segunda-feira, maio 12, 2008

East Timorese resistance fighter - "Naldo Rei"

Sunday, 4 May 2008
Presenter: Monica Attard

A tale of East Timor’s struggle for independence through the eyes of child resistance fighter – Naldo Rei.
MONICA ATTARD: Hello, you've joined Sunday Profile and I'm Monica Attard. This week we're speaking to Naldo Rei, whose personal account of growing up amid East Timor's clandestine resistance movement has just been published in Australia.

Naldo Rei was just a baby when the Fretilin political party declared independence and Indonesian troops stormed into his country and his family fled into the jungle.

In only the second book to be published in English about first hand experiences of life during the Indonesian occupation, his book 'Resistance' is about a childhood lost, a father murdered, imprisonment and repeated torture at the hands of the Indonesian security forces.

Eventually, Naldo Rei was in too much danger and he fled, to all places, to Jakarta, where he tried to attract international attention to the cause of the East Timorese. Finally, he saw the birth of a new nation from Australia.
In the jungle he used to ask his parents, though, about the sound of the gunshots.

NALDO REI: My question was why, you know when I hear this, the bullets, or this, the sound of shooting, why people disappear everyday and that's the question that come to my mind. This mean that if you wield guns or shooting, this means that's killing people or just take away people's life. This has always come to my question and come to my mind. And I keep asking my parents.

MONICA ATTARD: And what were they telling you?
NALDO REI: They didn't answer anything.

MONICA ATTARD: They didn't know or they didn't want to upset the children?
NALDO REI: They, they, they knew. They knew what happened, but they don't want to upset me, especially because as a child my life is not supposed to listen to the weapons or guns or shooting or killing.

MONICA ATTARD: And your parents were Fretilin supporters?
NALDO REI: Yes.

MONICA ATTARD: And what did they do? Were they active members of Fretilin? What did they do to support Fretilin?
NALDO REI: They help in they doing, ah, they provide the food, clothes and traditional medicine to help the guerrilla fighter.

MONICA ATTARD: Do you remember when you were captured by the Indonesians?
NALDO REI: Yes. Because, um, we were surround early in the morning. Somehow we heard a lot of shooting around, around us. And we didn't know what happened. And somehow they come surround us. We were living in the cave, it's called Kuru He'e Henu Cave. And they capture us and they took us to Indonesian headquarters in Lospalos. And they put my family away and then only leave the kids in a big hall in, um, in Indonesian Army headquarters, Lospalos.

MONICA ATTARD: For how long?
NALDO REI: For three months.

MONICA ATTARD: For three months?
NALDO REI: Yes.

MONICA ATTARD: So did you see your parents in that time?
NALDO REI: No.

MONICA ATTARD: No. And were you treated well?
NALDO REI: Well they, they treat us - they treat us well. But as kids you need the family to be around. But they teach us how to write and read, the Indonesian Army.

MONICA ATTARD: And eventually they forced you back to your village?
NALDO REI: Yes.

MONICA ATTARD: With your mum and dad?
NALDO REI: Yes.

MONICA ATTARD: And, ah, but they were monitoring your activities?
NALDO REI: Yes. They keep, because they - when we went to - before they release us, they release us to live in, it's called, um, Missao Fuiloro. It's a school of - agricultural school in Lospalos. So they move us there until, um, it's 1980 or something like that, for six months, living there as well]. And then they move us to our village.

MONICA ATTARD: I believe that secretly your mother and father continued to support the independence movement?
NALDO REI: Yes.

MONICA ATTARD: And the Indonesians eventually found out?
NALDO REI: Yes.

MONICA ATTARD: And what happened?
NALDO REI: Because my father, he was the leader of the community and also in my tradition he's a kin, generation kin in my family. He saw something was wrong, this mean why Indonesian Army come and kill us. So he have to establish, organise these people to go against, to support Fretilin Group, follow into the jungle and fight against the Indonesian Army, by different strategy, especially clandestine movement. And later on they found out that my father was involved in the movement, so they took him, with his friend - five of his friends and then kill all of them.

MONICA ATTARD: Do you remember when he was taken?
NALDO REI: Yes. I was nine to - almost nine to ten.

MONICA ATTARD: So you would remember that, sort of ...?
NALDO REI: Yeah, he was killed in the 11 March in 1985 and six months later I tried to find my father, where he's gone. So I went to all the Indonesian headquarters in Lospalas area asking, 'Where is my father?' and they said, that the father, 'We don't know. We don't know your father'.

MONICA ATTARD: Did you ever find out what happened?
NALDO REI: Yeah, just six months later after I left, because they capture me and they release me.

MONICA ATTARD: And why do they - how did they capture you? Why did they capture you?
NALDO REI: They capture me because I went to ask the headquarter, the Indonesian Army headquarter, 'Where is my father?' I was looking for my father.

MONICA ATTARD: So they took you?
NALDO REI: Yeah they took me. And then later I decide, oh I have to join with the guerrilla fighter.

MONICA ATTARD: And what did they do to you when they caught you?
NALDO REI: They torture me for two weeks. And they keep asking me my involvement in the struggle, in the real stuff.

MONICA ATTARD: And this is at the age of nine?
NALDO REI: Of nine, yeah.

MONICA ATTARD: What were they doing? What was the torture?
NALDO REI: They torture me, they using electrocute to shock me. They using razor to cut my body and they ask me where is all the Falintil guerrilla fighter. But I said, 'I have no idea. I don't know anything. But I come here to find my father'.

MONICA ATTARD: Did you ever find out how they had killed him?
NALDO REI: Because I never ever go to, you know, his funeral. So, but the witness told me that, you know, they cut his - his neck and well his body. So they just dump into the cave.

MONICA ATTARD: At the age of nine or ten, that would have had an immense impact on you?
NALDO REI: Impact a lot to me, but I understand the consequences of war. The consequences of - of being resistant or resistance fighter. To fight against Indonesian Army or to defence your people and also the land of East Timor, you have to sacrifice yourself even if it's death. But at least one day East Timor will be free.

MONICA ATTARD: And when you say you became a resistance fighter at the age of nine or ten, what did that mean? What were you doing? What did you have to do?
NALDO REI: I mean I have to fight in different ways. I don't have to go fight with the weapons or guns. But we have a three front struggle: diplomatic, clandestine movement and also army movement. So because I living in Dili or in Timor, so I have to using my network, clandestine network, to organise, to work with the resistance movement - other resistant movement and support the guerrilla fight in the jungle.

MONICA ATTARD: And I believe that you acted as a courier as a young boy?
NALDO REI: Yes, yes.

MONICA ATTARD: Between which parties?
NALDO REI: Between clandestine to guerrilla fighter in the jungle.

MONICA ATTARD: Right. So you were taking messages from the city, from Dili?
NALDO REI: From Dili to the jungle.

MONICA ATTARD: To the jungle?
NALDO REI: Yes.

MONICA ATTARD: Alone?
NALDO REI: Yes.

MONICA ATTARD: And how do you do that? How did you know your way?
NALDO REI: Because we have a really good connection and different structure, different level.

MONICA ATTARD: So there were people every step of the way, who were supporters?
NALDO REI: Yes.

MONICA ATTARD: Who were helping you?
NALDO REI: Yes.

MONICA ATTARD: And guiding you?
NALDO REI: Yeah, guiding me.

MONICA ATTARD: Do you remember being scared?
NALDO REI: I never scared. Because when they start - kill my father, my fear of a scare or fear of something it disappear. I just go ahead and then to find out why my father was killed.

MONICA ATTARD: And obviously you knew the jungle didn't you?
NALDO REI: Yes.

MONICA ATTARD: You were quite at home in the jungle?
NALDO REI: Yes, yes.

MONICA ATTARD: So that wasn't a problem for you?
NALDO REI: No. I mean I know the consequences of war.

MONICA ATTARD: You met Xanana Gusmao?
NALDO REI: Yes.

MONICA ATTARD: How old were you when you first met him?
NALDO REI: I was seventeen or sixteen when I met him. I met him in Dili and also to Lospalos.

MONICA ATTARD: What sort of impression did he make on you?
NALDO REI: You know I was a young boy. You met a guerrilla fighter, the top one, you're really proud of. This mean that you are the person that he trusts or other leaders trust you to organise his trip and try to hide him and try to be a messenger. So this means that he trusts you and I was really proud of him.

MONICA ATTARD: But how did he show you that he was a brave man?
NALDO REI: Well because I been receive his letter a couple of times and I been receive his message, you know, through to a recording cassette sent to me, I listen to him and I - how to work with him and how to deal with the Indonesian Army. So that's why I know how you ...

MONICA ATTARD: And is that how he sent messages out to Fretilin supporters?
NALDO REI: Yes, Fretilin supporters.

MONICA ATTARD: So it was kind of like an underground ...
NALDO REI: An underground movement.

