terça-feira, novembro 13, 2007

Why Indonesia is afraid of condemning dictatorships

The Jakarta Post
Opinion News - Tuesday, November 13, 2007

Aboeprijadi Santoso, Amsterdam

Under a flourishing democracy, a bill was recently passed condemning a dictatorship that persecuted and executed thousands -- not in post-Soeharto Indonesia, but in post-Franco Spain.

What can we learn from democratic Spain's experience pursuing reconciliation?

The Spanish state has for the first time condemned Gen. Francisco Franco's coup, and his 39-year dictatorship, and denounced the regime's crimes against its opponents. The bill has yet to pass the senate but is already regarded as a milestone in efforts to resolve issues which have divided the nation for too long.

On July 17, 1936, rebel generals, among them Franco, seized power from the democratically elected, left-leaning government. A fierce and profound war (1936-39) followed, involving key state figures and social classes -- church against the state, land owners against landless, and fascism against elected socialists, communists and anarchists.

Since Hitler's Germany and Mussolini's Italy backed Franco, and the Soviet Union helped arm the Republicans, the Spanish civil war became a precursor to WWII. Some 500.000 were killed or executed. Postwar Europe and the U.S. "tolerated" Franco's regime. Democratic changes only came after Franco's death in 1975, but past abuses were swept under the carpet -- until last month.

In 2004 the state initiated a symbolic reconciliation, by inviting two icons of the civil war; Angel Salamanca, a former Franco supporter, and Luis Royo, an anti-fascist fighter, to attend the national parade. The political parties, however, boycotted the festivity. Franco's victims felt "dishonored" by the state invitation and the conservatives feared "disgrace".

Neither a reconciliation with (former) fascists nor accommodating their legacy seemed acceptable. Prime Minister Josi Luis Rodriguez Zapatero's socialist supporters brushed aside opposition complaints the bill would "reopen old wounds".

Spain suffered from her unique experience as a nation whose deep-seated schism -- and civil war -- were directly linked to WWII and enforced thereafter. Elsewhere in Europe fascist regimes were defeated, hence, reconciliation was never contemplated; today war victories are celebrated and psychologists are available for traumatized war victims, but Europe, in a sense, is still fighting WWII: Fascism survived in Spain and Franco's legacy remains so strong that this "war" must now end to maintain unity and resolve a burdened past.

Reconciliation should be possible, that is, without opening the Pandora's box of public hysteria. Uncovered mass graves of Franco's victims have, since 2000, been used to attack the conservatives who suggest Franco's dictatorship was "moderate" and basically propose to forget the past. They were undermined while supporting the bill on Francoism, with what has been termed "the Law of the Historical Memory" (LHM).

The so-called "1975 unwritten promise" that reportedly brokered Spain's democracy said if pro-Franco forces relinquished power after Franco's death, no one would be tried or pursued for past abuses. In 1977, an amnesty law assured no one would be held to account, but justice remains elusive without any prosecution for the "extra-legal" killings. In short, the message was, "let's forgive, not forget".

Under LHM state funds are used to unearth mass graves and pay compensation to victims' relatives. The law also orders the removal of all Franco-era symbols from public places and declares the military trials that led to the execution and imprisonment of thousands of Franco's enemies to be illegitimate. The law's objective is, however, no longer to reconcile former foes, but "to recognize and widen the rights of those who suffered" in the Civil War and Franco dictatorship.

"This law is the beginning not the end. Many victims died without justice," the pro-victim campaign leader, Emilio Silva, said bitterly.

If Spain cannot achieve justice for Franco's victims, Indonesia's post-Soeharto experience will, no doubt, be worse and more complex. From the point of view of victims, none of the cases of killings and abuse -- the greatest being the mass killings of 1965-66 -- have been resolved or brought to trial satisfactorily.

Unlike Franco, Soeharto is still alive, wealthy and even influential. One writer, the late Sobron Aidit, called him, "the luckiest ex-dictator". Of his successors, only President Abdurrahman "Gus Dur" Wahid ever expressed an apology -- a mea culpa (forgive me) to the victims of 1965-66 and Indonesia's East Timor adventure.

