quarta-feira, abril 23, 2008

Ramos Horta and the Timor rumour mill

The Australian, Paul Toohey, 22 April 22

EAST Timor has been consumed with rumours since President Jose Ramos Horta began looking beyond his own shores to an international conspiracy to assassinate him on February 11.

The President has claimed that Angelita Pires and her dead rebel lover, Major Alfredo Reinado, held a joint bank account in Darwin currently holding more than US$700,000, and has demanded the Australian Federal Police identify who deposited the money.

It suggests the pair had powerful foreign backers, but does the money really exist?

The head of the investigation into the events of February 11, which left Ramos Horta wounded and Reinado dead, is East Timor Prosecutor-General Longinhos Monteiro.

Monteiro has questioned the money claim, saying the investigators will not know how much money was in the account until a "mutual justice agreement" was signed between East Timor and Australia.

And Australian Foreign Minister, Stephen Smith, told ABC today: "All the East Timor authorities need to do, and they've been on notice for a month, is to follow the appropriate procedures, and the information that they're currently seeking, will be made available."

Mr Longuinhos told The Australian last week he had phone text evidence retrieved from Reinado's phone, in which Ms Pires allegedly sent a message to Reinado saying funds had been shifted to the Commonwealth Bank. Mr Monteiro said Ms Pires sent her lover a pin number and account number.

Mr Longinhos said he was surprised how the President knew that was the amount, and repeated that investigators did not know how much was in the account.

The mutual agreement Mr Monteiro seeks is not just for bank details but also relates to 47 incoming and outgoing calls to Australia logged on Reinado's phone. Those calls relate to the period between February 1 and February 11, when Reinado was shot in the President's compound.

Some of the calls were logged after Reinado was shot, but Mr Monteiro, who believes most of the calls were non-suspicious, still wants to know who the callers were.

Monteiro and Ramos Horta want Australian intelligence to reveal any voice recordings and text messages they have stored, and has expressed frustration with the bureaucratic agreement process - especially given that Indonesian police were unhesitating in provided intelligence information relating to 31 calls on Reinado's phone to and from that country from the same period.

President Ramos Horta told The Australian on Saturday that he was stunned by the amount Reinado and Ms Pires held. He said the account opened with $US1m but after withdrawals was now more than $700,000. He complained he could never raise such a sum when he was trying to gather donations to relieve poverty in his country.

While believing the amount he described was correct, he called upon Australian authorities and the banks to confirm his claim. "It's in Australia's interest to do this fast."

He said he was unsure whether the money was in the ANZ or the Commonwealth in Darwin.

"What you can do is ask the Commonwealth Bank in Darwin, but they will not tell you," the President told The Australian. "It's making them nervous. Their excuse is they need a court order to reveal such information. I don't accept this excuse."

The President said it would have been "too dangerous" for Ms Pires and Reinado to put the money in a Dili bank account without sparking an alert. Yet the same might be said for a Darwin bank account, where large deposits attract automatic reporting alerts. Ramos Horta said $US1m had been deposited into the account by unknown persons at an unknown time.

The claims make life more difficult for Ms Pires, whom the President and Mr Monteiro have accused of orchestrating the February 11 attacks which left two rebels dead and the President recuperating in the Darwin hospital for nine weeks.

Ramos Horta returned home last week and initially accused Indonesian individuals - though not the government - of being behind the attack. This drew a rebuke from Indonesian President Susilo Bambang Yudhoyono, whose office said there was no evidence of any Indonesian citizen being behind the attacks.

Claims that Reinado had a million-dollar account first emerged two days after he was shot. Flyers, distributed by street boys, hit Dili claiming a well-known political party - which Reinado was known to detest - had paid him $1 million to bring down the leadership.

It must disturb Australia - which heads the unloved International Stabilisation Force, which has been taken to sharpen its image by running newspaper advertisements showing a Digger shaking hands with a Timorese kid - that Timorese will interpret the money claims as proof powerful non-Timorese Australians were backing Reinado and Ms Pires.

