quinta-feira, maio 08, 2008

SPEECH TO BE DELIVERED BY H.E. MR. KAY RALA XANANA GUSMÃO

Gabinete de Imprensa
República Democrática de Timor-Leste
Gabinete do Primeiro-Ministro



SPEECH TO BE DELIVERED BY H.E. MR. KAY RALA XANANA GUSMÃO


PRIME MINISTER OF THE DEMOCRATIC REPUBLIC OF TIMOR-LESTE

ON THE OCCASION OF THE CONFERENCE ON


“2008 THE YEAR OF ADMINISTRATIVE REFORM”


Dili, 8 May 2008

Ministry of Foreign Affairs



Excellencies,

Ladies and Gentlemen,

Last year I announced that 2008 would be a Year of Administrative Reform to improve Government accountability and strengthen the civil service.

On coming to Government, we were determined to establish an effective institutional framework of good governance.

And I am pleased to announce today our progress in establishing this foundation of good governance – a foundation to ensure effective service delivery to our people and the ethical and proper use of public money.

The Government is committed to improving good governance because improved governance results in improved performance.

Since our nation won its independence in 1999, we have asked ourselves:

What sort of a nation do we want?

How we will create that nation?

What do the people of Timor-Leste stand for?

And sometimes, we do not always agree – that’s what a democracy is all about.

But by establishing an effective institutional framework of good governance, we continue to improve our country, our society and our democracy – by protecting that democracy with strong, independent bodies.

This is what the people of Timor-Leste voted for. This is what they deserve.

We will deliver improved governance thorough the initiatives of the Year of Administrative Reform. These reforms are:

· the establishment of a Civil Service Commission
· boosting the powers of the Office of the Inspector-General to enable it to become the Government’s independent auditor, and
the establishment of an Anti-Corruption Commission.

These important reforms will strengthen a culture of accountability and openness in the civil service.

They will create institutions that are independent of executive Government that will keep Government honest and accountable - institutions that can put the spotlight on Government failings and help us to improve our performance.

Together these reforms will deliver on our commitment to create high authorities for good governance.

They will also make the civil service – the service that delivers programs and helps the people of Timor-Leste – more approachable for the people it serves, the people of Timor-Leste.

It is a bold Government that gives such a priority to establishing strong independent institutions that can hold it publicly to account.

We have decided to go down this path because we believe that transparency and independent accountability are not obstacles to effective governing, but rather, they ensure that we govern well and in the interests of the people.

With these three reforms, we will have an open Government and a Government subject to independent, rigorous and public scrutiny.

Civil Service Commission

I am very pleased to announce today that the Council of Ministers has approved the framework for the establishment of the Timor-Leste Civil Service Commission.

This framework was developed following extensive consultation within Government.

The Civil Service Commission will be the driving force to develop a modern and professional civil service.

It will be an independent body with the key objectives of ensuring:

employment in the civil service is based on merit and political impartiality
the civil service provides quality services to the Government and people
the civil service is efficient and effective
employees are treated fairly and reasonably
strong values and leadership are developed across the civil service.

This is a very exciting development for the Government and people of Timor-Leste.

An effective and efficient civil service is the necessary foundation for the delivery of services – whether it be it in health, education, justice, infrastructure or any of the other important services government provides.

The delivery of services is what the people of Timor-Leste expect from good government. The delivery of services from an effective and efficient civil service is the goal of the Government of Timor-Leste.

The framework for the Civil Service Commission is uniquely Timorese – it reflects our circumstances and aspirations.

The Civil Service Commission will be an independent body – it will not be subject to political interference or influence. It will report to the National Parliament and will not be subject to control or direction by the Government, the Prime Minister or any Minister.

The Commission will set standards and determine employee disputes and misconduct issues.

There will be no place in our civil service for political patronage, favoritism, corruption or bad performance, and it will be the role of the Civil Service Commission to ensure our managers and employees understand their responsibilities and obligations.

A Civil Service that eliminates political patronage, favoritism, corruption or bad performance is what the people of Timor-Leste deserve.

And it is what the Government has set out to achieve for the people of Timor-Leste.

It will take time to implement, but I am committed to delivering a civil service of which the people of Timor-Leste can be proud.

