quinta-feira, outubro 04, 2007

Timor Leste: Challenges for the Xanana Alliance

OpEdNews
Original Content at http://www.opednews.com/articles/opedne_tima_071003_timor_leste_3a_challen.htm
October 4, 2007

Timor Leste: Challenges for the Xanana Alliance
by Tim Anderson

The outcome of Timor Leste's parliamentary election could be seen as a political victory for former President and now Prime Minister Xanana Gusmão. Some factors are running in his favour; but there are substantial challenges.

Xanana has managed to sideline Fretilin (still the strongest political force in the country) for the time being. His Parliamentary Majority Alliance (AMP), created after the election, has a new constellation of Ministers and Secretaries of State. Fretilin still regards the process by which the AMP was installed as unconstitutional, but has abandoned the idea of a legal challenge.

Xanana's alliance inherits a budget which has more than doubled, thanks to increased petroleum royalties. Further, the Howard Government has rewarded with increased aid what it sees as a more pro-Australian regime. A Rudd Government has already committed to increased aid and scholarships for the entire region.

In a clever move, Xanana has contracted the services of former Victorian Labor Premier Steve Bracks, as an adviser. This will give him an excellent line of communication with the likely incoming Labor Government in Canberra.

However an increased budget and Australian support may not be enough. Xanana has used up much of his political capital in coming to power. He has undermined the political parties he helped create and now dominates and relies on a disparate group with little collective political will.

The strongest group in the new Ministry is the conservative Social Democratic Party (PSD), with links to the old UDT. Xanana's National Congress for Timorese Reconstruction (the new 'CNRT'), despite being the major party in the AMP, remains more an umbrella group than a party. The Democratic Party (PD), formerly the major opposition party, now has less influence.

Nationalists are thin on the ground. Two of the new ministers and at least three of the Secretaries of State backed the 1999 'autonomy' option with Indonesia. Graffiti in Dili reminds them of this, and of their links with militia violence.

Autonomists in, nationalists out. Xanana's main post-independence theme of reconciliation has contributed to this re-alignment. This political shift, more than the somewhat associated 'east-west' ethnic divide, reflects the divisions that destroyed the police and damaged the army in 2006.

Former army Major Alfredo Reinado, an escapee wanted for murder, remains at large and a potential embarrassment to the new government. Xanana is widely believed to have backed Reinado's armed rebellion. The UN investigation into the 2006 crisis diplomatically labelled the former President’s connection with Reinado as unwise (“increasing tensions between the President and the army”) but not criminal. Reinado might yet have his say on this matter, if he faces trial. However in view of the failure to arrest and prosecute the high-profile escapee, resolving the ‘Reinado problem’ is now universally seen as Xanana’s responsibility.

Fretilin, the former government leader, has worn its share of blame for the crisis. Its vote fell from 56% in 2001 to 29% in 2007. However Xanana's fall was hardly less dramatic. As a Fretilin-backed independent he gained over 80% in the 2002 Presidential vote. His new political party gained just 24% in the 2007 elections.

The new ‘CNRT' (using the initials of an earlier, genuinely broad coalition) has little by way of policies or party structure. On one view this new CNRT, with refugees from Fretilin, PD and elsewhere, is little more than a political vehicle for Xanana. He certainly has all authority in both the CNRT and the AMP.

After the breakup of the original CNRT, in the name of multi-party elections, Xanana encouraged the formation of the PD. This party became the main opposition and the potential beneficiary of the attempted coup in 2006.

However in 2007 Xanana bypassed the PD, attracting some of their support into his new CNRT. As a result, PD's vote only increased a little over that of 2001 (from 9% to 11%). PD was offered just two ministries in the new government, plus the Presidency of the Parliament for PD leader Fernando ‘Lasama’ de Araújo. Many PD members are dissatisfied with this outcome. Lasama seems to have gained little influence, remaining dependent on Xanana.

In sum, Timor Leste has acquired a weak and disparate government, dominated by a Presidential-style Prime Minister, with few policies. Its vulnerability to external pressures is plain.

