quinta-feira, outubro 11, 2007

Solomon Islands’ foreign minister condemns Australian occupation at UN General Assembly

WSWS
By Patrick O’Connor, Socialist Equality Party candidate for Grayndler
11 October 2007
Use this version to print Send this link by email Email the author

The protracted conflict between the Solomon Islands and Australian governments escalated earlier this month when the Pacific country’s foreign minister Patteson Oti denounced Australia’s “occupation” before the UN General Assembly. Oti’s strident speech marked a significant ramping up of the increasingly hostile exchanges between the two countries.

Tensions have been building for more than a year, as the Australian government of Prime Minister John Howard has attempted to destabilise and overthrow the Solomons’ administration led by Prime Minister Manasseh Sogavare.

Oti’s characterisation of Australia’s presence in the Solomons as an occupation force is entirely accurate. In 2003, more than 2,000 soldiers and police were deployed under the banner of the Regional Assistance Mission to Solomon Islands (RAMSI). Scores of Australian bureaucrats, legal officials, and other personnel effectively took control of the country’s state apparatus, including its police, prisons, judicial system, public service, and finance department.

The neo-colonial operation is of indefinite duration and the Howard government has made clear that it will brook no interference from the Solomon Islands’ government. Responding to Oti’s speech, Australian foreign minister Alexander Downer accused the Sogavare government of trying to destroy RAMSI. The media has effectively buried the story, while the Labor Party and the Greens have kept their mouths tightly shut.

This silence—after a senior representative of a neighbouring government has issued an extraordinary denunciation of Australia’s intervention into the region before a major forum of world leaders—provides a revealing demonstration of the support extended to the Howard government’s Solomons operation by the entire political and media establishment.

The drive to forcibly assert Canberra’s direct control, in violation of international law and the democratic right of ordinary Pacific Islanders to determine their own future, will be one of the great unmentionables in the upcoming election campaign. Irrespective of which party wins office, the filthy manoeuvres and dirty tricks that have characterised the Howard government’s operations in the region will continue unabated.

On October 1, Oti addressed the UN General Assembly, declaring that “our sovereign right to determine the terms on which the government of Solomon Islands will permit our continued occupation by the visiting contingent cannot be undermined by any member of the United Nations.” He continued, “however dressed and rationalised, intervention and occupation allow ‘assisting’ nations to spend and earn substantial revenue for their supporting businesses and industries. Mine is too nationalistic a government to become captive to the fortunes which justify our perpetual retention under siege.”

Sogavare and his supporters represent a layer of the Solomons’elite which, while having no principled opposition to the Howard government’s intervention, is seeking to manoeuvre between rival powers and pressure Canberra to recast RAMSI’s mission on a new basis more favourable to its interests. After coming to power in May last year, the Sogavare government attempted to reduce RAMSI’s control over the country’s finance department and end its effective veto over public spending. The prime minister has repeatedly insisted that he is not seeking to expel RAMSI and that he wants an accommodation with the Howard government.

Oti’s speech before the UN included an appeal for the international body to act as a counterweight to Canberra. Greater UN involvement, however, would alter nothing. In East Timor, to take just one example, the international body has rubber-stamped the Australian-dominated intervention force and said nothing as Canberra conspired to oust the Fretilin government of Mari Alkatiri.

The Solomons’ government nevertheless hopes to win support from other powers to pressure the Howard government. So far, Canberra has refused to compromise. Sogavare and his senior ministers have been targeted, along with attorney-general Julian Moti, who is still being pursued on a trumped up extradition request relating to statutory rape allegations that were thrown out of a Vanuatu court in 1999. On August 4 the Sogavare government formally rejected the extradition request, describing the attempted prosecution as “nothing more than a political witchhunt”.

The Howard government’s effort to politically destroy Moti has been especially driven by its determination to derail a Commission of Inquiry into the causes of the April 2006 riots, which destroyed much of the Solomons’ capital, Honiara. Substantial evidence indicates that RAMSI police and troops were deliberately stood down to facilitate the destruction triggered by widely anticipated post-election unrest.

Foreign Minister Oti referred to Canberra’s efforts to halt the inquiry in his UN address, noting that the investigation “finally became functional this year after the failure of externally-orchestrated manoeuvres to derail it”. He insisted that “my government is determined to delve deeper into the historic causes of the friction between our peoples”.

Solomons’ parliament prepares RAMSI review

The Solomons operation forms the lynchpin of Canberra’s strategic ambitions in the South Pacific. Great power rivalries are intensifying as Beijing’s economic and diplomatic influence increases. The Howard government’s expenditure of more than one billion dollars on RAMSI since 2003 is regarded as a critical long-term investment, with the operation hailed as a model for potential takeovers of other Pacific states. A setback would have far reaching consequences.

