segunda-feira, maio 12, 2008

Australia’s secret, dirty empire

Mail & Gardian Online
John Pilger

11 May 2008 11:59

When the outside world thinks about Australia, it generally turns to venerable clichés of innocence -- cricket, leaping marsupials, endless sunshine, no worries.

Australian governments actively encourage this. Witness the recent "G'Day USA" campaign, in which Kylie Minogue and Nicole Kidman sought to persuade Americans that, unlike the empire's problematic outposts, a gormless greeting awaited them Down Under. After all, George W Bush had ordained the previous Australian prime minister, John Howard, "sheriff of Asia".

That Australia runs its own empire is unmentionable, yet it stretches from the Aboriginal slums of Sydney to the ancient hinterlands of the continent and across the Arafura Sea and the South Pacific.

When the new Prime Minister, Kevin Rudd, apologised to the Aboriginal people on February 13, he was acknowledging this. As for the apology itself, the Sydney Morning Herald accurately described it as a "piece of political wreckage" that "the Rudd government has moved quickly to clear away ... in a way that responds to some of its own supporters' emotional needs, yet changes nothing. It is a shrewd manoeuvre."

Like the conquest of the Native Americans, the decimation of Aboriginal Australia laid the foundation of Australia's empire. The land was taken and many of its people were removed and impoverished or wiped out. For their descendants, untouched by the tsunami of sentimentality that accompanied Rudd's apology, little has changed.

In the Northern Territory's great expanse, known as Utopia, people live without sanitation, running water, rubbish collection, decent housing or decent health. Aboriginal health, says the World Health Organisation, lags almost a hundred years behind that of white Australia. This is the only developed nation on a United Nations "shame list" of countries that have not eradicated trachoma, an entirely preventable disease that blinds Aboriginal children. Sri Lanka has beaten the disease, but not rich Australia.

Most white Australians rarely see this Third World in their own country. Hundreds of millions of dollars that Australian governments claim they spend on improving the lives of indigenous Australia are never spent, or end up in projects for white people.

Smear is commonly deployed as a distraction. In 2006, the Australian Broadcasting Corporation's leading current affairs programme, Lateline, broadcast lurid allegations of "sex slavery" among the Mutitjulu Aboriginal people. The source, described as an "anonymous youth worker", was exposed as a federal government official, whose "evidence" was discredited by the Northern Territory chief minister and police.

Within a year, Howard had declared a "national emergency" and sent the army and "business managers" into Aboriginal communities in the Northern Territory. A commissioned study on Aboriginal children was cited and "protecting the children" became the media cry -- just as it had more than half a century ago when children were kidnapped by white welfare authorities.

Rudd, as opposition leader, supported the "intervention" and has maintained it as prime minister. Welfare payments are "quarantined" and people controlled and patronised in a way familiar to black South Africans. Why? "Child abuse and alcoholism," says the mostly Murdoch-owned capital city press.

There is a catch. The Northern Territory is where Aboriginal people have had comprehensive land rights longer than anywhere else, granted almost by accident 30 years ago. The Howard government set about clawing them back.

The territory contains extraordinary mineral wealth, including huge deposits of uranium on Aboriginal land. The number of companies licensed to explore for uranium has doubled to 80. Kellogg Brown & Root, a subsidiary of the American giant Halliburton, built the railway from Adelaide to Darwin, which runs adjacent to Olympic Dam, the world's largest low-grade uranium mine.

Last year the Howard government appropriated Aboriginal land near Tennant Creek, where it intends to store the radioactive waste. "The land-grab of Aboriginal tribal land has nothing to do with child sexual abuse," says the internationally acclaimed Australian scientist and activist Helen Caldicott, "but all to do with open slather uranium mining and converting the Northern Territory into a global nuclear dump."

This "top end" of Australia borders the Arafura and Timor Seas, across from the Indonesian archipelago. One of the world's great submarine oil and gas deposits lies off East Timor. In 1975, Australia's then ambassador in Jakarta, Richard Woolcott, secretly recommended to Canberra that Australia turn a blind eye to Indonesia's invasion of East Timor, noting that the seabed riches "could be much more readily negotiated with Indonesia ... than with [an independent] Timor".