What are these pressures? First, the struggle with Australia over energy resources, having reached some form of compromise over royalties in the shared JPDA zone, is likely to move on into issues of gas processing and new explorations.

The Fretilin-led government was developing plans and finance for onshore LNG processing and has allocated some new exploration contracts. There is more money in gas processing than gas royalties; and the benefits from new fields are likely to be substantial.

The immediate Australian pressure on Xanana's AMP government will be to abandon the plan to divert and process gas from the Greater Sunrise Field in Timor Leste, and allow it all to be piped to Darwin. Canberra will also seek to exclude new, non-Australian energy development partners. The failure to conclude proper maritime boundaries has already allowed Canberra to play on that ambiguity, suggesting Australian consent for new exploration is required. Nevertheless, the Indian Reliance group begins drilling in 2008.

The World Bank (WB) is similarly positioning itself to influence the new administration. In August the World Bank together with the Asian Development Bank (ADB) – bodies which function as effective lobby groups for private foreign investors – produced a report called 'Healing the Nation'. This report reinforced several themes of importance to foreign investors.

In the absence of clear, independent policies to defend national assets and build public institutions, the development banks and their privatisation agendas will have greater influence.

Reinforcing this position, two senior ministers in the new cabinet have worked for the World Bank and the ADB.

On the question of prudent use of the Petroleum Fund, the World Bank and Fretilin were in agreement, albeit for different reasons. The World Bank wants limited government expenditure so as to maximise the opportunities for private investment; the Fretilin-led government simply accepted the need for cautious and sustainable fiscal policy.

This is one area where Xanana has proposed a policy departure, through more rapid use of petroleum revenues. However the expanded budget, increased aid and the fact that parliamentary approval is required to draw extra revenue from the Petroleum Fund might help modify Xanana's position.

On the other hand, the World Bank and Fretilin leaders clashed on questions of capacity building and, in particular, public institutions. In 2000 the World Bank (and AusAID) opposed the use of aid moneys for reconstructing East Timor's rice industry, and opposed public grain silos and public abattoirs. They also pushed for privatisation of Agricultural Service Centres and the newly created Microfinance Institution.

In 'Healing the Nation' the World Bank comes out strongly against any new public banking facilities, arguing for reliance on the established private banks, such as the ANZ. This is probably a reference to discussions around a possible Rural Bank, or at least a regulated line of credit from the private banks to farmers. Privatisation of the Microfinance Institution of East Timor (MFIET) also remains on the ADB's agenda.

The Banks and the new administration seem to agree on tax cuts, small as Timor Leste's tax base is. President Jose Ramos Horta has floated the idea of radical tariff and income tax cuts, and 'Healing the Nation' supports such an approach. The objective is increased private foreign investment.

However Timor Leste has no highly competitive industries, so slashing taxes is unlikely to result in increased foreign investment. New investment, e.g. in tourism, will be far more dependent on political stability, improved infrastructure and improved public health. Experience elsewhere shows that market access, clear rules and the above mentioned conditions are far more important than low tax rates.

On the other hand, abolishing corporate income taxes (while popular with corporations) will place greater reliance on the Petroleum Fund and aid programs. Nevertheless, it seems the new government may be headed in this direction.

Xanana's alliance faces the challenge of maintaining and developing the very sound initiatives of the country's first independent government in education and health. These initiatives include the abolition of school fees at primary and lower secondary levels and the introduction of school meals. These meals are important for undernourished children, so they can concentrate in class.

This program, which began in three districts in 2006, needs further investment and development. However pressure from within the alliance to divert funds into a range of pet projects, plus World Bank advisers arguing for greater reliance on 'user pays' regimes, could subvert the modest but steady growth in enrolment numbers.

The World Bank supports the idea of using revenue for ‘Conditional Cash Transfers’ (CCT), a sort of micro-dispersal of state funds to families, with social objectives attached. The macroeconomic idea is to provide an stimulus to effective demand. However, such moves are likely to be wasteful, undermining state investment in badly needed education, health and infrastructure.

