quarta-feira, fevereiro 27, 2008

Transcript of UNMIT press conference - 25 Feb 2008

UNMIT - United Nations Integrated Mission in Timor-Leste

Date: 25 Feb 2008


UNMIT Headquarters, Obrigado Barracks, Dili, Timor-Leste - The following is a near-verbatim transcript of a press conference by Atul Khare, Special Representative of the Secretary-General (SRSG) for Timor-Leste.

Spokesperson Allison Cooper: Good afternoon everyone, thank you for coming at such short notice. The SRSG Atul Khare will be making a statement and then we will be opening for questions.

SRSG Atul Khare: Thank you everybody for coming. I personally received information this morning that one of the co-accused in the earlier case, you know the number of the case, 233/3/ord/2007, had willing decided to voluntarily submit himself to justice. I immediately spoke to the UNPOL Police Commissioner, who as you know continues as the interim General Commander of the PNTL, Rodolfo Tor, and requested that Deputy Police Commissioner for Operations, Mr Hermanprint Sing should go personally and ensure the peaceful submission by this individual to justice. I am very happy that Mr Hermanprint Sing, Deputy Police Commissioner for Operations, traveled this morning within minutes of receiving my call to Maubisse, ensured the peaceful submission of this person and brought this person back to Dili. Since it takes nearly two and half hours to go to Maubisse one way, and to come back the other way, he has just returned and I want to congratulate him and colleagues of the police, UNMIT and PNTL for doing such a good job.

As I said earlier, there was a warrant of arrest against this individual so he will now be produced before the Prosecutor-General who will then produce him before the court. But I want to highlight and underline that no restraint, no handcuffs, were required to bring this person back from Maubisse to Dili. So I want to stress that those who follow my appeal, who follow the appeal of the interim President, his Excellency Fernando Lasama de Araujo, who followe the appeal of the Prime Minister, his Excellency Xanana Gusmao, to surrender voluntarily to justice will be treated with dignity and according to the constitution and applicable laws of Timor-Leste.

So I take this opportunity once more, to launch an appeal to all those who have some case to answer for before the justice system to submit themselves peacefully to justice in order to strengthen the rule of law and in order to further promote the stabilization and development of this country. Those who wish to surrender can contact first and foremost the government of Timor-Leste, they can contact the Prosecutor-General, or if they so wish, they can contact UNPOL or me, or my UN colleagues and appropriate arrangements will then be made.

I would also like to inform you that on Saturday, the interim President, his Excellency Fernando Lasama de Araujo, and the Government represented by the Vice Prime Minster Mr Jose Louis Guterres, addressed the petitioners in Aitarak-laran. As you are aware, some of these petitioners were afraid, and therefore they had been escorted by UNPOL and PNTL from the districts to Dili. When I addressed the petitioners on Saturday evening, there were around 270. Today I believe there should be around 324. I can be so specific because Joachim Fonseca told me this afternoon that there were 295 and thereafter 20 petitioners had been escorted from Same by UNPOL so that makes it 315, and 9 more petitioners, including a woman have been escorted from Ainaro, which brings it to 324.

I want to take this opportunity through you (the media) to call upon all petitioners to join the Government-sponsored retreat in Aitarak-laran. I want to stress to the petitioners that if they present themselves to the police station in the districts, they will be provided by UNPOL and PNTL together, with transportation and an escort to come to Dili. I remain convinced that the Government is determined to resolve the problems of the petitioners, and therefore I would, through you, urge the petitioners to take advantage of this opportunity, this first real dialogue with the petitioners since 2006.

I also want to inform you that the Security Council met to discuss the situation in Timor-Leste and the mandate of UNMIT on 21 February. A large number of the delegations, both members and non-members of the Security Council took the floor, and all of them of course clearly condemned the acts of 11 February but they also noted the positive reaction of the Government, the parliament, the opposition, the fact that all decisions are being taken according to the constitution and according to the laws and they also noted the calm and patient manner in which the Timorese people have reacted to this crisis. They also noted that the while the reactions have been positive and encouraging, there is a need to resolve the underlying issues which we have been talking about. And the most important of these, are the issues of the petitioners and issues of the IDPs. I call them important, but actually, they are more than important, they are urgent, immediate issues. But then, there are long-term issues which are equally important to the national interest, namely review and reform of the security sector, strengthening the rule of law, socio-economic development with a particular emphasis on the eradication of poverty and on youth employment, and finally strengthening the culture of democracy which will hold this country in good stead if there are any future crises.

The resolution on UNMIT is likely to be adopted, either later tonight or tomorrow, and while I have no authority, and I cannot be presumptuous or speculate on what could be in the resolution, what the delegation said in the opening meeting on 21 February gives me a lot of reason to hope they will continue to support UNMIT. Before I conclude, I wanted to mention two other small issues, more for your understanding, and through you for the understanding of the Timorese people: first is the creation of the Joint Command. Those PNTL officers who are deployed for a short period of time to undertake operations under the joint command will obviously not be under mentoring and supervision. But all other PNTL officers and UNMIT police will continue as before. So there is no change to the supplemental arrangement and this has been agreed between me and the Prime Minister; and secondly, obviously there is a need for greater, more effective, strengthened cooperation between all the security agencies operating in this country to ensure that first and foremost, the operations can be more effective and that any adverse impacts can be avoided.

And in this regard, and I want to stress, as I discussed with the Prime Minister and he agreed, under the trilateral agreement between the Government of Australia, Government of Timor-Leste and the Untied Nations, that there is the possibility of strengthening cooperation between all agencies. And under this arrangement, every day, the UNMIT Police Commissioner, who is also the interim General Commander of the PNTL, Mr Rodolfo Tor, the PNTL Commander General Designate, Afonso de Jesus, ISF Commander James Baker and the F-FDTL Brigadier General Taur Matan Ruak, who also happens to command the Joint Command, meet everyday without fail to ensure that there is good coordination. Before yesterday, these meetings were hosted by the Joint Command, but today, for the first time, this meeting was hosted by the ISF and of course at some stage, depending on the evolution of the situation, this joint meeting for coordination will also be hosted by the UNMIT police. And in this regard, I must place on record my deepest appreciation to the Government's of Australia and New Zealand and particularly to the commanders and men and women of the ISF who are doing a good job under very difficult circumstances. Thank you very much.

Spokesperson Allison Cooper: Are there any questions?

Q: What time did the person submit themselves, where did they submit themselves to, and did they also hand in their weapons?