We also want to improve the performance of our civil service. The Civil Service Commission will help Ministries train their staff and design their jobs.

The Taskforce has now commenced work on the second stage of its work which includes the development of detailed legislation and an operating plan. The Chair of the Taskforce, Mr Greg Vines, will speak more about this in his presentation this morning.

The Taskforce will continue to consult widely with the civil service and I acknowledge the contribution many of you made to its development.

Boosting the powers of the Inspector-General

The second key reform of the Year of Administrative Reform is to boost the powers of the Inspector-General so that is becomes the independent government auditor reporting to the National Parliament.

Today I can announce that the Council of Ministers has approved a policy framework to expand the mandate of the Office of the Inspector General to assume the role of the independent Auditor General of the State.

For the first time, Timor-Leste will have an independent body with responsibility to oversee and report on the use and management of public money.

This reform will ensure that the Government:
· is accountable to the National Parliament and to the people
· uses public money in an ethical, efficient and effective way
· acts in accordance with the rule of law in the use of funds.

These reforms will give the Office of the Inspector-General responsibility to undertake financial and performance audits of government departments and agencies.

And it will perform these functions independently of Government.

The current arrangements under which the Office of the Inspector-General reports to the Prime Minister will change, and instead, it will report directly to the National Parliament.

This initiative demonstrates the Government of Timor-Leste’s commitment to openness and independent scrutiny.

The importance of independent financial auditing to good governance cannot be overstated.

It ensures that Government is accountable and transparent. An independent, well-resourced and independent audit body is a critical part of an open democracy.

An accountable and transparent Government is what the people of Timor-Leste deserve.

The Inspector-General will also be given a mandate to conduct any performance audit he or she considers necessary.

A performance audit will determine whether Government departments and agencies are achieving their purpose in an effective, efficient and lawful way.

These performance reviews will open the Government to independent scrutiny of whether it is effectively providing services to the people.

Financial and performance auditing have played an important function in the history of public administration.

It ensures that Governments and the people can be confident that their money is been spent properly and can be accounted for.

It is a significant part of the integrity systems of all developed nations and is central to the promotion of good governance. The audit process promotes an effective democracy through enhancing participation, accountability and effectiveness of Government.

With the approval by the Council of Ministers for boosting the powers of the Inspector-General, the drafting of legislation will now commence. The Inspector-General, Francisco de Carvalho, will speak more about this important reform in his presentation this morning.

The Anti-Corruption Commission

The third key initiative of the Year of Administrative Reform is the establishment of an Anti-Corruption Commission.

This Government is committed to minimizing the risk of corruption in our country. To strengthen these efforts, we will establish an Anti-Corruption Commission with strong and coercive powers to fight corruption.

We must make sure that corruption does not pay in Timor-Leste – that the risks of engaging in corrupt behavior are real and substantial.

We need to take bold actions and strong measures – this is not a time for small steps and incremental change. It is critical that we do not allow corruption to take root in our new democracy. And we now have the strongest political will to prevent this from happening.

This is what the people of Timor-Leste deserve.

And the Government is committed to establishing an Anti-Corruption Commission is forward looking.

We are not interested in this body being used for political purposes – it will not be established to look at the sins of the past.

It will be a forward looking body that is independent of Government and which reports to the National Parliament.

There has already been debate about the best way to implement the Government’s policy to establish an Anti-Corruption Commission.

International experience tells that for Anti-Corruption Commissions to be successful they must be supported by civil society.

And our Government will not establish this body without first talking to the people – to get their views on the best way forward. We will be working closely with civil society on the development of the Commission.

So today I can announce that the Government will commence a period of consultation with civil society and interested parties on the best way forward – on the structure, mandate and powers of the Anti-Corruption Commission.

To assist this process a discussion paper has been distributed today that sets out options for the establishment of an Anti-Corruption Commission.

The Government will now be undertaking an extensive consultation process. This will include the conduct of information sessions and workshops throughout the country.

In other words, the Government of Timor-Leste will consult with its own people about this important new body.

One which the people of Timor-Leste can have confidence will act without fear or favor to expose, root out and punish those who are guilty of corruption in our society.

And the Government will consult directly with interested stakeholders including Government agencies, authorities directly involved in fighting corruption, civil society organisations, business and industry associations, and donors.

