quarta-feira, fevereiro 13, 2008

E Timor called off hunt for Reinado: Smith

ABC News – Tue, 12 Feb 2008

Foreign Minister Stephen Smith says the East Timorese leadership asked Australian forces to stop looking for rebel leader Alfredo Reinado about nine months ago, because they wanted negotiations to take place.

East Timor President Jose Ramos-Horta was shot yesterday morning in an attack at his home in the capital Dili. He remains in a very serious but stable condition.

There was also an attempted attack on Prime Minister Xanama Gusamo, but he managed to escape unharmed.
Fugitive rebel leader and former army major Alfredo Reinado - who was widely seen as a major destabilising force in East Timor for the past 18 months - was killed in the gun battle outside the presidential home.

Mr Smith says he is not prepared to comment on whether calling off the search was a mistake, because it was a decision for East Timor, not the stabilisation forces.
"As I've said earlier, I'm not proposing to reflect on that decision, but it's something that over time the East Timorese Government, the Australian Government, the international stablisations forces and the United Nations will no doubt reflect on," he said.

Mr Smith had a private meeting with his East Timorese counterpart Zacarias Da Costa at Darwin Royal Hospital this afternoon, where Mr Ramos-Horta is in a serious, but stable condition.

Mr da Costa says he does not think it was a mistake to stop searching for Reinado and he does not regret allowing the rebel leader to remain free, because it was hoped a political solution could be negotiated.
"President Horta together with Prime Minister Xanana have decided that the best way is to engage in dialogue," he said.

"I don't think it was a wrong decision, unfortunately the outcome was different to what we imagined, but I think it was a good decision."

Mr da Costa says the men responsible for the attack are being pursued by police and will be prosecuted.

"We know where they are and I'm sure sooner or later we'll get close to them," he said.
Mr Smith says it is up to East Timor to decide how to deal with the rebels.
"The sensible thing is to hand over their arms and give themselves in," he said.

InquiryMeanwhile, Deputy Prime Minister Jose Luis Guterres has demanded a full inquiry into yesterday's attacks.

Police investigations have already begun into who orchestrated the separate attacks on Mr Ramos-Horta and Mr Gusamo and there are also allegations that UN police left Mr Ramos-Horta bleeding on the road for half-an-hour, before going to his aid.

Mr Guterres says there is no clear motive as to why rebel forces might shoot the President, but he has speculated they may have wanted to bring down the Government to force an early election.

He is demanding an independent commission of inquiry to establish the truth.
Mr Gutteres says he does not believe the attempted assassination will lead to widespread violence.

"The situation in Dili remains calm, as well as in other parts of East Timor," he said.

"The Government institutions related to defence and security are working very closely with the ISF, as well as United Nations police in order to stabilise the country."

Earlier, Mr Smith told a press conference at the hospital that the HMAS Perth is now anchored off Dili and more Australian troops will be in East Timor within 24 hours.

He said Australia was standing by East Timor and more Australian troops and federal police would be on the ground in East Timor by tomorrow.

Mr da Costa thanked the Australian Government and staff at Royal Darwin Hospital for their support and for their speedy response to East Timor's crisis.

Mr Smith would not be drawn on the rules governing the latest troop deployment, but is urging the rebels responsible for yesterday's attack on President Jose Ramos-Horta to give themselves up.

Prime Minister Kevin Rudd has warned that Australia's commitment in East Timor may need to be further adjusted as developments unfold.

Mr Rudd told Parliament the situation in East Timor is currently calm but things could change quickly.

"This however is a very fluid environment and all of us in this Parliament, who've observed the throws of the emergence of this new democracy since the independence ballot some years ago, know how volatile things can become," he said.
"It will therefore require our continued efforts and attention to respond to security developments as they unfold."

--------------------------------------------------
ABC/AFP - Tue, 12 Feb 2008

UN defends Ramos-Horta response time

As the first additional Australian troops arrive in the capital Dili, the United Nations in East Timor has presented evidence to reject claims its officers left President Jose Ramos-Horta bleeding on the road after he was shot in an attempted assassination yesterday morning.
Planes carrying up to 200 troops and 70 police to help bolster security on the ground started arriving during the evening (Australian time).

The navy ship HMAS Perth had already docked in Dili Harbour.

The UN has come under attack for allegedly leaving Mr Ramos-Horta lying in agony for more than 30 minutes after being shot two or three times in the upper body.

Mr Ramos-Horta lost at least eight litres of blood before being evacuated to Royal Darwin hospital where he was in a serious but stable condition on Tuesday.

But a senior UN official says police records show UN officers received the first call of the shooting at 6:59am (local time).

He says police arrived at 7:15am, the President was found near a fence at 7:23am and was in an ambulance two minutes later.

Investigations have established there were 10 assailants involved in the attack, including rebel leader Alfredo Reinado, who was shot dead.

Hard questionsMeanwhile East Timor's military chief has demanded an explanation as to how renegade soldiers were able to reach the homes of the nation's two top leaders to launch the assassination attempts.

