segunda-feira, março 17, 2008

Reinado to live on as vivid figure in Timor folklore

The Camberra Times
17 March 2008 - 8:48AM
Steven Sengstock

Amonth has passed since the death of Alfredo Reinado in a fire-fight at the home of East Timor's President Jose Ramos Horta. There has been no backlash from his supporters and in the past week many rebel soldiers have surrendered peacefully.

Nevertheless, the power Reinado might wield over the populace in death should not be underestimated.

Reinado's many admirers helped him remain at large for almost two years, and it was they who helped him to appear suddenly and unexpectedly at Ramos Horta's front door. They are the volatile, disenfranchised mass of East Timorese society who feel they can find neither voice nor representation in either the new Government of Xanana Gusmao or Mari Alkatiri's Fretilin opposition.

They are the young Timorese who, before Reinado's death, would draw you close and whisper, "Did you know Alfredo has very strong connections with the people of Manufahi? They say he's blessed with the spirit of Dom Boaventura."

Boaventura was the king, or liurai, of the Manufahi region in the rugged hills south of Dili. He died almost 100 years ago but his tenacious spirit lives on. He is the man many see as the father of East Timorese nationalism. In Timor there is an almost Arthurian sense of legend and mythology attached to his name. He is remembered as the archetypal Timorese warrior king in a country where archetypes rarely emerge from a complex cultural and ethno-linguistic puzzle.

Last year, just days before international troops launched their abortive attack on Reinado's hideout in the hills above the town of Same in Manufahi, rumours fanned out across the country that Reinado had been involved in a rare ritual ceremony. During the ceremony, presided over by Manufahi elders and described by some as a coronation, Reinado was said to have been endowed with the late Boaventura's supernatural powers.

Late in 1911, Boaventura had united many of East Timor's indigenous kingdoms in revolt against the repressive and exploitative Portuguese colonial administration. Employing guerrilla tactics akin to those used by Xanana Gusmao in the struggle against the Indonesian Army 70 years later, at one stage Boaventura came close to overrunning Dili. But the military odds were against him and ultimately he was forced back into the remote hills around Manufahi.

His resistance came to a dramatic and tragic end in August 1912. Surrounded and besieged on a mountain top, Boaventura led a courageous breakout. On horseback at the head of his warriors he plummeted towards Portuguese lines in a charge that one awestruck historian described as "a great avalanche down the side of the mountain". The warrior king escaped, but most of his estimated three thousand followers did not. They were rounded up by the colonial forces and systematically slaughtered over two nights and two days of concentrated killing.

Boaventura led a people suffering the exploitation of a colonial administration whose true authority projected little outside of Dili. Reinado, too, claimed to represent a growing population of youth and common folk disillusioned with a Government struggling to extend its judicial and administrative reach beyond the same city limits. And just as Boaventura relied on the support of influential kingdoms in central and western East Timor, Reinado and his men, too, moved freely about the same regions.

Boaventura enjoyed far less support in the east of the country, and Reinado could not venture there for fear of death. Both were known for their daring escapes and, as legend would have it, were impervious to the bullets of foreigners.

Nonetheless, Reinado's early 2007 attempt to draw parallels between his plight and that of Boaventura invited heavy criticism. Pointing to Reinado's part-Portuguese heritage, some said he was trying to appropriate a heroism and history that was not rightfully his.

Others judged it a cynical manipulation of sacred traditional beliefs and memories with the objective of winning over an ill-informed and vulnerable support base.

In fact, for many in East Timor, there will be little to lament in the passing of the fast-talking, handsome rebel leader. From the chaos of East Timor's crisis of mid-2006, the former military police major emerged as a serious embarrassment to East Timor's Government and the international forces it had invited to stabilise the country. By the time of his death Reinado had destroyed his relationships with almost all political factions, his notoriety growing with each of his anti-establishment stunts and daring escapes.

The innocent villagers who suffered from Reinado's destabilising presence in the mountainous interior will also have little to lament. Even in the western districts where Reinado was most popular, the arrogance and heavy-handedness of his men drew frequent complaints. His rebellion placed an incalculable burden on the East Timor economy, causing fear-induced delays to development projects and distracting officials from the crucial mission of rebuilding the conflict-riven nation.

Boaventura's ultimate fate has never been established. The colonial record has him facing court proceedings in the years after his rebellion but has nothing clear to say about his death. Nor did foreign bullets bring Reinado down. By all accounts his escape from last year's assault on his base in the interior city of Same was nothing short of miraculous and, in the end, it was a Timorese bodyguard and Timorese bullets that killed him.

