segunda-feira, março 17, 2008

Local Portuguese helping a nation to help itself

Macau Daily Times
Monday, 17 March 2008
by Sara Farr

The idea is simple, to build a community centre where locals will be able to learn how to be self-sufficient with their own natural resources.

The when, where and how is what made four young local Portuguese seek support from local entities in Macau.

Speaking with the Macau Daily Times, Fernando Madeira and Hugo Oliveira, two of the four who will be travelling to Baucau in East Timor this coming July, said the group had already carried out phase one of the project.

“We went there [to Baucau] to evaluate, to see whether or not our project made sense and to see in which way we'd be useful to the East Timorese community,” Fernando said.

Without actually visiting the area, the four friends found it difficult to “feel the land,” and even though they had established contacts with an East Timorese non-government organisation 'Permatil' that also promotes permaculture in the island country.

Permaculture comes from the words “permanent” and “culture” as well as “permanent” and “agriculture”

The term was “invented” by two Australians, Bill Mollison and Davivd Holmgren, and can mean “permanent agriculture” or “permanent culture.”

The concept is easy to grasp, designing human settlements for the development of agricultural systems, using natural resources so that communities can be self sufficient.

In the mid 1970s, David Holmgren developed 12 design principles for permaculture. The first of which is to “observe and interact,” which is what the four young locals went to Baucau in East Timor to do. To observe, interact and get to know the field where they plan on living for at least six months.

The next steps are to “catch and store energy,” “obtain a yield,” “apply self-regulation and accept feedback,” “use and value renewable resources and services,” “produce no waste,” “design from patterns to details,” “integrate rather than segregate,” “use small and slow solutions,” “use and value diversity,” “use edges and value marginal,” and “creatively use and respond to change.”

The group of four friends have estimated it will cost some 360,000 patacas for the project to be successful, and have already asked for assistance from local and governmental entities in Macau, however are still waiting on a response.

'Permatil' is also working with scouts, which is a positive sign, Fernando said, adding that it only goes to show that there are people in the country that are interested in learning about applied permaculture and watershed restoration, as well as on how to become self sufficient with their own natural resources.

“It's important to work with the country's youth. The scouts have shown an interest in helping us and our project,” Hugo then added.

A community centre will be the main focus where the four young friends will teach Baucau's communities useful things that can be used around the house, such as how to capture and re-use rain water, in order to maximise resources and minimise waste.

As to whether the people in Baucau will embrace such act of kindness “depends on how we approach things when we’re there,” Hugo said.

“We’re not forcing anyone. We don’t want to make anyone do this. I am sure we will also have a lot to learn from them.”

The community centre will be a place for the people, where they can apply their own initiatives, and their own experiences, Fernando added.

“We are only aiming for them to value what they already have, because they have been subjected to a western reality and underestimating what they already know, such as agricultural techniques and hand-craftsmanship.”

For that, the group of friends has already contacted with Caritas in East Timor, who have said they are willing to help with the project and hold a few seminars on medicinal plants and more.
“We want locals to feel the space is theirs. That this [project] has a community spirit, a space which they [locals] can use at their own will,” Hugo said.

Although East Timor isn’t the only country in the world that needs help, and although the fact that Portuguese is the nation’s official language helps, the island country was the most appropriate for the four “because it was open [to receiving help],” Fernando said.

“Because there is hope in a country that has everything it needs to be sustainable. We will only show that development can be achieved without wasting what is good and valuable.”

The country is almost 80 per cent organic, with vast lands available for East Timor to become a sustainable and self reliant country.

“Our contribution is so that this can continue,” Hugo added.

The project is expected to last some six months, however, the four friends aren’t setting return dates yet, because the aim of their project is continuity, to assure that once they leave, the community centre will be able to continue running and East Timorese continue using it as their own place for learning and activities.

Fernando said the group is looking at leaving the SAR sometime in July, but aim to return in October for the Lusofonia Festival, so that they can share a small place in the East Timor booth in order to show locals and sponsors the work they have done so far.

Volunteers are welcome to join the group of friends in their charity and community work in the island nation, according to Fernando.