And we will welcome submissions from you on the best way forward to establish an Anti-Corruption Commission with the strong support of both the Government and the people.

* * *

When we came to Government we said that we would create an apolitical civil service that delivers to the people. We said we would deliver a clean, open and transparent Government. We said that we would minimize the risks of corruption.

That is why we are here today.

The initiatives of the Year of Administrative Reform will provide an effective framework for good governance. And improved governance will result in improved performance.

By establishing this governance framework, we will improve our country, our society and our democracy.

This is what the people deserve from Government.

These reforms will make sure that the Government is kept honest and accountable. They will create institutions that are independent of executive Government.

With these important reforms, we can all work together to strengthen democratic governance for Timor-Leste.

Thank you.


Kay Rala Xanana Gusmão


Tradução:

DISCURSO QUE VAI SER FEITO POR H.E. SR. KAY RALA XANANA GUSMÃO

Gabinete de Imprensa
República Democrática de Timor-Leste
Gabinete do Primeiro-Ministro


DISCURSO QUE VAI SER FEITO POR H.E. SR. KAY RALA XANANA GUSMÃO


PRIMEIRO- MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE

POR OCASIÃO DA CONFERÊNCIA SOBRE


“2008 O ANO DA REFORMA ADMINISTRATIVA”


Dili, 8 Maio 2008

Ministério dos Negócios Estrangeiros



Excelências,

Senhoras e Senhores,

No ano passado anunciei que 2008 será o Ano da Reforma Administrativa para melhorar a responsabilização do Governo e reforçar o serviço público.

Ao virmos para o Governo, estávamos determinados em estabelecer uma moldura institucional efectiva de boa governação.

E tenho o prazer de anunciar hoje os nossos progressos em estabelecer esta fundação da boa governação – uma fundação para assegurar prestação efectiva de serviço ao nosso povo e o uso ético e apropriado do dinheiro público.

O Governo estás comprometido a melhorar a boa governação porque melhorou os resultados da governação em performance melhorada.

Desde que a nossa nação ganhou a sua independência em 1999, temos perguntado a nós próprios:

Que espécie de nação queremos?

Como criaremos essa nação?

O que é que o povo de Timor-Leste defende?

E algumas vezes, nem sempre concordamos – o que é que é a democracia.

Mas estabelecendo uma moldura institucional efectiva de boa governação, continuamos a melhorar o nosso país, a nossa sociedade e a nossa democracia – protegendo essa democracia com órgãos fortes, independentes.

Foi para isto que o povo de Timor-Leste votou. É isto que merece.

Prestaremos governação melhorada através das iniciativas do Ano da Reforma Administrativa. Essas reformas são:

· o estabelecimento duma Comissão de Serviço Público
· reforço dos poderes do Gabinete do Inspector-General para que possa tornar-se o auditor independente do Governo, e
o estabelecimento duma Comissão Anti-Corrupção.

Essas importantes reformas reforçarão uma cultura de responsabilização e abertura no serviço público.

Criarão instituições independentes do Governo executivo que manterão o Governo honesto e responsável – instituições que podem pôr o foco sob os falhanços do Governo e ajudar a melhorar a nossa performance.

Juntas estas reformas darão o nosso compromisso para criar altas autoridades para boa governação.

Tornarão também o serviço público – o serviço que presta programas e ajuda o povo de Timor-Leste – mais acessível às pessoas que serve, o povo de Timor-Leste.

É audaz um Governo que dá uma tal prioridade estabelecendo instituições fortes independentes que o podem responsabilizar publicamente.

Decidimos ir nesta via porque acreditamos que a transparência e responsabilização independente não são obstáculos a governar efectivamente, mas ao contrário, eles asseguram que governamos bem e no interesse do povo.

Com estas três reformas, teremos um Governo aberto e um Governo sujeito ao escrutínio independente, rigoroso e público.

Comissão do Serviço Público

Tenho muito prazer em anunciar hoje que o Conselho de Ministros aprovou a moldura para o estabelecimento da Comissão de Serviço Público de Timor-Leste.

Esta moldura foi desenvolvida após extensivas consultas dentro do Governo.

A Comissão de Serviço Público será a força motora para desenvolver o serviço público moderno e profissional.

