa. O irmão dela, Arsénio, estava no complexo quando começaram os tiros .

"A sequência é esta," diz Carrascalão. "O meu cunhado Arsénio telefonou do complexo à minha mulher dizendo que havia tiros. A minha mulher depois telefonou imediatamente ao José Ramos Horta que estava no passeio matinal. O José disse-lhe que tinha ouvido alguns tiros na direcção da casa e que ia voltar para investigar. Ele tinha com ele um guarda-costas."

Porque é que este guarda-costas não preveniu o seu Presidente de caminhar para uma batalha de pistolas é de certo modo misterioso, mas pode ser o simples facto de Ramos Horta ter familiares no interior e não poder ser impedido de se aproximar.

Carrascalão continua: "Arsénio telefonou outra vez uns minutos mais tarde a dizer, 'José está ferido'. A minha mulher ligou ao hospital e eles enviaram uma ambulância. Não veio ter com ele directamente.

"Tenho uma outra sobrinha que vive em Balide (a cerca de 15 minutos de carro do complexo de Ramos Horta). Ela tentou ir para a casa mas no exterior do Hotel California (um na estrada da costa perto da residência de Ramos Horta), a polícia da ONU tentou impedi-la de prosseguir. Alguém – não sei quem – tinha ligado para a polícia da ONU. Eles ficaram a 300-400 m de distância. Eles não foram lá. Eles estavam mesmo a impedir que uma ambulância entrasse."

Carrascalão sdiz que a ambulância acabou por ignorar o gi«uarda da ONU e prosseguiu para a residência.
"José não sabia que Reinado ia lá,' diz Carrascalão. "De modo algum. Ele estava muito confiante que ia resolver o problema (do major desertor gozar com o Governo depois de fugir da prisão após ter sido acusado de homicídio ). Ele falaria com Reinado em qualquer altura mas nunca convidaria Reinado para a sua casa. Posso lá ir sem ser convidade, mas ele é o meu cunhado. É uma casa particular."

Irmão de Ramos-Horta não acredita que Reinado queria matar

Carrascalão não acredita que Reinado lá fosse para matar o Presidente. "Pessoalmente não penso que alguém com formação militar alguma vez preparasse alguma coisa para matar o José naquela maneira. Não sou militar mas não penso que o fizessem.

Penso – posso especular – penso que foram ambos emboscados. Penso que ambos José e Reinado foram enganados."

Um dos guardas de Horta disse, no dia do ataque, que o bando de Reinado desarmou os guardas no portão da frente. Todos os homens usavam balaclavas excepto Reinado.

Reinado e Leopoldino vagabundearam pelo complexo encontrando uma senhora da casa e pediram-lhe para lhes indicar o quarto de Ramos Horta. Meteram a porta dentro ao pontapé, foram engajados por guardas e mortos a tiro.

Uma sugestão é que disseram a Reinado que Ramos Horta o queria ver. Quando ele chegou ao portão da frente e lhe foi dito que Ramos Horta não estava lá, o auto-importante Reinado invadiu por ali dentro e exigiu a prometida audiência.

Carrascalão aponta para o facto do Presidente ter sido baleado pelas costas quando subia o monte em direcção ao dreno onde se escondiam os homens de Reinado. "José foi baleado pelas costas. Ele não estava a fugir. Os tiros vieram detrás. As indicações é que não foram os homens de Reinado que o balearam – isso foi uma montagem. Havia lá outro grupo deitado à espera, do outro lado da estrada."

Carrascalão diz que não há dúvida que Reinado e Leopoldino foram baleados no interior do complexo, por guardas das F-FDTL com metralhadoras.

Em resumo, ele acredita que Reinado foi convocado ao local, por alguém, para montar a morte do seu cunhado, o Presidente.

"Penso que alguém disse ao Reinado para vir e encontrar-se com Horta. Esta é a minha ideia pessoal.

Conhecendo José, conhecendo como ele é pontual, ele nunca sairia de casa sem cumprir um compromisso." Ele sugere também que os próprios colegas de Reinado com balaclavas podiam tê-lo levado para uma armadilha.