The Howard government is particularly concerned by the Solomons’ parliament August 26 decision to review the 2003 Facilitation of International Assistance Act. It drafted this legislation and forced its ratification ahead of the initial intervention. The Facilitation Act grants Australian personnel sweeping powers, including complete immunity from local law and exemption from all immigration and visa controls. It also exempts foreign corporations connected to RAMSI from many business registration and tax obligations.

Attorney-general Moti drew up a memorandum detailing the dubious character of the Facilitation Act in relation to both international law and the Solomon Islands constitution. Moti noted that the so-called regional assistance mission, RAMSI, is not even mentioned in the Act. This leaves unclear the “precise nature of its legal personality”. The Act similarly includes no reference to the Pacific Islands Forum or any other regional or international organisation, making a mockery of the Howard government’s efforts to cloak its takeover as a multilateral and regional operation.

Moti also raised a number of questions regarding Section 24 of the Facilitation Act, which prevents the Solomons parliament from passing subsequent legislation “amending or repealing, or otherwise altering the effect or operation of, this Act or subsidiary legislation made under this Act”. This proviso, which contradicts long established constitutional and parliamentary norms, was meant to ensure that the parliament remained a toothless facade for the Australian occupying authorities.

RAMSI chief Tim George last month called a press conference in Honiara to denounce the pending review. Without attempting any specific rebuttal of Moti’s legal analysis of the Facilitation Act, George described the attorney-general’s memorandum as “a very flawed and muddled document” which “reveals a negative mindset towards RAMSI”.

George’s outburst underscores Canberra’s entrenched opposition to any modification of the terms of the operation. The insistence that Australian police, soldiers, and bureaucrats remain unaccountable and above the law exposes the fraudulent character of the Howard government’s claims that RAMSI is a “humanitarian” operation. RAMSI wants legal immunity to allow it to operate without restraint in defence of Australian corporate interests. It will certainly ferociously repress any oppositional movement that develops within the local population.

The Solomons remains among the most impoverished countries in the world. Virtually no Australian aid money has been spent on health and education, while the presence of hundreds of highly paid RAMSI personnel has inflated rental rates and other costs of living. Amid growing resentment and frustration, particularly among unemployed youth living in Honiara’s squatter settlements, a social time bomb is ticking.

The Howard government continues to insist that RAMSI enjoys the support of the vast majority, and has effectively claimed the right to disregard the Solomons parliament and government on the basis of a popular “mandate”. A RAMSI-sponsored survey released last month purported to show that 90 percent of the population supported RAMSI’s presence and a majority thought that communal violence would re-emerge if foreign forces were forced out.

Predictably, Downer and George seized upon the conveniently-timed release of the survey findings and claimed vindication.

Serious questions have been raised, however, about the survey. Finance Minister Gordon Darcy Lilo has ordered a criminal investigation into the alleged secret payment of $SI100,000 ($A16,000) to statisticians in the finance and treasury ministry, who used publicly owned resources and information for the RAMSI survey. “These officials are paid salaries to work for government,” Lilo declared. “They are supposed to safeguard our national intelligence information and not sell it for their private gain.... This is probably just the tip of the iceberg. Who knows what else is going on in this country without our knowledge or approval?”

Authorised by N. Beams, 40 Raymond Street, Bankstown, NSW

1 comentário:

Margarida disse...

Tradução:
Ministro dos Estrangeiros das Ilhas Salomão condena a ocupação Australiana na Assembleia Geral da ONU
WSWS
Por Patrick O’Connor, Candidato do Partido Socialista para a Igualdade por Grayndler
11 Outubro 2007

O prolongado conflito entre os governos das Ilhas Salomão e Australiano escalou no princípio do mês quando o ministro dos Estrangeiros do país do Pacífico Patteson Oti denunciou a “ocupação” pela Austrália na Assembleia Geral da ONU. O discurso estridente de Oti marcou uma escalada significativa das trocas de palavras cada vez mais crescentemente hostis entre os dois países.

As tensões estão-se a acumular já há mais de um ano, dado que o governo Australiano do Primeiro-Ministro John Howard tem tentado desestabilizar e derrubar a administração das Ilhas Salomão liderada pelo Primeiro-Ministro Manasseh Sogavare.

A caracterização por Oti da presença da Austrália nas Ilhas Salomão como uma força de ocupação é inteiramente correcta. Em 2003, mais de 2,000 soldados e policies foram destacados debaixo da bandeira da Missão de Assistência Regional para as Ilhas Salomão (RAMSI). Montes de burocratas Australianos, funcionários judiciais, e outro pessoal tomou o controlo efectivo do aparelho de Estado do país, incluindo polícia, prisões, sistema judicial, serviços públicos e departamento das finanças.