AK: He did not surrender a weapon because he did not have one. You have to realize that there has to be an investigation, he has to be submitted to the Prosecutor-General. He surrendered in Maubisse. It was around 12pm.

Q: Can you give his name?

AK: I cannot reveal his name- there are various issues associated with the name. First and foremost, there is the question of protecting the dignity of the person until such time he is produced to the court. And secondly there is the question of ensuring that there is no negative fallout on his family or relatives. What I can assure you is that he is one of the co-accused in the old case and there is an arrest warrant against him. I can also assure you that there are investigations into the attacks of 11 February which are still continuing. In these investigations, six arrest warrants have so far been issued and this person is not one of those six.

Q: Is there a chance that UNMIT and the ISF will have a bigger role then they have now in the Joint Command? Don't you feel the international forces are being basically kept aside of the major operation to capture Salsinha?

AK: As I see it, there are three different agencies with three different operations. All of them will coordinate with each other to enhance the efficiency of each other's operations. So I don't see it as the negation of any person, I see it as a country which is in crisis and which is using all available opportunities and all available forces to address the situation that was created after the attacks of 11 February. And obviously all of them have different competencies. For example, the police, UNMIT police or PNTL, both of them together working as one, are here to ensure the maintenance of law and order in public security. They are not here to go after armed rebels. So their competencies essentially lie in maintenance of civil disturbances, in catching the culprits, in ensuring peaceful surrenders when they take place, and in conducting investigations to find out where people are, so that which ever force has the required capability can act. In this regard, I must say that I'm quite happy so far. Of course much more must be done in the investigations which are being directed by the Prosecutor-General and conducted by UNPOL/PNTL with the support from agents from the Australian Federal Police and FBI.

Q: I have two questions. One, where is the person who surrendered being held right now; and two, i have heard rumours that Salsinha and his group want to surrender. Would you be able to confirm this?

AK: Let me answer the second question first. I don't know if it true if Salsinha and his group want to surrender or not. But I hope that it is true because this is the only way to go. Whenever there is a case against justice, you must submit yourself peacefully to justice. We should never speak ill of those who have departed, but many of you would recall that I spent one year appealing to Reinado to submit peacefully to justice. But unfortunately, he did not accept, and we saw the results which happened on 11 February. So I hope Salsinha and his group, like this other person, will submit themselves to justice, and I have discussed with the Prime Minister, just before I came for this press conference, and I want to assure you that on behalf of the Prime Minister, the Government and myself, that those who surrender will be treated with dignity and according to the constitution and applicable laws.

Q: Can the SRSG clarify whether the person who submitted themselves was a member of the police, military or a member of Alfredo's group.

AK: The answer would be the same- he is a co-accused in the case where there are14 accused. Whether he was previously in the army or military doesn't matter. We are not dealing with what he was before; we are dealing with his status as a co-accused.

Q: I have two questions: Can you please clarify who will take responsibility for the serious breaches in security that happened on 11 February- UNMIT or the Government? And the second question is why is it that we need a Joint Operation between the F-FDTL and PNTL? Is it because the international forces are unable to do their job?

AK: These are very important questions. The greatest responsibility for what happened on 11 February clearly has to be born by Alfredo Reinado and the people who were accompanying him. That is why those people are being pursued by justice. Thereafter, once we find the people who were involved in the attacks, there has to be a thorough investigation by all of us to see if there is any way the situation could have been avoided, and if not avoided, at least what improvements can be made for the future. On the second question, I look at the issue somewhat differently. This is a sovereign, independent country. It has its own constitution and under article 115.1c it is the responsibility of the PM and the Government to maintain law and order. In any other country, if the national authorities, F-FDTL and PNTL in this case, were not doing anything, I would question, what is the sovereignty of the country? So it is not the question of whether the international community is able or unable to assist- whether or not they can assist, the national authorities must act. So I told the PM that I am very happy that he has taken this decision under the constitution, article 115.1c, and applicable articles of the organic law applicable to the F-FDTL, particularly section 22d of 15 of 2006. It is also very good to note that from May 2006, and we all know what happened in May 2006, to see the F-FDTL and PNTL working together under a Joint Command- it gives me hope for the country.

Q: Till now, exactly how many people have surrendered and can you explain why this particular person decided to surrender today in Maubisse?

AK: As you know, in the six arrest warrants that were issued for 11 February, one person surrendered, namely Angelina Pires, who was produced before the courts and this is the first person who has surrendered in the older case. About the second question, frankly I don't know. I think he saw the light and wanted to strengthen the law in the country- that is what I believe and I hope that his good example, for whatever reason, will be followed by others.

Q: I have two questions: If the security of the country was under the ISF, why were they unable to detect Alfredo's movements, therefore allowing him to attack the President's house; and two, about the Joint Command, what is the role of the ISF right now?

AK: For both questions, I think you will have to ask the ISF rather than ask me. Nevertheless, it is important for me to correct some misconceptions. We all remember that the President went a few weeks ago to meet Alfredo Reinado. There were discussions which were going on with Minister Joao Goncalves, some discussions going on with some parliamentarians and Reinado, some discussions going on between the government task force and Reinado. You all remember that on 21 December, Alfredo Reinado was going to come to the Government Palace to meet the PM- of course he never came. So now to think that that Alfredo was in one area that was controlled and that he was not allowed to move out is wrong- he was always allowed to move out and interact with high leaders of Timor-Leste. And that was correct because I have always said that negotiation is the best way to ensure a peaceful submission to justice. And about the role of the ISF, I said before that there are three agencies with three different operations- there is Joint Command, there is UNPOL and there is ISF. All of them will coordinate with each other so it might depend on different areas of operation, it might depend on different activities, and this is what the coordination mechanisms decide. But obviously I'm not going to discuss operational mechanisms here.

Q: We have heard Salsinha and his group have long weapons. Also, will Salsinha and his group be treated with dignity and respect if they surrender?