The group have their own blog (http://raiodesolbaucau.blogspot.com/), but although it is in Portuguese, anyone wanting to know more about the project or even becoming involved should send and email to the group ( raiodesol_tl@gmail.com This e-mail address is being protected from spam bots, you need JavaScript enabled to view it ).

Tradução:

Portugueses locais a ajudarem uma nação a ajudar-se a si própria

Macau Daily Times
Segunda-feira, 17 Março 2008
Por Sara Farr

A ideia é simples, construir um centro comunitário onde os locais consigam aprender a serem auto-suficientes com os seus pr´prios recursos naturais.

O quando, onde e como é o que levou quatro jovens Portugueses locais a procurarem apoio de entidades locais em Macau.

Falando ao Macau Daily Times, Fernando Madeira e Hugo Oliveira, dois dos quatro que viajarão para Baucau em Timor-Leste neste próximo Julho disseram que o grupo já tinha realizado a fase um do projecto.

“Fomos lá [a Baucau] avaliar, ver se sim ou não o nosso projecto fazia sentido e ver de que maneira seríamos úteis à comunidade Timorense,” disse Fernando.

Sem terem de facto visitado a área, os quatro amigos acharam difícil “sentir a terra,” e apesar mesmo de terem estabelecido contactos com a ONG Timorense 'Permatil' que promove também permacultura no país ilha.

Permacultura vem das palavras “permanente” e “cultura” bem como “permanente” e “agricultura”

O termo foi “inventado” por dois Australianos, Bill Mollison e Davivd Holmgren, e pode significar “agricultura permanente” ou “cultura permanente.”

O conceito é fácil de entender, designando instalações humanas para o desenvolvimento de sistemas agrícolas, usando recursos naturais para que as comunidades possam ser auto-suficientes.

Em meados dos anos 1970s, David Holmgren deselvolveu 12 princípios padrões para a permacultura. O primeiro dos quais é “observar e interagir,” que foi o que os quatro jovens locais foram fazer a Baucau em Timor-Leste. Observar, interagir e conhecerem o campo onde planeiam viver durante pelo menos seis meses.

O passo seguinte é “apanhar e armazenar energia,” “obter uma safra,” “aplicar auto-regulação e aceitar o retorno,” “usar e valorizar recursos e serviços renováveis,” “não produzir desperdícios,” “desenhar do padrão para o detalhe,” “integrar em vez de segregar,” “usar soluções pequenas e vagarosas,” “usar e valorizar a diversidade,” “usar margens e valorizar marginais,” e “usar e responder a mudanças com criatividade.”

O grupo dos quatro amigos estimou que custará cerca de 360,000 patacas para o projecto ter sucesso, e já pediram assistência a entidades locais e governamentais em Macau, contudo estão ainda à espera de resposta.

'Permatil' está também a trabalhar com escuteiros o que é um sinal positivo, disse Fernando, acrescentando que isso apenas vai provar que há pessoas no país interessadas em aprenderem sobre a permacultura aplicada e restauro de divisores de águas, bem como em se tornarem auto-suficientes com os seus próprios recursos naturais.

“É importante trabalhar com a juventude do país. Os escuteiros mostraram interesse em ajudar-nos no nosso projecto,” acrescentou então Hugo.

Um centro comunitário será o foco principal onde os quatro jovens amigos ensinarão coisas úteis às comunidades de Baucau que podem ser usadas em casa, tais como capturar e re-utilizar água da chuva, de modo a maximizar recursos e minimizar desperdícios.

Sobre se as pessoas em Baucau abraçarão tais actos de bondade “depende de como abordarmos as coisas quando estivermos lá,” disse Hugo.

“Não estamos a forçar ninguém. Não queremos obrigar ninguém a fazer isto. tenho a certeza que temermos muito a aprender deles.”

O centro comunitário será um lugar para as pessoas, onde podem aplicar as suas próprias iniciativas,e as suas próprias experiências, acrescentou Fernando.

“Alvejamos apenas que eles valorizem o que já têm, porque eles têm sido submetidos à realidade ocidental e subestimam o que já sabem, como técnicas agrícolas e artesanato.”