MONICA ATTARD: ... an underground movement of information?
NALDO REI: Yes.

MONICA ATTARD: Which would be passed on from one person to another?
NALDO REI: Yes. To another person.

MONICA ATTARD: Yeah. And as a young man you heard those tapes?
NALDO REI: Yes. And then I distribute to other people, especially.

MONICA ATTARD: Now a bloody time in your fight, that a lot of our listeners will remember, is the massacre at Santa Cruz?
NALDO REI: Yes.

MONICA ATTARD: Did you see that massacre?
NALDO REI: Yes. Yes. Because I was involved in that massacre.

MONICA ATTARD: How were you involved?
NALDO REI: Because I was, ah, Xanana had sent me tapes to organise the demonstration at the 12th of November. So I distribute his tape record to all different organisation, political organisation. So I have to be part of that too.

MONICA ATTARD: And because of your role in helping to organise that protest you were arrested?
NALDO REI: Yes.

MONICA ATTARD: And tortured again?
NALDO REI: Yes.

MONICA ATTARD: What did they do to you then? What was the torture?
NALDO REI: It's really, really bad. They torture me. They pulled all my toenails, my fingernails and they torture me. They hit me with an iron pipe and they shock me with electrocute - electrocute and it's horrible, horrible. They tied me upside down and they tortured me for every day.

MONICA ATTARD: For how long?
NALDO REI: For two weeks.

MONICA ATTARD: And then what happened?
NALDO REI: They moved me to 'Iron Prison'. This is called Balidu Prison but we always call it 'Iron Prison' because it's really dark there inside. You can't see anything. There is no sound. You can't hear anything, anybody. But the only - between your prison cells to all the friends, but you can't see anyone, anybody's face.

MONICA ATTARD: And how long did you remain there?
NALDO REI: I was living there for 59 days. And then they move me to a prison in Aileu district.

MONICA ATTARD: But eventually you were released from prison?
NALDO REI: Yes.

MONICA ATTARD: And you became an informant for the Indonesians?
NALDO REI: Yes.

MONICA ATTARD: They thought you were an informant?
NALDO REI: Yes.

MONICA ATTARD: But you weren't really?
NALDO REI: No.

MONICA ATTARD: No. Tell me about that, what happened?
NALDO REI: When you being released by Indonesian Army you have to sign a letter. You have to agree that you will be - accept the Indonesian flag. You will be working with the Indonesian Army to reveal all your friend, all your connection, to Indonesian Army so they can capture them. It has to be - everybody have to agree that, you know, East Timor is a part of Indonesia as a 27th province. But no-one can change our mind to be part of Indonesia.

MONICA ATTARD: But I imagine that the Indonesians would have known that in forcing people like you to sign those documents and agree to become informants, that you weren't really going to do it?
NALDO REI: No, because I - why I have to do it? Because if you force me and then it strengthen me to fight back. And then when you force people you know that you're going to - it's more, create a resistance opposite to Indonesia.

MONICA ATTARD: Was there a sense amongst those of your friends and people in the underground movement, that in signing that agreement that you were kind of also signing your own death warrant, that people might have not trusted you?
NALDO REI: Because they capture me so many times and I never reveal any of my friends.

MONICA ATTARD: So people knew that you wouldn't betray them?
NALDO REI: No. Even the top clandestine leaders I never betray them. Because I say that I prefer die than them because I am the young boy, I am nothing. But if kill one of my top leader and then the struggle will be finished.

MONICA ATTARD: You then got out of East Timor didn't you? You got to Jakarta.
NALDO REI: Yes.
MONICA ATTARD: Why did you go to Jakarta? How did that happen?

NALDO REI: Well I was asked by clandestine leader, Sabalae. He asked me to go to jungle first and I went to the jungle for almost a month. But I was a little bit sick and then they sent me back. And then they said, 'Okay you have to go to Jakarta and work with the Solidarity Group' in Jakarta. To change the situation in East Timor you have to change the people of Indonesia first so they can involve our resistance groups too for free East Timor.

MONICA ATTARD: You've worked very, very closely with the pro-democracy activists and who occupied the Dutch Embassy as well didn't you?
NALDO REI: Yes, yes.
MONICA ATTARD: On Xanana Gusmau's orders?
NALDO REI: Yes, yes.

MONICA ATTARD: What do you remember of that? Were you there at the occupation?
NALDO REI: Yes. Because I was the leader, spokesperson, of the occupation, I mean the demonstration in 7th December of 1995. We want to show to international community that the struggle of, for free East Timor is not only us, but Indonesian people itself. Because they knew that something was wrong in East Timor. Why have to be killed everyday? And that's why they support us to - to show international community that Indonesian people themselves, they don't agree with the Suharto decision to invade East Timor.

MONICA ATTARD: What do you remember about that day?
NALDO REI: It was - it's really tough because you are, we call, you are in the mouth of the tiger that can swallow you any time, especially Indonesian Army. Well we organise and then Xanana order me to organise and also with other people, to organise the '95, 7th December demonstration in Russian Embassy and also in Dutch Embassy, including Indonesian Solidarity Group. And we organise and three, three days in Dutch Embassy, but every day they just, the Indonesian Military and also Indonesian, um, also called, um, gangster in Indonesian Army, they come and they throw rocks to the Embassy and then hit the Embassy and oh it was really bad.

MONICA ATTARD: And blamed the East Timorese?
NALDO REI: Yeah. The East Timorese. They say that we are their betrayer and Horta is bad and Xanana is bullshit, don't believe Xanana or Horta. And, but and then they destroy the Embassy.

MONICA ATTARD: You say that the Indonesians were the ones who did the damage to the Dutch Embassy?
NALDO REI: Yeah Indonesian, Indonesian - Indonesian Army. Especially Kopassus.

MONICA ATTARD: Were they actually in the building whilst the protesters were in the building?
NALDO REI: Yes. In the building, yeah.

MONICA ATTARD: And that wasn't recognised by the Dutch authorities?
NALDO REI: They recognised, but they couldn't do anything at the time. So even they hit the Ambassador until his head was bleeding and...

MONICA ATTARD: And you say that was Kopassus?
NALDO REI: Yes.

MONICA ATTARD: Did your perception of the Indonesians change when you were in Jakarta?
NALDO REI: Yes.

MONICA ATTARD: How and why?
NALDO REI: Because East Timorese case and also Indonesian case, we have a different boat but same destiny. This means that Indonesian people under dictatorship for 32 years and there are no democracy in Indonesia themselves. And I believe that the movement of pro democracy movement in Indonesia growing every day. Why we don't have to - why we have to sit down in silence to live in a horror place for 32 years?

MONICA ATTARD: So do you believe that average Indonesians, the ones that you came across in Jakarta, supported Timorese independence?
NALDO REI: Yes. Because they hid me for 2½ years. And I know and I work with them.

MONICA ATTARD: So it was the problem clearly of Kopassus and the Indonesian authorities?
NALDO REI: Yeah it's only - the problem is the Army not the people.

MONICA ATTARD: And you know I suppose the - what happened at the Dutch Embassy,
do you think that the Dutch allowed the Indonesians in?
NALDO REI: Yes. I think they are scared of the Indonesian Army at the same time. Because they can't shoot the embassies, it mean that you invade the country, if you - because the embassies are representing the country, but if you invade it this mean that you are a traitor and invade the country as well. Why Dutch Embassy - what they allowed the Indonesian Army to enter the office and they capture ...

MONICA ATTARD: Why?
NALDO REI: I don't know. Capture us.

MONICA ATTARD: So do you think that there was some sort of conspiratorial agreement between the Dutch and the Indonesians?
NALDO REI: We don't know, but I believe so.

MONICA ATTARD: You think so?
NALDO REI: Yeah. And they capture us and then they didn't give me - they interrogate me for 24 hours. It is lucky that, you know, um, international community know about our protest. So they press on Indonesian Government to release us.

MONICA ATTARD: As a result of all of this you managed to get out of Indonesia didn't you?
NALDO REI: Yes.

MONICA ATTARD: How did you get out?
NALDO REI: Because my situation was, you know, I had been working with Indonesian Solidarity Group and also I'd been in, publicly against the Indonesian occupation. They were looking for me, search me everywhere, targeting Indonesian group. They call us a so called communist. But whoever trouble them or make a problem or against the Indonesian authority they say that trouble maker or communist. So they label any people who are against the Indonesian regime. So I was not safe in Jakarta so that's why I left.

MONICA ATTARD: Until you came to Australia?
NALDO REI: Yes.