Será um órgão independente com os objectivos chaves de assegurar:

emprego no serviço público é baseado no mérito e imparcialidade política
o serviço público presta serviços de qualidade ao Governo e ao povo
o serviço público é eficiente e efectivo
empregados são tratados justamente e razoavelmente
valores fortes e liderança são desenvolvidos pelo serviço público.

Este é um desenvolvimento muito excitante para o Governo e povo de Timor-Leste.

Um serviço público efectivo e eficiente é a fundação necessária para a prestação de serviços – seja ela na saúde, educação, justiça, infraestruturas ou quaisquer outros serviços importantes que o governo presta.

A prestação de serviços é o que o povo de Timor-Leste espera dum bom governo. A prestação de serviços por um serviço público efectivo e eficiente é o objectivo do Governo de Timor-Leste.

A moldura da Comissão de Serviço Público é unicamente Timorense – reflecte as nossas circunstâncias e aspirações.

A Comissão de Serviço Público será um órgão independente – não estará sujeito a interferência ou influência política. Responde ao Parlamento Nacional e não será sujeito ao controlo ou direcção do Governo, Primeiro-Ministro ou qualquer Ministro.

A Comissão define padrões e determina disputas de empregados e questões de má conduta.

Não haverá lugar no nosso serviço público para patrocínio político, favoritismo, corrupção ou má performance, e será papel da Comissão do Serviço Público assegurar que os nossos gestores e empregados compreendam as suas obrigações e responsabilidades.

Um Serviço Público que elimine patrocínio político, favoritismo, corrupção ou má performance é o que merece o povo de Timor-Leste.

E é o que o Governo decidiu alcançar para o povo de Timor-Leste.

Levará tempo a implementar, mas estou comprometido a estabelecer um serviço público de que o povo de Timor-Leste se possa orgulhar.

Queremos também melhorar a performance do nosso serviço público. A Comissão de Serviço Público ajudará os Ministérios a formar o seu pessoal e a desenhar os seus empregos.

A Taskforce começou agora a trabalhar no segundo estágio do seu trabalho que inclui o desenvolvimento de legislação detalhada e um plano operacional. O Director da Taskforce, Sr Greg Vines, falará mais sobre isto no seu discurso esta manhã.

A Taskforce continuará a fazer consultas amplas com o serviço público e reconheço a contribuição que muitos de vocês fizeram para o seu desenvolvimento.

Reforçando os poderes do Inspector-General

A segunda reforma chave do Ano da Reforma Administrativa é reforçar os poderes do Inspector-General para que se torne um auditor independente do governo respondendo ao Parlaamento Nacional.

Hoje posso anunciar que o Conselho de Ministros aprovou uma moldura política para expandir o mandato do Gabinete do Inspector-Geral para assumir o papel do Auditor-Geral independente do Estado.

Pela primeira vez, Timor-Leste terá um órgão independente com a responsabilidade de fiscalizar e relatar sobre o uso e gestão do dinheiro público.

Esta reforma assegurará que o Governo:
· é responsável perante o Parlamento Nacional e o povo
· usa o dinheiro público de modo ético, eficiente e efectivo
· actua de acordo com o domínio da lei no uso dos fundos.

Estas reformas darão ao Gabinete do Inspector-Geral responsabilidade para fazer auditorias financeiras aos departamentos e agências do governo.

E desempenhará essas funções independentemente do Governo.

Os correntes arranjos sob os quais o Gabinete do Inspector-Geral responde ao Primeiro-Ministro mudarão, e em vez disso, ele responderá directamente ao Parlamento Nacional.

Esta iniciativa mostra o compromisso do Governo de Timor-Leste com abertura e escrutínio independente.

A importância de auditoria financeira independente para a boa governação não pode ser sobre-estimada.

Isso assegura que o Governo é responsável e transparente. Um órgão de auditoria independente, bem-abastecido e independente é uma parte séria duma democracia aberta.

Um Governo responsável e transparente é o que merece o povo de Timor-Leste.

Ao Inspector-Geral será também dado um mandato para conduzir qualquer auditoria que ele ou ela considere necessária.

Uma auditoria determinará se departamentos ou agências do Governo estão a alcançar os seus propósitos de modo efectivo, eficiente e legal.

Estas revisões de performance abrirão o Governo ao escrutínio independente se está efectivamente a prestar serviços ao povo.

