sexta-feira, maio 30, 2008

UNMIT Daily Media Review - 30 May 2008

(International news reports and extracts from national media. UNMIT does not vouch for the accuracy of these reports)

UNMIT celebrates International Peacekeepers Day – Timor Post, Diario Nacional and Televisaun Timor-Leste

The United Nations Integrated Mission in Timor-Leste (UNMIT) celebrated the 60th anniversary of UN Peacekeeping on Thursday (29/5) in Dili.

The celebration was attended by PR José Ramos-Horta, PM Xanana Gusmão, Timor-Leste Independence Proclamator Francisco Xavier do Amaral, the Special Representative of Secretary-General (SRSG) Atul Khare, other senior leaders of Timor-Leste and the diplomatic corps.

During his speech, SRSG Atul Khare paid homage to those lost their life in keeping the peace.

“It is always difficult to come to terms with the loss of a beloved one. But when the families mourn for a spouse, father, brother, or son who died in a far off land that many of them never visited, it is simply unimaginable. I pray for peace to all those who died in the service of the United Nations for the cause of peace and stability of Timor-Leste and for courage to their bereaved families and friends,” stated SRSG Khare.

President José Ramos-Horta told the gathering he was happy to join the ceremony to celebrate the 60th Peacekeepers Day in Timor-Leste.

“It is 60 years since the United Nations began sending men and women, the blue berets, to many nations.

Today is the day to give tribute to all the peacekeepers in the world, especially those who are in Timor-Leste, along with civilian staff and Timorese staff who, during the popular consultation, died and suffered as UN peacekeepers,” said PR Ramos-Horta.

The ceremony included songs and performances by school children and local musicians, and the reciting of poetry. Prayers were offered by representatives of the main religious groups.


Mario Carrascalão: asking the Government to cancel MAF-Indonesian MOU – Televisaun Timor-Leste

PSD Member of Parliament Mario Carrascalão is asking the Government to cancel the Memorandum of Understanding (MOU) signed between the Ministry of Agriculture, Forests-Fishery (MAF) and the Indonesian Government.

Last Monday in National Parliament Mario said the MOU was a secret agreement that will not be beneficial for the population.

“We ask this MOU to be cancelled because they signed it in secret. There should not be a law that is created only for the interest of the Government. We do not agree at all with them to sell the land to Indonesia, as stated in the MOU that TL will give a concession to Indonesia for two years to use 100,000 hectares of land,” Mr. Carrascalão said.

In response to this, the permanent secretary of the Ministry of Agriculture said the agreement was not secret because at that time journalists were invited to the signing.

“This agreement is not secret. We just want to say that on 15 January 2008 when we signed the MOU, it was witnessed by many journalists as well broadcast on TVTL that the Ministry of Agriculture had signed an MOU with a company named "GT. Leste Birotec,” explained Lourenço Borges Fontes.

He added that this agreement may be cancelled if there has been no activity from the time of the signature up to now.


PM Xanana: the Government has no authority to regulate international market prices – Diario Nacional Televisaun Timor-Leste

After attending the weekly meeting with President Horta in Farol on Thursday (29/5), Prime Minister Xanana Gusmão said that the Government has no authority to regulate prices because they depends on the international market.

“Suppose the price in the world is regulated, the price of rice in the nations which produce the rice is marked down, the price of petrol is regulated, and you do not need to ask me because everything will decrease by itself. Timor Leste a small country which is dependent on the fluctuations of foreign countries. If the price increases in the foreign countries, we will suffer the same thing in our country. So it is not for Timor Leste government to normalize the price because this crisis is affecting all nations in the world”, said PM Xanana.


TL pays homage to UN Peacekeepers – Radio Timor-Leste

TL gives homage to UN Peacekeepers who sacrifice their lives for UN missions in conflict nations including TL (Horta).

We give our homage to all UN members who had sacrifice their lives in the service of peace in conflict nations around the world. Sergio Vieira de Mello and his compatriots died in Baghdad (Iraq), because of UN efforts to maintain peace and stability in the world,” said PR Horta during a briefing after the celebration of the 60th anniversary of UN Peacekeeping in Balide, Dili on Thursday (29/5).


Government: to take 3% of petroleum funds as social subsidiary – Radio Timor-Leste

Prime Minister Xanana said that the government will take 3% of petroleum funds to give subsidize social programs.

“The food crisis is an issue around the world, not only in TL. The government should allocate funds to respond to needs of society,” said PM Xanana during ameeting with President Horta in the government palace yesterday (29/5).

MSS: plan to have department to protect children rights – Radio Timor-Leste

Minister of Social and Solidarity Maria Domingas Alves said on Thursday (29/5) in Delta Nova, Comoro that the Ministry of Social and Solidarity will create a new program and plan to establish a department to protect child rights. The department will focus on runaways, children who need protection from abuse within the home, and those who are facing violence.


Fr. Martinho: Peace stops violence – Diario Nacional

The Director of Peace and Justice of Baucau Diocese, Fr. Martinho Gusmão said that only peace could stop the violence in the world, especially in Timor-Leste. The observance of the 60th Anniversary of UN Peacekeeping was important to build unity and peace in the world, as UN missions to Timor-Leste have shown over the last few years.

“With this kind of ceremony we could work hard to build peace. Peace can not stand alone – it is always side by side with justice and unity to determine the destiny of the people and this country,” said Fr. Martinho at the ceremony of UN Peacekeepers Day in Balide, Dili on Thursday (29/5)


Pardon to Rogerio: MPs ask PR Horta retract his statement – Suara Timor Lorosa’e

Members of the National Parliament are asking President José Ramos-Horta to withdraw his statement concerning the pardon of former Minister of Interior Rogerio Tiago Lobato in which he said that many of the Rogerio’s family died in the fight for the country's liberation.

“The president should give a pardon based on his authority and not because someone's family died during the struggle,” said CNRT MP Natalino dos Santos on Thursday (29/5) in the National Parliament.

The big impact [of the president’s pardon] is setting a bad precedent to the nation – there is no legal basis on which to give a pardon based on family members who died during the war.

President Ramos-Horta did not comment on the request even though journalists have been questioning him about the pardon and his recent statements

Indonesia-Australia ties: What went wrong? – The Jakarta Post, 30 May

CANBERRA (JP): As the Timor crisis deepened in 1999, relations between Australia and Indonesia soured, and then deteriorated seriously, sharply and unexpectedly in September-October.

After a decade of seemingly positive and broad-based expansion, developing into what some came to regard as an emerging 'special relationship', these two months witnessed unprecedented recrimination and antagonism.

Although an open, formal rift was avoided, the cooling of relations was reflected in public statements made at the highest level.

President Habibie referred in the Indonesian parliament to Australia's unwelcome 'interference in Indonesian affairs', while Prime Minister Howard spoke of the need to assert 'Australian values' in the region rather than kowtowing to the policies of neighbors, referring (implicitly) especially to Indonesia.