"No Timorese person living in Australia has such money," the President claimed.

When Reinado's men appeared in new US-style uniforms in December, it prompted speculation that he had won over some serious foreign backers. Ramos Horta was today demanding to know who provided those uniforms and The Australian is able to shed light on this.

Ruy Lopes, who lives on the East-West Timor border, was a strong civilian backer of Reinado. "You want to know something? I bought those new uniforms for Alfredo," said Lopes. "I went to Jakarta and got them. It was all legal, I passed through customs with them. You can buy them openly in the markets, they use them for paintball games."

Lopes said Reinado's men had no Indonesian weapons. They had what they stole from barracks in 2006 and those taken in a later raid on a border police station. When they wanted ammunition, said Lopes, police gave it to them.

Lopes said there were no big backers - just people like him. "The money was just a few dollars here and there, from businesses in Dili - and the Catholic Church, which shifted him around and gave him protection."

The investigation into February 11 appears to have become slightly desperate, with investigators pulling in 86 "witnesses and suspects". Many of them appear at best peripheral to the inquiry.

Well-known East Timorese cameraman journalist, Jose Belo, who last week filmed a long-distance phone conversation between on the-run-rebel leader, Gastao Salsinha, and SBS Dateline's Mark Davis, was ordered to appear before the United Nations' investigation team today as a witness.

He was questioned as to how he had got the phone numbers of the rebels, and his sources. Mr Belo - who strongly objected to being questioned - refused to cooperate and told the UN investigators to watch the program for any information they needed.

What this all suggests is that sight has been lost of the main game. Things are now skewing sideways, with many Timorese convinced that the February 11 attacks were all about Timor Gap oil and gas, with Australia not content to take the lion's share it already has and, therefore, somehow trying to execute the Timor leadership in order to grab more money off the struggling country.

Ordinary people will advise you quietly, with wide eyes, that this is really a battle between Australia and Indonesia v China. The Chinese are increasingly visible in Dili, now building a huge government palace and making sure no one misses the point with man-high red letters telling all who pass that it is a gift from the People's Republic of China.

China has been doing this kind of thing throughout the Pacific for years now as it seeks to buy the locals' affection from the US. As the investigation into February 11 slumbers onwards, locals - including some leaders - are inclined to take the path of most resistance and blame powerful outside forces.

Ms Pires is expected to been brought before the court this week to for a bail review on the basis of new information received.

We will wait, fascinated, to see whether there really was a million-dollar Darwin bank account, and whether it leads to deep international political waters: or whether this is really a shallow pond, involving a few giant egos waving about some big guns.

1 comentário:

Margarida disse...

Tradução:
Ramos Horta e o moinho de rumores de Timor
The Australian, Paul Toohey, 22 Abril 22

Timor-Leste tem sido consumido com rumores desde que o Presidente José Ramos Horta começou a olhar para além da sua própria costa para uma conspiração internacional para o assassinar em 11 de Fevereiro.

O Presidente tem afirmado que Angelita Pires e o seu falecido amante amotinado, Major Alfredo Reinado, tiveram uma conta bancária conjunta em Darwin que correntemente tem mais de US$700,000, e tem pedido à Polícia Federal Australiana para identificar quem é que depositou o dinheiro.

Isso sugere que o casal tinha poderosos apoiantes estrangeiros, mas existe realmente o dinheiro?

O responsável da investigação aos eventos de 11 de Fevereiro, que deixou Ramos Horta ferido e Reinado morto é o Procurador-Geral de Timor-Leste Longinhos Monteiro.

Monteiro tem questionado o caso do dinheiro, dizendo que os investigadores não sabem quanto dinheiro estava na conta bancária até ser assinado um "acordo mútuo de justiça" entre Timor-Leste e a Austrália.

E o Ministro dos Estrangeiros Australiano, Stephen Smith, disse hoje à ABC: "Tudo o que as autoridades de Timor-Leste precisam de fazer, e foram avisados há um mês, é seguirem os procedimentos adequados, e a informação que correntemente procuram , será disponibilizada."

