terça-feira, outubro 02, 2007

Oil: Timor's Double-Edged Sword

Australian Financial Review - September 29, 2007

Can this tiny nation avoid the 'oil curse' and succeed where so many before it have failed?
by Angus Grigg

Dili, East Timor - Alfredo Pires is whispering. East Timor's newly appointed Energy Minister is being pushed for a number he's reluctant to give.

It is a number that will determine his country's future, determine if it remains the world's poorest nation and, ultimately, resolve whether this dusty half-island can become a viable, independent country.

It is the value of East Timor's oil and gas reserves - a billion dollar question that Pires is well qualified to answer.
The 43-year-old Australian-trained geologist with a business degree from Macau is an activist, and represents the new generation of East Timorese leaders in the six-week-old government of Prime Minister Xanana Gusmao.

"I have thought much about this number," Pires says. "If we find a few other goodies it could be worth over $100 billion."

Pires is referring to the government's petroleum fund, established in late 2005 to hold the revenue from the Bayu-Undan field in the Timor Sea.

Thanks to high oil prices, the fund is roaring ahead of expectations. Already it is worth $US1.6 billion ($1.8 billion), and is growing at an impressive $US100 million a month - 10 times ahead of what was projected just four years ago.

Thus East Timor is often said to be a rich country full of poor people. The United Nations estimates 40 per cent of children are malnourished and 60 per cent of the population illiterate.
It is the world's smallest economy and most of its 1 million people live on less than $US1 a day.
"Those figures would rival many places in sub-Saharan Africa. The development challenges here are enormous," says the UN's head of development in East Timor, Finn Reske Nielsen.

And time is running out. Alan Dupont, director of the International Security Centre at Sydney University, says East Timor has a small window of opportunity to avoid becoming a failed state.
"An independence dividend is needed. You can't live on vision alone, you need practical solutions," says Dupont, who is advising the government. Solutions are required to prevent a repeat of August's civil unrest that saw buildings torched and lives lost, in the worst violence since the "crisis" of last May.

Order has been restored for now, but with 40 per cent of the population unemployed and nearly 100,000 internally displaced people, the UN says trouble could flare up again.

That prospect and the lack of basic infrastructure will make foreign investors wary, which puts the onus back on the government to create jobs. Its ability to do this comes back to oil. It is quite literally East Timor's only chance.

Over the next two decades, as foreign aid declines, oil and gas are forecast to account for 95 per cent of the country's budget.

This year, petroleum will generate $US1.2 billion in export earnings, while coffee, its next largest item, will bring in just $US8 million.

The problem with oil is that it provides only a few jobs, therefore these petrodollars must be redeployed in other areas to create long-term local industries. This is where the petroleum fund comes in. It's a simple idea, modelled on the success of Norway's sovereign fund that totals more than $US400 billion.

For East Timor it's all about avoiding the "oil curse" and not following African and South American examples, where corrupt government officials and energy companies were often the only ones to benefit from the riches underground.

The hope for East Timor is that long after the last barrel of oil has been pumped, it will have a pool of capital from which to live.

To ensure this long-term prosperity the government can only take out 3 per cent of the fund's "estimated sustainable income" each year, or about $US300 million this year. But this figure only takes into account the Bayu-Undan field and not the many other "goodies" Pires likes talking about. "We have not even started looking onshore yet," he says.

"There are places in Timor where the drinking water is mixed with oil, yet we are still the world's poorest country."

Pires, who fled to Australia with his family after the Indonesian invasion in 1975, says the country must engage with the industry to get the most out of it.

"Without proper engagement we might only get $US40 billion out over the next 20 years," he says.

"If we do things properly, that number could increase threefold."

In truth nobody can really say what the magic number will be. There are too many variables - the price of oil, how many new fields are discovered, what percentage East Timor gets, and the rate of return on invested funds. But even the very conservative figure of $US20 billion, arrived at some years ago by the government, represents a huge cash injection.

"It equates to a tripling of the budget since the days of Indonesian occupation," says Dupont.
"For East Timor, it's a once in a generation opportunity to transform the country."

But this pool of money will have to go further each year.

As the statue of Jesus overlooking Dili reminds visitors, this is a very Catholic country with one of the fastest-growing populations in the world. If the current birth rate (7.8 per cent) continues, East Timor's population will double over the next two decades, halving per capita gross domestic product and placing a huge strain on government services. "That's why we need to engage," says Pires.

Part of this planned "engagement" is sending students offshore to study engineering and finance so international oil companies can be better scrutinised. "We need to keep a closer eye on these costs. The international oil game is a cut-throat business."

Engagement also means working the money harder. At present the entire fund is invested in highly secure, but low-yielding, US government bonds. Pires says the government is talking with Singapore about setting up a Temasek-style investment fund, which would diversify into equities, property and corporate bonds.