Ultimately, only in death may Reinado find a true parallel with the warrior king. Just as the name Boaventura is revered in far more corners of the country today than he could have hoped for in his day, so the spectre has now appeared of a Reinado who, despite his failings, may live even more vividly in popular memory than he ever did in real life.

Steven Sengstock is a Masters candidate researching the history of East Timor in the Faculty of Asian Studies, ANU College of Asia and the Pacific.


Tradução:

Reinado vai ficar como uma figura viva do folclore de Timor

The Camberra Times
17 Março 2008 - 8:48AM
Steven Sengstock

Passou um mês desde a morte de Alfredo Reinado num tiroteio em casa do Presidente de Timor-Leste José Ramos Horta. Não houve nenhum contra-golpe dos seus apoiantes e na semana passada muitos soldados amotinados renderam-se pacificamente.

Contudo o poder de Reinado pode continuar e não se deve subestimar a sua morte.

Os muitos admiradores de Reinado ajudaram-no a ficar ao largo durante quase dois anos, e foram eles que o ajudaram a aparecer subitamente e inesperadamente na porta da casa de Ramos Horta. Eles são uma massa volátil, frustrada da sociedade Timorense que sentem que não encontram nem voz nem representação quer no novo Governo de Xanana Gusmão ou na oposição da Fretilin de Mari Alkatiri.

São os jovens Timorenses que, antes da morte de Reinado, se chagavam ao pé de ti e murmuravam, "Sabia que Alfredo tem conexões muito fortes com o povo de Manufahi? Dizem que foi abençoado com o espírito de Dom Boaventura."

Boaventura foi o rei, ou liurai, da região de Manufahi nos montes rugosos a sul de Dili. Ele morreu quase há 100 anos mas o seu espírito persistente mantém-se vivo. Ele é o homem que muitos vêem como o pai do nacionalismo Timorense. Em Timor há um sentimento quase Arturiano de mitologia ligado ao seu nome. Ele é lembrado como o rei guerreiro arquétipo Timorense num país onde os arquétipos raramente emergem dum complexo puzzle cultural e etno-linguístico.

No ano passado, dias antes das tropas internacionais terem lançado o seu ataque abortado ao esconderijo de Reinado nos montes por cima da cidade de Same em Manufahi, correram rumores pelo país que Reinado tinha estado envolvido numa cerimónia ritual rara. Durante a cerimónia presidida pelos anciãos de Manufahi e descrita por alguns como de coroação, foi dito que Reinado recebeu os poderes sobrenaturais do falecido Boaventura.

No final de 1911, Boaventura uniu muitos dos reinos indígenas de Timor-Leste em revolta contra a administração colonial Portuguesa repressiva e exploradora. Empregando tácticas de guerrilha parecidas com as usadas por Xanana Gusmão na luta contra as forças armadas Indonésias 70 anos mais tarde, numa altura Boaventura esteve perto de conquistar Dili. Mas a aventura militar virou-se contra ele e finalmente foi forçado a recuar para os montes remotos à volta de Manufahi.

A sua resistência teve um fim trágico e dramático em Agosto de 1912. Cercado num topo de montanha, Boaventura liderou um ataque corajoso. Montado a cavalo à frente dos seus guerreiros mergulhou para as linhas Portuguesas num ataque que historiadores admirados descreveram como "uma grande avalanche a cair montanha abaixo". O rei guerreiro escapou, mas não escapou a maioria estimada de três mil seguidores. Foram cercados pelas forças coloniais e sistematicamente abatidos em duas noites e dois dias de assassínios concentrados.

Boaventura liderou um povo a sofrer duma administração colonial cuja autoridade pouco se projectava para além de Dili. Reinado, também, reivindicava representar uma parte crescente da juventude e do povo comum desiludida com um Governo em luta para estender o seu braço judicial e administrativo para além dos limites da mesma cidade. E tal como Boaventura contava com o apoio de reinos influentes no centro e oeste de Timor-Leste, Reinado e os seus homens também se movimentavam livremente nas mesmas regiões.

Boaventura gozava de muito menos apoio no leste do país e Reinado nem se podia aventurar até lá com medo de morte. Ambos eram conhecidos pelas fugas audaciosas, e conforme o mito, eram impermeáveis às balas de estrangeiros.