Gareth Evans, later foreign minister, described a prize worth "zillions of dollars". His government was one of the few to recognise General Suharto's bloody occupation, in which 200 000 East Timorese lost their lives. When eventually, in 1999, East Timor won its independence, Australia set out to manoeuvre the East Timorese out of their proper share of the oil and gas revenue by unilaterally changing the maritime boundary and withdrawing from World Court jurisdiction in maritime disputes.

This would have denied desperately needed revenue to the new country, stricken from its years of brutal occupation. But East Timor's then-prime minister, Mari Alkatiri, leader of the majority Fretilin party, proved more than a match for Canberra. He showed himself to be a nationalist who believed his country should belong to its people. He rejected the World Bank.

He believed that women should have equal opportunity and that healthcare and education should be universal. "I am against rich men feasting behind closed doors," he said. For this he was caricatured as a communist by his opponents, notably the president, Xanana Gusmão, and the then foreign minister, José Ramos-Horta, both close to the Australian political establishment.

When a group of disgruntled soldiers rebelled against Alkatiri's government in 2006, Australia readily accepted an "invitation" to send troops to East Timor. "Australia," wrote Paul Kelly in Murdoch's Australian, "is operating as a regional power ... This language is unpalatable to many. Yet it is the reality. It is new, experimental territory for Australia."

A mendacious campaign against the "corrupt" Alkatiri was mounted in the Australian media, reminiscent of the coup-by-media that briefly toppled Hugo Chávez in Venezuela. Like the US soldiers who ignored looters on the streets of Baghdad, Australian soldiers stood by while armed rioters terrorised people, burned their homes and attacked churches.

Rebel leader Alfredo Reinado, a murderous thug trained in Australia, was elevated to folk hero. Under this pressure, the democratically elected Alkatiri was forced from office and East Timor was declared a "failed state" by Australia's legion of security academics concerned with the "arc of instability" to the north, in Asia, an instability they supported as long as the genocidal Suharto was in charge.

Australia is engaged in the Solomon Islands and Papua New Guinea, where its troops and federal police have dealt with "breakdowns in law and order" that are "depriving Australia of business and investment opportunities".

Australia is also entrenched in Afghanistan and Iraq. Rudd's electoral promise to withdraw from the "coalition of the willing" does not include almost half of Australia's troops in Iraq. The increasingly politicised Australian military, imbued with Washington's "security" doctine, has been on standby more times than ever in peacetime.

At last year's conference of the American-Australian Leadership Dialogue -- an annual event designed to unite the foreign policies of the two countries, but in reality an opportunity for the Australian elite to express its historic servility to great powers -- Rudd was in unusually oratorical style. "It is time we sang from the world's rooftops," he said, "[that] despite Iraq, America is an overwhelming force for good in the world ... I look forward to more than working with the great American democracy, the arsenal of freedom, in bringing about long-term changes to the planet."

The new sheriff for Asia had spoken.

Tradução:

O Império secreto e sujo da Austrália

Mail & Gardian Online
John Pilger

11 Maio 2008 11:59

Quando o mundo exterior pensa na Austrália, geralmente saem respeitáveis clichés de inocência -- cricket, marsupiais saltitantes, brilhar do sol sem fim, nenhumas preocupações.

Os governos Australianos encorajam isto activamente. Vejam a recente campanha "G'Day USA" na qual Kylie Minogue e Nicole Kidman tentam persuadir os Americanos que, ao contrário de postos da frente problemáticos do império, uma saudação amável esperava por eles Lá em Baixo. No fim de contas, George W Bush tinha ordenado o anterior primeiro-ministro Australiano, John Howard, "sheriff da Ásia".

O que não é mencionado é que a Austrália dirige o seu próprio império, e contudo este estende-se dos bairros de lata Aborígenes de Sydney até às antigas terras do interior do continente e através do Mar de Arafura Se do Sul do Pacífico.

Quando o novo Primeiro-Ministro, Kevin Rudd, pediu desculpa aos povos Aborígenes em 13 de Fevereiro, estava a reconhecer isso. Quanto ao pedido de desculpas em si mesmo, o Sydney Morning Herald descreveu-o correctamente como uma "peça de naufrágio político" que o "governo de Rudd depressa limpou ... numa maneira que responde a algumas necessidades emocionais dos seus apoiantes, mas que contudo, nada muda. É uma manobra astuta."

