terça-feira, outubro 02, 2007

Timor won the heart of Stone

Canberra Times (Australia) - Monday, October 1, 2007

Emma Macdonald
Less than a week after graduating from Duntroon, 22-year-old Michael Stone found himself en- route to the smoking ruins of East Timor.

It was December 1999, and the tiny province had just waged an historic and almighty battle against 24 years of Indonesian occupation and oppression as the rest of the world looked anxiously on.


Stone remembers arriving in the capital of Dili where not one house, building or car was left untorched.

"It is hard to describe the extent of the destruction. What could not be picked up and taken was reduced to ash."

It was a dramatic and traumatic induction into active duty with the United Nations-sponsored INTERFET peacekeeping forces. But as Stone quickly assumed a command position within the Second Battalion, Royal Australian Regiment, he also began an enduring relationship with the East Timorese people, which would, eight years later, lead the young Australian to be invited by President Jose Ramos Horta to become a special military advisor, a position he will take up in November.

Born into a military family in Canberra in 1977, Stone grew up enduring the peripatetic lifestyle which saw him change friends and schools as the family constantly moved.
But, at some point, Stone recalls, "I stopped missing people as much and started to look forward to the next adventure."

His father, Gary Stone, was a lieutenant-colonel in the army. But an abduction by Hezbollah while he was in Iran in 1989 serving as the Australian contingent commander with a United Nations military observer group propelled Stone senior to leave active duty and start working closer to God. He became an army chaplain.

Stone's first tour of East Timor passed in a blur as the nation recovered from its first democratic election. He enthusiastically returned for a second tour with the UN in 2001 and for a third tour in 2004, having been promoted to major. He trained a small and isolated East Timorese infantry battalion composed largely of ex-Falintil guerrilla resistance fighters.

He also advised Lieutenant Colonel Falur Rate Leak a veteran hero of their war against Indonesia.

While Stone had picked up some "coffee table" words in the East Timorese language of Tetum during his first tour, he realised that in order to really know the East Timorese and to communicate effectively, he had to become fluent.

"I wanted to become a human bridge between the military and the people and between Australia and East Timor," he says.

Stone had little language experience but he took the immersion approach and very quickly found himself in a translator's role. He recalls his best motivator was Falur himself whose machine-gun-fire speech required a new level of commitment. Over the 16 months he spent with Falur, Stone began to understand the East Timorese psyche as the country continued down the path of reconciliation and rebuilding.

"There is not one East Timorese who has not been traumatised, who has not been betrayed, whose family has not been affected by murder and fear and conspiracy," he says.
As his vocabulary grew, so did his confidence and public profile and Stone found himself propelled to wider audiences.

He spoke to public rallies, angry mobs, parliamentarians, gang leaders, aid organisations, church leaders and frightened villagers.

As instability increased in the lead-up to last year's civil unrest, Stone even found himself with a nightly TV spot, where he could inform a broader audience of the latest developments and attempt to dispel the misinformation spreading from one village to another.

"I tried to debunk the myths and explain what was happening and the activities we were doing to promote transparency and deny the opportunity for rumours and propaganda to spread," he recalls.

His familiarity and connection to the language was accompanied by a connection to the society.
Stone's dad once told him "they won't care how much you know until they know how much you care" and his emotional commitment to the East Timorese people earned him enormous trust and gratitude, even if coming at a cost to his own well being.

Counselling mothers and fathers whose teenaged sons had been shot in the street, wrenching an eight-year-old girl from her father's body which had been beaten to a bloody pulp, discovering groups of mothers and babies burnt to death in a shelter these were daily events for Stone.

He recalls having to push his own trauma and fatigue aside to face each day's fresh crises.

"I guess for a very long time I didn't deal with it. I don't think it was deliberate; it was just a matter of us being so busy dealing with people in despair that it was not a consideration for me to let my guard down. It was most important to be strong and collected to provide hope. We were a stabilising force in an unstable environment, a country in a state of paranoia and trauma and being that rock of stability was, and still is, very important."

