segunda-feira, março 31, 2008

UNMIT – MEDIA MONITORING - Monday, 31 March 2008

"UNMIT assumes no responsibility for the accuracy of the articles or for the accuracy of their translations. The selection of the articles and their content do not indicate support or endorsement by UNMIT express or implied whatsoever. UNMIT shall not be responsible for any consequence resulting from the publication of, or from the reliance on, such articles and translations."

National Media Reports

TVTL News Coverage

TVTL Interview with Ramos-Horta:

Q: What was your condition after you were discharged from the Private Hospital in Darwin.

A: I am not so bad. I am still wounded and my wounds are trying to heal. I have two big wound- one wound is very close to my back and it is very difficult to cover, but the doctor is always assessing this. I also feel pain in my arteries because of the bullet.

Q: After you were discharged and moved to this department, how are doctors treating you?

A: Every day, one doctor comes to visit me here, and our former doctor Rui Maria de Araujo is always with me. If I have any problems, he calls the principal surgeon in the hospital. And every week, I go to see the doctor in the hospital. Up till now I have not had any problems, so I have been staying in this department for a week. I have started walking, doing exercises and at least sleeping well.

Q: How are you feeling today? Are you ok?

A: I am still tried, in pain, and I think the wounds that came from shooting are still heavy for me. I think this is going to take a few weeks before I will be fully recuperated.

Q: What kind of activities have you done during your stay in this department?

A: I am not doing many activities, mainly resting, sleeping and watching TV through the CNN or ABC channels. Unfortunately this department does not have TVTL, but I receive information from Timor Leste and I have confidence in the Acting President and Prime Minster that they are handling the situation well. So I don’t have many concerns.

Q: Through this activities, you have indicated that you are confident you will return to Timor Leste to carry out your activities as the President of the Republic.

A: I receive a great vote of confidence from the people: I am aware that 70 percent elected me. More then 20% did not vote for me. At least I received a visit from the Fretilin MPs Geberal Fransico, Eng. Estanislau Da Silva, so I know that Fretilin are on my side to support me as the President. All political parties and all the people of Timor Leste have confidence in me to be President. I am ready to once again undertake this role once I have fully recovered.

Q: Can you please explain a little about the chronology of events on February 11, because Timorese people are still confused as to what happened?

A: Some people are aware that I do my exercised every morning. In that morning, I woke up about 5am in the morning, for about 45 minutes I did light exercises in my room because it was still dark. At 6am, I went to Cristo Rei. I was accompanied by 2 F-FDTL members. I was not accompanied by the civil security corps because I myself told them that there was no need for them to accompany me for exercising. I was walking very fast, and sometimes bicycled to Cristo Rei. I completed my exercises sometimes during 50 minutes. At the time, I arrived at Caz Bar where we heard gun shots. After walking for another 20 minutes, we again more shots. By this time we were aware that the shots were coming from my residence.

After walking about 50 metres, we met one representative from ANZ Bank from Autralia- he was also cycling and doing exercises. He told me that the ISF were having an exercise near my residence. He asked whether I was informed about it or not, but I replied to him that I had never received any information that what the ISF were doing near my house.

I became angry because if the ISF were doing exercises near my house without my knowledge, it is a bit mistake. I then continued to walk to my house. Close to my house I saw one of F-FDTL car that had fallen into a hole, so I become suspicious that something might have occurred, because I did not see ISF or any other people.

I intended to go home because I was concerned about my family, including the IDPs living there, and some street children that were staying at my house. Suddenly, one F-FDTL member said, “President, please be careful because someone is hiding there. At the moment I saw a man, that was from Alfredo’s group, in uniform and with a big gun. There was only one man around at the main gate. He then pulled his gun and pointed at me. I then turned my back and tried to run away but he then shot me. After that I fell to the ground- I reckon he ran straight away because he did not shoot at me again.

Q: How did the members of the F-FDTL who were with you react to this?