Contudo, as tentativas no princípio de 2007 de Reinado para tentar traçar um paralelismo entre a sua luta e a de Boaventura levantou críticas pesadas. Alguns, apontando para a meia herança Portuguesa de Reinado, disseram que ele estava a tentar apropriar-se dum heroismo e duma história que por direito não era sua.

Outros julgaram isso como uma manipulação cínica de crenças e memórias tradicionais sagradas com o objectivo de ganhar uma base de apoio vulnerável e mal informada.

De facto, para muitos em Timor-Leste, pouco há para lamentar pelo falecimento do líder amotinado de língua afiada e bem-parecido. Do caos da crise de meados de 2006 em Timor-Leste, o antigo major da polícia militar emergiu como um embaraço sério para o Governo de Timor-Leste e para as forças internacionais que tinha convidado para estabilizar o país. Na altura da sua morte Reinado tinha destruído as suas relações com quase todas as facções políticas, crescendo a sua fama com as suas bocas anti-institucionais e fugas atrevidas.

Os aldeões inocentes que sofreram com a presença desestabilizadora de Reinado no interior montanhoso têm também pouco a lamentar. Mesmo nos distritos do oeste onde Reinado era mais popular, a arrogância e a mão pesada dos seus homens atraiu queixas frequentes. A sua rebelião colocou um peso incalculável na economia de Timor-Leste, causando atrasos induzidos pelo medo em projectos de desenvolvimento e distraindo as entidades oficiais da missão crucial de reconstrução da nação cheia de conflitos.

Nunca se conseguir saber qual foi o destino final de Boaventura. Os arquivos coloniais têm-no a enfrentar procedimentos nos tribunais nos anos depois da rebelião mas não há nada claro sobre a sua morte. Nem foram as balas estrangeiras que derrubaram Reinado. Nem pelos relatos a sua fuga do assalto do ano passado na sua base na cidade do interior, Same, esteve sequer perto de ser milagrosa e, acabou por ser um guarda-costas Timorense e balas Timorenses que o mataram.

Finalmente, apenas na morte pode Reinado encontrar um paralelo verdadeiro com o rei guerreiro. Tal como o nome de Boaventura é reverenciado em muitos mais cantos do país do que ele alguma vez podia esperar no seu tempo, também agora apareceu um espectro de um Reinado que, apesar dos seus falhanços, pode ter mais vivacidade na memória popular do que ele teve alguma vez na vida real.

Steven Sengstock é um candidato a Mestre de investigação da história de Timor-Leste na Faculdade de Estudos Asiáticos, ANU Colégio da Ásia e Pacífico.

6 comentários:

Anónimo disse...

Dear Moderator,

We publish a weekly called Kla'ak. We have recently set up our on-line edition. The address is hattp://klaak-semanal.blogspot.com

Our names, contact details and address can be found on this website.

The article below was originally published in Tetum in this week's edition "Rede Feto Husu Dioseze Atu Responde Violensia Seksual Husi Padre". You can access the original Tetum version at http://klaak-semanal.blogspot.com/2008/03/leno-rede-feto-husu-dioseze-atu.html

Please publish this article on the ETAN list.

Best regards,

Kla'ak Editor
klaak_investigativu(a)yahoo.com; (670) 735 1360; (670) 727 8247
Fatin: Rua de Moçambique, 1/IA, Palapaço-Farol, Dili, Timor-Leste (next door to La'o Hamutuk)


Rede Feto demands Church to answer claims of sexual abuse by priests
team kla'ak



A priest is alleged to have committed sexual abuse against a woman. This case was then handled through mediation outside the formal justice system. Through the mediation, the Church and the victim's family agreed on a payment of damage for the victim of US$1000. The Rede Feto (an umbrella organisation representing women's NGOs) believes that this type of issue is not only limited to Oecusse.


In October of 2005 a 23 year old woman was sexually assaulted by a priest, known only as AL. She later gave birth to a baby girl in May of 2006.

According to the victim's lawyer, this case has been forwarded to the court of law in Oecusse where AL is accused of sexual assault, which also resulted in the victim's pregnancy. However AL has denied all responsibility for his actions.

Pedro do Nascimento Noronha, the parish priest of Oecusse, confirms that AL did commit such act against two sisters. However he also says that there is no substantial evidence to prove that AL committed these acts or that the two women are in fact the victims.

"Offcourse, morally, as a priest, he has shown a bad behaviour to the members of the Church. But as a woman, and a Christian, she too should be conscious that she should not fall into temptation. If she knows that the man is a priest, why did she allow herself to make this mistake? So we should not look only at the priest's mistake," Noronha says.