But these are all longer-term ambitions. In the short term, a liquefied natural gas plant is seen as the country's big hope. The plant, which would process gas from the giant Sunrise field, is seen as an economic saviour. But Charles Scheiner from the La'o Hamutuk Federation, a local non-government organisation, says the plant is unlikely to be built in Timor. Political risk aside, a deep water trench just off the coast makes constructing the required pipeline difficult and expensive.

So, though it is further to Australia's northern coast, Woodside (which will operate Sunrise) has indicated it favours building the plant in Darwin. And for Scheiner, it would not have been the boon many ministers suggested. "It would create about 200 permanent jobs. You could gradually train up locals for the higher paid and more specialised jobs, but in the early stages the East Timorese would be mopping the floors and serving the food." Former Victorian premier Steve Bracks, now an adviser to the East Timorese government, says oil can be used to broaden the economy.

"No one is going to invest here unless the country can develop reliable infrastructure," he says.
For the world's poorest country, even spending money is difficult.

2 comentários:

Margarida disse...

Tradução:

Petróleo: Espada de dois gumes de Timor-Leste
Australian Financial Review - Setembro 29, 2007

Pode esta pequena nação evitar a ‘maldição do petróleo’ e ter sucesso onde tantas antes falharam?
Por Angus Grigg

Dili, Timor-Leste - Alfredo Pires está a falar em voz baixa. O recentemente nomeado Ministro da Energia de Timor-Leste está a ser empurrado para um número que tem relutância em dar.

É um número que determinará o futuro do seu país, determina se continua a ser a nação mais pobre do mundo e, finalmente, decide se esta meia ilha poeirenta se pode tornar um país viável e independente.

É o valor das reservas de petróleo e de gás de Timor-Leste – uma pergunta de um bilião de dólares que Pires está bem qualificado para responder.
O geólogo de 43 anos formado na Austrália com um grau académico em negócios de Macau é um activista, e representa a nova geração de líderes Timorenses no governo de seis semanas do Primeiro-Ministro Xanana Gusmão.

"Tenho pensado muito neste número," diz Pires. "Se descobrirmos alguns outros bens pode valer mais de $100 biliões."

Pires refere-se aos fundos do fundo de petróleo do governo, criado no final de 2005 para guardar os rendimentos do campo de gás de Bayu-Undan no Mar de Timor.

Graças à alta dos preços do petróleo, o fundo está a avançar acima das expectativas. Já vale $US1.6 biliões ($1.8 bilião), e está a crescer nuns impressionantes $US100 milhões por mês - 10 vezes mais do que for a projectado apenas há quatro anos atrás.

Por isso diz-se muitas vezes de Timor-Leste que é um país rico cheio de gente pobre. As Nações Unidas estimam que 40 por cento das crianças estão mal nutridas e que 60 por cento da população é analfabeta.
Na mais pequena economia do mundo a maioria do milhão de habitantes vive com menos de $US1 por dia.
"Esses números podem rivalizar com muitos lugares da África sub-Sahariana. Os desafios do desenvolvimento são enormes," diz o responsável pelo desenvolvimento da ONU em Timor-Leste, Finn Reske Nielsen.

E o tempo está a esgotar-se. Alan Dupont, director do Centro de Segurança Internacional na Universidade de Sydney, diz que Timor-Leste tem uma pequena janela de oportunidade para evitar tornar-se num Estado falhado.
"São necessários benefícios da independência. Não se pode viver apenas de visões, precisa-se de soluções práticas," diz Dupont, que está a aconselhar o governo. Precisam-se de soluções para evitar a repetição do desassossego civil de Agosto onde vimos edifícios a arder e vidas perdidas, na pior violência desde a "crise" de Maio do ano passado.

Por agora, tem que se restaurar a ordem, mas com 40 por cento da população desempregada e perto de 100,000 deslocados, a ONU diz que o problemas podem rebentar outra vez.

Aquela perspective de que a falta de infra-estruturas básicas pode tornar desconfiados os investidores estrangeiros, põe o ónus de criar empregos no governo. A sua capacidade de o fazer resta no petróleo. Bastante literalmente é a única possibilidade de Timor-Leste.

Durante as próximas duas décadas, enquanto declina a ajuda estrangeira, prevê-se que o petróleo e o gás sejam responsáveis por 95 por cento do orçamento do país.

Este ano o petróleo gerará $US1.2 bilião em ganhos de exportações, enquanto o café, o Segundo maior bem trará apenas $US8 milhões.

O problema do petróleo é que fornece apenas poucos empregos, por isso esses petrodolares precisam de ser re-empregados noutras áreas para criar indústrias locais de longo prazo. É aqui que entra o fundo do petróleo. É uma ideia simples, modelada pelo sucesso do fundo soberano da Noruega que totaliza mais de $US400 biliões.