Leading generals have from the outset (1998) stated their readiness for military reforms, but opposed prosecution for atrocities during military operations in East Timor and Aceh (an equivalent to Spain's post-Franco "1975 promise").

A compromise, in terms of a religious concept, islah, has been imposed for some cases (Tanjung Priok in 1984, Talangsari in 1989) while other cases (missing activists, May 1998, Trisakti, Semanggi I & II) were denied a human rights tribunal.

The long overdue Truth and Reconciliation Commission has been revoked by the Supreme Court and left in limbo. In the case of East Timor, using the Joint-Commission for Truth and Friendship, Jakarta has opted to completely "forgive and forget", to bury the past once and for all. In almost all cases impunity, thus, reigns.

Real reconciliation relies on deft political artistry. As Spain's and Indonesia's experiences demonstrate, the politics of transitional justice needs society's own initiative.

While the synergy of a grave-digging movement and state-level politics have been fruitful in Spain, similar moves in Java (early 2000s) failed, and a serial of dialogs with and among victims in Yogyakarta (2005) was encouraging, but both lacked a political component.

Indonesian scholar Priyambudi Sulistyanto argued such a dynamic from the bottom is important, even crucial in resolving past traumas and achieving reconciliation. A statesman's political will and grassroots support both are needed to make changes nationwide, he said.

The writer is a journalist, formerly with Radio Netherlands.

Tradução:

Porque é que a Indonésia tem medo de condenar ditaduras

The Jakarta Post
Opinion News – Terça-feira, Novembro 13, 2007

Aboeprijadi Santoso, Amsterdam

Sob uma democracia florescente, foi aprovada uma lei a condenar uma ditadura que perseguiu e executou milhares – não na Indonésia pós-Soeharto, mas na Espanha pós-Franco.

O que podemos aprender da experiência da Espanha democrática na procura da reconciliação?

O Estado Espanhol condenou pela primeira vez o golpe do Gen. Francisco Franco e a sua ditadura de 39 anos, e denunciou os crimes do regime contra os seus opositores. A lei tem ainda de ser aprovada no Senado mas já é vista como um marco nos esforços para resolver questões que dividiram a nação durante muito tempo.

Em 17 de Julho de 1936, generais amotinados, entre os quais Franco, tomaram o poder do governo democraticamente eleito, de tendência esquerda. Seguiu-se uma guerra feroz e profunda (1936-39), envolvendo figures chave do Estado e classes sociais – igreja contra o Estado, proprietários das terras contra os sem-terras, e fascismo contra socialistas, comunistas e anarquistas eleitos.

Visto que Hitler da Alemanha e Mussolini da Itália apoiaram Franco, e a União Soviética ajudou os Republicanos, a guerra civil Espanhola foi uma percursora da II Guerra Mundial. Cerca de 500.000 foram mortos ou executados. A Europa do pós-guerra e os USA "toleraram" o regime de Franco. Mudanças democráticas só ocorreram depois da morte de Franco em 1975, mas os abusos do passado foram varridos para debaixo do tapete – até ao mês passado.

Em 2004 o Estado iniciou uma reconciliação simbólica, ao convidar dois ícones da guerra civil; Angel Salamanca, um antigo apoiante de Franco e Luis Royo, um combatente anti-fascista, a atenderem a parada nacional. Os partidos políticos, contudo boicotaram o festividade. As vítimas de Franco sentiram-se "desonradas" pelo convite do Estado e os conservadores recearam "desgraça".

Não pareciam aceitáveis nem uma reconciliação com (antigos) fascistas nem acomodar a sua herança. Oa apoiantes socialistas do Primeiro-Ministro José Luis Rodriguez Zapatero sacudiram as queixas da oposição de que a lei iria "reabrir feridas velhas ".