Brigadier General Taur Matan Ruak said that the military was only responsible for security within the perimeters of President Jose Ramos-Horta's residence, while national police and UN police had jurisdiction for his personal security.

"Given the big number of international forces present in Timor-Leste, in particular in Dili, how is it possible that vehicles transporting armed people have entered the city and executed an approach to the residences of the President and Prime Minister without having been detected?" Brig-Gen Ruak said in a statement he read out at the military headquarters.

"There has been a lack of capacity shown by the international forces who have the primary responsibility for security within Timor-Leste, to foresee, react and prevent these events," he said.

Meanwhile the wife of East Timor's Prime Minister Xanana Gusmao says armed men surrounded her family's home during yesterday's assasination attempt on her husband.
Prime Minister Gusmao was unhurt when his car was fired upon in a separate attack to the one that seriously wounded President Ramos-Horta.

Mr Gusmao's Australian-born wife Kirsty Sword Gusmao was at home with her children yesterday morning when the attacks occured.

"It was a great sort of panic and confusion and I got the children dressed as quickly as I could and had them lie under the bed, all the while, unsure of exactly how many men we were talking about," she said.

"We only had a very small security contingent."###

2 comentários:

Anónimo disse...

Tradução:
Smith: Timor-Leste cancelou procura de Reinado
ABC News – Terça-feira, 12 Fev 2008

O Ministro dos Estrangeiros Stephen Smith diz que a liderança Timorense pediu às forças Australianas para deixarem de procurar o líder amotinado Alfredo Reinado há cerca de nove meses atrás, porque queriam que ocorressem negociações.

O Presidente de Timor-Leste José Ramos-Horta foi baleado ontem de manhã num ataque à sua casa na capital Dili. Permanece numa condição muito séria mas estável.

Houve também uma tentativa de ataque contra o Primeiro-Ministro Xanama Gusmão, mas conseguiu escapar ileso.
O líder amotinado foragido e antigo major das forças armadas Alfredo Reinado – que era alargadamente visto como a maior força desestabilizadora em Timor-Leste nos últimos 18 meses – foi morto no tiroteio no exterior da casa presidencial.

O Sr Smith diz que não está preparado para comentar sobre se o cancelamento da procura foi um erro, porque essa era uma decisão para Timor-Leste, não para as forças de estabilização.
"Como disse antes, não estou a propor uma reflexão sobre essa decisão, mas isso é algo sobre que o Governo Timorense, o Governo Australiano, as forças internacionais de estabilização e as Nações Unidas reflectirão sem dúvida," disse.

O Sr Smith teve um encontro particular com o seu colega Timorense Zacarias Da Costa no Darwin Royal Hospital esta tarde, onde está o Sr Ramos-Horta numa condição séria mas estável.

O Sr da Costa diz que não pensa ter sido um erro parar a procura de Reinado e não lamenta ter autorizado que o líder amotinado estivesse em liberdade, porque havia a esperança de se poder negociar uma solução política.
"O Presidente Horta juntamente com o Primeiro-Ministro Xanana decidiram que a melhor via era o engajamento no diálogo," disse.

"Não penso que essa fosse uma decisão errada, infelizmente o resultado foi diferente do que imaginávamos, mas penso que foi uma boa decisão."

O Sr da Costa diz que os homens responsáveis pelo ataque estão a ser perseguidos pela polícia e serão processados.

"Sabemos onde eles estão e tenho a certeza que mais cedo ou mais tarde chegaremos perto deles," disse.
O Sr Smith diz que compete a Timor-Lesto decidir como lidar com os amotinados.
"A coisa sensível é entregarem as armas e entregarem-se," disse.

Inquérito
Entretanto o Vice-Primeiro-Ministro José Luis Guterres pediu um inquérito complete aos ataques de ontem.

As investigações da polícia já começaram aos ataques orquestrados mas separados ao Sr Ramos-Horta e Sr Gusmão e há também alegações que a polícia da ONU deixou o Sr Ramos-Horta a sangrar na estrada durante meia hora antes de o ir ajudar.

O Sr Guterres diz que não há motivos claros para as forças amotinadas balearem o Presidente, mas especulou que podem ter tentado derrubar o Governo para forçar a eleições antecipadas.

Está a pedir uma comissão de inquérito independente para estabelecer a verdade.
O Sr Guterres diz que não acredita que a tentativa de assassínio levará a violência alargada.

"A situação em Dili permanece calma, bem como noutras partes de Timor-Leste," disse.

"As instituições do Governo relacionadas com a defesa e a segurança estão a trabalhar muito de perto com a ISF, bem como a polícia da ONU de modo a estabilizar o país."

Antes, o Sr Smith disse numa conferência de imprensa no hospital que o HMAS Perth está agora ancorado em Dili e que estarão mais tropas Australianas em Timor-Leste dentro de 24 horas.

Disse que a Austrália estava com Timor-Leste e que amanhã estariam no terreno mais tropas e polícias Australianos.