There are many ways in which public moneys can be wasted. There are demands from a wide range of veterans and their families, which might either be sifted through carefully or conceded en masse. The Church is likely to demand public funds for its social projects. The diverse members of the loose alliance will have their own demands. With an anticipated narrowing of the tax base, greater reliance on the Petroleum Fund and wasteful expenditure could push the country down the ‘resource’ curse’ road. A small country should invest its limited income carefully.

Cuban assistance in health and adult literacy has been remarkable. Apart from the 300 Cuban health workers in Timor Leste, 800 Timorese students are now studying medicine with the Cubans, 700 in Cuba and 100 in Timor Leste. The current Cuban offer is for up to 1,000 medical scholarships. This collaboration, which began in 2003, is the largest health aid program in the entire Asia-Pacific region, and very good deal for the country. Within ten to fifteen years, East Timorese graduates will replace all the Cuban doctors.

An associated Cuban literacy program (currently in Portuguese but moving to Tetum) began in 2007 and is due to spread to the more than 400 villages of the country. Those attending so far are mostly women.

While the Cuban connection has been opposed by the US and sections of the Catholic Church, these programs are now very popular and have been supported from their inception by Xanana and Jose Ramos Horta. They seem likely to continue. In a sign of continuity, the new Health Minister has the former Health Minister as an adviser.

A final challenge emerging from the World Bank's recent report is pressure for land registration. It is a common demand of World Bank and AusAID that land should be commodified and that secure title be made available for investors. At first glance this might seem an attractive proposition for a country with many land disputes, arising from distinct colonial periods. However land registration is a process which historically dispossesses small holders and advantages large corporate interests. The likely prizes are fertile land for export crops and prime coastal land for tourism.

Timor Leste's constitution does not permit foreigners or corporations to own land. The World Bank contests this, and is urging the new administration to remove 'obstacles' to the commercialisation of land. This could mean changes to the constitution, or contractual means to avoid the constitution. Both the US and Australian governments are believed to be pushing for amendments to the constitution, to allow foreigners to own land. This presents yet another challenge for the Xanana Alliance.

Authors Bio: Tim Anderson is an academic and social activist based in Sydney, Australia

1 comentário:

Margarida disse...

Tradução:
Timor Leste: Desafios para a Aliança de Xanana
OpEdNews
Conteúdo Original em http://www.opednews.com/articles/opedne_tima_071003_timor_leste_3a_challen.htm
Outubro 4, 2007

Timor-Leste: Desafios para a Aliança de Xanana
por Tim Anderson

O resultado das eleições legislativas de Timor-Leste pode ser visto como uma vitória política para o antigoPresidente e agora Primeiro-Ministro Xanana Gusmão. Alguns factores correm a seu favor mas há desafios substanciais.

Xanana conseguiu põr de lado a Fretilin (ainda a força política mais forte no país) por agora. A sua Aliança de Maioria Parlamentar (AMP), criada depois das eleições, tem uma nova constelação de Ministros e Secretários de Estado. A Fretilin considera ainda o processo pelo qual a AMP foi nomeada como inconstitucional, mas abandomou a ideia dum desafio legal.

A aliança de Xanana herda um orçamento que mais do que duplicou, graças às aumentadas royalties do petróleo. Mais ainda, o Governo Howard premiou com ajuda aumentada o que parece ser um regime mais pró-Australiano. Um Governo Rudd já se comprometeu a aumentar a ajuda e bolsas de estudo para toda a região.

Num gesto esperto, Xanana contratou os serviços do antigo Premier do Labor de Victoria Steve Bracks, como conselheiro. Isto dar-lhe-à uma excelente linha de comunicação com o provavelmente próximo Governo Labor em Canberra.

Contudo um orçamento aumentado e o apoio Australiano pode não ser o suficiente. Xanana usou muito do seu capital político em ir para o poder. Ele minou os partidos políticos que ajudou a criar e que agora domina e com quem conta num grupo muito diferente com pouca vontade política colectiva.