Tal como a conquista dos Americanos Nativos, o extermínio dos Australianos Aborígenes projectou a fundação do império da Austrália. A terra foi tomada e muitos dos seus povos foram removidos e empobrecidos ou exterminados. Para os seus descendentes, não atingidos pelo tsunami de sentimentalismo que acompanhou o pedido de desculpas de Rudd, pouco mudou.

Na grande extensão do Território do Norte, conhecido como Utopia, as pessoas vivem sem condições sanitárias, água corrente, recolha de lixo, habitação decente ou saúde decente. A saúde dos Aborígenes, diz a Organização Mundial da Saúde, arrasta-se quase cem anos atrás da dos brancos da Austrália. Esta é a única nação desenvolvida na “lista de vergonha” da ONU de países que não irradicaram o tracoma, uma doença completamente evitável que cega as crianças Aborígines. Sri Lanka derrotou a doença, mas não a Austrália rica.

A maioria dos Australianos brancos raramente vê este Terceiro Mundo no seu próprio país. Centenas de milhões de dólares que os governos Australianos clamam ter gasto a melhorar as vidas dos indígenas Australianos nunca são gastos, ou acabam em projectos para os brancos.

Para distrair usam muitas vezes a difamação. Em 2006, o programa de topo dos assuntos correntes da Australian Broadcasting Corporation, Lateline, emitiu alegaçõespavorosas de "escravatura sexual" entre o povo Aborígene Mutitjulu. A fonte, descrita como um "jovem trabalhador anónimo", foi exposta como sendo um funcionário do governo federal, cuja "evidência" foi desacreditada pelo ministro chefe e polícia do Território do Norte.

Dentro dum ano, Howard tinha declarado uma "emergência nacional" e enviou o exército e "gestores de negócios" para as comunidades Aborígenes do Território do Norte. Um estudo encomendado sobre crianças Aborígenes foi citado e "proteger as crianças" tornou-se a choradeira dos media – tal e qual como há mais de meio século quando as crianças foram raptadas pelas autoridades da segurança social brancas.

Rudd, como líder da oposição, apoiou a "intervenção" e tem-na mantido como primeiro-ministro. Os pagamentos da segurança social estão "em quarentena" e o povo é controlado e guardado numa maneira familiar aos negros Sul-Africanos. Porquê? "Abuso infantil e alcoolismo," diz a maioria da imprensa da capital da propriedade de Murdoch.

Há um truque. O Território do Norte é aonde os povos Aborígenes têm tido direitos de terra gerais há mais tempo que em qualquer outro sítio, doados quase por acidente há 30 anos. O governo Howard predispôs-se a agarrá-los de volta.

O território contém extraordinária riqueza mineral, incluindo enormes depósitos de urânio em terra Aborígene. O número de companhias licenciadas para explorar o urânio duplicou para 80. Kellogg Brown & Root, uma subsidiária do gigante Americano Halliburton, construiu a linha férrea de Adelaide a Darwin, que corre adjacente à Barragem Olímpica, a maior mina do mundo de urânio empobrecido.

O ano passado o governo Howard expropriou terra Aborígene perto de Tennant Creek, onde tem a intenção de armazenar lixo radioactivo. "O roubo de terra tribal Aborígene nada tem a ver com abuso sexual infantil," diz a cientista Australiana famosa internacionalmente e activista Helen Caldicott, "mas tem tudo a ver com a mineração a céu aberto do urânio e a conversão do Território do Norte numa lixeira nuclear global."

Este "fim de topo" da Austrália faz fronteira com os Mares de Arafura e de Timor, através do arquipélago Indonésio. Um dos grandes depósitos do mundo de gás e petróleo está na costa de Timor-Leste. Em 1975, o então Embaixador da Austrália em Jacarta, Richard Woolcott, recomendou secretamente a Canberra que a Austrália fingisse que não via a invasão de Timor-Leste pela Indonésia, sublinhando que as riquezas do fundo do mar "podiam ser muito mais rapidamente negociadas com a Indonésia ... do que com um Timor [independente]".

Gareth Evans, mais tarde ministro dos estrangeiros, descreveu-o como um prémio no valor de "ziliões de dólares". O seu governo foi um dos poucos a reconhecer a sangrenta ocupação do General Suharto, onde 200 000 Timorenses perderam as suas vidas. Quando eventualmente, em 1999, Timor-Leste ganhou a sua independência, a Austrália preparou-se para empurrar os Timorenses para fora da sua própria parte dos rendimentos do petróleo e do gás ao mudar unilateralmente a fronteira marítima e ao retirar-se da jurisdição do Tribunal Mundial de disputas marítimas.