Auditorias financeiras e de performance terão uma função importante na história da administração pública.

Assegura que o Governo e o povo podem confiar que o seu dinheiro está a ser gasto correcta e responsavelmente.

É uma parte significativa de sistemas de integridade de todas as nações desenvolvidas e é central para a promoção da boa governação. O processo de auditoria promove uma efectiva democracia através do reforço da participação, responsabilização e efectividade do Governo.

Com a aprovação pelo Conselho de Ministros do reforço dos poderes do Inspector-Geral, começará agora a feitura da legislação. O Inspector-Geral, Francisco de Carvalho, falará mais desta reforma importante no seu discurso esta manhã.

A Comissão Anti-Corrupção

Esta terceira iniciativa chave do Ano da Reforma Administrativa é o estabelecimento duma Comissão Anti-Corrupção.

Este Governo está comprometido a minimizar o risco de corrupção no nosso país. Para reforçar estes esforços, estabeleceremos uma Comissão Anti-Corrupção com poderes fortes e coercivos para combater a corrupção.

Devemos tornar certo que a corrupção não paga em Timor-Leste – que são reais e substancial os riscos de engajamento em comportamento corrupto.

Precisamos de tomar acções audazes e medidas fortes – este não é tempo de pequenos passos e mudança de acréscimo. É critico que não autorizemos que corrupção crie raízes na nossa nova democracia. E temos agora a mais forte vontade política para prevenir que isto aconteça.

É isto o que o povo de Timor-Leste merece.

E o Governo está comprometido a estabelecer a Comissão Anti-Corrupção que procura o futuro.

Não estamos interessados que este órgão seja usado para propósitos políticos – não será estabelecido para procurar os pecados do passado.

Será um órgão virado para o futuro que é independente do Governo e que responde ao Parlamento Nacional.

Já houve debate acerca da melhor maneira de implementar a política do Governo para estabelecer uma Comissão Anti-Corrupção.

A experiência internacional diz que para as Comissões Anti-Corrupção terem sucesso devem ser apoiadas pela sociedade civil.

E o nosso Governo não estabelecerá esse órgão sem primeiro falar com o povo – para obter as suas opiniões sobre a melhor via para avançar. Trabalharemos de perto com a sociedade civil sobre o desenvolvimento da Comissão.

Assim hoje posso anunciar que o Governo começará um período de consultas com a sociedade civil e partes interessadas sobre a melhor maneira de avançar – na estrutura, mandato e poderes da Comissão Anti-Corrupção.

Para assistir este processo foi distribuído um papel de discussão hoje que marca opções para o estabelecimento duma Comissão Anti-Corrupção.

Agora o Governo fará um extensivo processo de consulta. Isso incluirá a realização de sessões de informações e de workshops através do país.

Por outras palavras, o Governo de Timor-Leste consultará o seu próprio povo acerca deste importante novo órgão.

Um em que o povo de Timor-Leste pode ter confiança que actuará sem medo ou favor para expor, enraizar e punir os que são são culpados de corrupção na nossa sociedade.

E o Governo consultará directamente com parceiros interessados incluindo agências do Governo, autoridades envolvidas directamente no combate à corrupção, organizações da sociedade civil, associações de negócio e indústria e dadores.

Damos as boas vindas a contributos de vocês sobre a melhor maneira de avançar para estabelecer uma Comissão Anti-Corrupção com o forte apoio de ambos, o Governo e o povo.

* * *

Quando viemos para o Governo dissemos que criaríamos um serviço público apolítico que servisse o povo. Dissemos que faríamos um Governo limpo, aberto e transparente. Dissemos que minimizaríamos os riscos da corrupção.

É por isso que aqui estamos hoje.

As iniciativas do Ano da Reforma Administrativa darão uma moldura efectiva para a boa governação. Uma governação melhorada resultará em performance melhorada.

Estabelecendo esta moldura de governação, melhoraremos o nosso país, a nossa sociedade e a nossa democracia.

É isto que o povo merece do Governo.

Estas reformas garantirão que o Governo é mantido honesto e responsável. Criarão instituições que são independentes do Governo executivo.

Com estas importantes reformas, podemos todos trabalhar juntos para reforçar a governação democrática para Timor-Leste.