O Sr Longuinhos disse ao The Australian na semana passada que tinha evidência telefónicarecuperada do telefone de Reinado, pela qual a Srª Pires alegadamente enviou uma mensagem a Reinado dizendo que os fundos tinham sido mudados para o Commonwealth Bank. O Sr Monteiro disse que a Srª Pires mandou ao amante o número da conta e o número do pino.

O Sr Longinhos disse que estava surpreendido sobre como o Presidente soube da quantia e repetiu que os investigadores não sabem quanto estava na conta.

O acordo mútuo que o Sr Monteiro procura não é apenas para detalhes bancários mas também relativo às 47 chamadas telefónicas de e para a Austrália alojadas no telefone de Reinado. Essas chamadas são relativas ao período entre 1 e 11 de Fevereiro, quando Reinado foi baleado no complexo do Presidente.

Algumas das chamadas foram feitas depois do Reinado ser baleado, mas o Sr Monteiro, que acredita que a maioria das chamadas não são suspeitas, ainda quer saber quem é que as fez.

Monteiro e Ramos Horta querem que os serviços de informações Australianos revelem quaisquer gravações e mensagens de texto que tenham armazenado, e expressou frustração com o processo burocrático acordado – especialmente porque a polícia Indonésia não hesitou em dar informações dos serviços de informações relativas às 31 chamadas do telefone de Reinado de e para aquele país no mesmo período.

O Presidente Ramos Horta disse ao The Australian no Sábado que estava espantado pela quantia que tinham Reinado e a Srª Pires. Ele disse que a conta foi aberta com $US1milhão mas depois de levantamentos tinha agora mais de $700,000. Queixou-se que nunca conseguiu angariar uma tal soma quando tentava angaria donativos para aliviar a pobreza no país.

Conquanto acredite que a quantia que descreveu esteja correcta, pediu às autoridades Australianas e aos bancos para confirmarem isso. "É do interesse da Austrália fazerem isso depressa."

Tinha que não tinha a certeza se o dinheiro estava no ANZ ou no Commonwealth em Darwin.

"O que se pode fazer é perguntar ao Commonwealth Bank em Darwin, mas eles não dizem nada," disse o Presidente ao The Australian. "Isso está a pô-los nervosos. A desculpa deles é que precisam duma ordem do tribunal para revelar uma tal informação. Eu não aceito uma tal desculpa."

O Presidente disse que teria sido "demasiado perigoso" para a Srª Pires e Reinado porem o dinheiro numa conta bancária em Dili sem desencadearem um alerta. Contudo o mesmo se podia dizer duma conta bancária em Darwin, onde grandes depósitos atraem alertas automáticos. Ramos Horta disse que $US1milhão tinham sido depositados na conta por pessoas desconhecidas numa data desconhecida.

As queixas tornam a vida mais difícil à Srª Pires, acusada pelo Presidente e Sr Monteiro de orquestrar os ataques de 11 de Fevereiro que deixaram dois amotinados mortos e o Presidente a recuperar no hospital de Darwin durante nove semanas.

Ramos Horta regressou a casa na semana passada e inicialmente acusou indivíduos Indonésios – se bem que não o governo – de estarem por detrás do ataque. Isso atraiu a censura do Presidente Indonésio Susilo Bambang Yudhoyono, cujo gabinete disse que não havia evidência de nenhum cidadão Indonésio estar por detrás dos ataques.

Afirmações de que Reinado tinha uma conta de um milhão de dólares emergiram primeiro dois dias depois dele ter sido baleado. Panfletos, distribuídos por rapazes de rua, atingiram Dili afirmando que um bem conhecido partido político – que se sabe que Reinado detestava – lhe tinha pago $1 milhão para derrubar a liderança.