MONICA ATTARD: A final question. What hope do you hold now for East Timor, given what we've seen recently with an assassination attempt on your top leadership, Xanana Gusmao and José Ramos-Horta, what hope do you hold now?
NALDO REI: I - my, personally I against any kind of violence. Shooting the president this mean you shoot the people of East Timor. Even if we have a different idea, different ideology or different opinion, that doesn't mean you have to shoot him. And we own the independence once. Nobody can change it. So even the rebel leaders they try to destroy the country, but I believe that people are wanting independence, that's all they want. And now the leaders should sit down together to solve the problem, because as you know that we are inexperienced. Inexperienced for when Indonesian time - Indonesian time, we have no skills. For example in the independence movement they have no skills to run the country. And now we have to say to everyone that, you know, no violence and we hope that, you know, the problem will be solved by our leaders.

MONICA ATTARD: Do you think they can solve it?
NALDO REI: Yes, I believe. Because why we have to live in the horror in our situation, and we need peace in this country, and we need the development in this country. We have a bright future. That's what we fought for. The young generation will restore peace and stability in East Timor.

MONICA ATTARD: And that was Naldo Rei, a child resistance fighter of East Timor.
Next week a special interview with the Prime Minister of the Solomon Islands, Dr Derek Sikua on the task of bringing stability to his country, ridding it of corruption and of convincing Australia to give his people the right to work here.

Thanks for listening. But before I go, can I direct you to our website at www.abc.net.au/sundayprofile where you can download a transcript of this program and indeed all our other programs and you can also get a pod cast. And if you like, whilst you're there, click on the email icon and send us a note. I'm Monica Attard, thanks for listening. Thanks also to our producer Belinda Sommer

[This message was distributed via the east-timor news list. For info on how to subscribe send a blank e-mail to info@etan.org. To support ETAN see http://etan.org/etan/donate.htm ]

Tradução:

Combatente da resistência Timorense - "Naldo Rei"

Domingo, 4 Maio 2008
Apresentadora: Monica Attard

Uma história da luta pela independência de Timor-Leste através dos olhos do filho dum combatente da resistência – Naldo Rei.

MONICA ATTARD: Olá, juntaram-se ao Sunday Profile e eu sou Monica Attard. Esta semana estamos a falar com Naldo Rei, cujo relato pessoal de crescer no meio do movimento clandestino de resistência de Timor-Leste acabou de ser publicado na Austrália.

Naldo Rei era apenas um bébé quando o partido político Fretilin declarou a independência e as tropas Indonésias invadiram o seu país e a sua família fugiu para o mato.

Apenas no segundo livro que vai ser publicado em Inglês sobre as suas experiências em primeira mão da vida durante a ocupação Indonésia, o seu livro 'Resistência' é sobre uma infância perdida, um pai assassinado, preso e repetidamente torturado às mãos das forças de segurança Indonésias.

Eventualmente, Naldo Rei estava em demasiado perigo e fugiu, para todo o lado, para Jacarta, onde tentou atrair a atenção internacional para a causa Timorense. Finalmente, viu da Austrália o nascimento duma nova nação.
No mato costumava perguntar aos pais, de qualquer modo, acerca do som dos tiros.

NALDO REI: A minha pergunta era porquê, sabe quando ouço isto, as balas, ou isto, o som de tiros, porque é que todos os dia desaparecem pessoas e é essa a pergunta que vem à minha mente. Isso significa que quando se empunha armas ou se dispara, isso significa matar pessoas ou apenas tirar a vida às pessoas. Isso veio sempre nas minhas perguntas e na minha mente. E eu continuava a perguntar aos meus pais.

MONICA ATTARD: E o que é que eles respondiam?
NALDO REI: Nunca responderam nada.

MONICA ATTARD: Eles não sabiam ou eles não queriam preocupar os filhos?
NALDO REI: Eles, eles, eles sabiam. Eles sabiam o que acontecia, mas não me queriam preocupar, especialmente porque sendo criança na minha vida não era suposto ouvir as armas ou os tiros ou as mortes.

MONICA ATTARD: E os seus pais eram apoiantes da Fretilin?
NALDO REI: Sim.

MONICA ATTARD: E o que é que eles faziam? Eram membros activos da Fretilin? O que é que eles faziam para apoiar a Fretilin?
NALDO REI: Faziam à moda deles, ah, arranjavam comida, roupas e remédios tradicionais para ajudar os combatentes da guerrilha.

MONICA ATTARD: Lembra-se quando foi capturado pelos Indonésios?
NALDO REI: Sim. Porque, um, fomos cercado cedo na manhã. De certo modo ouvimos muitos tiros à volta, à nossa volta. E não sabíamos o que acontecia. E de certo modo eles vieram e cercaram-nos. Estávamos a viver na gruta, chamava-se a Gruta Kuru He'e Henu. E eles capturaram-nos e levaram-nos para o Quartel-General Indonésio em Lospalos. E puseram a minha família separada e depois deixaram os miúdos numa grande sala em, um, no Quartel-General das Forças Armadas Indonésias em Lospalos.

MONICA ATTARD: Durante quanto tempo?
NALDO REI: Durante três meses.

MONICA ATTARD: Durante três meses?
NALDO REI: Sim.

MONICA ATTARD: E durante esse tempo viu os seus pais?
NALDO REI: Não.

MONICA ATTARD: Não. E foi bem tratado?
NALDO REI: Bem eles, eles trataram-nos – eles trataram-nos bem. Mas os miúdos precisam da família à volta. Mas eles ensinaram-nos a escrever e a ler, as Forças Armadas Indonésias.

MONICA ATTARD: E acabaram de vos forçar a voltar para a vossa aldeia?
NALDO REI: Sim.

MONICA ATTARD: Com a sua mãe e pai?
NALDO REI: Sim.

MONICA ATTARD: E, ah, mas eles estavam a monitorizar as vossas actividades?
NALDO REI: Sim. Eles continuaram, porque eles – quando fomos – antes de nos libertarem, eles libertaram-nos para vivermos em, é chamado, um, Missão Fuiloro. É uma escola - uma escola agrícola em Lospalos. Então mudaram-nos para lá, um, nos anos de 1980 ou à volta disso, durante seis anos, vivendo lá, também]. E depois mudaram-nos para a nossa aldeia.

MONICA ATTARD: Penso que secretamente a sua mãe e pai continuaram a apoiar o movimento da independência?
NALDO REI: Sim.

MONICA ATTARD: E os Indonésios acabaram por descobrir?
NALDO REI: Sim.

MONICA ATTARD: E o que é que aconteceu?
NALDO REI: Porque o meu pai, ele era o líder da comunidade e também na minha tradição ele é um familiar, uma geração familiar na minha família. Ele viu que havia algo errado, isso significa porque é que as Forças Armadas Indonésias vieram e mataram-nos. Por isso ele teve de estabelecer, organizar esse povo para lutar, para apoiar o Grupo da Fretilin, seguirem para o mato e lutarem contra as Forças Armadas Indonésias, por uma estratégia diferente, especialmente o movimento clandestino. E mais tarde eles descobriram que o meu pai estava envolvido no movimento, então pegaram nele, com cinco amigos – cinco dos seus amigos e depois mataram-nos a todos.

MONICA ATTARD: Lembra-se quando o apanharam?
NALDO REI: Sim. Eu tinha nove a – quase de nove a dez.

MONICA ATTARD: Então lembra-se disso, parece ...?
NALDO REI: Yeah, ele foi morto em 11 de Março em1985 e seis meses mais tarde eu tentei encontrar o meu pai, aonde ele tinha ido. Por isso fui a todos os quartéis-generais Indonésios na área de Lospalas a perguntar, 'Onde está o meu pai?'e eles disseram, que o pai, 'Não sabemos. Não conhecemos o teu pai'.

MONICA ATTARD: Alguma vez descobriu o que aconteceu?
NALDO REI: Yeah, logo seis meses mais tarde depois de ter partido, porque capturaram-me e libertaram-me.

MONICA ATTARD: E porque é que eles -como é que o capturaram? Porque é que o capturaram a si?
NALDO REI: Eles capturaram-me quando fui perguntar ao quartel-general, ao quartel-general das Forças Armadas Indonésias, 'Onde está o meu pai?' Eu andava à procura do meu pai.

MONICA ATTARD: Então eles apanharam-no?
NALDO REI: Yeah eles apanharam-me. E depois mais tarde eu decidi, oh eu decidi juntar-me com os combatentes de guerrilha.

MONICA ATTARD: E o que é que fizeram a si quando o apanharam?
NALDO REI: Eles torturaram-me durante duas semanas. E continuaram a perguntar-me sobre o meu envolvimento na luta, na coisa real.

MONICA ATTARD: E isto tendo nove anos de idade?
NALDO REI: Nove, yeah.

MONICA ATTARD: O que é que eles faziam? O que era a tortura?
NALDO REI: Eles torturaram-me, eles usaram electrocução para me darem choques. Eles usaram lâminas para me cortarem o corpo e continuaram a perguntar-me onde estavam todos os combatentes de guerrilha da Falintil. Mas eu disse, Não tenho ideia nenhuma. Não sei de nada. Mas eu vim aqui para encontrar o meu pai'.