A operação neo-colonial é de duração indefinida e o governo de Howard deixou claro que não admite interferências do governo das Ilhas Salomão. Respondendo ao discurso de Oti, o ministro dos estrangeiros Australiano Alexander Downer acusou o governo de Sogavare de tentar destruir a RAMSI. Os media enterraram com eficácia a história, enquanto o Labor e os Verdes mantêm a boca rigorosamente calada.

Este silêncio—depois de um representante de topo de um governo vizinho ter emitido a denúncia extraordinária da intervenção da Austrália na região perante o fórum dos líderes do mundo—fornece uma prova reveladora da extensão do apoio à operação nas ilhas Salomão do governo de Howard por todo o campo político e dos media.

A direcção para manter à força o controlo directo de Canberra, com a violação da lei internacional e os direitos democráticos dos habitantes comuns das Ilhas do Pacífico para determinarem o se próprio futuro, será uma das que não serão mencionadas na campanha para as próximas eleições. Seja qual for o partido que vá para o Gabinete, as manobras sujas e os truques porcos que têm caracterizado as operações do governo de Howard na região continuarão sem pausa.

Em 1 de Outubro, Oti dirigiu-se à Assembleia Gerald a ONU declarando que “o nosso direito soberano para determinar os termos pelos quais o governo das Ilhas Salomão permitirão a nossa continuada ocupação pelo contingente visitante não pode ser minado por nenhum membro das Nações Unidas.” Continuou ele, “seja qual for a embalagem ou a racionalização, a intervenção e ocupação autorizam as nações ‘assistidas’ a gastar e a receber rendimentos substanciais para os seus negócios e indústrias de apoio. O meu é um governo demasiado nacionalista para se tornar refém das fortunas que justificam a nossa perpétua retenção sob cerco.”

Sogavare e os seus apoiantes representam uma camada de elite das Ilhas Salomão que, ao mesmo tempo que não tinham uma oposição de princípio à intervenção do governo de Howard, está a tentar monobrar entre poderes e pressões rivais de Canberra para reconfigurar a missão da RAMSI numa nova base mais favorável aos seus interesses. Depois de chegar ao poder em Maio do ano passado, o governo de Sogavare tentou reduzir o controlo da RAMSI sobre o departamento das finanças do país e terminar com o veto efectivo sobre gastos públicos. O primeiro-ministro tem repetidas vezes insistido que não procura expulsar a RAMSI e que quer um compromisso com o governo de Howard.

O discurso de Oti perante a ONU incluiu um apelo para o órgão mundial actuar como um contrapeso a Canberra. Contudo um maior envolvimento da ONU nada alterará. Em Timor-Leste, para dar apenas um exemplo, o órgão mundial tem carimbado a força de intervenção dominada pelos Australianos e nada disse quando Canberra conspirou para expulsar o governo da Fretilin de Mari Alkatiri.

Contudo o governo das Ilhas Salomão espera ganhar o apoio doutros poderes para pressionar o governo de Howard. Até agora, Canberra tem recusado qualquer compromisso. Sogavare e os seus ministros de topo têm sido alvejados juntamente com o procurador-geral Julian Moti, que está ainda a ser perseguido com um pedido de extradição inventado relativo a alegações de violação que foram descartadas num tribunal de Vanuatu em 1999. Em 4 de Agosto o governo de Sogavare rejeitou formalmente o pedido de extradição, descrevendo a tentativa de processo como “nada mais do que uma caça às bruxas política”.

Os esforços do governo de Howard para destruir politicamente Moti têm sido guiados especialmente pela sua determinação em fazer descarrilar a Comissão de Inquérito sobre as causas dos motins de Abril de 2006, que destruíram muito da capital das Ilhas Salomão, Honiara. Evidência substancial indica que polícias e tropas da RAMSI estiveram deliberadamente parados para facilitar a destruição desencadeada por desassossego pós-eleitoral antecipado por muita gente.

O Ministro dos Estrangeiros Oti referiu os esforços de Canberra para travar o inquérito no seu discurso na ONU, sublinhando que a investigação “finalmente este ano está a avançar depois do falhanço de manobras orquestradas do exterior para o descarrilar”. Ele insistiu que “o meu governo está determinado em aprofundar as causas históricas das fricções entre as nossas gentes”.

Parlamento das Ilhas Salomão prepara a revisão da RAMSI

A operação nas Ilhas Salomão é o alfinete de segurança das ambições estratégicas de Canberra no Sul do Pacífico. As rivalidades dos grandes intensificam-se enquanto aumenta a influência económica e diplomática de Pequim. As despesas do governo de Howard de mais de um bilião de dólares com a RAMSI desde 2003 são vistas como um investimento crítico a longo prazo, com a operação louvada como um modelo para potenciais tomadas de poder noutros Estados do Pacífico. Um revés teria enormes consequências.