A Espanha sofreu com a experiência única de ser umanação cuja divisão profunda – e guerra civil -- terem estado directamente ligados à II Guerra Mundial e por isso depois reforçada. Noutros sítios na Europa os regimes fascistas foram derrotados, por isso, a reconciliação nunca foi cotemplada; hoje as vitórias de guerra são comemoradas e os psicólogos estão disponíveis para as vítimas de guerra traumatizados, mas a Europa, num certo sentiido, ainsa está a lutar a II Guerra Mundial: o fascismo sobrebiveu em espanha e a herança de Franco mantém-se tão forte que esta "guerra" deve agora terminar para manter a unidade e resolver os pesos do passado.

A reconciliação deve ser possível, isto é, sem abrir uma caixa de Pandora de histeria pública. Valas comuns de vítimas de Franco' não descobertas, têm sido usadas desde 2000, para atacar os conservadores que sugerem que a ditadura de Franco foi "moderada" e basicamente propõem que se esqueça o passado. Foram minados enquanto apoiavam a lei do Franquismo, que foi chamada "a Lei da Memória Histórica" (LHM).

A chamada "promessa não escrita de 1975" que acordou segundo se diz a democracia de Espanha dizia que se as forças pró-Franco abrissem mão do poder depois da morte de Franco, ninguém seria julgado ou perseguido por abusos do passado. Em 1977, uma lei de amnistia assegurou que ninguém seria responsabilizado, mas a justiça mantém-se elusiva sem nenhum processo para os assassinatos "extra-legais". Em rsumo, a mensagem foi, "vamos perdoar, não esquecer".

Sob a LHM financiamentos do estado são usados para procurar valas comuns e pagar compensações a familiares das vítimas. A lei também ordena a remoção de todos os símbolos da era de Franco dos locais públicos e declara ilegítimos os julgamentos militares que levaram à execução e prisão de milhares de inimigos de Franco. O objectivo da lei é, contudo, não mais reconciliar antigos inimigos, mas "reconhecer e alargar os direitos dos que sofreram" na guerra civil e durante a ditadura de Franco .

"Esta lei é o princípio, não o fim. Muitas vítimas morreram saem justiça," disse amargamente o líder da campanha pró-vítimas, Emilio Silva.

Se a Espanha não consegue alcançar a justiça para as vítimas de Franco, s experiência da Indonésia pós-Soeharto será, sem dúvida, pior e mais complexa. Do ponto de vista das vítimas, nenhum dos casos das mortes e abusos – tendo os maiores sido os assassinatos em massa de 1965-66 – foi resolvido ou trazido satisfatoriamente à justiça.

Ao contrário de Franco, Soeharto está ainda vivo, rico e mesmo influente. Um escritor, o falecido Sobron Aidit, chamou-lhe, "o ex-ditador mais sortudo". Dos seus sucessores, apenas o Presidente Abdurrahman "Gus Dur" Wahid alguma vez pediu desculpa – um mea culpa (desculpem-se) às vítimas de 1965-66 e da aventura da Indonésia em Timor-Leste.

Generais de topo têm desde o princípio (1998) afirmado a sua prontidão para reformas militares, mas oposuram-se a prosecuções por atrocidades durante as operações militares em Timor-Leste e Aceh (equivalente à “promessa de 1975” na Espanha pós-Franco).

Um compromisso, em termos dum conceito religioso, foi imposto nalguns casos (Tanjung Priok em 1984, Talangsari em 1989) enquanto noutros casos (activistas desaparecidos, Maio 1998, Trisakti, Semanggi I & II) foi negado um tribunal de direitos humanos.

A h+a muito expirada Comissão da Verdade e Reconciliação foi revocada pelo Tribunal Supremo e ficou no limbo. No caso de Timor-Leste, usando a Comissão conjunta para a Verdade e Amizade, Jacarta optou por "perdoar e esquecer" completamente, para enterrar o passado duma vez por todas. Em quase todos os casos, assim, reina a impunidade.

A reconciliação real apoia-se em hábil talento político . Como demonstram as experiências de Espanha e da Indonésia, as políticas da justiça transitória precisam da própria iniciativa da sociedade.