When Stone's work was recognised in the ABC documentary series Australian Story, aired in April, President Jose Ramos Horta praised his commitment to the country, noting "he has a natural gift to deal in human relations".
The new job will entail a close relationship between the two men as Stone is entrusted with the task of advising Horta, particularly with the rebuilding of East Timor's security forces.

It is something of a coup for Horta, who was prepared to offer Stone a number of positions to keep him in the country failing that, he was pushing for the good- looking Stone to form an attachment with a local woman.

Unfortunately for Horta, Stone fell in love last year with an American PhD student, Megan Lavelle, who was living in East Timor, studying childhood nutrition for a doctorate in medical anthropology.

Megan will return to working in East Timor with a medical aid organisation when Stone takes up the new post.

Stone is also innately optimistic about the future of East Timor despite its long history of bloodshed.

"I am hopeful for the people of East Timor. They are a strong people who have suffered a lot but they have also had the strength to survive. There are no doubt some very large challenges ahead and they will need a hand, though the overwhelming will of the people is for peace."

1 comentário:

Margarida disse...

Tradução:
Timor ganhou o coração de Stone
Canberra Times (Austrália) - Segunda-feira, Outubro 1, 2007

Emma Macdonald
Menos uma semana depois de se formar na Duntroon,o Michael Stone de 22 anos encontrou-se a caminho das ruínas fumegantes de Timor-Leste.

Estava-se em Dezembro de 1999, e a pequena província tinha acabado de travar uma batalha histórica e poderosa contra 24 anos de ocupação e opressão Indonésia enquanto o resto do mundo olhava ansiosamente.


Stone lembra-se de chegar à capital Dili onde nem uma casa, edifício ou carro tinha ficado sem estar queimado.

"É difícil de descrever a extensão da destruição. O que não poude ser levado estava reduzido a cinzas."

Foi uma entrada dramática e traumática com as forças de manutenção de paz da INTERFET patrocinada pelas Nações Unidas. Mas como Stone assumiu rapidamente uma posição de comando no interior do Segundo Batalhão, do Regimento Real Australiano, começou também uma relação duradoura com os Timorenses, que oito anos mais tarde levaria o jovem Australiano a ser convidado pelo Presidente José Ramos Horta a tornar-se o seu conselheiro militar especial, uma posição que ele assumirá em Novembro.

Nascido numa família de militares em Canberra em 1977, Stone cresceu sofrendo o estilo de vida vagabundo que o viu mudar de amigos e de escolas dado que a família se mudava constantemente.
Mas, lembra-se Stone, numa determinada altura, "deixou de ter tantas saudadas das pessoas e começou a aguardar com expectativa novas aventuras."

O seu pai, Gary Stone, era um tenente-coronel nas forças armadas. Mas uma captura pelo Hezbollah quando em 1989 estava no Irão a servir como comandante do contingente Australiano com um grupo de observadores militares das Nações Unidas levou o Stone senior a deixar o serviço activo e a trabalhar mais próximo de Deus. Tornou-se capelão das forças armadas.

A primeira volta de Stone em Timor-Leste passou num borrão enquanto a nação recuperava das suas primeiras eleições democráticas. Regressou com entusiasmo para uma segunda volta com a ONU em 2001 e numa terceira volta em 2004, tendo sido promovido a major. Treinou um pequeno e isolado batalhão de infantaria Timorense composto largamente por ex-guerrilheiros da resistência das Falintil.

Foi também conselheiro do Tenente Coronel Falur Rate Leak um herói veterano da guerra deles contra a Indonésia.

Ao mesmo tempo que Stone tinha apanhado algumas palavras "de café"na língua Timorense, Tétum, durante a sua primeira volta, entendeu que tinha de se tornar fluente para conhecer realmente os Timorenses e comunicar efectivamente.

"Quero tornar-me uma ponte humana entre os militares e o povo e entre a Austrália e Timor-Leste," diz.