However, according to the victims' mother, AL has yet to meet the victim's family and assume responsibility for his daughter, who is now a year and a half. "We have taken this case to the court with the help of a local NGO called FFSO (Fundasaun Fatu Sinai Oecusse). But it has taken a long time to get any solution. Finally in 2007 the Parish Church and AL's family called us to resolve this issue through mediation or traditional justice at Oecusse church. AL's family paid a fine of US$1000 to the victim's family," Mrs. Texeira, the victim's mother says.

Calling on both families to resolve this case had been an initiative of the Oecusse Parish prist. Noronha had been assigned by the Bishop of Dili's Diocese to help mediate between the two families. Both families reached an agreement through his mediation.

"As the victim's mother I don't want to talk about this problem too much. We are just an ordinary family without the means to do much. We have waited for too long for any results from the court. So we just follow whatever the Oecusse Parish priest asks of us, to resolve this issue through mediation. Padre Pedro also promised us that he will help us bring up this issue to the Diocese," the victim's mother says with apparent sadness.

The baby's grandmother adds that she will not try to find other ways of finding a solution to her daughter's case. The victim and her family promised the Oecusse Parish priest and AL's family that they will not proceed with this case any further although the case has been handed to the court. If they reneged on their promise, as parents of the victim, they will be fined with twice the amount they received from AL's family.

When they tried to bring the AL's case to the Diocese, Noronha said that it was no longer his responsibility but it was the Bishop's responsibility to deal with this issue. As a priest he was only asked to mediate between the two families. The victim's and AL's families have not yet met to resolve this problem at the Diocese. "I don't know about this issue and you can see the Bishop of Diocese because this is his responsibility to answer," Noronha retorts angrily.

The director of Rede Feto, Ubalda Alves, told Kla'ak that cases of sexual violence involving the priests do not occur only in Oecusse. There are other cases which take place in other districts as well. The victims, or the women involved, don't yet have enough courage to come out publicly and denounce these incidences because of shame and because the suspect is a priest. This type of attitude makes it difficult for those who work in the area of promotion of women's rights to raise these issues.

"Rede Feto has also received cases of sexual violence involving the priests in the district of Baucau but when we approached them, the victims become too afraid to speak out about their ordeals. Some went as far as moving out and moved to Indonesia. We also tried to contact some of them by phone but they are always afraid to speak out," Ubalda Alves said through an interview at Rede Feto office in Colmera.

Alves says that Rede Feto feels saddened by what the priests have committed against the women. "These types of actions violate human rights, in particular the rights of a woman. The priests should be a role model for the society. But they have become suspects of sexual violence," Alves added.

The Rede Feto, through its member organisations like Fokupers, Alola Foundation, and its partners, Pradet, JSMP and other NGOs are ready to assist the victims who want to bring up their problems.

Ubalda has also stressed that Rede Feto and its members are ready to help the victims with the provision of safe houses and counselling; legal assistance, should the victims wish to take up their cases to the courts; and providing the victims with moral support. Sexual abuse is a crime. It's not an ordinary case which should be resolved through traditional justice. "It should be handled through the court because only through the court can the victim's rights be upheld before the law," the former Fokupers activist said.

Alves stressed further that the representatives of all women's organisations have asked the Diocese to look into these cases as crimes. These cases are a threat to the priests' moral integrity. The Diocese should have firm conviction to confront these cases. They should not be silenced and swiped under the carpet.

The Diocese should not encourage the victims to be silent but it must encourage the victims and their families to take up these cases in the court of law like any ordinary citizen. Criminal cases should not be resolved by transferring the priests to other locations. This is not the way to solve these problems. "I think the Church's Canon law number 1395, Article 1 and 2, year 1395, says that if a priest is involved in a criminal case such as sexual violence, sexual abuse or other acts of violence which result in the death of another person, he has violated the 6th Commandment and he can receive suspension as well expulsion from the Church. Nevertheless we should also answer before the court of law to account for our actions," Alves says.

Alves further explains that Rede Feto's department of advocacy is determined to continue following these cases until some justice is achieved. According to Rede Feto, some members of Timor's Catholic church are still very conservative and are fearful of the priests. But Rede Feto will find ways to educate them that before the law everyone is equal.

The way that the Oecusse Parish priest, together with the families of AL and the victim, undertook this mediation without the presence of the Police and the legal councillors representing the victim through the assistance of the NGO FFSO, will raise many questions. "I don't know if they are going to resolve this issue through traditional justice or mediation because the victim's and the Parish priest's sides have not informed us" John, the director of FFSO, the group which facilitated legal assistance to the victim's family, says.