Para Timor-Leste tudo se reduz a evitar a ‘maldição do petróleo’ e a não seguir os exemplos Africanos e Sul-Americanos, onde entidades governamentais e companhias de energia corruptas eram muitas vezes os únicos a beneficiar das riquezas subterrâneas.

A esperança para Timor-Leste é que muito tempo depois de ser bombeado o ultimo barril de petróleo tenha um fundo de capital do qual viva.

Para assegurar esta prosperidade a longo prazo o governo apenas pode tirar 3 por cento por ano do “rendimento estimado sustentável” do fundo, ou cerca de $US300 milhões este ano. Mas este número só toma em consideração o campo de Bayu-Undan e não ou muitos outros "bens" de que Pires gosta de falar. "Nem sequer começámos ainda a procurar onshore," diz.

"Há lugares em Timor onde a água para beber está misturada com petróleo, contudo somos ainda a mais pobre nação do mundo."

Pires, que fugiu para a Austrália com a família depois da invasão Indonésia em 1975, diz que o país se deve engajar com a indústria para lucrar o máximo.

"Sem um engajamento adequado podemos obter apenas $US40 biliões durante os próximos 20 anos," diz.

"Se fizermos as coisas de modo adequado esse número pode triplicar."

Na verdade ninguém pode realmente dizer qual será o número mágico. Há demasiadas variáveis – o preço do petróleo, quantos novos campos são descobertos, que percentagem obterá Timor-Leste, e a taxa de retorno dos fundos investidos. Mas mesmo o número muito conservador de $US20 biliões a que o governo chegou há alguns anos atrás, representa uma enorme injecção de dinheiro.

"É igual a triplicar o orçamento desde os dias da ocupação Indonésia," diz Dupont.
"Para Timor-Leste é uma oportunidade única para transformar o país numa geração."

Mas este fundo de dinheiro terá de avançar mais cada ano.

Como lembra aos visitantes a estátua de Jesus sobre Dili, este é um país muito Católico com uma das populações de crescimento mais rápido do mundo. Se continuar a corrente taxa de nascimento (7.8 por cento), a população de Timor-Leste duplicará nas duas próximas décadas, reduzindo a metade o PIB e colocando enormes tensões sobre os serviços do governo. "É por isso que temos de nos engajar," diz Pires.

Parte deste planeado "engajamento" é enviar estudantes para além-mar para estudar engenharia e finanças para que as companhias internacionais de petróleo possam ser melhor escrutinadas. "Precisamos de manter um olho mais próximo desses custos. O jogo do petróleo internacional é um negócio de cortar pescoços."

O engajamento significa ainda trabalhar melhor o dinheiro. Presentemente todo o fundo está investido em obrigações do governo dos USA, altamente seguras mas com lucros baixos. Pires diz que o governo está em conversações com Singapura para montar um fundo de investimentos do tipo Temasek, que diversificaria em obrigações de corporações, imobiliário e equidades.

Mas estas são todas ambições a longo prazo. No curto prazo, uma instalação de gás natural liquefeito é vista como a grande esperança do país. A instalação, que processará gás do campo gigantesco do Sunrise é vista como um salvador económico. Mas Charles Scheiner da Federação La'o Hamutuk, uma ONG local diz que é improvável que a instalação seja construída em Timor. Risco politico à parte, um profundo fosso imediatamente ao largo da costa torna difícil e cara a construção do pipeline necessário.

Assim apesar de ficar mais longe na costa norte da Austrália, a Woodside (que operará o Sunrise) tem indicado que favorece a construção da instalação em Darwin. E para Scheiner, isso nem seria a bênção que muitos ministros sugerem. "Criará cerca de 200 empregos permanentes. Pode-se formar gradualmente locais para os empregos melhor pagos e mais especializados, mas no princípio restaria para os Timorenses lavar o chão e servir às mesas." O antigo premier de Victoria Steve Bracks, agora conselheiro do governo Timorense, diz que o petróleo pode ser usado para alargar a economia.

"Ninguém vai investir aqui a não ser que o país possa desenvolver infra-estruturas de confiança," diz.
É difícil gastar dinheiro na mais pobre nação do mundo.
Timor Leste's Petroleum fund

Anónimo disse...

Just pray and hope that the Pires who were used to corruption don't do any swindling with the petrol money."Old habits die hard". What a disgrace for ET. Alfredo Pires and his sister Emilia both holding important positions.Thank God the Almighty, they're not permanent Positions. Imagne if it was. How could any one blame Alkatiri for wanting to govern for 50 years? At least People's assets would be in safe hands.

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.