Obrigado.


Kay Rala Xanana Gusmão

NOTA DE RODAPÉ:

HA HA HA...
É preciso lata...

2 comentários:

Margarida disse...

Tradução:
DISCURSO QUE VAI SER FEITO POR H.E. SR. KAY RALA XANANA GUSMÃO
Gabinete de Imprensa
República Democrática de Timor-Leste
Gabinete do Primeiro-Ministro


DISCURSO QUE VAI SER FEITO POR H.E. SR. KAY RALA XANANA GUSMÃO


PRIMEIRO- MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE

POR OCASIÃO DA CONFERÊNCIA SOBRE


“2008 O ANO DA REFORMA ADMINISTRATIVA”


Dili, 8 Maio 2008

Ministério dos Negócios Estrangeiros



Excelências,

Senhoras e Senhores,

No ano passado anunciei que 2008 será o Ano da Reforma Administrativa para melhorar a responsabilização do Governo e reforçar o serviço público.

Ao virmos para o Governo, estávamos determinados em estabelecer uma moldura institucional efectiva de boa governação.

E tenho o prazer de anunciar hoje os nossos progressos em estabelecer esta fundação da boa governação – uma fundação para assegurar prestação efectiva de serviço ao nosso povo e o uso ético e apropriado do dinheiro público.

O Governo estás comprometido a melhorar a boa governação porque melhorou os resultados da governação em performance melhorada.

Desde que a nossa nação ganhou a sua independência em 1999, temos perguntado a nós próprios:

Que espécie de nação queremos?

Como criaremos essa nação?

O que é que o povo de Timor-Leste defende?

E algumas vezes, nem sempre concordamos – o que é que é a democracia.

Mas estabelecendo uma moldura institucional efectiva de boa governação, continuamos a melhorar o nosso país, a nossa sociedade e a nossa democracia – protegendo essa democracia com órgãos fortes, independentes.

Foi para isto que o povo de Timor-Leste votou. É isto que merece.

Prestaremos governação melhorada através das iniciativas do Ano da Reforma Administrativa. Essas reformas são:

· o estabelecimento duma Comissão de Serviço Público
· reforço dos poderes do Gabinete do Inspector-General para que possa tornar-se o auditor independente do Governo, e
o estabelecimento duma Comissão Anti-Corrupção.

Essas importantes reformas reforçarão uma cultura de responsabilização e abertura no serviço público.

Criarão instituições independentes do Governo executivo que manterão o Governo honesto e responsável – instituições que podem pôr o foco sob os falhanços do Governo e ajudar a melhorar a nossa performance.

Juntas estas reformas darão o nosso compromisso para criar altas autoridades para boa governação.

Tornarão também o serviço público – o serviço que presta programas e ajuda o povo de Timor-Leste – mais acessível às pessoas que serve, o povo de Timor-Leste.

É audaz um Governo que dá uma tal prioridade estabelecendo instituições fortes independentes que o podem responsabilizar publicamente.

Decidimos ir nesta via porque acreditamos que a transparência e responsabilização independente não são obstáculos a governar efectivamente, mas ao contrário, eles asseguram que governamos bem e no interesse do povo.

Com estas três reformas, teremos um Governo aberto e um Governo sujeito ao escrutínio independente, rigoroso e público.

Comissão do Serviço Público

Tenho muito prazer em anunciar hoje que o Conselho de Ministros aprovou a moldura para o estabelecimento da Comissão de Serviço Público de Timor-Leste.

Esta moldura foi desenvolvida após extensivas consultas dentro do Governo.

A Comissão de Serviço Público será a força motora para desenvolver o serviço público moderno e profissional.

Será um órgão independente com os objectivos chaves de assegurar:

emprego no serviço público é baseado no mérito e imparcialidade política
o serviço público presta serviços de qualidade ao Governo e ao povo
o serviço público é eficiente e efectivo
empregados são tratados justamente e razoavelmente
valores fortes e liderança são desenvolvidos pelo serviço público.

Este é um desenvolvimento muito excitante para o Governo e povo de Timor-Leste.

Um serviço público efectivo e eficiente é a fundação necessária para a prestação de serviços – seja ela na saúde, educação, justiça, infraestruturas ou quaisquer outros serviços importantes que o governo presta.