A: They ran quickly to reach me and helped me and I heard that they were yelling and swearing at the representative of the ANZ Bank, because they though he was the person who brought the President here. I told them not to retaliate at him because he did not know anything about the incident. He thought that the ISF was were there performing exercises. I was really worried about the civilians who living in my house, I then called for an Ambulance but it arrived after half an hour. I was bleeding and there was no ambulance, no UNPOL, and no ISF.

Q: Did anyone call you from your residence before the ANZ person informed you when you were still on the beach?

A: I did not receive any calls from anyone at my residence. I myself called Brigadier-General Taur Matan Ruak and informed him that there was shooting at my place. After I was wounded, I also phoned my Chief of Cabinet and told him that I was wounded. At that moment, I myself asked the members of the F-FDTL to take my phone out from my pocket. I then called my Chief of Cabinet to inform UNPOL an ISF that I was wounded.

RTL News Coverage
No RTL news.

Print Coverage

Ramos-Horta accuses UN of being slow to catch armed group: The President of the Republic, Jose Ramos-Horta, has accused the UN of acting too slowly to go after the armed group that fled after attacking him at his residence on 11 February 2008. “The Australian Forces only take action according to commands issued by the UN,” said Mr. Ramos Horta. (STL/Saturday).

75,000 veterans receive pensions: In the absence of any obstacles, the Government will begin in July 2008 to pay a pension to 75,000 veterans. This commitment by the Government was approved by the Council of Ministers last week. (STL)

Motael IDP are hesitant to return home if illegal guns are not collected: The IDPs from the Motael Church camp have voiced their doubts over returning to their suburbs, claiming that the Government has focused all its attention on capturing members of the rebel group and has forgotten about the illegal guns distributed in 2006. (STL)

51 Donors ready to support the Government: The Prime Minister, accompanied by the Minister of Finance, Ms. Emilia Pires, said that 51 donor countries have given positive signs that they will collaborate together to resolve the six priority areas identified by the Government in the National Priority Programme. “Most of the donors attending the meeting have expressed their wish to support Timor-Leste,” said Minister Pires.(TP)

Rudd defends the actions of Australian troops: Australian Prime Minister Kevin Rudd has defended the actions of Australian soldiers following the attack against President Ramos-Horta. Mr Rudd made these comments in response to the recent criticisms made by the President against the ISF for their late action in responding to the attacks made by the rebel on 11 February. (TP)

Xanana : Joint Operation Command will discuss deadline for Salsinha: The Prime Minister has said that the Government will call the Joint Operation Commander soon to discuss the deadline for the surrender of Gastao Salsinha and his group. (TP)

Donors criticise government programme: On the second day of the Timor-Leste Development Partners Meeting (28/03), donors criticised the AMP Government programme, arguing that the programs presented by Government are too ambitious. “Some donor countries have criticised the Government Programme presented during the discussion as being far too ambitious. They doubt that there can be full implementation of all these programs,” said the Minister of Foreign Affairs. (DN)

Atul Khare Congratulates AMP Government: The United Nations Special Representative of the Secretary General, Mr. Atul Khare, congratulated the AMP Government for their successful meeting with the development partners. “I encourage Donors to continue their support to Timor-Leste. I also wish the Government to continue to develop its initiatives and programmes in order to help create positive change in the lives of the East Timorese people,” said Mr. Atul Khare. (DN)

Tradução:

UNMIT – MONITORIZAÇÃO DOS MEDIA - Segunda-feira, 31 Março 2008

"A UNMIT não assume qualquer responsabilidade pela correcção dos artigos ou pela correcção das traduções. A selecção dos artigos e do seus conteúdo não indicam apoio ou endosso pela UNMIT seja de forma expressa ou implícita. A UNMIT não será responsável por qualquer consequência resultante da publicação, ou da confiança em tais artigos e traduções."

Relatos dos Media Nacionais

TVTL Cobertura de Notícias

TVTL Entrevista com Ramos-Horta:

Q: Qual é o seu estado depois de ter tido alta do Private Hospital em Darwin.