MONICA ATTARD: Descobriu alguma vez como é que eles o mataram?
NALDO REI: Porque eu nunca fui, sabe, ao seu funeral. Então, mas a testemunha disse-me que, sabe, eles cortaram o seu – o seu pescoço e também o seu corpo. Depois apenas o despejaram dentro da gruta.

MONICA ATTARD: Na idade de nove ou dez anos, isso teria tido um impacto imenso em si?
NALDO REI: Teve um enorme impacto em mim, mas eu compreendo as consequências da guerra. As consequências de – de ser resistente ou combatente da resistência. Para lutar contra as Forças Armadas Indonésias ou para defender o seu povo e também a terra de Timor-Leste, temos de nos sacrificarmos nós próprios mesmo se isso levar à morte. Mas pelo menos um dia Timor-Leste será livre.

MONICA ATTARD: E quando diz que se tornou um combatente da resistência na idade de nove ou dez anos, o que é que isso significa? O que é que fazia? O que é que tinha de fazer?
NALDO REI: Quero dizer que tive de lutar de maneiras diferentes. Não tenho de ir lutar com armas ou espingardas. Mas temos uma luta de três frentes: diplomática, movimento clandestino e também o movimento armado. Então porque vivia em Dili ou em Timor, por isso tenho de usar a minha rede, rede clandestina, para organizar, para trabalhar com o movimento da resistência – outro resistente do movimento e apoiar a luta da guerrilha no mato.

MONICA ATTARD: E creio que trabalhou como correio em rapaz?
NALDO REI: Sim, sim.

MONICA ATTARD: Entre que partes?
NALDO REI: Entre os clandestinos e os combatentes da guerrilha no mato.

MONICA ATTARD: Certo. Então levava mensagens da cidade, de Dili?
NALDO REI: De Dili para o mato.

MONICA ATTARD: Para o mato?
NALDO REI: Sim.

MONICA ATTARD: Sozinho?
NALDO REI: Sim.

MONICA ATTARD: E como é que fazia isso? Como é que sabia o caminho?
NALDO REI: Porque tínhamos uma conexão muito boa e estruturas diferentes, níveis diferentes.

MONICA ATTARD: Então havia jovens em cada passo do caminho, que eram apoiantes?
NALDO REI: Sim.

MONICA ATTARD: Que o ajudavam?
NALDO REI: Sim.

MONICA ATTARD: E o guavam?
NALDO REI: Yeah, guiavam-me.

MONICA ATTARD: Lembra-se de ter medo?
NALDO REI: Nunca tive medo. Porque quando eles começaram – mataram o meu pai, o meu medo do medo ou medo de qualquer coisa desapareceu. Eu apenas fui em frente e depois para descobrir porque é que o meu pai foi morto.

MONICA ATTARD: E obviamente conhecia o mato, não é verdade?
NALDO REI: Sim.

MONICA ATTARD: Estava bastante à vontade no mato?
NALDO REI: Sim, sim.

MONICA ATTARD: então isso não era um problema para si?
NALDO REI: Não. Quero dizer, eu conheço as consequências da guerra.

MONICA ATTARD: Encontrou-se com Xanana Gusmão?
NALDO REI: Sim.

MONICA ATTARD: Que idade tinha a primeira vez que se encontrou com ele?
NALDO REI: Tinha dezassete ou dezasseis quando me encontrei com ele. Encontrei-me com ele em Dili e também em Lospalos.

MONICA ATTARD: Que tipo de impressão ele lhe fez?
NALDO REI: Sabe, eu era um jovem. Uma pessoa encontra-se com um combatente da guerrilha, o do topo, fica-se realmente orgulhoso. Isso significa que se é a pessoa em que ele confia ou que outros líderes confiam em nós para organizar a sua viagem e tentar escondê-lo e tentar ser um mensageiro. Então isso significa que ele confia em nós e eu estava realmente muito orgulhoso dele.

MONICA ATTARD: Mas como é que ele lhe mostrou que era um homem corajoso?
NALDO REI: Bem, porque eu estava a receber as suas cartas um par de vezes e tinha estado a receber mensagens dele, sabe, através duma cassette gravada que ele me mandou, eu ouvi-o e eu – como trabalhar com ele e como lidar com as Forças Armadas Indonésias. É assim por isso que eu sabia como ...

MONICA ATTARD: E era assim que ele mandava mensagens para os apoiantes da Fretilin?
NALDO REI: Sim, apoiantes da Fretilin.

MONICA ATTARD: Então era uma espécie de clandestino ...
NALDO REI: Um movimento clandestino.

MONICA ATTARD: ... um movimento clandestino de informação?
NALDO REI: Sim.

MONICA ATTARD: Que seria passado duma pessoa para outra?
NALDO REI: Sim. Para outra pessoa.

MONICA ATTARD: Yeah. E sendo jovem ouvia essas gravações?
NALDO REI: Sim. E depois distribuia para outras pessoas, especialmente.

MONICA ATTARD: Agora, uma altura sangrenta na sua luta, que muitos dos nossos ouvintes lembrarão, é o massacre em Santa Cruz?
NALDO REI: Sim.

MONICA ATTARD: Viu esse massacre?
NALDO REI: Sim. Sim. Porque eu estive envolvido nesse massacre.

MONICA ATTARD: Como é que esteve envolvido?
NALDO REI: Porque eu estava, ah, Xanana tinha enviado as gravações para organizar a manifestação no 12 de Novembro. Então eu distribuí a sua gravação a todas as diferentes organizações, organizações políticas. Por isso tive de ser parte daquilo também.

MONICA ATTARD: E por causa do seu papel a ajudar a organizar esse protesto foi preso?
NALDO REI: Sim.

MONICA ATTARD: E torturado outra vez?
NALDO REI: Sim.

MONICA ATTARD: O que é que eles lhe fizeram então? Qual foi a tortura?
NALDO REI: Foi realmente, realmente mau. Eles torturaram-me. Eles tiraram-me todas as unhas dos pés, as unhas dos dedos e torturaram-me. Bateram-me com um cano de ferroe deram-me choques eléctricos – choques eléctricos e isso é horrível, horrível. Eles ataram-me de cabeça para baixo e torturaram-me todos os dias.

MONICA ATTARD: Durante quanto tempo?
NALDO REI: Durante duas semanas.

MONICA ATTARD: E depois o que é que aconteceu?
NALDO REI: Eles mudaram-me para a 'Prisão de Ferro'. É chamada Prisão Balidu mas chamamos-lhe sempre 'Prisão de Ferro' porque é realmente escura lá dentro. Não se consegue ver nada. Não há nenhum som. Não se consegue ouvir nada, ninguém. Mas apenas – entre as celas da prisão para todos os amigos, mas não se consegue ver ninguém, a cara de ninguém.

MONICA ATTARD: E quanto tempo ficou lá?
NALDO REI: Estive lá 59 dias. E depois mudaram-me para uma prisão no distrito de Aileu.

MONICA ATTARD: Mas acabou por ser libertado da prisão?
NALDO REI: Sim.

MONICA ATTARD: E tornou-se um informador para os Indonésios?
NALDO REI: Sim.

MONICA ATTARD: Eles pensaram que era um informador?
NALDO REI: Sim.

MONICA ATTARD: Mas não era realmente?
NALDO REI: Não.

MONICA ATTARD: Não. Fale-me disso, o que é que aconteceu?
NALDO REI: Quando somos libertados pelas Forças Armadas Indonésias temos de escrever uma carta. Temos de concordar que teremos de – aceitar a bandeira Indonésia. Teremos de trabalhar com as Forças Armadas Indonésias para revelar todos os nossos amigos, todas as nossas conexões, para as Forças Armadas Indonésias para que possam capturá-los. Tem de ser – toda a gente tem de concordar com isso, sabe, Timor-Leste era uma parte da Indonésia como a província 27ª. Mas ninguém pode mudar a nossa mente para sermos parte da Indonésia.

MONICA ATTARD: Mas imagino que os Indonésios saberiam que ao forçar pessoas como você a assinar esses documentos e a concordar em tornarem-se informadores, não iam realmente fazer isso?
NALDO REI: Não, porque eu – porque é que eu tenho de fazer isso? Porque se me forçarem isso depois reforça-me para lutar contra. E depois quando se força as pessoas sabemos que iremos – ainda mais, criar una resistência oposta à Indonésia.

MONICA ATTARD: Havia um sentimento entre os seus amigos e as pessoas no movimento clandestino, que ao assinar esse acordo estava também como que a assinar o seu próprio mandato de morte, que as pessoas podiam não confiar em si?
NALDO REI: Porque eles capturaram-me tantas vezes e eu nunca revelei nenhum dos meus amigos.