AK: Anyone who surrenders will be treated with dignity and respect according to the applicable laws. They can approach whichever organization they feel most comfortable with. This person felt comfortable with the UN so they approached us. There are some people feel who feel comfortable with the F-FDTL, so they can surrender to the F-FDTL, some people feel comfortable with the PNTL, so they can surrender to the PNTL, some people feel comfortable with the ISF, so they can surrender to the ISF. I have spoken to the ISF Commander also, so I can assure you that no matter where they submit, to F-FDTL, PNTL to UN, to ISF, they will be treated with dignity and according to the applicable laws. As far as long weapons are concerned, let me say something which I feel very strongly about. Many of you know I trained as a doctor. It takes four muscles to pull the trigger of a gun. But it takes 47 muscles to give a good smile. But believe me, I am man of peace. Till the time when you rely on these four muscles, the country is not going to develop. You have to rely upon smiles, upon receiving each other, if the country is to develop in a sustainable manner with peace and prosperity. Is a smile sufficient to take care of a long weapon? In a way, if you look at what happened on 11 February, you will say no. But if you look at the broader picture, believe me, there is no country, no society which has developed under the force of the gun. It doesn't exist. So through you, I appeal to the Timorese people again, that if you want to say buka solution (look for a solution), good. If you want to say simu malu (receive each other), very good. But if you want to say baku malu (beat each other), that is not good obviously.

Spokesperson Allison Cooper: Thank you everyone. That concludes the press conference.



Tradução:

Transcrição da conferência de imprensa da UNMIT - 25 Fev 2008

UNMIT – Missão Integrada das Nações Unidas em Timor-Leste

Data: 25 Fev 2008


Sede da UNMIT, Obrigado Barracks, Dili, Timor-Leste – Segue-se uma transcrição quase-completa da conferência de imprensa de Atul Khare, Representante Especial do Secretário-Geral (SRSG) para Timor-Leste.

Porta-voz Allison Cooper: Boa tarde a todos, obrigado por terem vindo com aviso tão curto. O SRSG Atul Khare fará uma declaração e depois estamos abertos a perguntas.

SRSG Atul Khare: Obrigado a todos por terem vindo. Recebi oessoalmente esta manhã a informação que um dos co-acusados no caso anterior, sabem, o caso 233/3/ord/2007, tinha voluntariamente decidido entregar-se à justiça. Falei imediatamente com o Comissário da polícia da UNPOL, que como sabem continua a ser o Comandante Geral interino da PNTL, Rodolfo Tor, e pedi ao Vice-Comissário da Polícia para Operações, Sr Hermanprint Sing para ir pessoalmente assegurar a entrega pacífica deste indivíduo à justiça. Estou muito contente por o Sr Hermanprint Sing, Vice-Comissário da Polícia para Operações, ter viajado esta manhã minutos depois de ter recebido a minha chamada para Maubisse, ter assegurado a entrega pacífica desta pessoa e ter trazido esta pessoa para Dili. Dado que demora perto de duas horas e meia ir até Maubisse, e o mesmo para a volta, ele acabou de chegar e eu quero congratulá-lo e aos seus colegas da polícia, UNMIT e PNTL por terem trabalhado tão bem.

Como disse antes, havia um mandato de prisão contra este indivíduo, assim ele será entregue ao Procurador-Geral que depois o levará ao tribunal. Mas quero focar e sublinhar que nenhuma pedida restritiva, nem algemas, foram usadas para trazer esta pessoa de Maubisse para Dili. Assim quero sublinhar que os que seguirem o meu apelo, que seguirem o apelo do Presidente interino, sua Excelência Fernando Lasama de Araujo, que seguirem o apelo do Primeiro-Ministro, sua Excelência Xanana Gusmão, para se entregarem voluntariamente à justiça serão tratados com dignidade e de acordo com a constituição e as leis aplicadas de Timor-Leste.

Assim aproveito esta oportunidade, mais uma vez, para lançar um apelo a todos os que têm algum caso para responder perante o sistema da justiça para se entregarem pacificamente à justiça de modo a reforçar o domínio da lei e de modo a promover a estabilização e o desenvolvimento deste país. Os que desejarem entregar-se podem contactar primeiro e mais importante o governo de Timor-Leste, podem contactar o Procurador-Geral ou, se o desejarem, podem contactar a UNPOL ou a mim, ou os meus colegas da ONU e serão feitos arranjos adequados.

Gostaria também de vos informar que no Sábado, o Presidente interino, sua Excelência Fernando Lasama de Araujo, e o Governo representado pelo Vice Primeiro-Ministro Sr José Louis Guterres, discursaram para os peticionários em Aitarak-laran. Como sabem, alguns destes peticionários estavam receosos, e por isso foram escoltados pela UNPOL e PNTL dos distritos para Dili. Quando me dirigi aos peticionários no Sábado à noite eles eram cerca de 270. Hoje devem ser cerca de 324. Posso ser tão específico porque Joaquim Fonseca me disse hoje à tarde que eram 295 e depois disso outros 20 peticionários foram escoltados desde Same pela UNPOL o que perfaz assim 315, e mais 9 peticionários, incluindo uma mulher foram escoltados desde Ainaro, o que eleva isso para 324.

Quero aproveitar esta oportunidade para através de vocês (os media) apelar a todos os peticionários para se juntarem no retiro patrocinado pelo Governo em Aitarak-laran. Quero sublinhar aos peticionários que se se apresentarem nas estações de polícia nos distritos, lhes será providenciado pela UNPOL e PNTL juntas, transporte e escolta para virem para Dili. Continuo convencido que o Governo está determinado a resolver os problemas dos peticionários e por isso, através de vocês, volto a urgir os peticionários a tirarem vantagem desta oportunidade, deste primeiro diálogo real com os peticionários desde 2006.

Quero também informá-los que o Conselho de Segurança se reuniu para discutir a situação em Timor-Leste e o mandato da UNMIT em 21 Fevereiro. Falaram um grande número de delegações, ambos membros e não membros do Conselho de Segurança, e obviamente todas condenaram os actos de 11 de Fevereiro mas anotaram também as reacções positivas do Governo, parlamento e oposição, o facto de todas as decisões estarem a ser tomadas de acordo com a constituição e as leis e anotaram também a maneira calma e paciente com que o povo Timorense reagiu a esta crise. Anotaram também que ao mesmo tempo que as reacções têm sido positivas e encorajadoras, há a necessidade de resolver as questões subjacentes de que temos falado. E a mais importante destas, são as questões dos peticionários e dos deslocados. Chamo-as importantes, mas actualmente são mais do que importantes, são questões urgentes, imediatas. Mas então, há as questões de longo prazo que são igualmente importantes para o interesse nacional, nomeadamente revisão e reforma do sector da segurança, reforçar o domínio da lei, desenvolvimento socio-económico com um ênfase particular na irradicação da pobreza e no emprego juvenil, e finalmente reforçar a cultura da democracia, que manterá este país nu bom local se houver crises no futuro.