A: Não estou tão mal. Ainda estou ferido e as minhas estão em vias de sarar. Tenho duas grandes feridas – uma ferida muito perto das costas e que é muito difícil de tapar, mas o médico anda sempre a analisá-la. Tenho também dores nas artérias por causa da bala.

Q: Depois de ter tido alta e de se mudar para este departamento, como é que os médicos o tratam?

A: Todos os dias vem cá um médico ver-me, e o nosso antigo médico Rui Maria de Araújo está sempre comigo. Se eu tenho algum problema, ele liga ao cirurgião chefe do hospital. E todas as semanas, vou ver o médico no hospital. Até agora, não tive nenhum problema, e tenho estado há uma semana neste departamento. Comecei a andar, a fazer exercícios e durmo bem.

Q: Como é que se sente hoje? Está ok?

A: Ainda estou cansado, com dores e penso que as feridas ainda me pesam. Penso que vai demorar algumas semanas antes de me sentir totalmente recuperado.

Q: Que tipo de actividades tem tido durante a sua estadia neste departamento?

A: Não tenho feito muita coisa, tenho principalmente descansado, dormido e observado a TV nos canais da CNN ou ABC. Infelizmente este departamento não tem a TVTL, mas recebo informações de Timor-Leste e tenho confiança no Presidente interino e no Primeiro-Ministro que estão a gerir bem a situação. Assim não tenho muitas preocupações.

Q: Através destas actividades, tem indicado que está confiante que vai voltar para Timor-Leste para desempenhar as suas actividades de Presidente da República.

A: Recebi um grande voto de confiança do povo: sei que 70 por cento me elegeu. Mais de 20% não votou em mim. Pelo menos recebi a visita dos deputados da Fretilin Geberal Fransico, Eng. Estanislau Da Silva, assim sei que a Fretilin está do meu lado e me apoia como Presidente. Todos os partidos políticos e todo o povo de Timor-Leste têm confiança em mim para ser Presidente. Estou pronto para mais uma vez retomar o cargo logo que esteja totalmente recuperado.

Q: Pode explicar um pouco acerca da cronologia dos eventos em 11 de Fevereiro, porque o povo Timorense ainda está confuso com o que aconteceu?

A: Algumas pessoas conhecem que faço os meus exercícios todas as manhãs. Nessa manhã, acordei cerca das 5 am da manhã, durante cerca de 45 minutos fiz exercícios ligeiros no meu quarto porque ainda estava escuro. Às 6 am, fui até ao Cristo Rei. Ia acompanhado por dois membros das F-FDTL .Não ía acompanhado pelos guarda-costas civis porque eu próprio lhes disse que não havia necessidade deles me acompanharem nos meus exercícios. Costumo andar muito depressa e às vezes vou de bicicleta até ao. Às vezes completava os meus exercícios em 50 minutos. Na altura, cheguei ao Caz Bar quando ouvi disparos de armas. Depois de andar mais outros 20 minutos, ouvimos outra vez mais tiros. Por esta altura sabíamos que os tiros vinham da minha residência.

Depois de andar cerca de 50 metros, encontrámos um representante do Banco ANZ da Austrália-ele estava também a andar de bicicleta e a fazer exercícios. Ele disse-me que a ISF estava a fazer um exercício perto da minha residência. Perguntou-me se eu esta informado disso ou não, mas respondi-lhe que nunca recebi nenhuma informação acerca do que a ISF estava a fazer perto da minha casa.

Eu fiquei zangado porque se a ISF estava a fazer exercícios perto da minha casa sem o meu conhecimento, isso é um erro. Continuei então a caminhar para a minha casa. Perto da minha casa vi um dos carros das F-FDTL que tinha caído num buraco, por isso fiquei desconfiado que alguma coisa pudesse ter ocorrido, porque não vi a ISF ou qualquer outra pessoa.