Quanto à emboscada ao Primeiro-Ministro, Carrascalão acredita que foi parte dum ataque co-ordenado mas diz: "Por quem não sei."

Carrascalão é um homem que fala livremente. Se ele pensasse que os homens de Reinado tinham tentado matar o Presidente, não teria hesitado em dizê-lo.

Nos últimos três dias a ISF tem andado nas montanhas por cima de Dili à procura de 18 homens que acreditam estarem associados com o bando de Reinado. Um deles é o segundo em comando o tenente Gastão Salsinha, que é acusado de liderar a emboscado ao primeiro-ministro. Ele insistiu há vários dias atrás que nada teve a ver com isso. Dado que anda a ser caçado, tinha mesmo de dizer isso.

Mas se regressarem ao começo deste problema, em Abril de 2006, quando Timor sofreu motins e distúrbios no seio das forças armadas, foram Reinado e Salsinha wquem abandonaram as suas posições num protesto contra as acções violentas das forças armadas que serviam.

Mesmo quando Reinado desceu das montanhas em 2006 e esteve envolvido num tiroteio com as forças armadas, que o levaram a ser acusado por homicídio, o registo do encontro mostra-o a avisar repetidas vezes aos soldados que se aproximavam que não os queria matar.

Reinado pode ter-se visto a si próprio um lutados pela liberdade, mas nunca pareceu ser um assassino a sangue frio:.

4 comentários:

h correia disse...

Há muita especulação nestas afirmações de JC, inconsistentes com depoimentos de uma testemunha que viu passar as duas viaturas a toda a velocidade rumo à casa do PR e do próprio guarda que abateu Reinado, que diz que ripostou aos tiros que vieram dos revoltosos.

Para além disso, há aqui uma incongruência difícil de explicar: se Reinado foi a casa do PR apenas para se encontrar com ele e não para o atacar, tendo ambos sido vítimas de uma emboscada comum, como é que se explica que, a fazer fé nas palavras de Xanana, Salsinha atacou o PM cerca de uma hora depois do tiroteio na casa do PR?

Porque é que Salsinha queria atacar o PM e Reinado não queria atacar o PR?

Aceitam-se sugestões.

Anónimo disse...

Pela primeira vez desde os tristes acontecimentos em Timor que li o que acredito ser a verdade. Horta and major Reinaldo foram ambos vitimas de uma emboscada e, no mesmo local estava uma terceira parte desconhecida de Alfredo.
Acredito tambem que Jose Ramos Horta nao tinha conhecimento desse encontro, entre ele e Reinado.

Quem tambem estava la????????? E matou Reinado e Leopoldino e feriu O Presidente da Republica.


Zoraide em Australia

Anónimo disse...

Bem acho que isto tudo nao foi uma emboscada mas sim uma reacao simplesmente de guarda costa do presidente para matar o Reinado porque primeiro ele queria desarmar os guardacostas de presidente como o que ele tinha feito com os policias da unidade patrulhamento de fornteira em Suai. Segundo o Reinado actuou com a violencia contra a casa do presidente, por isso naturalmente que a unica solucao mais aceitavel era abate-lo. Terceiro nao esquecam que outros homens de Reinado estavam fora da casa do presidente a espera do presidente, entao quem atirou o presidente sao homens de Reinado que estavam fora da casa de Ramos Horta. Eh tao simples como isso, neste momento nao precisamos fazer muitas especulacoes sobre este caso, temos que concentrar agora sim para apanhar outro grupo criminoso de Reinado liderado pelo Gastao Salsinha.

Anónimo disse...

Tradução:
A emboscada a Alfredo Reinado e a Ramos-Horta também - versão do João Carrascalão

Confiança partida em bocados em Timor

The Australian
Por Paul Toohey em Dili
February 16, 2008 01:00am

• Poucos acreditam que o líder amotinado era o réu real
• Especulação do trabalho doutras forças
• Reinado não parecia um assassino de sangue-frio

Timor-Leste é uma terra mudada, com o que parecia a sua inocência simples perdida no momento em que pistoleiros abriram fogo contra os seus estadistas mais reverenciados.

