segunda-feira, março 17, 2008

Rede Feto demands Church to answer claims of sexual abuse by priests

Dear Moderator,

We publish a weekly called Kla'ak. We have recently set up our on-line edition. The address is http://klaak-semanal.blogspot.com/

Our names, contact details and address can be found on this website.

The article below was originally published in Tetum in this week's edition "Rede Feto Husu Dioseze Atu Responde Violensia Seksual Husi Padre". You can access the original Tetum version at http://klaak-semanal.blogspot.com/2008/03/leno-rede-feto-husu-dioseze-atu.html

Best regards,

Kla'ak Editor
klaak_investigativu(a)yahoo.com; (670) 735 1360; (670) 727 8247
Fatin: Rua de Moçambique, 1/IA, Palapaço-Farol, Dili, Timor-Leste (next door to La'o Hamutuk)


Rede Feto demands Church to answer claims of sexual abuse by priests
team kla'ak

A priest is alleged to have committed sexual abuse against a woman. This case was then handled through mediation outside the formal justice system. Through the mediation, the Church and the victim's family agreed on a payment of damage for the victim of US$1000. The Rede Feto (an umbrella organisation representing women's NGOs) believes that this type of issue is not only limited to Oecusse.


In October of 2005 a 23 year old woman was sexually assaulted by a priest, known only as AL. She later gave birth to a baby girl in May of 2006.

According to the victim's lawyer, this case has been forwarded to the court of law in Oecusse where AL is accused of sexual assault, which also resulted in the victim's pregnancy. However AL has denied all responsibility for his actions.

Pedro do Nascimento Noronha, the parish priest of Oecusse, confirms that AL did commit such act against two sisters. However he also says that there is no substantial evidence to prove that AL committed these acts or that the two women are in fact the victims.

"Offcourse, morally, as a priest, he has shown a bad behaviour to the members of the Church. But as a woman, and a Christian, she too should be conscious that she should not fall into temptation. If she knows that the man is a priest, why did she allow herself to make this mistake? So we should not look only at the priest's mistake," Noronha says.

However, according to the victims' mother, AL has yet to meet the victim's family and assume responsibility for his daughter, who is now a year and a half. "We have taken this case to the court with the help of a local NGO called FFSO (Fundasaun Fatu Sinai Oecusse). But it has taken a long time to get any solution. Finally in 2007 the Parish Church and AL's family called us to resolve this issue through mediation or traditional justice at Oecusse church. AL's family paid a fine of US$1000 to the victim's family," Mrs. Texeira, the victim's mother says.

Calling on both families to resolve this case had been an initiative of the Oecusse Parish prist. Noronha had been assigned by the Bishop of Dili's Diocese to help mediate between the two families. Both families reached an agreement through his mediation.

"As the victim's mother I don't want to talk about this problem too much. We are just an ordinary family without the means to do much. We have waited for too long for any results from the court. So we just follow whatever the Oecusse Parish priest asks of us, to resolve this issue through mediation. Padre Pedro also promised us that he will help us bring up this issue to the Diocese," the victim's mother says with apparent sadness.

The baby's grandmother adds that she will not try to find other ways of finding a solution to her daughter's case. The victim and her family promised the Oecusse Parish priest and AL's family that they will not proceed with this case any further although the case has been handed to the court. If they reneged on their promise, as parents of the victim, they will be fined with twice the amount they received from AL's family.

When they tried to bring the AL's case to the Diocese, Noronha said that it was no longer his responsibility but it was the Bishop's responsibility to deal with this issue. As a priest he was only asked to mediate between the two families. The victim's and AL's families have not yet met to resolve this problem at the Diocese. "I don't know about this issue and you can see the Bishop of Diocese because this is his responsibility to answer," Noronha retorts angrily.

The director of Rede Feto, Ubalda Alves, told Kla'ak that cases of sexual violence involving the priests do not occur only in Oecusse. There are other cases which take place in other districts as well. The victims, or the women involved, don't yet have enough courage to come out publicly and denounce these incidences because of shame and because the suspect is a priest. This type of attitude makes it difficult for those who work in the area of promotion of women's rights to raise these issues.

"Rede Feto has also received cases of sexual violence involving the priests in the district of Baucau but when we approached them, the victims become too afraid to speak out about their ordeals. Some went as far as moving out and moved to Indonesia. We also tried to contact some of them by phone but they are always afraid to speak out," Ubalda Alves said through an interview at Rede Feto office in Colmera.