O governo de Howard está particularmente preocupado com a decisão do parlamento das ilhas Salomão de 26 de Agosto de rever o Acto de 2003 de Facilitação da Assistência Internacional. Isso esboçou esta legislação e forçou à sua ratificação antes da intervenção inicial. O Acto de Facilitação dá ao pessoal Australiano poderes integrais, incluindo imunidade completa da lei local e isenção de todos os controlos de imigração e vistos. Isenta ainda corporações estrangeiras conectadas com a RAMSI de muitos registos comerciais e de obrigações fiscais.

O Procurador-Geral Moti escreveu um memorando detalhando o carácter duvidoso do Acto de Facilitação em relação tanto com a lei internacional como com a Constituição das Ilhas Salomão. Moti sublinhou que a chamada missão de assistência regional, RAMSI, nem sequer está mencionada no Acto. Isso não deixa evidente “a natureza precisa da sua personalidade legal”. Similarmente o Acto não inclui nenhuma referência ao Fórum das Ilhas do Pacífico ou a nenhuma outra organização regional ou internacional, o que faz uma paródia dos esforços do governo de Howard para apresentar a sua tomada de poder como uma operação multilateral e regional.

Moti levanta ainda uma série de questões relativas à Secção 24 do Acto de Facilitação, que impede o parlamento das Ilhas Salomão de aprovar legislação subsequente “emendas ou revogações, ou de qualquer outro modo para alterar o efeito ou a operação de, deste Acto ou legislação subsidiária feita sob este Acto”. Esta condição especial que contraria normas constitucionais e parlamentares há muito estabelecidas, tinha o objectivo de garantir que o parlamento continuasse a ser uma fachada impotente para as autoridades ocupantes Australianas.

O chefe da RAMSI Tim George convocou no mês passado uma conferência de imprensa em Honiara para denunciar a revisão pendente. Sem tentar sequer rebater qualquer especificidade da análise legal de Moti do Acto de Facilitação, George descreveu o memorando do Procurador-Geral como um “documento muito defeituoso e confuso” que “revela uma abordagem mental negativa da RAMSI”.

O desabafo de George enfatiza a oposição entrincheirada de Canberra a qualquer modificação dos termos da operação. A insistência em que polícias, soldados e burocratas Australianos continuem sem responsabilização e acima da lei expõe o carácter fraudulento das afirmações do governo de Howard de que a RAMSI é uma operação “humanitária”. A RAMSI quer imunidade legal para permitir que opere sem restrições em defesa dos interesses das corporações Australianas. De certeza que reprimirá com ferocidade qualquer movimento opositor que se desenvolva no seio da população local.

As Ilhas Salomão permanecem entre os países mais empobrecidos do mundo. Virtualmente não foi gasto na educação e na saúde nenhum dinheiro da ajuda Australiana, ao mesmo tempo que a presença de centenas de empregados altamente pagos da RAMSI inflacionou as médias de alugueres e outros custos de vida. No meio do ressentimento crescente e da frustração, particularmente entre jovens desempregados que vivem nos bairros de lata de Honiara, está a contar o tempo duma bomba social.

O governo de Howard continua a insistir que a RAMSI goza do apoio duma vasta maioria, e reclamou de facto o direito de descartar o parlamento e o governo das Ilhas Salomão na base de um “mandato” popular “. Uma sondagem patrocinada pela RAMSI emitida o mês passado tentava mostrar to que 90 por cento da população apoiava a presença da RAMSI e que uma maioria pensava que re-emergiria a violência comunal se as forças estrangeiras fossem forçadas a sair.

Previsivelmente, Downer e George agarraram a oportuna emissão das conclusões da sondagem para cantarem vitória.

Contudo foram levantadas questões sérias acerca da sondagem. O ministro das Finanças Gordon Darcy Lilo ordenou uma investigação criminal a alegados pagamentos secretos de $SI100,000 ($A16,000) feitos a estatísticos do ministério das finanças e do tesouro, que usaram recursos e informação pública para a sondagem da RAMSI. “Esses funcionários recebem salários para trabalhar para o governo,” declarou Lilo. “È suposto que salvaguardem as nossas informações do serviço de informações nacional e que não as vendam para ganhos pessoais privados.... Isto é provavelmente apenas a ponta do iceberg. Quem sabe o que é que mais se passa neste país sem o nosso conhecimento e aprovação?”

Autorizado por N. Beams, 40 Raymond Street, Bankstown, NSW

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.