Isso teria negado ao novo país rendimentos desesperadamente necessários, golpeado por anos de ocupação brutal. Mas o então primeiro-ministro de Timor-Leste, Mari Alkatiri, líder do partido maioritário, a Fretilin, mostrou ser um rival de nível superior a Canberra. Ele mostrou ser um nacionalista que acreditava que o seu país deve pertencer ao seu povo. Ele rejeitou o Banco Mundial.

Ele acreditava que as mulheres devem ter oportunidades iguais e que os cuidados de saúde e a educação deviam ser universais. "Estou contra os ricos que se banqueteiam por detrás de portas fechadas," disse ele. Por isso foi caricaturado como comunista pelos opositores, nomeadamente pelo presidente, Xanana Gusmão, e o então ministro dos estrangeiros, José Ramos-Horta, ambos próximos da elite política Australiana.

Quando um grupo de soldados decepcionados se levantaram contra o governo de Alkatiri em 2006, a Austrália aceitou prontamente um "convite" para mandar tropas para Timor-Leste. A "Austrália," escreveu Paul Kelly no The Australian de Murdoch , "está a operar como um poder regional ... Esta linguagem é intragável para muitos. Contudo é a realidade. É um território novo, não experimentado para a Austrália."

Foi montada uma campanha mentirosa contra o "corrupto" Alkatiri nos media Australianos, que lembram o golpe mediático que derrubou durante pouco tempo Hugo Chávez na Venezuela. Tal como os soldados dos USA que ignoraram os ladrões de pilhagens nas ruas de Baghdad, os soldados Australianos estavam parados enquanto amotinados armados aterrorizavam o povo, queimavam as suas casas e atacavam igrejas.

O líder amotinado Alfredo Reinado, um brutal homicida formado na Austrália, foi elevado a herói folclórico. Sob a sua pressão, o governo democraticamente eleito de Alkatiri foi forçado a sair e Timor-Leste foi declarado um "Estado falhado" pela legião Australiana de académicos da segurança preocupados com o "arco de instabilidade" para o norte, na Ásia, uma instabilidade que eles apoiaram quando o genocida Suharto estava ao comando.

A Austrália está engajada nas Ilhas Solomão e na Papua Nova Guiné, onde as suas tropas e a polícia federal têm lidado com "colapsos na lei e ordem" que estão a "privar a Austrália de oportunidades de negócios e investimentos".

A Australia está também enterrada no Afeganistão e no Iraque. A promessa eleitoral de Rudd de se retirar da "coligação dos desejosos" não inclui quase metade das tropas da Austrália no Iraque. As forças militares Australianas cada vez mais politicizadas, imbuídas com a doutrina de "segurança" de Washingto, têm estado em estado de prontidão mais vezes do que nunca em tempo de paz.

Na conferência do ano passado sobre o Diálogo de Liderança Americano-Australiano – um evento anual definido para unir as políticas estrangeiras dos dois países, mas na realidade uma oportunidade para a elite Australiana expressar o seu servilismo histórico aos grandes poderes -- Rudd estava num estilo oratório desusado. "É altura de cantarmos de cima dos telhados do mundo," disse ele, "[porque] apesar do Iraque, a América é uma força proeminente para o bem no mundo ... Eu procuro mais do que trabalhar com a grande democracia Americana, o arsenal da liberdade, em trazer para o planeta mudanças de longo prazo."

Tinha falado o novo sheriff para a Ásia.

1 comentário:

Margarida disse...

Tradução:
O Império secreto e sujo da Austrália
Mail & Gardian Online
John Pilger

11 Maio 2008 11:59

Quando o mundo exterior pensa na Austrália, geralmente saem respeitáveis clichés de inocência -- cricket, marsupiais saltitantes, brilhar do sol sem fim, nenhumas preocupações.

Os governos Australianos encorajam isto activamente. Vejam a recente campanha "G'Day USA" na qual Kylie Minogue e Nicole Kidman tentam persuadir os Americanos que, ao contrário de postos da frente problemáticos do império, uma saudação amável esperava por eles Lá em Baixo. No fim de contas, George W Bush tinha ordenado o anterior primeiro-ministro Australiano, John Howard, "sheriff da Ásia".