O partido mais forte no novo Executivo é o conservador PSD, com ligações ao velho UDT. O novo CNRT de Xanana, apesar de ser o maior partido na AMP, permanece mais um grupo chapéu do que um partido. O PD, anteriormente o maior partido da oposição, tem agora menos influência.

Nacionalistas são escassos no terreno. Dois dos novos ministros e pelo menos três dos Secretários de Estado apoiaram a opção da 'autonomia' com a Indonésia em 1999. Graffiti em Dili lembram-lhes disso, e das suas ligações com a violência das milícia.

Autonomistas dentro, nacionalistas fora. O principal tema pós-independência de Xanana, a reconciliação contribuiu para este re-alinhamento. Esta viragem política, mais do que a de certo modo associado divisor étnico 'leste-oeste', reflecte as divisões que destruíram a polícia e danificaram as forças armadas em 2006.

O antigo Major das forças armadas Alfredo Reinado, um fugitivo procurado por homicídio, mantém-se ao largo e é um embaraço potencial para o novo governo. É amplamente acreditado que Xanana apoiou a rebelião armada de Reinado. A investigação da ONU à crise de 2006 diplomaticamente rotulou a conexão do antigo Presidente com Reinado como não inteligente (“aumentando as tensões entre o Presidente e as forças armadas”) mas não criminosa. Reinado pode ainda ter a sua palavra nesta matéria, se enfrentar julgamento. Contudo em vista do falhanço para prender e processar o fugitivo de alto perfil, resolver o ‘problema Reinado’ é agora visto universalmente como da responsabilidade de Xanana.

A Fretilin, o antigo líder do governo, esgotou a sua parte de culpa da crise. A sua votação caiu de 56% em 2001 para 29% em 2007. Contudo a queda de Xanana não foi menos dramática. Como independente apoiado pela Fretilin teve mais de 80% nas eleições Presidenciais em 2002. O seu novo partido político teve apenas 24% nas eleições de 2007.

O novo ‘CNRT' (usando as iniciais de uma anterior genuinamente alargada coligação) tem poucas políticas ou estrutura partidária. Por um lado este novo CNRT, com refugiados da Fretilin, do PD e doutros lados, pouco mais é do que um veículo político para Xanana. O certo é que ele tem toda a autoridade tanto no CNRT como na AMP.

Depois da ruptura do CNRT, em nome de eleições multi-partidárias, Xanana encorajou a formação do PD. Este partido tornou-se a principal oposição e o beneficiário potencial da tentativa de golpe em 2006.

Contudo em 2007 Xanana bipassou o PD, atraindo algum do seu apoio para o seu novo CNRT. Como resultado, a votação no PD apenas subiu um pouco mais do que em 2001 (de 9% para 11%). Ao PD fo oferecido apenas dois ministérios no novo governo, mais a Presidência do Parlamento para o líder do PD Fernando ‘Lasama’ de Araújo. Muitos membros do PD estão descontentes com este resultado. Lasama parece ter ganho pouca influência, continuando dependente de Xanana.

Em suma, Timor-Leste adquiriu um governo fraco e muito diferente, dominado por um Primeiro-Ministro de estilo Presidencia, com poucas políticas. É clara a sua vulnerabilidade a pressões exteriores.

Quais são essas pressões? Primeira, a luta com a Austrália sobre recursos de energia, tendo alcançado de alguma forma decompromisso sobre royalties na zona JPDA partilhada,é provável que se avance em questões de processamento de gás e novas explorações.

O governo liderado pela Fretilin estava a desenvolver planos e financiamentos para o onshore, o processamento de LNG e tinha alocado alguns novos contractos de exploração. Há mais dinheiro no processamento do gás do que nas royalties do gás; e os lucros dos novos campos provavelmente são substanciais.