Alves says that Rede Feto feels saddened by what the priests have committed against the women. "These types of actions violate human rights, in particular the rights of a woman. The priests should be a role model for the society. But they have become suspects of sexual violence," Alves added.

The Rede Feto, through its member organisations like Fokupers, Alola Foundation, and its partners, Pradet, JSMP and other NGOs are ready to assist the victims who want to bring up their problems.

Ubalda has also stressed that Rede Feto and its members are ready to help the victims with the provision of safe houses and counselling; legal assistance, should the victims wish to take up their cases to the courts; and providing the victims with moral support. Sexual abuse is a crime. It's not an ordinary case which should be resolved through traditional justice. "It should be handled through the court because only through the court can the victim's rights be upheld before the law," the former Fokupers activist said.

Alves stressed further that the representatives of all women's organisations have asked the Diocese to look into these cases as crimes. These cases are a threat to the priests' moral integrity. The Diocese should have firm conviction to confront these cases. They should not be silenced and swiped under the carpet.

The Diocese should not encourage the victims to be silent but it must encourage the victims and their families to take up these cases in the court of law like any ordinary citizen. Criminal cases should not be resolved by transferring the priests to other locations. This is not the way to solve these problems. "I think the Church's Canon law number 1395, Article 1 and 2, year 1395, says that if a priest is involved in a criminal case such as sexual violence, sexual abuse or other acts of violence which result in the death of another person, he has violated the 6th Commandment and he can receive suspension as well expulsion from the Church. Nevertheless we should also answer before the court of law to account for our actions," Alves says.

Alves further explains that Rede Feto's department of advocacy is determined to continue following these cases until some justice is achieved. According to Rede Feto, some members of Timor's Catholic church are still very conservative and are fearful of the priests. But Rede Feto will find ways to educate them that before the law everyone is equal.

The way that the Oecusse Parish priest, together with the families of AL and the victim, undertook this mediation without the presence of the Police and the legal councillors representing the victim through the assistance of the NGO FFSO, will raise many questions. "I don't know if they are going to resolve this issue through traditional justice or mediation because the victim's and the Parish priest's sides have not informed us" John, the director of FFSO, the group which facilitated legal assistance to the victim's family, says.

When Kla'ak tried to contact the Bishop of Dili, Mgr. Ricardo da Silva, at his office at the Câmara, for comments, Padre Apolinário Guterres, the Vicar General said that the Bishop is not, and will not be, available to speak to any journalist for the next weeks or months. "As the Vicar General I cannot comment on this issue. Only the Bishop can comment on this issue. It seems like the Bishop will not have any time to respond because he has lots of work," Guterres says.

If some priests have committed sexual assault against a women, why can't this case be brought before the court of law? Is justice only for the ordinary people in this country? Wait and see.


Tradução:

Rede Feto pede à Igreja para responder a queixas de abuso sexual por padres

Caro Moderador,

Publicamos um semanário chamado Kla'ak. Organizámos recentemente a nossa edição on-line . A direcção é http://klaak-semanal.blogspot.com/

Os nossos nomes, detalhes para contactos e direcção podem ser encontrados neste website.
O artigo em baixo foi originalmente publicado em Tétum na edição desta semana "Rede Feto Husu Dioseze Atu Responde Violensia Seksual Husi Padre". Pode aceder à versão original em Tétum em http://klaak-semanal.blogspot.com/2008/03/leno-rede-feto-husu-dioseze-atu.html
Melhores cumprimentos,

Kla'ak Editorklaak_investigativu(a)yahoo.com; (670) 735 1360; (670) 727 8247Fatin: Rua de Moçambique, 1/IA, Palapaço-Farol, Dili, Timor-Leste (porta ao lado do La'o Hamutuk)
Rede Feto pede á Igreja para responder a queixas de abusos sexuais por padres team kla'ak
Foi alegado que um padre cometeu abusos sexuais contra uma mulher. Então este caso foi tratado através de mediação fora do sistema formal de justiça. Através da mediação, a Igreja e a família da vítima concordaram num pagamento de reparação à vítima de US$1000. A Rede Feto (uma organização chapéu que representa as ONG’s das mulheres) acredita que este tipo de questões não está apenas limitada a Oecusse.