MONICA ATTARD: Então as pessoas sabiam que não as trairia?
NALDO REI: Não. Mesmo os líderes clandestinos de topo eu nunca os trai. Porque eu digo que preferia morrer do que eles porque eu sou um rapaz, eu sou nada. Mas se eu matar um dos meus líderes de topo e então a luta acabará.

MONICA ATTARD: Depois saiu de Timor-Leste, não saiu? Foi para Jacarta.
NALDO REI: Sim.
MONICA ATTARD: Porque é que foi para Jacarta? Como é que isso aconteceu?

NALDO REI: Bem quem me pediu primeiro foi o líder clandestino, Sabalae. Ele pediu-me para ir para o mato primeiro e eu fui para o mato durante quase um mês. Mas fiquei um pouco adoentado e depois eles mandaram-me de volta. E depois dissseram, 'Okay tens de ir para Jacarta e trabalhar com o Grupo de Solidariedade em Jacarta. Para se mudar a situação em Timor-Leste tem que se mudar primeiro o povo da Indonésia para que possam envolver os nossos grupos da resistência também para libertar Timor-Leste.

MONICA ATTARD: Trabalhou muito, muito de perto com activistas pró-democracia e que depois também ocuparam a Embaixada Holandesa, não foi?
NALDO REI: Sim, sim.
MONICA ATTARD: Por ordens de Xanana Gusmão?
NALDO REI: Sim, sim.

MONICA ATTARD: Do que é que se lembra disso? Esteve lá na ocupação?
NALDO REI: Sim. Porque eu era o líder, o porta-voz da ocupação, quero dizer da manifestação em 7 de Dezembro de 1995. Queríamos mostrar à comunidade internacional que a luta, para libertar Timor-Leste não é apenas nossa, mas do próprio povo Indonésio. Porque eles sabiam que havia algo errado em Timor-Leste. Porque é que têm de matar todos os dias? E foi por isso que eles nos apoiaram - para mostrar à comunidade internacional que o próprio povo Indonésio, não concordava com a decisão de Suharto de invadir Timor-Leste.

MONICA ATTARD: Do que é que se lembra desse dia?
NALDO REI: Isso foi – foi realmente duro porque estávamos, como dizemos, na boca do tigre que nos pode engolir a qualquer altura, especialmente as Forças Armadas Indonésias. Bem, organizámos e depois Xanana ordenou-me que organizasse e também com outras pessoas, para organizar a manifestação de 7 de Dezembro de 95 na Embaixada Russa e também na Embaixada Holandesa, incluindo o Grupo de Solidariedade Indonésia. E nós organizámos e três, três dias na Embaixada Holandesa, mas em cada dia, eles apenas, as Forças Militares Indonésias e também Indonésios, um, também chamados, um, gangster nas Forças Armadas Indonésias, vieram e atiraram pedras à Embaixada e depois atingiram a Embaixada e foi realmente mau.

MONICA ATTARD: E culparam os Timorenses?
NALDO REI: Yeah. Os Timorenses. Diziam que os tínhamos atraiçoado e que Horta é mau e Xanana é uma treta, não acreditem em Xanana ou Horta. E depois eles destruíram a Embaixada.

MONICA ATTARD: Diz que foram os Indonésios que fizeram estragos na Embaixada Holandesa?
NALDO REI: Yeah Indonésios, Indonésios – Forças Armadas Indonésias. Especialmente o Kopassus.

MONICA ATTARD: Estavam eles actualmente no edifício no mesmo tempo que manifestantes estavam no edifício?
NALDO REI: Sim. No edifício, yeah.

MONICA ATTARD: E isso não foi reconhecido pelas autoridades Holandesas?
NALDO REI: Eles reconheceram, mas não podiam fazer nada na altura. Então atingiram mesmo o Embaixador até a cabeça dele sangrar e...

MONICA ATTARD: E diz que foi o Kopassus?
NALDO REI: Sim.

MONICA ATTARD: A sua percepção dos Indonésios mudou quando esteve em Jacarta?
NALDO REI: Sim.

MONICA ATTARD: Como e porquê?
NALDO REI: Porque o caso Timorense é também o caso Indonésio, estamos num barco diferente mas o mesmo destino. Isto significa que o povo Indonésio estava sob a ditadura há 32 anos e não há nenhuma democracia na própria Indonésia. E acredito que o movimento da pró-democracia na Indonésia se desenvolve cada dia. Porque é que não temos de – porque é que temos de ficar sentados em silêncio e viver num sítio de horror durante 32 anos?

MONICA ATTARD: Então acredita que os Indonésios comuns, os que encontrava em Jacarta, apoiavam a independência Timorense?
NALDO REI: Sim. Porque eles esconderam-me durante 2½ anos. E eu sei e trabalhei com eles.

MONICA ATTARD: Então isso era claramente o problema do Kopassus e das autoridades Indonésias?
NALDO REI: Yeah é apenas - o problema são as Forças Armadas, não o povo.

MONICA ATTARD: E sabe, suponho - o que aconteceu na Embaixada Holandesa, pensa que os Holandeses deixaram os Indonésios entrar?
NALDO REI: Sim. Eu penso que eles tinham medo das Forças Armadas Indonésias ao mesmo tempo. Porque eles não podem disparar contra embaixadas, isso significa que invadem o país, se se – porque as embaixadas representam o país, mas se se invade isso significa que se é um traidor e também invadiu o país. Porque é que a Embaixada Holandesa – autorizaram as Forças Armadas Indonésias a entrar no edifício e a capturarem-nos ...

MONICA ATTARD: Porquê?
NALDO REI: Não sei. Capturaram-nos.

MONICA ATTARD: Então pensa que houve um tipo de acordo conspirativo entre os Holandeses e os Indonésios?
NALDO REI: Não sabemos, mas eu acredito nisso.

MONICA ATTARD: Pensa isso?
NALDO REI: Yeah. E eles capturaram-nos e não me deram – eles interrogaram-me durante 24 horas. Tive sorte, sabe, um, a comunidade internacional soube do nosso protesto. Então eles pressionaram o Governo Indonésio para nos libertarem.

MONICA ATTARD: Em resultado disso tudo, conseguiu sair da Indonésia não foi?
NALDO REI: Sim.

MONICA ATTARD: Como é que saíu?
NALDO REI: Por causa da minha situação, sabe, Tinha estado a trabalhar com o Grupo de Solidariedade Indonésio e tinha também estado, publicamente contra a ocupação Indonésia. Eles andavam à minha procura, procuraram-me por todo o lado. Chamavam-nos comunistas. Mas fosse quem fosse que os incomodasse ou causasse problemas ou contra a autoridade Indonésia eles diziam que eram perturbadores ou comunistas. Assim eles rotulam qualquer pessoa que esteja contra o regime Indonésio. Assim não estava seguro em Jacarta foi por isso que parti.

MONICA ATTARD: Até vir para a Austrália?
NALDO REI: Sim.

MONICA ATTARD: Uma última pergunta. Que esperança tem agora por Timor-Leste, dado o que temos visto recentemente com a tentativa de assassínio na liderança de topo, Xanana Gusmão e José Ramos-Horta, que esperança tem agora?
NALDO REI: Eu pessoalmente sou contra qualquer tipo de violência. Balear o presidente isso significa disparar contra o povo de Timor-Leste. Mesmo se temos ideias diferentes, ideologias diferentes ou opiniões diferentes, isso não quer dizer que se tenha de disparar. E já obtivemos a independência. Ninguém pode mudar isso. Por isso mesmo os líderes amotinados tentaram destruir o país, mas eu acredito que o povo quer a independência, é tudo o que eles querem. E agora os líderes deviam sentar-se juntos para resolver o problema, porque como sabe nós somos inexperientes . Inexperientes desde o tempo dos Indonésios -no tempo dos Indonésios não obtivemos conhecimentos profissionais, não temos nenhuns conhecimentos profissionais. Por exemplo no movimento da independência eles não têm conhecimentos profissionais para dirigir o país. E agora temos de dizer a toda a gente isso, sabe, não à violência e esperamos que, sabe, o problema seja resolvido pelos nossos líderes.

MONICA ATTARD: Pensa que eles podem resolver isso?
NALDO REI: Sim, acredito. Porque, porque é que temos de viver no horror na nossa situação, e nós precisamos de paz neste país, e nós precisamos de desenvolvimento neste país. Nós temos um futuro brilhante. Foi por isso que lutámos. A jovem geração restaurará a paz e a estabilidade em Timor-Leste.

MONICA ATTARD: E este foi Naldo Rei, uma criança combatente da resistência de Timor-Leste.

Na próxima semana uma entrevista especial com o Primeiro-Ministro das Ilhas Solomão, Dr Derek Sikua na tarefa de levar estabilidade ao seu país, libertando-o da corrupção e para convencer a Austrália para dar ao seu povo o direito de trabalhar aqui.