Enquanto a sinergia dum movimento de descobrir valas comuns e políticas a nível do Estado foi frutuosa em Espanha, falharam tentativas similares em Java (princípios de 2000) e foi encorajadora uma série de diálogos com e entre vítimas em Yogyakarta (2005), mas em ambos faltava uma componente política.

O académico Indonésio Priyambudi Sulistyanto argumentou que tal dinâmica das bases é importante, mesmo crucial para resolver traumas passados e alcançar a reconciliação. Ambos são necessários uma vontade política do Estado e o apoio das bases para fazer mudanças em toda a nação, disse.

O escritor é jornalista, anteriormente na Rádio Netherlands.


1 comentário:

Margarida disse...

Tradução:
Porque é que a Indonésia tem medo de condenar ditaduras
The Jakarta Post
Opinion News – Terça-feira, Novembro 13, 2007

Aboeprijadi Santoso, Amsterdam

Sob uma democracia florescente, foi aprovada uma lei a condenar uma ditadura que perseguiu e executou milhares – não na Indonésia pós-Soeharto, mas na Espanha pós-Franco.

O que podemos aprender da experiência da Espanha democrática na procura da reconciliação?

O Estado Espanhol condenou pela primeira vez o golpe do Gen. Francisco Franco e a sua ditadura de 39 anos, e denunciou os crimes do regime contra os seus opositores. A lei tem ainda de ser aprovada no Senado mas já é vista como um marco nos esforços para resolver questões que dividiram a nação durante muito tempo.

Em 17 de Julho de 1936, generais amotinados, entre os quais Franco, tomaram o poder do governo democraticamente eleito, de tendência esquerda. Seguiu-se uma guerra feroz e profunda (1936-39), envolvendo figures chave do Estado e classes sociais – igreja contra o Estado, proprietários das terras contra os sem-terras, e fascismo contra socialistas, comunistas e anarquistas eleitos.

Visto que Hitler da Alemanha e Mussolini da Itália apoiaram Franco, e a União Soviética ajudou os Republicanos, a guerra civil Espanhola foi uma percursora da II Guerra Mundial. Cerca de 500.000 foram mortos ou executados. A Europa do pós-guerra e os USA "toleraram" o regime de Franco. Mudanças democráticas só ocorreram depois da morte de Franco em 1975, mas os abusos do passado foram varridos para debaixo do tapete – até ao mês passado.

Em 2004 o Estado iniciou uma reconciliação simbólica, ao convidar dois ícones da guerra civil; Angel Salamanca, um antigo apoiante de Franco e Luis Royo, um combatente anti-fascista, a atenderem a parada nacional. Os partidos políticos, contudo boicotaram o festividade. As vítimas de Franco sentiram-se "desonradas" pelo convite do Estado e os conservadores recearam "desgraça".

Não pareciam aceitáveis nem uma reconciliação com (antigos) fascistas nem acomodar a sua herança. Oa apoiantes socialistas do Primeiro-Ministro José Luis Rodriguez Zapatero sacudiram as queixas da oposição de que a lei iria "reabrir feridas velhas ".

A Espanha sofreu com a experiência única de ser umanação cuja divisão profunda – e guerra civil -- terem estado directamente ligados à II Guerra Mundial e por isso depois reforçada. Noutros sítios na Europa os regimes fascistas foram derrotados, por isso, a reconciliação nunca foi cotemplada; hoje as vitórias de guerra são comemoradas e os psicólogos estão disponíveis para as vítimas de guerra traumatizados, mas a Europa, num certo sentiido, ainsa está a lutar a II Guerra Mundial: o fascismo sobrebiveu em espanha e a herança de Franco mantém-se tão forte que esta "guerra" deve agora terminar para manter a unidade e resolver os pesos do passado.