A prestação de serviços é o que o povo de Timor-Leste espera dum bom governo. A prestação de serviços por um serviço público efectivo e eficiente é o objectivo do Governo de Timor-Leste.

A moldura da Comissão de Serviço Público é unicamente Timorense – reflecte as nossas circunstâncias e aspirações.

A Comissão de Serviço Público será um órgão independente – não estará sujeito a interferência ou influência política. Responde ao Parlamento Nacional e não será sujeito ao controlo ou direcção do Governo, Primeiro-Ministro ou qualquer Ministro.

A Comissão define padrões e determina disputas de empregados e questões de má conduta.

Não haverá lugar no nosso serviço público para patrocínio político, favoritismo, corrupção ou má performance, e será papel da Comissão do Serviço Público assegurar que os nossos gestores e empregados compreendam as suas obrigações e responsabilidades.

Um Serviço Público que elimine patrocínio político, favoritismo, corrupção ou má performance é o que merece o povo de Timor-Leste.

E é o que o Governo decidiu alcançar para o povo de Timor-Leste.

Levará tempo a implementar, mas estou comprometido a estabelecer um serviço público de que o povo de Timor-Leste se possa orgulhar.

Queremos também melhorar a performance do nosso serviço público. A Comissão de Serviço Público ajudará os Ministérios a formar o seu pessoal e a desenhar os seus empregos.

A Taskforce começou agora a trabalhar no segundo estágio do seu trabalho que inclui o desenvolvimento de legislação detalhada e um plano operacional. O Director da Taskforce, Sr Greg Vines, falará mais sobre isto no seu discurso esta manhã.

A Taskforce continuará a fazer consultas amplas com o serviço público e reconheço a contribuição que muitos de vocês fizeram para o seu desenvolvimento.

Reforçando os poderes do Inspector-General

A segunda reforma chave do Ano da Reforma Administrativa é reforçar os poderes do Inspector-General para que se torne um auditor independente do governo respondendo ao Parlaamento Nacional.

Hoje posso anunciar que o Conselho de Ministros aprovou uma moldura política para expandir o mandato do Gabinete do Inspector-Geral para assumir o papel do Auditor-Geral independente do Estado.

Pela primeira vez, Timor-Leste terá um órgão independente com a responsabilidade de fiscalizar e relatar sobre o uso e gestão do dinheiro público.

Esta reforma assegurará que o Governo:
· é responsável perante o Parlamento Nacional e o povo
· usa o dinheiro público de modo ético, eficiente e efectivo
· actua de acordo com o domínio da lei no uso dos fundos.

Estas reformas darão ao Gabinete do Inspector-Geral responsabilidade para fazer auditorias financeiras aos departamentos e agências do governo.

E desempenhará essas funções independentemente do Governo.

Os correntes arranjos sob os quais o Gabinete do Inspector-Geral responde ao Primeiro-Ministro mudarão, e em vez disso, ele responderá directamente ao Parlamento Nacional.

Esta iniciativa mostra o compromisso do Governo de Timor-Leste com abertura e escrutínio independente.

A importância de auditoria financeira independente para a boa governação não pode ser sobre-estimada.

Isso assegura que o Governo é responsável e transparente. Um órgão de auditoria independente, bem-abastecido e independente é uma parte séria duma democracia aberta.

Um Governo responsável e transparente é o que merece o povo de Timor-Leste.

Ao Inspector-Geral será também dado um mandato para conduzir qualquer auditoria que ele ou ela considere necessária.

Uma auditoria determinará se departamentos ou agências do Governo estão a alcançar os seus propósitos de modo efectivo, eficiente e legal.

Estas revisões de performance abrirão o Governo ao escrutínio independente se está efectivamente a prestar serviços ao povo.

Auditorias financeiras e de performance terão uma função importante na história da administração pública.

Assegura que o Governo e o povo podem confiar que o seu dinheiro está a ser gasto correcta e responsavelmente.

É uma parte significativa de sistemas de integridade de todas as nações desenvolvidas e é central para a promoção da boa governação. O processo de auditoria promove uma efectiva democracia através do reforço da participação, responsabilização e efectividade do Governo.