Em Outubro de 2005 uma mulher de 23 anos foi sexualmente assaltada por um padre, conhecido apenas por AL. Mais tarde nasceu-lhe uma menina em Maio de 2006.

De acordo com o advogado da vítima, este caso foi enviado para o tribunal em Oecusse onde AL foi acusado de assalto sexual, que resultou também na gravidez da mulher. Contudo AL negou todas as responsabilidades pelas suas acções.

Pedro do Nascimento Noronha, o padre da paróquia de Oecusse, confirma que AL cometeu tais actos contra duas irmãs. Contudo diz também que não há evidência substancial para provar que AL cometeu esses actos ou que as duas mulheres são vítimas de facto.

"Obviamente, do ponto de vista moral, como padre, ele mostrou mau comportamento para os membros da Igreja. Mas como mulher e Cristão ele também devia ter consciência que não devia cair na tentação. Se ela sabe que o homem é padre, porque é que cometeu este erro? Assim não devemos ver isto apenas como um erro do padre," diz Noronha.

Contudo, de acordo com a mãe da vítima, AL tem de se encontrar ainda com a família da vítima e assumir a responsabilidade pela sua filha, que tem agora um ano e meio. "Trouxemos este caso para o tribunal com a ajuda duma ONG local chamada FFSO (Fundasaun Fatu Sinai Oecusse). Mas tem demorado muito tempo para obter qualquer solução. Finalmente em 2007 a Paróquia da Igreja e a família de AL chamaram-nos para resolver esta questão através da mediação ou da justiça tradicional na igreja de Oecusse. A família de AL pagou uma multa de US$1000 à família da vítima," diz a Srª. Teixeira, a mãe da vítima.

Foi uma iniciativa do padre da paróquia de Oecusse chamar ambas as famílias para resolver este caso. Noronha tinha sido nomeado pelo Bispo da Diocese de Dili para ajudar a mediar entre as duas famílias. Ambas as famílias chegaram a um acordo através da sua mediação.

"Como mãe da vítima não quero falar em demasia deste problema. Somou apenas uma família vulgar sem meios para fazer muito mais. Esperamos demasiado tempo por qualquer resultado do tribunal. Assim seguimos apenas o que o padre da Paróquia de Oecusse nos pede, para resolver este caso através da mediação. O padre Pedro prometeu também que nos ajudará a levar esta questão à Diocese," diz a mãe da vítima com aparente tristeza.

A avó da bébé acrescenta que não tentará arranjar outras maneiras para encontrar uma solução para o caso da sua filha. A vítima e a sua família prometeram ao padre da Paróquia de Oecusse e à família de AL não prosseguirem mais este caso apesar do caso ter sido entregue ao tribunal. Se eles renegarem as suas promessas, como pais da vítima, serão multados com o dobro do que receberam da família de AL.

Quando tentaram levar o caso de AL à Diocese, Noronha disse que isso já não era da sua responsabilidade mas da responsabilidade do Bispo lidar com a questão. Como padre apenas lhe foi pedido que mediasse entre as duas famílias. As famílias da vítima e de AL não se encontraram ainda para resolver este problema na Diocese. "Não sei desta questão e podem ver com o Bispo da Diocese porque é da sua responsabilidade responder," respondeu Noronha zangado.

A directora da Rede Feto, Ubalda Alves, disse a Kla'ak que casos de violência sexual envolvendo padres não ocorrem apenas em Oecusse. Há outros casos que acontecem noutros distritos também. As vítimas, ou as mulheres envolvidas, ainda não têm suficiente coragem para virem e denunciar publicamente estes incidentes por causa da vergonha e porque o suspeito é um padre.

Atitudes deste tipo criam dificuldades aos que trabalham na área da promoção dos direitos das mulheres levantarem estas questões.

"Rede Feto recebeu ainda casos de violência sexual envolvendo padres no distrito de Baucau mas quando as abordámos, as vítimas ficaram com muito medo de falar acerca dos seus sofrimentos. Algumas chegaram a mudar-se para a Indonésia. Tentámos também contactar com algumas por telefone mas têm sempre muito medo de falar," disse Ubalda Alves no decurso duma entrevista no Gabinete da Rede Feto em Colmera.