At the heart of the matter was the crisis in East Timor. The extensive and almost instantaneous coverage by the international electronic media of the tragic events in Timor, together with its tendency to highlight isolated and extreme reactions in both countries, heightened the sense of crisis.

It contributed to emotional responses. Australian unions boycotted Indonesian ships and Garuda passengers were harassed, the Indonesian flag was burnt and the Indonesian Ambassador could not enter his office for over a week.

In Indonesia, in response, there was an almost continuous demonstration outside the Australian embassy, seemingly (if TV shots were to be believed) verging on violence.

Australian offices were attacked and Australian citizens threatened. At the nadir of the relationship in early October 1999, Indonesians saw Australia -- seemingly too enthusiastically -- take the lead in the formation of a multinational force, UNAMET, to restore order following the post referendum militia rampage in Timor.

But many Indonesians saw Australians zealously entering 'their territory'(as most Indonesians regarded East Timor then), and behaving in a militaristic and bellicose fashion -- the armed Australian soldier standing over the defenseless Timorese youth, for example.

How and why was the relationship so easily and quickly derailed? And where do we go from here?

Answers to these questions are important, not just for Australia and Indonesia but, more broadly -- since the two countries are the dominant powers of the South Pacific and Southeast Asia respectively -- for the harmony of the region.

It was not just the Australian actions which angered many Indonesians. Australia's style was unpalatable. Indonesia expected its neighbor to show some understanding of Jakarta's predicament (at least that of a weak civilian government), and to help calm the situation.

But instead Australia appeared to take the lead in condemning Indonesia. The voice of Australia -- its media, its politicians and its people -- appeared more strident than any other. Even liberal-minded and sympathetic Indonesian figures, such as Sarwono Kusumaatmadja and journalist Wimar Witoelar, saw Australian reactions as 'arrogant' or 'insensitive', its words and actions smacking more of a colonial power than an understanding neighbor.

Conversely, in September, Australians watched each night on television the abuse of a poor and innocent people, whose only 'crime' was that they clearly and decisively voted for Independence.

Why couldn't the all-powerful Indonesia military assist these people and control the violence, Australians (and indeed the world) asked.

Why was the government in Jakarta so seemingly two-faced in response to international criticism?

The immediate cause of tension -- a process of decolonization, strongly opposed by elements of the Indonesian military and equally strongly supported by large sections of the Australian public, and by their government -- which erupted in violence, was as difficult a problem as most neighbors will ever face.

In one sense, it was a credit to the leaders of both countries that diplomatic relations remained open, despite many calls from their domestic constituencies for radical action.

But beyond the immediate rift, ill-informed recriminations and the proliferation of stereotypes revealed that there is still a fundamental lack of understanding of national characteristics and political processes in each country -- a lack of understanding which was all too easily manipulated by mischievous elements on both sides.

Among these caricatures of each other, Indonesians often view Australians as white, racist, rich, arrogant, and possessing an unrivaled propensity to lecture other countries.

On the other hand, many Australians continue to view Indonesia (even after fall of the Soeharto) as corrupt, brutal, militaristic, authoritarian, and maintaining an iron grip on a reluctant non-Javanese citizenry in the eastern provinces.

Like all caricatures, there is an element of truth in these views. But as generalizations they are seriously distorted. Many Australians, especially in the media, failed -- or didn't want -- to recognize, the broad-based improvements in Indonesian living standards since the mid 1960s, across both socio-economic groups and its far-flung regions.

Australians have also tended to pay scant attention to deep historical and cultural sensitivities. Having never been a poverty stricken colony, never been invaded by a foreign power, and never had to fight a protracted and bloody war of Independence, most Australians don't have the historical perspective to understand Indonesian sensitivities on key issues.

Flag-burning, for example, arouses little passion in Australia, yet for most Indonesians it is a highly provocative action.

With a hard-fought Independence achieved just two generations ago, destruction and defamation of national symbols by a neighbor is quite shocking to many Indonesians.

The fact that Australians are predominantly rich and white, and are culturally disposed towards frank and blunt expressions of opinion abroad -- mirroring the style of domestic debate -- further complicates the issue. These misperceptions work in both directions, however. It is true that Australia maintained a discriminatory immigration policy until about 1970 (the so-called 'White Australia Policy'), and that for the first 180 years of European settlement the treatment of aboriginal people was disgraceful.

But things have changed much in Australia over the past 30 years. Australia now has an open, non-discriminatory immigration program, matched by very few countries.

The resulting societal transformation has been rapid and Australia is arguably one of the world's most vibrant multi-cultural societies.

Its generous refugee program has few parallels, certainly in this region. It is true that this 'multiracialism has been strongly criticized at home -- the 'Pauline Hanson' factor.

But the immigration program continues to attract bi-partisan political support. The One Nation party is now in decline and never captured vote’s ona scale comparable to similar parties in the U.S. and Europe.

It is also true that Australia's aboriginal community (numbering about 250,000 persons) have unacceptably low living standards. But there are many ‘positive discrimination' programs and the community's problems are openly acknowledged and debated within and outside government.

In addition, Australia continues to be one of the major donors to Indonesia, including a generous scholarship program. It strongly supported the international financial rescue effort in the wake of the economic crisis and, despite fiscal austerity at home; the real value of aid has been broadly maintained.

Australia's per capita income is now below both Singapore and Hong Kong, neither of whom provides aid to Indonesia.

The Australian press is often seen as a complicating factor in bilateral relations. It is easy to understand Indonesians' anger here: in recent times, the extraordinarily rude and ill-informed television interview with the Indonesian ambassador on a commercial network, and the 60 Minutes team crassly walking into a 'minefield' by asking queuing East Timorese how they would vote in the referendum.

More generally, many Australian journalists, with their single-minded focus on human rights, East Timor, and corruption, have failed dismally to present a balanced picture of the complexity of Indonesia.

There is no doubt that, rightly or wrongly, the murder of five journalists in Balibo in late 1975 has contributed to this press hostility towards Indonesia. But, while Indonesian dismay is quite understandable, here too the issue is not amenable to sweeping generalizations. There have been some very fine Australian journalists in Indonesia, particularly in the print media.

Indonesia's sometimes heavy handed press controls needlessly antagonized the foreign (and of course the domestic) press. And the problems with the Australian press have arisen in part from proximity and familiarity.

The New York Times, London's Guardian, Dutch papers, the BBC and CNN have often been just as critical as Australian outlets. But because there are not as many of them, and they don't report as often, the tensions have not been so great.


The 60th anniversary of UN peacekeeping – The Manila Times, 29 May

By Ban Ki-moon, UN Secretary-General

(For more than 50 years, the Philippines has sent hundreds of troops overseas for peacekeeping in fulfillment of its international obligations. From South Korea in the 1950s to Timor Leste in the ‘00’ decade, Filipino soldiers and police officers, under the auspices of the United Nations, have taken part in humanitarian missions to keep the peace and to help rebuild in formerly war-torn countries. We pay them tribute on this day, the 60th year of UN peacekeeping.)