Com a aprovação pelo Conselho de Ministros do reforço dos poderes do Inspector-Geral, começará agora a feitura da legislação. O Inspector-Geral, Francisco de Carvalho, falará mais desta reforma importante no seu discurso esta manhã.

A Comissão Anti-Corrupção

Esta terceira iniciativa chave do Ano da Reforma Administrativa é o estabelecimento duma Comissão Anti-Corrupção.

Este Governo está comprometido a minimizar o risco de corrupção no nosso país. Para reforçar estes esforços, estabeleceremos uma Comissão Anti-Corrupção com poderes fortes e coercivos para combater a corrupção.

Devemos tornar certo que a corrupção não paga em Timor-Leste – que são reais e substancial os riscos de engajamento em comportamento corrupto.

Precisamos de tomar acções audazes e medidas fortes – este não é tempo de pequenos passos e mudança de acréscimo. É critico que não autorizemos que corrupção crie raízes na nossa nova democracia. E temos agora a mais forte vontade política para prevenir que isto aconteça.

É isto o que o povo de Timor-Leste merece.

E o Governo está comprometido a estabelecer a Comissão Anti-Corrupção que procura o futuro.

Não estamos interessados que este órgão seja usado para propósitos políticos – não será estabelecido para procurar os pecados do passado.

Será um órgão virado para o futuro que é independente do Governo e que responde ao Parlamento Nacional.

Já houve debate acerca da melhor maneira de implementar a política do Governo para estabelecer uma Comissão Anti-Corrupção.

A experiência internacional diz que para as Comissões Anti-Corrupção terem sucesso devem ser apoiadas pela sociedade civil.

E o nosso Governo não estabelecerá esse órgão sem primeiro falar com o povo – para obter as suas opiniões sobre a melhor via para avançar. Trabalharemos de perto com a sociedade civil sobre o desenvolvimento da Comissão.

Assim hoje posso anunciar que o Governo começará um período de consultas com a sociedade civil e partes interessadas sobre a melhor maneira de avançar – na estrutura, mandato e poderes da Comissão Anti-Corrupção.

Para assistir este processo foi distribuído um papel de discussão hoje que marca opções para o estabelecimento duma Comissão Anti-Corrupção.

Agora o Governo fará um extensivo processo de consulta. Isso incluirá a realização de sessões de informações e de workshops através do país.

Por outras palavras, o Governo de Timor-Leste consultará o seu próprio povo acerca deste importante novo órgão.

Um em que o povo de Timor-Leste pode ter confiança que actuará sem medo ou favor para expor, enraizar e punir os que são são culpados de corrupção na nossa sociedade.

E o Governo consultará directamente com parceiros interessados incluindo agências do Governo, autoridades envolvidas directamente no combate à corrupção, organizações da sociedade civil, associações de negócio e indústria e dadores.

Damos as boas vindas a contributos de vocês sobre a melhor maneira de avançar para estabelecer uma Comissão Anti-Corrupção com o forte apoio de ambos, o Governo e o povo.

* * *

Quando viemos para o Governo dissemos que criaríamos um serviço público apolítico que servisse o povo. Dissemos que faríamos um Governo limpo, aberto e transparente. Dissemos que minimizaríamos os riscos da corrupção.

É por isso que aqui estamos hoje.

As iniciativas do Ano da Reforma Administrativa darão uma moldura efectiva para a boa governação. Uma governação melhorada resultará em performance melhorada.

Estabelecendo esta moldura de governação, melhoraremos o nosso país, a nossa sociedade e a nossa democracia.

É isto que o povo merece do Governo.

Estas reformas garantirão que o Governo é mantido honesto e responsável. Criarão instituições que são independentes do Governo executivo.

Com estas importantes reformas, podemos todos trabalhar juntos para reforçar a governação democrática para Timor-Leste.

Obrigado.


Kay Rala Xanana Gusmão

NOTA DE RODAPÉ:

HA HA HA...
É preciso lata...

Anónimo disse...

Xanana está queimado. Queimou-se a si próprio.
A sua imagem e a sua reputação estão desgastadas, será que não consegue ver?

Os timoensese vêem-no como alguém alienado do seu país, tornando-se estrangeirado.

Ele vai cada vez mais e mais ao fundo, e quando chegar definitivamente lá em baixo, diga-se que não falta muito, nunca mais conseguirá vir ao de cima.

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.