A pressão imediata Australiana sobre o governo da AMP de Xanana será para abandonar o plano para mudar e processar o gás do Campo Greater Sunrise em Timor-Leste, e permitir que tudo seja canalizado para Darwin. Canberra procurará ainda excluir novos, não-Australianos parceiros do desenvolvimento da energia. O falhanço na conclusão de fronteiras marítimas adequadas já permitiu a Canberra jogar nessa ambiguidade, sugerindo que é necessário o consentimento Australiano para a nova exploração. Contudo o grupo Indian Reliance começa a perfurar em 2008.

O Banco Mundial (BM) está a posicionar-se similarmente ele próprio para influenciar a nova administração. Em Agosto o Banco Mundial juntamente com o Banco de Desenvolvimento Asiático (ADB) – órgãos que funcionam como grupos de pressão efectivos para investidores estrangeiros privados – produziram um relatório chamado 'Curando a Nação'. Este relatório reforça vários temas de importância para investidores estrangeiros.

Na ausência de políticas claras e independentes para defender bens nacionais e construir instituições públicas, os bancos de desenvolvimento e as suas agendas de privatização terão maior influência.

Reforçando esta posição, dois ministros de topo no novo gabinete já trabalharam para o Banco Mundial e para o ADB.

Sobre a questão do uso prudente do Fundo de Petróleo, o banco Mundial e a Fretilin estavam de acordo, apesar de por razões diferentes. O Banco Mundial quer gastos limitados do governo para maximizar as oportunidades para o investimento privado; o governo liderado pela Fretilin aceitou simplesmente a necessidade de uma política fiscal prudente e sustentável.

Esta é uma área onde Xanana propôs uma política de partida, através do uso mais rápido dos rendimentos do petróleo. Contudo o orçamento aumentado, a ajuda maior e o facto de ser necessário a aprovação parlamentar para retirar rendimentos extra do Fundo do Petróleo podem ajudar a modificar a posição de Xanana.

Por um lado, o Banco Mundial e os líderes da Fretilin confrontaram-se em questões de construção de capacidade e, em particular, instituições públicas. Em 2000 o Banco Mundial (e a AusAID) opuseram-se ao uso do dinheiro da ajuda para reconstruir a indústria de arroz de Timor-Leste e opuseram-se a silos públicos de sementes e a grãos e a matadouros públicos. Puxaram também pela privatização de Centros de Serviços Agrícolas e pelas recentemente criadas instituições de Microfinanças.

Em 'Curando a Nação' o Banco Mundial fala fortemente contra qualquer nova instalação bancária pública, argumentando com a confiança nos bancos privados estabelecidos, como o ANZ. Isto provavelmente é uma referência a discussões acerca de um possível Banco Rural, ou pelo menos a uma linha de crédito regulada de crédito de bancos privados para agricultores. Privatizações e Instituições de Microfinanças de Timor-Leste (MFIET) mantém-se também na agenda do ADB.

Os Bancos e a nova administração parecem concordar com cortes de taxas, pequena como é a base das taxas de Timor-Leste. O Presidente José Ramos Horta tem vendido a ideia de cortes radicais do rendimento de taxas e tarifas, e 'Curando a Nação' apoia tal abordagem. O objectivo é aumentar o investimento privado estrangeiro.

Contudo Timor-Leste não tem nenhuma indústria altamente competitiva, assim abaixar as taxas provavelmente não resultará no aumento do investimento estrangeiro. Novo investimento, p.e. no turismo, será muito mais dependente da estabilidade política, infra-estruturas melhoradas e melhor saúde pública. As experiências noutros lugares mostram que o acesso ao mercado, regras claras e as acima mencionadas condições são bem mais importantes do que taxas baixas.

Por outro lado, abolir rendimentos de taxas de corporações (apesar de ser popular nas corporações) colocará uma maior dependência no Fundo do Petróleo e em programas de ajuda. Apesar disso, parece que o novo governo pode ir nesta direcção.