Obrigado por escutarem. Mas antes de ir, posso encaminhá-los para o nosso website em www.abc.net.au/sundayprofileonde pode descarregar uma transcrição deste programa e também todos os nossos outros programas e obter também um pod cast. E e quiser, enquanto está aqui, click no ícone do email icon e mande-nos uma nota. Sou Monica Attard, obrigado por nos ouvir. Obrigada também à nossa produtora Belinda Sommer

[Esta mensagem foi distribuida via ta lista de notícias de timor-Lestet. Para informações sobre como subscrever envia um e-mail para info@etan.org. Para apoiar ETAN veja http://etan.org/etan/donate.htm ]

1 comentário:

M disse...

Tradução:
Combatente da resistência Timorense - "Naldo Rei"
Domingo, 4 Maio 2008
Apresentadora: Monica Attard

Uma história da luta pela independência de Timor-Leste através dos olhos do filho dum combatente da resistência – Naldo Rei.
MONICA ATTARD: Olá, juntaram-se ao Sunday Profile e eu sou Monica Attard. Esta semana estamos a falar com Naldo Rei, cujo relato pessoal de crescer no meio do movimento clandestino de resistência de Timor-Leste acabou de ser publicado na Austrália.

Naldo Rei era apenas um bébé quando o partido político Fretilin declarou a independência e as tropas Indonésias invadiram o seu país e a sua família fugiu para o mato.

Apenas no segundo livro que vai ser publicado em Inglês sobre as suas experiências em primeira mão da vida durante a ocupação Indonésia, o seu livro 'Resistência' é sobre uma infância perdida, um pai assassinado, preso e repetidamente torturado às mãos das forças de segurança Indonésias.

Eventualmente, Naldo Rei estava em demasiado perigo e fugiu, para todo o lado, para Jacarta, onde tentou atrair a atenção internacional para a causa Timorense. Finalmente, viu da Austrália o nascimento duma nova nação.
No mato costumava perguntar aos pais, de qualquer modo, acerca do som dos tiros.

NALDO REI: A minha pergunta era porquê, sabe quando ouço isto, as balas, ou isto, o som de tiros, porque é que todos os dia desaparecem pessoas e é essa a pergunta que vem à minha mente. Isso significa que quando se empunha armas ou se dispara, isso significa matar pessoas ou apenas tirar a vida às pessoas. Isso veio sempre nas minhas perguntas e na minha mente. E eu continuava a perguntar aos meus pais.

MONICA ATTARD: E o que é que eles respondiam?
NALDO REI: Nunca responderam nada.

MONICA ATTARD: Eles não sabiam ou eles não queriam preocupar os filhos?
NALDO REI: Eles, eles, eles sabiam. Eles sabiam o que acontecia, mas não me queriam preocupar, especialmente porque sendo criança na minha vida não era suposto ouvir as armas ou os tiros ou as mortes.

MONICA ATTARD: E os seus pais eram apoiantes da Fretilin?
NALDO REI: Sim.

MONICA ATTARD: E o que é que eles faziam? Eram membros activos da Fretilin? O que é que eles faziam para apoiar a Fretilin?
NALDO REI: Faziam à moda deles, ah, arranjavam comida, roupas e remédios tradicionais para ajudar os combatentes da guerrilha.

MONICA ATTARD: Lembra-se quando foi capturado pelos Indonésios?
NALDO REI: Sim. Porque, um, fomos cercado cedo na manhã. De certo modo ouvimos muitos tiros à volta, à nossa volta. E não sabíamos o que acontecia. E de certo modo eles vieram e cercaram-nos. Estávamos a viver na gruta, chamava-se a Gruta Kuru He'e Henu. E eles capturaram-nos e levaram-nos para o Quartel-General Indonésio em Lospalos. E puseram a minha família separada e depois deixaram os miúdos numa grande sala em, um, no Quartel-General das Forças Armadas Indonésias em Lospalos.

MONICA ATTARD: Durante quanto tempo?
NALDO REI: Durante três meses.

MONICA ATTARD: Durante três meses?
NALDO REI: Sim.

MONICA ATTARD: E durante esse tempo viu os seus pais?
NALDO REI: Não.

MONICA ATTARD: Não. E foi bem tratado?
NALDO REI: Bem eles, eles trataram-nos – eles trataram-nos bem. Mas os miúdos precisam da família à volta. Mas eles ensinaram-nos a escrever e a ler, as Forças Armadas Indonésias.

MONICA ATTARD: E acabaram de vos forçar a voltar para a vossa aldeia?
NALDO REI: Sim.

MONICA ATTARD: Com a sua mãe e pai?
NALDO REI: Sim.

MONICA ATTARD: E, ah, mas eles estavam a monitorizar as vossas actividades?
NALDO REI: Sim. Eles continuaram, porque eles – quando fomos – antes de nos libertarem, eles libertaram-nos para vivermos em, é chamado, um, Missão Fuiloro. É uma escola - uma escola agrícola em Lospalos. Então mudaram-nos para lá, um, nos anos de 1980 ou à volta disso, durante seis anos, vivendo lá, também]. E depois mudaram-nos para a nossa aldeia.

MONICA ATTARD: Penso que secretamente a sua mãe e pai continuaram a apoiar o movimento da independência?
NALDO REI: Sim.

MONICA ATTARD: E os Indonésios acabaram por descobrir?
NALDO REI: Sim.

MONICA ATTARD: E o que é que aconteceu?
NALDO REI: Porque o meu pai, ele era o líder da comunidade e também na minha tradição ele é um familiar, uma geração familiar na minha família. Ele viu que havia algo errado, isso significa porque é que as Forças Armadas Indonésias vieram e mataram-nos. Por isso ele teve de estabelecer, organizar esse povo para lutar, para apoiar o Grupo da Fretilin, seguirem para o mato e lutarem contra as Forças Armadas Indonésias, por uma estratégia diferente, especialmente o movimento clandestino. E mais tarde eles descobriram que o meu pai estava envolvido no movimento, então pegaram nele, com cinco amigos – cinco dos seus amigos e depois mataram-nos a todos.

MONICA ATTARD: Lembra-se quando o apanharam?
NALDO REI: Sim. Eu tinha nove a – quase de nove a dez.

MONICA ATTARD: Então lembra-se disso, parece ...?
NALDO REI: Yeah, ele foi morto em 11 de Março em1985 e seis meses mais tarde eu tentei encontrar o meu pai, aonde ele tinha ido. Por isso fui a todos os quartéis-generais Indonésios na área de Lospalas a perguntar, 'Onde está o meu pai?'e eles disseram, que o pai, 'Não sabemos. Não conhecemos o teu pai'.

MONICA ATTARD: Alguma vez descobriu o que aconteceu?
NALDO REI: Yeah, logo seis meses mais tarde depois de ter partido, porque capturaram-me e libertaram-me.

MONICA ATTARD: E porque é que eles -como é que o capturaram? Porque é que o capturaram a si?
NALDO REI: Eles capturaram-me quando fui perguntar ao quartel-general, ao quartel-general das Forças Armadas Indonésias, 'Onde está o meu pai?' Eu andava à procura do meu pai.

MONICA ATTARD: Então eles apanharam-no?
NALDO REI: Yeah eles apanharam-me. E depois mais tarde eu decidi, oh eu decidi juntar-me com os combatentes de guerrilha.

MONICA ATTARD: E o que é que fizeram a si quando o apanharam?
NALDO REI: Eles torturaram-me durante duas semanas. E continuaram a perguntar-me sobre o meu envolvimento na luta, na coisa real.

MONICA ATTARD: E isto tendo nove anos de idade?
NALDO REI: Nove, yeah.

MONICA ATTARD: O que é que eles faziam? O que era a tortura?
NALDO REI: Eles torturaram-me, eles usaram electrocução para me darem choques. Eles usaram lâminas para me cortarem o corpo e continuaram a perguntar-me onde estavam todos os combatentes de guerrilha da Falintil. Mas eu disse, Não tenho ideia nenhuma. Não sei de nada. Mas eu vim aqui para encontrar o meu pai'.

MONICA ATTARD: Descobriu alguma vez como é que eles o mataram?
NALDO REI: Porque eu nunca fui, sabe, ao seu funeral. Então, mas a testemunha disse-me que, sabe, eles cortaram o seu – o seu pescoço e também o seu corpo. Depois apenas o despejaram dentro da gruta.

MONICA ATTARD: Na idade de nove ou dez anos, isso teria tido um impacto imenso em si?
NALDO REI: Teve um enorme impacto em mim, mas eu compreendo as consequências da guerra. As consequências de – de ser resistente ou combatente da resistência. Para lutar contra as Forças Armadas Indonésias ou para defender o seu povo e também a terra de Timor-Leste, temos de nos sacrificarmos nós próprios mesmo se isso levar à morte. Mas pelo menos um dia Timor-Leste será livre.