O Sr da Costa agradeceu ao Governo Australiano e funcionários do Royal Darwin Hospital pelo apoio e a resposta rápida à crise de Timor-Leste.

O Sr Smith não esclareceu sobre as regras de governo para o ultimo destacamento de tropas, mas apelou aos amotinados responsáveis pelo ataque de ontem contra o Presidente José Ramos-Horta para se entregarem.

O Primeiro-Ministro Kevin Rudd tem avisado que o compromisso da Austrália em Timor-Leste pode precisar de mais ajustamentos conforme os eventos se desenvolvem.

O Sr Rudd disse ao Parlamento que a situação em Timor-Leste está calma correntemente mas que rapidamente as coisas podem mudar.

"Este contudo é um ambiente muito fluido e todos nós neste Parlamento, que temos observado as explosões de emergência desta nova democracia desde a votação para a independência há alguns anos, sabemos como as coisas se podem tornar voláteis," disse.
"Vou pois por isso pedir a nossa atenção e esforços continuados para responder aos desenvolvimentos de segurança conforme se desenrolem."

--------------------------------------------------
ABC/AFP – Terça-feira, 12 Fev 2008

ONU defende o tempo da resposta a Ramos-Horta

Quando chegam as primeiras tropas Australianas na capital Dili, a ONU em Timor-Leste apresentou evidência para rejeitar afirmações dos seus funcionários terem deixado o Presidente José Ramos-Horta a sangrar na estrada depois de ter sido baleado numa tentativa de assassínio ontem de manhã.
Aviões transportando mais de 200 tropas e 70 polícias para ajudarem a reforçar a segurança no terreno começaram a chegar durante a noite (hora Australiana).

O navio da marinha HMAS Perth já tinha atracado no Porto de Dili.

A ONU está sob ataque por alegadamente ter deixado o Sr Ramos-Horta ldeitado em agonia durante mais de 30 minutos depois de ter sido baleado duas ou três vezes na parte superior do corpo.

O Sr Ramos-Horta perdeu pelo menos oito litros de sangue antes de tser evacuado para o Royal Darwin hospital onde está numa condição séria mas estável na Terça-feira.

Mas um funcionário de topo da ONU diz que gravações da polícia mostram funcionários da ONU a receberem a primeira chamada sobre o tiroteio às 6:59 am (hora local).

Diz que a polícia chegou às 7:15 am, que o Presidente foi encontrado perto duma vedação às 7:23 am e que estava numa ambulância dois minutos depois.

As investigações estabeleceram que houve 10 assaltantes envolvidos no ataque, incluindo o líder amotinado Alfredo Reinado, que foi morto a tiro.

Perguntas difíceis
Entretanto o chefe das forças militares de Timor-Leste pediu uma explicação sobre como soldados renegados foram capazes de alcançar as casas dos dois líderes de topo da nação para lançar tentativas de assassínio.

O Brigadeiro General Taur Matan Ruak disse que os militares são apenas responsáveis pela segurança dentro do perímetro da residência do Presidente José Ramos-Horta, e que a polícia nacional e a polícia da ONU tinham a jurisdição da sua segurança pessoal.

"Dado o grande número das forças internacionais presentes em Timor-Leste, em particular em Dili, como é que é possível que veículos transportando pessoas armadas tenham entrado na cidade e executado uma aproximação às residências do Presidente e Primeiro-Ministro sem terem sido detectados?" disse o Brig-Gen Ruak numa declaração que leu no quartel-militar.

"Houve uma falta de capacidade mostrada pelas forças internacionais que têm a responsabilidade primária pela segurança dentro de Timor-Leste, para prever, reagir e prevenir estes eventos," disse.

Entretanto a mulher do Primeiro-Ministro de Timor-Leste Xanana Gusmão diz que homens armados cercaram a cada da família durante a tentativa de assassínio contra o seu marido ontem.
O Primeiro-Ministro Gusmão saiu ileso quando dispararam contra o seu carro num ataque separado daquele que feriu seriamente o Presidente Ramos-Horta.

A mulher Australiana do Sr Gusmão Kirsty Sword Gusmão estava em casa com os filhos ontem de manhã quando ocorreu o ataque.

"Foi uma espécie de grande pânico e confusão e eu vesti as crianças tão rapidamente pude e deitei-as debaixo da cama, ao mesmo tempo, sem saber de quantos homens estamos a falar," disse.

"Tinhamos apenas um muito pequeno contingente de segurança."###

h correia disse...

O ministro australiano confirma que a sua tropa só obedece a Ramos Horta e Xanana Gusmão - a "liderança" timorense, como ele lhes chama.

Conclui-se assim que essa força militar estrangeira é uma espécie de guarda pretoriana do PR e do PM, não se sujeitando à ordem jurídica de Timor-Leste.

Ainda por cima, nem esse papel sabem desempenhar, pois não conseguiram (ou não quiseram) evitar os reentes atentados.

Masoquismo timorense?

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.