quarta-feira, abril 02, 2008

Pires admits she was Reinado's lover, but didn't influence him

The Age
Lindsay Murdoch, Darwin
April 2, 2008

TIMORESE-BORN Australian Angelita Pires admits she was the lover of rebel leader Alfredo Reinado and says she understands why she has been accused of influencing him in the lead-up to last month's attacks in Dili.

But in her first public statement since wounded president Jose Ramos Horta last week publicly accused her of manipulating Reinado, Ms Pires claimed she had been made a scapegoat.

"I appreciate the President of the Republic and I understand his reaction," Ms Pires said. "He is a man who always fights for peace and equality — because of this he did not deserve to suffer or to continue to suffer."

Mr Ramos Horta had described Reinado as an "unstable" person who was influenced and manipulated by several people including Ms Pires.

However, Ms Pires claimed in the statement obtained by The Age that she stopped providing legal advice to Reinado in December.

"But both of us had private relations — there was no connection with his case," she said.
Ms Pires, who is under house detention in Dili while investigations into the attacks continue, called on Timorese to wait for the facts to be put before the courts before condemning her.

"I am innocent," she said. Ms Pires denied that she had influenced "Reinado or anyone else to destroy or kill anyone else".

She was detained only days after Reinado and his co-commander, Gastao Salsinha, led attacks on Mr Ramos Horta and Prime Minister Xanana Gusmao soon after dawn on February 11.
Mr Gusmao escaped unhurt. Mr Ramos Horta received two gunshot wounds and is recovering in a Darwin residence.

Ms Pires, who grew up in Darwin and returned to East Timor in the early 1990s, said her job before December was in part to co-ordinate Reinado's movements with security agencies .
She said she urged Reinado to be non-violent and submit to justice.

Reinado, an Australian-trained army officer, was wanted for multiple murder and armed rebellion when he was shot dead at Mr Ramos Horta's house on the morning of the attacks.
Ms Pires has told a judge when questioned last month that she was with Reinado the evening before the attacks.

"I have told everything I know to the investigation judge to help establish the truth," she said.
Some members of parliament in Dili believe that Reinado was lured to Mr Ramos Horta's house where gunmen were waiting to assassinate him.

Salsinha and a small group of rebels are still on the run in East Timor's mountains.

Tradução:

Pires admite que era amante de Reinado mas que não o influenciou

The Age
Lindsay Murdoch, Darwin
Abril 2, 2008

AAustraliana Angelita Pires, Timorense de nascimento admite que era a amante do líder amotinado Alfredo Reinado e diz que compreende que seja acusada de o influenciar no período antes dos ataques do mês passdo emDili.

Mas na sua primeira declaração pública desde que o presidente ferido José Ramos Horta a acusou publicamente de manipular Reinado, a Srª Pires afirmou que estão a fazer dela um bode expiatório.

"Estimo o Presidente da República e compreendo a sua reacção," disse a Srª Pires. "É um homem que sempre lutou pela paz e igualdade — por causa disto ele não merece sofrer ou continuar a sofrer."

O Sr Ramos Horta tinha descrito Reinado como uma pessoa "instável" que era influenciado e manipulado por várias pessoas incluindo a Srª Pires.

Contudo, a Srª Pires afirmou numa declaração obtida pelo The Age que deixou de dar apoio legal a Reinado em Dezembro.

"Mas ambos nós tínhamos relações particulares — não houve nenhuma conexão com o seu caso," disse ela.
A Srª Pires, que está em detenção domiciliária em Dili enquanto continuam as investigações aos ataques, pediu aos Timorenses para esperarem pelos factos que vão ser postos perante os tribunais antes de a condenarem.

"Estou inocente," disse ela. A Srª Pires negou que tivesse influenciado "Reinado ou qualquer outra pessoa para destruir ou matar alguém".

Ela foi detida poucos dias depois de Reinado e o seu co-comandante, Gastão Salsinha, ter liderado ataques contra o Sr Ramos Horta e o Primeiro-Ministro Xanana Gusmão pouco depois do nascer do dia em 11 de Fevereiro.
O Sr Gusmão escapou ileso. O Sr Ramos Horta recebeu duas ferimentos de bala e está a recuperar numa residência em Darwin.

A Srª Pires, que cresceu em Darwin e regressou a Timor-Leste no princípio dos anos 1990s, disse que o seu trabalho antes de Dezembro foi em parte para coordenar os movimentos de Reinado com as agências de segurança .
Ela disse que pediu a Reinado para não ser violento e para se sujeitar à justiça.