MONICA ATTARD: E quando diz que se tornou um combatente da resistência na idade de nove ou dez anos, o que é que isso significa? O que é que fazia? O que é que tinha de fazer?
NALDO REI: Quero dizer que tive de lutar de maneiras diferentes. Não tenho de ir lutar com armas ou espingardas. Mas temos uma luta de três frentes: diplomática, movimento clandestino e também o movimento armado. Então porque vivia em Dili ou em Timor, por isso tenho de usar a minha rede, rede clandestina, para organizar, para trabalhar com o movimento da resistência – outro resistente do movimento e apoiar a luta da guerrilha no mato.

MONICA ATTARD: E creio que trabalhou como correio em rapaz?
NALDO REI: Sim, sim.

MONICA ATTARD: Entre que partes?
NALDO REI: Entre os clandestinos e os combatentes da guerrilha no mato.

MONICA ATTARD: Certo. Então levava mensagens da cidade, de Dili?
NALDO REI: De Dili para o mato.

MONICA ATTARD: Para o mato?
NALDO REI: Sim.

MONICA ATTARD: Sozinho?
NALDO REI: Sim.

MONICA ATTARD: E como é que fazia isso? Como é que sabia o caminho?
NALDO REI: Porque tínhamos uma conexão muito boa e estruturas diferentes, níveis diferentes.

MONICA ATTARD: Então havia jovens em cada passo do caminho, que eram apoiantes?
NALDO REI: Sim.

MONICA ATTARD: Que o ajudavam?
NALDO REI: Sim.

MONICA ATTARD: E o guavam?
NALDO REI: Yeah, guiavam-me.

MONICA ATTARD: Lembra-se de ter medo?
NALDO REI: Nunca tive medo. Porque quando eles começaram – mataram o meu pai, o meu medo do medo ou medo de qualquer coisa desapareceu. Eu apenas fui em frente e depois para descobrir porque é que o meu pai foi morto.

MONICA ATTARD: E obviamente conhecia o mato, não é verdade?
NALDO REI: Sim.

MONICA ATTARD: Estava bastante à vontade no mato?
NALDO REI: Sim, sim.

MONICA ATTARD: então isso não era um problema para si?
NALDO REI: Não. Quero dizer, eu conheço as consequências da guerra.

MONICA ATTARD: Encontrou-se com Xanana Gusmão?
NALDO REI: Sim.

MONICA ATTARD: Que idade tinha a primeira vez que se encontrou com ele?
NALDO REI: Tinha dezassete ou dezasseis quando me encontrei com ele. Encontrei-me com ele em Dili e também em Lospalos.

MONICA ATTARD: Que tipo de impressão ele lhe fez?
NALDO REI: Sabe, eu era um jovem. Uma pessoa encontra-se com um combatente da guerrilha, o do topo, fica-se realmente orgulhoso. Isso significa que se é a pessoa em que ele confia ou que outros líderes confiam em nós para organizar a sua viagem e tentar escondê-lo e tentar ser um mensageiro. Então isso significa que ele confia em nós e eu estava realmente muito orgulhoso dele.

MONICA ATTARD: Mas como é que ele lhe mostrou que era um homem corajoso?
NALDO REI: Bem, porque eu estava a receber as suas cartas um par de vezes e tinha estado a receber mensagens dele, sabe, através duma cassette gravada que ele me mandou, eu ouvi-o e eu – como trabalhar com ele e como lidar com as Forças Armadas Indonésias. É assim por isso que eu sabia como ...

MONICA ATTARD: E era assim que ele mandava mensagens para os apoiantes da Fretilin?
NALDO REI: Sim, apoiantes da Fretilin.

MONICA ATTARD: Então era uma espécie de clandestino ...
NALDO REI: Um movimento clandestino.

MONICA ATTARD: ... um movimento clandestino de informação?
NALDO REI: Sim.

MONICA ATTARD: Que seria passado duma pessoa para outra?
NALDO REI: Sim. Para outra pessoa.

MONICA ATTARD: Yeah. E sendo jovem ouvia essas gravações?
NALDO REI: Sim. E depois distribuia para outras pessoas, especialmente.

MONICA ATTARD: Agora, uma altura sangrenta na sua luta, que muitos dos nossos ouvintes lembrarão, é o massacre em Santa Cruz?
NALDO REI: Sim.

MONICA ATTARD: Viu esse massacre?
NALDO REI: Sim. Sim. Porque eu estive envolvido nesse massacre.

MONICA ATTARD: Como é que esteve envolvido?
NALDO REI: Porque eu estava, ah, Xanana tinha enviado as gravações para organizar a manifestação no 12 de Novembro. Então eu distribuí a sua gravação a todas as diferentes organizações, organizações políticas. Por isso tive de ser parte daquilo também.

MONICA ATTARD: E por causa do seu papel a ajudar a organizar esse protesto foi preso?
NALDO REI: Sim.

MONICA ATTARD: E torturado outra vez?
NALDO REI: Sim.

MONICA ATTARD: O que é que eles lhe fizeram então? Qual foi a tortura?
NALDO REI: Foi realmente, realmente mau. Eles torturaram-me. Eles tiraram-me todas as unhas dos pés, as unhas dos dedos e torturaram-me. Bateram-me com um cano de ferroe deram-me choques eléctricos – choques eléctricos e isso é horrível, horrível. Eles ataram-me de cabeça para baixo e torturaram-me todos os dias.

MONICA ATTARD: Durante quanto tempo?
NALDO REI: Durante duas semanas.

MONICA ATTARD: E depois o que é que aconteceu?
NALDO REI: Eles mudaram-me para a 'Prisão de Ferro'. É chamada Prisão Balidu mas chamamos-lhe sempre 'Prisão de Ferro' porque é realmente escura lá dentro. Não se consegue ver nada. Não há nenhum som. Não se consegue ouvir nada, ninguém. Mas apenas – entre as celas da prisão para todos os amigos, mas não se consegue ver ninguém, a cara de ninguém.

MONICA ATTARD: E quanto tempo ficou lá?
NALDO REI: Estive lá 59 dias. E depois mudaram-me para uma prisão no distrito de Aileu.

MONICA ATTARD: Mas acabou por ser libertado da prisão?
NALDO REI: Sim.

MONICA ATTARD: E tornou-se um informador para os Indonésios?
NALDO REI: Sim.

MONICA ATTARD: Eles pensaram que era um informador?
NALDO REI: Sim.

MONICA ATTARD: Mas não era realmente?
NALDO REI: Não.

MONICA ATTARD: Não. Fale-me disso, o que é que aconteceu?
NALDO REI: Quando somos libertados pelas Forças Armadas Indonésias temos de escrever uma carta. Temos de concordar que teremos de – aceitar a bandeira Indonésia. Teremos de trabalhar com as Forças Armadas Indonésias para revelar todos os nossos amigos, todas as nossas conexões, para as Forças Armadas Indonésias para que possam capturá-los. Tem de ser – toda a gente tem de concordar com isso, sabe, Timor-Leste era uma parte da Indonésia como a província 27ª. Mas ninguém pode mudar a nossa mente para sermos parte da Indonésia.

MONICA ATTARD: Mas imagino que os Indonésios saberiam que ao forçar pessoas como você a assinar esses documentos e a concordar em tornarem-se informadores, não iam realmente fazer isso?
NALDO REI: Não, porque eu – porque é que eu tenho de fazer isso? Porque se me forçarem isso depois reforça-me para lutar contra. E depois quando se força as pessoas sabemos que iremos – ainda mais, criar una resistência oposta à Indonésia.

MONICA ATTARD: Havia um sentimento entre os seus amigos e as pessoas no movimento clandestino, que ao assinar esse acordo estava também como que a assinar o seu próprio mandato de morte, que as pessoas podiam não confiar em si?
NALDO REI: Porque eles capturaram-me tantas vezes e eu nunca revelei nenhum dos meus amigos.

MONICA ATTARD: Então as pessoas sabiam que não as trairia?
NALDO REI: Não. Mesmo os líderes clandestinos de topo eu nunca os trai. Porque eu digo que preferia morrer do que eles porque eu sou um rapaz, eu sou nada. Mas se eu matar um dos meus líderes de topo e então a luta acabará.

MONICA ATTARD: Depois saiu de Timor-Leste, não saiu? Foi para Jacarta.
NALDO REI: Sim.
MONICA ATTARD: Porque é que foi para Jacarta? Como é que isso aconteceu?