É provável que a resolução sobre a UNMIT seja adoptada, ou hoje à noite ou amanhã e conquanto não tenha autoridade e não possa ser arrogante ou especulativo sobre o que possa estar na resolução, o que a delegação disse na reunião de abertura em 21 de Fevereiro dá-me muitas razões para esperar que continuem a apoiar a UNMIT. Antes de concluir, quero mencionar duas outras pequenas questões, mais para o vosso conhecimento, e através de vocês para o conhecimento dos Timorenses: primeiro é a criação do Comando Conjunto. Esses oficiais da PNTL que foram destacados por um curto periodo de tempo para participarem nas operações sob o comando conjunto não estarão obviamente sob acompanhamento e supervisão. Mas todos os outros oficiais da PNTL e a polícia da UNMIT continuarão como antes. Assim não há mudança aos arranjos suplementares e isto foi acordado entre mim e o Primeiro-Ministro; e Segundo, obviamente há uma necessidade para uma maior, mais efectiva e reforçada cooperação entre todas as agências de segurança a operarem neste país para assegurar que primeiro e principalmente, as operações possam ser mais efectivas e que todos os impactos adversos possam ser evitados.

E em relação a isto e quero sublinhar, dado que discuti com o Primeiro-Ministro e ele concordou, sob o acordo trilateral entre o Governo da Austrália, Governo de Timor-Leste e as Nações Unidas, que há possibilidade de reforçar a cooperação entre todas as agências. E sob este arranjo, em cada dia, o Comissário da Polícia da ONU, que é também o Comandante Geral interino da PNTL, Sr Rodolfo Tor, o Comandante Geral Designado da PNTL, Afonso de Jesus, o Comandante da ISF James Baker e o Brigadeiro General das F-FDTL Taur Matan Ruak, que acontece tem também o Comando Conjunto, encontram-se em cada dia sem falha para assegurar que há boa coordenação. Antes de ontem, esses encontros realizavam-se no Comando Conjunto, mas hoje, pela primeira vez, este encontro realizou-se na ISF e obviamente no mesmo estádio, dependendo na evolução da situação, este encontro conjunto para coordenação realizar-se-á também na polícia da UNMIT. E em relação a isto quero deixar registada a minha mais profunda apreciação aos Governos da Austrália e Nova Zelândia e particularmente aos comandantes e homens e mulheres da ISF que estão a fazer um bom trabalho sob circunstâncias muito difíceis. Muito obrigado.

Porta-voz Allison Cooper: Há perguntas?

Q: Quando é que as pessoas se entregaram, onde é que as pessoas se entregaram, e entregaram também s armas?

AK: Ele não entregou a arma porque não tinha arma. Tem de perceber que vai haver uma investigação, ele tem de ser entregue ao Procurador-Geral. Ele rendeu-se em Maubisse. Por volta das 12 pm.

Q: Pode dizer o nome dele?

AK: Não posso revelar o nome dele – há várias questões associadas com o nome. Primeira e principalmente, há a questão de proteger a dignidade da pessoa até à altura em que for levada ao tribunal. E em segundo lugar há a questão de assegurar que não há nenhuma consequência negativa para a família e familiares. O que vos posso assegurar é que ele é um dos co-acusados no caso antigo e que há um mandato de prisão contra ele. Posso também assegurar que há investigações aos ataques de 11 Fevereiro que ainda continuam. Nessas investigações, até há data já foram emitidos seis mandates de captura e esta pessoa é uma delas.

Q: Há a possibilidade de a UNMIT e a ISF vire a ter um papel maior agora no Comando Conjunto? Não sente que as forças internacionais basicamente estão a ser deixadas de lado da operação maior para capturar Salsinha?

AK: Como eu vejo isto, há três agências diferentes com três operações diferentes. Cada uma delas coordenará com as outras para reforçar a eficiência de cada uma das operações. Assim, não vejo isso como a negação de qualquer pessoa, vejo isso como um país que está em crise e que está a usar todas as possibilidades disponíveis e todas as forças disponíveis par responder à situação que foi criada depois dos ataques de 11 de Fevereiro. E obviamente todas elas têm competências diferentes. Por exemplo, a polícia, da UNMIT ou da PNTL, ambas trabalham juntas como uma, estão aqui para assegurar a manutenção da lei e da ordem na segurança pública. Não estão aqui para irem atrás de amotinados armados. Assim as suas competências são essencialmente na manutenção das perturbações civis, em apanhar os acusados, em assegurar rendições pacíficas quando ocorrem, e em conduzir investigações para descobrir onde estão as pessoas, para que cada fora com a capacidade requerida possa actuar. Em relação a isto, tenho de dizer que até agora estou bastante contente. Obviamente que tem de ser feito muito mais nas investigações que estão a ser dirigidas pelo Procurador-Geral e conduzidas pela UNPOL/PNTL com o apoio de agentes da Polícia Federal Australiana e o FBI.

Q: Tenho duas perguntas. Uma, onde é que está guardada a pessoa que se entrego; e segunda, ouvi rumores que o Salsinha e o seu grupo se querem entregar. Pode confirmar isto?

AK: Deixe-me responder à segunda primeiro. Não sei se é verdade se Salsinha e o seu grupo se querem entregar ou não. Mas espero que isso seja verdade porque esse é o único caminho. Sempre qu há um caso na justiça, a pessoa deve-se entregar pacíficamente à justiça. Nunca devemos falar mal dos que partiram mas muitos de vocês devem lembrar-se que eu passei um ano a apelar ao Reinado para se entregar pacificamente à justiça. Mas infelizmente, ele não aceitou isso e vimos os resultados que ocorreram em 11 de Fevereiro. Pr isso espero que Salsinha e o seu grupo, como esta outra pessoa, se entregar à justiça, e eu discuti com o Primeiro-Ministro, mesmo antes de vir para esta conferência de imprensa, e que assegurar a vocês que em nome do Primeiro-Ministro, Governo e eu próprio, que os que e quiserem entregar serão tratados com dignidade e de acordo com a constituição e as leis.

Q: Pode o SRSG clarificar se a pessoa que se entregou era membro da polícia, militar ou do grupo de Alfredo

AK: A resposta será a mesma – é um co-acusado no caso onde há 14 acusados. Se antes esteve nas forças armadas não interessa. Não estamos a lidar com o que ele era antes; estamos a lidar com o seu estatuto como co-acusado.