O que não é mencionado é que a Austrália dirige o seu próprio império, e contudo este estende-se dos bairros de lata Aborígenes de Sydney até às antigas terras do interior do continente e através do Mar de Arafura Se do Sul do Pacífico.

Quando o novo Primeiro-Ministro, Kevin Rudd, pediu desculpa aos povos Aborígenes em 13 de Fevereiro, estava a reconhecer isso. Quanto ao pedido de desculpas em si mesmo, o Sydney Morning Herald descreveu-o correctamente como uma "peça de naufrágio político" que o "governo de Rudd depressa limpou ... numa maneira que responde a algumas necessidades emocionais dos seus apoiantes, mas que contudo, nada muda. É uma manobra astuta."

Tal como a conquista dos Americanos Nativos, o extermínio dos Australianos Aborígenes projectou a fundação do império da Austrália. A terra foi tomada e muitos dos seus povos foram removidos e empobrecidos ou exterminados. Para os seus descendentes, não atingidos pelo tsunami de sentimentalismo que acompanhou o pedido de desculpas de Rudd, pouco mudou.

Na grande extensão do Território do Norte, conhecido como Utopia, as pessoas vivem sem condições sanitárias, água corrente, recolha de lixo, habitação decente ou saúde decente. A saúde dos Aborígenes, diz a Organização Mundial da Saúde, arrasta-se quase cem anos atrás da dos brancos da Austrália. Esta é a única nação desenvolvida na “lista de vergonha” da ONU de países que não irradicaram o tracoma, uma doença completamente evitável que cega as crianças Aborígines. Sri Lanka derrotou a doença, mas não a Austrália rica.

A maioria dos Australianos brancos raramente vê este Terceiro Mundo no seu próprio país. Centenas de milhões de dólares que os governos Australianos clamam ter gasto a melhorar as vidas dos indígenas Australianos nunca são gastos, ou acabam em projectos para os brancos.

Para distrair usam muitas vezes a difamação. Em 2006, o programa de topo dos assuntos correntes da Australian Broadcasting Corporation, Lateline, emitiu alegaçõespavorosas de "escravatura sexual" entre o povo Aborígene Mutitjulu. A fonte, descrita como um "jovem trabalhador anónimo", foi exposta como sendo um funcionário do governo federal, cuja "evidência" foi desacreditada pelo ministro chefe e polícia do Território do Norte.

Dentro dum ano, Howard tinha declarado uma "emergência nacional" e enviou o exército e "gestores de negócios" para as comunidades Aborígenes do Território do Norte. Um estudo encomendado sobre crianças Aborígenes foi citado e "proteger as crianças" tornou-se a choradeira dos media – tal e qual como há mais de meio século quando as crianças foram raptadas pelas autoridades da segurança social brancas.

Rudd, como líder da oposição, apoiou a "intervenção" e tem-na mantido como primeiro-ministro. Os pagamentos da segurança social estão "em quarentena" e o povo é controlado e guardado numa maneira familiar aos negros Sul-Africanos. Porquê? "Abuso infantil e alcoolismo," diz a maioria da imprensa da capital da propriedade de Murdoch.

Há um truque. O Território do Norte é aonde os povos Aborígenes têm tido direitos de terra gerais há mais tempo que em qualquer outro sítio, doados quase por acidente há 30 anos. O governo Howard predispôs-se a agarrá-los de volta.

O território contém extraordinária riqueza mineral, incluindo enormes depósitos de urânio em terra Aborígene. O número de companhias licenciadas para explorar o urânio duplicou para 80. Kellogg Brown & Root, uma subsidiária do gigante Americano Halliburton, construiu a linha férrea de Adelaide a Darwin, que corre adjacente à Barragem Olímpica, a maior mina do mundo de urânio empobrecido.

O ano passado o governo Howard expropriou terra Aborígene perto de Tennant Creek, onde tem a intenção de armazenar lixo radioactivo. "O roubo de terra tribal Aborígene nada tem a ver com abuso sexual infantil," diz a cientista Australiana famosa internacionalmente e activista Helen Caldicott, "mas tem tudo a ver com a mineração a céu aberto do urânio e a conversão do Território do Norte numa lixeira nuclear global."