When Kla'ak tried to contact the Bishop of Dili, Mgr. Ricardo da Silva, at his office at the Câmara, for comments, Padre Apolinário Guterres, the Vicar General said that the Bishop is not, and will not be, available to speak to any journalist for the next weeks or months. "As the Vicar General I cannot comment on this issue. Only the Bishop can comment on this issue. It seems like the Bishop will not have any time to respond because he has lots of work," Guterres says.

If some priests have committed sexual assault against a women, why can't this case be brought before the court of law? Is justice only for the ordinary people in this country? Wait and see.

domdaibere disse...

R u sure that he was shooted by east timorese guards? there r rumors strongly spreading that he was ambushed and cowardly shooted by australian force snipers which is used the FDTL as the camouflage....
many timorese escpecially reinados supporters knew about it....

A lot of things will be clarified in the court when reinados men salsinha and susar give their testimony, mate....

h correia disse...

Pode ser eficaz como chamariz para vender jornais, mas é no mínimo bizarra e errónea esta comparação de Reinado com D. Boaventura de Manufahi e a luta deste com a luta de Xanana Gusmão contra a invasão indonésia.

Acho que já chega de falar de Reinado. Que descanse em paz, se os vivos o deixarem.

Quanto a D. Boaventura, foi um guerreiro, como sempre foram os timorenses. Mas o facto que o tornou famoso foi a sua revolta contra Portugal, o que mostra bem como isso era algo fora do vulgar, mesmo naquela época. Quando os primeiros portugueses puseram pé em Timor, esta ilha já era um mosaico de dezenas de reinos unidos ou separados conforme as conveniências de cada momento, alternando os períodos de paz com os de guerra, em que as cabeças dos derrotados eram impiedosamente cortadas.

Há cem anos, Portugal era apenas mais um actor entre tantos outros e nem por isso o mais importante, dada a quantidade escassa dos seus representantes em Timor e, consequentemente, a sua escassa influência. O próprio Sengstock fala de “a colonial administration whose true authority projected little outside of Dili.” As atenções bélicas dos reinos viravam-se, por isso, preferencialmente para os reinos rivais. Estas tendências, a célebre “Funu” que dá o título ao livro de Cal Brandão, é elemento intrínseco timorense e fundamental para entender o que foi a resistencia à ocupação indonésia, as milícias de 1999 e até muitos dos fenómenos que ainda hoje perduram no Timor-Leste independente.

Como em muitos casos da História, o mito sobreviveu - e sobrepôs-se - ao homem. Portugal também tem o seu mito, D. Sebastião. Como Manuel Amaral escreve no seu “Portal da História”, D. Sebastião “Cresceu na convicção de que Deus o criara para grandes feitos”. Assim se lançou numa empresa suicida contra a África moura, deixando o reino arruinado, sem rei e a meio-caminho de perder a sua independência, o que não tardou muito.

A sua curta história acabaria aí, pouco depois de ter começado, se não fosse o poder do mito popular que o transformou no célebre "Desejado", apelido por que passou a ficar conhecido até aos dias de hoje, não só em Portugal como também no Brasil. O facto de o seu corpo nunca ter sido encontrado só veio reforçar a convicção popular de que ele ainda está vivo e regressará numa manhã de nevoeiro.

No seu excelente trabalho “As Raízes do Sebastianismo”, em http://www.klepsidra.net/klepsidra2/sebastianismo.html, Rodrigo Silva sintetiza muito bem o conceito sebastiânico: “É a tragédia, o sofrimento e a esperança que alimentam o sebastianismo durante séculos, na angustia de um povo e a crença no porvir.”

Talvez D. Boaventura seja o D.Sebastião timorense, ou a versão timorense do sebastianismo. Também o povo timorense, na angústia de tanto sofrimento, precisa dos seus mitos, crendo que eles o ajudarão a conseguir libertar-se um dia. Chamem-se eles D. Boaventura, Xanana ou até Ramos Horta.