Alves diz que a Rede Feto se sente triste pelo que os padres fazem contra as mulheres. "Acções deste tipo violam os direitos humanos, em particular os direitos duma mulher. Os padres deviam ter um papel de modelo para a sociedade. Mas tornaram-se suspeitos de violência sexual," acrescentou Alves.

A Rede Feto, através das organizações membros como Fokupers, Alola Foundation, e o seu parceiro, Pradet, JSMP e outras ONG's estão prontas para assistir as vítimas que querem levantar os seus problemas.

Ubalda sublinhou também que a Rede Feto e os seus membros estão prontos para ajudar as vítimas com a provisão de casas seguras e de aconselhamento; assistência legal, caso as vítimas desejem levar os seus casos para os tribunais; e dar apoio moral às vítimas. O abuso sexual é um crime. Não é um caso vulgar que se deva resolver através da justiça tradicional. "Deve ser tratado através do tribunal porque apenas através do tribunal podem os direitos das vítimas ser garantidos pela lei," disse a antiga activista da Fokupers.

Alves sublinhou também que representantes de todas as organizações de mulheres pediras à Diocese para verem estes casos como crimes. Estes casos são uma ameaça à integridade moral dos padres. A Diocese devia ter convicções firmes para confrontar estes casos. Não deviam ser silenciados e varridos para debaixo do tapete.

A Diocese não devia encorajar as vítimas a silenciarem mas devia encorajar as vítimas e suas famílias a levarem estes casos para tribunal como com qualquer cidadão vulgar. Casos criminais não se devem resolver transferindo os padres para outros locais. Não é este o caminho para resolver estes problemas. "Penso que a lei Canónica da Igreja número 1395, Artigo 1 e 2, do ano 1395, diz que se um padre se envolver num caso criminal como a violência sexual, abuso sexual ou outros actos de violência que resultem na morte doutra pessoa, violou o 6º Mandamento e pode ser suspenso ou expulso da Igreja. Contudo deves responder também perante o tribunal para ser responsabilizado pelas suas acções," disse Alves.

Alves explicou ainda que o departamento de advocacia da Rede Feto está determinado a continuar a seguir estes casos até ser alcançada alguma justiça. De acordo com a Rede Feto, alguns membros do igreja católica de Timor são ainda muito conservadores e com medo dos padres. Mas a Rede Feto encontrará maneiras de os educar que perante a lei são todos iguais.
A maneira como o padre da Paróquia de Oecusse, juntamente com as famílias de AL e da vítima, fizeram esta mediação sem a presença da Polícia e de conselheiros legais representando a vítima através da assistência da ONG FFSO, levantará muitas questões. "Não sei se vão resolver esta questão através da justiça tradicional ou mediação porque nem o lado da vítima ou do padre da Paróquia nos informaram" diz John, o director do FFSO, o grupo que facilitou a assistência legal à família da vítima.

Quando Kla'ak tentou contactar o Bispo de Dili, Monsenhor. Ricardo da Silva, no seu gabinete na Câmara, para comentar, o Padre Apolinário Guterres, o Vigário-Geral disse que o Bispo não está e não estará disponível para falar com qualquer jornalista nas próximas semanas ou meses.

"Como Vigário-Geral não posso comentar esta questão. Apenas o Bispo pode comentar nesta questão. Parece que o Bispo não terá nenhum tempo para responder porque tem muito trabalho," diz Guterres.

Se alguns padres cometeram assaltos sexuais contra mulheres, porque é que esses casos não podem ser levados a tribunal? A justiças é apenas para as pessoas vulgares neste país? Esperem para ver.

1 comentário:

Margarida disse...

Tradução:
Rede Feto pede à Igreja para responder a queixas de abuso sexual por padres
Caro Moderador,

Publicamos um semanário chamado Kla'ak. Organizámos recentemente a nossa edição on-line . A direcção é http://klaak-semanal.blogspot.com/

Os nossos nomes, detalhes para contactos e direcção podem ser encontrados neste website.