This year, the annual International Day of UN Peacekeepers also marks the 60th anniversary of UN peacekeeping. Six decades ago today, the Security Council established our first peacekeeping mission. Most of the peacekeepers came from a handful of European and American countries and they were mostly unarmed military men observing and monitoring cease-fire lines.

Since then, peacekeeping has developed into a flagship enterprise of our Organization. Today, we have more than 110,000 men and women deployed in conflict zones around the world. They come from nearly 120 countries—an all-time high, reflecting confidence in United Nations peacekeeping. They come from nations large and small, rich and poor—some of them countries recently afflicted by war themselves. They bring different cultures and experiences to the job, but they are united in their determination to foster peace. Some are in uniform but many are civilians and their activities go far beyond monitoring.

They train police, disarm ex-combatants, support elections and help build State institutions. They build bridges, repair schools, assist flood victims and protect women from sexual violence. They uphold human rights and promote gender equality. Thanks to their efforts, life-saving humanitarian assistance can be delivered and economic development can begin.

In the past year, I have visited peacekeepers in Africa, Asia, the Middle East and the Caribbean. I have seen refugees returning home, children heading back to school, citizens once again secure under the rule of law. I have seen whole societies moving, with the help of the peacekeepers, from devastation to rejuvenation. In Haiti, in Liberia, in the Democratic Republic of the Congo the blue helmets have provided breathing space for a fragile peace to take hold.

We could not do this job without our partners in regional organizations. The African Union and the UN are deploying our first hybrid force in Darfur. And we are working with the European Union in neighboring Chad and the Central African Republic.

More than half of all our Member States contribute troops and police to peacekeeping operations. We are grateful to every one of them. Our special thanks go to the top contributors: Pakistan, India, Bangladesh, Nigeria and Nepal. Together, these nations of the south contribute nearly half of the UN’s peacekeepers.

This anniversary is an occasion to celebrate, but also to mourn our fallen colleagues. Over these six decades, more than two thousand and four hundred men and women have died serving the cause of peace. Just last year alone, we lost 87 brave individuals.

Each one is a hero. Today, we recommit ourselves to ensuring that their sacrifices are never forgotten, and the vital work of the blue helmets continues as long as they are needed.


Australia provides E Timor election funds – ABC Radio Australia, 29 May
Australia is providing almost $US300, 000 for electoral bodies in East Timor.

The funds will be used for a wide range of activities including updating the voter registration roll, revision of the electoral laws and planning and conducting voter and civic education as well as preparation for the local elections.

The funds will be allocated by Australia's overseas aid program, AusAID.

AusAID, a key partner of United Nations Development Program in East Timor, last year provided around $1.25 million for the 2007 elections.

East Timor to use oil fund to stabilize prices – Reuters (India), 29 May

DILI, May 29 (Reuters) - East Timor will use a fraction of its oil fund worth over $2 billion to protect the poor from rising food and fuel prices, Prime Minister Xanana Gusmao said on Thursday.

Gusmão said he would take three percent from the fund to stabilize prices and to import rice, fuel and construction materials. The oil fund was created from revenue earned from the country's oil and gas sector in 2005 in order to amass money for future generations of Timorese.

Gusmão said the government decided to use a portion of the money, which is deposited in a U.S. bank, because some countries had not made good on their promises to provide aid.

"We are ashamed if we keep asking donors to give us money to resolve our problems," he told reporters. "Sometimes they renege on their promises."

East Timor, one of the world's poorest countries, is vulnerable to rising food prices in the international market because it relies on imports for nearly 60 percent of its rice needs.

Indonesia occupied East Timor for 23 years before the former Portuguese colony voted in favour of independence in a United Nations-sponsored ballot in 1999.

As Asia's youngest nation, the country is still struggling to achieve stability despite its rich oil and gas resources.


Intervening in conflict-ridden states – seattlepi.com (The Economist), 29 May

Nearly seven years after the toppling of the Taliban, Afghanistan's future is still up for grabs. Despite tens of thousands of foreign troops, and billions of dollars in aid, the country remains stricken by poverty and insurgency.

Kabul seems like the capital of an occupied country. Foreign diplomats and United Nations officials are forbidden to walk the streets alone, because of the risk of kidnap; so they cruise behind the tinted windows of their four-wheel-drives. Many big roads are concrete anti-terrorist obstacle courses.

After recent suicide bombings in the capital, it too is a front line.

Afghanistan's troubles are, of course, unique, especially in the viciousness and extent of its continuing insurgency, most often compared with Iraq's. But this is in fact only one of four foreign interventions in conflict-ridden states in Asia in recent years. The others -- in Cambodia, Timor-Leste and Nepal -- offer revealing parallels with Afghanistan.

Perhaps the clearest of all is that, despite the huge difficulties it presents -- in Afghanistan above all -- holding an election is the easy part.

Voters have consistently surprised observers with their enthusiasm, their maturity and their refusal to be cowed by the threat of violence. This was movingly so in a parliamentary election in Cambodia in 1993; in a referendum on independence in the then East Timor in 1999 and in its constituent-assembly and presidential elections in 2001-02; and in this year's constituent-assembly election in Nepal.

But the losing party in Cambodia's election responded by threatening the future of the peace process and then muscled its way back into government, where it still sits.

The referendum in East Timor was followed by an orgy of Indonesia-inspired arson, looting and violence. The elections there led to an unstable government and to renewed violence in 2006. Following Nepal's election, to the surprise and alarm of many observers, the Maoists have emerged as the biggest single party.

In Afghanistan, parliament houses many of the warlords who have wreaked such havoc in the country. As one veteran observer laments, a crucial mistake was made at the outset: not allowing the government and its foreign supporters a monopoly on the means of violence.

Another point in common to all four places is made by a senior U.N. official: that, in these rebuilding exercises, the outside world always tends to neglect the importance of "justice." Understandably, in the interests of reconciliation and peace, there is a reluctance to countenance a confrontational settling of accounts.

In Cambodia it was only last year, after most of the Khmer Rouge leaders had died, that trials began of those who survived. In Timor-Leste, inquiries into past atrocities have not been allowed for fear of jeopardizing relations with Indonesia; it has been deemed better to forget than to forgive. In Nepal, both the Maoists and the former royal army have strong reason to want to avoid any probe into their past behavior.

Similarly in Afghanistan, there has been no accountability for past crimes. Nor can there be: the government relies on the support of some of those who stand accused of war crimes.

That is in part a consequence of the government's most glaring weakness: the shortage of literate, capable, honest people to staff an administration. The lament repeated by every section of the foreign community is about the lack of "human capital," or, if the speaker is feeling self-accusatory, about the failure of "capacity- building."

This too is a problem familiar from, for example, Cambodia and East Timor -- warfare and hardship wreck education systems and send millions into exile. If they come back at all, after peace returns, there is little financial or other incentive for the talented ones to work for the government.