Esses líderes - particularmente o Presidente José e Ramos Horta – gostavam de andar entre os pobres, tocando neles, reassegurando-os que nunca seriam esquecidos.
Tudo isso foi-se. Já não há ninguém em quem confiar.

Há muitas versões diferentes do que aconteceu na Segunda-feira de manhã. O Primeiro-Ministro Xanana Gusmão foi pela mais simples.

Ontem, ele disse que podia, sob outras circunstâncias, imaginar que o Major General Alfredo Reinado podia não ter a intenção de matar o Presidente – excepto para o caso que nesta ocasião havia um outro grupo de homens à espera de o emboscar quando ia numa caravana para o seu escritório em Dil. "Foi um ataque bem coordenado," disse Gusmão.

Mas a história tomou uma volta profundamente sinistra, com o cunhado de Ramos Horta, João Carrascalão, a afirmar que ambos o President e Reinado tinham sido enganados e atacados pelo que pareceria ser secções das forças armadas ou F-FDTL.

A sugestão é que a Força Internacional de Segurança liderada pelos Australianos que estão a tentar encontrar os dois grupos dos homens de Reinado, andam à procura das pessoas erradas.

A pesar da confiança de Gusmão disto ter sido uma dupla tentativa de assassínio pelo grupo de Reinado – uma opinião a que ele tem o direito dado que o seu veículo foi baleado pelos desertores – virtualmente ninguém em Timor-Leste acredita nisto.

Nem mesmo Reinado, um completo desbocado que gostava de provocar o Governo em entrevistas nos media e em emissões de propaganda nos DVD do próprio, parecia capaz dum acto de tal estupidez.

Versão semi-oficial dos eventos questionada

A versão semi-oficial é que Ramos Horta andava no seu passeio matinal. Reinado e o seu guarda-costas Leopoldino entraram no complexo presidencial e foram ambos mortos a tiro pelos guardas das F-FDTL.

Quando Ramos Horta regressava com os guarda-costas, encontraram os restantes homens de Reinado – quatro ou cinco deles – que estavam escondidos no dreno no exterior do portão da frente do complexo. O grupo virou as armas contra o Presidente e começou a disparar.

O que parece claro é que Reinado e Leopoldino foram baleados no princípio do assalto -se isso foi um assalto.

A maioria dos Timorenses, desde ministros de topo do governo até ao homem de rua mas conhecedor das notícias, está convencido de que isto é uma montagem.

Carrascalão, um deputado, está casado com a irmã de Ramos Horta, Rosa. O irmão dela, Arsénio, estava no complexo quando começaram os tiros .

"A sequência é esta," diz Carrascalão. "O meu cunhado Arsénio telefonou do complexo à minha mulher dizendo que havia tiros. A minha mulher depois telefonou imediatamente ao José Ramos Horta que estava no passeio matinal. O José disse-lhe que tinha ouvido alguns tiros na direcção da casa e que ia voltar para investigar. Ele tinha com ele um guarda-costas."

Porque é que este guarda-costas não preveniu o seu Presidente de caminhar para uma batalha de pistolas é de certo modo misterioso, mas pode ser o simples facto de Ramos Horta ter familiares no interior e não poder ser impedido de se aproximar.

Carrascalão continua: "Arsénio telefonou outra vez uns minutos mais tarde a dizer, 'José está ferido'. A minha mulher ligou ao hospital e eles enviaram uma ambulância. Não veio ter com ele directamente.

"Tenho uma outra sobrinha que vive em Balide (a cerca de 15 minutos de carro do complexo de Ramos Horta). Ela tentou ir para a casa mas no exterior do Hotel California (um na estrada da costa perto da residência de Ramos Horta), a polícia da ONU tentou impedi-la de prosseguir. Alguém – não sei quem – tinha ligado para a polícia da ONU. Eles ficaram a 300-400 m de distância. Eles não foram lá. Eles estavam mesmo a impedir que uma ambulância entrasse."