A aliança de Xanana enfrente o desafio de manter e desenvolver as iniciativas muito sólidas do primeiro governo independente do país na educação e saúde. Essas iniciativas incluem a abolição das propinas nas escolas primárias e preparatórias e a introdução de refeições escolares. Estas refeições são importantes para as crianças subnutridas, para poderem concentrar-se nas aulas.

Este programa, que começou em três distritos em 2006, precisa de maior investimento e desenvolvimento. Contudo a pressão do interior da aliança para desviar financiamentos para uma série de projectos menores, mais os conselheiros do Banco Mundial a argumentar por maior confiança em regimes de 'usador pagador', pode subverter o modesto mas sólido crescimento nos números de matrículas.

O Banco Mundial apoia a ideia de usar rendimentos para ‘Transferências Condicionais de Dinheiro’ (CCT), uma espécie de micro-dispersão de fundos do estado a famílias, com objectivos sociais amarrados. A ideia macro-económica a é dar estímulos para a procura efectiva. Contudo tais gestos provavelmente serão um desperdício, minando o investimento do Estado muito necessária na educação, saúde e infraestruturas.

Há muitas maneiras para desperdiçar dinheiros públicos. Há pedidos de uma grande quantidade de veteranos e suas famílias, que podem ser canalizadas com cuidado ou dadas em massa. É provável que a Igreja peça financiamento público para os seus projectos sociais. Os membros diversos da aliança solta terão os seus próprios pedidos. Com um estreitamento antecipado da base de taxação, a maior dependência do Fundo do Petróleo e gastos desperdiçados podem empurrar o país pela estrada abaixo da “maldição dos recursos”. Um país pequeno deve investir os seus recursos limitados cuidadosamente.

A assistência Cubana na saúde e na alfabetização de adultos tem sido extraordinária. Além dos 300 trabalhadores de saúde Cubanos em Timor-Leste, 800 estudantes Timorenses estão agora a estudar medicina com os Cubanos, 700 em Cuba e 100 em Timor-Leste. A corrente oferta Cubana vai até às 1,000 bolsas de estudo para medicina. Esta colaboração, que começou em 2003, é o maior programa de ajuda de saúde em toda a região da Ásia-Pacífico, e um muito bom acordo para o país. Dentro de dez a quinze anos, os Timorenses graduados substituirão todos os doutores Cubanos.

Um programa associado de alfabetização Cubano (correntemente em Português mas a mudar para Tétum) começou em 2007 e é previsto espalhar-se a mais de 400 aldeias do país. Até agora os que atendem na maioria são mulheres.

Conquanto a conexão Cubana tenha tido a oposição dos USA e de sectores da Igreja Católica, agora esses programas são muito populares e têm sido apoiados desde o início por Xanana e José Ramos Horta. Parece provável que continuem. Num sinal de continuidade, o novo Ministro da Saúde tem o antigo Ministro da Saúde como conselheiro.

Um desafio final que emerge do relatório recente do Banco Mundial é a pressão para o registo da terra. É uma exigência vulgar do Banco Mundial e da AusAID que a terra deve ser tornada uma comodidade e que títulos seguros devem ser disponibilizados para investidores. À primeira vista isto pode parecer uma proposta atractiva para um país com tantas disputas de terra, derivadas de períodos coloniais distintos. Contudo o registo de terras é um processo que historicamente desaloja pequenos proprietários e traz vantagens aos grandes interesses das corporações. Os prováveis vencedores são terra fértil para culturas de esportações e terra costeira de primeira classe para o turismo.

A Constituição de Timor-Leste não permite a estrangeiros ou a corporações serem donos de terras. O Banco Mundial contesta isto, e está a urgir à nova administração para remover 'obstáculos' à comercialização da terra. Isto pode significar mudanças na Constituição ou meios contractuais para evitar a Constituição. Acredita-se que ambos os governos, dos USA e Australiano estão a empurrar para emendas na Constituição, para autorizar que estrangeiros sejam donos da terra. Isto apresenta contudo outro desafio para a Aliança de Xanana .

Biogradia do Autor: Tim Anderson é um académico e activista social baseado em Sydney, Austrália

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.