O artigo em baixo foi originalmente publicado em Tétum na edição desta semana "Rede Feto Husu Dioseze Atu Responde Violensia Seksual Husi Padre". Pode aceder à versão original em Tétum em http://klaak-semanal.blogspot.com/2008/03/leno-rede-feto-husu-dioseze-atu.html

Melhores cumprimentos,

Kla'ak Editor
klaak_investigativu(a)yahoo.com; (670) 735 1360; (670) 727 8247
Fatin: Rua de Moçambique, 1/IA, Palapaço-Farol, Dili, Timor-Leste (porta ao lado do La'o Hamutuk)


Rede Feto pede á Igreja para responder a queixas de abusos sexuais por padres
team kla'ak

Foi alegado que um padre cometeu abusos sexuais contra uma mulher. Então este caso foi tratado através de mediação fora do sistema formal de justiça. Através da mediação, a Igreja e a família da vítima concordaram num pagamento de reparação à vítima de US$1000. A Rede Feto (uma organização chapéu que representa as ONG’s das mulheres) acredita que este tipo de questões não está apenas limitada a Oecusse.


Em Outubro de 2005 uma mulher de 23 anos foi sexualmente assaltada por um padre, conhecido apenas por AL. Mais tarde nasceu-lhe uma menina em Maio de 2006.

De acordo com o advogado da vítima, este caso foi enviado para o tribunal em Oecusse onde AL foi acusado de assalto sexual, que resultou também na gravidez da mulher. Contudo AL negou todas as responsabilidades pelas suas acções.

Pedro do Nascimento Noronha, o padre da paróquia de Oecusse, confirma que AL cometeu tais actos contra duas irmãs. Contudo diz também que não há evidência substancial para provar que AL cometeu esses actos ou que as duas mulheres são vítimas de facto.

"Obviamente, do ponto de vista moral, como padre, ele mostrou mau comportamento para os membros da Igreja. Mas como mulher e Cristão ele também devia ter consciência que não devia cair na tentação. Se ela sabe que o homem é padre, porque é que cometeu este erro? Assim não devemos ver isto apenas como um erro do padre," diz Noronha.

Contudo, de acordo com a mãe da vítima, AL tem de se encontrar ainda com a família da vítima e assumir a responsabilidade pela sua filha, que tem agora um ano e meio. "Trouxemos este caso para o tribunal com a ajuda duma ONG local chamada FFSO (Fundasaun Fatu Sinai Oecusse). Mas tem demorado muito tempo para obter qualquer solução. Finalmente em 2007 a Paróquia da Igreja e a família de AL chamaram-nos para resolver esta questão através da mediação ou da justiça tradicional na igreja de Oecusse. A família de AL pagou uma multa de US$1000 à família da vítima," diz a Srª. Teixeira, a mãe da vítima.

Foi uma iniciativa do padre da paróquia de Oecusse chamar ambas as famílias para resolver este caso. Noronha tinha sido nomeado pelo Bispo da Diocese de Dili para ajudar a mediar entre as duas famílias. Ambas as famílias chegaram a um acordo através da sua mediação.

"Como mãe da vítima não quero falar em demasia deste problema. Somou apenas uma família vulgar sem meios para fazer muito mais. Esperamos demasiado tempo por qualquer resultado do tribunal. Assim seguimos apenas o que o padre da Paróquia de Oecusse nos pede, para resolver este caso através da mediação. O padre Pedro prometeu também que nos ajudará a levar esta questão à Diocese," diz a mãe da vítima com aparente tristeza.

A avó da bébé acrescenta que não tentará arranjar outras maneiras para encontrar uma solução para o caso da sua filha. A vítima e a sua família prometeram ao padre da Paróquia de Oecusse e à família de AL não prosseguirem mais este caso apesar do caso ter sido entregue ao tribunal. Se eles renegarem as suas promessas, como pais da vítima, serão multados com o dobro do que receberam da família de AL.

Quando tentaram levar o caso de AL à Diocese, Noronha disse que isso já não era da sua responsabilidade mas da responsabilidade do Bispo lidar com a questão. Como padre apenas lhe foi pedido que mediasse entre as duas famílias. As famílias da vítima e de AL não se encontraram ainda para resolver este problema na Diocese. "Não sei desta questão e podem ver com o Bispo da Diocese porque é da sua responsabilidade responder," respondeu Noronha zangado.