Isso pode perturbar a Austrália – que lidera a não amada Força Internacional de Estabilização, que tem estado a apurar a sua imagem com anúncios nos jornais mostrando um soldado Australiano a apertar a mão a um miúdo Timorense – que os Timorenses interpretem as queixas do dinheiro como prova poderosa de Australianos e não Timorenses, estarem a apoiar Reinado e a Srª Pires.

"Nenhuma pessoa Timorense a viver na Austrália tem uma tal quantia," afirmou o Presidente.

Quando os homens de Reinado apareceram de uniformes novos de estilo-USA em Dezembro, isso desencadeou especulações de que tinha angariado alguns apoiantes estrangeiros importantes. Ramos Horta estava hoje a exigir saber quem deu esses uniformes e The Australian consegue deitar alguma luz nisso.

Rui Lopes, que vive na fronteira Leste-Oeste de Timor, era um forte apoiante civil de Reinado. "Quer saber uma coisa? Eu comprei esses uniformes novos para Alfredo," disse Lopes. "Fui a Jacarta e arranjei-os. Foi tudo legal, passei pela alfândega com eles. Podem-se comprar abertamente nos mercados, usam-nos para jogos de paintball."

Lopes disse que os homens de Reinado não tinham armas Indonésias. Tinham as que tinham roubado dos quartéis em 2006 e as que arranjaram mais tarde num assalta a um posto da polícia da fronteira. Quando queriam munições, a polícia dava-lhes, disse Lopes.

Lopes disse que não havia grandes apoiantes – apenas pessoas como ele. "O dinheiro era apenas alguns dólares aqui e ali, de negócios em Dili – e a Igreja Católica, que o mudava dum sítio para o outro e lhe deu protecção."

A investigação ao 11 de Fevereiro parece que se tornou ligeiramente desesperada, com os investigadores a arranjarem 86 "testemunhas e suspeitos". Muitos deles parecem no melhor periféricos ao inquérito.

O bem conhecido jornalista operador de câmara Timorense, José Belo, que na semana passada filmou uma conversa telefónica a longa distância entre o amotinado em fuga, Gastão Salsinha, Mark Davis do Dateline da SBS, foi convocado para comparecer perante a equipa de investigação da ONU, hoje, como testemunha.

Ele foi questionado sobre como tinha obtido os números de telefone dos amotinados e as suas fontes. O Sr Belo – que objectou fortemente a ser questionado – recusou cooperar e disse aos investigadores da ONU para verem o programa para obterem qualquer informação que precisassem.

O que tudo isto sugere é que perderam a visão do jogo principal. Agora as coisas desviaram-se para o lado, com muitos Timorenses convencidos que os ataques do 11 de Fevereiro tiveram tudo a ver com o petróleo e gás do Timor Gap, por a Austrália não estar contente por apanhar a parte de leão que já tinha e, por isso, de certo modo a tentar executar a liderança de Timor de modo a apropriar-se à força de mais dinheiro do país em luta.

As pessoas comuns avisarão calmamente, com os olhos abertos, que esta é realmente uma batalha entre a Austrália e Indonésia v China. Os Chineses estão cada vez mais visíveis em Dili, a construirem agora um enorme palácio do governo e tornando certo que ninguém o ignora com letras encarnadas da altura dum homem dizendo a todos os que por lá passam que isso é uma oferta da República Popular da China.

China tem andado a fazer este tipo de coisas há anos, através do Pacífico dado que procura comprar o afecto dos locais aos USA. Enquanto a investigação ao 11 de Fevereiro adormece progressivamente, os locais – incluindo alguns líderes – estão inclinados a tomar o caminho de maior resistência e a culpar poderosas forças do exterior.

Espera-se que a Srª Pires seja levada ao tribunal esta semana para uma revisão da caução na base da nova informação recebida.

Nós iremos esperar, fascinados, para ver se houve realmente uma conta num banco de Darwin de um milhão de dólares, e se isso leva a águas internacionais políticas profundas: ou se isto é realmente um lago raso, envolvendo alguns egos gigantes agitando-se à volta de alguns grandes canhões.

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.