Para isso, o grupo de amigos já contactou com a Caritas em Timo-Leste, que disse que quer ajudar o projecto deles e fez alguns seminários sobre plantas medicinais e outros.
“Queremos que os locais sintam que o espaço é deles. Que este [projecto] tem um espírito comunitário, um espaço que eles [locais] podem usar à sua vontade,” disse Hugo.

Apesar de Timor-Leste não ser o único país do mundo que precisa de ajuda, e apesar de ajudar o facto de o Português ser a língua oficial da nação, a ilha país era a mais adequada aos quatro porque “estava aberta a [receber ajuda],” disse Fernando.

“Porque há esperança num país que tem tudo o que precisa para ser sustentável. Apenas mostraremos que o desenvolvimento pode ser alcançado sem desperdiçar o que é bom e tem valor.”

O país é quase 80 por cento orgânico, com muita terra disponível para Timor-Leste se tornar num país sustentável e auto-confiante.

“A nossa contribuição é para que assim possa continuar” acrescentou Hugo.

espera-se que o projecto dure seis meses, contudo os quatro amigos não marcaram datas de regresso ainda, porque o objectivo do projecto deles é a continuidade, para garantir que quando partirem o centro da comunidade conseguirá continuar e que os Timorenses continuarão a usá-lo como lugar deles próprios para aprendizagem e actividades.

Fernando disse que o grupo pensa sair de SAR em Julho, mas que visa regressar em Outubro para o Festival da Lusofonia Festival, assim podem partilhar um pequeno lugar na tenda de Timor-Leste para mostrar aos locais e aos patrocinadores o trabalho que fizeram até agora.

São bem-vindos os voluntários que se queiram juntar ao grupo de amigos no seu trabalho de caridade e comunitário na ilha nação, de acordo com Fernando.

O grupo tem o seu próprio (http://raiodesolbaucau.blogspot.com ), mas apesar de ser em Português, qualquer pessoa que queira saber mais do projecto ou mesmo ficar envolvida nele deve mandar um email para o grupo ( raiodesol_tl@gmail.com This e-mail address is being protected from spam bots, you need JavaScript enabled to view it ).

1 comentário:

Margarida disse...

Tradução:
Portugueses locais a ajudarem uma nação a ajudar-se a si própria
Macau Daily Times
Segunda-feira, 17 Março 2008
Por Sara Farr

A ideia é simples, construir um centro comunitário onde os locais consigam aprender a serem auto-suficientes com os seus pr´prios recursos naturais.

O quando, onde e como é o que levou quatro jovens Portugueses locais a procurarem apoio de entidades locais em Macau.

Falando ao Macau Daily Times, Fernando Madeira e Hugo Oliveira, dois dos quatro que viajarão para Baucau em Timor-Leste neste próximo Julho disseram que o grupo já tinha realizado a fase um do projecto.

“Fomos lá [a Baucau] avaliar, ver se sim ou não o nosso projecto fazia sentido e ver de que maneira seríamos úteis à comunidade Timorense,” disse Fernando.

Sem terem de facto visitado a área, os quatro amigos acharam difícil “sentir a terra,” e apesar mesmo de terem estabelecido contactos com a ONG Timorense 'Permatil' que promove também permacultura no país ilha.

Permacultura vem das palavras “permanente” e “cultura” bem como “permanente” e “agricultura”

O termo foi “inventado” por dois Australianos, Bill Mollison e Davivd Holmgren, e pode significar “agricultura permanente” ou “cultura permanente.”

O conceito é fácil de entender, designando instalações humanas para o desenvolvimento de sistemas agrícolas, usando recursos naturais para que as comunidades possam ser auto-suficientes.

Em meados dos anos 1970s, David Holmgren deselvolveu 12 princípios padrões para a permacultura. O primeiro dos quais é “observar e interagir,” que foi o que os quatro jovens locais foram fazer a Baucau em Timor-Leste. Observar, interagir e conhecerem o campo onde planeiam viver durante pelo menos seis meses.