Carrascalão sdiz que a ambulância acabou por ignorar o gi«uarda da ONU e prosseguiu para a residência.
"José não sabia que Reinado ia lá,' diz Carrascalão. "De modo algum. Ele estava muito confiante que ia resolver o problema (do major desertor gozar com o Governo depois de fugir da prisão após ter sido acusado de homicídio ). Ele falaria com Reinado em qualquer altura mas nunca convidaria Reinado para a sua casa. Posso lá ir sem ser convidade, mas ele é o meu cunhado. É uma casa particular."

Irmão de Ramos-Horta não acredita que Reinado queria matar

Carrascalão não acredita que Reinado lá fosse para matar o Presidente. "Pessoalmente não penso que alguém com formação militar alguma vez preparasse alguma coisa para matar o José naquela maneira. Não sou militar mas não penso que o fizessem.

Penso – posso especular – penso que foram ambos emboscados. Penso que ambos José e Reinado foram enganados."

Um dos guardas de Horta disse, no dia do ataque, que o bando de Reinado desarmou os guardas no portão da frente. Todos os homens usavam balaclavas excepto Reinado.

Reinado e Leopoldino vagabundearam pelo complexo encontrando uma senhora da casa e pediram-lhe para lhes indicar o quarto de Ramos Horta. Meteram a porta dentro ao pontapé, foram engajados por guardas e mortos a tiro.

Uma sugestão é que disseram a Reinado que Ramos Horta o queria ver. Quando ele chegou ao portão da frente e lhe foi dito que Ramos Horta não estava lá, o auto-importante Reinado invadiu por ali dentro e exigiu a prometida audiência.

Carrascalão aponta para o facto do Presidente ter sido baleado pelas costas quando subia o monte em direcção ao dreno onde se escondiam os homens de Reinado. "José foi baleado pelas costas. Ele não estava a fugir. Os tiros vieram detrás. As indicações é que não foram os homens de Reinado que o balearam – isso foi uma montagem. Havia lá outro grupo deitado à espera, do outro lado da estrada."

Carrascalão diz que não há dúvida que Reinado e Leopoldino foram baleados no interior do complexo, por guardas das F-FDTL com metralhadoras.

Em resumo, ele acredita que Reinado foi convocado ao local, por alguém, para montar a morte do seu cunhado, o Presidente.

"Penso que alguém disse ao Reinado para vir e encontrar-se com Horta. Esta é a minha ideia pessoal.

Conhecendo José, conhecendo como ele é pontual, ele nunca sairia de casa sem cumprir um compromisso." Ele sugere também que os próprios colegas de Reinado com balaclavas podiam tê-lo levado para uma armadilha.

Quanto à emboscada ao Primeiro-Ministro, Carrascalão acredita que foi parte dum ataque co-ordenado mas diz: "Por quem não sei."

Carrascalão é um homem que fala livremente. Se ele pensasse que os homens de Reinado tinham tentado matar o Presidente, não teria hesitado em dizê-lo.

Nos últimos três dias a ISF tem andado nas montanhas por cima de Dili à procura de 18 homens que acreditam estarem associados com o bando de Reinado. Um deles é o segundo em comando o tenente Gastão Salsinha, que é acusado de liderar a emboscado ao primeiro-ministro. Ele insistiu há vários dias atrás que nada teve a ver com isso. Dado que anda a ser caçado, tinha mesmo de dizer isso.

Mas se regressarem ao começo deste problema, em Abril de 2006, quando Timor sofreu motins e distúrbios no seio das forças armadas, foram Reinado e Salsinha wquem abandonaram as suas posições num protesto contra as acções violentas das forças armadas que serviam.

Mesmo quando Reinado desceu das montanhas em 2006 e esteve envolvido num tiroteio com as forças armadas, que o levaram a ser acusado por homicídio, o registo do encontro mostra-o a avisar repetidas vezes aos soldados que se aproximavam que não os queria matar.

Reinado pode ter-se visto a si próprio um lutados pela liberdade, mas nunca pareceu ser um assassino a sangue frio:.

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.