Most find it more attractive to work for the U.N., or foreign governments and charities -- and so it is easier for the foreigners to do the jobs themselves. But they risk leaving behind them a dangerous vacuum, or perhaps worse: never being able to leave at all.


EAST TIMOR/INDONESIA: Reconciliation at the Cost of Justice? – IPS, 30 May

(IPS) - East Timor President Jose Ramos Horta's decision to pardon those involved in the 1999 killings, and the violent incidents of 2006, has thrown a shadow over the fledgling country's justice system and efforts at reconciliation with former occupiers Indonesia.

"The president's decision will influence people’s minds about the judicial system... how serious crimes committed can be pardoned," said Casmiro Dos Santos, acting director of JSMP, a local non-government organisation (NGO) that monitors human rights and justice in East Timor.

Horta used his presidential prerogative to "grant pardons and commute sentences after consultation with the government". A decree was delivered on May 20 coinciding with the tiny nation's sixth anniversary of independence.

The pardon applies to Rogerio Lobato, former interior minister in the Fretilin government, imprisoned because of his involvement in arms distribution to civilians in 2006.

Seven former militia members who were involved in the 1999 killings that followed the vote for independence and the retreat of Indonesia's armed forces from East Timor were also pardoned.

One of these is Joni Marques, leader of the Tim Alfa militia, who viciously attacked a car full of nuns and priests in the Los Palos sub- district of Lautem in the eastern side of East Timor. Marques was jailed for 33 years in 2001 in the country's first trial for crimes against humanity.

In all, 94 listed prisoners were given full or partial pardon by Horta.

According to the criteria written in the presidential decree, those eligible to get their sentences halved need to have completed a quarter of the sentence. But Lobato served time for less than two months and then flew to Malaysia for health treatment.

By not recognizing the bloody events that took place in 1999 and the involvement of Indonesia's military in them, both countries have made the reconciliation process meaningless, say critics.

After East Timor declared its independence in late 1975 it was invaded and occupied by Indonesia only to relinquish control in 1999, following a U.N.-sponsored referendum.

Among the politicians who have expressed reservations over the pardon policy is Fernanda Borges, president of the minority pro-justice party PUN. "There are no systems in place to judge whether the person has behaved, whether the person has contributed to giving further information to help the judicial process, and what the victims' response to this is," she said.

"All this needs to be weighed very carefully so that we don't create a perception . . . that there is impunity in this country, that you can do whatever you want, you can kill people, have human rights violations and be pardoned by the president,'' Borges was quoted as saying at a briefing.

But what many find troubling is that Indonesia's military has not embraced the reforms adopted by other government institutions. The United Nations' Committee against Torture report on Indonesia, released mid-May, found widespread use of torture and routine ill-treatment of suspects in police custody. "The state should not establish nor engage in any reconciliation mechanism that promoted amnesties for perpetrators of acts of torture, war crimes or crimes against humanity," the U.N. body recommended.

2 comentários:

h correia disse...

Escandalosa, a entrega de 3/4 do terreno arável de TL a uma empresa indonésia durante 100 anos.

Tudo negociado em segredo pelo Governo da "AMP". Até Mário Carrascalão se manifestou contra!

Tinha esperança que o Engº M. Carrascalão saísse da "AMP", por notória monopolização da dupla "CNRT"-PD em relação aos outros partidos, mas receio que ele não tenha coragem.

A "AMP" já só existe no papel; vai tendo cada vez menos apoio dos partidos que a constituiram. Mas continua a governar e, neste caso, a vender descaradamente a terra timorense a uma empresa indonésia.

Seria oportuno perguntar aos apoiantes incondicionais de Xanana se esta negociata não lhes faz impressão. Que diriam eles se o protegonista fosse Alkatiri?

Margarida disse...

Tradução:
UNMIT Revista Diária dos Media - 30 Maio 2008
(Relatos de notícias internacionais e extractos dos media nacionais. A UNMIT não garante a correcção dos relatos)

UNMIT celebra Dia Internacional dos capacetes azuis – Timor Post, Diario Nacional e Televisaun Timor-Leste

A Missão Integrada da ONU em Timor-Leste (UNMIT) celebrou o 60º aniversário da Manutenção da Paz na Quinta-feira (29/5) em Dili.

A comemoração foi atendida pelo PR José Ramos-Horta, PM Xanana Gusmão, Proclamador da Independência de Timor-Leste Francisco Xavier do Amaral, Representante Especial do Secretário-Geral (SRSG) Atul Khare, outros líderes de topo de Timor-Leste o corpo diplomático.

Durante o seu discurso, SRSG Atul Khare prestou homenagem aos que perderam a vida para guardar a paz.

“É sempre difícil aceitarmos a perda daqueles que amamos. Mas quando as famílias choram por um esposo, pai, irmão ou filho que morreram numa terra distante que muitos nunca visitaram, é simplesmente inimaginável. Rezo pela paz de todos os que morreram ao serviço das Nações Unidas pela causa da paz e estabilidade de Timor-Leste e pela coragem dos seus familiares e amigos,” afirmou o SRSG Khare.

O Presidente José Ramos-Horta disse aos presentes que está contente por se juntar à cerimónia para celebrar o 60º Dia dos Capacetes Azuis em Timor-Leste.

“Faz 60 anos desde que a ONU começou a enviar homens e mulheres, os capacetes azuis, para muitas nações.

Hoje é dia para prestar homenagem a todos os capacetes azuis no mundo, especialmente os que estão em Timor-Leste, ao lado do pessoal civil e pessoal Timorense que, na consulta popular, morreram e sofreram como capacetes azuis da ONU,” disse o PR Ramos-Horta.

A cerimónia incluiu canções e actuações por crianças das escolas e músicos locais, e uma récita de poesia. Grupos religiosos principais ofereceram orações.


Mário Carrascalão: pede ao Governo para cancelar MOU MAF-Indonésio – Televisaun Timor-Leste

O deputado do PSD Mário Carrascalão pediu ao Governo para cancelar o Memorando de Entendimento (MOU) assinado entre o Ministério da Agricultura, Florestas e Pescas (MAF) e o Governo Indonésio.

Na Segunda-feira passada no Parlamento Nacional Mário disse que o MOU era um acordo secreto que não beneficia a população.

“Pedimos que o MOU seja cancelado porque assinaram-no secretamente. Não deve haver uma lei que seja feita apenas para interesse do Governo. Não concordamos de maneira alguma com eles para vender a terra à Indonésia, conforme está afirmado no MOU que TL dará uma concessão à Indonésia por dois anos para usar 100,000 hectares de terra,” disse o Sr. Carrascalão.

Em resposta a isto, o secretário permanente do Ministério da Agricultura disse que o acordo não era secreto porque os jornalistas foram convidados para a assinatura.

“Este acordo não é secreto. Queremos apenas dizer que em 15 Janeiro de 2008 quando assinámos o MOU, isso foi testemunhado por muitos jornalistas e também emitido pela TVTL que o Ministério da Agricultura tinha assinado um MOU com uma companhia chamada "GT. Leste Birotec,” explicou Lourenço Borges Fontes.