O passo seguinte é “apanhar e armazenar energia,” “obter uma safra,” “aplicar auto-regulação e aceitar o retorno,” “usar e valorizar recursos e serviços renováveis,” “não produzir desperdícios,” “desenhar do padrão para o detalhe,” “integrar em vez de segregar,” “usar soluções pequenas e vagarosas,” “usar e valorizar a diversidade,” “usar margens e valorizar marginais,” e “usar e responder a mudanças com criatividade.”

O grupo dos quatro amigos estimou que custará cerca de 360,000 patacas para o projecto ter sucesso, e já pediram assistência a entidades locais e governamentais em Macau, contudo estão ainda à espera de resposta.

'Permatil' está também a trabalhar com escuteiros o que é um sinal positivo, disse Fernando, acrescentando que isso apenas vai provar que há pessoas no país interessadas em aprenderem sobre a permacultura aplicada e restauro de divisores de águas, bem como em se tornarem auto-suficientes com os seus próprios recursos naturais.

“É importante trabalhar com a juventude do país. Os escuteiros mostraram interesse em ajudar-nos no nosso projecto,” acrescentou então Hugo.

Um centro comunitário será o foco principal onde os quatro jovens amigos ensinarão coisas úteis às comunidades de Baucau que podem ser usadas em casa, tais como capturar e re-utilizar água da chuva, de modo a maximizar recursos e minimizar desperdícios.

Sobre se as pessoas em Baucau abraçarão tais actos de bondade “depende de como abordarmos as coisas quando estivermos lá,” disse Hugo.

“Não estamos a forçar ninguém. Não queremos obrigar ninguém a fazer isto. tenho a certeza que temermos muito a aprender deles.”

O centro comunitário será um lugar para as pessoas, onde podem aplicar as suas próprias iniciativas,e as suas próprias experiências, acrescentou Fernando.

“Alvejamos apenas que eles valorizem o que já têm, porque eles têm sido submetidos à realidade ocidental e subestimam o que já sabem, como técnicas agrícolas e artesanato.”

Para isso, o grupo de amigos já contactou com a Caritas em Timo-Leste, que disse que quer ajudar o projecto deles e fez alguns seminários sobre plantas medicinais e outros.
“Queremos que os locais sintam que o espaço é deles. Que este [projecto] tem um espírito comunitário, um espaço que eles [locais] podem usar à sua vontade,” disse Hugo.

Apesar de Timor-Leste não ser o único país do mundo que precisa de ajuda, e apesar de ajudar o facto de o Português ser a língua oficial da nação, a ilha país era a mais adequada aos quatro porque “estava aberta a [receber ajuda],” disse Fernando.

“Porque há esperança num país que tem tudo o que precisa para ser sustentável. Apenas mostraremos que o desenvolvimento pode ser alcançado sem desperdiçar o que é bom e tem valor.”

O país é quase 80 por cento orgânico, com muita terra disponível para Timor-Leste se tornar num país sustentável e auto-confiante.

“A nossa contribuição é para que assim possa continuar” acrescentou Hugo.

espera-se que o projecto dure seis meses, contudo os quatro amigos não marcaram datas de regresso ainda, porque o objectivo do projecto deles é a continuidade, para garantir que quando partirem o centro da comunidade conseguirá continuar e que os Timorenses continuarão a usá-lo como lugar deles próprios para aprendizagem e actividades.

Fernando disse que o grupo pensa sair de SAR em Julho, mas que visa regressar em Outubro para o Festival da Lusofonia Festival, assim podem partilhar um pequeno lugar na tenda de Timor-Leste para mostrar aos locais e aos patrocinadores o trabalho que fizeram até agora.

São bem-vindos os voluntários que se queiram juntar ao grupo de amigos no seu trabalho de caridade e comunitário na ilha nação, de acordo com Fernando.

O grupo tem o seu próprio (http://raiodesolbaucau.blogspot.com), mas apesar de ser em Português, qualquer pessoa que queira saber mais do projecto ou mesmo ficar envolvida nele deve mandar um email para o grupo ( raiodesol_tl@gmail.com This e-mail address is being protected from spam bots, you need JavaScript enabled to view it ).

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.