Tinha a intenção de ir para casa porque estava preocupado com a minha família, incluindo os deslocados que estão lá a viver, e algumas crianças da rua que ficavam na minha casa. De repente diz-me um membro da F-FDTL, “Presidente, por favor, tenha cuidado porque está alguém escondido ali. Nesse momento vi um homem, que era do grupo do Alfredo, em uniforme e com uma grande arma. Havia apenas um homem à volta do portão da frente. Ele então pegou na arma e apontou-a a mim. Eu virei as costas e tentei correr para longe mas ele depois atingiu-me. Depois disso caí no chão – Lembro-me que ele correu imediatamente para longe porque não tornou a disparar contra mim outra vez.

Q: Como é que reagiram a isso os membros das F-FDTL que estavam consigo?

A: Eles correram rapidamente para me alcançarem e me ajudarem e ouvi-os a gritar e a praguejar contra o representante do Banco ANZ, porque eles pensaram que ele fora a pessoa que trouxera o Presidente até aqui. Disse-lhes para não retaliarem contra ele porque ele não sabia de nada acerca do incidente. Ele pensava que a ISF estava lá a fazer esses exercícios. Eu estava realmente preocupado com os civis que estavam a viver na minha casa, Depois chamei uma Ambulância mas só chegou passado meia hora. Eu estava a sangrar e não havia nem ambulância, nem UNPOL, e nem ISF.

Q: Alguém lhe ligou da sua residência antes da pessoa do ANZ a informá-lo quando estava ainda na praia?

A: Não recebi nenhuma chamada de ninguém da minha residência. Eu próprio liguei ao Brigadeiro-General Taur Matan Ruak e o informei que havia disparos na minha casa. Depois de ter sido ferido, telefonei também à Chefe do meu Gabinete disse-lhe que estava ferido. Nesse momento, eu próprio pedi aos membros das F-FDTL para tirarem o meu telemóvel da minha algibeira. Depois liguei à Chefe do meu Gabinete para ela informar a UNPOL e a ISF que eu estava ferido.

RTL Não houve Cobertura de Notícias.

Cobertura Impressa

Ramos-Horta acusa ONU de ter demorado a perseguir o grupo armado: O Presidente da República, José Ramos-Horta, acusou a ONU de ter actuado demasiadamente devagar a perseguir o grupo armado que fugiu depois de o atacar na sua residência em 11 de Fevereiro de 2008. “As Forças Australianas só actuam de acordo com os comandos emitidos pela ONU,” disse o Sr. Ramos Horta. (STL/Sábado).

75,000 veteranos recebem pensões: Na ausência de quaisquer obstáculos, o Governo começará em Julho de 2008 a pagar pensões a 75,000 veteranos. Este compromisso do Governo foi aprovado pelo Conselho de Ministros na semana passada. (STL)

Deslocados de Motael estão hesitantes em voltarem para casa se não forem recolhidas as armas ilegais: Os deslocados do campo da Igreja de Motael expressaram as suas dúvidas sobre voltarem para os seus subúrbios, afirmando que o Governo focou todas as suas atenções na captura dos membros do grupo amotinado e que se tem esquecido das armas ilegais distribuídas em 2006. (STL)

51 Dadores prontos a apoiar o Governo: O Primeiro-Ministro, acompanhado pela Ministra das Finanças, Srª Emília Pires, disse que 51 países dadores deram sinais positivos que vão colaborar juntos para resolver as seis áreas prioritárias identificadas pelo Governo no Programa de Prioridade Nacional. “A maioria dos dadores que atendem o encontro expressaram a vontade de apoiar Timor-Leste,” disse a Ministra Pires.(TP)

Rudd defende as acções das tropas Australianas: O Primeiro-Ministro Australiano Kevin Rudd defendeu as acções dos soldados Australianos depois do ataque contra o Presidente Ramos-Horta. O Sr Rudd fez estes comentários em resposta às críticas recentes feitas pelo Presidente contra a ISF pela sua demora em responder aos ataques dos amotinados em 11 de Fevereiro. (TP)

Xanana : Comando da Operação Conjunta discutirá prazo limite para Salsinha: O Primeiro-Ministro disse que o Governo chamará em breve o Comandante da Operação Conjunta para discutir a data limite para a rendição de Gastão Salsinha e do seu grupo. (TP)