Acrescentou que este acordo pode ser cancelado se não houver actividade desde o tempo da assinatura até agora.


PM Xanana: o Governo não tem autoridade para regular os preços do mercado internacional – Diario Nacional Televisaun Timor-Leste

Depois do encontro semanal com o Presidente Horta no Farol na Quinta-feira (29/5), o Primeiro-Ministro Xanana Gusmão disse que o Governo não tem autoridade para regular os preços porque isso depende do mercado internacional.

“Suponham que o preço no mundo é regulado, o preço do arroz nas nações que produzem arroz está marcado, o preço do petróleo está regulado e não precisam de me perguntar porque tudo baixará por si próprio. Timor Leste é um país pequeno que depende das flutuações de países estrangeiros. Se o preço aumenta nos países estrangeiros sofremos o mesmo no nosso país. assim não compete ao governo de Timor-Leste normalizar o preço porque esta crise está a afectar todas as nações no mundo”, disse o PM Xanana.


TL presta homenagem a capacetes azuis da ONU – Radio Timor-Leste

TL presta homenagem a Capacetes Azuis da ONU que sacrificaram as suas vidas nas missões da ONU em nações em conflito, incluindo TL (Horta).

Prestamos a nossa homenagem a todos os membros da ONU que sacrificaram as suas vidas ao serviço da paz em nações em conflito à volta do mundo. Sérgio Vieira de Mello e os seus colegas morreram em Baghdad (Iraque), por causa dos esforços da ONU para manter a paz e estabilidade no mundo,” disse o PR Horta depois da comemoração do 60º aniversário da Manutenção de Paz da ONU em Balide, Dili na Quinta-feira (29/5).


Governo: vai tirar 3% dos fundos do petróleo como subsídios sociais – Radio Timor-Leste

O Primeiro-Ministro Xanana disse que o governo tirará 3% dos fundos do petróleo para subsidiar programas sociais.

“A crise alimentar é uma questão mundial, não apenas em TL. O governo deve alocar fundos para responder às necessidades da sociedade,” disse o PM Xanana durante um encontro com o Presidente Horta no palácio do governo ontem (29/5).

MSS: plano para ter departamento para proteger os direitos das crianças – Radio Timor-Leste

A Ministra da Solidariedade Social Maria Domingas Alves disse na Quinta-feira (29/5) em Delta Nova, Comoro que o Ministério da Solidariedade Social criará um novo programa e plano para estabelecer um departamento para proteger os direitos da criança. O departamento focar-se-à nos que fugiram, em crianças que precisam de protecção de abusos dentro de casa e nas que enfrentam violência.


Padre Martinho: Paz para a violência – Diario Nacional

O Director da Paz e Justiça da Diocese de Baucau, padre Martinho Gusmão disse que apenas a paz pode parar a violência no mundo, especialmente em Timor-Leste. A comemoração do 60º Aniversário da Manutenção da Paz da ONU foi importante para construir unidade e paz no mundo, como as missões da ONU em Timor-Leste têm mostrado nos últimos anos.

“Com este tipo de cerimónias podemos trabalhar muito para construir a paz. A paz não se sustém sozinha – está sempre lado a lado com a justiça e a unidade para determinar o destino do povo e deste país,” disse o padre Martinho na cerimónia do Dia dos Capacetes Azuis da ONU em Balide, Dili na Quinta-feira (29/5)


Perdão a Rogério: Deputados pedem ao PR Horta para retirar a sua declaração – Suara Timor Lorosa’e

Membros do Parlamento Nacional estão a pedir ao Presidente José Ramos-Horta para retirar as suas declarações em relação ao perdão ao antigo Ministro do Interior Rogério Tiago Lobato nas quais disse que muitos familiares de Rogério morreram pela libertação do país.

“O presidente devia dar um perdão com base na sua autoridade não porque a família de alguém morreu durante a luta,” disse o deputado do CNRT Natalino dos Santos na Quinta-feira (29/5) no Parlamento Nacional.

O grande impacto [do perdão do presidente] está a criar um mau precedente na nação – não há base legal sobre a qual dar um perdão com base no número de membros da família que morreram durante a guerra.

O Presidente Ramos-Horta não comentou o pedido mesmo depois dos jornalistas o questionarem acerca do perdão e das suas declarações recentes

Laços Indonésia-Austrália: O que correu mal? – The Jakarta Post, 30 Maio

CANBERRA (JP): quando se aprofundou a crise de Timor em 1999, as relações entre a Austrália e a Indonésia azedaram, e depois deterioraram-se seriamente, agudamente e inesperadamente em Setembro-Outubro.

Depois duma década de expansão de aparência positiva e de ampla base, que se desenvolveram no que foi encarado como uma 'relação especial' emergente, esses dois meses testemunharam recriminações e antagonismo sem precedente.

Apesar de ter sido evitada uma briga aberta e formal, o arrefecimento das relações reflectiu-se em declarações públicas feitas ao mais alto nível.

O Presidente Habibie referiu-se no parlamento Indonésio à não bem vista 'interferência da Austrália nos assuntos Indonésios', ao mesmo tempo que o Primeiro-Ministro Howard falou da necessidade de afirmar os 'valores Australianos' na região em vez de se prostrar perante as políticas dos vizinhos, referindo (implicitamente) especialmente à Indonésia.

No centro da questão estava a crise em Timor-Leste. A extensa e quase instantânea cobertura pelos media internacionais electrónicos dos trágicos eventos em Timor, juntamente com a tendência de iluminarem reacções isoladas e extremas em ambos os países, elevou o sentimento da crise.

Isso contribuiu para respostas emocionais. Sindicatos Australianos boicotaram navios Indonésios e passageiros do Garuda foram assediados, bandeiras da Indonésia foram queimadas e o Embaixador Indonésio não pode entrar no seu gabinete durante mais duma semana.

Na Indonésia, em resposta, houve manifestações quase contínuas no exterior da embaixada Australiana. parecendo (a quem acreditasse nas imagens da TV) quase a raiar a violência.

Escritórios Australianos foram atacados e cidadãos Australianos ameaçados. No ponto mais baixo da relação no princípio de Outubro de 1999, os Indonésios viram a Austrália – de modo que parecia com demasiado entusiasmo -- a tomar a liderança na formação duma força multinacional, a UNAMET, para restaurar a ordem após a fúria das milícias no pós-referendo em Timor.

Mas muitos Indonésios viram os Australianos entrando zelosamente no 'território deles' como a maioria dos Indonésios viam então Timor-Leste), e comportando-se de modo militarista e belicoso -- o soldado Australiano armado em pé sobre o jovem Timorense sem defesa, por exemplo.

Como e porque é que descarrilou a relação com tanta facilidade e rapidez? E para onde vamos desde aqui?

Respostas a estas perguntas são importantes, não apenas para a Austrália e a Indonésia mas, em termos mais gerais – dado que os dois países são os poderes dominantes no Sul do Pacífico e no Sudeste da Ásia respectivamente – para a harmonia da região.