O mito existe e não serei eu a pô-lo em causa. Mas, tal como a realidade histórica do D. Sebastião é tão modesta e frustantemente simples, comparada com a aura dourada do seu mito, o mesmo acontece com a realidade de D. Boaventura. Segundo os historiadores, ele foi apenas um homem de carne e osso. Morreu na prisão, depois de capturado pelas autoridades. E aquilo que, romanticamente, o Sr. Sengstock descreve como “Surrounded and besieged on a mountain top, Boaventura led a courageous breakout. On horseback at the head of his warriors he plummeted towards Portuguese lines in a charge that one awestruck historian described as "a great avalanche down the side of the mountain", é na realidade a descrição da fuga de D. Boaventura, que assim abandonou 3000 apoiantes à mercê do inimigo. Aliás, o próprio Sengstock reconhece isso, quando acrescenta que “The warrior king escaped, but most of his estimated three thousand followers did not.”

Se por um lado D. Boaventura pode ser visto como aglutinador de alguns reinos contra as autoridades portuguesas, o inverso também é possível, pois havia outros tantos reinos, ou mais, do lado de Portugal. Quando Sengstock diz que “the military odds were against him” e fala das “portuguese lines” que cercavam a montanha onde resistiam as forças de D. Boaventura, na realidade está a falar da superioridade numérica das tropas dos reinos leais a Portugal, visto que nessa altura não deviam existir mais do que umas escassas centenas de brancos em Timor. Foram esses soldados desses reinos, e não propriamente os portugueses, que derrotaram D. Boaventura.

Os ideais de D. Boaventura não tinham nada de “nacionalistas”, conceito muito recente entre os timorenses, e ainda mal digerido por muitos. Primordialmente um produto da colonização portuguesa, que lhe dá uma relativa unidade, é com a aglutinação em volta da Igreja e contra o invasor indonésio que o nacionalismo timorense fica definitivamente consolidado. A esta conclusão chegou Geoffrey Gunn após anos de estudo, que culminaram na sua impressionante obra “Timor Lorosae: 500 Anos”. Prova da juventude desse nacionalismo é a indelével diversidade etno-linguística dos timorenses, reminiscência dos antigos reinos. Duvido que o mito de D. Boaventura seja tão forte, por exemplo, em Lautém, Baucau, Bobonaro ou no Oecusse, regiões que poucas afinidades têm com o antigo reino de Manufahi.

Para terminar, já neste blog me referi aos muitos factores que catalizaram a revolta de D. Boaventura (ou melhor dizendo, do reino de Manufahi) em 1911 e que ficam normalmente esquecidos: num protectorado português como era Timor, em que a maioria dos liurais aceitara prestar vassalagem ao liurai português, a revolução republicana de 1910 foi uma traição. Os timorenses não aceitaram de bom grado a mudança da bandeira portuguesa e muito menos a abolição do regime monárquico, que encaixava na perfeição no seu sistema ancestral de organização social, fortemente estratificado e dominado pelos liurais e pelos datos, estrato social equivalente à nobreza. Tudo isso foi posto em causa pelo novo regime republicano.

Anónimo disse...

Alo Dili

A situacao destabilizadora de Timor este deve-se apresenca de agitadores externos e a presenca das tropas estrangeiras.Qual o pais do mundo sendo independente ter forcas estrangeiras no pais.Mantiveram la por iniciativa do Xanana e Horta nao o povo timorense era so para manter os seus proprios interesses.O que seria forca estrangeira na Australia ou EUA ou em Portugal.Vendo no Iraque as bombas nao cessam dirigidas directamente as forcas estrangeiras.Lutamos 25 anos com a indonesia fora agora um outro colonialismo camuflado de mansinho com os olhos bem abertos no ouro preto.Fora nos nao interessamos. Nao fizeram nada de jeito deixaram o Alfredo e o grupo na fuga a dois anos.Sao forcas internacionais da destabilizacao.
Steven Sengstock is a Masters candidate comparando o Alfredo com Boaventura. O Boaventura foi um heroi nacional nacionalista e patriotico nao traiu o povo de Timor Leste combateu para a libertacao da patria do colonialismo portugues com fez o Partido historico FRETILIN durante os 25 anos da libertacao do colonialismo indonesio.O Alfredo foi um jovem instrumentalizado por interesses dos terceiros tanto dos internos como Xanana e o Horta utilizaram lhe para atingir os seus fins ambiciosos como externos dos seus interesses economicos de dominacao dos satelites do Pacifico."Reinado, too, claimed to represent a growing population of youth and common folk disillusioned" Alfredo foi instruido e manipulado com esta propaganda barata saida da Australia para a fomentacao da crise de 2006 e o derrube do governo. Podemos considerar o Alfredo foi traidor para com o seu povo e de ter abandonado os seus irmaos de armas de terem jurado defender a Patria ate ultima gota de sangue.Juntou-se os golpistas ambiciosos de "CABECA UNICA" e os seus agentes externos. No fim arrependeu-se mas ja era tarde foi traido o VIDEO era o seu testamento.Foi como o JUDAS traiu CRISTO por fim enforcou-se. Historia triste da morte boa licao para timorenses nesta rede mafiosa dos lideres ambiciosos do poder e tambem para Horta foi tambem uma licao nao se brinca com sangue de muitos timorenses tombados nesta luta de libertacao.
Para Steven Sengstock e um candidato do MASTER falhado nao precisamos do colonialismos ingles.