Dadores criticam programa do governo: No segundo dia do Encontro dos Parceiros para o Desenvolvimento de Timor-Leste (28/03), os dadores criticaram o programa do governo da AMP, argumentando que os programas apresentados pelo Governo eram demasiadamente ambiciosos. “Alguns países dadores criticaram o Programa do Governo apresentado durante a discussão como sendo demasiado ambicioso. Duvidam que possa ter implementação total para todos esses programas,” disse o Ministro dos Negócios Estrangeiros. (DN)

Atul Khare congratula o Governo da AMP: O Representante Especial do Secretário-Geral da ONU, Sr. Atul Khare, congratulou o Governo da AMP pelo sucesso do encontro com os parceiros de desenvolvimento. “Encorajo os Dadores a continuarem com o seu apoio a Timor-Leste. Desejo também que o Governo continue a desenvolver iniciativas e parcerias de modo a ajudar a criar mudanças positivas nas vidas do povo Timorense ,” disse o Sr. Atul Khare. (DN)

1 comentário:

Margarida disse...

Tradução:
UNMIT – MONITORIZAÇÃO DOS MEDIA - Segunda-feira, 31 Março 2008
"A UNMIT não assume qualquer responsabilidade pela correcção dos artigos ou pela correcção das traduções. A selecção dos artigos e do seus conteúdo não indicam apoio ou endosso pela UNMIT seja de forma expressa ou implícita. A UNMIT não será responsável por qualquer consequência resultante da publicação, ou da confiança em tais artigos e traduções."

Relatos dos Media Nacionais

TVTL Cobertura de Notícias

TVTL Entrevista com Ramos-Horta:

Q: Qual é o seu estado depois de ter tido alta do Private Hospital em Darwin.

A: Não estou tão mal. Ainda estou ferido e as minhas estão em vias de sarar. Tenho duas grandes feridas – uma ferida muito perto das costas e que é muito difícil de tapar, mas o médico anda sempre a analisá-la. Tenho também dores nas artérias por causa da bala.

Q: Depois de ter tido alta e de se mudar para este departamento, como é que os médicos o tratam?

A: Todos os dias vem cá um médico ver-me, e o nosso antigo médico Rui Maria de Araújo está sempre comigo. Se eu tenho algum problema, ele liga ao cirurgião chefe do hospital. E todas as semanas, vou ver o médico no hospital. Até agora, não tive nenhum problema, e tenho estado há uma semana neste departamento. Comecei a andar, a fazer exercícios e durmo bem.

Q: Como é que se sente hoje? Está ok?

A: Ainda estou cansado, com dores e penso que as feridas ainda me pesam. Penso que vai demorar algumas semanas antes de me sentir totalmente recuperado.

Q: Que tipo de actividades tem tido durante a sua estadia neste departamento?

A: Não tenho feito muita coisa, tenho principalmente descansado, dormido e observado a TV nos canais da CNN ou ABC. Infelizmente este departamento não tem a TVTL, mas recebo informações de Timor-Leste e tenho confiança no Presidente interino e no Primeiro-Ministro que estão a gerir bem a situação. Assim não tenho muitas preocupações.

Q: Através destas actividades, tem indicado que está confiante que vai voltar para Timor-Leste para desempenhar as suas actividades de Presidente da República.

A: Recebi um grande voto de confiança do povo: sei que 70 por cento me elegeu. Mais de 20% não votou em mim. Pelo menos recebi a visita dos deputados da Fretilin Geberal Fransico, Eng. Estanislau Da Silva, assim sei que a Fretilin está do meu lado e me apoia como Presidente. Todos os partidos políticos e todo o povo de Timor-Leste têm confiança em mim para ser Presidente. Estou pronto para mais uma vez retomar o cargo logo que esteja totalmente recuperado.

Q: Pode explicar um pouco acerca da cronologia dos eventos em 11 de Fevereiro, porque o povo Timorense ainda está confuso com o que aconteceu?