Q: Tenho duas perguntas: Pode clarificar quem é que vai assumir a responsabilidade para as falhas graves na segurança que ocorreram em 11 Fevereiro - UNMIT ou o Governo? E a segunda pergunta é porque é que é precisa uma Operação Conjunta entre a F-FDTL e PNTL? É ore as forças internacionais foram incapazes de fazer o seu trabalho?

AK: São duas perguntas muito importantes. A maior responsabilidade pelo que aconteceu em 11 Fevereiro claramente tem que ser posta no Alfredo Reinado e nas pessoas que o acompanhavam. É por isso que essa gente está a ser procurada pela justiça. Depois disso, quando encontrarmos as pessoas que estiveram envolvidas nos ataques, haverá uma investigação rigorosa por nós todos para ver se de alguma maneira e podia ter evitado a situação, e se não evitada, pelo menos que melhorias se podem fazer para o futuro. Sobre a segunda pergunta, vejo a questão de maneira diferente. Este é um país soberano, independente. Tem a sua própria constituição e sob o artigo 115.1c é da responsabilidade do PM e Governo manter a lei e a ordem. Em qualquer outro país, se as autoridades nacionais, F-FDTL e PNTL neste caso, não estivessem a fazer nada, eu questionaria, qual é a soberania do país? Assim a questão não é se a comunidade internacional é capaz ou não de assistir – se podem ou não assistir, as autoridades nacionais têm de actuar. Assim disse ao PM que estou muito contente que tenha tomado esta decisão sob a constituição, artigo 115.1c, e artigos aplicáveis da lei orgânica das F-FDTL, particularmente secção 22d de 15 de 2006. É também muito bom anotar que desde Maio de 2006, e todos sabemos o que aconteceu em Maio de 2006, ver a F-FDTL e a PNTL a trabalharem juntas sob o Comando Conjunto – isso dá-me esperança para o país.

Q: Até agora exactamente quantas pessoas se entregaram e pode explicar porque é que esta pessoa em particular decidiu entregar-se hoje em Maubisse?

AK: Como sabe, dos seis mandatos de captura emitidos para o 11 de Fevereiro, uma pessoa entregou-se, nomeadamente Angelina Pires, que foi levada aos tribunais e esta é a primeira pessoa que se entregou do caso mais antigo. Sobre a segunda questão, francamente não sei. Penso que viu a luz e quis reforçar a lei no país – é o que entendo e espero que o seu bom exemplo, seja qual for a razão, seja seguido por outros.

Q: Tenho duas perguntas: Se a segurança do país estava sob a ISF, porque é que eles foram incapazes de detectar os movimentos do Alfredo, permitindo assim que ele atacasse a casa do Presidente; e segunda, sobre o Comando Conjunto, agora, qual é o papel da ISF?

AK: Para ambas as questões, penso que terá de perguntar à ISF em vez de a mim. Contudo, é importante para mim corrigir alguns maus entendimentos. Todos nos lembramos que o Presidente foi encontrar-se com o Alfredo Reinado há poucas semanas atrás. Havia discussões em curso com o Ministro João Gonçalves, algumas discussões em curso com deputados e Reinado, algumas discussões em curso entre a task force do governo e Reinado. Todos vocês se lembram que em 21 Dezembro, Alfredo Reinado estava a vir para o Palácio do Governo para se encontrar com o PM – obviamente nunca veio. Assim pensar-se agora que Alfredo estava numa área que estava controlada e que não estava autorizado a movimentar-se é errado – ele esteve sempre autorizado a sair e a interagir com os líderes de topo de Timor-Leste. E isso era correcto porque eu disse sempre que a negociação é o melhor caminho para assegurar uma entrega pacífica à justiça. E acerca do papel da ISF, eu disse antes que há três agências com três operações diferentes – há o Comando Conjunto, há a UNPOL ae há a ISF. Todos eles coordenação uns com os outros assim poderá depender de áreas diferentes de operação, poderá depender de actividades diferentes, e isso é decidido pelos mecanismos de coordenação. Mas obviamente não vou discutir aqui mecanismos operacionais.

Q: Ouvimos dizer que Salsinha e o seu grupo têm armas de cano longo. Também será Salsinha e o seu grupo tratado com dignidade e respeito se se entregarem?

AK: Qualquer pessoa que se entregue será tratado com dignidade e respeito de acordo com as leis. Eles podem aproximar-se da organização com a qual se sintam mais confortáveis. Esta pessoa sentiu-se confortável com a ONU e abordaram-nos. Se houver pessoas que se sintam confortáveis com a F-FDTL, e outras pessoas com a PNTL, podem entregar-se à PNTL, os que estiverem confortáveis com a ISF, podem entregar-se à ISF. Eu falei com o Comandante da ISF, posso assegurar-lhes que seja a quem for que se entreguem, F-FDTL, PNTL, ONU, ISF, serão tratados com dignidade e de acordo com a lei. No que respeita a armas de canos longos, deixem-me dizer uma coisa em que acredito bastante. Muitos de vocês sabem que me formei em medicina. São precisos quatro músculos para puxar um gatilho duma arma. Mas são precisos 47 músculos para se fazer um bom sorriso. Mas acreditem em mim, sou um homem de paz. Enquanto vocês se apoiarem nesses quatro músculos o país não se irá desenvolver. Têm de se apoiar em sorrisos, em se aceitarem uns aos outros se querem o país a desenvolver-se de maneira sustentável com paz e prosperidade. É um sorriso suficiente para cuidar duma arma de cano longo? Duma maneira, se olharem para o que aconteceu em11 de Fevereiro dirão que não. Mas se olharem mais longe, acreditem-me, não há nenhum país, nenhuma sociedade que se tenha desenvolvido sob a força da arma. Isso não existe. Assim, através de vocês, apelo a todos os Timorenses outra vez, que se querem procurar uma solução, bom. Se quiserem aceitar-se uns aos outros, muito bom. Mas se quiserem bater uns aos outros, isso não é bom obviamente.

Porta-voz Allison Cooper: Muito obrigado a todos. Isto conclui a conferência de imprensa.

2 comentários:

Anónimo disse...

Q: I have two questions: Can you please clarify who will take responsibility for the serious breaches in security that happened on 11 February- UNMIT or the Government? And the second question is why is it that we need a Joint Operation between the F-FDTL and PNTL? Is it because the international forces are unable to do their job?