A reconciliação deve ser possível, isto é, sem abrir uma caixa de Pandora de histeria pública. Valas comuns de vítimas de Franco' não descobertas, têm sido usadas desde 2000, para atacar os conservadores que sugerem que a ditadura de Franco foi "moderada" e basicamente propõem que se esqueça o passado. Foram minados enquanto apoiavam a lei do Franquismo, que foi chamada "a Lei da Memória Histórica" (LHM).

A chamada "promessa não escrita de 1975" que acordou segundo se diz a democracia de Espanha dizia que se as forças pró-Franco abrissem mão do poder depois da morte de Franco, ninguém seria julgado ou perseguido por abusos do passado. Em 1977, uma lei de amnistia assegurou que ninguém seria responsabilizado, mas a justiça mantém-se elusiva sem nenhum processo para os assassinatos "extra-legais". Em rsumo, a mensagem foi, "vamos perdoar, não esquecer".

Sob a LHM financiamentos do estado são usados para procurar valas comuns e pagar compensações a familiares das vítimas. A lei também ordena a remoção de todos os símbolos da era de Franco dos locais públicos e declara ilegítimos os julgamentos militares que levaram à execução e prisão de milhares de inimigos de Franco. O objectivo da lei é, contudo, não mais reconciliar antigos inimigos, mas "reconhecer e alargar os direitos dos que sofreram" na guerra civil e durante a ditadura de Franco .

"Esta lei é o princípio, não o fim. Muitas vítimas morreram saem justiça," disse amargamente o líder da campanha pró-vítimas, Emilio Silva.

Se a Espanha não consegue alcançar a justiça para as vítimas de Franco, s experiência da Indonésia pós-Soeharto será, sem dúvida, pior e mais complexa. Do ponto de vista das vítimas, nenhum dos casos das mortes e abusos – tendo os maiores sido os assassinatos em massa de 1965-66 – foi resolvido ou trazido satisfatoriamente à justiça.

Ao contrário de Franco, Soeharto está ainda vivo, rico e mesmo influente. Um escritor, o falecido Sobron Aidit, chamou-lhe, "o ex-ditador mais sortudo". Dos seus sucessores, apenas o Presidente Abdurrahman "Gus Dur" Wahid alguma vez pediu desculpa – um mea culpa (desculpem-se) às vítimas de 1965-66 e da aventura da Indonésia em Timor-Leste.

Generais de topo têm desde o princípio (1998) afirmado a sua prontidão para reformas militares, mas oposuram-se a prosecuções por atrocidades durante as operações militares em Timor-Leste e Aceh (equivalente à “promessa de 1975” na Espanha pós-Franco).

Um compromisso, em termos dum conceito religioso, foi imposto nalguns casos (Tanjung Priok em 1984, Talangsari em 1989) enquanto noutros casos (activistas desaparecidos, Maio 1998, Trisakti, Semanggi I & II) foi negado um tribunal de direitos humanos.

A h+a muito expirada Comissão da Verdade e Reconciliação foi revocada pelo Tribunal Supremo e ficou no limbo. No caso de Timor-Leste, usando a Comissão conjunta para a Verdade e Amizade, Jacarta optou por "perdoar e esquecer" completamente, para enterrar o passado duma vez por todas. Em quase todos os casos, assim, reina a impunidade.

A reconciliação real apoia-se em hábil talento político . Como demonstram as experiências de Espanha e da Indonésia, as políticas da justiça transitória precisam da própria iniciativa da sociedade.

Enquanto a sinergia dum movimento de descobrir valas comuns e políticas a nível do Estado foi frutuosa em Espanha, falharam tentativas similares em Java (princípios de 2000) e foi encorajadora uma série de diálogos com e entre vítimas em Yogyakarta (2005), mas em ambos faltava uma componente política.

O académico Indonésio Priyambudi Sulistyanto argumentou que tal dinâmica das bases é importante, mesmo crucial para resolver traumas passados e alcançar a reconciliação. Ambos são necessários uma vontade política do Estado e o apoio das bases para fazer mudanças em toda a nação, disse.

O escritor é jornalista, anteriormente na Rádio Netherlands.

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.