Não foram apenas as acções Australianas que zangaram muitos Indonésios. O estilo da Austrália foi intragável. A Indonésia esperava que o seu vizinho mostrasse alguma compreensão com a dificuldade de Jacarta (pelo menos as de um governo civil fraco), e que ajudasse a acalmar a situação.

Mas em vez disso a Austrália pareceu tomar a liderança na condenação da Indonésia. A voz da Austrália – seus media, seus políticos e seu povo – pareceu mais estridente que qualquer outra. Mesmo figuras Indonésias com ideias mais liberais e simpáticas, como Sarwono Kusumaatmadja e o jornalista Wimar Witoelar, viram as reacções Australianas como 'arrogantes' ou 'insensíveis', as suas palavras e acções mais parecidas com a de um poder colonial do que de um vizinho compreensivo.

Reciprocamente, em Setembro, os Australianos observavam cada noite na televisão o abuso dum povo pobre e inocente, cujo único 'crime' foi o de terem votado clara e decisivamente pela Independência.

Porque é que os todos poderosos militares da Indonésia não podiam assistir esse povo e controlar a violência, perguntavam os Australianos (e o mundo na verdade).

Porque é que o governo em Jakarta parecia ser tão parcial na resposta às criticas internacionais?

A causa imediata da tensão -- um processo de descolonização, oposto fortemente por elementos das forças militares Indonésias e igualmente apoiado fortemente por largos sectores da população Australiana, e pelos seus governos – que irrompeu em violência, era um problema difícil, como a maioria dos vizinhos nunca enfrentarão.

Num sentido, foi um crédito dos líderes de ambos os países que as relações diplomáticas se tivessem mantido abertas, apesar de muitos apelos domésticos para acção radical.

Mas para além da briga imediata, recriminações de má vontade e a proliferação de estereotipos revelaram que há ainda uma fundamental falta de entendimento das características nacionais e dos processos políticos em cada país – uma falta de entendimento que foi manipulada com demasiada facilidade por elementos malévolos em ambos os lados.

Entre essas caricaturas de cada um, os Indonésios vêem muitas vezes os Australianos como brancos, racistas, ricos, arrogantes, e possuindo uma propensão sem rival para pregar aos outros países.

Do outro lado, muitos Australianos continuam a ver a Indonésia (mesmo depois da queda de Soeharto) como corrupta, brutal, militarista, autoritária, e mantendo uma mão de ferro sobre relutantes cidadãos de cidadania não Javaneses nas províncias do leste.

Como em todas as caricaturas, há um elemento de verdade nestas visões. Mas como generalizações estão seriamente distorcidas. Muitos Australianos, especialmente nos media, falharam – ou não quiseram – reconhecer, as alargadas melhorias nos padrões de vida dos Indonésios desde meados do anos de 1960s, tanto através dos grupos socio-económicos como nas suas regiões mais afastadas.

Os Australianos tenderam também a prestar pouca atenção às profundas sensibilidades históricas e culturais. Nunca tendo sido uma colónia atingida pela pobreza, nunca tendo sido invadida por um poder estrangeiro, e nunca tendo tido de combater uma prolongada e sangrenta guerra de Independência, ma maioria dos Australianos não têm uma perspectiva histórica para compreender as sensibilidades Indonésias em questões chave.

O queimar de bandeiras, por exemplo, levanta poucas paixões na Austrália, contudo para a maioria dos Indonésios é uma acção altamente provocatória.

Com uma Independência duramente conquistadas apenas há duas gerações atrás, a destruição e a difamação de símbolos nacionais por um vizinho é bastante chocante para muitos Indonésios.

O facto dos Australianos serem predominantemente ricos e brancos, e culturalmente dispostos para expressões de opinião abertas e descaradas no estrangeiro – à imagem do estilo do debate doméstico – mais complica a questão. Esses erros de percepção trabalham em ambas as direcções, contudo. É verdade que a Austrália manteve uma política de imigração discriminatória até por volta dos anos 1970 (a chamada 'Política da Austrália Branca'), e que nos primeiros 180 anos da colonização Europeia o tratamento dos povos aborígenes foi desgraçado.

Mas as coisas mudaram muito na Austrália durante os últimos 30 anos. Agora a Austrália tem um programa de imigração aberto, não-discriminatório, igualado por muitos poucos países.

A transformação societal resultante tem sido rápida e pode-se argumentar que a Austrália é uma das sociedades multi-culturais mais vibrante do mundo.

O seu generoso programa de refugiados tem poucos paralelos, certamente nesta região. É verdade que este multi-racismo tem sido fortemente criticado em casa – o factor 'Pauline Hanson'.

Mas o programa da imigração continua a atrair apoio político bi-partidário. O partido Uma Nação está agora em declínio e nunca capturou votos numa escala comparável a partidos similares nos USA e na Europa.

É também verdade que a comunidade aborígene da Austrália (com cerca de 250,000 pessoas) têm padrões de vida inaceitáveis. Mas há muitos programas de ‘discriminação positiva' e os problemas da comunidade são abertamente reconhecidos e debatidos dentro e fora do governo.

Em adição, a Austrália continua a ser uma das maiores dadoras da Indonésia, incluindo um generoso programa de bolsas de estudo. Apoiou fortemente o esforço de auxílio financeiro internacional no início da crise económica e apesar da austeridade fiscal em casa; o valor real da ajuda tem sido mantido no geral.

O rendimento per capita da Austrália está agora abaixo quer do de Singapura quer do de Hong-Kong, nenhum deles dá ajuda à Indonésia.

A imprensa Australiana é muitas vezes vista como um factor de complicação nas relações bilaterais. Aqui é fácil entender a raiva dos Indonésios: em tempos recentes, a maneira extraordinariamente má educada e de má vontade como foi entrevistado o embaixador Indonésio numa rede comercial e como a equipa dos 60 Minutes caminhou estupidamente num 'campo de minas' perguntando como é que Timorenses numa fila votariam no referendo.

Em termos mais gerais, muitos jornalistas Australianos, com o pensamento único focado nos direitos humanos, Timor-Leste e corrupção, falharam espantosamente na apresentação duma imagem equilibrada da complexidade da Indonésia.

Não há dúvida que, certo ou errado, o assassínio de cinco jornalistas em Balibo em finais de 1975 contribuiu para esta hostilidade da imprensa para com a Indonésia. Mas, enquanto o espanto Indonésio é bastante compreensível, aqui também a questão não condescende com generalizações gerais. Tem havido alguns muito bons jornalistas Australianos na Indonésia, particularmente nos media impressos.

O às vezes controlo de mão pesada da Indonésia aos media antagonizou desnecessariamente a imprensa estrangeira (e obviamente a doméstica). E os problemas com a imprensa Australiana cresceram em parte da proximidade e familiaridade.

O New York Times, Guardian de Londres, a imprensa Holandesa, a BBC e a CNN têm sido muitas vezes tão críticos quanto as publicações Australianas. Mas como não há tantos, e não relatam tantas vezes, as tensões não foram tão grandes.