AK: These are very important questions. The greatest responsibility for what happened on 11 February clearly has to be born by Alfredo Reinado and the people who were accompanying him. That is why those people are being pursued by justice. Thereafter, once we find the people who were involved in the attacks, there has to be a thorough investigation by all of us to see if there is any way the situation could have been avoided, and if not avoided, at least what improvements can be made for the future. On the second question, I look at the issue somewhat differently. This is a sovereign, independent country. It has its own constitution and under article 115.1c it is the responsibility of the PM and the Government to maintain law and order.

Mr. Khare: Of course it easier now to blame Reinado then to blame yourself and all the incompetents or should I say the unwilling? If you had followed what the Timorese Courts had demanded from you and your Organization, to arrest Reinado, the events of the 11th of February would never had happenned!
As for Timor Leste being an Independent Sovereign country! Really, Mr Khare? Are you sure of that? And for your information the reason that you, the Australian and New Zealand forces are in Timor Leste is to provide security as the country could not! So who you want to Bulshit? And what are you doing there then? Having a good holiday and getting paid 20.000 USdollars a month? Shame on you, you corrupted bastard!

PEACEF4TIMORLESTE

Margarida disse...

Tradução:
Transcrição da conferência de imprensa da UNMIT - 25 Fev 2008
UNMIT – Missão Integrada das Nações Unidas em Timor-Leste

Data: 25 Fev 2008


Sede da UNMIT, Obrigado Barracks, Dili, Timor-Leste – Segue-se uma transcrição quase-completa da conferência de imprensa de Atul Khare, Representante Especial do Secretário-Geral (SRSG) para Timor-Leste.

Porta-voz Allison Cooper: Boa tarde a todos, obrigado por terem vindo com aviso tão curto. O SRSG Atul Khare fará uma declaração e depois estamos abertos a perguntas.

SRSG Atul Khare: Obrigado a todos por terem vindo. Recebi oessoalmente esta manhã a informação que um dos co-acusados no caso anterior, sabem, o caso 233/3/ord/2007, tinha voluntariamente decidido entregar-se à justiça. Falei imediatamente com o Comissário da polícia da UNPOL, que como sabem continua a ser o Comandante Geral interino da PNTL, Rodolfo Tor, e pedi ao Vice-Comissário da Polícia para Operações, Sr Hermanprint Sing para ir pessoalmente assegurar a entrega pacífica deste indivíduo à justiça. Estou muito contente por o Sr Hermanprint Sing, Vice-Comissário da Polícia para Operações, ter viajado esta manhã minutos depois de ter recebido a minha chamada para Maubisse, ter assegurado a entrega pacífica desta pessoa e ter trazido esta pessoa para Dili. Dado que demora perto de duas horas e meia ir até Maubisse, e o mesmo para a volta, ele acabou de chegar e eu quero congratulá-lo e aos seus colegas da polícia, UNMIT e PNTL por terem trabalhado tão bem.

Como disse antes, havia um mandato de prisão contra este indivíduo, assim ele será entregue ao Procurador-Geral que depois o levará ao tribunal. Mas quero focar e sublinhar que nenhuma pedida restritiva, nem algemas, foram usadas para trazer esta pessoa de Maubisse para Dili. Assim quero sublinhar que os que seguirem o meu apelo, que seguirem o apelo do Presidente interino, sua Excelência Fernando Lasama de Araujo, que seguirem o apelo do Primeiro-Ministro, sua Excelência Xanana Gusmão, para se entregarem voluntariamente à justiça serão tratados com dignidade e de acordo com a constituição e as leis aplicadas de Timor-Leste.

Assim aproveito esta oportunidade, mais uma vez, para lançar um apelo a todos os que têm algum caso para responder perante o sistema da justiça para se entregarem pacificamente à justiça de modo a reforçar o domínio da lei e de modo a promover a estabilização e o desenvolvimento deste país. Os que desejarem entregar-se podem contactar primeiro e mais importante o governo de Timor-Leste, podem contactar o Procurador-Geral ou, se o desejarem, podem contactar a UNPOL ou a mim, ou os meus colegas da ONU e serão feitos arranjos adequados.

Gostaria também de vos informar que no Sábado, o Presidente interino, sua Excelência Fernando Lasama de Araujo, e o Governo representado pelo Vice Primeiro-Ministro Sr José Louis Guterres, discursaram para os peticionários em Aitarak-laran. Como sabem, alguns destes peticionários estavam receosos, e por isso foram escoltados pela UNPOL e PNTL dos distritos para Dili. Quando me dirigi aos peticionários no Sábado à noite eles eram cerca de 270. Hoje devem ser cerca de 324. Posso ser tão específico porque Joaquim Fonseca me disse hoje à tarde que eram 295 e depois disso outros 20 peticionários foram escoltados desde Same pela UNPOL o que perfaz assim 315, e mais 9 peticionários, incluindo uma mulher foram escoltados desde Ainaro, o que eleva isso para 324.

Quero aproveitar esta oportunidade para através de vocês (os media) apelar a todos os peticionários para se juntarem no retiro patrocinado pelo Governo em Aitarak-laran. Quero sublinhar aos peticionários que se se apresentarem nas estações de polícia nos distritos, lhes será providenciado pela UNPOL e PNTL juntas, transporte e escolta para virem para Dili. Continuo convencido que o Governo está determinado a resolver os problemas dos peticionários e por isso, através de vocês, volto a urgir os peticionários a tirarem vantagem desta oportunidade, deste primeiro diálogo real com os peticionários desde 2006.

Quero também informá-los que o Conselho de Segurança se reuniu para discutir a situação em Timor-Leste e o mandato da UNMIT em 21 Fevereiro. Falaram um grande número de delegações, ambos membros e não membros do Conselho de Segurança, e obviamente todas condenaram os actos de 11 de Fevereiro mas anotaram também as reacções positivas do Governo, parlamento e oposição, o facto de todas as decisões estarem a ser tomadas de acordo com a constituição e as leis e anotaram também a maneira calma e paciente com que o povo Timorense reagiu a esta crise. Anotaram também que ao mesmo tempo que as reacções têm sido positivas e encorajadoras, há a necessidade de resolver as questões subjacentes de que temos falado. E a mais importante destas, são as questões dos peticionários e dos deslocados. Chamo-as importantes, mas actualmente são mais do que importantes, são questões urgentes, imediatas. Mas então, há as questões de longo prazo que são igualmente importantes para o interesse nacional, nomeadamente revisão e reforma do sector da segurança, reforçar o domínio da lei, desenvolvimento socio-económico com um ênfase particular na irradicação da pobreza e no emprego juvenil, e finalmente reforçar a cultura da democracia, que manterá este país nu bom local se houver crises no futuro.