A directora da Rede Feto, Ubalda Alves, disse a Kla'ak que casos de violência sexual envolvendo padres não ocorrem apenas em Oecusse. Há outros casos que acontecem noutros distritos também. As vítimas, ou as mulheres envolvidas, ainda não têm suficiente coragem para virem e denunciar publicamente estes incidentes por causa da vergonha e porque o suspeito é um padre. Atitudes deste tipo criam dificuldades aos que trabalham na área da promoção dos direitos das mulheres levantarem estas questões.

"Rede Feto recebeu ainda casos de violência sexual envolvendo padres no distrito de Baucau mas quando as abordámos, as vítimas ficaram com muito medo de falar acerca dos seus sofrimentos. Algumas chegaram a mudar-se para a Indonésia. Tentámos também contactar com algumas por telefone mas têm sempre muito medo de falar," disse Ubalda Alves no decurso duma entrevista no Gabinete da Rede Feto em Colmera.

Alves diz que a Rede Feto se sente triste pelo que os padres fazem contra as mulheres. "Acções deste tipo violam os direitos humanos, em particular os direitos duma mulher. Os padres deviam ter um papel de modelo para a sociedade. Mas tornaram-se suspeitos de violência sexual," acrescentou Alves.

A Rede Feto, através das organizações membros como Fokupers, Alola Foundation, e o seu parceiro, Pradet, JSMP e outras ONG's estão prontas para assistir as vítimas que querem levantar os seus problemas.

Ubalda sublinhou também que a Rede Feto e os seus membros estão prontos para ajudar as vítimas com a provisão de casas seguras e de aconselhamento; assistência legal, caso as vítimas desejem levar os seus casos para os tribunais; e dar apoio moral às vítimas. O abuso sexual é um crime. Não é um caso vulgar que se deva resolver através da justiça tradicional. "Deve ser tratado através do tribunal porque apenas através do tribunal podem os direitos das vítimas ser garantidos pela lei," disse a antiga activista da Fokupers.

Alves sublinhou também que representantes de todas as organizações de mulheres pediras à Diocese para verem estes casos como crimes. Estes casos são uma ameaça à integridade moral dos padres. A Diocese devia ter convicções firmes para confrontar estes casos. Não deviam ser silenciados e varridos para debaixo do tapete.

A Diocese não devia encorajar as vítimas a silenciarem mas devia encorajar as vítimas e suas famílias a levarem estes casos para tribunal como com qualquer cidadão vulgar. Casos criminais não se devem resolver transferindo os padres para outros locais. Não é este o caminho para resolver estes problemas. "Penso que a lei Canónica da Igreja número 1395, Artigo 1 e 2, do ano 1395, diz que se um padre se envolver num caso criminal como a violência sexual, abuso sexual ou outros actos de violência que resultem na morte doutra pessoa, violou o 6º Mandamento e pode ser suspenso ou expulso da Igreja. Contudo deves responder também perante o tribunal para ser responsabilizado pelas suas acções," disse Alves.

Alves explicou ainda que o departamento de advocacia da Rede Feto está determinado a continuar a seguir estes casos até ser alcançada alguma justiça. De acordo com a Rede Feto, alguns membros do igreja católica de Timor são ainda muito conservadores e com medo dos padres. Mas a Rede Feto encontrará maneiras de os educar que perante a lei são todos iguais.

A maneira como o padre da Paróquia de Oecusse, juntamente com as famílias de AL e da vítima, fizeram esta mediação sem a presença da Polícia e de conselheiros legais representando a vítima através da assistência da ONG FFSO, levantará muitas questões. "Não sei se vão resolver esta questão através da justiça tradicional ou mediação porque nem o lado da vítima ou do padre da Paróquia nos informaram" diz John, o director do FFSO, o grupo que facilitou a assistência legal à família da vítima.

Quando Kla'ak tentou contactar o Bispo de Dili, Monsenhor. Ricardo da Silva, no seu gabinete na Câmara, para comentar, o Padre Apolinário Guterres, o Vigário-Geral disse que o Bispo não está e não estará disponível para falar com qualquer jornalista nas próximas semanas ou meses. "Como Vigário-Geral não posso comentar esta questão. Apenas o Bispo pode comentar nesta questão. Parece que o Bispo não terá nenhum tempo para responder porque tem muito trabalho," diz Guterres.

Se alguns padres cometeram assaltos sexuais contra mulheres, porque é que esses casos não podem ser levados a tribunal? A justiças é apenas para as pessoas vulgares neste país? Esperem para ver.

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.