Stone tinha pouca experiência da língua mas usou a abordagem de imersão e muito rapidamente descobriu-se no papel de tradutor. Lembra-se que o melhor motivador foi o próprio Falur cujo discurso rápido de metralhadora exigiu um novo nível de compromisso. Durante os 16 meses que passou com Falur, Stone começou a entender a psico Timorense enquanto o país continuava na via da reconciliação e da reconstrução.

"Não há um único Timorense que não tenha sido traumatizado, que não tenha sido traído, cuja família não tenha sido afectada por homicídios e medos e conspirações," diz.
Ao mesmo tempo que crescia o seu vocabulário, assim crescia a sua confiança e estatuto e Stone encontrou-se projectado para maiores audiências.

Falou para comícios públicos, multidões zangadas, parlamentares, líderes de gangs, organizações de ajuda, líderes de igrejas e aldeões assustados.

Quando aumentava a instabilidade que levou desassossego civil do ano passado, Stone encontrou-se mesmo ele próprio com um anúncio na TV todas as noitas, onde podia informar uma audiência maior sobre os últimos desenvolvimentos e tentativas para acabar com a desinformação que se espalhava de uma aldeia a outra.

"Tentei desmontar os mitos e explicar o que estava a acontecer e as actividades que estávamos a fazer para promover a transparência e negar a oportunidades para que se espalhassem rumores e propaganda," lembra-se.

A sua familiaridade e ligáção à lingua era acompanhada pela ligação à sociedade.
O pai de Stone disse-lhe uma vez "eles não ligam ao muito que sabes enquanto não souberem o muito que te preocupas com eles" e o seu compromisso emocional com as pessoas Timorenses tornaram-no credor de enorme confiança e gratidão, mesmo se o conseguiu a custo do seu próprio bem-estar.

Aconselhando mães e pais cujos filhos adolescentes tinham sido baleados nas ruas, arrancando uma rapariga de oito anos do corpo do seu pai que tinha sido batido até ficar numa polpa de sangue , descobrindo grupos de mães e de bébes queimados até à morte num abrigo esses eram eventos diários para Stone.

Lembra-se de ter de pôr para o lado os seus próprios traumatismos e cansaço para enfrentar as novas crises de cada dia.

"Penso que durante muito tempo não lidei com isso. Não penso que tenha sido deliberado; foi apenas por estarmos tão ocupados a lidar com pessoas em desespero que não era uma consideração para mim deixar-me ir abaixo. Era muito importante ser forte e controlado para dar esperança. Éramos uma força estabilizadora num ambiente instável, um país num estado de paranóia e de traumatismo e ser aquela pedra de estabilidade era, e é ainda, muito importante."

Quando o trabalho de Stone foi reconhecido num documentário da ABC da série de História Australiana, que foi transmitida em Abril, o Presidente José Ramos Horta louvou o seu compromisso com o país, anotando que "ele tem um dom natural para lidar com relações humanas".
O novo emprego trará uma relação próxima entre os dois homens dado que foi confiada a Stone a tarefa de aconselhar Horta, particularmente com a reconstrução das forças de segurança de Timor-Leste.

É de certo modo uma vitória para Horta, que estava preparado a oferecer a Stone uma série de posições para o manter no país se isso falhasse, andava a empurrar o bem parecido Stone para uma ligação com uma mulher local.

Infelizmente para Horta, Stone apaixonou-se o ano passado por uma estudante Americana PhD , Megan Lavelle, que estava a viver em Timor-Leste, a estudar nutrição infantil para um doutoramento de antropologia médica.

Megan regressará para trabalhar em Timor-Leste com uma organização de ajuda médica quando Stone assumir o novo posto.

Stone está também intimamente optimista com o futuro de Timor-Leste apesar da sua longa história de derramamento de sangue.

"Tenho esperança no povo de Timor-Leste. São um povo forte que sofreu muito mas que teve também força para sobreviver. Sem dúvida que há desafios muito grandes à frente e que precisarão de uma mão, apesar da vontade predominante das pessoas ser de paz."

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.