É provável que a resolução sobre a UNMIT seja adoptada, ou hoje à noite ou amanhã e conquanto não tenha autoridade e não possa ser arrogante ou especulativo sobre o que possa estar na resolução, o que a delegação disse na reunião de abertura em 21 de Fevereiro dá-me muitas razões para esperar que continuem a apoiar a UNMIT. Antes de concluir, quero mencionar duas outras pequenas questões, mais para o vosso conhecimento, e através de vocês para o conhecimento dos Timorenses: primeiro é a criação do Comando Conjunto. Esses oficiais da PNTL que foram destacados por um curto periodo de tempo para participarem nas operações sob o comando conjunto não estarão obviamente sob acompanhamento e supervisão. Mas todos os outros oficiais da PNTL e a polícia da UNMIT continuarão como antes. Assim não há mudança aos arranjos suplementares e isto foi acordado entre mim e o Primeiro-Ministro; e Segundo, obviamente há uma necessidade para uma maior, mais efectiva e reforçada cooperação entre todas as agências de segurança a operarem neste país para assegurar que primeiro e principalmente, as operações possam ser mais efectivas e que todos os impactos adversos possam ser evitados.

E em relação a isto e quero sublinhar, dado que discuti com o Primeiro-Ministro e ele concordou, sob o acordo trilateral entre o Governo da Austrália, Governo de Timor-Leste e as Nações Unidas, que há possibilidade de reforçar a cooperação entre todas as agências. E sob este arranjo, em cada dia, o Comissário da Polícia da ONU, que é também o Comandante Geral interino da PNTL, Sr Rodolfo Tor, o Comandante Geral Designado da PNTL, Afonso de Jesus, o Comandante da ISF James Baker e o Brigadeiro General das F-FDTL Taur Matan Ruak, que acontece tem também o Comando Conjunto, encontram-se em cada dia sem falha para assegurar que há boa coordenação. Antes de ontem, esses encontros realizavam-se no Comando Conjunto, mas hoje, pela primeira vez, este encontro realizou-se na ISF e obviamente no mesmo estádio, dependendo na evolução da situação, este encontro conjunto para coordenação realizar-se-á também na polícia da UNMIT. E em relação a isto quero deixar registada a minha mais profunda apreciação aos Governos da Austrália e Nova Zelândia e particularmente aos comandantes e homens e mulheres da ISF que estão a fazer um bom trabalho sob circunstâncias muito difíceis. Muito obrigado.

Porta-voz Allison Cooper: Há perguntas?

Q: Quando é que as pessoas se entregaram, onde é que as pessoas se entregaram, e entregaram também s armas?

AK: Ele não entregou a arma porque não tinha arma. Tem de perceber que vai haver uma investigação, ele tem de ser entregue ao Procurador-Geral. Ele rendeu-se em Maubisse. Por volta das 12 pm.

Q: Pode dizer o nome dele?

AK: Não posso revelar o nome dele – há várias questões associadas com o nome. Primeira e principalmente, há a questão de proteger a dignidade da pessoa até à altura em que for levada ao tribunal. E em segundo lugar há a questão de assegurar que não há nenhuma consequência negativa para a família e familiares. O que vos posso assegurar é que ele é um dos co-acusados no caso antigo e que há um mandato de prisão contra ele. Posso também assegurar que há investigações aos ataques de 11 Fevereiro que ainda continuam. Nessas investigações, até há data já foram emitidos seis mandates de captura e esta pessoa é uma delas.

Q: Há a possibilidade de a UNMIT e a ISF vire a ter um papel maior agora no Comando Conjunto? Não sente que as forças internacionais basicamente estão a ser deixadas de lado da operação maior para capturar Salsinha?

AK: Como eu vejo isto, há três agências diferentes com três operações diferentes. Cada uma delas coordenará com as outras para reforçar a eficiência de cada uma das operações. Assim, não vejo isso como a negação de qualquer pessoa, vejo isso como um país que está em crise e que está a usar todas as possibilidades disponíveis e todas as forças disponíveis par responder à situação que foi criada depois dos ataques de 11 de Fevereiro. E obviamente todas elas têm competências diferentes. Por exemplo, a polícia, da UNMIT ou da PNTL, ambas trabalham juntas como uma, estão aqui para assegurar a manutenção da lei e da ordem na segurança pública. Não estão aqui para irem atrás de amotinados armados. Assim as suas competências são essencialmente na manutenção das perturbações civis, em apanhar os acusados, em assegurar rendições pacíficas quando ocorrem, e em conduzir investigações para descobrir onde estão as pessoas, para que cada fora com a capacidade requerida possa actuar. Em relação a isto, tenho de dizer que até agora estou bastante contente. Obviamente que tem de ser feito muito mais nas investigações que estão a ser dirigidas pelo Procurador-Geral e conduzidas pela UNPOL/PNTL com o apoio de agentes da Polícia Federal Australiana e o FBI.

Q: Tenho duas perguntas. Uma, onde é que está guardada a pessoa que se entrego; e segunda, ouvi rumores que o Salsinha e o seu grupo se querem entregar. Pode confirmar isto?

AK: Deixe-me responder à segunda primeiro. Não sei se é verdade se Salsinha e o seu grupo se querem entregar ou não. Mas espero que isso seja verdade porque esse é o único caminho. Sempre qu há um caso na justiça, a pessoa deve-se entregar pacíficamente à justiça. Nunca devemos falar mal dos que partiram mas muitos de vocês devem lembrar-se que eu passei um ano a apelar ao Reinado para se entregar pacificamente à justiça. Mas infelizmente, ele não aceitou isso e vimos os resultados que ocorreram em 11 de Fevereiro. Pr isso espero que Salsinha e o seu grupo, como esta outra pessoa, se entregar à justiça, e eu discuti com o Primeiro-Ministro, mesmo antes de vir para esta conferência de imprensa, e que assegurar a vocês que em nome do Primeiro-Ministro, Governo e eu próprio, que os que e quiserem entregar serão tratados com dignidade e de acordo com a constituição e as leis.