A: Algumas pessoas conhecem que faço os meus exercícios todas as manhãs. Nessa manhã, acordei cerca das 5 am da manhã, durante cerca de 45 minutos fiz exercícios ligeiros no meu quarto porque ainda estava escuro. Às 6 am, fui até ao Cristo Rei. Ia acompanhado por dois membros das F-FDTL .Não ía acompanhado pelos guarda-costas civis porque eu próprio lhes disse que não havia necessidade deles me acompanharem nos meus exercícios. Costumo andar muito depressa e às vezes vou de bicicleta até ao. Às vezes completava os meus exercícios em 50 minutos. Na altura, cheguei ao Caz Bar quando ouvi disparos de armas. Depois de andar mais outros 20 minutos, ouvimos outra vez mais tiros. Por esta altura sabíamos que os tiros vinham da minha residência.

Depois de andar cerca de 50 metros, encontrámos um representante do Banco ANZ da Austrália-ele estava também a andar de bicicleta e a fazer exercícios. Ele disse-me que a ISF estava a fazer um exercício perto da minha residência. Perguntou-me se eu esta informado disso ou não, mas respondi-lhe que nunca recebi nenhuma informação acerca do que a ISF estava a fazer perto da minha casa.

Eu fiquei zangado porque se a ISF estava a fazer exercícios perto da minha casa sem o meu conhecimento, isso é um erro. Continuei então a caminhar para a minha casa. Perto da minha casa vi um dos carros das F-FDTL que tinha caído num buraco, por isso fiquei desconfiado que alguma coisa pudesse ter ocorrido, porque não vi a ISF ou qualquer outra pessoa.

Tinha a intenção de ir para casa porque estava preocupado com a minha família, incluindo os deslocados que estão lá a viver, e algumas crianças da rua que ficavam na minha casa. De repente diz-me um membro da F-FDTL, “Presidente, por favor, tenha cuidado porque está alguém escondido ali. Nesse momento vi um homem, que era do grupo do Alfredo, em uniforme e com uma grande arma. Havia apenas um homem à volta do portão da frente. Ele então pegou na arma e apontou-a a mim. Eu virei as costas e tentei correr para longe mas ele depois atingiu-me. Depois disso caí no chão – Lembro-me que ele correu imediatamente para longe porque não tornou a disparar contra mim outra vez.

Q: Como é que reagiram a isso os membros das F-FDTL que estavam consigo?

A: Eles correram rapidamente para me alcançarem e me ajudarem e ouvi-os a gritar e a praguejar contra o representante do Banco ANZ, porque eles pensaram que ele fora a pessoa que trouxera o Presidente até aqui. Disse-lhes para não retaliarem contra ele porque ele não sabia de nada acerca do incidente. Ele pensava que a ISF estava lá a fazer esses exercícios. Eu estava realmente preocupado com os civis que estavam a viver na minha casa, Depois chamei uma Ambulância mas só chegou passado meia hora. Eu estava a sangrar e não havia nem ambulância, nem UNPOL, e nem ISF.

Q: Alguém lhe ligou da sua residência antes da pessoa do ANZ a informá-lo quando estava ainda na praia?

A: Não recebi nenhuma chamada de ninguém da minha residência. Eu próprio liguei ao Brigadeiro-General Taur Matan Ruak e o informei que havia disparos na minha casa. Depois de ter sido ferido, telefonei também à Chefe do meu Gabinete disse-lhe que estava ferido. Nesse momento, eu próprio pedi aos membros das F-FDTL para tirarem o meu telemóvel da minha algibeira. Depois liguei à Chefe do meu Gabinete para ela informar a UNPOL e a ISF que eu estava ferido.

RTL Não houve Cobertura de Notícias.

Cobertura Impressa

Ramos-Horta acusa ONU de ter demorado a perseguir o grupo armado: O Presidente da República, José Ramos-Horta, acusou a ONU de ter actuado demasiadamente devagar a perseguir o grupo armado que fugiu depois de o atacar na sua residência em 11 de Fevereiro de 2008. “As Forças Australianas só actuam de acordo com os comandos emitidos pela ONU,” disse o Sr. Ramos Horta. (STL/Sábado).