NALDO REI: Bem quem me pediu primeiro foi o líder clandestino, Sabalae. Ele pediu-me para ir para o mato primeiro e eu fui para o mato durante quase um mês. Mas fiquei um pouco adoentado e depois eles mandaram-me de volta. E depois dissseram, 'Okay tens de ir para Jacarta e trabalhar com o Grupo de Solidariedade em Jacarta. Para se mudar a situação em Timor-Leste tem que se mudar primeiro o povo da Indonésia para que possam envolver os nossos grupos da resistência também para libertar Timor-Leste.

MONICA ATTARD: Trabalhou muito, muito de perto com activistas pró-democracia e que depois também ocuparam a Embaixada Holandesa, não foi?
NALDO REI: Sim, sim.
MONICA ATTARD: Por ordens de Xanana Gusmão?
NALDO REI: Sim, sim.

MONICA ATTARD: Do que é que se lembra disso? Esteve lá na ocupação?
NALDO REI: Sim. Porque eu era o líder, o porta-voz da ocupação, quero dizer da manifestação em 7 de Dezembro de 1995. Queríamos mostrar à comunidade internacional que a luta, para libertar Timor-Leste não é apenas nossa, mas do próprio povo Indonésio. Porque eles sabiam que havia algo errado em Timor-Leste. Porque é que têm de matar todos os dias? E foi por isso que eles nos apoiaram - para mostrar à comunidade internacional que o próprio povo Indonésio, não concordava com a decisão de Suharto de invadir Timor-Leste.

MONICA ATTARD: Do que é que se lembra desse dia?
NALDO REI: Isso foi – foi realmente duro porque estávamos, como dizemos, na boca do tigre que nos pode engolir a qualquer altura, especialmente as Forças Armadas Indonésias. Bem, organizámos e depois Xanana ordenou-me que organizasse e também com outras pessoas, para organizar a manifestação de 7 de Dezembro de 95 na Embaixada Russa e também na Embaixada Holandesa, incluindo o Grupo de Solidariedade Indonésia. E nós organizámos e três, três dias na Embaixada Holandesa, mas em cada dia, eles apenas, as Forças Militares Indonésias e também Indonésios, um, também chamados, um, gangster nas Forças Armadas Indonésias, vieram e atiraram pedras à Embaixada e depois atingiram a Embaixada e foi realmente mau.

MONICA ATTARD: E culparam os Timorenses?
NALDO REI: Yeah. Os Timorenses. Diziam que os tínhamos atraiçoado e que Horta é mau e Xanana é uma treta, não acreditem em Xanana ou Horta. E depois eles destruíram a Embaixada.

MONICA ATTARD: Diz que foram os Indonésios que fizeram estragos na Embaixada Holandesa?
NALDO REI: Yeah Indonésios, Indonésios – Forças Armadas Indonésias. Especialmente o Kopassus.

MONICA ATTARD: Estavam eles actualmente no edifício no mesmo tempo que manifestantes estavam no edifício?
NALDO REI: Sim. No edifício, yeah.

MONICA ATTARD: E isso não foi reconhecido pelas autoridades Holandesas?
NALDO REI: Eles reconheceram, mas não podiam fazer nada na altura. Então atingiram mesmo o Embaixador até a cabeça dele sangrar e...

MONICA ATTARD: E diz que foi o Kopassus?
NALDO REI: Sim.

MONICA ATTARD: A sua percepção dos Indonésios mudou quando esteve em Jacarta?
NALDO REI: Sim.

MONICA ATTARD: Como e porquê?
NALDO REI: Porque o caso Timorense é também o caso Indonésio, estamos num barco diferente mas o mesmo destino. Isto significa que o povo Indonésio estava sob a ditadura há 32 anos e não há nenhuma democracia na própria Indonésia. E acredito que o movimento da pró-democracia na Indonésia se desenvolve cada dia. Porque é que não temos de – porque é que temos de ficar sentados em silêncio e viver num sítio de horror durante 32 anos?

MONICA ATTARD: Então acredita que os Indonésios comuns, os que encontrava em Jacarta, apoiavam a independência Timorense?
NALDO REI: Sim. Porque eles esconderam-me durante 2½ anos. E eu sei e trabalhei com eles.

MONICA ATTARD: Então isso era claramente o problema do Kopassus e das autoridades Indonésias?
NALDO REI: Yeah é apenas - o problema são as Forças Armadas, não o povo.

MONICA ATTARD: E sabe, suponho - o que aconteceu na Embaixada Holandesa, pensa que os Holandeses deixaram os Indonésios entrar?
NALDO REI: Sim. Eu penso que eles tinham medo das Forças Armadas Indonésias ao mesmo tempo. Porque eles não podem disparar contra embaixadas, isso significa que invadem o país, se se – porque as embaixadas representam o país, mas se se invade isso significa que se é um traidor e também invadiu o país. Porque é que a Embaixada Holandesa – autorizaram as Forças Armadas Indonésias a entrar no edifício e a capturarem-nos ...

MONICA ATTARD: Porquê?
NALDO REI: Não sei. Capturaram-nos.

MONICA ATTARD: Então pensa que houve um tipo de acordo conspirativo entre os Holandeses e os Indonésios?
NALDO REI: Não sabemos, mas eu acredito nisso.

MONICA ATTARD: Pensa isso?
NALDO REI: Yeah. E eles capturaram-nos e não me deram – eles interrogaram-me durante 24 horas. Tive sorte, sabe, um, a comunidade internacional soube do nosso protesto. Então eles pressionaram o Governo Indonésio para nos libertarem.

MONICA ATTARD: Em resultado disso tudo, conseguiu sair da Indonésia não foi?
NALDO REI: Sim.

MONICA ATTARD: Como é que saíu?
NALDO REI: Por causa da minha situação, sabe, Tinha estado a trabalhar com o Grupo de Solidariedade Indonésio e tinha também estado, publicamente contra a ocupação Indonésia. Eles andavam à minha procura, procuraram-me por todo o lado. Chamavam-nos comunistas. Mas fosse quem fosse que os incomodasse ou causasse problemas ou contra a autoridade Indonésia eles diziam que eram perturbadores ou comunistas. Assim eles rotulam qualquer pessoa que esteja contra o regime Indonésio. Assim não estava seguro em Jacarta foi por isso que parti.

MONICA ATTARD: Até vir para a Austrália?
NALDO REI: Sim.

MONICA ATTARD: Uma última pergunta. Que esperança tem agora por Timor-Leste, dado o que temos visto recentemente com a tentativa de assassínio na liderança de topo, Xanana Gusmão e José Ramos-Horta, que esperança tem agora?
NALDO REI: Eu pessoalmente sou contra qualquer tipo de violência. Balear o presidente isso significa disparar contra o povo de Timor-Leste. Mesmo se temos ideias diferentes, ideologias diferentes ou opiniões diferentes, isso não quer dizer que se tenha de disparar. E já obtivemos a independência. Ninguém pode mudar isso. Por isso mesmo os líderes amotinados tentaram destruir o país, mas eu acredito que o povo quer a independência, é tudo o que eles querem. E agora os líderes deviam sentar-se juntos para resolver o problema, porque como sabe nós somos inexperientes . Inexperientes desde o tempo dos Indonésios -no tempo dos Indonésios não obtivemos conhecimentos profissionais, não temos nenhuns conhecimentos profissionais. Por exemplo no movimento da independência eles não têm conhecimentos profissionais para dirigir o país. E agora temos de dizer a toda a gente isso, sabe, não à violência e esperamos que, sabe, o problema seja resolvido pelos nossos líderes.

MONICA ATTARD: Pensa que eles podem resolver isso?
NALDO REI: Sim, acredito. Porque, porque é que temos de viver no horror na nossa situação, e nós precisamos de paz neste país, e nós precisamos de desenvolvimento neste país. Nós temos um futuro brilhante. Foi por isso que lutámos. A jovem geração restaurará a paz e a estabilidade em Timor-Leste.

MONICA ATTARD: E este foi Naldo Rei, uma criança combatente da resistência de Timor-Leste.
Na próxima semana uma entrevista especial com o Primeiro-Ministro das Ilhas Solomão, Dr Derek Sikua na tarefa de levar estabilidade ao seu país, libertando-o da corrupção e para convencer a Austrália para dar ao seu povo o direito de trabalhar aqui.

Obrigado por escutarem. Mas antes de ir, posso encaminhá-los para o nosso website em www.abc.net.au/sundayprofileonde pode descarregar uma transcrição deste programa e também todos os nossos outros programas e obter também um pod cast. E e quiser, enquanto está aqui, click no ícone do email icon e mande-nos uma nota. Sou Monica Attard, obrigado por nos ouvir. Obrigada também à nossa produtora Belinda Sommer

[Esta mensagem foi distribuida via ta lista de notícias de timor-Lestet. Para informações sobre como subscrever envia um e-mail para info@etan.org. Para apoiar ETAN veja http://etan.org/etan/donate.htm ]

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.