Q: Pode o SRSG clarificar se a pessoa que se entregou era membro da polícia, militar ou do grupo de Alfredo

AK: A resposta será a mesma – é um co-acusado no caso onde há 14 acusados. Se antes esteve nas forças armadas não interessa. Não estamos a lidar com o que ele era antes; estamos a lidar com o seu estatuto como co-acusado.

Q: Tenho duas perguntas: Pode clarificar quem é que vai assumir a responsabilidade para as falhas graves na segurança que ocorreram em 11 Fevereiro - UNMIT ou o Governo? E a segunda pergunta é porque é que é precisa uma Operação Conjunta entre a F-FDTL e PNTL? É ore as forças internacionais foram incapazes de fazer o seu trabalho?

AK: São duas perguntas muito importantes. A maior responsabilidade pelo que aconteceu em 11 Fevereiro claramente tem que ser posta no Alfredo Reinado e nas pessoas que o acompanhavam. É por isso que essa gente está a ser procurada pela justiça. Depois disso, quando encontrarmos as pessoas que estiveram envolvidas nos ataques, haverá uma investigação rigorosa por nós todos para ver se de alguma maneira e podia ter evitado a situação, e se não evitada, pelo menos que melhorias se podem fazer para o futuro. Sobre a segunda pergunta, vejo a questão de maneira diferente. Este é um país soberano, independente. Tem a sua própria constituição e sob o artigo 115.1c é da responsabilidade do PM e Governo manter a lei e a ordem. Em qualquer outro país, se as autoridades nacionais, F-FDTL e PNTL neste caso, não estivessem a fazer nada, eu questionaria, qual é a soberania do país? Assim a questão não é se a comunidade internacional é capaz ou não de assistir – se podem ou não assistir, as autoridades nacionais têm de actuar. Assim disse ao PM que estou muito contente que tenha tomado esta decisão sob a constituição, artigo 115.1c, e artigos aplicáveis da lei orgânica das F-FDTL, particularmente secção 22d de 15 de 2006. É também muito bom anotar que desde Maio de 2006, e todos sabemos o que aconteceu em Maio de 2006, ver a F-FDTL e a PNTL a trabalharem juntas sob o Comando Conjunto – isso dá-me esperança para o país.

Q: Até agora exactamente quantas pessoas se entregaram e pode explicar porque é que esta pessoa em particular decidiu entregar-se hoje em Maubisse?

AK: Como sabe, dos seis mandatos de captura emitidos para o 11 de Fevereiro, uma pessoa entregou-se, nomeadamente Angelina Pires, que foi levada aos tribunais e esta é a primeira pessoa que se entregou do caso mais antigo. Sobre a segunda questão, francamente não sei. Penso que viu a luz e quis reforçar a lei no país – é o que entendo e espero que o seu bom exemplo, seja qual for a razão, seja seguido por outros.

Q: Tenho duas perguntas: Se a segurança do país estava sob a ISF, porque é que eles foram incapazes de detectar os movimentos do Alfredo, permitindo assim que ele atacasse a casa do Presidente; e segunda, sobre o Comando Conjunto, agora, qual é o papel da ISF?

AK: Para ambas as questões, penso que terá de perguntar à ISF em vez de a mim. Contudo, é importante para mim corrigir alguns maus entendimentos. Todos nos lembramos que o Presidente foi encontrar-se com o Alfredo Reinado há poucas semanas atrás. Havia discussões em curso com o Ministro João Gonçalves, algumas discussões em curso com deputados e Reinado, algumas discussões em curso entre a task force do governo e Reinado. Todos vocês se lembram que em 21 Dezembro, Alfredo Reinado estava a vir para o Palácio do Governo para se encontrar com o PM – obviamente nunca veio. Assim pensar-se agora que Alfredo estava numa área que estava controlada e que não estava autorizado a movimentar-se é errado – ele esteve sempre autorizado a sair e a interagir com os líderes de topo de Timor-Leste. E isso era correcto porque eu disse sempre que a negociação é o melhor caminho para assegurar uma entrega pacífica à justiça. E acerca do papel da ISF, eu disse antes que há três agências com três operações diferentes – há o Comando Conjunto, há a UNPOL ae há a ISF. Todos eles coordenação uns com os outros assim poderá depender de áreas diferentes de operação, poderá depender de actividades diferentes, e isso é decidido pelos mecanismos de coordenação. Mas obviamente não vou discutir aqui mecanismos operacionais.

Q: Ouvimos dizer que Salsinha e o seu grupo têm armas de cano longo. Também será Salsinha e o seu grupo tratado com dignidade e respeito se se entregarem?

AK: Qualquer pessoa que se entregue será tratado com dignidade e respeito de acordo com as leis. Eles podem aproximar-se da organização com a qual se sintam mais confortáveis. Esta pessoa sentiu-se confortável com a ONU e abordaram-nos. Se houver pessoas que se sintam confortáveis com a F-FDTL, e outras pessoas com a PNTL, podem entregar-se à PNTL, os que estiverem confortáveis com a ISF, podem entregar-se à ISF. Eu falei com o Comandante da ISF, posso assegurar-lhes que seja a quem for que se entreguem, F-FDTL, PNTL, ONU, ISF, serão tratados com dignidade e de acordo com a lei. No que respeita a armas de canos longos, deixem-me dizer uma coisa em que acredito bastante. Muitos de vocês sabem que me formei em medicina. São precisos quatro músculos para puxar um gatilho duma arma. Mas são precisos 47 músculos para se fazer um bom sorriso. Mas acreditem em mim, sou um homem de paz. Enquanto vocês se apoiarem nesses quatro músculos o país não se irá desenvolver. Têm de se apoiar em sorrisos, em se aceitarem uns aos outros se querem o país a desenvolver-se de maneira sustentável com paz e prosperidade. É um sorriso suficiente para cuidar duma arma de cano longo? Duma maneira, se olharem para o que aconteceu em11 de Fevereiro dirão que não. Mas se olharem mais longe, acreditem-me, não há nenhum país, nenhuma sociedade que se tenha desenvolvido sob a força da arma. Isso não existe. Assim, através de vocês, apelo a todos os Timorenses outra vez, que se querem procurar uma solução, bom. Se quiserem aceitar-se uns aos outros, muito bom. Mas se quiserem bater uns aos outros, isso não é bom obviamente.

Porta-voz Allison Cooper: Muito obrigado a todos. Isto conclui a conferência de imprensa.

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.