Adeus

De Aikurus

Margarida disse...

Tradução:
Reinado vai ficar como uma figura viva do folclore de Timor
The Camberra Times
17 Março 2008 - 8:48AM
Steven Sengstock

Passou um mês desde a morte de Alfredo Reinado num tiroteio em casa do Presidente de Timor-Leste José Ramos Horta. Não houve nenhum contra-golpe dos seus apoiantes e na semana passada muitos soldados amotinados renderam-se pacificamente.

Contudo o poder de Reinado pode continuar e não se deve subestimar a sua morte.

Os muitos admiradores de Reinado ajudaram-no a ficar ao largo durante quase dois anos, e foram eles que o ajudaram a aparecer subitamente e inesperadamente na porta da casa de Ramos Horta. Eles são uma massa volátil, frustrada da sociedade Timorense que sentem que não encontram nem voz nem representação quer no novo Governo de Xanana Gusmão ou na oposição da Fretilin de Mari Alkatiri.

São os jovens Timorenses que, antes da morte de Reinado, se chagavam ao pé de ti e murmuravam, "Sabia que Alfredo tem conexões muito fortes com o povo de Manufahi? Dizem que foi abençoado com o espírito de Dom Boaventura."

Boaventura foi o rei, ou liurai, da região de Manufahi nos montes rugosos a sul de Dili. Ele morreu quase há 100 anos mas o seu espírito persistente mantém-se vivo. Ele é o homem que muitos vêem como o pai do nacionalismo Timorense. Em Timor há um sentimento quase Arturiano de mitologia ligado ao seu nome. Ele é lembrado como o rei guerreiro arquétipo Timorense num país onde os arquétipos raramente emergem dum complexo puzzle cultural e etno-linguístico.

No ano passado, dias antes das tropas internacionais terem lançado o seu ataque abortado ao esconderijo de Reinado nos montes por cima da cidade de Same em Manufahi, correram rumores pelo país que Reinado tinha estado envolvido numa cerimónia ritual rara. Durante a cerimónia presidida pelos anciãos de Manufahi e descrita por alguns como de coroação, foi dito que Reinado recebeu os poderes sobrenaturais do falecido Boaventura.

No final de 1911, Boaventura uniu muitos dos reinos indígenas de Timor-Leste em revolta contra a administração colonial Portuguesa repressiva e exploradora. Empregando tácticas de guerrilha parecidas com as usadas por Xanana Gusmão na luta contra as forças armadas Indonésias 70 anos mais tarde, numa altura Boaventura esteve perto de conquistar Dili. Mas a aventura militar virou-se contra ele e finalmente foi forçado a recuar para os montes remotos à volta de Manufahi.

A sua resistência teve um fim trágico e dramático em Agosto de 1912. Cercado num topo de montanha, Boaventura liderou um ataque corajoso. Montado a cavalo à frente dos seus guerreiros mergulhou para as linhas Portuguesas num ataque que historiadores admirados descreveram como "uma grande avalanche a cair montanha abaixo". O rei guerreiro escapou, mas não escapou a maioria estimada de três mil seguidores. Foram cercados pelas forças coloniais e sistematicamente abatidos em duas noites e dois dias de assassínios concentrados.

Boaventura liderou um povo a sofrer duma administração colonial cuja autoridade pouco se projectava para além de Dili. Reinado, também, reivindicava representar uma parte crescente da juventude e do povo comum desiludida com um Governo em luta para estender o seu braço judicial e administrativo para além dos limites da mesma cidade. E tal como Boaventura contava com o apoio de reinos influentes no centro e oeste de Timor-Leste, Reinado e os seus homens também se movimentavam livremente nas mesmas regiões.

Boaventura gozava de muito menos apoio no leste do país e Reinado nem se podia aventurar até lá com medo de morte. Ambos eram conhecidos pelas fugas audaciosas, e conforme o mito, eram impermeáveis às balas de estrangeiros.