Reinado, um oficial das forças armadas formado pelos Australianos era procurado por homicídios múltiplos e rebelião armada quando foi morto a tiro em cada do Sr Ramos Horta' na manhã dos ataques.
A Srª Pires disse a um juiz quando interrogada no mês passado que esteve com Reinado na noite antes dos ataques.

"Eu contei tudo que sei ao juiz que está a investigar para ajudar a estabelecer a verdade," disse ela.
Alguns membros do parlamento em Dili acreditam que Reinado foi atraído à casa do Sr Ramos Horta onde estavam pistoleiros à espera para o assassinarem.

Salsinha e um pequeno grupo de amotinados estão ainda em fuga nas montanhas de Timor-Leste.

3 comentários:

Margarida disse...

Tradução:
Pires admite que era amante de Reinado mas que não o influenciou
The Age
Lindsay Murdoch, Darwin
Abril 2, 2008

AAustraliana Angelita Pires, Timorense de nascimento admite que era a amante do líder amotinado Alfredo Reinado e diz que compreende que seja acusada de o influenciar no período antes dos ataques do mês passdo emDili.

Mas na sua primeira declaração pública desde que o presidente ferido José Ramos Horta a acusou publicamente de manipular Reinado, a Srª Pires afirmou que estão a fazer dela um bode expiatório.

"Estimo o Presidente da República e compreendo a sua reacção," disse a Srª Pires. "É um homem que sempre lutou pela paz e igualdade — por causa disto ele não merece sofrer ou continuar a sofrer."

O Sr Ramos Horta tinha descrito Reinado como uma pessoa "instável" que era influenciado e manipulado por várias pessoas incluindo a Srª Pires.

Contudo, a Srª Pires afirmou numa declaração obtida pelo The Age que deixou de dar apoio legal a Reinado em Dezembro.

"Mas ambos nós tínhamos relações particulares — não houve nenhuma conexão com o seu caso," disse ela.
A Srª Pires, que está em detenção domiciliária em Dili enquanto continuam as investigações aos ataques, pediu aos Timorenses para esperarem pelos factos que vão ser postos perante os tribunais antes de a condenarem.

"Estou inocente," disse ela. A Srª Pires negou que tivesse influenciado "Reinado ou qualquer outra pessoa para destruir ou matar alguém".

Ela foi detida poucos dias depois de Reinado e o seu co-comandante, Gastão Salsinha, ter liderado ataques contra o Sr Ramos Horta e o Primeiro-Ministro Xanana Gusmão pouco depois do nascer do dia em 11 de Fevereiro.
O Sr Gusmão escapou ileso. O Sr Ramos Horta recebeu duas ferimentos de bala e está a recuperar numa residência em Darwin.

A Srª Pires, que cresceu em Darwin e regressou a Timor-Leste no princípio dos anos 1990s, disse que o seu trabalho antes de Dezembro foi em parte para coordenar os movimentos de Reinado com as agências de segurança .
Ela disse que pediu a Reinado para não ser violento e para se sujeitar à justiça.

Reinado, um oficial das forças armadas formado pelos Australianos era procurado por homicídios múltiplos e rebelião armada quando foi morto a tiro em cada do Sr Ramos Horta' na manhã dos ataques.
A Srª Pires disse a um juiz quando interrogada no mês passado que esteve com Reinado na noite antes dos ataques.

"Eu contei tudo que sei ao juiz que está a investigar para ajudar a estabelecer a verdade," disse ela.
Alguns membros do parlamento em Dili acreditam que Reinado foi atraído à casa do Sr Ramos Horta onde estavam pistoleiros à espera para o assassinarem.

Salsinha e um pequeno grupo de amotinados estão ainda em fuga nas montanhas de Timor-Leste.

h correia disse...

"Ms Pires [...] said her job before December was in part to co-ordinate Reinado's movements with security agencies."

Acho que não é preciso acrescentar mais nada. Acho que todos sabemos o que significa "coordenar os movimentos de Reinado com "agências de segurança"...

Anónimo disse...

can anybody fathom this relationship between a client an adviser? This woman is the female version of "womaniser". She was supposedly sivorced or separated, lured timorese young man, got everything he had, and went on the look out for the man most timorese call Hero. Like her cousin Emilia, she is a dangerous and manipulative with a hunger for men and power. They are a DISASTER for East Timor.

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.