O 60º aniversário da Manutenção da Paz da ONU – The Manila Times, 29 Maio

Por Ban Ki-moon, Secretário-Geral da ONU

(Durante mais de 50 anos, os Filipinos enviaram centenas de tropas além-mar para manutenção de paz no cumprimento das suas obrigações internacionais. Desde a Coreia do Sul nos anos de 1950s para Timor-Leste na década de ‘00’, soldados Filipinos e oficiais da polícia, sob os auspícios das Nações Unidas, tomaram parte em missões humanitárias para manter a paz e ajudar a reconstrução em países antes devastados pela guerra. Prestamos-lhes homenagem neste dia, o 60º ano da manutenção da paz da ONU.)

Este ano, o Dia Internacional dos Capacetes Azuis da ONU anual, marca também o 60º aniversário do Dia da Manutenção da Paz da ONU. Há seis décadas atrás, o Conselho de Segurança estabeleceu a nossa primeira missão de manutenção da paz. A maioria dos capacetes azuis vieram duma mão cheia de países Europeus e Americanos e eram na sua maioria homens militares desarmados a observar e a monitorizar linhas de cessar-fogo.

Desde então, a manutenção da paz desenvolveu-se numa iniciativa de navio de bandeira da nossa Organização. Hoje, temos mais de 110,000 homens e mulheres destacados em zonas de conflito à volta do mundo. Vêem de quase 120 países — um recorde de sempre, reflectindo confiança na manutenção da paz das Nações Unidas. Vêem de nações grandes e pequenas, ricas e pobres — alguns deles de países recentemente atingidos por guerras eles próprios. Trazem culturas e experiências diferentes para a tarefa, mas estão unidos na sua determinação de fomentar a paz. Alguns usam uniforme mas muitos são civis e as suas actividades vão muito além da monitorização.

Formam polícias, desarmam ex-combatentes, apoiam eleições e ajudam a construir instituições do Estado. Constroem pontes, reparam escolas, assistem vítimas de inundações e protegem mulheres da violência sexual. Apoiam direitos humanos e promovem igualdade de género. Braças aos seus esforços, assistência humanitária salvadora de vidas pode ser desenvolvida e o desenvolvimento económico pode começar.

No ano passado, visitei capacetes azuis na África, Ásia, Médio Oriente e Caraíbas. Vi refugiados a voltarem a casa, crianças a regressarem às escolas, cidadãos mais uma vez seguros sob o primado da lei. Vi sociedades inteiras a moverem-se, com a ajuda dos capacetes azuis, da devastação para o rejuvenescimento . No Haiti, na Libéria, na República Democrática do Congo os capacetes azuis deram espaço de respiração para uma paz frágil se aguentar.

Não podíamos fazer esta tarefa sem os nossos parceiros nas organizações regionais. A União Africana e a ONU estão a destacar a nossa primeira força híbrida no Darfur. E estamos a trabalhar com a União Europeia no vizinho Chad e na República Central Africana.

Mais de metade de todos os nossos Estados Membros contribuem com tropas e polícias para as operações de manutenção da paz. Estamos gratos a todos e a cada um deles. Os nossos agradecimentos especiais vão para os contribuidores de topo: Paquistão, Índia, Bangladesh, Nigéria e Nepal. Juntas, estas nações do sul contribuem com perto de metade dos capacetes azuis da ONU.

Este aniversário é uma ocasião para celebrar, mas também para chorar os nossos colegas caídos. Nestas seis décadas, mais de dois mil e quatrocentos homens e mulheres morreram servindo a causa da paz. Apenas no ano passado, perdemos 87 corajosos indivíduos.

Cada um é um herói. Hoje, recomprometemo-nos nós próprios a assegurar que os seus sacrifícios nunca são esquecidos e que o trabalho vital dos capacetes azuis continua enquanto for necessário.


Austrália dá fundos para eleições em Timor-Leste – ABC Radio Australia, 29 Maio
A Austrália iestá a dar quase $US300, 000 para os órgãos eleitorais em Timor-Leste.

Os fundos serão usados para uma grande variedade de actividades incluindo a actualização do registo do recenseamento eleitoral, a revisão das leis eleitorais e o planeamento e condução da educação dos eleitores e cívica bem como a preparação para as eleições locais.

Os fundos serão alocados pelo programa de ajuda além-mar da Austrália, AusAID.

A AusAID, um parceiro chave do Programa de Desenvolvimento da ONU em Timor-Leste, no ano passado deu cerca de $1.25 milhões para as eleições de 2007.

Timor-Leste vai usar fundo do petróleo para estabilizar preços – Reuters (Índia), 29 Maio

DILI, Maio 29 (Reuters) – Timor-Leste usará uma fracção do seu fundo de petróleo que vale mais de $2 biliões para proteger os pobres da subida dos preços dos combustíveis e alimentos, disse o Primeiro-Ministro Xanana Gusmão na Quinta-feira.

Gusmão disse que vai tirar três por cento do fundo para estabilizar preços e importar arroz, combustíveis e materiais de construção. O fundo do petróleo foi criado de rendimentos ganhos pelo sector do petróleo e gás do país em 2005 de modo a juntar dinheiro para as futuras gerações de Timorenses.

Gusmão disse que o governo decidiu usar uma porção do dinheiro, que está depositado num banco nos USA, porque alguns países não cumpriram as suas promessas de ajuda.

"Estamos envergonhados se continuamos a pedir aos dadores para nos darem dinheiro para resolver os nossos problemas," disse ele aos repórteres. "Às vezes eles renegam as suas promessas."

Timor-Leste, um dos mais pobres países do mundo, é vulnerável ao crescimento dos preços dos alimentos no mercado internacional porque se apoia em importações para quase 60 por cento das suas necessidades de arroz.

A Indonésia ocupou Timor-Leste durante 23 anos antes da antiga colónia Portuguesa ter votado a favor da independência num referendo patrocinado pelas Nações Unidas em 1999.

Sendo a mais nova nação da Ásia, o país está ainda a lutar para alcançar a estabilidade apesar dos seus ricos recursos de petróleo e gás.


Intervindo em Estados que sofrem conflitos – seattlepi.com (The Economist), 29 Maio

Quase sete anos depois de derrubar os Talibans, o futuro do Afeganistão está ainda por decidir. Apesar de dezenas de milhares de tropas estrangeiras e de biliões de dólares em ajuda, o país mantém-se atingido pela pobreza e insurgência.

Kabul parece a capital dum país ocupado. Diplomatas estrangeiros e funcionários da ONU estão proibidos de caminhar sozinhos na rua, por causa dos riscos de rapto; por isso passam por detrás das janelas pintadas nos seus jeeps. Muitas estradas principais são corridas de obstáculos anti-terroristas de cimento.

Depois de recentes ataquessuicídas na capital, ela está também numa linha da frente.