Contudo, as tentativas no princípio de 2007 de Reinado para tentar traçar um paralelismo entre a sua luta e a de Boaventura levantou críticas pesadas. Alguns, apontando para a meia herança Portuguesa de Reinado, disseram que ele estava a tentar apropriar-se dum heroismo e duma história que por direito não era sua.

Outros julgaram isso como uma manipulação cínica de crenças e memórias tradicionais sagradas com o objectivo de ganhar uma base de apoio vulnerável e mal informada.

De facto, para muitos em Timor-Leste, pouco há para lamentar pelo falecimento do líder amotinado de língua afiada e bem-parecido. Do caos da crise de meados de 2006 em Timor-Leste, o antigo major da polícia militar emergiu como um embaraço sério para o Governo de Timor-Leste e para as forças internacionais que tinha convidado para estabilizar o país. Na altura da sua morte Reinado tinha destruído as suas relações com quase todas as facções políticas, crescendo a sua fama com as suas bocas anti-institucionais e fugas atrevidas.

Os aldeões inocentes que sofreram com a presença desestabilizadora de Reinado no interior montanhoso têm também pouco a lamentar. Mesmo nos distritos do oeste onde Reinado era mais popular, a arrogância e a mão pesada dos seus homens atraiu queixas frequentes. A sua rebelião colocou um peso incalculável na economia de Timor-Leste, causando atrasos induzidos pelo medo em projectos de desenvolvimento e distraindo as entidades oficiais da missão crucial de reconstrução da nação cheia de conflitos.

Nunca se conseguir saber qual foi o destino final de Boaventura. Os arquivos coloniais têm-no a enfrentar procedimentos nos tribunais nos anos depois da rebelião mas não há nada claro sobre a sua morte. Nem foram as balas estrangeiras que derrubaram Reinado. Nem pelos relatos a sua fuga do assalto do ano passado na sua base na cidade do interior, Same, esteve sequer perto de ser milagrosa e, acabou por ser um guarda-costas Timorense e balas Timorenses que o mataram.

Finalmente, apenas na morte pode Reinado encontrar um paralelo verdadeiro com o rei guerreiro. Tal como o nome de Boaventura é reverenciado em muitos mais cantos do país do que ele alguma vez podia esperar no seu tempo, também agora apareceu um espectro de um Reinado que, apesar dos seus falhanços, pode ter mais vivacidade na memória popular do que ele teve alguma vez na vida real.

Steven Sengstock é um candidato a Mestre de investigação da história de Timor-Leste na Faculdade de Estudos Asiáticos, ANU Colégio da Ásia e Pacífico.

Anónimo disse...

Os comparsas deste blogue são homens e mulheres que não possuem carácter e dignidade de ser humano, mas são meros instrumentos que estão a servir os interesses dos seus próprios patrões, colonialistas, fascistas, despóticos, ditadores que ate ao cúmulo de vergonha chegaram muitas vezes boicotaram comentários de indivíduos com veracidade dos factos descritos nas suas reacções ou comentários a certos artigos postos por indivíduos de carácter tão reles face a nobre causa do Povo martirizado Maubere. Estes indivíduos, conluios do blogue em causa também andam a dizer disparates com relação as suas honrosas citações com firmeza na rigorosa observância dos princípios democráticos e livres consagrados nas Declarações Universais dos Direitos Humano patrocinado pela ONU em toda a extensão da palavra. Estes faladores baratos também não passam mais de uma meia tigela de vagabundos políticos talvez os mais cagacos e reles jornalistas que têm medo dos bonecos membros do governo, tal que umas vezes ate gritam aos quatro ventos como se fossem verdadeiros heróis e os chamados grandes defensores dos verdadeiros princípios democráticos e livres a todo e qualquer cidadão deste planeta em que habitamos. Mas muitas vezes chegam ao cumulo de ate não serem capazes de manter as suas posições em relação estes princípios fundamentais acima referimos, mas o mais vergonhoso ate calcando estes mesmos princípios, porque têm medo como se fossem comadres e acabam então a cair no erro crasso de também permitir em aplicar dois pesos e duas medidas, simplesmente para fazer agradar seus patrões que camufladamente papagueiam contra, mas na realidade são todos do mesmo estilo de macaco velho na jogada politica mafiosa de que eles todos fazem parte ate a este momento em que estou agindo de forma muita honesta em desmascara-los.

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.