Este "fim de topo" da Austrália faz fronteira com os Mares de Arafura e de Timor, através do arquipélago Indonésio. Um dos grandes depósitos do mundo de gás e petróleo está na costa de Timor-Leste. Em 1975, o então Embaixador da Austrália em Jacarta, Richard Woolcott, recomendou secretamente a Canberra que a Austrália fingisse que não via a invasão de Timor-Leste pela Indonésia, sublinhando que as riquezas do fundo do mar "podiam ser muito mais rapidamente negociadas com a Indonésia ... do que com um Timor [independente]".

Gareth Evans, mais tarde ministro dos estrangeiros, descreveu-o como um prémio no valor de "ziliões de dólares". O seu governo foi um dos poucos a reconhecer a sangrenta ocupação do General Suharto, onde 200 000 Timorenses perderam as suas vidas. Quando eventualmente, em 1999, Timor-Leste ganhou a sua independência, a Austrália preparou-se para empurrar os Timorenses para fora da sua própria parte dos rendimentos do petróleo e do gás ao mudar unilateralmente a fronteira marítima e ao retirar-se da jurisdição do Tribunal Mundial de disputas marítimas.

Isso teria negado ao novo país rendimentos desesperadamente necessários, golpeado por anos de ocupação brutal. Mas o então primeiro-ministro de Timor-Leste, Mari Alkatiri, líder do partido maioritário, a Fretilin, mostrou ser um rival de nível superior a Canberra. Ele mostrou ser um nacionalista que acreditava que o seu país deve pertencer ao seu povo. Ele rejeitou o Banco Mundial.

Ele acreditava que as mulheres devem ter oportunidades iguais e que os cuidados de saúde e a educação deviam ser universais. "Estou contra os ricos que se banqueteiam por detrás de portas fechadas," disse ele. Por isso foi caricaturado como comunista pelos opositores, nomeadamente pelo presidente, Xanana Gusmão, e o então ministro dos estrangeiros, José Ramos-Horta, ambos próximos da elite política Australiana.

Quando um grupo de soldados decepcionados se levantaram contra o governo de Alkatiri em 2006, a Austrália aceitou prontamente um "convite" para mandar tropas para Timor-Leste. A "Austrália," escreveu Paul Kelly no The Australian de Murdoch , "está a operar como um poder regional ... Esta linguagem é intragável para muitos. Contudo é a realidade. É um território novo, não experimentado para a Austrália."

Foi montada uma campanha mentirosa contra o "corrupto" Alkatiri nos media Australianos, que lembram o golpe mediático que derrubou durante pouco tempo Hugo Chávez na Venezuela. Tal como os soldados dos USA que ignoraram os ladrões de pilhagens nas ruas de Baghdad, os soldados Australianos estavam parados enquanto amotinados armados aterrorizavam o povo, queimavam as suas casas e atacavam igrejas.

O líder amotinado Alfredo Reinado, um brutal homicida formado na Austrália, foi elevado a herói folclórico. Sob a sua pressão, o governo democraticamente eleito de Alkatiri foi forçado a sair e Timor-Leste foi declarado um "Estado falhado" pela legião Australiana de académicos da segurança preocupados com o "arco de instabilidade" para o norte, na Ásia, uma instabilidade que eles apoiaram quando o genocida Suharto estava ao comando.

A Austrália está engajada nas Ilhas Solomão e na Papua Nova Guiné, onde as suas tropas e a polícia federal têm lidado com "colapsos na lei e ordem" que estão a "privar a Austrália de oportunidades de negócios e investimentos".

A Australia está também enterrada no Afeganistão e no Iraque. A promessa eleitoral de Rudd de se retirar da "coligação dos desejosos" não inclui quase metade das tropas da Austrália no Iraque. As forças militares Australianas cada vez mais politicizadas, imbuídas com a doutrina de "segurança" de Washingto, têm estado em estado de prontidão mais vezes do que nunca em tempo de paz.

Na conferência do ano passado sobre o Diálogo de Liderança Americano-Australiano – um evento anual definido para unir as políticas estrangeiras dos dois países, mas na realidade uma oportunidade para a elite Australiana expressar o seu servilismo histórico aos grandes poderes -- Rudd estava num estilo oratório desusado. "É altura de cantarmos de cima dos telhados do mundo," disse ele, "[porque] apesar do Iraque, a América é uma força proeminente para o bem no mundo ... Eu procuro mais do que trabalhar com a grande democracia Americana, o arsenal da liberdade, em trazer para o planeta mudanças de longo prazo."

Tinha falado o novo sheriff para a Ásia.

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.