Os problemas no Afeganistão são, obviamente únicos, especialmente pela crueldade e extensão da sua continuada insurgência, muitas vezes comparadas com o Iraque. Mas está é de facto apenas uma das quatro intervenções estrangeiras em Estados que sofrem conflitos na Ásia nos últimos anos. Os outros -- no Cambodja, Timor-Leste e Nepal – oferecem paralelos reveladores com o Afeganistão.

Talvez o mais claro disto tudo, apesar das enormes dificuldades que isso apresenta – principalmente no Afeganistão – realizar eleições é a parte fácil.

Os eleitores têm consistentemente surpreendido os observadores com o seu entusiasmo, a sua maturidade e a sua recusa em se amedrontarem com ameaças de violência. Assim foi comoventemente nas eleições parlamentares no Cambodja em 1993; nem referendo para a independência em Timor-Leste em 1999 e nas suas eleições para a assembleia constituinte e presidenciais em 2001-02; e este ano nas eleições para a assembleia constituinte no Nepal.

Mas o partido perdedor nas eleições no Cambodja respondeu ameaçando o futuro do processo da paz e depois forçou a sua entrada no governo, onde ainda está.

O referendo em Timor-Leste foi seguido por uma orgia inspirada pela Indonésia de fogos postos, pilhagens e violência. Lá as eleições levaram a um governo instável e à renovação da violência em 2006. Depois das eleições no Nepal, para surpresa e alarme de muitos observadores, os Maoistas emergiram como o maior partido.

No Afeganistão, o parlamento abriga muitos dos senhores da guerra que desencadearam tanto caos no país. Como lamenta um observador veterano, fez-se um erro crucial no princípio: não autorizar o governo e os seus apoiantes estrangeiros um monopólio dos meios de violência.

Um outro posto em comum a todos os quatro lugares é feito por um funcionário da ONU: que, nesses exercícios de reconstrução, o mundo exterior tende sempre a negligenciar a importância da "justiça." Compreensivelmente, no interesse da reconciliação e paz, há uma relutância para estimular uma resolução de contas confrontacional.

No Cambodja foi apenas no ano passado, depois da maioria dos líderes do Khmer Rouge terem morrido, que começaram os julgamentos dos que sobreviveram. Em Timor-Leste, inquéritos a atrocidades no passado não foram autorizadas por receio de pôr em risco relações com a Indonésia; foi considerado melhor esquecer do que perdoar. No Nepal, ambas as forças dos Maoistas e do antigo rei têm razões fortes para quererem evitar qualquer investigação ao seu comportamento passado.

Similarmente no Afeganistão, não tem havido responsabilização para crimes passados. Nem pode haver: o governo apoia-se no apoio de alguns que são acusados de crimes de guerra.

Isso acontece em parte como consequência da fraqueza mais que evidente do governo: a carência de gente letrada, capaz, honesta na administração. O lamento repetido por cada secção da comunidade estrangeira é acerca da falta de "capital humano," ou, se o orador se sente auto-acusador, acerca do falhanço de "capacidade de construção."

Isto também é um problema familiar de, por exemplo, Cambodja e Timor-Leste – a guerra e as dificuldades danificam os sistemas de educação e mandam milhões para o exílio. Se eles acabam por regressar, depois da paz voltar, há poucos incentivos, financeiros ou outros para os talentosos trabalharem para o governo.

A maioria acha mais atraente trabalhar para a ONU, ou governos estrangeiros e caridades – e assim é mais fácil para os próprios estrangeiros fazerem o trabalho. Mas arriscam deixar para trás um vácuo perigoso, ou talvez pior: nunca serem capazes de partir.


TIMOR-LESTE/INDONÉSIA: Reconciliação à custa da Justiça? – IPS, 30 Maio

(IPS) – A decisão do Presidente de Timor-Leste José Ramos Horta de perdoar os envolvidos nos assassínios de 1999, e nos violentos incidentes de 2006, atirou uma sombra sobre o sistema da justiça da jovem nação e nos esforços de reconciliação com a antiga ocupante Indonésia.

"A decisão do presidente influenciará as mentes das pessoas acerca do sistema judicial... sobre como crimes graves cometidos podem ser perdoados," disse Casimiro dos Santos, director em exercício do JSMP, uma ONG local que monitorisa direitos humanos e justiça em Timor-Leste.

Horta usou a sua prerrogativa presidencial para "dar perdões e comutar penas depois de consultar o governo". Fez um decreto em 20 de Maio coincidindo com o sexto aniversário da independência da pequena nação.

O perdão aplica-se a Rogério Lobato, antigo ministro do interior no governo da Fretilin, preso por causa do seu envolvimento na distribuição de armas em 2006.

Sete antigos membros das milícias que estiveram envolvidos nos assassínios de 1999 que se seguiram ao referendo da independência e à retirada das forças armadas da Indonésia de Timor-Leste foram também perdoados.

Um desses é Joni Marques, líder da milícia Tim Alfa, que cruelmente atacou um carro cheio de freiras e padres no sub-distrito de Los Palos de Lautem na parte leste de Timor-Leste. Marques foi condenado a 33 anos em 2001 no primeiro julgamento no país por crimes contra a humanidade.

No total, foram dados a 94 presos perdões totais ou parciais por Horta.

De acordo com os critérios escritos no decreto presidencial, os elegíveis para terem metade das sentenças perdoadas precisaram de ter completado um quarto da pena. Mas Lobato serviu menos de dois meses e depois voou para a Malásia para tratamento médico.

Ao não reconhecer os eventos sangrentos que ocorreram em 1999 e o envolvimento dos militares da Indonésia neles, ambos os países tornaram sem significado o processo da reconciliação, dizem os críticos.

Depois de Timor-Leste ter declarado a sua independência no fim de 1975 foi invadido e ocupado pela Indonésia apenas para perder o controlo em 1999, depois dum referendo patrocinado pela ONU.

Entre os políticos que expressaram reservas sobre a política de perdões está Fernanda Borges, presidente do partido minoritário pró-justiça PUN. "Há sistemas para julgar se a pessoa se comportou, se a pessoa contribuiu para dar mais informações para ajudar o processo judicial, e qual a resposta das vítimas a isto," disse ela.

"Tudo isto tem de ser pesado com muita cautela para não criarmos a percepção . . . de que há impunidade neste país, que se pode fazer o que se quiser, que se pode matar, fazer violações aos direitos humanos e ser-se perdoado pelo presidente,'' disse Borges num encontro.

Mas o que muitos acham perturbados é que os militares da Indonésia não abraçaram as reformas adoptadas por outras instituições do governo. O relatório do Comité contra a Tortura da ONU sobre a Indonésia emitido em meados de Maio, conclui sobre o uso alargado da tortura e maus tratamentos de rotina de suspeitos em custódia da polícia. "O Estado não devia estabelecer ou engajar-se em mecanismos de reconciliação que promovam amnistias para perpetradores de actos de tortura, crimes de guerra ou crimes contra a humanidade," recomendou o órgão da ONU.

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.