75,000 veteranos recebem pensões: Na ausência de quaisquer obstáculos, o Governo começará em Julho de 2008 a pagar pensões a 75,000 veteranos. Este compromisso do Governo foi aprovado pelo Conselho de Ministros na semana passada. (STL)

Deslocados de Motael estão hesitantes em voltarem para casa se não forem recolhidas as armas ilegais: Os deslocados do campo da Igreja de Motael expressaram as suas dúvidas sobre voltarem para os seus subúrbios, afirmando que o Governo focou todas as suas atenções na captura dos membros do grupo amotinado e que se tem esquecido das armas ilegais distribuídas em 2006. (STL)

51 Dadores prontos a apoiar o Governo: O Primeiro-Ministro, acompanhado pela Ministra das Finanças, Srª Emília Pires, disse que 51 países dadores deram sinais positivos que vão colaborar juntos para resolver as seis áreas prioritárias identificadas pelo Governo no Programa de Prioridade Nacional. “A maioria dos dadores que atendem o encontro expressaram a vontade de apoiar Timor-Leste,” disse a Ministra Pires.(TP)

Rudd defende as acções das tropas Australianas: O Primeiro-Ministro Australiano Kevin Rudd defendeu as acções dos soldados Australianos depois do ataque contra o Presidente Ramos-Horta. O Sr Rudd fez estes comentários em resposta às críticas recentes feitas pelo Presidente contra a ISF pela sua demora em responder aos ataques dos amotinados em 11 de Fevereiro. (TP)

Xanana : Comando da Operação Conjunta discutirá prazo limite para Salsinha: O Primeiro-Ministro disse que o Governo chamará em breve o Comandante da Operação Conjunta para discutir a data limite para a rendição de Gastão Salsinha e do seu grupo. (TP)

Dadores criticam programa do governo: No segundo dia do Encontro dos Parceiros para o Desenvolvimento de Timor-Leste (28/03), os dadores criticaram o programa do governo da AMP, argumentando que os programas apresentados pelo Governo eram demasiadamente ambiciosos. “Alguns países dadores criticaram o Programa do Governo apresentado durante a discussão como sendo demasiado ambicioso. Duvidam que possa ter implementação total para todos esses programas,” disse o Ministro dos Negócios Estrangeiros. (DN)

Atul Khare congratula o Governo da AMP: O Representante Especial do Secretário-Geral da ONU, Sr. Atul Khare, congratulou o Governo da AMP pelo sucesso do encontro com os parceiros de desenvolvimento. “Encorajo os Dadores a continuarem com o seu apoio a Timor-Leste. Desejo também que o Governo continue a desenvolver iniciativas e parcerias de modo a ajudar a criar mudanças positivas nas vidas do povo Timorense ,” disse o Sr. Atul Khare. (DN)

Traduções

Todas as traduções de inglês para português (e também de francês para português) são feitas pela Margarida, que conhecemos recentemente, mas que desde sempre nos ajuda.

Obrigado pela solidariedade, Margarida!

Mensagem inicial - 16 de Maio de 2006

"Apesar de frágil, Timor-Leste é uma jovem democracia em que acreditamos. É o país que escolhemos para viver e trabalhar. Desde dia 28 de Abril muito se tem dito sobre a situação em Timor-Leste. Boatos, rumores, alertas, declarações de países estrangeiros, inocentes ou não, têm servido para transmitir um clima de conflito e insegurança que não corresponde ao que vivemos. Vamos tentar transmitir o que se passa aqui. Não o que ouvimos dizer... "
 

Malai Azul. Lives in East Timor/Dili, speaks Portuguese and English.
This is my blogchalk: Timor, Timor-Leste, East Timor, Dili, Portuguese, English, Malai Azul, politica, situação, Xanana, Ramos-Horta, Alkatiri, Conflito, Crise, ISF, GNR, UNPOL, UNMIT, ONU, UN.